Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. La transmission de l’image du Brésil dans le système éducatif/A transmissão da imagem do Brasil no sistema educativo francês

Relatório de Síntese

J. Penjon et A.M. Quint

Texte intégral

1As comunicações da manhã da Sexta-Feira constituíam o segundo capítulo da parte intitulada «A construção da imagem do Brasil na herança cultural francesa», e deviam procurar analisar «a transmissão das imagens do Brasil no sistema educativo», tendo de ser completado esse panorama por duas comunições «recíprocas», que estudariam a transmissão das imagens da França no sistema educativo brasileiro.

2O Prof. Chonchol abre a sessão lembrando a riqueza e variedade das relações entre o Brasil e a França no decorrer da história. Logo, o Sr. Garrigue pondera a importância do ensino no processo de construção de imagens recíprocas. Na escola, com efeito, é que se devem substituir as imagens heterogêneas por uma representação global e progressiva. Mas a distância é grande entre a intenção e a realização. E é preciso não deixar nunca de ir expulsando os esteréotipos que se introduzem nos manuais escolares, e aliás vão sendo substituídos por outros conforme evoluem os conhecimentos. Daí a necessidade de voltar a equilibrar os manuais, de não se limitar a transmitir aos alunos um saber aparentemente objetivo porque baseado em dados apenas geográficos ou econômicos, mas também de deixar um lugar à cultura, à arte, aos modos de vida, a tudo o que permite à civilização de um país tão diferente da França como o Brasil, afirmar-se com a originalidade própria, com a promessa de «uma América para amanhã».

3Num documento filmado «Imagens do Brasil» realizado pelo C.N.D.P., tomam a palavra jovens de várias idades. Para os alunos de colégios (11-15 anos), o sonho e os «clichês» surgem de imediato. Para os que conheceram diretamente o país, as coisas mudam: vemos o entusiasmo do jovem que ganhou o prêmio do concurso organizado em 1987, para quem a família brasileira que o acolheu no Rio se tornou uma segunda família; a paixão de um tocador de violão que adora a música de Baden Powell; a surpresa de uma professora primária que descobriu no Sul, um Brasil em que clima e agricultura são muito parecidos com os da Europa: as impressões espontâneas dão conta da diversidade das imagens.

4Porém, a pesquisa realizada entre alunos de colégios e liceus por uma equipe de professores do ensino secundário, apresentado pela Sra. Cécile Tricoire e o Sr. Ahmed Silem, prova que um certo número de estereótipos ficam vigentes nas respostas espontâneas dos adolescentes de 11 a 18 anos. Para resumir duas imagens do Brasil nascem a partir das palavras utilizadas com mais freqüência para evocar o país, e a partir dos seus respectivos campos semânticos: de um lado, a do ludismo (o Brasil do Carnaval, do Sol, da festa), de outro, a dos problemas socio-econômicos (a miséria, a fome, o sub-desenvolvimento, a dívida). Deve-se notar que algumas respostas deixam ver uma consciência lúcida da influência das mídias na formação de tais imagens. Percebe-se um caráter marcadamente emocional e afetivo nesta dupla visão do Brasil entre os jovens: ela parece corresponder a uma necessidade de mitos.

5As comunicações seguintes analisam o modo de apresentar o Brasil nos manuais escolares que devem em teoria ordenar os conhecimentos geralmente fragmentários e esparsos das crianças, dar-lhes uma base coerente, pelo menos contanto que os programas oficiais reservem um espaço ao Brasil.

6O Prof. Théry verifica uma evolução que tende a uma presença maior do Brasil nos manuais de geografia, o que se opõe a uma ausência quase total nos manuais de história; isso porque o Brasil aparece explicitamente nos programas de segundo ano de colégio e último ano de liceu. A imagem do Brasil vem-se modificando nitidamente nos últimos 10 anos: o texto, os mapas cada vez mais numerosos e precisos, as ilustrações, fotos sobretudo, tratam de oferecer a imagem de um grande país com possibilidades imensas e lutas pela posse da terra. Os contrastes são muitas vezes demasiado acentuados. Parece que as idéias que foram, no início, intuições orientando as pesquisas do cientista, se transformam facilmente nos manuais em verdades definitivas. Daí a necessidade de restabelecer uma visão mais equilibrada e de conseguir uma apresentação mais matizada.

7Nos manuais de francês, examinados por Joëlle Chassin e Anita Pires Sabóia para os colégios, e por Jean-Marc Civardi para os liceus, verifica-se que os textos escolhidos em traduções de escritores brasileiros são muito poucos; tem menos ainda nos manuais de liceus do que nos de colégios. Os escritores franceses que falam do Brasil são um pouco mais numerosos, mas o que chama a atenção é que se destaca outra vez uma dupla visão nos assuntos tratados: o Brasil, pais da aventura, do sonho e da viagem iniciática por excelência; e o Brasil, país do Terceiro Mundo, com seus problemas de fome, pobreza, desigualdades sociais. Quando se evoca a modernidade, é para insistir nos aspectos negativos, como o avesso do Terceiro-Mundismo. Esses traços aparecem sobretudo nos manuais de colégios, jã que os de liceus revelam particular escassez no que diz respeito a textos escritos por brasileiros ou sobre o Brasil.

8É óbvio que os manuais de português, analisados pelas Sras. Bouvier-Lacroix e Emery, dão um lugar importante ao Brasil. Mas talvez não apareça bem clara a distinção, de um lado, entre os manuais escolares, em que se manifesta uma vontade clara de informar os alunos tão completamente quanto possível sobre todos os países em que se fala português, por meio de textos literários ou documentais, de fotografias ou mapas, de temas e assuntos variados; e de outro lado, entre os métodos de aprendizagem da língua portuguesa, que são às vezes muito menos escrupulosos quanto ao risco de propagar estereótipos, por se dirigirem com fins comerciais cuidadosamente definidos a um público preciso.

9Poderíamos ficar admirados e até satisfeitos por ver aparecer o Brasil nos manuais de espanhol, como o nota a Sra. Emery, se não reparássemos que tal fato tem por conseqüência a assimilação ainda demasiado freqüente do Brasil com os países americanos de língua espanhola. Portanto, seria útil evitar tal confusão.

10Esse panorama das imagens do Brasil difundidas entre os jovens e nos manuais de que eles dispõem em França foi felizmente completado por uma visão recíproca, graças à pesquisa (simétrica da que tinha organizado a Sra. Tricoire) apresentada pela Sra. Marques Galvão de Queiroz Castilho sobre a imagem da França que surge entre jovens brasileiros do ensino público secundário. É interessante notar no caso até que ponto os «clichês» se mantêm vivos, e quanto perdura a visão da França, país de mulheres bonitas, comida fina e bebida boa, com Paris, capital do luxo e da moda, cuja Torre Eiffel sugeriu desenhos engraçados e inesperados. Também neste caso, as imagens refletem evidente influência das que transmitem os meios de comunicação, especialmente a televisão.

11Quanto aos manuais escolares brasileiros, a análise apresentada pelo Prof. Pereira de Carvalho e Silva deixa bem patente que esses dão da França uma multidão de imagens que se contrariam, confirmam, emendam, completam. Não se pode fazer uma história da literatura brasileira sem ponderar o polo atractivo que foi a França do século XIX e do século XX até 1930. Em história, evocam-se os corsários franceses, os filósofos, a revolução de 1789. Mas nos manuais de geografia, a França é apenas uma parte da Europa. Os manuais de português quase não contêm textos traduzidos. E os manuais de francês propõem imagens muito variáveis segundo o nível de estudos, sendo evidentemente mais ricos os que se destinam aos estudantes das Universidades.

12Depois da sessão da manhã, pode-se concluir que o interesse dos jovens franceses pelo Brasil e dos jovens brasileiros pela França é grande e muito afetivo. De uma maneira recíproca, o Brasil e a França são países de sonho, em que o imaginário adquire a sua maior potência: ao Carnaval, ao sol, ao café, ao futebol correspondem Napoleão de bandeira em punho, e a Torre Eiffel rodeada de «boutiques» de modas e de bailarinas de cancan. Em ambos os casos, imensas lacunas aparecem no que se sabe do outro país. São essas lacunas que deveriam preencher os manuais escolares. Só em parte cumprem tal função, e com orientações bem diferentes: em França, é durante as aulas de geografia que os alunos tem a oportunidade episódica de granjear um máximo de informações; no Brasil, durante as aulas de história e literatura. Em ambos países, uma melhor difusão do ensino da língua do outro poderia modificar notavelmente tal situação. Mas enquanto o português continua sendo uma língua pouco estudada no ensino secundário francês, o francês perdeu sua posição privilegiada no ensino secundário público brasileiro. É útil fazer essas observações, embora não sejam agradáveis. Parece indispensável publicar in extenso as pesquisas recíprocas realizadas entre os alunos, tão ricas de informações. E é preciso que todos os participantes desta «mesa redonda» tomem consciência da necessidade de obrar para que os manuais escolares ofereçam imagens atuais cada vez mais variadas de nossos países, abrindo-se largamente para todos os domínios culturais.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540