Versione classicaVersione mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. Les media culturels/Os media culturais

Relatório de síntese

Georges Boisvert

Testo integrale

1No decorrer da sessão da tarde do 3 de dezembro, dedicada à construção da imagem do Brasil na herança cultural francesa, foram ouvidas nove comunicações. Três diziam respeito à recepção das influências francesas no Brasil e aos aspectos da imagem da França naquele país: A influência da França na literatura brasileira (Sra Perrone-Moisés); As interações semióticas entre a França e o Brasil (Sra Tasca-Seabra); Identidade e Imagem: o Brasil e a França através da publicidade (Sra Lechuga Panella). Seis diziam respeito ás imagens do Brasil difundidas por diversos meios de comunicação: A constituição histórica das imagens (Sr Carelli); A imagem do Brasil na «Revue des Deux Mondes» de 1831 a 1888 (Sr Dantas); A imagem da Amazônia na literatura francesa (Sr Riaudel); A imagem do Brasil através da literatura para crianças e adolescentes (Sra Bouvier); o Brasil nas histórias em quadrinhos difundidas na França (Sra Abad Vega); A imagem do Brasil na França através da música (Sra Dreyfus).

2Ressalta da comunicação da Sra Perrone-Moisés a idéia de que a história da influência da França sobre a literatura brasileira é feita de uma sucessão de paradoxos que se devem interpretar como outros tantos atos de «antropofagia», no sentido que Oswald de Andrade dava a esta palavra, antropofagia que, em consequência, demostrou ser muito fecunda.

3A Sra Tasca Seabra evocou a importância da experiência brasileira na elaboração do pensamento do Professor Claude Lévi-Strauss, em particular no que diz respeito à semiótica. Por sua vez, esta ciência conhece atualmente no Brasil importantes desenvolvimentos, atestados pela criação de uma associação de semióticos e a publicação de uma revista especializada.

4A Sra Lechuga Panella, apoiando-se numa série de imagens publicitárias, propostas à atenção do público por meio da projeção de slides, mostrou que, na retórica da publicidade, as figuras são idênticas na França e no Brasil. As diferenças aparecem somente nos símbolos utilizados.

5Na série das comunicações do segundo grupo, aquela do Sr Carelli se propôs descrever o nascimento e a evolução da representação do selvagem brasileiro na França, desde André Thévet. A iconografia que ilustra as obras deste mostra que, inicialmente, a imagem do selvagem brasileiro foi modelada por representações existentes no imaginário europeu, antes da descoberta do Novo Mundo. Os traços assim fixados foram reproduzidos na imagem do ameríndio, relacionada ao conjunto do continente, do qual ela se tornou o símbolo. As representações dos selvagens no século XVI expressavam duas atitudes antinômicas, de atração e de repulsão, conforme se trata do homem no estado de natureza, vivendo por assim dizer numa felicidade original, ou, pelo contrário, do monstro carnívoro com cabeça de cachorro, ou estranhamente acéfalo. No século XVIII, o homem brasileiro se tornou mais distante, os seus traços se mesclaram com os dos Huronianos e dos Iroqueses. No começo do século XIX, Jean-Baptiste Debret teve alguma dificuldade em ultrapassar esta imagem estereotipada. Por muito tempo, esta iria se impôr aos visitantes franceses do Brasil, que frequentemente se limitariam à visão contrastada de uma «animalidade alegre e feroz». Foi preciso esperar o século XX para que alguns começassem a observar o país e os seus habitantes com um novo olhar.

6O Sr Riaudel falou depois das representações da Amazônia na literatura francesa. A imagem deste espaço relativamente autônomo em relação ao resto do Brasil se construiu, essencialmente, a partir dos relatos de viajantes ou de missionários espanhóis. Posteriormente, depois da expedição de La Condamine (1745), os Franceses se comoveram com a odisséia de Godin des Odonais e de sua esposa, que forneceu o tema da peça de teatro L’Heureux Naufrage (O naufrágio feliz). Um pouco mais tarde, Bernardin de Saint-Pierre localiza na Amazônia uma utopia, matéria de um romance de que Alexandre Dumas daria uma adaptação. Jules Verne a escolhe como cenário das aventuras contadas em A Jangada (1881). No século XX, a representação da Amazônia se reconstrói a partir de Ecuador de Henri Michaux e da versão francesa, dada por Blaise Cendrars, de A Selva de Ferreira de Castro.

7Para estudar a imagem do Brasil na literatura para crianças e adolescentes, a Sra Bouvier examinou um corpus de umas cinqüenta obras publicadas entre 1972 e 1986, incluindo belos livros ilustrados com fotografias se referindo ao conjunto do Brasil, e também romances. Quase metade destas obras dizem respeito à Amazônia, vista por um olhar de fora, e têm por temas principais os Índios, a busca da borracha, do ouro ou das pedras preciosas, contos e lendas, o conjunto apresentado no cenário de uma natureza exuberante, povoada por uma fauna estranha e variada. Por outro lado, o Nordeste é frequentemente evocado, mas principalmente a partir da tradução de textos brasileiros, com o litoral dos canaviais e o interior árido, as grandes metrópoles de Recife e Salvador. É de desejar que livros deste tipo, atraentes e instrutivos, dêem também a conhecer outros aspectos do Brasil.

8Analisando a imagem do Brasil na Revue Des Deux Mondes, no séc. XIX, o Sr Dantas notou que esta publicação, que traduz a sensibilidade da grande burguesia conservadora e liberal, acompanha com muito cuidado a evolução da situação no único estado monárquico da América, entre 1831 e 1889. Entre estas duas datas, quarenta artigos foram dedicados ao Brasil. Trata-se, por um lado, de relatos de viagens nos quais subsistem clichês das representações românticas, e por outro lado, de balanços gerais elaborados no fim de cada decênio. É nestas ocasiões que são emitidos juízos lúcidos e frequentemente críticos sobre a realidade daquele país, em particular a respeito da escravidão, da concentração fundiária, da monocultura, da destruição dos solos e da dependência em relação ao estrangeiro.

9Na sua intervenção sobre a imagem do Brasil na França através da música, a Sra Dreyfus descreveu a evolução desta imagem relacionada com as fases sucessivas de recepção da música brasileira pelo público francês. No começo dos anos vinte, o samba parece incluído num conjunto de modalidades musicais vindas da América do Sul, sendo esta percebida como um universo intermediário entre a África (demasiado primitiva) e a Europa. Mais tarde, são as melodias de Orfeu Negro e a adaptação por Dario Moreno de Madureira chorou. Até então o Brasil é identificado com o Carnaval, com seus transbordamentos dionisíacos. Por isso, quando chega a Bossa Nova, o público francês que espera do Brasil uma «música para bailar», com um ritmo «frenético», manifesta primeiro uma forma de incompreensão. A crítica musical explora os motivos suscetíveis de exaltar o imaginário francês (Bahia, Rio, Copacabana...). No fim dos anos sessenta, a Bossa Nova enfim seduz, associada ao mito da doçura da vida num país tropical e à imagem estereotipada da mulher brasileira, morena, polposa e sensual, e isto exatamente no momento em que o movimento de sessenta-e-oito justapõe e opõe ao Brasil do Carnaval, o Brasil das favelas. Mas a música brasileira, defendida com garra, naquele momento de sua evolução, por admiradores muito zelados, se marginaliza. Entre aquilo que o público francês espera e aquilo que os criadores brasileiros oferecem, se interpõe um malentendido. Estereótipos muito fortes fazem obstáculo à aceitação da novidade e ao reconhecimento da mudança.

10Apresentada pela Sra Abad Vega, a imagem do Brasil nas histórias em quadrinhos difundidas na França é tão irreal quanto preocupante. O Brasil aparece como um espaço imenso, povoado por raros habitantes, rodeados por uma natureza hóstil, e defrontando-se com as forças do mal frequentemente representadas pela personagem do «nazista». Neste espaço, se exerce a ação dum justiceiro (gringo ou extra-terrestre) que encarna as forças do bem e acaba por fazê-las triunfar. Na sua ausência, a única arma eficaz de que dispõem as vítimas é «a magia negra», caracterizada por práticas lembrando os ritos do Candomblé. O Brasil é a terra de eleição daquele que, possuindo a força, procura impôr um ideal de justiça e de liberdade.

11Para chegar a uma conclusão, a partir desta série de comunicações que se referem a áreas muito diversas dos intercâmbios entre a França e o Brasil, poder-se-ia dizer que no sentido França-Brasil, existe por parte da nação receptora, a assimilação de um certo número de empréstimos fecundantes, tais como foram descritos por Oswald de Andrade pelo fenômeno da «antropofagia». No sentido contrario, a recepção, entre nos, das imagens se referindo ao Brasil parece distorcida, desde a origem dos intercâmbios, por representações pre-existentes, redutoras e deformadoras, que constantemente impedem que se tenha uma visão exata deste país. Claro, progressos foram registrados, desiguais conforme as áreas consideradas, e de quaquer modo insuficientes. Os resultados positivos obtidos até agora devem estimular a persistência nos esforços empreendidos para produzir imagens mais fiéis à realidade.

Autore

Professor, Universidade de Paris III.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Condizioni di utilizzo http://www.openedition.org/6540