Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. La transmission de l’image du Brésil dans le système éducatif/A transmissão da imagem do Brasil no sistema educativo francês

O Brasil dos jovens

Pesquisa realizada no quadro da ADEPBA com alunos de liceus e colégios sobre a imagem do Brasil na França

Ahmed Silem, Cécile Tricoire, Pierre Vergès, Olga Ballesta, Gabriel Brugeille, Lisa Joue et Thierry Saint Gérand

Texte intégral

Preãmbulo

1Quando, na primavera de 1986, apresentamos este projeto de pesquisa a Solange Parvaux, Inspetora Geral de Português, ela aceitou imediatamente a idéia, oferecendo inclusive facilitar-nos contato com os professores de francês no Brasil, para que uma pesquisa equivalente, recíproca, pudesse também ser realizada no Brasil sobre a imagem da França para os jovens brasileiros.

2Queremos aqui agradecê-la pela compreensão e apoio que sempre nos deu no decorrer deste trabalho. Sua realização não foi fácil, como se pode imaginar. No entanto, beneficiamos de muita ajuda e competência desde o início. Agradecemos particularmente a Pierre Gervaiseau que, além de todo o seu auxílio, tornou possível esta pesquisa, facilitando o contato entre os dois órgãos institucionais: a Adepba e o Irpeacs.

3Nossos mais sinceros agradecimentos, também, a todos os que participaram da concepção e da aplicação do questionário, em particular os 35 professores de liceus e colégios que aceitaram aplicá-lo junto a seus alunos, às vezes até mesmo participando de sua análise ulterior, e enfim à equipe de professores de Português que dedicou muito tempo na participação a todas as fases de realização desta pesquisa: O. Ballesta, G. Brugeille et L. Joué. (Ver em anexo a lista de todos os participantes).

4Esta pesquisa propunha-se atingir três objetivos que procuramos compatibilizar:

  • recolher um panorama das representações sobre o Brasil junto a uma população de alunos de liceus e colégios na França.

  • mobilizar os alunos e os professores – história, geografia, economia, português... – em torno deste tema e iniciar uma reflexão sobre as representações recolhidas investigando localmente, em cada estabelecimento de ensino, os resultados da pesquisa.

  • contribuir para uma reflexão teórica sobre as representações sociais, apoiando-se na experiência já adquirida pela equipe de P. Vergès e A. Silem no meio do IRFEACS: enfoque teórico e metodológico.

Introdução

  • 1 Pierre Vergès, « Les formes de la connaissance économique, éléments pour une analyse des raisonneme (...)
  • 2 Ver também : J.B. Grize, P. Vergès, A. Silem, « Salariés face aux nouvelles technologies. Vers une (...)

5A pesquisa que realisamos sobre as imagens do Brasil entre os alunos de liceus e colégios permitiu recolher um panorama das representações dos jovens em relação a este país. O método de elaboração do questionário e os objetivos fixados inspiram-se na teoria das representações sociais elaborada por Pierre Vergès1 e desenvolvida em numerosos trabalhos do IRFEACS2. É indispensável lembrar rapidamente esta teoria para entender a natureza das perguntas feitas e dos resultados obtidos.

6Escolher o estudo das imagens que os adolescentes elaboram a respeito de um determinado objeto pode revelar intenções implicitamente normativas. Diante de uma população de alunos, as respostas fazem emergir erros, deformações, desconhecimentos...: a tentação é grande de usá-los como prescrições aos professores afim de retificarem esta imagem «falsa» ou lhe substituírem melhores conhecimentos ou conhecimentos exatos. Este trabalho de correção que consiste em opor «conhecimentos populares» e «conhecimentos cultos», quando aplicado mecanicamente e sem nenhuma outra reflexão, leva a ignorar por um lado a importância e os mecanismos da informação e das comunicações nas sociedades modernas, e por outro, a natureza profunda das representações sociais. Estas podem ser definidas como conhecimentos práticos ou eficazes. Os adolescentes estão expostos aos discursos dos especialistas: jornalistas, geógrafos, historiadores, economistas... O «discurso circundante» que procede destes diversos atores sociais é acolhido e recebido para ser integrado a um saber existente, segundo um procedimento ao mesmo tempo individual e sociocultural que transforma a representação social em conhecimento partilhado.

  • 3 Serge Moscovici. Prefácio a Claudine Herzlich, « Santé et Maladie: analyse d’une représentation soc (...)
  • 4 J.C. Abric : « Représentations sociales et comportements – Approche théorique et recherche expérime (...)
  • 5 J.C. Abric : « Jeux, conflits et représentations sociales ». Thèse de Doctorat d’État, Université d (...)

7Esta hipótese remete indiretamente à teoria de S. Moscovici e aos trabalhos de P. Vergès. O postulado fundamental de S. Moscovici é que não existe corte entre o universo exterior e o universo interior do indivíduo (ou do grupo). O sujeito e o objeto não são distintos fundamentalmente3. Em outras palavras, a única realidade para o individuo ou o grupo é a realidade apropriada, isto é integrada num sistema cognitivo4. A representação, ao mesmo tempo processo e conteúdo, «reestrutura a realidade para permitir uma integração ao mesmo tempo das características do objeto, das experiências anteriores do sujeito e de seu sistema de atitudes e normas5.

8Estamos de acordo em dizer que a representação social é um ponto de vista comum sobre um objeto, que permite dar sentido a este último, por um lado, e à ação, do individuo ou do grupo social, por outro. Aplicado ao objeto Brasil, que pode ser investido por diferentes disciplinas (antropologia, economia, geografia, história, sociologia, política, etc.) é evidente que a representação social não pode de forma alguma reproduzir as representações científicas que surgiriam destas diversas disciplinas. Em consequência, não se trata de considerá-las como o espelho deformado dos conhecimentos científicos. No entanto, isto não quer dizer que não exista nenhum laço entre representações sociais e conhecimentos científicos. De fato, e para retomar uma definição de W. Ackermann e R. Zygouris, as representações sociais constituem um saber que possui, com o saber científico, um certo grau de fidelidade que «varia da adequação mais perfeita com a teoria até a representação mais subjetiva e mais afastada da visão científica comum, apenas relacionada com esta através de algumas palavras cultas esvaziadas de sua significação convencional. » Por conseguinte, é preciso interrogar-se sobre o conteúdo destas representações com vistas a uma integração num projeto pedagógico, tendo cuidado em rejeitar a problemática do «duelo conflitual» entre conhecimentos populares e conhecimentos cultos. A escola é o lugar em que as duas modalidades de conhecimento se encontram e em que uma não existe sem levar em conta a outra.

9Esta problemática das representações sociais levou à elaboração de um questionário escrito cujos aspectos metodológicos estão descritos em anexo. O objetivo do trabalho apresentado aqui é analisar as respostas obtidas junto aos alunos (1248), distinguindo os testes de evocação, os textos livres e as seleções de itens.

As evocação espontãneas

10A pergunta de evocação redigida assim: «Quais são as primeiras palavras (ou grupos de palavras) que lhe vêm em mente diante da palavra Brasil?» deu vez a um tratamento dividido em duas amostras abarcando 107 alunos de liceu e 99 alunos de colégio, correspondendo a 9 estabelecimentos de ensino, cada um representativo das amostras de base.

11O objetivo deste modelo de pergunta aberta é apreender a dimensão cognitiva e o funcionamento ideológico dos alunos. A evocação leva a um painel de aspectos que é interessante analisar para destacar um núcleo constante de representações que surgem a respeito do Brasil, e dos elementos de prototipicalidade. Assim, pode-se compreender a função que desenvolvem os níveis de determinação das representações sociais (imaginário, discurso circundante, conhecimento escolar). A evocação manifesta-se por um vocabulário, mas em matéria de representações, a idéia vale tanto quanto ou mais que a palavra. É por esta razão que apresentamos em primeiro lugar os aspectos estatísticos do léxico para em seguida proceder à análise por campo semântico.

Riqueza lexical

12O vocabulário dos alunos de liceu e colégio é muito rico. Foram respectivamente 317 e 293 expressões ou palavras diferentes para ocorrênciais totais de 861 e 835. Em outras palavras, a frequência média de uma palavra ou de uma expressão é de 2,71 para os liceus e de 3,85 para os colégios.

13O número médio de itens por aluno é de 8,046 para os liceus e 8,43 para os colégios. As «diferenças-padrões» são respectivamente de 2,6192 (liceu) e 2,3270 (colégios). O teste de homogeneidade das médias ao nível de 5% indica que as médias não são significativamente diferentes.

  • 6 Por exemplo, a pesquisa sobre a representação do trabalho e das novas tecnologias para os assalaria (...)

14O fenômeno que convém notar é que a palavra Brasil sugere um grande número de respostas. As médias são relativamente elevadas: para a mesma pergunta, nossos trabalhos anteriores relativos a outros temas davam níveis nitidamente mais baixos6.

15A análise qualitativa dos repertórios das duas subamostras permite perceber algumas diferenças, mas no conjunto o que se destaca é uma grande homogeneidade.

16A primeira diferença poderia estar no fato de que só os alunos de liceu, isto é os mais velhos, evocaram as expressões e as palavras «Bois de Boulogne», «travestis». Mas só são 3 neste caso. Em compensação são 8 que evocam «les belles filles, les filles, les jolies filles, les brésiliennes, les belles brésiliennes» (ou seja: as moças bonitas, as mulatas e as belas brasileiras), enquanto só 5 alunos de colégio deram as mesmas respostas.

17O exame das respostas curiosas, decorrentes do desconhecimento e em geral pouco numerosas, não permite discriminar os dois grupos. A referência à América Hispânica e à língua espanhola, por um lado, e a designação do Rio como capital, por outro lado, são comuns aos dois grupos. Certas aproximações são evidentemente ligadas a uma visão relativamente confusa do subcontinente latino-americano. Assim notamos: sombrero, México, Buenos Aires, Porto Rico, Cristobal Colón, Santa Barbara (a novela americana), a salsa, o Pacífico, e o pão-de-melo (!)…

18A análise das expressões e das palavras mais freqüentes, depois do agrupamento de certas expressões-sinónimos deixa transparecer pouca diferença entre os grupos (Quadro no 1). Até 10 ocorrências, encontram-se muito poucas palavras específicas a cada sub-amostra. A correlação da classificação é muito forte como o mostram os 5 primeiros elementos: Carnaval, Sol, Futebol, Café, Miséria. Além destes 5 aspectos, diferenças de classificação e de frequência são relativamente nítidas. Os alunos mais velhos colocam a música no 6° lugar, enquanto se encontra no 19° lugar para os mais jovens. Entre estes últimos, 10 citam as novelas de televisão, enquanto entre os alunos de liceu somente 2 as evocam. Os alunos de liceu são em compensação mais numerosos a evocar o problema da dívida: 24, para somente 5 nos colégios. Os aspectos «cor» e «língua portuguesa» pertencem mais, com a «dívida» e a «música», às representações dos alunos de liceus que dos alunos de colégios. Para estes últimos, os aspectos específicos são, com as novelas, «a seca», «Brasília», «a floresta».

19A pesquisa de elementos de prototipicalidade leva a reter exclusivamente «carnaval» ou «carnaval do Rio» e «sol». De fato, estes dois elementos são citados por mais de 50% para o primeiro, e por quase 50% para o segundo, nas duas subamostras. Além disso, quando são evocados, aparecem nos dois primeiros lugares do rol dado pelos alunos em mais de 50% dos casos (carnaval para os liceus, sol para os colégios). Abrindo o critério de prototipicalidade para o terceiro lugar no rol, «carnaval» e «sol» aparecem sem ambigüidade como a representação espontânea do Brasil.

Campos semânticos

Definição dos campos semânticos

20Além das palavras, é interessante tentar evidenciar os campos de significação específicos no conjunto das representações sociais que a palavra Brasil sugere. O vocabulário disponível autoriza a distinguir cinco campos semânticos.

  1. o campo « ludismo, festa, arte» recobre tudo o que diz respeito ao esporte, hábitos, dança, música, cinema, novela, carnaval, fantasia, folclore.

  2. o campo geografia reúne todos os elementos físicos e uso do espaço: floresta, seca, clima, cidade, imensidão do território, deserto, são algumas das palavras e expressões que foram colocadas nesta categoria. Em compensação, o sol e o mar frequentemente seguidas por praias e férias ou por outras palavras com conotação de prazer e de lazer, foram colocadas na categoria «mitologia, imaginário e valores».

  3. o campo mitologia, imaginário, valores é consituído por tudo aquilo que se relaciona com o mito (ouro, (metal), aventuras...) assim como com atitudes, comportamentos, desejos e gosto daquele que responde. É um campo que coloca problemas de homogeneidade e de interpretação. O caso da palavra «sol» apresentado anteriormente é um ilustração disto. O sol seguido da seca pode ser um aspecto do campo geográfico. O mar também. Mas, associados muitas vezes ao fato de bronzear, às férias, aos banhos, aos biquinis, à areia quente ou fina, eles pertencem ao campo mitologia, imaginário, e valores. Por causa do predomínio desta última situação, as palavras objetos de dúvida foram assimiladas aos casos que não levavam à discussão.

  4. o campo econômico é definido por tudo aquilo que diz respeito à produção, à repartição, à distribuição e ao consumo das riquezas de uma determinada sociedade. As palavras, noções ou expressões do tipo «café, produtor de café, país subdesenvolvido, país endividado, pobreza, inflação, riqueza, turismo, desemprego, país vendedor de armas, novo país industrializado, dualismo, contraste, fome... » foram classificados neste campo. Em compensação, quando o dualismo ou o contraste são qualificados ou traduzidos por «riqueza/pobreza», «riqueza para os burgueses», «contraste pobreza/riqueza», nos pareceu preferível, nestes diversos casos, arrolar as expressões no campo social.

  5. o campo social recobre o conjunto dos elementos relativos às relações sociais e às condições de vida dos grupos sociais identificados. Pertence também a este campo a língua falada, as questões de raça e etnias: «miscigenação das raças», «mestiçagem das raças», «encontro de civilizações», «índios», «indígenas», «escravidão»; os dados demográficos: «população importante», «muitos jovens»; os problemas sociais: «desigualdades sociais», «ricos/pobres», «bairros ricos/bairros pobres», «barracos, favelas», «doença», «pobreza», «sujeira», «problemas de droga, maconha», etc.

  6. o campo político é constituído por tudo o que se refere à esfera do poder hoje, de modo geral. Esta definição limitativa no tempo leva a classificar no campo social os aspectos ligados à colonização portuguesa e à escravidão. De fato, a presença deste campo é pouco significativa pois os alunos de colégios só são 3 a aludir a ele, enquanto os alunos dos liceus são 9 a falar de «democracia, democratização, 20 de junho de 1986, Tancredo, país seqüestrado, ausência de democracia, corrupção, regionalismo e regime».

Comentários

21A apresentação das definições já esclareceu em parte os resultados. Para os jovens dos colégios e liceus, a palavra Brasil não evoca espontaneamente idéias do campo político. De fato, a este só aludem 8,4% dos alunos de liceus e 3% dos colégios. Representa unicamente 1% e 0,35% das ocorrências de cada um dos grupos. Ou seja a perspectiva política é quase inexistente. Em conseqüência, o primeiro resultado importante revela que, se as duas subamostras são realmente representativas, os alunos do ensino secundário na França são pouco receptivos ou pouco sensíveis à dimensão política da vida social brasileira.

22Por outro lado, e este é o segundo resultado, o Brasil é o país da festa, do carnaval, do futebol, da música e da dança, e também o país das férias, do sol e da praia. De fato, os campos « ludismo, festa e mitologia, imaginário, valores» são os mais solicitados nas duas subamostras.

23A distribuição dos campos semânticos, para os dois grupos, não são significativamente diferentes (x2 = 0,003, para 4 graus de liberdade e até 1 %, o campo político foi regrupado com o campo social).

Quadro no 2. Campos semânticos

Quadro no 2. Campos semânticos

x2 = 0,003

24A análise mais detalhada do conteúdo dos campos semânticos mostra, no entanto, diferenças principalmente para a economia, mas estas se relacionam mais com competências do que com represenção social. Por exemplo, o uso da noção de dualismo por um aluno de liceu é um sinal de competência ou de conhecimentos acadêmicos que alude à mesma realidade que as expressões: «contraste riqueza/pobreza» ou diversas categorias: «pobreza, riqueza» e «pobres-ricos», usadas por vários alunos de colégio. Notemos simplesmente que «dualismo» é classificado na economia, enquanto as outras expressões aparecem no campo social.

25Convém observar que o vocabulário dos alunos de liceu é mais conceptual, mais especializado e mais técnico que o dos colégios. Assim nota-se (entre parênteses o número de referências): país em vias de desenvolvimento (5), país subdesenvolvido (3), dependência econômica (1), Terceiro Mundo (2), dívida com o FMI (1), novo país industrializado (2), país explorado pelos países capitalistas (1), forte inflação (1). Todos os elementos são exclusivos dos alunos de liceu. Além do grau diferente de abstração no vocabulário, a idéia dominante do campo econômico e comum aos dois grupos é a pobreza e a miséria do Brasil.

26Para uma minoria dos alunos de liceu (L), o Brasil, evidentemente, possui importantes riquezas minerais (1L) ou riquezas (1L), conhece o modernismo (1L), procura se industrializar (I), é um vendedor de armas que tem futuro (1L) e sai do subdesenvolvimento (1L); mas para a maioria, é um país que conhece a fome, o endividamento, o subdesenvolvimento apesar de ser exportador de café. Com menos vocabulário disponível, os alunos de colégio (C) evocam as mesmas idéias.

27O vocabulário do campo social conduz à mesma conclusão, uma vez afastados os temas da língua e das etnias. Encontram-se, de fato, para os liceus, os critérios tradicionais do subdesenvolvimento: diferença social (2L), pobreza/riqueza (6L), gueto, barracos, favelas (19L), doenças freqüentes (1L), país jovem, juventude, muitos jovens (4L), desigualdade social (1L); riqueza de uma minoria (1L), população importante (1L), analfabetismo (1L), superioridade de uma minoria, de um grupo (1L).

28Para os alunos dos colégios, os aspectos socio-econômicos são nitidamente menos frequentes no campo social. Nota-se no entanto: riqueza e pobreza, contraste miséria e riqueza, os burgueses e os ricos/os pobres do Brasil (9C), país superpovoado, população numerosa, abundante, importante, forte população (7C), favelas (14C).

29Os alunos dos colégios parecem dar mais importância que os dos liceus aos problemas sociais.

30O fenômeno de sociedade multirracial é aludido nos mesmos termos pelos dois grupos, por um número pouco significativo de respostas (menos de 10% em cada grupo). O mesmo acontece com a língua portuguesa.

31Os conteúdos convergentes dos campos econômico e social contrastam com a valorização positiva dada ao campo imaginário, mitologia e valores. De fato, o Brasil é um «país de sonho», para retomar a expressão usada por um aluno, que resume bem o conteúdo das respostas classificadas neste campo. Esta avaliação positiva não pode ser separada dos aspectos geográficos do país: clima, sol, mar, floresta favorável à aventura.

32O Brasil é o país da alegria (3C) onde se pode brincar (1C), aproveitar lazer (3C), tomar banho (11C) num mar azul como o céu (1C) ou verde como as palmeiras e coqueiros (2C), bronzear nas praias (17C). Evidentemente, existem «favelas», mas são «favelas nas quais as crianças são sempre sorridentes» (1C), «as pessoas felizes» (1C) ou «com um ar feliz» (1C), «um ambiente alegre» (1C), a alegria de viver (4C). E um país acolhedor (1C) e caloroso (2C). Todos esses aspectos fazem dele um país a ser visto por suas «estrelas brilhantes» (1C), seu «por do Sol» (4C), seu «luar» (1C), seus «pássaros estranhos» (3C).

33Com muito menos lirismo, o grupo dos alunos de liceu subscrevem a esta visão expressa por um dos seus: «um dos países mais interessantes a ver no mundo: «floresta, fauna, aventura». São, no entanto, mais numerosos a restringir esta representação, assinalando: «a falta de segurança» (1L), «a violência» (3L), «o perigo nas ruas à noite» (1L), «o medo» (1L), «o crime» (1L), «a sujeira» (1L), «a freqüência da morte» (1L), «a freqüência das doenças» (1L).

34Estes diversos aspectos classificados no campo social («delinqüência, violência, sujeira, uma ocorrência cada uma») são inexistentes ou quase para os alunos de colégio e não diminuem a representação do Brasil da festa, da música, da dança, do folclore e do futebol. O campo «ludismo» representa um quarto das ocorrências para os dois grupos. Mais de 80% das respostas citam pelo menos um elemento relativo a este campo. Evidentemente, como o mostra o quadro no 2, é o tema do carnaval que predomina, citado por 60% dos alunos de colégio e 80% dos alunos dos liceus.

35A dança, a música (samba), o carnaval e o futebol deixam pouco espaço para as outras formas ou manifestações do folclore, da arte ou do ludismo brasileiro. Os autores, arquitetos, cineastas são citados apenas por um aluno de liceu (Jorge Amado, Niemeyer, Gilberto Gil, Pixote). Claro, alguns alunos de colégio são atentos às novelas brasileiras, mas o cinema brasileiro é desconhecido, enquanto se associam «Tarzã» e «O Homem do Rio» ao Brasil.

36A importância do futebol passa muito adiante da Formula 1, e as personalidades mais citadas são os jogadores de futebol: Pelé (3L e 4C), Zico (3C). Um aluno de liceu até propõe, diante da palavra Brasil, o rol dos dez mais famosos jogadores de futebol. Os outros esportes que não beneficiam da mesma cobertura mediática e que não alcançam o mesmo nível internacional são pouco referidos: o pólo (1L), o surf (1L), o tênis (2C).

37Para terminar, observaremos que a geografia do Brasil é geralmente conforme à descrita pelos livros escolares, mesmo se a representação social neles é parcial. Reencontram-se os principais elementos: a floresta, simultaneamente a seca e a umidade, o clima ao mesmo tempo tropical e equatorial, as principais cidades, mesmo se o Rio de Janeiro, com o Cristo e o Pão de Açúcar, é mais frequentemente evocado, a importância do rio Amazonas, a extensão do país, sua proximidade com a Venezuela, a Colômbia, o Peru e a Argentina. As catástrofes naturais são lembradas, seca e chuvas diluvianas, algumas não sendo especificamente brasileiras: seísmos, terremotos, vulcões.

Conclusão

38A análise da pergunta de evocação que acabamos de fazer deixa transparecer que os três níveis de determinação são ativos: o imaginário que descreve um Brasil de Sonho, os discursos circundantes que apresentam o Brasil como o país do futebol e do carnaval, e os conhecimentos escolares que dão informações convenientes sobre os aspectos geográficos e humanos do Brasil.

39No piano social, a representação dos alunos de colégios e liceus é amplamente dominada pela «miséria», a «pobreza», imagem mais difundida nos mídia, com a do futebol, do carnaval e da dívida externa.

40A análise em termos de desenvolvimento econômico, social, geográfico depende em compensação dos conhecimentos escolares. É tanto mais exata que o grupo é mais adiantado nos seus estudos. Os problemas políticos que poderiam ressaltar tanto do conhecimento escolar quanto do discurso circundante parecem no entanto serem desconhecidos aos alunos do ensino secundário. O fato de banalizar, para todo o Terceiro Mundo, um fenômeno cujo arquétipo foi o Brasil, a insegurança e as mudanças políticas que surgiram na maior parte dos países latino-americanos e/ou a falta de interesse que os jovens manifestam em relação à política, poderia explicar a escassez desta menção.

O Brasil dos jovens: do sonho à realidade

41A análise dos testes de evocação salientam o que se poderia chamar de «um sistema Brasil» do qual poderíamos destacar: a) certas dimensões e características em função da nossa população; b) um núcleo principal de representações; c) elementos de prototipicalidade.

42Precisamos agora aprofundar um pouco mais o «sistema» e tentar encontrar algumas articulações. A análise dos textos livres que acompanhavam, no questionário, o teste de evocação, permitirá fazê-lo.

43De fato, temos em mãos um maravilhoso tesouro de palavras, idéias, estruturas mentais e afetivas. Seriam precisos vários meses para tentar uma análise sistemática e dar uma idéia que não seja parcial ou fragmentada. Por isso, trata-se de uma análise de conteúdo empírica, mas que nos facilitará a apresentação de algumas hipóteses, à falta de conclusões definitivas.

Atitudes e discursos

«Bricolage» («trabalho de retalhos»)

44À leitura desses textos (em torno de 500) pudemos verificar empiricamente o fundamento dos resultados que precedem. Isto é, neles encontramos de novo o conjunto dos temas enunciados nos testes de evocação, e muitos outros mais raros, num contexto que justifica por si só uma reflexão. Se, por um lado, reencontramos os campos semânticos nos quais classificamos cada palavra ou expressão, com uma freqüência e uma proporção que já nos são conhecidas, por outro lado estes estão totalmente presos ao «discurso vivo», elaborados e articulados. Da mesma forma, os níveis de determinação que observamos, são também simultaneamente ativos, sobrepõem-se, entrecruzam-se inclusive uns com os outros. Por isso, é muito difícil dar configuração a estes textos múltiplos, proteiformes em que se misturam conhecimentos, impressões, sentimentos, opiniões, julgamentos de valor, criações, desejos... Muitas vezes são formados por elementos justapostos, mais ou menos construídos, às vezes constituídos somente por elementos colhidos às pressas. Alguns alunos dão um passo mais adiante no desejo de coerência: temos então um raciocínio, uma demonstração, uma relação de causalidade, e, no auge desta tendência, um «bom dever escolar». O sentimento que predomina, diante destes textos, é o do «bricolage», tal como é usado pelos antropólogos, e depois deles, pelos especialistas da análise das representações, no sentido que, em matéria de representações, a inteligência se apropria de tudo: memória, imaginação, julgamento, são aqui requisitados para pensar o objeto, como se pode, e dar dele uma imagem. Pouco importa que seja caricatural, excessiva, redutora, sensacionalista, sumária, critica, humorística, poética... é uma imagem forte: temos vontade de referir-nos à famosa frase do semanário: «o peso das palavras, o choque das fotos». Se falarmos, com toda a razão, de lugares comuns, de estereótipos, de paisagens «cartão postal» (pois estão todos presentes), é surpreendente ver, quando juntamos todos esses textos, a quantidade de observações pertinentes e sensíveis que, por sua vez não têm nada a ver com a função obsedante e limitativa do estereótipo: sem negar a evidente proporção dos textos «pobres», a imagem que se destaca da soma das outras é uma imagem complexa. Não é a «verdade» que é procurada pelo aluno (o que aliás não lhe foi pedido), esta até se torna objeto de questionamento: aquilo que se diz na televisão, na sala de aula, e a fortiori no cinema ou na publicidade não é considerado em si a verdade sobre o Brasil. Nem mesmo a verossimilhança; pois à falta de conhecimento, a imaginação é fértil e pouco lhe é necessário para se desenvolver com digressões às vezes surpreendentes.

Implicação

45Não se pode analisar as representações sem levar em conta suas condições de produção ou de aparecimento. Limitar-nos-emos a tratar este problema no estrito piano da pesquisa, isto é do aluno que responde ao questionário. Isto nos leva a distinguir dois pianos: o grau de implicação do aluno, e a consciência que tem (expressa ou implícita) dos determinantes sociais que contribuem à formação de suas próprias imagens.

46Uma primeira constatação: os alunos, em seu conjunto, entenderam o que se esperava deles e entraram no jogo com boa vontade. Foram raras as «folhas brancas» ou os «bons trabalhos» no sentido escolar da palavra. Mesmo se é évidente que fizeram muitas vezes um esforço para expressar «tudo» o que lhes vinha em mente, parece que não se censuraram demais: temas pouco escolares como «moças bonitas», «travestis», ou «brincar carnaval» («s’éclater au carnaval») e outras delícias turísticas não faltaram. Além disso, se cada um sabe poucas coisas sobre o Brasil (e é o caso de 80% dentre eles, pelo menos), numerosos são aqueles que o reconhecem facilmente. Apesar do peso que constitui o lugar de passação do questionário – a escola – demostram que usam relativamente de uma grande liberdade em relação às normas admitidas nesse lugar, sendo a primeira a de «saber».

47«O Brasil fica longe», esta afirmação é freqüentemente utilizada para explicar, entre outras coisas, a relativa ignorância deles. É verdade que muitos sabem que o Brasil fica na América do Sul, num lugar distante, entre Argentina e México, numa nebulosa longínqua, a tal ponto que lá as fronteiras culturais entre os países latino-americanos se diluem em parte. Mas este «longe» expressa também um afastamento cultural e simbólico (explicitado, aliás) que dá a medida do investimento deles. O Brasil não é a França: moderno demais (Brasília) ou arcaico demais (o Nordeste), lá acontecem coisas «inimagináveis, impensáveis» para um Francês (em particular a miséria, a desigualdade social e econômica, a violência, o trabalho dos jovens...). Enfim não é surpreendente que aludam com mais frequência a temas como carnaval, futebol, miséria, por um lado por causa do impacto mediático, mas por outro lado porque podem projetar-se nesses temas: o futebol é com eles, o conhecem, falam nele ou ouvem falar dele, é uma realidade na França; o carnaval, sonham com ele, é para eles o lugar do prazer e da alegria por excelência; a miséria os toca, principalmente a das crianças; e quando não se sabe nada e que se esta em sala de aula, é tão bom pensar nas férias! O que surge desses textos é que, apesar do «afastamento» do Brasil, este país suscita neles uma forte implicação pessoal. Seria seguramente interessante comparar o Brasil com outros objetos, mas a natureza deste faz com que os alunos tenham apenas uma visão indireta (pelo meio dos mídia ou da escola) e de alguma forma «passiva», com raras exceções. À falta de ter uma experiência pessoal do Brasil, fabricam uma imagem compósita, e é raro que um objeto estrangeiro, longínquo suscite tanta curiosidade e paixão.

Consciência dos determinantes mídia e escola

48De modo geral, os jovens têm uma visão crítica dos mídia quando falam deles (quase sempre da televisão) às vezes com veemência, às vezes limitando-se a indicar que não se deixam enganar. Quando se trata da escola, bem menos citada, expressam igualmente algumas reservas sobre a maneira como o Brasil lhes é apresentado.

49«Conheço o Brasil pelas imagens da televisão e os jornalistas. Isto é, não conheço este país... » (T)

50«O Brasil é um país pobre, ao contrário do que se pode ver nas publicidades: gente bem vestida, sorridente... » (2°)

51«Nos bombardeiam na televisão com garotas bonitas, filmadas nas praias, nas reportagens ou nas novelas (tipo americano)». (T)

52«Apenas as imagens publicitárias me vêm em mente quando evoco o Brasil» (3)

53«Na “cinquième”, por ocasião de um estudo sobre a fome no mundo, estudamos o caso do Brasil» (3).

54«Para mim, o Brasil é um país onde predomina a agricultura. Não me lembro de ter visto “imagens do Brasil com fábricas”». (3)

55«Imagino o Brasil como um país pobre que não consegue superar seus problemas econômicos. Talvez seja por causa das nossas aulas que nos mostram este país exclusivamente através dos seus problemas. As reportagens da televisão são também essencialmente centradas sobre os problemas do Brasil...» (T)

56«Na França, a principal imagem que os mídia nos transmitem é veiculada pelas novelas, pequenos seriados de televisão. Acho que representam claramente os problemas dos ricos Brasileiros, dos que podem se permitir viver os seus desejos.» (T)

57«Parece que nós, Franceses, temos uma idéia falsa do Brasil (Tenho quase certeza disto porque só podemos descrever um país através das imagens que nos são transmitidas e que o próprio país quer também dar dele)» (2)

58«O Brasil, demais afastado culturalmente, geograficamente e historicamente da França – e da Europa em geral – é um país desconhecido para nos: é submetido a um certo número de lugares comuns – como por exemplo o carnaval do Rio – amplamente coberto pelos mídia, ou então a fabulosa equipe de futebol com Pelé. Mas a estrutura profunda da sociedade é desconhecida (ao nível das mentalidades, dos hábitos...). São exclusivamente levadas ao nosso conhecimento as desigualdades sociais gritantes, como em todos os países subdesenvolvidos –, a crise econômica e o imenso endividamento...» (2°)

59Difícil acrescentar alguma coisa depois dos depoimentos dos alunos. No entanto, é melhor ser precavido e não generalizar este nível de análise: é certo que uma maioria dos jovens, principalmente em «5e» reproduzem lugares comuns, sem o menor problema; mas são numerosos também aqueles que os transformam, os ultrapassam para criar «o Brasil deles» a partir desses estereótipos. Uma importante minoria o diz claramente (em torno de 20%): o que vêem na televisão não é o Brasil «verdadeiro».

Estrutura dos textos

60Parece indispensável deter-se agora, nem que seja superficialmente e indicando o que poderia ser feito ulteriormente de modo mais sistemático, sobre a relação entre o conteúdo (os temas abordados) e a forma (já apreendida com a implicação), ou seja sobre a estrutura. Para falar rápido, uma das primeiras estruturas que emergem do corpus de modo evidente, nítido, dominante, é a expressão da oposição, da contradição, da restrição, do paradoxo... ou seja da dualidade, do «país dos contrastes»: a forma elementar desta relação poderia ser esquematizada por «pobre – mas – alegre». É raro que uma imagem positiva não seja imediatamente contrabalançada por uma imagem negativa (ou o contrario). A conjunção «mas» é onipresente, ou substituída por «apesar, mesmo se, no entanto, infelizmente, meu Deus...», ou ainda por justaposições que têm valor de oposição, sem que o «mas» seja explicitado, para expressar sob as mais diversas formas os dois lados do Brasil: o rico/o pobre, o desenvolvido/o subdesenvolvido, o país mais endividado/o país do futuro, o das cidades/o do interior, o moderno/o arcaico, etc.

61Vamos agora tomar alguns desses temas e procurar situá-los uns em relação aos outros através das associações e das articulações que constituem a trama deste «sistema» Brasil.

«Pobre mas alegre»

62Neste parágrafo, nos limitaremos a dar alguns exemplos:

63«A meu ver, o Brasil é um país, pobre, claro, mas onde os habitantes demonstram muita alegria e bom humor» (3°)

64«O Brasil é um país pobre mas dá a impressão que as pessoas são felizes». (2°)

65«O Brasil, para mim, é um país infeliz e feliz ao mesmo tempo. Infeliz por causa da fome nas favelas, a probreza, etc... feliz pela alegria de viver, pelos carnavais, pelas grandes testas, etc.» (5°)

66«Imaginemos alguns instantes que a pobreza do Brasil exista na França. Vejam lá! Os compatriotas franceses perdendo o carro deles, as suas lindas casas, a loteria e o “tiercê”... Qual seria a reação deles? Pois bem, no caso dos Brasileiros, é a necessidade de bem estar não-material (o aluno refere-se ao futebol e ao carnaval como meio para esquecer a miséria), e a alegria de viver que suprem as carências econômicas que padecem, ou seja o saber e o gosto pela festa. Nossa sociedade de consumo não nos permite isto. Mas entre as duas nações, apesar de nossas potências militares, industriais, comerciais ultrapassarem a do Brasil, qual dos dois países está mais perto da verdadeira vida?»

Carnaval

67O carnaval é o tema que, para os jovens, simboliza perfeitamente o Brasil: seu fasto, sua riqueza, sua alegria, sua vitalidade, sua extravagância, sua violência, a mistura de raças e de classes sociais, a miséria e o esplendor... Subjuga de tal forma que se poderia esquematizar este fascínio pelas duas palavras que voltam sempre: prazer e morte. Mas fora desta imagem (tipo Walt Disney), das fantasias que se preparam no decorrer do ano todo, juntando dinheirinho, e da festa para esquecer tudo, o carnaval é pouco descrito e pouco conhecido: a representação atinge aqui o auge de sua função conhecimento/desconhecimento. Todos falam dele mas ninguém o conhece a não ser através das imagens da televisão (e dos mídia em geral).

68O carnaval é, antes de tudo, associado à alegria (a festa, o prazer, a dança, a música, o desabafo...); imediatamente depois, à miséria (pobreza/favelas/desigualdades), o nosso esquema «alegre/mas/pobre». Vêm em seguida todas as imagens ligadas ao turismo (beleza natural, praias, sol e grandes hotéis), ao caráter acolhedor e caloroso dos brasileiros, à insegurança (perigo, morte), e mais raramente à delinqüência (droga, prostituição): se a maioria dos alunos (principalmente os mais jovens) cai na armadilha da fabulosa máquina para sonhar que a televisão lhes propõe, são numerosos os que a denunciam: fachada enganadora, máscara de carnaval, que procura sem sucesso esconder a miséria. A relação carnaval/miséria se expressa também pela idéia de estrago: a miséria estraga o prazer, o do brasileiro de modo secundário, o do turista em geral, mas principalmente, parece, o do aluno: estraga seu sonho, estraga a paisagem idílica ou paradisíaca, que lhe é cara (como se poderã ver mais adiante).

69O carnaval, máquina de sonhar mas também máquina de dinheiro. A surpresa vem de uma associação suficientemente presente para considerá-la como parte do imaginário coletivo sobre o Brasil: um dos aspectos evocados com mais freqüência é, de fato, a despesa que representa, para os brasileiros, a confecção da fantasia de carnaval ou, para o país, a própria festa de carnaval. Isto leva curiosamente a associar o carnaval e a divida.

70«Os brasileiros gastam muito dinheiro para carnaval, poderiam utilizar este dinheiro para outros objetivos, sem falar da divida que é uma das mais importantes do mundo» (2°).

71«O Brasil conhece uma verdadeira crise econômica que acarreta miséria e que até modificou, neste ano de 1987, o entusiasmo geral pelo carnaval (...). Além disso, os capitais estrangeiros trazidos pelos turistas para assistir ao carnaval não conseguem compensar o déficit econômico do pais» (T)

72«O carnaval do Rio atrai muitos turistas. É um meio para atrair dinheiro, mas isto representa também um grande endividamento pois os preparativos custam caro» (2°)

73«O país se endivida para poder preparar o carnaval» (2°)

74Pode-se considerar este tipo de resumo caricatural como específico da representação: amálgama, curto-circuito, deslize, raciocínio tapaburaco que permite relacionar dois elementos que se conhecem de uma realidade para tentar compreendê-la e se apropriar dela. A função prática da representação admite um número bastante grande de erros ou aproximações sobre as quais voltaremos: de fato, uma certa regularidade entre os erros permite classificá-los, até mesmo datá-los.

A economia brasileira

75Gradualmente, passamos do sonho à realidade e, parte integrante desta, encontramos a divida do Brasil. Entre os temas mais evocados, o problema da divida permite encarar os aspectos econômicos do pais para destacar entre eles algumas articulações.

76Em primeiro lugar, se foi possível vislumbrar o «carnaval» dos jovens, é bem diferente quando se trata da economia brasileira: o carnaval representava quase uma unanimidade, todos falavam dele, dos mais jovens aos mais velhos, permitindo definir uma visão relativamente simples, atemporal e nítida, feita de 80% de sonho e 20% de realidade. Com a economia, pode-se dizer que a proporção se inverte: é verdade que a economia de um país é coisa muito mais complexa, e de uma natureza bem diferente de um acontecimento como o carnaval. De modo geral, são fragmentos da economia brasileira, disseminados num texto ou num outro, às vezes só uma palavra, uma alusão; os textos mais completos e mais técnicos são geralmente os dos alunos de (T) ou (2°).

77Claro, o tom é diferente. O lirismo, o entusiasmo ou a indignação deram lugar a uma enumeração, uma descrição objetiva, um início de reflexão: constata-se que certos temas como o problema agrário são relativamente elaborados. Existe um desencadeamento do pensamento que dá conta de uma realidade na qual, claro, os níveis econômicos social e político estão organicamente intrincados: estrutura agrária (latifúndio) / modo de produção agrícola (monocultura, cultura de exportação...) / seca (Nordeste) / miséria / êxodo rural / favela / desemprego... ou ainda a relação com os países desenvolvidos: intercâmbios / exploração / dívida / dependência... ou ainda o potencial da economia brasileira, as riquezas do subsolo/de sua indústria / seu potencial hidroeléctrico / suas exportações/novo país industrializado...

78No entanto, temos a impressão de que os jovens hesitam em classificar o Brasil numa dessas três categorias: país subdesenvolvido, em vias de desenvolvimento ou novo país industrializado? Os economistas têm toda facilidade, inventam as «etiquetas», mas, neste jogo, o Brasil parece inclassificável. Apenas pode-se dizer que conforme os jovens vão crescendo (a escola talvez ajudando), o Brasil deixa o subdesenvolvimento! Um outro elemento que, na representação dos alunos, parece favorecer o acesso do Brasil ao status de grande potência econômica é seu capital cultural. Aqui só se pode aludir a este fato: a análise comparada dos textos de diversos estabelecimentos mostra que, a nível igual, a aquisição de um vocabulário técnico, conceitual, e a facilidade na elaboração de um pensamento econômico é função da origem social dos alunos (que se imagina através da localização e do recrutamento do estabelecimento, mas que exigiria uma análise mais sistemática dos dados). Revela também certas semelhanças entre vários textos de um mesmo estabelecimento, certamente devidas ao conteúdo do ensino que condiciona a representação dos alunos: o discurso «natural» dos alunos do último ano de um grande liceu parisiense não é o mesmo que o discurso «natural» dum liceu de uma pequena cidade de província. No primeiro caso, destaca-se um consenso para classificar o Brasil nos «NPI» (novos países industrializados), no segundo o mesmo país parece, para a maioria dos alunos, apenas sair do subdesenvolvimento, enquanto num terceiro liceu, o Brasil é sem dúvida um «país em vias de desenvolvimento».

79De um modo geral, este tipo de reflexão existe para uma minoria de adolescentes de (T) e de (2°): mas não esta ausente da visão dos mais jovens que, além do Brasil dos sonhos, folclórico ou exótico, pintam um quadro social geralmente muito negro: pobreza, desigualdades, insalubridade, etc. ou se interessam mais pelos aspectos geográficos e culturais, por exemplo o Brasil «moderno» simbolizado pelas cidades à «americana», seus arranha-céus... pelas suas riquezas naturais exploradas ou potenciais, pelas suas disparidades regionais e suas migrações internas... que articulam com observações de «subdesenvolvimento», de «dificuldades econômicas» ou de «contrastes econômicos».

80A fronteira entre o econômico e o social é evidentemente muito permeável. Até agora só falamos em temas econômicos no sentido estrito.

81No entanto, mesmo se não têm sempre uma bagagem conceitual adequada toda a visão expressa pelos jovens subentende uma inscrição social e econômica, frequentemente matizada de moralismo: a pobreza dos mais numerosos, a riqueza de uma minoria, a miséria dos camponeses e o êxodo rural, as condições da vida urbana: superpopulação, insalubridade, delinqüência, trabalho das crianças, etc. provocam sentimentos de compaixão, de revolta ou julgamentos moralizadores (carnaval, gastos inconsiderados, despesas supérfluas) ficam «chocados, escandalizados, traumatizados», alguns deles até apelam para o nosso senso da solidariedade. Raros são aqueles que se mostram insensíveis.

82Este aspecto da representação exigiria um tratamento específico: a sensibilidade individual não altera em nada o fato de que a representação é um fenômeno coletivo, já afetado de valor moral, antes mesmo que se transformem em sua própria. Além do aspecto cognitivo e conceitual que é possível definir e ordenar, conforme critérios lógico-discursivos, outros conteúdos relacionados à area axiológica das representações sociais remetem aos sistemas de valores da sociedade em que foram produzidas. Um dos critérios de seleção de nossa amostra era a distinção público / privado: temos 154 alunos de 2 escolas particulares (católicas). Isto não é suficiente para estabelecer conclusões. Mas pudemos notar a tendência desses alunos em produzir uma visão mais moralizadora do Brasil do que o resto de nossa amostra: foram aludidos aspectos religiosos (a fé), uma certa sensibilidade para o terceiro mundo é evidente, e a volta do Brasil à democracia mais enfatizada do que nos outros estabelecimentos escolares.

83De modo geral, se, no discurso dos jovens, a política é apenas evocada, a volta à democracia, posta em relevo esses últimos anos, deixou marcas visíveis. Fala-se raramente da ditadura. O tema do racismo, se é oculto no discurso «circundante», apenas aparece na metrópole sob a forma positiva da miscigenação e da suposta harmonia de uma sociedade multi racial. O mesmo tema é pelo contrário, tratado com mais realismo pelos alunos de Caiena, muito sensibilizados por este problema (assunto estudado na aula pelo professor).

A dívida

84Passamos agora ao exemplo da dívida que se pode considerar como o primeiro tema econômico evocado pelos alunos e que, por isso, simboliza o Brasil tanto quanto o carnaval (daí sem dúvida a confusão referida acima): a dívida é em geral associada a «países desenvolvidos» e «países subdesenvolvidos», a Terceiro Mundo, raramente ao FMI, à inflação... Na representação dos jovens, a dívida é o elemento pelo qual o Brasil se relaciona com a economia internacional, e determina suas relações com os outros países (exceto as relações França-Brasil, inteiramente dominadas pelo futebol). Mas, não se fala do mecanismo da dívida, sua natureza, sua história, o sistema monetário internacional e, por exemplo, a fixação das taxas de juros, a industrialização e a substituição de importações, as transferências de capitais, etc. O que não surpreende da parte de adolescentes que só têm, no melhor dos casos, uma tardia iniciação à economia. Reencontramos aí a dupla função de conhecimento / desconhecimento da representação: muitos falam da dívida como da parte visível do «iceberg», sem compreender bem o que dizem e / ou não conseguem explicar nitidamente o seu raciocínio. Não concluamos ao analfabetismo dos jovens nem à sua indiferença em relação à economia. Interroguemo-nos sobre a sua formação e sua informação.

85A dívida é o tipo mesmo do conceito tirado de seu contexto científico que se pode dizer, «caiu no domínio público». Difundido, o conhecimento científico sofre um tratamento social: primeiro, objeto do discurso científico dos especialistas – economistas, jornalistas econômicos,... é depois integrado ao discurso circundante – mídia, escolas – e parece então escapar-lhes, autonomizar-se, para reaparecer num registro totalmente diverso: o do discurso «espontâneo» ou «natural» que indiferentemente integra o discurso científico ou o discurso circundante, mas não é da mesma natureza que estes. Um estudo mais aprofundado desses textos daria sem dúvida indicações sobre os mecanismos de constituição do «discurso natural» em matéria de economia, especialmente sobre a relativa inércia das imagens, seu «atraso» em relação à época de emissão, a influência comparada dos produtores de imagens, os sistemas de resistência, os canais ideológicos preferenciais, etc.

86Vê-se através desses textos a função quase hipnotizante da imagem da dívida brasileira: função que pode se estender à dívida do Terceiro Mundo em relação aos países desenvolvidos. Quanto mais se fala da dívida, menos se a explica: o que, durante muito tempo, permitiu não falar da dívida americana.

O Café

87O café (que talvez chegue estatisticamente antes da dívida) é freqüentemente associado à mensagem publicitária; em menor escala é citado como produto agrícola, produto de exportação («Brasil: primeiro exportador de café»), ou faz função, à falta de outra coisa, de rudimento econômico: neste caso é a árvore que esconde a floresta (ou seja a economia brasileira ou então o desconhecimento do aluno a esse respeito). O café representou um recurso importante para o Brasil nos anos 60 e sobretudo 50, a sua cotação sofreu quedas espetaculares, repercutidas pelos mídia e explicadas nos manuais escolares. Mais recentemente, a publicidade veio substituir-se a essas imagens já conhecidas e imprimir outras, mas desta vez num outro contexto, com conotações mais relevantes da estratégia publicitária do marketing que da realidade social e econômica do país que a produz: por isso o café goza, no imaginário francês, de uma extraordinária longevidade, cumulando seu valor real na balança comercial brasileira (mesmo se este valor tende relativamente a diminuir) com seu valor suposto na publicidade.

88A dívida e o café foram ao mesmo tempo os temas mais referidos e os mais reveladores da natureza das representações. Por isso demos-lhes uma atenção particular. Mas infelizmente não podemos aqui desenvolver o conjunto dos atributos econômicos que os jovens projetam sobre o Brasil. No entanto, devemos assinalar mais uma vez a quantidade e a pertinência no discurso dos alunos de liceu. Talvez convenha acrescentar que o lendário «país do futuro» não esta ausente da visão que eles têm. O endividamento e o subdesenvolvimento não pesam tanto para o país: os sucessos de seu desenvolvimento econômico assim como suas potencialidades muito importantes justificam um certo otimismo para com o Brasil. Alguns alunos de liceu assumem as conclusões de numerosos observadores, mesmo se se conservam prudentes: «Este país do futuro talvez desempenhe um papel importante amanhã no piano internacional» (2°); alguns até mesmo se autorizam profecias: «O Brasil é, também do ponto de vista econômico, um país em total expansão, um país que promete; as superpotências como os Estados Unidos ou a URSS talvez sejam um dia substituídos por países como este» (2°).

89Em conclusão, se tivéssemos que definir um núcleo central da representação dos jovens relativa à economia brasileira, representativo no piano estatístico, incluiria provavelmente estes três temas: «Café, Dívida, País em desenvolvimento». No entanto, a visão miserabilista que domina o conjunto, e que não poderiam modificar temas como carnaval, futebol ou alegria de viver – mas, pelo contrário, conseguem aguçá-la por contraste: «pobre mas alegre» –, a frágil freqüência ou até mesmo au sência total de referências, em determinadas turmas, ao desenvolvimento econômico, ao acesso do Brasil à 8a potência econômica, etc... atestam uma certa lentidão na propagação das novas imagens, sem dúvida também por um mecanismo de defesa (inconsciente) ou de resistência do velho continente diante da emergência de novos pretendentes.

Mitologia

90Não poderíamos encerrar este capítulo sem transmitir também esta idéia que o mito faz parte da realidade. Acabaremos portanto por este tema, deixando aos jovens a palavra final.

91Encontramos no decorrer destes textos o paraíso, o inferno e até mesmo o purgatório, equivalentes metafóricos usados para expressar a dualidade, o contraste, mas também o sonho: linguagem/imagem, matéria-prima da representação. Esta imagem do paraíso que vem das primeiras visões e dos primeiros escritos transmitidos por franceses sobre o Brasil, ainda é viva hoje, em 1987, nos jovens. Sua permanência enquanto disposição «natural» do homem em sonhar e supôr a existência do objeto de seus desejos – a felicidade – num «outro lugar» não é surpreendente: o fato é que os elementos que conhecem de uma realidade social e econômica problemática não lhes impedem projetar sobre este país seus desejos, seus sonhos de felicidade e de aventura: para eles, é como se o Brasil fosse o lugar possível, até mesmo o último refúgio, da alegria, da aventura, da convivialidade, etc... É evidente que, como os seus antepassados da época das descobertas, dizem mais sobre eles próprios que sobre o Brasil. Estamos aqui na área da crença tal como é resumida pela expressão de O. Manoni: «eu bem sei, mas no entanto... » A consciência do mito não impede a este último funcionar:

92«De fato, eu acho que tenho, como muita gente no mundo, uma imagem estereotipada do Brasil. No entanto é este aspecto das coisas de que eu gosto... e eu acho que eu ficaria decepcionado se fosse ao Brasil e encontrasse aspectos menos encantadores para mim. » (T)

93«Quando somos jovens, só falamos do Brasil por causa do futebol... Quando crescemos, aprendemos a conhecer o país que povoou muitos de nossos sonhos. Descobrem-se a pobreza da população, as condições de vida, as desgraças naturais que surgem... como a terrível seca do Nordeste. No fim, não se sabe mais o que pensar deste país. Só se quer conservar o lado bom deste país. » (T)

94A Amazônia, claro, é o suporte mais fecundo do mito: lugar de aventura, refúgio ou pulmão da terra, matriz de novos saberes... os jovens expressam a ameaça que pesa sobre ela, à medida que a civilização avança. A realidade alimenta o mito mesmo se este obedece à outra lógica.

95«Na minha opinião, é ótimo que não se tenha desbravado esta floresta pois deve ser a mais bonita do mundo e lá, pelos menos, há espaço e a natureza sobrevive, o que é cada vez mais raro. Se tivesse que morar no Brasil, queria que fosse no meio da floresta. » (3°)

96«Costa paradisíaca que contrasta com a beleza selvagem como uma amazona, Amazônia, povos amazonenses do interior do país. Penas coloridas, passos às escondidas; silêncio carregado e ensurdecedor depois do silêncio das armas. O sangue indígena corre, fertiliza a terra que se desbrava e se cultiva para as grandes multinacionais. Jovem República, povo feliz mas pobre... » (T)

97«De Brasília para São Paulo, da Bahia para Recife, apesar das secas, a umidade e o recuo da floresta diante das cidades, reza-se para que o dia de amanhã seja favorável ao povo brasileiro. Oh! Brasil... Eldorado de nossos sonhos». (T)

98Alguns textos nos seduziram pela sua ingenuidade, seu humor, ou sua poesia.

99«O Brasil é um país imenso onde as pessoas gostam de viver, e onde hã sol todos os dias. É o país onde não existem todas as desgraças do mundo, as pessoas são sociáveis, sorriem umas a outras, brincam, se ajudam quando estão doentes ou quando têm um problema qualquer. Vejo o Brasil como um lugar de ajuda social, no qual todo o mundo vai de mãos dadas; são férias todos os dias, diverte-se todos os dias, é carnaval, as pessoas cantam, dançam e além disso tem sol para os encantar e melhorar-lhes o bom humor» (2°)

100«Eis o Brasil: um lugar calmo, em que o dinheiro não tem poder e em que o homem vive a seu ritmo, o da natureza, e não ao ritmo das máquinas» (2°);

101«Mas o Brasil é um país pobre. As pessoas são obrigadas a trabalhar» (2°).

102«O Brasil é também um imenso país coberto pela floresta amazônica que procura repelir... (2°)»

103«... mulheres bonitas bronzeadas como pão-de-mel. » (T)

104«Zico, no final da Copa do Mundo de Futebol, perde um pênalti, no último minuto, que ia permitir ao time empatar. Sai do estádio linchado pela multidão e se esconde na floresta amazônica. Torna-se o chefe de indígenas e sua tribo vem dançar no carnaval do Rio. Começa a jogar futebol e um clube italiano o requisita. » (3°)

105«Além... ao longe num país abençoado pelos deuses, uma criança corre pela favela. Todos, em torno dela, contam a história de seu país. Cada um partilhando a memória com o outro, cada um vendo nos olhos do outro o futuro do Brasil. »

106Corre e ninguém a detém. É uma criança entre os homens, esperança entre os cantos.

107Num lugar, atrás da imensa força da Amazônia, sobe uma voz... se impõe lentamente... Deus esta de novo perto do povo brasileiro. Das colheitas do café às plantações de cana-de-açúcar, todos sentem um novo sopro... o da liberdade... a esperança reencontrada!»

108Alguém falou: «O país é, e ninguém pode mudar nada nisso... »

109O Brasil é Brasil e a criança que corre continua correndo para o amanhã» (T)

Seleção de itens e avaliação dos conhecimentos

110Após o teste de evocação e os textos livres, os alunos tiveram que escolher de 2 a 12 itens pertencentes a uma lista de 26 palavras (ou grupos de palavras) para uns e de 24 palavras (ou grupo de palavras) para os outros. (Ver o capítulo «metodologia» para maiores informações sobre esta distinção). As diferenças entre as duas listas estão relacionadas, primeiro, à proporção de itens provenientes dos resultados da pré-pesquisa e, por outro lado, à natureza dos campos semânticos. A primeira lista (26 palavras) é diretamente proveniente da pré-pesquisa. A segunda lista (24 palavras) apresenta uma unidade semântica definida em torno dos campos político, social, econômico, sendo excluída toda referência aos campos «lúdico» e «imaginário, valores e mito». Pode-se ver nas páginas seguintes dois quadros (no 3 e 4) dando desses resultados uma representação em «árvore maximum».

111À seleção das noções mais freqüentemente evocadas a respeito do Brasil seguia um conjunto de perguntas fechadas, destinadas a avaliar alguns pontos de conhecimentos e a determinar fontes de informação dos alunos. Os resultados obtidos confirmam as conclusões delineadas na análise da evocação e dos textos livres.

112A seleção a partir do vocabulário da evocação (1a lista) dá uma média de 11,92 itens por aluno, enquanto que a partir do vocabulário mais complexo (2a lista), dá uma média de 9,48. O fenômeno de competência linguística preenche um papel muito claro. Assim, na lista constituída a partir da evocação, o item «favela» chega em terceiro lugar, enquanto «favelas» na 2a lista só aparece na 15a posição (7a em T).

113Na 1a lista, os campos «ludismo» e «imaginário, valores, mito» são amplamente predominantes, com os itens: «carnaval», «futebol», «samba», «férias de sonho», «acolhedor», «caloroso». Os outros campos partilham, depois, a mesma importância, excepto o campo político cujos itens ocupam os três últimos lugares pela sua frequência.

114A análise por sub-grupo mostra que os alunos dos liceus são mais sensíveis à economia e ao social («favelas», «desigualdades sociais», «país muito endividado» situam-se nos 7 primeiros lugares); os alunos de colégio dão mais importância às «férias de sonho», às «novelas» e ao «ouro e às pedras preciosas».

115Na lista mais especializada, o campo político não é mais marginalizado. Os três últimos itens são aqueles que não dão manchetes nos jornais ou grandes campanhas publicitárias: «grande produtor de soja», «a maior barragem do mundo», «grande potência industrial». Os itens mais freqüentes pertencem ao vocabulário obtido pela evocação: «desigualdades sociais», «produtor de café», «imensidão do território», «país muito endividado», «miscigenação das raças», etc.

116Os diferentes campos semânticos têm o mesmo valor. As variáveis estruturais não são discriminantes. No entanto, pode-se notar que o item «desigualdades sociais» é citado por menos de 50% dos alunos de (5°), enquanto chega em primeiro lugar, com mais de 60%, para as outras séries. Os alunos de último ano parecem estar mais informados sobre a situação do Brasil, e apresentam uma maior competência linguística que os outros alunos.

117Para as perguntas de avaliação dos conhecimentos, os resultados dependem do tema.

118A grande maioria dos alunos sabe que a língua falada no Brasil é o portugués, menos os de 5°.

119Brasília é reconhecidamente a capital do Brasil para os alunos de liceu, enquanto o Rio de Janeiro recolhe 51% das respostas a esta pergunta em «3°».

120A extensão do Brasil obedece quase à mesma distribuição, mesmo se em (T) a proporção de boas respostas só atinge 50%.

121A população brasileira só é avaliada corretamente por mais de 50% em (T). No entanto, a maiora dos alunos reconhece que existem no Brasil várias cidades de mais de 5 milhões de habitantes, ao contrário da França.

Quadro no 3. ÁRVORE MAXIMUM (661 ALUNOS)

Quadro no 3. ÁRVORE MAXIMUM (661 ALUNOS)

Quadro no 4. ÁRVORE MAXIMUM (585 ALUNOS)

Quadro no 4. ÁRVORE MAXIMUM (585 ALUNOS)

122Para todos os subgrupos, o calor que pode fazer no Rio de Janeiro, no mês de janeiro, é corretamente avaliado, localizando assim a cidade no hemisfério Sul.

123Tratando-se da economia brasileira, nota-se um número de respostas erradas bem superior. Os alunos ignoram que o Brasil exporta carros e armas. Em compensação, e paradoxalmente, exceto os alunos de (5°), que curtem particularmente as novelas de televisão brasileiras, os alunos sabem que o Brasil exporta programas de televisão. Neste último caso, é a atividade exportadora da França que é ignorada.

124As fontes de informação sobre o Brasil são, na ordem de importância, a televisão (90%), os jornais (65%), o ensino (42%) e a publicidade (42%). Notemos que esta implica que o vetor de difusão pode ser o rádio, a televisção, os jornais ou elementos tais como cartazes ou prospectos, etc.

125A música, a literatura e o cinema brasileiros, apesar das fontes mediáticas de informação, são pouco conhecidos nos colégios e liceus franceses. Este aspecto demonstra a fraca difusão da cultura brasileira na França.

Annexes

ANEXOS

Aspectos metodol metodológicos

a) O questionário foi planejado em três partes:

  • a primeira (fichas no 1 e 2) era destinada a informar o aluno sobre os objetivos da pesquisa, o âmbito no qual se integrava, «Os anos Brasil-França», e as regras do jogo. Na ficha seguinte, era convidado por sua vez a nos informar sobre si: identificação;

  • a segunda propunha dois exercícios não-orientados, ou perguntas abertas (teste de evocação e texto livre), nos quais o aluno era convidado a escrever o que o Brasil representava para ele;

  • a terceira propunha dois tipos de exercício (teste de associação e perguntas fechadas), permitindo-lhe escolher, entre as palavras, aquelas que, para ele, representavam melhor o Brasil, e responder a varias perguntas de conhecimento geral.

O equilíbrio entre a segunda e a terceira parte nos parecia necessário para não nos limitarmos nos registros de expressão, do mais subjetivo ao mais objetivo, do processo criativo ao campo dos conhecimentos.

A ficha no 4 pedia uma explicação suplementar: foi elaborada depois de uma pesquisa não-diretiva efetuada junto a quase cem alunos de 4 séries e de 5 estabelecimentos diferentes. A pergunta era: «o que é que o Brasil representa para você? Quais são as palavras que te vêm em mente quando alguém diz: Brasil?».

Podemos, desta maneira, recolher as palavras ou expressões mais usadas pelos alunos, analisá-las e reparti-las em 6 campos semânticos: a) cultural, lúdico; b) geográfico, físico; c) imaginário, mítico; d) econômico; e) social; f) político.

A ficha no 4 foi, assim, o resultado de uma primeira interrogação: cada campo foi várias vezes representado, sendo que a ordem de apresentação das palavras era insignificante. Depois de estabelecer esta primeira lista, consideramos que ela podia ajudar os alunos sem imaginação a reencontrar algumas idéias, sendo que não induzia nenhuma idéia que não viesse deles. Permitia também verificar a primeira hipótese de representação surgida da pesquisa preliminar, até mesmo corrigi-la, e compará-la com os resultados do teste de evocação. No entanto, foi apenas retomado, neste caso, um certo número de «clichês» e estereótipos, arriscando involuntariamente introduzir no espiríto dos alunos uma representação «oficial», «autorizada», já que imprimida e proposta por um documento oficial. Este risco, o assumimos para uma parte (a metade da amostra, um pouco mais de 600 alunos) e concebemos depois uma outra versão da ficha no 4, desta vez integrando palavras e expressões que consideramos capazes de completar a visão que a pesquisa preliminar expressava. Procedendo assim, permitíamos que escolhessem outras imagens, fora os estereótipos recolhidos, não sendo mais obrigados a repetí-los. Era assim um modo de verificar a penetração dessas outras imagens junto aos jovens.

Insistimos, tanto na primeira ficha (regra do jogo) quanto na formulação das perguntas, sobre a natureza dos exercícios propostos e das respostas que podíamos esperar deles. Não se tratava de uma averiguação dos conhecimentos mas de «descobrir o Brasil tal como o imaginavam».

Enfim, para alcançar o nosso segundo objetivo, propunhamos, num documento endereçado pessoalmente ao professor que explorasse junto com os seus alunos e seus colegas os resultados locais da pesquisa. Tratava-se de indentificar os «estereótipos», tomar consciência do fenômeno de simbolização, de redução, de difusão... que o estudo das imagens do Brasil revelava. O resultado deste trabalho podia servir de ponte para comunicações nos estabelecimentos, extensões da pesquisa além do meio escolar, nos manuais, nos mass-média, etc.

Algumas regras muito simples foram impostas para garantir a fiabilidade dos resultados obtidos: por razões óbvias, todos os alunos das diversas séries podiam responder ao questionário, fora os alunos de português. A aplicação do questionário não devia ser precedida por nenhuma preparação, nem autorizar nenhum documento de apoio na elaboração das respostas. Os alunos de português sendo discriminados se viam encarregados da exploração dos resultados e de sua apresentação aos colegas. Os professores de português eram convidados a se juntar aos colegas de história, geografia, francês, economia, etc., de maneira a tratar o tema «Brasil» de um modo pluridisciplinar.

b) A amostra: 2000 alunos responderam ao questionário, mas selecionamos e tratamos 1248 respostas em função, em parte, dos critérios de representatividade escolhidos. Distribuição da população:

por região: região parisiense: 358 alunos, seja 28,68%; província: 772 (61,85%); Ultramar: 113 (9,05%); ao todo, 20 departamentos.

por série: 5°: 206; 3°: 258; total de colégios: 464, seja 37 %; 2°: 557; T: 224; total de liceus: 781, seja 63%; por sexo: 511: alunos (41 %); e 730: alunas (59%); estabelecimento: público: 1090 alunos; particular: 154 alunos.

LISTA DOS PARTICIPANTES

Ver pàginas 352-353.

Notes

1 Pierre Vergès, « Les formes de la connaissance économique, éléments pour une analyse des raisonnements et des connaissances pratiques », Thèse d’État, Lyon II, publiée par le SRI, Grenoble, 1977.

2 Ver também : J.B. Grize, P. Vergès, A. Silem, « Salariés face aux nouvelles technologies. Vers une approche sociologique des représentations sociales ». Paris, CNRS, 1987.

3 Serge Moscovici. Prefácio a Claudine Herzlich, « Santé et Maladie: analyse d’une représentation sociale ». Paris, Mouton, 1969, p. 9.

4 J.C. Abric : « Représentations sociales et comportements – Approche théorique et recherche expérimentale ». Table Ronde Internationale. Ecully, 1982, IRFEACS.

5 J.C. Abric : « Jeux, conflits et représentations sociales ». Thèse de Doctorat d’État, Université de Provence, Aix-en-Provence, 1976, p. 109.

6 Por exemplo, a pesquisa sobre a representação do trabalho e das novas tecnologias para os assalariados dava médias incluídas entre 3,61 e 4,9 para o trabalho, e 3,38 e 4,65 para as novas tecnologias.

Table des illustrations

Titre Quadro no 1
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/4991/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 536k
Titre Quadro no 2. Campos semânticos
Légende x2 = 0,003
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/4991/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 72k
Titre Quadro no 3. ÁRVORE MAXIMUM (661 ALUNOS)
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/4991/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 180k
Titre Quadro no 4. ÁRVORE MAXIMUM (585 ALUNOS)
URL http://books.openedition.org/iheal/docannexe/image/4991/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 182k

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540