Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. L’image culturelle/Imagem cultural

Literatura Brasileira na França hoje: questões da prática da edição

Clélia Pisa

Texte intégral

1Muitos dos problemas da tradução do livro brasileiro na França não são peculiares ao Brasil. Outras literaturas estrangeiras também os conhecem. O caso brasileiro é, talvez, mais difícil.

2O interesse que esta literatura desperta aumenta. Sabem disto leitores, tradutores, consultores editorais ou agentes que costuman tratar do assunto nas editoras francesas. A recusa polida e praticamente imediata que outrora era regra quase geral, foi substituída por um interesse evidente. Na verdade, o resultado será ainda, freqüentemente, uma recusa. Contudo, permanece entre os editores o desejo de tomar conhecimento de uma literatura. Isto está, sem dúvida, ligado ao lugar maior que o Brasil ocupa na mídia francesa. Trata-se, hoje, de um país do qual se fala. É verdade que também a França abre-se mais ao estrangeiro.

3Resta saber se todo o livro pode ser traduzido em qualquer momento para uma outra língua. Não se pode dizer que tudo é possível, a todo momento. A escolha da época em que será proposta uma tradução é importante, como também conta o período no qual será publicada.

4São conhecidos os exemplos de livros essenciais de tal literatura que, traduzidos, não tiveram qualquer repercussão na França e, reeditados em seguida, foram lidos. A qualidade das traduções não é necessariamente responsável por estes diferentes comportamentos. Hã um momento para tudo. Mas não existem regras que o definam de forma indiscutível.

5Não há leis que garantam o sucesso no campo da tradução do livro estrangeiro. Esta incerteza é ao mesmo tempo o obstáculo do empreendimento e sua grandeza.

6Quantos brasileiros não ficam surpresos de saber que certos livros que acabam de ser publicados no Brasil e que obtêm sucesso não transporão, necessariamente, a barreira da tradução na França? Talvez porque eles são demasiadamente brasileiros ou, ao contrário, porque não o são. Como não existem nem certezas, nem leis no que se refere à matéria, é preciso confiar no faro dos especialistas, os quais são pessoas que vivem, ao mesmo tempo, duas culturas diferentes. Este faro, mesmo que não seja possível definí-lo com precisão, freqüentemente oferece respostas muito parecidas.

7Existem livros que um dia deverão ser traduzidos porque fazem parte do patrimônio cultural do país. Contudo, mesmo para estes livras, não é certo que a batalha de uma eventual tradução será ganha.

8Traduzir um livra brasileiro na França exige uma paciência grande. Um livra pode ser recusado por vários editores ao mesmo tempo e, passados alguns anos, ser aceito ou mesmo cobiçado por mais de um editor.

9O tempo representa, pois, um papel considerável na tradução de uma obra literária, e isto ocorre de diversas maneiras. Assim, entre o dia em que o editor francês recebe pela primeira vez um romance brasileiro de, digamos, duzentas páginas e o momento de sua publicação, o menor prazo para a decisão, a execução da tradução e a publicação da obra é de cerca de dois anos. Em geral estes prazos são mais longos.

10A decisão de publicar uma tradução é, portanto, tomada dentro de um certo contexto intelectual, político, artístico. Talvez, naquele momento, a televisão fale do Brasil de modo a lembrar o livra de alguma maneira ou estréie um filme cuja temática se aproxime dele ou ainda certos artigos de imprensa tratem de coisas que despertam o interesse pelo seu conteúdo.

11Chega a época da sua publicação. O contexto geral mudou. Não se fala mais do Brasil daquele mesmo jeito. O valor do livra permanece, mas tudo mudou em torno dele. O editor que esperava despertar o interesse da imprensa de forma natural, obriga-se a lutar para que falem de sua obra, já que a questão crucial da publicação de um livra é, com efeito, como fazer para que ele seja divulgado. É preciso que o público saiba que o livro existe.

12A proposta de traduzir uma obra começa a partir de um diálogo entre duas pessoas, onde uma quer fazer passar alguma coisa de uma cultura e de uma língua que a outra ignora. Este diálogo deve despertar o interesse mas não a desconfiança.

13É inútil procurar enganar conscientemente o interlocutor de uma editora. Isto termina sempre sendo descoberto. É necessário, portanto, dizer a verdade. Dizer a verdade não significa que não haja enganos. De mais a mais, apresentar um livro de maneira precisa e concisa é uma arte bem complexa.

14As editoras francesas não costumam receber textos estrangeiros já traduzidos. Isto surpreende os brasileiros que, muitas vezes, querem mandar traduzir seus livras para apresentá-los, então, aos editores. Contudo, não se trata somente de um procedimento pouco usual. Não se pode, também, negligenciar o perigo que significa o fato de uma tradução chegar à mesa de um editor com imperfeições. É a condenação certa e definitiva de um livro.

15Propõem livros às editoras, pessoas que desejam, posteriormente, realizar a tradução, ou agentes literários, leitores, consultores editoriais ou ainda os autores e os editores brasileiros que os enviam diretamente de seu país.

16Toda editora se apóia nos seus consultores editoriais e nos leitores, para uma posterior tomada de decisão. O número de consultores editoriais e de leitores, envolvidos neste processo, varia segundo o porte da editora. De um modo geral, os consultores editoriais estão vinculados a uma ou duas editoras, se estas não são concorrentes. Suas responsabilidades são maiores do que as dos leitores. Estes não intervêm numa tomada de decisão, encontram-se fora das editoras e podem ser chamados a dar sua opinião a vários editores ao mesmo tempo.

17Uns e outros escrevem relatórios onde se encontra resumido o conteúdo do livro, ao qual se acrescenta um comentário qualitativo. A elaboração de tais relatórios supõe um bom conhecimento da sociedade francesa onde o livro deverá ser publicado.

18Se o relatório apresentado é negativo, o processo pára aí. O livro, via de regra, é recusado. No entanto, se o relatório é positivo, o livro será lido por mais outro leitor e pelo consultor editorial, se ele ainda não o conhece. Supondo-se que todas estas opiniões sejam favoráveis, o editor tomará então sua decisão, a qual não será automáticamente positiva.

19Outras considerações pesam em sua decisão, como o custo de tradução e da impressão do livro. Estes custos variam, naturalmente, segundo o tamanho do livro. A tradução o encarece. Seu preço representa entre 50 a 60% do preço da impressão. As tiragens iniciais não ultrapassam os 3 000 exemplares. São delicados os paramêtros a serem estabelecidos.

20O editor espera sempre vender bem sua edição. Se ele deseja representar um papel cultural, ele pensa também na situação do mercado. Vender a metade da tiragem inicial de um livro traduzido do português é considerado um resultado muito favorável. Isto, freqüentemente, não ocorre.

21Ora, segundo fontes diferentes, uma editora que é grande e emprega muita gente deve vender 2 200 exemplares para cobrir suas despesas. Este número é ligeiramente inferior se ela for menor. Vê-se, portanto, que a operação não é rentável. É preciso evitar que isto ocorra de forma sistemática, para aumentar o número de obras traduzidas. Pensar em auxílios torna-se necessário. Estes podem ser de duas naturezas.

22Um auxílio à tradução permite atenuar os encargos que as editoras suportam. O governo francês oferece algumas possibilidades de ajuda, através do Centra Nacional de Letras. Estes auxílios do CNL, apesar de significativos, não podem responder a todas as solicitações feitas pelos editores, uma vez que o CNL apoia todas as literaturas estrangeiras.

23A UNESCO propõe-se também a dar este tipo de apoio. Os auxílios destinam-se aos livras que fazem parte do patrimônio cultural da humanidade segundo uma lista estabelecida por este organismo. Este tipo de apoio é antes proposto a um tradutor, o qual deve, então, encontrar o editor que publicará a obra que ele deseja traduzir. Estes dois auxílios, cujo interesse é evidente, não cobrem mais do que uma pequena parte da demanda dos editores.

24Uma fundação privada brasileira, VITAE, doou recursos à tradução de um certo número de obras brasileiras. É uma política que deve ser vigorosamente apoiada. É o que acaba de fazer o Instituto Nacional do Livro (INL) do Ministério da Cultura Brasileiro que criou um auxílio à tradução para cinco países da Europa.

25Uma vez que estas obras sejam publicadas, conseguir que sua difusão seja a maior possível é, ao mesmo tempo, um objetivo e uma necessidade. A importância da imprensa deve ser assinalada mais uma vez. É fundamental convencer os jornalistas, vencer sua resistência.

26Será preciso do mesmo modo imaginar novas formas de apoio às numerosas bibliotecas públicas que na França são um ponto de encontro entre o leitor e o livro. Informar as pessoas que delas se ocupam que tal livro foi publicado é um primeiro passo. Esta informação, ao contrário do que se pensa, não se faz automaticamente.

27Mas não é suficiente dar um título e o nome de um autor aos bibliotecários. Será necessário falar do conteúdo do livro, despertar sua atenção através de meios a serem estudados. Talvez seja necessário organizar ciclos de conferências sobre a literatura brasileira. Para isto será preciso encontrar um número suficiente de conferencistas, oferecer-lhes uma certa compensação financeira pelo esforço despendido em falar aqui e ali desta literatura.

28Hoje em dia, o problema não é mais, essencialmente, o de interessar os editores, que parecem já bem mais receptivos ao livro brasileiro. Atualmente, as questões primordiais são sobretudo de fazer saber que o livro esta traduzido, que ele existe, de despertar a atenção dos leitores. Se para isto forem encontradas boas respostas, é o contexto geral da presença do livro brasileiro na França que será modificado, já que suas vendas aumentarão e o número de editores interessados será, ele também, cada vez maior.

Auteur

Conselheiro literário

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540