Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

B. La transmission de l’image du Brésil dans le système éducatif/A transmissão da imagem do Brasil no sistema educativo francês

O meio escolar e a imagem do Brasil

Pierre Garrigue

Texte intégral

1Houve uma época, não muito longínqua, em que a descoberta do mundo se fazia na escola e em que a cultura escolar alimentava essencialmente o nosso conhecimento sobre outras civilizações próximas ou afastadas no espaço. Este tempo já se foi e para nos convencermos disso basta percorrer o apaixonante programa deste colóquio. Na fixação do nosso saber e, porque não confessá-lo, de nossas idéias preconceituosas e dos nossos estereótipos, os mídias da informação e da cultura, como também o olhar apressado do turista, têm um papel determinante. No mundo da comunicação instantânea, tomamo-nos habitantes da aldeia global sugerida por Mac Luhan.

2Teria então a cultura escolar perdido toda a sua importância e significação? Os trabalhos que nos serão apresentados esta manhã responderão certamente à pergunta com mais precisão do que eu poderia fazê-lo neste prólogo. Felicitando os autores, limitar-me-ei, aqui, a algumas reflexões de ordem geral: a primeira diz respeito ao lugar do ensino na construção das imagens recíprocas de dois países como os nossos. A primeira missão da escola é de substituir as imagens «fragmentárias» e a visão discontínua que podemos ter do outro, através da atualidade que nos oferecem os meios modernos de comunicação, uma representação progressiva, em função da idade do aluno, e coerente, graças ao equilíbrio que o ensino se esforça em manter entre os diversos elementos materiais e espirituais que constituem uma civilização. Era preciso destacar esta responsabilidade e a dificuldade de tal tarefa.

3Reuniões como esta ganham assim plena significação. Deve-se de fato questionar, numa reflexão comum, o lugar deixado para o outro na formação dos nossos jovens, a autenticidade da imagem que transmitimos através do ensino. No caso da França e do Brasil, as coisas são mais complicadas do que parecem à primeira vista:

  • Aqui temos dois país, separados pela imensidão do Oceano que nunca foi um obstáculo desde os tempos dos descobridores portugueses mais que é um «traço de união», países que nunca se afrontaram em guerra alguma e que as grandes causas sempre encontraram juntos do mesmo lado;

  • uma civilização se define, em primeiro lugar, pela continuidade do trabalho humano num espaço geográfico dado. Entre a França e o Brasil a distância parece aqui infinita: a superfície de um, quinze vezes e meio a do outro, e a imensidão da selva amazônica-a transamazônica percorre 4 500 km de João Pessoa ao Cruzeiro do Sul – se opõe ao horizonte das «colinas moderadas» tão caras aos franceses. Como o escrevia Lucien Febvre no prefácio à tradução da famosa obra de Gilberto Freyre «Casa Grande e Senzala», que tanto contribuiu, nos anos cinqüenta, para a descoberta do Brasil por parte dos intelectuais franceses: «Terra imensa, compacta, poderosamente continental... Tantos Brasis neste Brasil... mas o que vale a variedade dos seus aspectos em relação à diversidade dos homens?... »

    • 1 «pobre transeunte, prisioneiro de um Brasil vestindo um colarinho engomado, uma gravata bem ajeitad (...)

    Desde aquela época da descoberta de um continente assim tão diverso, o exotismo cedeu lugar, no ensino, a uma abordagem pretensamente racional, a do desenvolvimento cujas imagens contrastadas criaram novos estereótipos. Volto ao prefácio de Lucien Febvre: «pauvre passant, prisonnier d’un Brésil à faux col empesé, à régate bien nouée, à jaquette digne d’un lord anglais mais tout de même il sent bien monter, le soir, tant d’odeurs violentes qui sortent des terres cuites et recuites au soleil, de ces terres que coupent en travers au nord l’Équateur, au sud, dans la banlieue même de São Paulo, le Capricorne... »1.

  • Uma reequilibragem se impõe. Está no centro deste debate. Cabe ao ensino a tarefa de permitir que se descubra, por trás das desigualdades de desenvolvimento e dessas imagens violentamente contrastadas e «fragmentárias», a unidade e a coerência de uma civilização – a maior do hemisfério sul com a sua cultura material, o seu progresso agrícola e o seu desenvolvimento industrial, mas também com a sua visão do mundo tal como a expressam os seus pioneiros, os seus arquitetos, os seus escritores. Sem o Brasil a aventura histórica dos povos de civilização latina não seria o que é.

Notes de fin

1 «pobre transeunte, prisioneiro de um Brasil vestindo um colarinho engomado, uma gravata bem ajeitada, uma casaca digna de um lorde inglês, mas sentindo assim mesmo subirem, à noite, odores violentos que saem das terras cozidas e recozidas pelo sol, dessas terras que, ao Norte, cortam o Equador e, ao sul, o Trópico de Capricórnio, bem na periferia de São Paulo... ».

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540