Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. L’image culturelle/Imagem cultural

Reflexões sobre edição e «imagens»

Anne-Marie Metailié

Texte intégral

1Gostaria de falar sobre alguns elementos técnicos do funcionamento da edição dentro de todas essas imagens, porque me parece muito importante, e porque as condiciona. Gostaria por outro lado de comunicar-lhes, alguns números que poderão talvez servir de elementos para uma reflexão.

2A publicação de um livro é uma atividade econômica e o livro, em princípio, deve ser rentável. Falou-se do aumento importante do número das traduções feitas entre 1966 e 1987, mas isto se inscreve simplesmente no aumento da produção geral da edição, com a instauração de um sistema de distribuição e de venda que se chama «l’office»: o editor envia seus livros para uma livraria, é pago, e o livreiro pode, nos três meses seguintes, devolvê-los e ser reembolsado. Então vê-se a economia que se pode criar com sistemas de pagamentos a prazo de 90 a 120 dias. Se precisamos de dinheiro, mandamos livros ao livreiro, que nos paga. Em seguida, se ele não vender, o reembolsamos. Ficamos presos numa espiral na qual, para ter dinheiro, é preciso produzir e correr sempre para frente, mais depressa do que o reembolso.

3É um dado muito importante sobre o aumento considerável da produção de livros, na qual se inscreve o aumento do número de traduções sobre o Brasil.

4Por outro lado, um livro de literatura brasileira se vende numa faixa de 1 200 a 2 500 exemplares. Com a venda desses exemplares, não se reembolsa a tradução, não se reembolsa a fabricação. Explicaram-nos que as imagens do Brasil são mais complexas para os franceses. Mas os números de vendas dos livros mostram o contrário. Dizem: vendem-se em geral 2 500 exemplares. Jorge Amado vende bem, mas não é um verdadeiro best-seller. Em compensação, neste verão houve um verdadeiro best-seller sobre o Brasil, traduzido do inglês americano. É a saga de uma família amazonense. Chama-se La forteresse verte. Este livro agradou muito; venderam-se 40 000 exemplares. O público encontrou um estereótipo interessante, e nada da complexidade que se tenta lhe apresentar com a publicação da verdadeira literatura. E isto me parece constituir um dado importante para uma reflexão sobre as imagens do Brasil. O que digo é um tanto pessimista mas me parece que deve ser dito, pois inscreve-se no quadro de uma comercialização que é muito importante na difusão das imagens do Brasil. Existe no entanto todo um trabalho sendo feito de alguns anos para cá, a fim de mudar essas imagens, por parte dos jornalistas que divulgam verdadeiramente junto ao público o trabalho cultural que tentamos fazer, com consequências econômicas de mais ou menos porte.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540