Versione classicaVersione mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. La transmission de l’image du Brésil dans le système éducatif/A transmissão da imagem do Brasil no sistema educativo francês

Estudo-piloto sobre a percepção que alguns grupos de estudantes brasileiros têm da França em 1987

Arlete Marques Galvão de Queiroz Castilho

Testo integrale

1Este estudo foi realizado a partir de uma pesquisa feita pelas Associações de Professores de Francês de onze estados do Brasil.

2Quinto país do mundo em extensão, com seus 8 511 965 km2 (1), dividido em cinco regiões geográficas muito desiguais, o Brasil é um mosaico constituído por diferentes culturas, grandes contrastes econômicos e sociais que exigiram, por ocasião da realização desta sondagem, uma abordagem ao mesmo tempo unificada – permitindo o agrupamento final dos testemunhos – e diversificada – levando em conta as particularidades regionais.

3A pesquisa foi realizada, portanto, nas capitais dos seguintes estados: Pará, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Goiás, Rio de Janeiro – que assegurou a coordenação –, São Paulo, Paraná e Distrito Federal – responsável pela síntese final –, em cidades disseminadas sobre a quase totalidade do imenso território brasileiro.

4Visto que era necessário (por falta de tempo e de recursos materiais e financeiros) reduzir o universo a ser estudado, decidimos trabalhar somente com alunos das escolas públicas. Para melhor compreender a escolha dos grupos de alunos com os quais trabalhamos, seria pertinente lembrar a organização do sistema de ensino brasileiro.

5No Brasil, o ensino regular é dividido em três níveis: primeiro grau (de la. a 8a séries, para alunos de 7 a 14 anos), segundo grau (de la. a 3a séries, para alunos de 15 a 18 anos) e terceiro grau (ou universitário).

6Assim sendo, escolhemos, como campo de estudos, as 6a e 7a séries do primeiro grau (que correspondem, na França, a quinta e a quarta) e as la. e 2a séries do segundo grau (que correspondem, na França, a segunda e a primeira), trabalhando, portanto, com jovens de 12 a 18 anos, em média. A escolha dos grupos em cada cidade foi feita por sorteio, a partir de uma lista exaustiva de escolas que ensinam outras línguas estrangeiras além do Francês: desejávamos evitar, com isso, que qualquer ascendência, qualquer influência direta pudesse ser exercida por professores de Francês e/ou por manuais de Francês-Língua Estrangeira sobre a imagem dos jovens.

7Após a elaboração e a realização de uma sondagem aberta, com a finalidade de fazer um levantamento prévio da percepção dos jovens estudantes, conseguimos chegar ao questionário definitivo, assim constituído: uma primeira parte formada por 12 questões, das quais 4 de «múltipla escolha» e 8 de «respostas abertas»; uma segunda parte, na qual era solicitado aos estudantes que se expressassem livremente através do desenho.

8Com o objetivo de reconstituir o imaginário dos jovens brasileiros, a visão que eles têm da França e dos Franceses, sem transformar a sondagem em um simples teste de conhecimentos, recorremos a indicadores indiretos, a respostas de preferência afetivas mais que cognitivas. As questões propostas foram as seguintes:

9Cerca de dois mil questionários foram distribuidos em 80 estabelecimentos, dos quais analisamos 1651.89% dos estudantes consultados têm de 12 a 18 anos (8 % têm mais de 18 anos), sendo 61,3% do sexo feminino e 37,6% do sexo masculino.

10Inicialmente, no piano cognitivo, verificamos através das respostas objectivas, que os jovens brasileiros têm um conhecimento muito limitado da França e dos Franceses. 80,6% deles são capazes de situar a França, geograficamente, no mundo, entretanto, somente 15,9% são capazes de citar uma outra cidade francesa, além de Paris, esta última mencionada por 63,9% dos estudantes.

11Quanto à História da França, o conhecimento dos jovens brasileiros só lhes permite citar os nomes de Napoleão Bonaparte (16,8%) e do Presidente Mitterrand (5,0%).

12«Marselhesa», é o nome de uma pintora francesa, para 21,1 % deles. Apenas 12,3 % sabem que esse é o nome do hino nacional francês.

13A mesma língua é falada na França e na Bélgica para 46,1% dos jovens. Porém, para 42,2%, fala-se francês na Áustria e par 41,4 % na Holanda. Eles ignoram, portanto, que se fala francês em outros continentes além do europeu (uma ínfirna minoria indicou o Senegal e o Canadá).

14No campo artístico, a falta de informações é ainda mais evidente: os estudantes interrogados tiveram muita dificuldade para indicar nomes de franceses ligados à literatura, pintura e escultura.

15Em compensação, os únicos toques de modernidade ou atualidade, no quadro basicamente clássico esboçado pelos jovens brasileiros, se revelaram no contexto musical, esportivo e político. Sendo o futebol o esporte preferido dos brasileiros e ainda sob o efeito da última Copa do Mundo, 30,8% dos estudantes citaram Platini como um desportista francês de destaque. Também, graças ao interesse em relação as corridas automobilísticas, o nome de Alain Prost é conhecido por 6% dos jovens que, sem dúvida, acompanham os Grandes Prêmios de Formula 1, para observar o desempenho dos corredores brasileiros.

16O nome de Jean Michel Jarre pôde ser citado por 16,2 % dos jovens como o de um músico francês famoso, graças ao concerto recentemente realizado nos Estados Unidos e diretamente transmitido no Brasil por uma cadeia nacional de televisão, fazendo com que suas músicas fossem tocadas nas rádios durante algumas semanas. É preciso ressaltar que o caráter universal da sua música e seu estilo século XXI atraem mais facilmente a juventude.

17A política também forneceu o nome de uma personalidade conhecida pelos brasileiros: 12,7 % dos estudantes citaram o nome do Presidente Mitterrand como o de um célebre político.

18É necessário destacar aqui a total ausência de nomes franceses ligados às ciências.

19Conclue-se portanto, que os jovens estudantes brasileiros interrogados não têm conhecimentos concretos sobre a França e os franceses, nem sobre suas realizações tanto no passado quanto no presente, exceto como demonstrado anteriormente, no que diz respeito aos assuntos que lhes interessam particularmente e que são, por conseguinte, mais ou menos explorados pelas mídias locais.

20Esta falta de conhecimento se deve à própria formação escolar dos jovens que é centrada, mais na realidade e nos problemas brasileiros, do que na universalidade. No Brasil, de fato, os objetivos da educação são a realização pessoal de cada indivíduo, a consciência de cidadania e a especialização profissional, baseados nos princípios da unidade nacional, da liberdade e da solidaridade humana.

21Por outro lado, é preciso considerar a influência maciça dos modelos norte-americanos atualmente impostos pelas mídias no Brasil.

22Apesar de todos esses aspectos, existe entre os jovens brasileiros um componente afetivo2 muito forte em relação à França. A ausência de informações precisas permite que seja estabelecida uma larga margem de fantasia3, a partir da qual eles constróem seu imaginário.

23Assim, a França é o país sonhado para viajar em férias, sendo o turismo, para 49,6% dos jovens, sua principal fonte de atração. Neste caso, certamente, é a Torre Eiffel que lhes vêm ao espírito, em 22% dos casos. Aliás, a segunda parte do questionário, aquela de expressão livre, ratificou as respostas que a precediam: 34,2% dos estudantes desenharam a Torre Eiffel4, 8,7 % desenharam paisagens, belas casas, jardins, castelos e igrejas, e 3,4% desenharam a bandeira francesa (24,6% nada desenharam).

24Quando esses jovens pensam na França, freqüentemente fazem alusão à elegância, ao charme5, ao chique, ao bom gosto, os aspectos culturais estando presentes para 34,3%. Esta idéia se traduz, por exemplo, nas palavras francesas que eles souberam reproduir mesmo se não estudam Francês na escola: «bonjour» (16,1%), «merci beaucoup» (13,3%) e «monsieur» (10,7%) ao lado, evidentemente, de alguns «dormez-vous», «Frère Jacques», «chouchou», «oh là, là!» et «can-can»6.

25No imagináro desses jovens, a vida cotidiana dos franceses esta revestida de um ar de luxo e sofisticação: segundo eles, os franceses comem muita massa, mas também faisão, pato, filé mignon, tudo regado a bons vinhos e champanha.

26Mesmo no campo da produção industrial, o leit-motiv é sempre o charme da moda e os perfumes, sendo as marcas francesas muito conhecidas e vendidas no Brasil7. Se os jovens brasileiros tivessem que pedir que lhes fossem trazidos presentes da França, solicitariam perfumes (16,2%) ou artigos de vestuário e acessórios de moda (19,1 %)8. Nunca produtos de tecnologia avançada como micro-computadores ou outros artigos electrônicos nem mesmo simples «gadgets». Alías, este aspecto de indústria avançada e de progresso científico, não aparece como um elemento importante da imagem que eles têm da França. A presença francesa no Brasil, sua colaboração em projetos técnico-científicos brasileiros lhes são desconhecidas.

27Em poucas palavras, a concepção que os jovens brasileiros fazem da França poderia resumir-se em duas imagens:

  • uma, de Napoleão Bonaparte agitando a bandeira francesa;

  • outra, de uma Paris mítica e intemporal, com a Torre Eiffel cercada de luxuosas lojas de artigos de moda e de beleza.

28A imagem que os jovens brasileiros têm da França em 1987 está bem longe de ser a da França de 1987.

29Esta visão estereotipada da França9, fotografia envelhecida de um país que é admirado sem contudo ser conhecido, é o resultado de algumas imagens transmitidas pela televisão (74,4%), pelas revistas (40,4%) e pelos livras (36,4%). Se quiséssemos propor aos jovens uma imagem mais atualizada da França e tentar modificar o estereótipo, é mais ao nível das mídias que ao nível da escola que seria necessário trabalhar.

30Esta sondagem nos confirmou que a escala de valores dos jovens é construída sobre a admiração que eles têm pela glória; os jovens admiram os que têm prestígio, os que aparecem na televisão e no cinema, os que triunfam no mundo esportivo. Sendo assim, manifestaram o desejo de entrevistar artistas (20,3%), desportistas (13%) ou políticos de grande envergadura (9,8%).

31Somente através da ação das mídias poder-se-ia pensar numa transformação da situação atual. Trata-se como sabemos, de um empreendimento extremamente difícil, pelo fato de que no Brasil as grandes cadeias de rádio e televisão são empresas privadas, com interesses econômicos muito fortes. Entretanto, esta é a única ação que teria um forte impacto num país tão grande e descentralizado como o Brasil10, fazendo com que a França do ano 2000 esteja presente no meio escolar brasileiro.

32Este trabalho não poderia ter sido realizado sem a benévola colaboração:

  • da Associação dos Professores de Francês do Estado do Rio de Janeiro (Coordenadora da pesquisa);

  • das Associações dos Professores de Francês dos Estados de: Alagoas, Ceará, Goiás, Pará, Paraíba, Paraná. Rio Grande do Norte, São Paulo, Sergipe e do Distrito Federal (Brasília);

  • da Sra. Ethel Bauzer Medeiros, Professora dos cursos de pós-graduação, de Psicologia e de Educação na Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro;

  • da Sra. Christine Rivas Esquivel, Conselheira Técnica junto à Embaixada da França, em Brasília;

  • e da Sra. Maria Aparecida Rodrigues, da Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro.

L’amour est le sentiment le plus fort au monde.
Paris est l’une des villes les plus belles du monde.
Paris est la ville de l’amour.

Multinationales françaises
(dans le panneau) Appui au gouvernement Sarney.

Micro-entreprises brésiliennes.

Elle fait penser à des vêtements en laine, à cause des couleurs sombres.

Qu’elle est belle la tour inclinée de Paris (Tour Enfail)
Excursão (dans le car)

La France me fait penser qu’elle a des femmes grandes et exotique ( ) et des hommes petits, aux moustaches très fines.

Les plages du nudisme.

Indice delle illustrazioni

URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-1.jpg
File image/jpeg, 160k
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-2.jpg
File image/jpeg, 268k
Legenda L’amour est le sentiment le plus fort au monde. Paris est l’une des villes les plus belles du monde. Paris est la ville de l’amour.
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-3.jpg
File image/jpeg, 176k
Legenda Multinationales françaises(dans le panneau) Appui au gouvernement Sarney.
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-4.jpg
File image/jpeg, 96k
Legenda Micro-entreprises brésiliennes.
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-5.jpg
File image/jpeg, 116k
Legenda Elle fait penser à des vêtements en laine, à cause des couleurs sombres.
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-6.jpg
File image/jpeg, 456k
Legenda Qu’elle est belle la tour inclinée de Paris (Tour Enfail)Excursão (dans le car)
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-7.jpg
File image/jpeg, 84k
Legenda La France me fait penser qu’elle a des femmes grandes et exotique ( ) et des hommes petits, aux moustaches très fines.
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-8.jpg
File image/jpeg, 80k
Legenda Le can-can
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-9.jpg
File image/jpeg, 328k
Legenda Vivre la France.
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-10.jpg
File image/jpeg, 164k
Legenda Les plages du nudisme.
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/5051/img-11.jpg
File image/jpeg, 137k

Autore

Professora de Francês-Lingua Estrangeira. Presidente da Associação dos Professores de francês do Distrito Federal (Brasil).

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Condizioni di utilizzo http://www.openedition.org/6540