Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. L’image culturelle/Imagem cultural

A imagem do Brasil através das traduções literárias

Jacqueline Penjon et Anne-Marie Quint

Texte intégral

1Examinamos as traduções de obras literárias na França (deixando de lado, deliberadamente, a literatura infantil e as revistas) após a Independência do Brasil, em 1822.

2Desde 1824, foram divulgadas as Poesias de Gonzaga, seguidas, em 1829, do Caramuru, de Santa Rita Durão. No primeiro caso, trata-se da obra de um poeta cujos amores contrariados por uma justiça iníqua criaram uma personagem com destino particularmente emocionante; no segundo caso, trata-se de uma epopéia que conta episódios da ocupação do Brasil, descrevendo a natureza tropical e exaltando os heróis, tanto indígenas como portugueses. A imagem do Brasil transmitida por estas duas obras integra-se, totalmente, no gosto romântico da época.

3É preciso esperar os derradeiros anos do século para reencontrar obras de literatura brasileira traduzida para o francês. Entre 1896 e 1929, tem-se a impressão de que a visão romântica do Brasil subsiste e se enriquece, graças à publicação do romance Inocência, de Taunay; das obras indianistas de Alencar, O Guarani (Le Fils du Soleil) e Iracema; do romance O Rei Negro: Romance Bárbaro (Macambira), de Coelho Neto, cujo herói é um escravo negro de dignidade exemplar; de duas obras de Afrânio Peixoto, cuja ação se desenvolve no sertão da Bahia. A tradução de Canaã, de Graça Aranha, oferece uma imagem mais complexa com o tema da imigração e o debate sobre os respectivos valores das raças. Em todos estes livros existe uma constante: a visão impressionista da natureza. As primeiras traduções de Machado de Assis, entre 1910 e 1911, destacam-se nesta paisagem: o herói carioca de Memórias Póstumas de Brás Cubas, burguês rico e fracassado, representa uma visão pessimista da sociedade, tão valida para o Brasil como para a Europa.

4No período de 1930-1970, a imagem do Brasil se diversifica, paralelamente à publicação dos trabalhos de Roger Bastide, Gilberto Feyre, Josué de Castro, e graças à ação do Partido Comunista. Cria-se na França a consciência da existência dos «contrastes» brasileiros. Na verdade, traduzem-se novamente os clássicos: O Guarani e Memórias Póstumas de Brás Cubas, e acrescentam-se a estes Dom Casmurro e Quincas Borba, de Machado de Assis, Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida e Os Sertões, de Euclydes da Cunha. Concomitantemente, o Nordeste e seus problemas econômicos e sociais entram em cena: a cultura da cana-de-açúcar e o cangaço em Menino de Engenho e Cangaceiros, de José Lins do Rêgo, a seca, em Graciliano Ramos, as lutas sem piedade pela posse da terra ou as dificuldades do humilde povo pluriracial das cidades nos romances do ciclo do cacau ou da Bahia, de Jorge Amado. Em contraponto, surge a conquista do sul em O Tempo e o Vento, de Érico Verissimo. Na década de 60 é que são publicadas as obras de Guimarães Rosa, onde o contexto rural de Minas Gerais é utilizado pelo autor para interrogar-se, em termos metafísicos, sobre a situação do homem no mundo. Para o público francês, esta obra se distingue dos romances sociais mais ou menos engajados, citados anteriormente, e destaca preocupações estéticas e filosóficas. A estética já era essencial no primeiro romance de Clarice Lispector, Perto do Coração Selvagem, publicado em 1954. Esta nova imagem literária do Brasil é de se pôr em paralelo com algumas publicações de obras poéticas de diferentes autores, devidas sobretudo ao esforço de Pierre Seghers que manda traduzir Adalgisa Neri: Vinícius de Morais, Murilo Mendes, Manuel Bandeira e Cecília Meireles. Uma Antologia da Poesia Brasileira Contemporânea é premiada pela Academia Francesa, em 1954.

5A partir dos anos 70, contam-se umas 75 obras de literatura brasileira publicadas em França, num total de aproximadamente 125 desde 1924, isto é 60%. Tais números bastam para mostrar o interesse crescente dos editores e do público por esta literatura, interesse por uma parte, decorrente do sucesso da literatura latino-americana em geral, e por outra da influência das mídias (um exemplo: a publicação de A Escrava Isaura, de Bernardo Guimarães, em 1986, coincidiu com a apresentação na televisão, da novela baseada no romance), e ainda da posição alcançada pelo Brasil entre as grandes potências econômicas. Portanto, as obras traduzidas por volta dos últimos quinze anos, exprimem a complexidade e a diversidade da literatura brasileira. A imagem que transparece, então, já não é apenas a de um mundo tropical exótico ou de um contexto terceiro-mundista marcado pelos conflitos sociais, apresentado de vez em quando com um cunho mais estético.

6Só atualmente é que o público tem acesso aos grandes escritores do início do Modernismo: Mário de Andrade com Macunaíma, em 1978, Oswald de Andrade com uma miscelânea (Anthropophagies) em 1982. Completam-se ou publicam-se as obras de grandes autores que se tornaram clássicos: Esaú e Jacó, O Alienista, de Machado de Assis; O Ateneu, de Raul Pompéia, em 1980; Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa, em 1982; São Bernardo, de Graciliano Ramos, em 1986; um romance de Lúcio Cardoso, sete de Clarice Lispector, etc. Numerosos romancistas contemporâneos têm pelo menos um livra traduzido: Ivan Ângelo, Antônio Callado, José Cândido de Carvalho, Autran Dourado, Rubem Fonseca, Osman Lins, Dyonélio Machado, Josué Montello, Raduan Nassar, Nélida Piñon, Rachel de Queirós, João Ubaldo Ribeiro, Moacyr Scliar, Márcio Souza, Antônio Torres, entre outras. É impossível definir uma imagem única a partir desta multiplicidade. As imagens se sobrepõem: a vida urbana, o êxodo rural, a violência nas relações humanas, as reivindicações de todas as ordens (das mulheres, dos oprimidos, etc.), sem esquecer o tom erótico-social dos últimos romances de Jorge Amado.

7Apesar desta profusão, as traduções não dão uma idéia exata do que é a literatura brasileira atual. Assim, o conto e a crônica, gêneros tão vivos, são pouco representados com relação ao romance: encontramos apenas Monteiro Lobato em 1970, Carlos Drummond de Andrade e Dalton Trevisan em 1985, Lygia Fagundes Telles e Edilberto Coutinho em 1986. A situação é pior para a poesia: os esforços de Pierre Seghers não têm tido continuação, não por falta de poetas no Brasil, mas sim por falta de interesse na França: só Drummond conquistou o direito a uma antologia bilíngüe, em 1973. E o que diremos do teatro? É muito pouco conhecido entre nos, com exceção de O Auto da Compadecida ou o Testamento do cão de Ariano Suassuna (Le jeu de la Miséricordieuse ou le Testament du Chien, 1970) e de A Margarida de Roberto Athayde (Madame Marguerite, 1975).

8Após este panorama, que não é evidentemente exaustivo, parecemnos necessárias algumas observações:

  • Durante longos anos, as publicações espaçadas no tempo favoreceram a formação de clichês que se sobrepunham aos que veiculavam obras não-literárias (sociologia, música, cinema, mídias, etc.).
  • É artificial pretender definir a imagem do Brasil transmitida pelas traduções literárias, na medida em que o leitor médio não tem uma visão global, mas se contenta com a imagem que lhe sugere um livra ao qual teve acesso, muitas vezes por acaso, ou, na melhor das hipóteses, um autor que lhe interessou.
  • O leitor é, às vezes, enganado pelo crítico literário ou pelo editor que projeta num livro seus próprios a priori: foi assim que se pôde apresentar em 1983 Machado de Assis como o «vovô de Jorge Amado» ou, em 1986, a heroína de Ópera dos Mortos de Autran Dourado como «uma Lady Chatterley do Nordeste», embora o romance se situe em Minas Gerais e Dona Rosalina tenha poucos pontos em comum com a Lady Chatterley.
  • No início, a escolha das obras a serem traduzidas foi visivelmente feita pelos tradutores, que assim transferiam seus gostos para o público (Garay de Monglave no século XIX, Philéas Lebesgue nos anos 30, etc.). Atualmente a escolha é sobretudo dos editores.

Bibliographie

BIBLIOGRAPHIE – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

José Martiniano de Alencar – Les fils du soleil (Les aventuriers ou Le Guarani) Trad. L. Xavier de Bicard, Paris, J. Tallandier, 1902

Iracéma suivi de Janna et Joël de Xavier Marques. Trad. Philéas Lebesgue et P. Manoel Gahisto, Paris, Gedalge, 1928

O Guarany. Trad. et adapt. Vasco de Lacerda, Paris, La Sixaine, 1947

Iracéma: légende du Céara. Trad. Inês Oseki-Dépré, Aix-en-Provence, Alinea-Unesco,

1985

Manuel António de Almeida – Mémoires d’un sergent de la milice. Trad. Paulo Ronai, Rio de Janeiro, Atlântica Edit., 1944

Jorge Amado – Bahia de tous les Saints. Trad. Pierre Hourcade et Michel Berveiller, Paris, Gallimard, 1938

Le Chevalier de l’espérance. Vie de Luís Carlos Prestes. Trad. Júlia et Georges Soria, Paris, Ed. Français Réunis, 1949

Mar morto. Trad. Noël-A. François, Paris, Nagel, 1949

Les Chemins de la faim. Trad. Violante do Canto. Paris, Ed. Français Réunis, 1951

Capitaines des sables. Trad. Vanina, Paris, Gallimard, 1952

Cacao. Trad. Jean Orecchioni, Paris, Nagel, 1955

Les pâtres de la nuit. Trad. Conrad Detrez, Paris, Stock, 1970

Gabriela, girofle et cannelle. Trad. Georges Boisvert, Paris, Stock, 1971

Dona Flor et ses deux maris. Trad. Georgette Tavares Bastos. Paris, Stock, 1972

Tereza Batista. Trad. Alice Raillard, Paris, Stock, 1974

Tieta d’Agreste ou le retour de la fille prodigue. Trad. Alice Raillard, Paris, Stock, 1979

Les Terres du bout du monde (1° Trad. : Terre Violente par Claude Plessis, Paris, Nagel, 1946) Trad. Isabel Meyrelles, Paris, Messidor, 1985

La terre aux fruits d’or (1° Trad. de Violante do Canto, Paris, Nagel, 1951) Trad. Isabel Meyrelles, Paris, Messidor, 1986

Tocaia Grande. Trad. Jean Orecchioni, Paris, Stock, 1985, etc.

Carlos Drummond de Andrade – Réunion/Reunião Ed. bil. Trad. Jean-Michel Massa. Paris, Aubier-Montaigne, 1973

Conversation extraordinaire avec une dame de ma connaissance. Trad. Inês Oseki-Dépré, M. Carelli, G. Leibrich, Paris, A.M. Métailié, 1985

Mário Raul de Morais Andrade – Macounaïma. Trad. Jacques Thiériot. Paris, Flammarion, 1979

José Oswald de Sousa Andrade – Anthropophagies – Mémoires sentimentaux de Janot Miramar ; Séraphin Grand-Pont ; Manifeste de la Poésie Bois-Brésil ; Trad. Jacques Thiériot. Paris, Flammarion, 1982

Ivan Ângelo – La fête inachevée. Trad. Marguerite Wünscher, Paris, Flammarion, 1979

Anthologie de la Poésie Brésilienne Trad. A.D. Tavares Bastos, Paris, Ed. Pierre Tisné, 1954

José Pereira da Graça Aranha – Canãa (Chanaan) Trad. Clément Gazet. Paris, Plon-Nourrit, 1910

Joaquim Maria Machado de Assis – Quelques contes. Trad. Adrien Delpech, Paris, Garnier, 1910

Mémoires posthumes de Braz Cubas. Trad. Adrien Delpech. Paris, Garnier, 1911

Dom Casmurro. Trad. Francis de Miomandre, Paris, Institut International de Coopération intellectuelle, 1936

Quincas Borba. Trad. Alain de Acevedo, Paris, Nagel, 1955

Dom Casmurro. Trad. Anne-Marie Quint, Paris, A.M. Métailié, 1983

L’Aliéniste. Trad. Maryvonne Lapouge. Paris, A.M. Métailié, 1984

Roberto Athayde – Madame Marguerite – L’Avant-Scène, Paris, 1975

Manuel Carneiro de Sousa Bandeira – Poèmes. Trad. Manuel Bandeira, Anibal Falcão, F.H. Blank-Simon, Paris, Seghers, 1960

Manuel Bandeira: étude, choix de textes et bibliographie par Michel Simon. Trad. Michel Simon, Paris, Seghers, 1965

Antônio Carlos Callado – Mon pays en croix. Trad. Conrad Detrez, Paris, Seuil, 1971

Sempreviva. Trad. Jacques Thiériot, Paris, Presses de la Renaissance, 1985

José Cândido de Carvalho – Le Colonel et le loup-garou. Trad. José Carlos Gonzales, Paris, Gallimard, 1978

Joaquim Lúcio Cardoso – Chronique de la maison assassinée. Trad. Mario Carelli. Paris, A.M. Métailié-Mazarine, 1985

Henrique Maximiano Coelho – Macambira. Trad. Ph. Lebesgue et M. Gahisto, Paris, l’Édition française illustrée, 1920

Edilberto Coutinho – Onze au Maracanan. Trad. Jacques Thiériot, Paris, Luneau-Ascot, 1986

Euclides Rodrigues Pimenta da Cunha – Les Terres de Canudos. Trad. Sareth Neu, Paris, Julliard, 1947

Waldomiro Freitas Autran Dourado – La barque des hommes. Trad. Jean-Jacques Villard, Paris, Stock, 1966

L’Opéra des morts. Trad. Jacques Thiériot, Paris, Seuil, 1986

Frei José de Santa Rita Durão – Caramuru ou La Découverte de Bahia. Trad. E. Garay de Monglave, Paris, E. Renduel, 1829

José Rubem Fonseca – Le cas Morel et Bonne et Heureuse Année, Trad. Marguerite Wünscher, Paris, Flammarion, 1979

Du grand art, Trad. Philippe Billé, Paris, Grasset & Fasquelle, 1986

Bernardo Guimarães – L’Esclave Isaura, Trad. Claude Farny, Paris, R. Laffont, 1986

Osman da Costa Lins – Avalovara, Trad. Maryvonne Lapouge, Paris, Denoël, 1975

La reine des prisons de Grèce, Trad. Maryvonne Lapouge, Paris, Gallimard, 1980

Clarice Lispector – Près du cœur sauvage, Trad. Denise & Tereza Moutonnier, Paris, Plon-Julliard, 1954 – 2e trad. Regina Helena de Oliveira Machado Paris. Ed. des Femmes, 1981

Le Bâtisseur de ruines, Trad. Violante do Canto, Paris, Gallimard, 1970

Où étais-tu pendant la nuit? Trad. Geneviève Leibrich, Paris, Ed. des Femmes, 1986 etc.

José Bento Monteiro Lobato – La vengeance de l’arbre et autres contes, Trad. Georgette Tavares Bastos, Paris, Ed. Universitaires, 1970

Dyonélio Tubino Machado – L’argent du laitier, Trad. Alice Raillard, Paris, Maurice Nadeau-Papyrus, 1982

Cecília Meireles – Poésies, Ed. bil. Trad. Gisèle Slesinger Tygel, Paris, Seghers, 1967

Murilo Monteiro Mendes – Office humain, Trad. Dominique Braya & Saudade Cortesão, Paris, Seghers, 1956

Josué de Souza Montello – Les Tribulations de Maître Severino, Trad. Florence Benoist et Isa de Ricquesen, Paris, Ed. Maritimes et d’Outre-Mer, 1981

Les Tambours Noirs, Trad. Jacques Thiériot, Monique Le Moing, Marie-Pierre Mazeas, Paris, Flammarion, 1987

Marcus Vinícius Cruz Melo de Morais – Cinq élégies, Trad. Jean-Georges Rueff, Paris, Seghers, 1953

Recette de femme et autres poèmes, Trad. Jean-Georges Rueff, Paris, Seghers, 1960

Raduan Nassar – Un verre de colère et La maison de la mémoire, Trad. Alice Raillard, Paris, Gallimard, 1985

Adalgisa Neri – Au-delà de toi, Trad. Francette Rio Branco, adapt. de Pierre Seghers, Paris, Seghers, 1952

Júlio Afrânio Peixoto – Bugrinha, Trad. Comte Maurice de Périgny, Paris, Libr. Pierre Roger, 1925

Sortilèges, Trad. Comte Maurice de Périgny, Paris, 1929

Nélida Piñon – La maison de la passion, Trad. Geneviève Leibrich, Paris, Stock, 1979

La Force du destin, Trad. Genviève Leibrich, Paris, Ed. des Femmes, 1987

Raul d’Avila Pompéia – L’Athénée: chronique d’une nostalgie, Trad. Françoise Duprat et Luis Dantas, Aix-en-Provence, Pandora, 1980

Raquel de Queiroz- Dora, Doralina, Trad. Mãrio Carelli, Paris, Stock, 1980

Jean Miguel, Trad. Mário Carelli, Paris, Stock, 1984

L’année de la grande sécheresse, Trad. Jane Lessa et Didier Voïta, Paris, Stock, 1985

Graciliano Ramos – Sécheresse, Trad. Marie-Claude Roussel, Paris, Gallimard, 1964

São Bernardo, Trad. Geneviève Leibrich, Paris, Gallimard, 1986

José Lins do Rego – L’enfant de la plantation, Trad. Jeanne Worms-Reims, Paris, Les Deux Rives, 1953

Cangaceiros, Trad. Denyse Chast, Paris, Plon, 1956

João Ubaldo Ribeiro – Sergent Getulio, Trad. Alice Raillard, Paris, Gallimard, 1978

Vila Real, Trad. Jean-Jacques Villard, Paris, Seuil, 1961

João Guimarães Rosa – Les nuits du sertão, Trad. Jean-Jacques Villard, Paris, Seuil, 1962

Diadorim, Trad. Jean-Jacques Villard, Paris, Albin Michel, 1965

Premières histoires, Trad. I. Oseki-dépré, Paris, A.M. Métaillé, 1982 etc.

Moacyr Jaime Scliar – Le Centaure dans le jardin, Trad. de Rachel Uziel et Salvatore Rotolo, Presses de la Renaissance, 1985

Le Carnaval des animaux, Trad. R. Uziel et S. Rotolo, Paris, Presses de la Renaissance, 1987

Márcio Souza – L’Empereur d’Amazonie, Trad. Béatrice de Chavagnac, Paris, Lattès, 1983

Mad Maria, Trad. Jacques Thiériot, Paris, Pierre Belfond, 1986

Ariano Vilar Suassuna – Le jeu de la miséricordieuse ou Le Testament du chien, Trad. Michel Simon Brésil, Paris, Gallimard, 1970

Alfredo d’Escragnolle Taunay – Innocencia, Trad. Olivier du Chastel, Paris, Léon Chailley, 1896

Lygia Fagundes Telles – La structure de la bulle de savon, Trad. I. Oseki-Dépré, Aix-en-Provence, Alinéa, 1986

Antônio Torres – Cette terre, Trad. Jacques Thiériot, Paris, A.M. Métailié, 1984

Dalton Trevisan – Le Vampire de Curitiba, Trad. G. Leibrich et N. Biros, Paris, A.M. Métailié, 1985

Érico Lopes Veríssimo – Le Temps et le vent, Trad. Jean-Jacques Villard, Paris, Julliard, 1985

Auteurs

«Maître de conférence» – Universidade de Paris IV.

«Maître de conférence» – Universidade de Paris III.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540