Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. L’image culturelle/Imagem cultural

A imagem do Brasil na França através das traduções

Georges Boisvert

Texte intégral

1Para iniciar uma discussão sobre «a imagem do Brasil na França através das traduções», eis aqui algumas observações provenientes do exame de um corpus bibliográfico constituído através de duas obras: a Bibliografia franco-brasileira (1551-1957) elaborada por Georges Raeders com a colaboração de Edson Nery da Fonseca (Rio de Janeiro, 1960) e a versão preliminar do Catálogo dos autores brasileiros traduzidos na França de 1824 à 1987, realizado por Estela dos Santos Abreu (Rio de Janeiro, março de 1987).

2O corpus assim obtido certamene não é exaustivo: um recenseamento que esta sendo realizado pelo L.I.S.H. sob a égide do CNRS teria já registrado um número de títulos bem superior. Além disso, ele abrange diversas obras de autores brasileiros publicados em francês, cujas menções não explicitam se são traduções ou textos diretamente escritos em língua francesa que podem nunca ter sido editados em português. Todavia, ele engloba aproximadamente o essencial, e permite que se façam constatações que seriam provavelmente confirmadas através de um inventário mais extenso e mais preciso.

3Inicialmente, alguns números:

4– Sobre cerca de 1 200 obras em língua francesa que se referem ao Brasil, registradas por Raeders no período de 1822 a 1957, em torno de 300, isto é, a quarta parte, são traduções ou foram escritas por brasileiros.

5– Sobre um total de quase 350 obras de «autores brasileiros traduzidos na França» que Estela de Abreu recenseou no período de 1824 a 1957, 200 pertencem à literatura, ou seja, 57%. As outras referem-se às ciências naturais e à medicina, às ciências humanas e sociais, à economia, à política, às belas-artes e à religião.

6Portanto, no conjunto, as traduções e os textos assimilados representam a quarta parte das obras em francês sobre o Brasil e nesta quarta parte, mais da metade são obras literárias.

7– Ao longo de 166 anos que se estendem de 1822 a 1987, o ritmo de publicação das traduções evidentemente variou. De acordo com estas variações podem ser distinguidos quatro períodos:

  • De 1822 até a Primeira Guerra Mundial (1822-1917): 163 traduções; média anual: 1,7
  • Da Primeira Guerra Mundial à Segunda Guerra (1918-1944): 74 traduções; média anual: 2,7.
  • Da Segunda Guerra Mundial à instauração da Ditadura Militar no Brasil (1945-1964): 70 traduções; médial anual: 3,5.
  • De 1965 a 1987: 200 traduções; média anual: 8,7.

8Estes números demonstram uma aceleração no ritmo de publicação de traduções. Paralelamente, a proporção dos textos literários no conjunto das obras traduzidas aumenta de forma continua. Em geral, para cada período mencionado, ela é respectivamente de 15%, 45%, 60% e 70%. Destes dados numéricos pode-se inferir que a imagem do Brasil na França através das traduções enriqueceu-se, e diversificou-se progressivamente, ganhando em clareza e fidelidade.

9Se, por outro lado, se examinam as condições nas quais foram realizadas as traduções francesas de obras brasileiras depois da Proclamação da Independência, podem-se distinguir duas fases: a primeira abrange pouco mais de um século, de 1822 às vésperas da Segunda Guerra Mundial; a segunda corresponde aos últimos cinqüenta anos.

10Até o final do período decorrido entre as duas Guerras, a língua francesa permanece de uso correnté nas relações internacionais. Para a elite brasileira, amplamente receptiva à influência cultural da França, o francês é o instrumente privilegiado das comunicações com o estrangeiro. É a língua prioritariamente empregada pelos próprios brasileiros para difundir informações sobre seu país, seus trabalhos e suas realizações. Simultaneamente, no Brasil e na França, é pelo intermédio de pessoas pertencentes à oligarquia brasileira ou a ela ligadas que se estabelecem os contatos culturais entre os dois países. São estas pessoas que orientam seus interlocutores franceses na escolha de obras a serem traduzidas, e esta escolha obedece aos seus gostos e aos seus interesses. Como resultado de uma ação de propaganda que o Brasil desenvolve, então, em direção à Europa, visando atrair mão-de-obra e capitais, a imagem do Brasil na França através das traduções torna-se globalmente valorizante. Trata-se de convencer o público francês de que este país possui recursos imensos, que ele é um vasto espaço aberto à aventura, um país de progresso onde o trabalho e o talento conduzem à fortuna, onde além do mais, a terra ostenta os esplendores da natureza tropical. A imagem assim transmitida se harmoniza com o espírito do célebre opúsculo de Afonso Celso Porque me ufano do meu país, cuja tradução francesa, Pourquoi je m’enorgueillis de mon pays, é publicada em 1901. No que se refere à literatura, o objetivo visado é o de mostrar que no Brasil os autores sabem colocar-se à altura dos mestres franceses. Mas o público francês apreciaria sobretudo nos escritores brasileiros, na opinião do tradutor Manoel Gahisto, as descrições de paisagens, as evocações da «luta sempre ardente contra as forças esmagoras da natureza tropical», os «efeitos do pitoresco» mesclados às «emoções dos espectáculos grandiosos do deserto», a análise das «modalidades especiais da paixão nos corações dos primitivos» e as narrações dos «diversos fatos violentos que daí resultam». Natureza, luta, violência, tropical, pitoresco, grandioso, primitivo, são, pois, as palavras-chaves da represenção do Brasil sugeridas pelas traduções das obras literárias.

11Depois da Segunda Guerra Mundial torna-se mais nítida nas relações culturais franco-brasileiras uma mudança já perceptível durante os anos trinta. No Brasil, as novas camadas sociais arrebataram à oligarquia tradicional o monopólio da política e da cultura. Do lado francês, a missão universitária enviada a São Paulo antes da guerra iniciou o desenvolvimento de um novo tipo de contatos. A expansão das ligações aéreas possibilitou uma intensificação das relações. Simultaneamente, o clima internacional é pertubado pelo questionamento da supremacia e dos «valores» do Ocidente, pelo nascimento da guerra fria, pelas agitações da descolonização, pela emergência do Terceiro Mundo. Então, aos poucos, é revelada ao público francês, através das traduções que se sucedem num ritmo acelerado, toda uma face oculta do Brasil, em oposição à imagem precedente: o Brasil dos desequilíbrios econômicos e sociais, do subdesenvolvimento com seu cortejo de misérias (fome, desemprego, analfabetismo, violência), das tensões interculturais que, nem o sincretismo, nem a miscigenação conseguem reduzir completamente. A partir de 1964 e da instauração da ditadura militar, esta imagem se obscurece ainda mais, apesar dos esforços dos meios oficiais para impor os clichês do «milagre brasileiro». Certamente, traduzem-se ainda obras que, mesmo se deixam entrever o reverso do cenário, conservam a visão do paraíso tropical. Mas, doravante, a imagem do Brasil na França através das traduções é uma imagem complexa e contrastada, realmente mais fiel à realidade do que já foi no passado. Se admitirmos que o conhecimento da verdade só pode resultar em efeitos positivos na compreensão mútua dos povos, não se deve deplorar esta evolução.

Auteur

Professor na Universidade de Paris III

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540