Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. La transmission de l’image du Brésil dans le système éducatif/A transmissão da imagem do Brasil no sistema educativo francês

A imagem da França nos manuais escolares brasileiros

Carlos Pereira de Carvalho e Silva

Note de l’éditeur

Os desenhos feitos, por outra parte, por alunos brasileiros que participaram no inquérito sobre a imagem da França no Brasil, feito, em 1987, em meio escolar (dos quais alguns foram inseridos nesta publicação) confirmam perfeitamente esta análise (nota dos coordonadores).

Texte intégral

1É impossível falar sobre a imagem da França nos livros didáticos brasileiros, sem nos reportarmos à própria história da Educação no Brasil e à influência da cultura francesa. Por isso, dividimos nossa communicação nos seguintes itens:

2I– Presença da cultura francesa na cotidiano do povo brasileiro – uma constatação do enraizamento da cultura francesa na vida do brasileiro, através da simples descrição de objetos e situações nomeados por palavras francesas.

3II– Situação histórica das influências francesas na cultura brasileira e na História da Educação no Brasil– análise dos principais momentos da Educação Brasileira da Colônia aos nossos dias e sua relação com a influência cultural francesa.

4III– Resultado da análise da imagem da França no livro didático brasileiro– como a França é apresentada aos estudantes de 1° e 2° graus no Brasil.

5IV – Conclusões– subsídios para o Intercâmbio França-Brasil.

Presença da cultura francesa no cotidiano do povo brasileiro

6Se viajarmos pelo Brasil, especialmente pelas regiões nordeste e sudeste (Maranhão, Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo e Rio de Janeiro), procurando um hotel, encontraremos alguns que se propõem simples mas de bom gosto, chamados Deville, Carré, Village ou Chez nous. Se precisarmos de um restaurante, veremos que aqueles que se pretendem finos, se chamam La Bohème, Le Coin, Le Bistro, Île de France. Mas, em qualquer capital brasileira, pode-se escolher, no menu, um Tournedos Chateaubriand, um Filé de peixe à La Belle Meunière, um Filé ao molho de champignons ou Aux Herbes de Provence. Mesmo que a escrita em francês esteja errada, as palavras buscam o som semelhante ao da língua francesa. As boates se chaman Tom Marrom, Bateau Mouche, Chat Noir ou Papillon, onde o serviço pode ser à française e maître e garçons, gentis.

7Em São Paulo ou Rio pode-se tomar o metrô para ir a um cinema, assistir a um filme de Godard, Louis Malle ou Truffaut. Yves Montand e Brigitte Bardot, são sempre conhecidos pelo público.

8Se observarmos, igualmente, a rotina diária do brasileiro comum, veremos que ele sai cedo e compra um pão francês. Ou vai ao botequim da esquina e pede um «queijo quente na França». Se sua região é fria, ele pode estar usando um cachecol. Muitos compram seu jornal que atualmente, fala muito em Le Pen, Chirac e Mitterrand. Durante o dia há sempre que ir ao banco pagar algum carnê. E quando duvida de alguma coisa, o brasileiro leva o dedo indicador debaixo e no canto de um dos olhos, puxando a pele para baixo, dizendo «aqui, ó», o mesmo gesto com que um francês diria «mon œil».

9Nas casas, encontramos sempre um abajur e um cachepô. Nas mais tradicionais pode-se ver o canapé, o psyché, o étagère, o buffet, o console, o espelho bisoté. Nas regiões frias elas possuem chaminé e, muitas vezes, são cobertas de telhas francesas.

10Mesmo nas casas mais simples, à mesa poder-se ter uns croquetes e o purê de batatas. Nas mais sofisticadas, suflês, fricassês, mousses e pavés.

11Pelas cidades vemos muitas butiques e ateliers de arte; se necessário, compra-se um suvenir e, en passant, descobre-se as lojas mais chics. As mulheres usam saias godês, leves plissés, soutiens e peignoir. No desenho é solicitado um croquis e existem maquetes por toda parte. Quem gosta de perfumes e pode comprá-los, procura Dior ou Courrèges. Para produtos de beleza, Dr. Payot ou Lancõme. E se o interesse é moda, recorre-se às revistas Manequim e Vogue e busca-se a orientação de Pierre Cardin.

12De alguma forma, ouviu-se falar em Jules Verne, Napoléon, Charles de Gaulle, e Jacques Cousteau. Nas novelas da TV, às vezes os personagens vão a Paris, a cidade da Torre Eiffel, do Arco do Triunfo e do Cancan e do amor livre. Muitas ruas, no Brasil, têm nomes dos franceses das artes e da história, principalmente daqueles que estão ligados à história do Brasil.

13No entanto, tudo isso e muito mais, que sempre esteve tão evidente no dia a dia do Brasileiro, nos últimos 20 anos, tem passado completamente desapercebido da população. O jovem de hoje se espanta quando fica sabendo que, no seu vocabulário, ele usa palavras francesas. Desapareceu a consciência dessa presença, agora integrada na cultura, como se fosse nossa.

14Nos últimos tempos, com maior divulgação dos esportes pela televisão, pessoas como Platini e Alain Prost reintroduziram um país chamado França, no Brasil popular. Mais recentemente, 86 e 87, por causa de intercâmbio França-Brasil, pelo menos em cidades como Rio e São Paulo, nota-se que empresas e instituições francesas estão promovendo eventos no teatro, na dança, no cinema, na televisão e no radio. Os jornais brasileiros também passaram a noticiar um pouco mais da vida política e dos últimos acon tecimentos franceses. Na TV, novas publicidades nos remetem à França.

15Para a população brasileira como um todo, é como se só agora começassem a se estreitar as relações entre os dois países. Dependendo da idade da pessoa (acima de 30 anos) e de seu nível de escolaridade, suas informações sobre a França e seu conhecimento da língua francesa são muito maiores. Já, para aqueles pertecentes a uma elite social e intelectual, por mais que o Brasil tenha se afastado de uma francofilia, faz parte de sua respiração o ar da cultura francesa. Mas a grande maioria da população brasileira é constituída de jovens que, hoje, em sua quase totalidade, perderam o contato com outras culturas, além da americana. Esta, sim, é visível por toda parte, nos costumes, no sistema escolar, na moda popular, na alimentação rápida e barata, no cinema, nos enlatados de TV, na facilitação do turismo, no mundo da música – do pior do rock ao mais excelente do jazz.

16Esta mudança cultural começou a acontecer depois do final da segunda guerra, quando a hegemonia francesa entrou em declínio e os EEUU iniciaram sua ascensão.

Situação histórica das influências francesas na cultura brasileira e na educação no brasil

17O Brasil surgiu na face da terra como novidade, num momento de expansão e de conquistas do Velho Mundo. Era atraente como desafio e novas possibilidades de vida para vários povos, apesar de serem portugueses e espanhóis os herdeiros de todas as terras descobertas, legitimados pelo Vaticano. As costas brasileiras foram sempre visitadas por curiosos, cientistas, historiadores e aventureiros, franceses, holandeses, ingleses e alemães, entre outros, antes e depois do 1500 de Cabral; muitas vezes eles tentaram, aí, estabelecer redutos. Jovens franceses aí chegavam para ficar; aprendiam as línguas indígenas e serviam de intérpretes a seus compatriotas que passavam.

18Apesar da imensidão de seu território, das diferenças regionais, das peculiaridades da colonização de cada região e das diversas influências estrangeiras, podemos dizer que o Brasil é marcado por uma visão francesa de mundo. Mesmo sabendo que, hoje, a imagem da França no Brasil é muitas vezes mais tênue do que em outros tempos, no que diz respeito à formação cultural, a influência francesa foi definitiva: seja através das relações diretas Brasil-França, seja através da própria colonização dos portugueses, para os quais a França tinha sido sempre modelo cultural.

19Desde o início da colonização brasileira, tudo o que dizia respeito ao ensino foi feito por religiosos, jesuítas ou padres de outras ordens e até seculares, vindos de Portugal mas também de outros lugares da Europa. No entanto, fosse de onde viessem, além do latim, a outra língua, na qual liam, era o francês. Sem dúvida alguma, a França manteve seu papel de berço da intelectualidade e do desenvolvimento cultural, assim reconhecida pelo resto da Europa até os anos 50 do nosso século.

Bibliotecas com 60% de livras franceses

20Um fato importante do reconhecimento da hegemonia cultural francesa para os povos em geral, são as bibliotecas que foram se formando por todo o Brasil, inicialmente nos conventos e colégios religiosos, depois, as do Estado e das Universidades. Além das portuguesas, as congregações religiosas masculinas instaladas no Brasil, originárias da Alemanha, da Espanha, da Holanda e de outros países, possuíam em seu acervo mais de 60 % de livros franceses (originais ou traduções de outras línguas). Ainda no 2° Império, quando houve a renovação religiosa de 1870, os religiosos franceses entraram mais maciçamente no Brasil: todos os livros de formação e devoção eram em francês. Da mesma forma, os livros didáticos usados no Brasil, eram quase todos franceses. Como uma continuidade, as bibliotecas das Escolas Superiores seguiram o mesmo ritmo, fosse no norte, sul, leste ou oeste do país. Ainda hoje podemos dizer que nas grandes bibliotecas brasileiras, particulares ou públicas, por volta de 50% dos livros é de origem francesa.

21Antes da elevação do Brasil a Reino Unido a Portugal e Algarves – com a transferência da sede do Reino para o Rio de Janeiro, em 1808, por causa das invasões napoleónicas – a educação por todo o país estava voltada para as Ciêncas Humanas e as Letras Clássicas. Havia o ensino religioso (a maior parte a cargo dos jesuítas) e o oficial e inúmeros mestres-escola espalhados por todas as regiões. Cada mestre-escola orientava o ensino, segundo sua própria bagagem cultural. Era possível encontrar-se numa pequena cidade da Bahia, de Pernambuco ou de Minas, o estudo do latim, do francês, da filosofia e até mesmo do grego.

22De acordo com a tese da Prof. Nerilda Gomes (RJ), apesar dos jesuítas estudarem em francês, eles não ministravam essa língua a seus alunos, com o propósito de garantir e consolidar o domínio português. Ao contrário, com a expulsão dos jesuítas do território, de 1759 a 1814, o país foi aberto para as línguas estrangeiras, especialmente o francês, incentivado pelo Marquês de Pombal. Os jesuítas que vieram para o Brasil, depois de 1814, eram italianos, franceses e espanhóis. Durante todo o sécuro XVII, todas as manifestações e insurreições contra o governo português, no Brasil de norte a sul, eram consideradas influenciadas pela «idéias francesas».

23Desde 1834, o ensino primário e secundário, antes a cargo de administrações isoladas das comarcas, passou a cargo da província que não tinha muitas condições de organizá-los e fiscalizá-los. As faculdades não reconheciam o ensino oficial, dando maior importância às escolas particulares religiosas ou leigas. Houve então uma proliferação de colégios secundários, em busca de qualidade, entre 1840 e 1890.

As primeiras escolas

24O ensino femino, no Brasil, teve início com a vinda de um grande número de franceses a partir de 1815, depois que Portugal reatou relações com a França. Eles chegaram atraídos pela Corte e pelo Rio de Janeiro. Alguns se dirigiam a Pernambuco, Maranhão e Bahia. No segundo decênio de 1820 havia no Brasil entre 2000 e 3000 Franceses. Entre eles estavam os da missão artística de 1816, convivados por D. João VI para a fundação de uma Academia de Belas Artes (entre eles Joachim Lebreton, os pintores Nicolas-Antoine Taunay e Jean-Baptiste Debret, os escultores Auguste Taunay, Marc e Zéphirin Ferrez, o arquiteto Grandjean de Montigny, o gravador Simon Pradier e o engenheiro Pierre Dillon e muitos artesãos). As mulheres que vieram, por essa ocasião, estavam sozinhas ou eram chefes de família. No Brasil elas se tornaram modistas, mercadoras de modas, professoras de língua e música. Algumas eram professoras particulares, mas também (até aquela época, as mulheres se limitavam a uma educação doméstica de 1er, escrever e contar..

25Ao final do séc.XIX, o Barão do Rio Branco, desejando que as mulheres dos embaixadores brasileiros tivessem uma educação de alto nível, facilitou a entrada no Brasil de várias congregações de freiras. Estas religiosas, especialmente as de origem francesa, iniciaram a educação de verdadeira casta da sociedade. Em várias destas escolas, obviamente, com exceção do português, todas as matérias eram dadas em francês. Os livros didáticcos vinham todos da França.

26A lei Capanema, em fins da década de 30, proibiu que as escolas ensinassem todas as matérias em francês mas elas continuaram a ter língua francesa, desde o 1° ano primário, bem como as orações e algumas atividades que eram feitas em francês (festas, teatros, palestras, etc.), aos poucos estas congregações foram abandonando os valores importados e acabaram laicizando suas escolas. A maioria delas, hoje, está só nas mãos dos leigos e, em muitas, nem mesmo o ensino de língua francesa consta do currículo.

A influência no ensino superior

27Os livros didáticos franceses foram também usados nas primeiras escolas superioras do Brasil, até a década de 30. (Os livros de medicina, por exemplo). Apesar das primeiras escolas de medicina serem, no início, de orientação portuguesa, em pouco tempo os formandos se ligaram à França, para onde muitos iam continuar seus estudos. De lá traziam toda a orientação e muitas publicações para o Brasil. É só a partir de 1940 que a influência americana se faz sentir.

28As escolas de direito, sempre muito ligadas à orientação humanista das escolas de filosofia e letras clássicas, estiveram sob a influência francesa até por volta de 1950.

29Os estudiosos de filosofia chevagam, às vezes, a escrever seus trabalhos em francês diretamente.

30Isto ocorreu também na literatura.

31O positivismo dominou totalmente a intelectualidade do Brasil a partir de meados do sec. XIX. Desde 1850, as teses brasileiras eram, em geral, apoiadas no pensamento científico positivista, adotado pelas escolas de Direito, Medicina, Politécnica do Rio e ainda na Escola Naval e na Academia Militar. Ao fim do século, o número de galicismos era tão alto no vocabulário brasileiro que provocou grande reação. Quando a República foi proclamada, em 1889, cantavam a Marselhesa nas ruas. Durante todo o séc. XIX, vários livros foram escritos sobre as terras do Brasil e sua gente (coisa que já tinha acontecido levemente nos séculos XVII e XVIII) por franceses, ingleses e alemães, aventureiros, artistas ou cientistas. A maioria dos autores ingleses e alemães era traduzida para o francês.

32O início do século XX encontra a educação ainda bastante europeizada e as idéias positivistas em plena efervescência.

A nacionalização dos anos 30

33Desde o final dos anos 30, os manuais escolares brasileiros de 1° e 2° graus, apesar de seguirem a estrutura didática francesa, são todos brasileiros, seja na escola pública ou particular. No entanto, a consulta aos livros estrangeiros em qualquer área de saber, tanto nas escolas superiores, como até no 2° grau, continuaram com intensidade até os anos 60.

34As primeiras universidades brasileiras foram criadas nas décadas de 20 e 30, por um decreto que reunia as escolas já existentes. Tratava-se de juntar as escolas de formação de profissionais liberais (medicina, direito, engenharia, farmácia, etc.) e as escolas de Filosofia, que eram criadas, tinham por objetivo a formação de professores do curso secundário. As escolas de Filosofia, em si, observavam o conceito positivista da Filosofia que congrega e dirige, do alto, os outros saberes. A fundação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, em 1934, foi a primeira iniciativa no país, de se fazer um centra de criação, uma formação de intelectuais, descompromissada como profissionalização. Participaram da fundação desta, como das anteriores, ilustres intelectuais franceses, como Emile Bréhier, Roger Bastide, Jacques Lambert, Claude Lévy-Strauss, Braudel. Alguns ficaram bastante tempo nas Universidades brasileiras. Muitos outros vieram depois, alguns, excelentes cientistas, fugindo do nazismo, durante a 2a guerra. Hoje ainda é grande o intercâmbio de professores entre as Universidades brasileiras e as de vários outros países do mundo, notadamente as americanas.

35A década de 60 é de capital importância para se compreender o que ocorreu na educação brasileira e na situação do ensino hoje, consequentemente na situação do livra didático no Brasil.

A Lei de Diretrizes e Bases

36Em 1961 foi aprovada a lei de Diretrizes e Bases da Educação, pretendendo implantar um sistema público de educação popular responsável. É interessante notar que, ao mesmo tempo em que a democratização do ensino era o objectivo primeira dessa lei, o ensino particular também ganhava com ela: participação dos órgãos da administração do ensino, subvenções do poder público, ampliação da equivalência de diplomas com a escola pública e outras regalias.

37Em 1962, foram instituídos fundos de financiamento do ensino de 1°, 2° e 3° graus em 3 partes iguais, equivalentes no total a 9% da receita federal – isto favoreceu, em especial, o ensino do 1° grau que até então contara com verbas irrisórias.

38No mesmo ano, entrou em execução um Piano Nacional de Educação que lançou campanha de alfabetização intensiva em todo o país e promoveu a publicação do livra didático, em grandes tiragens, para a educação primária e média. Os gastos da União com Educação chegaram a 11,2% do orçamento da União, diminuindo sensivelmente depois disso. Só agora mais recentemente, este percentual voltou a se elevar.

39Foi justamente naquele momento de queda acentuada que o modelo do livra didático começou a se diversificar, a se deseuropeizar. Também foi aí que o pragmatismo americano ampliou sua influência sobre o ensino brasileira.

40A tomada do poder pelos militares, em 1964, levou a que muitos intelectuais brasileiras saíssem do país, refugiando-se em outros países. A França recebeu um número incalculável de Brasileiros mas os EEUU, não só os recebeu, como neles investiu. Foi feito um acordo entre o Ministério de Educação e Cultura e a United States Agency for International Development (Mec-USAID), neste mesmo ano, ratificado em 1967 que, junto com os outros eventos daquela época, orientou o ensino para a profissionalização, investiu na formação de professores nos EEUU, e implantou a reforma universitária de 68 segundo o modelo americano: investimento em «gente de trabalho» e não em Filosofia e Letras Clássicas.

41Os anos 70 se caracterizaram por um «chega de poesia, filosofia, teoria e vamos trabalhar.»

42Gostaríamos de chamar a atenção aqui para os resultados, quase 20 anos depois, de todas as mudanças que ocorreram nas décadas de 60 e 70.

Os resultados do pragmatismo

43A média dos alunos do 2° grau que ingressaram nas universidades por volta de 1973 e daí em diante, não tem cultura geral, não sabe 1er em outras línguas (apesar do inglês ter sido predominantemente escolhido como disciplina nas escolas, ele também não cumpriu seu papel), nem em espanhol (língua muito próxima ao português que era lida por alunos do 2° grau até 1960, mesmo que não tivesse sido estudada especificamente), têm dificuldade de 1er inclusive em português. De acordo com a prof. Terezinha Rios, da PUC de São Paulo, a dificuldade ou facilidade da leitura é medida, por eles, pela grossura do livro a ser lido. Estes alunos chegam à Universidade em buscada especificidade do saber e da profissionalização. Para alguns professores quando o aluno, hoje, chega a Universidade, dizendo que sabe francês, isto serve de indicador de que ele seja alguém melhor que a media.

44Nos últimos três anos, um movimento crítico, mais acentuado, tomou conta de muitos setores do ensino, o que tem provocado uma revisão geral de currículos e metodologias, em todos os graus, uma exigência maior de se criar espaços para o desenvolvimento intelectual, uma revisão dos livras didáticos e a busca do que foi perdido nessa guinada pragmatista.

45Aqui é importante chamarmos atenção para o fato de que, reduzidos a um espaço muito pequeno, foram os professores de francês que primeiro se organizaram para tentar propôr alternativas. Assim, a partir de 1977 surgiu o Francês Instrumental nas Universidades, visando auxiliar o aluno de áreas específicas (química, física, etc.). Este, nunca tivera francês no currículo, necessitava usá-lo como instrumento de compreensão de textos ou de seu trabalho mesmo. Para isso, foram desenvolvidas abordagens metodológicas que lhe facilitem a rápida utilização e compreensão de textos em francês. Os professores se deram conta de que o monolingüismo era um perigo imenso de empobrecimento cultural, um impedimento a uma reflexão mais ampla e criativa. Hoje existe uma verdadeira tese sobre o plurilingüismo, defendida pelos professores de francês e também pelos outros professores de língua estrangeira, em especial de alemão, italiano e espanhol.

Nova busca da qualidade

46Atualmente, a orientação do Ministério da Educação, para as escolas públicas, é o da busca de qualidade de ensino. Além disso, há uma preocupação em montar os currículos, direcionados para os avanços das ciências e os vários métodos e processos pedagógicos, sem procura de um modelo estrangeiro para se aplicar no Brasil. Existe também uma volta para a América Latina e a integração de seus países. Por isso, tem sido proposto, em alguns Estados, a inclusão do espanhol no 2° grau.

47Mostramos abaixo, quadros da situação do francês nas escolas brasileiras.

Brasil – 1987

Alunos de 1° e 2° graus nas escolas públicas

28 000 000

Alunos do 2° grau (podem ter francês no currículo)

3 000 000

Alunos que estudam francês no 2° grau

293 000

Dados da Embaixada Francesa e do Ministério da Educação

Brasil – 1987

Universidades públicas no Brasil

48 (560 000 alunos)

Universidades particulares no Brasil

27 (840 000 alunos)

Total

75 (1 400 000 alunos)

Alunos que estudam francês nas Universidades...

10 000 (0,7%)

Dados da Embaixada Francesa e do Ministério da Educação

Brasil – 1987

Alunos universitários que estudam francês como disciplina especial

1 000

Alunos de cursos livres e extensão universitária

2 500

Alunos de cursos de francês instrumental

6 500

Total

10 000

Dados da Embaixada Francesa no Brasil

São Paulo – 1987

Professores de línguas modernas e literatura estrangeira da rede oficial

Total de professores da rede de ensino (P3-universitários)

86 745

Total de professores de Inglês

7 632

Total de professores de Francês

89

Total de professores de Espanhol

15

Dados do DRHU da Secretaria de Educação do Estado

RESULTADO DA ANÁLISE DA IMAGEM DA FRANÇA NO LIVRO DIDÁTICO BRASILEIRO

48A primeira observação a fazer, depois do exame dos textos, é a de que não existe «uma» imagem da França, mas várias. Existem várias Franças nos manuais escolares: a França das catedrais góticas, a França dos corsários, das artes, a França da batalha de Argel, a França de Descartes, a França de 1789... Esses imagens se contradizem, se confirmam, se infirmam, se completam – de forma que delas se poderia dizer, como da esfera de Pascal, que o seu centro, isto é, a sua verdade, está em todas elas ao mesmo tempo e não esta em nenhuma.

Dados do CIE e da CENP

História do Brasil

49Nas primeiras referências, os franceses aparecem como corsários ou contrabandistas que buscavam o pau-brasil e cuja presença no litoral brasileiro ameaçava a posse portuguesa. Essa presença é apresentada, nos livros de História, como decisiva para o início da colonização do Brasil: «Portugal só iniciou a colonização do Brasil devido à decadência do seu domínio no comércio asiático e à presença de contrabandistas (notadamente franceses) em nosso litoral» (História do Brasil, Francisco Silva, ed. Moderna, 1983, p. 28).

50Entre os séculos XVI e XVIII (início), o Brasil sofreu três invasões francesas, tendo a primeira delas, na baía do Rio de Janeiro, motivado a criação da cidade do Rio de Janeiro.

51Pelos fins do século XVIII, quando se iniciaram os movimentos de libertação do domínio português, a França aparece principalmente como inspiradora de idéias revolucionárias. Essas chamadas «idéias francesas», por si sós, não poderiam servir de motor aos movimentos que serão referidos a seguir, e isto os manuais deixam claro. Elas têm, antes, a função de suporte ideológico para movimentos determinados principalmente por razões de ordem económica, política, etc.

52A conspiração de 1789 (Inconfidência Mineira) inspirou-se francamente nas idéias iluministas da segunda metade do século XVIII, idéias estas de origem francesa. Esmagada a conspiração, «as ideais políticas da Revolução Francesa continuavam a chegar ao Brasil, inclusive por intermédio da Maçonaria» (Ibid, p.100).

53«Por volta do meio do ano de 1798, circulam já panfletos subversivos por Salvador, lêem-se os livros franceses». O trecho refere-se aos preparativos da Revolta dos Alfaiates, mais uma na América Meridional, «fascinada pela imagem fantástica da Revolução Francesa» (Estudo de Hist. do Brasil, vol I, Francisco Teixeira, ed. Moderna, 1971, p. 183).

54Em 1808, pressionada por Napoleão, a família real portuguesa, mais fidalgos e funcionários, muda-se para o Brasil, que passa a sediar o governo português. Esse fato teria consequências decisivas no processo da independência brasileira. Em 1815, eleva-se o Brasil à categoria de Reino Unido a Portugal e Algarves. Registra-se, aqui, uma curiosidade: «A iniciativa da elevação, entretanto, não partiu de D. João VI e sim de Talleyrand, ministro francês no Congresso de Viena» (Francisco Silva, op. cit., p. 108).

55Um ano depois da elevação do Brasil à categoria de Reino Unido, «chegou ao Brasil a missão artística francesa, que teria grande influência sobre as artes plásticas no Brasil» (Ibid, p. 111). Na missão, cumpre destacar a presença de Debret, retratista dos costumes brasileiros.

56Em 1817, explode a Insurreição Pernambucana. «A atração pelas “idéias francesa” é enorme, grassando sua influência no interior das lojas maçônicas, dentro de sociedades secretas e no próprio seminário de Olinda» (Francisco Teixeira, op. cit., p. 185). De mesma inspiração foi a Confederação do Equador, rebelião separatista que estourou em Pernambuco em 1824.

57Nos acontecimentos que culminaram com a Independência política do Brasil, em 1822, «merece destaque especial a participação da aristocracia brasileira e o extraordinário papel da maçonaria e da imprensa» (Francisco Silva, op. cit., p. 121). Depois da Independência, a França mantém o seu papel de matriz cultural. Em 1824 Pedro I outorgou à nação uma Constituição «modelada nas idéias francesas e inglesas e com algumas influências da Constituição portuguesa» (Ibid, p. 126).

58Também na campanha abolicionista, a situação se repete: «Outra forma de fomentar o movimento abolicionista foi a organização de sociedades, clubes e comitês abolicionistas. Esta forma teve início na França, onde se criou uma Sociedade Francesa para a Abolição da Escravidão, que logo se ramificou por outros países e adquiriu caráter internacional» (Estudos Sociais, Elza Nadai, ed. Saraiva, 1979, p. 71).

59O movimento Republicano, que seria vitorioso en 1889, sofreu forte influência do positivismo francês: «Os militares, influenciados ainda pelo Positivismo de Auguste Comte (...) foram assumindo posições importantes nas questões mais significativas do período – abolicionismo e republicanismo». (Francisco Silva, op. cit., p. 188).

60Á página 77 do já citado livro de Elza Nadai, lemos: «A 14 de julho de 1889 foram realizadas passeatas para comemorar a queda da Bastilha e a Revolução Francesa de 1789». No dia da proclamação de República, «formou-se um cortejo de milhares de pessoas, percorrendo as ruas da cidade ao som da Marselhesa» (Fazendo a História, Aquino-André-Ronaldo, Ao Livro Técnico, p.56).

61A partir de período republicano a referência aos franceses é bem menor. Mas a imagem da França, como matriz cultural, é reforçada todo o tempo.

62Eis o que diz Elza Nadai, à página 62 do livro já citado: «A França, apesar de não ter tido a mesma importância que a Inglaterra nas relações comerciais com o Brasil, foi sempre uma matriz cultural para ele. Sua influência se fazia sentir nas atividades intelectuais, artísticas e filosóficas. A elite social brasileira procuvara assimilar a cultura francesa nem que fosse nos seus aspectos mais superficiais».

63Além de comentários como este, os livros trazem também referências a filosófos, cientistas, artistas e literatos europeus e particularmente franceses

64Sobre a literatura nos séculos XVI e XVII cita-se: «Na França, sobressaíram Corneille, autor de peças famosas como O Cid, inspirada na reconquista da Espanha; Molière, autor de comédias que criticam a sociedade francesa da época, com O Avarento, O Doente Imaginário; Racine, grande autor de tragédias como Fedra, Ifigênia, inspiradas na história ou lendas da antigüidade. La Fontaine, que escreveu as Fabúlas, histórias de bichos que falam e se comportam como gente» (História do Brasil, Sérgio Buarque de Holanda, vol. 1, ed. Nacional, 1973, p. 70). Na mesma página a referência à literatura inglesa é feita em 3 linhas, e à literatura espanhola em 2 linhas. À página 57, (vol II) há uma nota que é bem reveladora da posição relativa que ocupa a França, na ótica dos livros didáticos: «A poesia nessa época (2a metade século XIX) teve expressão muito rica e variada, tanto na Europa quanto na América. Sobressaíram os poetas Tennyson e Browning, na Inglaterra; Carducci e Pascoli, na Itália; Baudelaire, Verlaine, Mallarmé, Rimbaud, na França».

65Essa precedência, contudo, não se verifica no que diz respeito à arquitetura, pintura e escultura, áreas onde a presença francesa só começa a se fazer notar a partir dos capítulos que tratam do século XVIII e seguintes. O livro citado, no seu primeiro volume, traz, nas páginas 22 a 25, 44 a 48, 70 a 73, reproduções de quadros e fotografias de esculturas e obras arquitetônicas que cobrem o período que vai do Renascimento ao final do século XVII: não se encontra, aí, nenhuma obra francesa. Em contrepartida, nos períodos seguintes, a França assume um papel de relevo.

Literatura Brasileira

66Quando se estuda a literatura brasileira nos manuais escolares, a imagem da França, como «matriz cultural», reforça-se mais. Sobre a literatura colonial, a referência aos franceses é pouca; assim mesmo, na chamada literatura de informação, feita por viajantes, cientistas e aventureiros, dois autores comparecem: André Thevet (1502-1592) com «Les Singularités de la France Antarctique» e Jean de Léry (1534-1611) com «Histoire d’un Voyage fait en Terre du Brésil».

67A partir do Romantismo, porém, os manuais registram uma influência determinante da literatura francesa sobre a nossa. Vejam-se, por exemplo, essas passagens retiradas do livro «Súmulas de Literatura Brasileira», de Cândido de Oliveira, ed. «Gráfica Biblos».

68«Com o movimento romântico, abandonamos Portugal... e metemonos em França. Trocamos de modelo. França é que nos remetia as receitas, França é que nos empolgava» (p. 58).

69«Surge o Realismo na Prosa e o Pamasianismo na Poesia. O Brasil, assim, continua a receber a influência da França» (p. 61).

70«Balzac é o criador do romance moderno» (p. 97).

71«O movimento realista na poesia recebeu a designação especial de Pamasianismo. O nome provém de Parnasso Contemporâneo, revista literária francesa, em torno da qual se reuniram Théophile Gautier, Théodore Banville, Leconte de Lisle, José Maria Heredia, Charles Baudelaire, Sully Prudhomme e outros» (p. 126)

72«O movimento Simbolista foi iniciado em França, nos fins do século XIX. Poetas como Verlaine, Mallarmé, Rimbaud dão nova estrutura à poesia» (p. 115)

73O poeta Manuel Bandeira escreveu um manual de literatura destinado, principalmente, a estudantes secundaristas: «Noções de História das Literaturas», ed. Fundo de Cultura, 6a edição 1969. O livro trata da história das literaturas antigas, literaturas européias, asiáticas, literaturas de língua portuguesa e literaturas americanas. É interessante observar que, dentre todas as literaturas estudadas, aquela que mereceu maior espaço, excetuando-se a brasileira (172 pp), foi justamente a literatura francesa (62 pp). À literatura portuguesa foram dadas 36 páginas. Seguem-se as literaturas inglesa (24 pp.), italiana e espanhola (18 pp cada uma) e alemã (16 pp.). As demais tiveram referências menores.

História geral

74Nos livros de História Geral, é nos capítulos que tratam des Idades Moderna e Contemporânea, que a França tem presença mais notável. O próprio conceito do antigo Regime, que designa o sistema sócio-econômico e político da Europa Ocidental moderna, correspondia, principalmente à organização francesa. Quando falam desse período, os livros dão um espaço destacado à França, tratam um pouco mais sucintamente da Inglaterra, e os demais países são estudados sob a rubrica geral de «Outras nações européias». Não se deixa de mencionar os quatro mais importantes pensadores, cujas obras fundamentaram o absolutismo monárquico, dois dos quais são franceses: Jean Bodin e Bossuet.

75A mesma França que estabelecera os fundamentos do Estado Moderno produz, mais tarde, a filosofia iluminista que põe em questão o absolutismo monárquico.

76«Os autores mais célebres, sobretudo pela influência que seus trabalhos exerceram sobre a política das principais nações européias, foram os franceses» (História Geral Moderna e Contemporânea, Elza Nadai, ed. Saraiva, 1986, p. 102). Seguem-se duas páginas em que a autora dá uma síntese das idéias de Montesquieu, Voltaire e Rousseau. À página 104 lê-se: «O Iluminismo foi sobretudo francês. E como a França representava um modelo para a Europa, ou melhor, para suas elites, as outras nações também conheceram a filosofia das luzes».

77É de notar que não se menciona a influência que a Inglaterra exerceu no pensamento filósofico.

78Ao se falar na passagem do feudalismo ao capitalismo, os livros dão destaque especial à Revolução Industrial (Inglaterra) e às revoluções francesas que cobrem o período de 1789-1848, o qual também inclui as guerras napoleônicas. No estudo dos períodos seguintes, a França é uma presença constante, embora sem a preeminência que caracterizou a era moderna e o início da era contemporânea.

79A expansão européia na África, Ásia e América, e particularmente a expansão francesa, merece um exame mais detido neste trabalho, em função da importância que tem para a avaliação da imagem da França nos nossos livros didáticos. Esse assunto, que em geral era tratado num tom neutro pelos livros antigos, tem tido um tratamento crítico bem severo nos livros mais recentes.

80«As regiões inexploradas da África e da Ásia iriam oferecer um vasto campo para uma rapinagem que se estendeu até a metade deste século e ainda existe em algumas regiões até os dias de hoje» (História Moderno e Contemporânea, Renato Mocelin – ed. do Brasil, p. 87).

81«O colonialismo francês usou dos mesmos mecanismos utilizados pelos ingleses. Muitas vezes compactuando com as oligarquias nativas para explorar conjuntamente as riquezas, em outros casos dominando com o uso da força» (Ibid. p. 89)

82«A exploração da China e da India, da Argélia e da África do Sul foi algo violento e desumano em relação às populações nativas» (Ibid. p. 90).

83Um dos livros examinados chega a reproduzir um panfleto que circulou na Indochina no final do século XIX, dirigido ao colonizador francês:

84«Aos vossos olhos, somos selvagens, animais obscuros (...), temeis até nossa aproximação, como se fôssemos objetos de asco... Presos a uma máquina de dominação que mina a nossa energia, estamos reduzidos à impotência. Por isso é que só os mendigos ousam apresentar-se nos escritórios franceses». (Geografia, vol IV, Milhem Adas, ed. Moderna, 1986, p. 84).

85«O separatismo de Biafra foi estimulado pela empresa francesa Elf-Aquitaine, interessada no petróleo dessa província» (Ibid. p. 98).

86«O colonialismo francês na Indochina seguiu os moldes gerais da colonização européia, isto é, fez uso da força e do mito da superioridade racial» (Ibid, p. 84).

87Quando tratam da descolonização africana e asiática, os livras o fazem de forma simpática à luta dos povos colonizados. Todo o mérito pela libertação é reconhecido ao heroísmo e determinação dos «povos oprimidos». É interessante, contudo, notar, que entre as causas da descolonização alguns livros mencionam a «formação de uma consciência anticolonialista na própria metrópole» (Ibid, p. 53).

88«Tanto na Europa como nos países colonizados surgiram líderes políticos ou intelectuais que se destacaram pela afirmação de uma consciência antiimperialista e que assumiram ousada defesa da liberdade e do direito à autodeterminação e ao desenvolvimento dos povos oprimidos». (História Geral. Elza Nadai, ed. Saraiva, 1986, p. 250). Na mesma página, a autora menciona os «vastos setores das populações metropolitanas, que começaram a criticar o processo de desenvolvimento que se fazia à custa de exploração violenta de outros povos».

89Sobre a batalha de Argel: «Tropas francesas com cerca de 500 mil homens ocuparam Argel e realizaram violenta chacina não só dos principais líderes da FLN mas também da população civil árabe (...). Na França, a opinião pública se dividiu». (Fazendo História, Aquino-André-Ronaldo, ed. Ao Livra Técnico, pp. 195-196).

90Para os jovens, cujo conhecimento da França já não é mais alimentado como antes, não pode existir, muito clara, a idéia de uma França que tem como principal característica a reflexão crítica e a busca dos ideais liberais. Não podemos avaliar, através destes estudos, se a crítica ao colonialismo, em geral, deixa espaço, hoje, para o significado da frase «a formação de uma consciência anticolonialista na própria metrópole». Acreditamos que são as tendências ideológicas de cada professor que proporcionam maior ou menor consciência aos alunos.

Geografia

91Nos manuais de Geografia, comparados aos de História Geral e do Brasil, diminui sensivelmente o espaço reservado à França.

92Aqui, predomina o critério econômico. Capítulos especiais são destinados aos Estados Unidos, União Soviética, China, Japão e Alemanha Federal. França e Inglaterra, juntamente com outros países da Europa Ocidental, são, em alguns livros, estudados em bloco. Muitos outros, porém, dedicam de uma a duas páginas à França, assim como à Inglaterra. As informações que nelas se contêm são, quase invariavelmente, muito positivas.

93A imagem é a de um país moderno, com economia estável, altamente industrializado. Os dados se repetem livro a livro: um dos maiores rebanhos bovinos da Europa; ferrovias modernas; rodovias excelentes, agricultura pujante etc. O país responde à crise de energia com hidrelétrica, usinas atômicas, energia solar.

94Os problemas, porém, existem e são referidos: penetração de capitais americanos e alemães, balança comercial desequilibrada, dependência de matérias primas, desemprego.

Língua Portuguesa

95Os manuais de Língua Portuguesa raramente trazem textos traduzidos. Nos livros examinados, registramos a ocorrência de apenas três. Dois franceses – Saint-Exupéry, Goscinny – e um inglês – Lewis Carroll.

Língua Francesa

96Para encerrar, uma palavra sobre os manuais de Língua Francesa produzidos no Brasil. Como de praxe nos manuais de língua estrangeira, busca-se conquistar o aluno para as excelências da civilização à qual pertence a língua estudada. A imagem da França que deriva das informações ai contidas e do farto material gráfico – mapas de Paris, catedrais, arcos, torres – é a de um verdadeiro paraíso turístico-cultural.

97Mas não se pode falar em manuais de língua, isolados de um método. Os livros analisados pertencem, claramente, a três fases distintas da metodologia do ensino do francês:

981°) tradicional – caracterizado pelos textos literários, com exercícios de explicação de textos e estudo de gramática.

99A imagem é de um país neutro fora da realidade, sem problemas.

1002°) audio-visual – caracterizado pelo uso de exercícios estruturais e estudo da gramática neles implícita.

101Aqui a França já está mais viva e até se fala no problema do desemprego.

1023°) metodologia comunicativa – caracterizada por considerar o contexto sócio-político-econômico dos alunos, as conquistas da lingüística, da psicolingüística e da socio-lingüistica, os estudos no campo da leitura, etnografia de comunicação e a análise do discurso. Aqui tem-se uma França viva com suas qualidades e defeitos, dificuldades e facilidades.

103Os livros da segunda fase é que são os mais usados no 1° e no 2° graus, apesar de que, nas Universidades, são os da 3a fase os mais usados neste momento. Provavelmente em breve eles serão mais divulgados nas escolas de 1° e 2° graus.

Conclusões

104Seria muita ingenuidade antropológica, imaginarmos que três séculos de forte influência francesa, na nossa cultura, seriam lavados de nossa gente em cinqüenta anos. Sua presença esta na fala, nos gestos, num jeito de ver e pensar o mundo, não importando que outras influências se sobreponham. De alguma forma elas se acrescentam.

105Os exemplos disso são concretos: nosso jornalismo que, desde 45, optou pelo modelo do «lead» americano, não deixou de lado a combatividade e o humanismo típicos do jornalismo francês; e se a grande massa das Universidades optou por uma concepção americana de funcionamento, existem outras que conseguiram sobreviver às décadas de 60 e 70, como redutos deste mesmo humanismo (como é o caso da Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro ou da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo).

106De fato, os alunos de 1° e 2° graus de nossas escolas, hoje, não conhecem a França como jã se conheceu hã algum tempo. A imagem que têm dela é muito fragmentada. A falta de conhecimento da língua e de informações mais constantes, através dos meios de comunicação, dificultam ainda mais esse conhecimento.

107Hoje não mais podemos falar de uma influência cultural: a facilidade dos meios de comunicação fez a terra ficar muito menor e as influências são muitas e mútuas. Por exemplo, por mais que o Brasil dos anos 70 e princípio de 80 estivesse num processo muito especial, aparentemente afastado da França, pode se perceber nitidamente, na Educação em geral, as mesmas discussões que o estruturalismo francês de Althusser, Bourdieu, Foucault, Passeron, vinha tendo desde o final dos anos 60. Além disso, em muitas disciplinas da escola secundária, a metodologia usada é francesa – e é empregada mesmo que não haja consciência disso. Nas Universidades, a bibliografia usada pelos professores varia, dependendo da área, de 20 a 80% de livros de autores franceses.

108A realizaçao de debates como os de hoje que são o resultado de esforços comuns de muitos são uma contribuição decisiva para um estreitamento de relações e de intercâmbios entre nós.

109Nos últimos 3 ou 4 anos, um movimento crítico tem acontecido em todas de áreas, caracterizando um momento de reflexão e revisão. Valeria a pena investir nisso, nesse acordar da consciência para o que aconteceu e está acontecendo. Valeria a pena investir na consciência da presença francesa na nossa cultura.

110É olharmos à volta para tropeçarmos na França: na Filosofia, na Literatura, no Cinema, na Arquitetura, no Urbanismo, na Artes Plásticas...

Especialistas consultados

1111 – Beatriz Ricardina Magalhães – professora do departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais

1122 Célia Freire d’A. Fonseca – prof.a do departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro

1133 – Claudie Monteil – diretora gerente da Livraria Francesa de São Paulo

1144 Gaudêncio Torquado do Rêgo – professor do departamento de jornalismo da Universidade de São Paulo

1155 – Helena Chamlian – professora do departamento de Educação da Universidade de São Paulo

1166 – Pe. Henrique C.L. Vaz – professor do departamento de Filosofia da Universidade Federal de Minas Gerais

1177 – Isodoro Bliskstein – presidente da Comisão de Pós-Graduação, professor no departamento de Letras Clássicas da Universidade de São Paulo

1188 – Laura Galery – professora do departamento de Letras Modernas da Universidade Federal de Minas Gerais

1199 – Madalena Viola – orientadora da Escola Cor Jesus – São Paulo

12010 – Magdá Soares – professora do departamento de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais

12111 – Marcelo V. Cœlho – ex-reitor da Universidade Federal de Minas Gerais professor do departamento de Parasitologia da UFMG

12212 – Maria Alice Nogueira – professora do departamento de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais

12313 – Maria Laura M. Lopez Leite – professora do Instituto de Matemática da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenadora do Projeto Fundão

12414 – Maria Lúcia Shaeffer – prof.a do departamento de Educação da Universidade de São Paulo

12515 – Ma. Sabina Kundman – prof, do departamento de Francis da Universidade de São Paulo

12616 – Marío Carneiro – prof. do departamento de Matemática do Univ. Fed. de Minas Gerais

12717 – Nerilda Salazar Bergo e Gomes – Mestra em Educação pela Fundação Getúlio Vargas – funcionária da Secretaria de Educação do Estado da Guanabara – Laboratório de Currículos

12818 – Regina M. Marin Carneiro – prof.a do departamento de Ciências Políticas da Univ. Fed. MG

12919 – Terezinha Azeredo Rios – prof.a de Problemas Filosóficos e Teológicos do Homem Contemporâneo do Curso Básico da Pontíficia Universidade Católica de São Paulo

13020 – Zita de Paula Rosa – prof.a 1 e 3 de História do Brasil – funcionária da Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas do Est. de São Paulo

Instituições consultadas

1311 – Centro de Informações Estatísticas da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo

1322 – Departamento de Recursos Humanos da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo

1333 – Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas do Estado de São Paulo (departamentos de Currículos e Línguas Modernas)

1344 – Associação dos Professores de Francês de São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

1355 – Bureau d’Action Linguistique de São Paulo

1366 – Consulado Francês do Rio de Janeiro

Bibliographie

Bibliografia

1 – Raízes do Brasil – Sérgio Buarque de Holanda Liv. José Olímpio Editora–Rio 1977

2 – História do Brasil – 3 vol. – Pedro Calmon Comp. Ed.Nacional – S. Paulo 1937

3 – História do Brasil – João Ribeiro – ed. revista e completada por Joachim Ribeiro – Col. Brasileira de Ouro 1967

4 – Grandezas e Misérias do Ensino no Brasil – Maria José Garcia Werebe – Dif. Européia do Livra – 1968

5 – Vida Social no Brasil nos meados do séc. XIX – Gilberto Freyre – Inst. Joaquim Nabuco de Ciências Sociais – Recife 1964

6 – Aos Trancos e Barrancos – como o Brasil deu no que deu – Darcy Ribeiro – Ed. Guanabara – 1985

7 – Éducation et enseignement des langues étrangères: une approche politique – Roberto Ballalai – artigo da Revista «Elos» – número especial – VIII Congresso Nacional de Professores de Francês – «Le Français et les Amériques» – Porto Alegre – RG Sul – 1987.

8 – Os franceses no Brasil – (1815-1822) – Maria Beatriz Nizza da Silva – USP – artigo nos Anais da VI Reunião da SBPH – São Paulo – 1987.

Table des illustrations

Légende Dados do CIE e da CENP
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5060/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 439k

Auteur

Presidente da F.A.E. (Ministério da Educação e Cultura).

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540