Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. L’image culturelle/Imagem cultural

A presença da literatura brasileira nas bibliotecas parisienses

Lígia Fonseca Ferreira

Note de l’éditeur

Nota: Comunicação originalmente apresentada em francês.

Texte intégral

1Propusemo-nos ver como a literatura brasileira está representada nas bibliotecas municipais de Paris, através das traduções e das obras escritas em língua portuguesa. Ao mesmo tempo, pudemos perceber que o objeto de nossa pesquisa pressupõe algumas implicações tanto na formação do bibliotecário, no mecanismo da circulação destes livros até sua chegada à biblioteca, nas modalidades de promoção e difusão especialmente das obras traduzidas, bem como nos instrumentes bibliográficos de informação geral sobre o Brasil e de sua produção literária (por exemplo, as bibliografias comentadas destinadas a bibliotecários, professores ou usuários das bibliotecas).

2De um modo geral, é muito difícil indicar o número exato de títulos de que dispõe cada biblioteca, sobretudo no que diz respeito às traduções, pois a maior parte delas não estão informatizadas. Acrescente-se a isso os problemas de classificação – o reflexo mais imediato da formação do bibliotecário e de suas imagens sobre a literatura brasileira. Eis alguns exemplos: as obras em língua portuguesa, freqüentemente minoritárias (exceto no Beaubourg1, onde existem 354 títulos de autores brasileiros em língua portuguesa e 74 traduções) ora estão reunidas numa sub-seção da «literatura estrangeira», numa classificação por língua, onde se encontram as literaturas portuguesa e brasileira; ora são encontradas simplesmente na estante de «literatura hispano-americana», como é o caso da Biblioteca Mouffetard-Contrescarpe, onde coexistem livros escritos em língua portuguesa ou traduzidos, como, por exemplo, Senhora Dona do Baile e Um chapéu para viagem de Zélia Gattai, Macunaíma ou ainda as obras do português Miguel Torga. Na Biblioteca de Informação Pública do Centra Georges Pompidou, duas obras de Machado de Assis estavam classificadas como «literatura portuguesa», apesar da observação «traduzido do brasileiro» sobre a capa muito bem cuidada das edições Métailié. Estes são apenas alguns exemplos do que pode ocorrer nas bibliotecas públicas em relação às imagens sobre o Brasil, a partir daqueles velhos e reincidentes equívocos sobre a língua – no Brasil, «se habla espanol», que se repercutem, portanto, na classificação, dificultando, de uma maneira ou de outra, o acesso a estas obras.

3A maior parte das obras traduzidas, classificadas como «romance», aparecem ao lado de todas as demais obras pertencentes a este gênero, sem distinção feita entre as literaturas estrangeiras. Neste caso também, o acesso não é menos problemático (quando penso no acesso à literatura brasileira, tento levar em conta o leitor neófito, pois é sobretudo ele quem importa cativar, seduzir). Na maiora das bibliotecas, – e tomo como exemplo a Biblioteca Mouffetard-Contrescarpe por sua atividade intensa e diversificada (esta situada no coração do Quartier Latin e nas proximidades da Sorbonne e de outras escolas, o que define um público predominantemente universitário, «bem informado», com gosto já «formado» e capaz de evoluir de maneira bastante autônoma dentro do espaço de uma biblioteca) – não existe uma sub-seção «literatura brasileira» no fichário geral: as entradas são feitas por «autor» ou por pais. Neste caso, «Brasil» é apresentado sob diversos aspectos – vida política, econômica, social, guias turísticos, relatos de viagem, obras sobre a literatura brasileira, etc. – com obras em língua francesa, escritas principalmente por autores franceses. Ainda na mesma biblioteca, Macunaíma de Mario de Andrade, Um chapéu para viagem e Zélia de Zélia Gattai, e Memórias do Cárcere de Graciliano Ramos estão classificadas como «depoimentos e documentos» ou, quando da consulta ao fichário, o leitor interessado deve remeter-se ou à entrada por «autor» ou diretamente por «depoimentos e documentos» para localizar as duas obras que citamos.

4A título de exemplo em relação aos acervos, pudemos efetuar um breve levantamento na Biblioteca Faidherbe, no 11° distrito de Paris, uma das raras a apresentar um catálogo informatizado paralelamente ao fichário clássico, onde teríamos então:

5– 40 obras gerais sobre o Brasil (em francês ou em português); 2 obras sobre literatura brasileira; 0 (zero) obras em edição bilíngüe (ausentes também na maior parte das bibliotecas, apesar de existirem pelo memos duas obras de grande interesse para o público em geral); 70 obras em língua portuguesa (autores brasileiros e portugueses, mas somente 26 mantêm-se na estante, e isto desde o verão de 87, pois, sendo pouco solicitado, o restante sai apenas sob demanda expressa).

6Um outro levantamento recolhido ao acaso nos mostra que todas as bibliotecas visitadas têm, no mínimo, cerca de vinte obras de Jorge Amado, pelo menos 6 obras de Clarice Lispector e, de um modo geral, todas as obras publicadas pelas editoras Stock ou A. M. Métailié, como é o caso, por exemplo, da Crônica da Casa Assassinada. Este parecia ser o título recente mais conhecido ou de que mais se lembravam os bibliotecários, que freqüentemente aludiram não só à qualidade da apresentação estética das edições Métailié, fator de atração natural para os profissionais do ramo, mas também à publicidade que envolveu a publicação do livro, particularmente graças aos artigos nas colunas literárias da imprensa escrita em geral e especializada. Vimos, assim, um exemplo casual sem a intenção de fazer publicidade para uns ou outros. Entretanto, estes ecos recolhidos nas entrevistas com bibliotecários refletem, em particular, a importância e a articulação de uma espécie de «rede» da qual nos mesmos, presentes a esta mesa redonda, somos o exemplo: existem, evidentemente, a escolha de obras a serem traduzidas, as editoras e os tradutores com seus «ossos do ofício», que colocaríamos todos dentro do circuito interno desta rede. Mas existe o outro lado da corrente, o leitor, que nos esforçamos para transformar em consumidor, não somente no sentido comercial do termo, mas talvez, de início, num consumidor cultural, e isto pode decorrer de uma sensibilização efetuada tanto pela crítica quanto dentro do próprio ambiente de uma biblioteca enquanto espaço de descoberta. Foi, portanto, motivada por esses aspectos que nos pareceu pertinente evocar nesta mesa redonda, ainda que rapidamente, a presença da literatura brasileira nas bibliotecas parisienses, naturalmente com suas incidências na formação (e igualmente, nos dispositivos de informação) dos bibliotecários, agentes privilegiados da difusão de livros, de literaturas (no plural), por conseguinte, de imagens também. Não se deve esquecer de que na França procura-se cada vez mais unificar ações que envolvem a um só tempo bibliotecas, livrarias, editores, professores e público.

7Por uma das razões já evocadas, ou seja, a não-informatização dos serviços, e neste caso seria ainda preciso organizar um programa especial para este fim, os dados relativos aos empréstimos são bastante vagos, o que prejudica em parte nossa intenção de saber, através dos empréstimos, se as traduções de obras brasileiras poderiam ser consideradas como uma parte «viva» ou «adormecida» nas bibliotecas. Ainda de maneira empírica, consultamos na Bilioteca Mouffetard-Contrescarpe as fichas de empréstimo de algumas obras para verificar os resultados desde 1985:

  • Capitaines des Sables: 19 empréstimos

  • Gabriela: 17 empréstimos (para um só exemplar, existem 2)

  • Tocaia: 26 empréstimos

  • Boutique aux miracles: 14 empréstimos (J. Amado)

  • Esaü et Jacob: 04 empréstimos

  • L’Aliéniste: 04 empréstimos

  • Dom Casmurro: 0 empréstimos (M. Assis)

  • La Belle et la Bête: 20 empréstimos

  • La Passion selon G.H.: 16 empréstimos (C. Lispector)

  • Chronique de la maison assassinée: 10 empréstimos (L. Cardoso)

  • Macunaíma: 05 empréstimos (M. de Andrade)

  • Sergent Getúlio: 07 empréstimos

  • Vila Real: 03 empréstimos (J.V. Ribeiro)

  • Anthropophagies: 02 empréstimos (O. de Andrade)

  • Premières Histoires: 12 empréstimos (G. Rosa)

  • Maíra: 10 empréstimos (D. Ribeiro)

  • L’Opéra des Morts: 02 empréstimos (A. Dourado)

  • Reunião/Réunion: 02 empréstimos

  • Conversation extraordinaire avec une dame de ma connaissance: 09 empréstimos (C.D. de Andrade)

  • Sécheresse: 06 empréstimos

  • São Bernardo: 03 empréstimos (Graciliano Ramos)

  • La Reine du Bal: 02 empréstimos

  • Un chapeau pour voyager: 07 empréstimos (Zélia Gattai)

8Este apanhado, embora bastante incompleto e rápido, pode no entanto nos levar à constatação de que, com exeção de Jorge Amado e Clarice Lispector, todos os demais autores, e não dos menores, que pontuam este panorama da literatura brasileira traduzida na França, não são muito conhecidos (lidos) dos usuários de nossas bibliotecas e pouco mais de bibliotecários, como nos mostrou nosso questionário junto a trinta bibliotecários aproximadamente.

9Não é nosso propósito aqui, porém um estudo mais detalhado sobre os diversos aspectos da recepção da literatura brasileira traduzida na França não deixaria de ser mais do que oportuno no momento. País de múltiplas facetas, engendrando múltiplas formas de expressão literária, seria injusto considerar que o conjunto de autores brasileiros traduzidos na França – número que só tende a crescer – não é suficiente para ilustrar a riqueza e a variedade de uma literatura latino-americana das mais férteis. Gostaríamos de chamar atenção para o trabalho que esta por fazer em diversas instâncias complementares, a fim de dinamizar o conhecimento da literatura brasileira junto ao público francês, transformando a «mão única» do consumo de literatura francesa tal como ele ocorre no Brasil, numa «via» de «duas mãos», e por que não em «quatro vias», se literatura francesa e literatura brasileira forem respectivamente compreendidas pelas noções mais amplas de «francofonia» e «lusofonia», as quais reúnem quatro continentes.

CONCLUSÃO

10Quando se pretende tornar uma literatura estrangeira mais bem conhecida na França, temos em mente o fato de que esta tarefa se insere na política de promoção do livro e do livro estrangeiro em geral: este aspecto, que não poderíamos desenvolver aqui deve, no entanto, ser levado em conta tão logo se deseje ter uma visão não parcial dos problemas relativos a uma literatura em particular e, assim, chegar a conclusões e, principalmente, a medidas de ordem prática capazes de trazer resultados concretos. Um esforço para a promoção da literatura brasileira nas bibliotecas não deve, pois, ser desprezado. Como?

11Primeiramente, realizando um trabalho de informação e de sensibilização junto aos bibliotecários, através da participação em estágios de reciclagem e de instrumentos bibliográficos aperfeiçoados para a pesquisa documentai (por exemplo, uma bibliografia comentada sobre o que ilustra a literatura brasileira, ou mesmo lusofônica, na França), como utilizando-se o espaço que uma biblioteca pode proporcionar para a realização de conferências, lançamentos de livras ou exposições que englobem, ao mesmo tempo, literatura e áreas complementares. Nas nossas entrevistas, vários bibliotecários lamentaram que nenhuma operação envolvendo as bibliotecas tivesse ocorrido quando da vinda excepcional de vinte escritores brasileiros, em março último: um evento poderia ter sido previsto na Biblioteca Pública de Informação do Centra Pompidou, que tem a função de retransmissor para o conjunto das bibliotecas parisienses na formação e reciclagem dos funcionários.

12Assinalamos ainda, algumas das sugestões feitas, como a necessidade de um maior número de edições bilíngües, de obras infanto-juvenis e de contos brasileiros, os quais, na opinião dos bibliotecários, podem servir de incentivo para o leitor não familiarizado com a literatura brasileira.

13Última sugestão importante: o serviço técnico das bibliotecas parisienses desejaria poder ampliar os acervos em língua portuguesa e, eventualmente, transformar uma das bibliotecas em acervo especializado neste setor; para isso, gostariam de poder entrar em contato com organismos que possam orientar as escolhas e os trâmites para encomendas de no mínimo quinze exemplares por título, encomenda prioritária de obras de autores já traduzidas na França, como também de obras recentes e representativas da literatura brasileira ainda não traduzidas. Creio que do lado brasileiro, o Instituto Nacional do Livro (Brasil) poderia servir de interlocutor a este serviço.

14Mesmo se encontrando fora do perímetro urbano parisiense, gostaríamos de dizer algumas palavras sobre uma experiência original realizada nessa biblioteca. Em 1986, através do esforço da bibliotecária-chefe, Senhora Danset, durante um mês e meio houve um vasto programa cultural em torno das literaturas lusofônicas. A primeira motivação foi, portanto, de associar um acontecimento, ou seja, o lançamento do ano França-Brasil, à promoção de uma Literatura. Começaram comprando todas as obras traduzidas em Francês (trata-se, aliás, de uma das raras bibliotecas que possui a coleção na íntegra), o que representou um grande esforço orçamentário. Durante uma semana, organizou-se um estágio para os bibliotecários no qual colaboraram especialistas em literatura e culturas de expressões lusofônicas, bem como tradutores. Foi um estágio repleto de descobertas: descoberta, inicialmente, de novas culturas, da língua portuguesa numericamente representativa no conjunto das línguas mais faladas, descoberta de literaturas e de autores, de Guimarães Rosa e Machado de Assis até Eça de Queirós, Pires e Miguel Torga.

Auteur

Universidade Estadual de Campinas. Brasil.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540