Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. L’image culturelle/Imagem cultural

Intelectuais, cultura de massa e cultura popular

Michèle Mattelart

Texte intégral

1Acabo de publicar um livro em co-autoria, intitulado O carnaval de imagens, que concerne, precisamente, a produção de televisão no Brasil e que se insere no debate que se realizou no âmbito da classe intelectual brasileira sobre este problema. Com efeito, se existe hoje uma questão interessante para um pesquisador em Ciências Sociais, é justamente a questão crucial des contradições ou, pelo menos, das tensões entre cultura de massa e cultura popular.

2Uma cultura de massa que atualmente, nesta fase avançada da era da industrialização cultural, esta cada vez mais submetida às leis da racionalidade econômica. Ocorre que, desde algum tempo, os intelectuais brasileiros estão alertas a esta questão. Por quê? Bem, eu diria que isto se deve ao fato de a televisão brasileira ser uma máquina de produção comercial extremamente poderosa, onde o «savoir-faire» (a modelização e o «marketing» presentes em cada etapa do processo de fabricação) nada fica a dever às indústrias culturais mais competitivas do mercado internacional. Ora, esta televisão, e particularmente a TV Globo, explora («exploite/explore» – é preciso observar a equivalência destes dois termos na Língua Portuguesa) os mitos veiculados pela literatura «popular», por exemplo, a literatura de cordel ou de algumas histórias, como as de Jorge Amado.

3Com esta vontade que tenho de resumir ao máximo minha exposição, não poderia deixar de lembrar aqui, evidentemente, algumas das grandes temáticas do debate e, se vocês concordarem, relacionar com o que foi dito por Sylvie Pierre.

4Lembraria do furor de que era tomado um cineasta como Glauber Rocha, uma dos maiores figuras do Cinema Novo, quando fustigava alguns dos representantes desta classe intelectual brasileira que se comprometeram, em sua opinão, com a rede de televisão Globo. Ele falava justamente de alguma coisa que o pesquisador em comunicação de massa questiona muito atualmente. Falava dessas novas formas de cultura televisual como novas formas de populismo comercial e as criticava porque, segundo ele, estas novas formas de cultura simplifica vam demasiadamente o povo e, dizia: o povo podia estar faminto, podia ser pobre, mas jamais seria simplório. Reivindicava portanto a complexidade do povo.

5Com efeito, é muito interessante para um pesquisador em Ciências Sociais, aqui em França, questionar estas contradições fundamentais que aparecem no âmago da classe intelectual brasileira, contrapondo notadamente o Cinema Novo à televisão, opondo-os como duas estéticas diferentes, duas ideologias diferentes. É muito interessante observar quais são os pontos de discordância ou os de concordância, como certos intelectuais justificam este seu comprometimento, este seu engajamento na criação de produtos hoje identificados como «populares» porque são consumidos por um vasto público. Daí deve surgir um debate questionando o novo significado adquirido pela palavra «popular» e avaliando a distância que a separa, hoje, do significado que ela tinha por ocasião dos movimentos culturais da década de 60 no Brasil, por exemplo.

6Por sua vez, também nos anos 60, mais precisamente em 1965, o Italiano Umberto Eco criou uma expressão que tem permanecido útil: «Apocalípticos» e «Integrados». Em torno destes dois polos, ele definia a atitude dos intelectuais face à cultura de massa. «Integrados», aqueles que viam, na multiplicação dos bens de cultura de massa, um processo de democratização da cultura. «Apocalípticos», aqueles que, em nome da defesa da idéia da cultura que tinha prevalecido antes do desafio imposto por sua industrialização, denunciavam a queda da mercadoria na vulgaridade.

7Nos dias atuais, os intelectuais brasileiros participam desse debate, em função das circunstâncias que lhe são impostas pela televisão. Um debate sobre o qual não deixam de pesar as implicações pertinentes à história das lutas sociais e culturais evocadas pela palavra «popular».

Auteur

Pesquisador.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540