Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. L’image culturelle/Imagem cultural

A imagem do Brasil nas artes plásticas: um espelho deformado

Roberto Pontual

Texte intégral

11. Desde muito cedo, a partir da descoberta em 1500, uma certa imagem do Brasil se foi pouco a pouco delineando e afirmando na França por intermédio dos próprios franceses. Imagem no sentido que os dicionários entendem quando uma figura ou um fato se impregnam de ideologia: representação mental de origem sensível; reprodução também mental de uma percepção ou de uma impressão anteriores, na ausência do objeto que lhes deu origem; representação coletiva de uma intituição ou de uma pessoa. Mas, igualmente, imagem na acepção física imediata: reprodução invertida que uma superfície polida dá de um objeto que nela se reflete. Porque, no último caso, é já um espelho-vale dizer, um estado outro, de segunda mão, da realidade-que se interpõe entre o mundo e a mensagem. E foi pela miríade de pequenas e grandes deformações mais ou menos inocentes, acumuladas nesse espelho, que a imagem do Brasil ganhou, em quase cinco séculos, o corpo e a alma com que hoje ela aqui se apresenta. Darei dois exemplos antigos dessa trajetória, feitos ambos de palavra e traço, de texto e de desenho, para depois concluir com um terceiro exemplo, este sim atual e estritamente plástico, onde a persistência da imagem deformada mostrará sua face mais problemática.

2O primeiro exemplo data de 1557, quando a Terra Brasilis começava apenas a perder sua virgindade de sempre sob o pé e o olhar europeus. Foi então que André Thevet, franciscano no convento de Angoulême, fez publicar as suas Singularidades da França Antártica. Por dois meses e meio, em 1555, ele estivera vivendo o início da malograda implantação francesa no Rio de Janeiro, que o cavaleiro Nicolas Durand de Villegaignon comandava por ordem do almirante Coligny. Dez semanas passadas porém à margem, pois, mal desembarcando, Thevet caiu doente para só recuperar na volta ao seu país. Evidencia-se, portanto, como esse testemunho inaugural se armou indiretamente a pesar das boa intenções do autor; indiretamente repleto dos desvios inevitáveis que os intérpretes estabelecidos na terra há algum tempo passaram aos ouvidos do francês curioso, mas combalido. Sua narrativa escrita, ela própria acompanhada de 30 gravuras em madeira de Bernard de Poiseulne, teve por fonte fundamental o «ouvir dizer».

  • 1 Fr. André Thevet. Singularidades da França Antártica, São Paulo, Companhia Editora Nacional (Brasi (...)

3E a esse «ouvir dizer» acrescentou-se um segundo degrau desviador, que a voga da época muito naturalmente reivindicava: ainda doente e incapaz de disciplinar sozinho o material colhido no Brasil, Thevet o passou, no estado de notas soltas, a seu editor, Maurice de la Porte, e a Mathurin Héret, estudante de medicina com pretensões de latinista. Héret interpretou então, sob a ótica heróica da Antiguidade, os pedaços de mundo novo que lhe chegavam de repente de tão longe e de terra tão estranha. Personagens e cenas de Homero, Virgílio e Plutarco fizeram assim uma incrível viagem no tempo e no espaço para terminarem, à força, travestidos de Índios num décor inesperado e extravagante. O primeiro parágrafo das «Singularidades» do tandem Thevet-Héret apressa--se em ecoar a Eneida: «Depois que, por dom da divina clemência, a expedição aportou em terra firme, (...) mas no termo de tão longa navegação, (...) tratou ela logo de descobrir um local apropriado para o seu estabelecimento, nesse momento, o nosso pasmo e o nosso ãnimo eram iguais aos dos troianos que arribaram à Italia»1

4O duplo desvio – na experiência (indireta) e no tom (mascarado) – estava dado e a imagem dele decorrente prodigalizaria os arquétipos exóticos com que a França, e a Europa inteira com ela, foi montando no tempo sua visão do selvagem Paraíso-Brasil. Poderia ter sido diferente, ao menos quanto aos efeitos perversos da «latinização» imposta às notas pseudo-vividas de Thevet? É quase certo que não. Pois, como bem nota Franck Lestringant, na introdução a uma edição francesa recente das Singularidades, o que Mathurin Héret fez não foi mais do que conferir estranha familiaridade a um espetáculo inaudito, sem a qual o homem culto da Renascença se perderia de vez no caminho da sua compreensão. «O distanciamento no tempo e o distanciamento no espaço definem um terrirório comum onde a cultura humanista encontra o seu próprio lugar». Era a partir do conforto de sua casa, de onde ele podia soltar seguramente os seus fantasmas, que o francês pretendia compreender a maravilha frequentemente atemorizante do outrem e da outra casa recém-descoberta.

5O livro de Thevet fez fortuna duradoura. Nele se inspiraram Ronsard e Montaigne, Diderot e Rousseau. Com a aurora igualitarista, o mito do bon sauvage teve ali sua raiz profunda, tirando dessas descrições generosas hábitos bizarros visando a apagar o abismo entre a «antropofagia» e «as boas maneiras», entre «a selvajaria e a civilização». Se tanta era a singularidade, uma comporta qualquer precisava contê-la, armazená-la e reduzi-la ao cotidiano do desde então Velho Mundo. No momento em que o cacique Cunhambeque se tomava um novo Alexandre, toda alteridade se anulava. Foi nesse jogo de antípodas, nessa batalha entre a atração e o terror da alteridade, alimentada pelo caldeirão de Thevet, que se instauraram os estereótipos da imagem que a França tem guardado do Brasil. Amálgama de natureza intacta, seres misteriosos, vida simples, sol constante, corpo liberado, ritmo franco – e, mais, exuberância e miséria, inocência e malícia, magia e danação. Singularidades de quem começou comendo, gostosamente, a carne de seu semelhante. Como deixar de se sentir superior diante dessa barbárie de berço?

  • 2 Fr. André Thevet, op. cit., p. 307 (N. do T.)
  • 3 Fr. André Thevet, po. cit., p. 307 (N. do T.)

62. Uma das gravuras de Poiseulne, feitas para ilustrar o texto de Thevet, dava conta do aí, pequeno mamífero da floresta brasileira, de movimentos lentos, comumente chamado preguiça. Na legenda, mencionava-se um «bicho que vive do vento», porque não se via o mesmo comer nem beber durante dias a fio. Foi justamente ela a escolhida para engalanar a capa da segunda edição das Singularidades, vinda à luz já em 1558. Tornou-se assim um ser emblemático da terra ainda incógnita, misto de animal e de homem, feroz e suave, estranha e familiar. A descrição de Thevet reforçava: «A cabeça assemelha-se muito à de uma criança. E a face também»2. Sua alteridade fora garantida poucas linhas antes: «Se, pois, me encarrego de descrever algumas [das coisas naturais] raras e desconhecidas, não se tome isso em outro sentido senão o de satisfazer ao leitor, amante das coisas raras e singulares, as quais a natureza não aprouve distribuir igualmente por todas as partes»3. A natureza garante as diferenças.

  • 4 Jean-Baptiste Debret. Viagem Pitoresca e Histórica do Brasil, São Paulo, Livraria Martins, 1940, p (...)

7Com Jean-Baptiste Debret – o segundo criador da imagem do Brasil na França, que quero aqui apreciar – o emblema muda de pele e de jeito, mas conserva a estranheza, o estado de insuperável dubiedade do aí. É claro que, no entretempo (Thevet publicou suas Singularidades da França Antártica em 1557, Debret lançou os três volumes de sua Viagem Pitoresca e Histórica do Brasil entre 1834 e 1839), o Brasil sofrera mudanças evidentes e profundas. A própria maneira de intitular os dois livros o comprova. No entanto, apesar do crescimento, do desenvolvimento, da maturação e da primeira autonomia administrativa, o país, aos seus olhos de pintor e nas suas palavras de documentalista, continuava envolto nos encantos feiticeiros das visões postas em circulação por Thevet. Os traços e a língua eram diferentes, maís precisos e maís objetivos, mas imagem final, elaborada a partir das pranchas ou do texto, continuava velada pelas brumas do exotismo. Já na frase de abertura da sua monumental narrativa ele falava da «vantagem de poder admirar a beleza do ambiente brasileiro, e principalmente a glória de propagar o conhecimento das belas artes entre um povo ainda na infância»4. Beleza e ignorância se acasalando e se autocompensando: eis a matriz de um estereótipo de conciliação de opostos cuja resistência tem unido a França ao Brasil século após século. Inclusive porque, se ignorância há, haverá sempre como pôr em marcha a empresa colonial, como justificar o bulldozer civilizador...

  • 5 Jean-Baptiste Debret, op. cit., p. 5. (N. do T.)

8Debret esteve no Brasil durante um período de grande importância para o país, justamente quando este – com os seus cinco milhões de habitantes, dos quais quase a metade era de escravos – deixava o jugo português para assumir o status de nação independente. Ele chegou ao Rio de Janeiro em 1816, integrando a missão artística francesa que o príncipe regente D. João encomendara para atualizar as artes da colônia prestes a virar metrópole: «Deixamos a França, nossa pátria comum, para ir estudar uma natureza inédita e imprimir, nesse mundo novo, as marcas profundas e úteis, espero-o, da presença de artistas franceses»5. Viveu no país até 1831, o bastante para testemunhar as vastas transformações políticas e sociais então em curso. Acompanhou o inteiro desenrolar do 1° Reinado brasileiro, da independência de 1822 à abdicação de D. Pedro I em 1831. E, com os seus colegas de missão, instaurou o ensino artístico local através da Academia Imperial das Belas Artes no Rio, da qual foi, nessa fase inaugural, o professor mais ativo e fertilizador.

  • 6 Jean-Baptiste Debret, op. cit., p. 23. (N. do T.)

9Ao contrario de Thevet, cuja doença impediu a experiência direta do solo e do povo, Debret observou de muito perto e de imediato tudo o que de mais importante esteve acontecendo a seu redor. Além disso, dispôs-se a percorrer o território numa série de viagens que o fizeram conhecer a vida brasileira para além dos refinamentos palacianos do Rio de Janeiro. Pôde assim constituir um corpus iconográfico magistral, a que acrescentou sempre, na obra referida, uma descrição verbal mais ou menos detalhada. Tudo o interessou ali, a começar pelos Índios, no constante exercício da sedução/repulsão implícito em qualquer ato comparativo: «O caráter do selvagem não revela nenhum traço de propensão nem para essa delicadeza do sentimento afetuoso, nem para esse luxo de amor e de paixão requintada, que, entre nos, aproxima, às vezes, a civilização da corrupção»6. E assim foi, comentando tipos, costumes, fauna, flora, paisagens e fatos históricos com uma minúcia que o faz único na história do nosso país. Esperemos que o desconhecimento quase absoluto dessa obra por parte da França seja enfim superado com a exposição Jean-Baptiste Debret – um pintor filósofo no Brasil, a inaugurar-se dentro de poucos dias no Musée-Galerie da S.E.I.T.A. em Paris.

  • 7 Jean-Baptiste Debret, op. cit., p. 13. (N. do T.)

10Uma segunda vantagem de Debret sobre Thevet, na armação de uma imagem do Brasil na França, decorreu do fato de ele ser essencialmente um artista da forma visual, e não da forma verbal – um pintor, e não um escritor. Mesmo que a sua longa e frutífera Viagem se faça de textos acompanhando cada prancha, são os desenhos destas que fixam no leitor a marca maior e mais definitiva. O esforço na precisão do detalhe, que a prática neoclássica exigia, confere a essas pranchas uma objetividade apenas ligeiramente retocada pela idealização europeizante do faciès local. Mas se o espanto de Thevet diante do desapareceu em Debret, trocado pelo pitoresco dos costumes que este enfrenta com boa dose de humor gráfico e textual, no francês do século XIX prossegue a ação do estereótipo conciliador da primeira hora, espécie de ferramenta capaz de realizar uma surpreendente mestiçagem mental. Eis como Debret conclui sua introdução «Em resumo, tudo o que o espírito humano concebeu como idéias filosóficas elevadas, admiráveis ou mesmo estranhas, encontra-se, em princípio e em germe, no índio selvagem, com sua aplicação determinada apenas pelos impulsos do instinto ou da inspiração. E, em uma palavra, o homen da natureza, com seus meios intelectuais primitivos, que eu quero mostrar em face do homen da civilização, armado com todos os recursos da ciência»7.

113. Evidentemente, em Debret como em Thevet, o olhar era de cima para baixo e a imagem dele resultante não podia evitar as deformações de quem se sentia imbuído de uma missão civilizatória. Mas era ao menos imagem, esforço por conhecer o outrem, a coisa diversa, a variedade da espécie: esforço por poder ir até o que se encontra do outro lado, disposto a tocar, a experimentar, a resolver – para o bem ou para o mal – a sedução do desconhecido. E o que hoje em dia espanta e confrange é a ausência desse esforço, tendo como consequência a diluição da imagem numa série amorfa e mesquinha de reduções ao mais elementar. Os velhos estereótipos se esgotaram por falta do alimento da curiosidade. Na área das artes plásticas, a constatação tem uma gravidade maior pelo grau que ela aponta.

12O que conhece atualmente o francês, inclusive aquele que milita na história a na crítica de arte, do que se tem produzido pelo tempo a fora no Brasil em matéria de pintura, escultura, desenho, gravura e outros setores vizinhos? Pergunte-se a ele o que ele tem na memória concernente a idéias, fatos, datas, obras, e artistas da cena brasileira, e é quase certo que o seu embaraço será enorme. A imagem, neste setor, não chega nem a ser deformada, porque simplesmente não existe, não tem elementos palpáveis com que constituir-se. O que torna mais grave a situação é saber que a França teria grande interesse em atenuar esse seu desconhecimento, na medida em que ela foi frequentemente polo de atração e força dinamizadora da criação plástica brasileira. Está na hora, portanto, de reabrir a fábrica da imagem, de não temer o encontro com os aís de nossa época, de encará-lo e decifrá-lo. Talvez a exposição Modernidade-Arte Brasileira do Século XX, se abrindo dentro em breve no Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, seja a ocasião perfeita dos olhos fechados.

Notes

1 Fr. André Thevet. Singularidades da França Antártica, São Paulo, Companhia Editora Nacional (Brasiliana, V.219),. 1944, p. 152. (N.do T.)

2 Fr. André Thevet, op. cit., p. 307 (N. do T.)

3 Fr. André Thevet, po. cit., p. 307 (N. do T.)

4 Jean-Baptiste Debret. Viagem Pitoresca e Histórica do Brasil, São Paulo, Livraria Martins, 1940, p. 5 (N. do T.)

5 Jean-Baptiste Debret, op. cit., p. 5. (N. do T.)

6 Jean-Baptiste Debret, op. cit., p. 23. (N. do T.)

7 Jean-Baptiste Debret, op. cit., p. 13. (N. do T.)

Auteur

Historiador, critico de arte.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540