Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. Les media culturels/Os media culturais

O Brasil nas histórias em quadrinhos difundidas na França

Brigitte Abad-Vega

Texte intégral

1O reconhecimento das histórias em quadrinhos como meio de expressão digno de interesse – e portanto de estudo – é recente e precário. No entanto, a sua especificidade, ou seja a combinação de linguagem escrita e imagens faz daquelas um suporte rico de significações para a análise das representações mentais.

2Reunir um conjunto de livras de histórias em quadrinhos que mencionam o Brasil não é tarefa simples. Alguns nomes, muito conhecidos, de amadores e profissionais, se impõem imediatemente: Lauzier, Pratt, Wolinskie, por conseguinte, as suas respectivas produções.

  • 1 Os números entre parênteses remetem à lista do corpus.

3A pesquisa sistemática através de fichários não se mostra muito produtiva: considerando o conjunto dos títulos de que dispomos aqui, somente três fazem expressamente referência ao Brasil ou a uma de suas regiões (6, 11, 16)1, dois sugerem que se trata dele (8,9), mas dez não nos dão indicação sobre o lugar da ação.

  • 2 Exceto J.C. Camano, P. Gaumier (Glénat, Edition et Diffusion) e F. Cassard a que agradeço pela sua (...)

4Ao serem entrevistados, os editores, proprietários de livraria, bibliotecárias, jornalistas, amadores, num primeiro momento, são categóricos2: com exceção das dos autores jà citados, não existem outras histórias em quadrinhos que façam referência ao Brasil. O Egito, o Far-West, a África «voltam sempre», mas o Brasil...

5Esta primeira observação já fornece alguns elementos de reflexão:

    • 3 O que não invalida o prodomínio da escola belga nas histórias em quadrinhos para crianças e adolesc (...)

    O Brasil não ocupa um lugar de destaque entre os países prediletos para as histórias em quadrinhos. O fato não surpreende, se levarmos em conta a influência que alguns fatores exercem sobre a determinação de seus centras de interesse: os programas escolares de história (o Egito), o cinema (o Far-West), a história colonial (a Africa)3.

  • No conjunto das histórias em quadrinhos, o Brasil não se ilustra por uma marca histórica (o Egito), lendária (o Far-West), ou exótica (A África) à qual se referem as histórias em quadrinhos quando se trata de subdividir o grupo dos países longínquos.

  • No entanto é a este grupo de países (afastados) que se pensa automaticamente quando se alude ao Brasil. Procura-se o distante, a noção de afastamento se referindo tanto à distância espacial ou temporal quanto cultural, quando se pensa nos três países dados «em exemplo» por meus interlocutores.

  • 4 Hergé: Tintin et l’oreille cassée, Paris, Casterman, 1979.
  • 5 Hermanns: Bernard Prince, Bruxelles, Lombard, 1980.

6Uma vez atravessados o Oceano Atlântico e o Equador, trata-se de localizar a ação. Varias histórias, de fato, se desenrolam «em algum lugar» na América Latina, ou num país imaginário; TinTim vai na Palombie4, Bernard Prince no Panacongua5. Neste caso, a conotação, é sempre hispânica: os nomes próprios, os tipos físicos, as roupas, as paisagens, os monumentos evocam principalmente os Andes ou o México, de preferência pré-colombianos.

7Se a Europa das histórias em quadrinhos tem uma boa percepção do continente latino-americano na sua unidade, apesar de não ter uma visao tão clara das suas diferenças, parce-lhe totalmente impossível integrar o Brasil no seu conjunto. Ou fica excluído, ou assimilado ao mundo hispânico.

  • 6 Sobre a visão «rousseauísta» do selvagem, ver Le Sauvage à la mode dir. J.L. Amselle, Paris, Le Syc (...)
  • 7 «terreiros»: o autor quer, seguramente, falar de «posseiros»

8As obras do nosso corpus confirmam esta dupla tendência. Tendência à exclusão: quando se pensa no Brasil, ja não se pensa na América Latina. Se uma personagem se desloca, é para outro continente. Chega-se de Singapura, de Albuquerque ou de Istambul, e vai-se para Roma, Atenas ou Paris. Observamos no entanto duas exceções: Cristal6 vai viajar para o Brasil e depois para o Peru. Corto Maltês, O marinheiro de Hugo Pratt7, cruza o mar do Caribe e o Atlântico, passando de Paramaribo à Bahia ou a Basse-Terre. As contingências marítimas não permitem, é verdade, as mesmas fantasias que os deslocamentos aéreos. Além disso, o fato de Pratt ter vivido na Argentina e começado lá seu trabalho de desenhista explica provavelmente sua perspectiva diferente (e diferenciada) do continente latino-americano e, como veremos, do Brasil.

9A tendência à assimilação se manifesta claramente, era de esperar, ao nível linguístico. Todos os autores fizeram questão de integrar nos balões relativos a autóctones algumas expressões do que deveria ser em princípio a sua língua materna. Vamos dar desde já alguns exemplos que nos evitarão voltar ao assunto, como «hacienda», «gracias», ou certas palavras ortografadas assim: «señor» ou «piraña»! As citações a seguir serão reproduzidas tais como aparecem no texto.

10Alguns autores, pelo contrário, tiveram o cuidado de realçar seus textos por meio de expressões idiomáticas corretas («puxa», «meu Deus», etc.). No entanto, o procedimento se torna um pouco exagerado com Lauzier, que escreveu numerosos diálogos em português, sem tradução.

11No fim desta primeira etapa, descobrimos um Brasil que não tem imagem-chave no mundo da edição e uma fronteira relativamente difusa com a América hispânica. No entanto, certos autores optaram pelo Brasil. Vejamos o que particularmente atraiu a atenção deles.

O Corpus

Os autores

12Os livras estudados foram publicados muito recentemente (1970-1987); por isso é uma representação muito contemporânea do Brasil que vou analisar. O corpus é essencialmente européu. A influência da produção estrangeira é uma tradição nas histórias em quadrinhos. Seria por exemplo inconcebível ignorar o italiano H. Pratt, cuja influência é notável entre numerosos autores de argumentos e desenhistas. Rubino faz parte também da «escola italiana». W. Eisner, desenhista norte-americano do pós-guerra que representa a tradição foi reeditado em 1979. No entanto ele é o único representante dos Estados Unidos. A importância da Bélgica, francófona ou flamenga, na difusão francesa já foi assinalada. De modo geral, os álbuns estrangeiros traduzidos em francês são tão amplamente difundidos e vendidos quanto os nacionais, e contribuem em igual parte à constituição, no imaginário francês, das imagens do Brasil.

O público

13A maioria dos álbuns escolhidos pode ser considerada como dirigida às crianças/adolescentes. Os de Pratt e de Rubino interessam mais o grupo adolescente/adulto. Wolinski/Pichard e Lauzier são inconstestavelmente destinados aos adultos.

O gênero

14Uma primeira aproximação tipológica permite distinguir três gêneros. O gênero classicamente denominado «aventura» domina amplamente: 11 volumes num total de 16. A aventura é aqui entendida no sentido amplo da palavra, ou seja, em todo relato apresentando como real, uma situação que se desenvolve fora do quotidiano do leitor e fora das regras de sua própria sociedade.

15O enredo e a distribuição dos papéis funcionam conforme um modelo bastante conhecido: o herói (jornalista, arqueólogo, detetive) procura alguma coisa (reportagem, cidade desaparecida) ou quer impedir que se produza um determinado acontecimento (tráfico, conspiração). Deve, então, enfrentar um grupo inimigo, chefiado por um líder, cujos objetivos são contrários aos dele. A aventura localiza-se cada vez num país diferente, e são os elementos característicos do país de recepção – ou assim supostos – que fornecem à narração a cor local. O arquétipo do gênero culmina na personagem de série (8 volumes em 11) que define o centra de interesse e determina a continuidade de uma série de álbuns. O país estrangeiro aparece como variante, cenário, e como «alhures». Um «alhures» que não é o país natal e que é diferente em cada nova história.

16O Brasil, neste contexto, não é tratado com cuidado especial (nem melhor, nem pior) em relação a outro país. Precisamos determinar quais são os elementos considerados como constitutivos do gênero aventura no Brasil.

17Próximo do gênero aventura, e incluindo a oposição estereotipada herói/bandidos, a narração de história lendária (7, 8, 9) se distingue da primeira pelo fato de usar a história do Brasil como fonte de inspiração. A lenda do cangaço e a epopéia dos garimpeiros são os dois temas de dimensão épica mais freqüentes nas histórias em quadrinhos.

18Enfim, Wolinski, conhecidíssimo pelo seu humorismo «bobo e maldoso», e Lauzier, pelo recurso ao escárnio, pertencem ao gênero satírico.

Os lugares

19A Amazônia é o primeiro entre os lugares privilegiados para servir de cenário, seguido logo depois pelo Nordeste (5 narrações, dentre as quais 4 no litoral baiano, 1 no sertão).

20Duas narrações se desenrolam no Rio de Janeiro, duas outras no Mato Grosso. O estado de São Paulo e o Minas estão presentes num relato diferente cada um.

2. Volta ao estado de natureza

21O Brasil das histórias em quadrinhos é pouco urbanizado. Afora a cidade do Rio ou algumas incursões de poucas páginas nas ruas de Salvador da Bahia, é apresentado como um país de amplos espaços, virgens de toda presença humana. O Brasil é pouco povoado, a não ser pela presença dos protagonistas.

22Os grandes espaços são geralmente desertos. Lá só se vê «taba» «acampamento», ou «palhoça». Se aparece uma construção, é logo «uma casa luxuosa» ou um «esconderijo clandestino», nos dois casos sempre «totalmente isolados».

A Amazônia

23A «selva da América do Sul», a «mata virgem amazonense» são o cenário de numerosas histórias. Foram selecionadas somente as histórias que mencionam o Brasil, mesmo se de modo alusivo (seja pela localização num mapa, seja pelo nome dum rio, por exemplo). A Amazônia representa um laço frágil com o Brasil, já que é concebida como uma entidade geográfica e física autônoma, um mundo à parte, fechado e delimitado, sem nexo com o exterior. Quatro dessas histórias não fazem referência a outras regiões; nestes quatro casos, uma escala em Brasília ou no Rio de Janeiro é necessária para chegar ao destino. Só Cristal (6) divide seu roteiro entre a Amazônia brasileira e Bahia.

24«Paulette en Amazonie», «La Chasse», «Safari dans l’enfer vert», «Swastika», «Aux médianes de Cymbolia», «Histoire sans héros», «Sortilèges à Bahia», «Caramba!», «Opération caïman» levam os protagonistas (norte-ocidentais) ao universo de «uma extrema selvajaria»15 da floresta amazônica. Os caçadores de borboletas gigantes sofrerão o mesmo destino, em Mato Grosso. Aventurar-se na Amazônia representa sempre uma «expedição perigosa»1 e nem sempre voluntária. A viagem começa, em 3 casos de 9 examinados, por um acidente de avião.

25A Amazônia representa «um desafio às leis naturais» (14) porque a força da natureza se impõe aos homens:

26«É muito frequente pararmos alguns minutos para descansar. Entre a floresta e agora alguns rochedos recobertos de mofo e de musgo, cada passo é uma empresa perigosa» (10, p.66)

27O mundo vegetal e mineral, onipresente, parece dotado de vida própria:

28«A corrente muitas vezes violenta nos joga sem parar nas beiras de densa vegetação. A floresta mergulha literalmente na água em duas paredes impenetráveis» (10, p. 62).

29É impossível confiar no que se vê: o terreno é «esponjoso» (14), ou formado por uma «extensão de colchão» que se confunde facilmente com uma área de pouso (6); as pétalas das flores são «envenenadas» (14). O perigo consiste igualmente no que não se vê, mas se suspeita, escondido na «luxuriante vegetação» (11), dissimulado por «uma cortina de folhagens» (14) ou por «paredes impenetráveis» da floresta (10). «A umidade demente» (10) oprime, «o perigo torna louco» (12), «o inferno verde» aprisiona.

30Dissimulado nas profundezas deste «universo hostil», a fauna: boa, anaconda, «crojada», jaguar, puma, jacaré, piranha, estão todos prontos a atacar. Só um dos protagonistas se queixa dos mosquitos, mas seu companheiro será devorado por um puma2.

31Os ataques sucedem imprevistamente: podem provir de inimigos, escondidos, ou de animais agachados ou de elementos descontrolados:

32«O céu se cobre subitamente, o vento se levanta, e um dilúvio de inferno se abate sobre a floresta». (10, p. 62).

33O mundo vegetal e animal contém perigos identificáveis que o tornam medonho. É objeto de fascínio pelo «mundo estranho e misterioso»10 que deixa entrever, por causa do mistério que o encobre e que permanece sempre impenetrável ao homen. A selva representa a natureza no seu estado originário, o estado bruto; é a «matriz» (10) de uma volta às origens da vida, mas também protetora das «sombras da morte» (10). A selva remete aos verdadeiros valores, fundamentais (a vida, a morte), constitui portanto a essência da aventura. O simples fato de «mergulhar» nas suas entranhas um grupo de «gringos» basta para criar um acontecimento, o traumatismo. Será preciso fugir, escapar deste «inferno verde». É o tema, por exemplo, de «História sem herói» que se caracteriza por ser história sem Brasileiros. O argumento se fundamenta nos esforços feitos por um grupo de passageiros que escaparam de um acidente de avião, para novamente ganhar «a civilização». O perigo nasce aqui única e exclusivamente da natureza.

34Quando aparece, o Índio participa deste universo estranho e misterioso. Junto com os habituais atributos específicos de sua «indianidade» (nudez, pintura, arco e flechas) cala-se. Quando fala, quando conta coisas sobre si já não é mais Índio, como «Tucan», o guia dos Brancos, vestido à ocidental, «traidor e alcoólatra, rejeitado por sua tribo (13).

35Sem discurso próprio, o Índio só se expressa de modo velado. «Confessa» (obrigado); ele ameaça («Te teria levado até a aldeia e a gente te teria comido», (13); ele profetiza o futuro (dos outros) lendo no fogo; neste caso chega até a praticar a glossolalia (7).

36Mesmo quando não o confundem com um «fantasma» (14), suas motivações como sua «mascara pintada», permanecem impenetráveis. Recusa-se a ir para tal lugar (1,16) sem dar explicações, desaparece «sem avisar» (1), submete-se ou rebela-se sem que possamos saber por quê.

37Nem hostil, nem cúmplice, o Índio parece no entanto dotado de inteligência e de discernimento inerentes ao «bom selvagem»6 que lhe permite distinguir, entre os Brancos, o herói de seus inimigos. Passivo e resignado, sai de sua reserva apenas de modo aleatório, e para matar.

38O Índio é um solitário. Exceto dois casos de massacres (13, 15) em que a dimensão coletiva é importante, e portanto onde os Índios vivem em «tribo», basta um Índio para representar os indígenas. A imagem do Índio suscita tal «rendimento simbólico» que uma só pessoa é suficiente para o funcionamento desta imagem.

39Freqüentemente apresentado como vítima ou como elemento neutro, o Índio, pela singularidade de seu comportamento e pela imprevisibilidade de suas reações, integra-se neste universo perigoso que representa a floresta amazônica.

As terras do interior

40O sertão queimado de ocre e de vermelho escuro (8), Mato Grosso árido de cores arenosas e marrom4, os relevos de Minas Gerais realçados com nanquim (9), oferecem suas imensidões atormentadas como cenário ao faroeste brasileiro. Nesta paisagem austera, os caracteres são rudes, os confrontos violentos: cangaceiros/soldados, fazendeiros/«terreiros»7, jagunços/garimpeiros travam entre si uma luta sem trégua. O acerto de contas se faz, então, com espingardas.

Bahia

41Da Bahia, guarda-se na memória a tranqüilidade das praias do litoral. A água, a areia, as palmeiras se destacam dos pastéis amarelos, azuis, laranja. Pescadores, barcos, casa de taipa, um modo de vida simples e rústico: pesca-se, grelha-se o peixe, dança-se na praia.

42A serenidade («eu vivia já há alguns meses numa palhoça na praia na Bahia... a felicidade era total»), a «solidão absoluta» (11), só são perturbadas pelos dramas insignificantes da vida cotidiana que constituera então as «crônicas» (5).

A cidade

43Como já o observamos, a representação da cidade é minoritária nas histórias em quadrinhos dedicadas ao Brasil. Salvador da Bahia, por exemplo, só tem direito a uma cena de perseguição nas ruas estreitas e anônimas, durante duas páginas. Em compensação, o Rio de Janeiro, cidade de luxo e da modernidade arquitetônica é o palco de duas narrações.

44O Rio, «a cidade mais bonita do mundo» (12) é uma cidade de imagens falsas, imagens que são denunciadas para melhor desenhá-las, imagens criticadas com uma certa condescendência.

45O Rio não é «a cidade mais bonita do mundo» (quadrinho: Pão-de-Açucar/Corcovado/beira-mar), nem a «mais alegre» (desenho: multidão de carnaval) já que a mulher que Frank Cappa ama vai morrer de um câncer. O dinheiro e o conforto (quadrinho automóvel aberto ao ar livre, iate, boate, champanha) não trazem a felicidade, já que Teresa desaparece. Frank Cappa encontra-se face à sua solidão (quadrinho: homen andando só numa imensa praia deserta à noite) (12).

  • 8 Rocinha

46Da mesma forma, o luxo e a modernidade do «Rio Sheraton Hotel» onde se instala Ian Harlan, «o aventureiro», destacado com certa benevolência (quadrinho: vista panorâmica do edifício, bar, piscina, sala de ginástica, praia particular) contrastam com a miséria da «Roucinha»8 (sic) (quadrinho: vista geral e barracos) e o aspecto sórdido de um hospital-banco de sangue do bairro do Maracanã (quadrinho: fachada do hospital) (4).

47O Rio não é a cidade que se imagina, mas o que se imagina existe verdadeiramente. O Rio, cidade de contrastes, claro, cidade como as outras, talvez, mas sem dúvida nenhuma cidade que fascina pela demonstração de luxo.

O «Gringo» e os outros

48O Brasil aparece nas histórias em quadrinhos a partir do momento em que um «gringo», um «viajante sem fronteiras» ou até um extraterrestre o visita.

49Mesmo se dois livras escolhem os Brasileiros como únicos protagonistas, mesmo neste caso, aparece um «gringo». Em «A Macumba do gringo (8), «Gringo Vargas» é o único protagonista não nordestino; quanto ao herói, Rubino (9), «tem os cabelos louros como os gringos que se vêem nos jornais» e não é «garimpeiro», vem do sul do país.

50O «gringo» corresponde ao protótipo do herói solitário e justiceiro representado por «Spirit» (3). Vai ao Brasil por razões profissionais: Frank Cappa, Ian Harlan, Tif e Tondu são jornalistas; os três membros do «Brelan de dames», Harry Chase são detetives; Bruno Brazil está em «missão especial»; Corto Maltês vende seus serviços e os de seu barco; Cristal, o extraterrestre, aluga seus poderes especiais.

51Quando a expedição é «científica», os deslocamentos se fazem em grupo. Paulette e os passageiros de «Histoires sans héros» são vítimas de um acidente. Michel, o «gringo» de Lauzier é o único a ter escolhido dividir seu dia a dia com os Baianos por simples prazer.

Os inimigos

52Os inimigos do «gringo» também são europeus ou norte-americanos. Dividem-se em très grupos: o nazista, o delinqüente ou o professor louco. Três elementos que, aliás, podem se combinar entre eles ou adicionar-se.

53Os malvados exploram ou massacram os Índios, traficam ou roubam (ouro, sangue, borracha, formulas sigilosas), conspiram para o desastre da humanidade.

54Entre as intrigas, três dizem respeito ao funcionamento de uma organização nazista reconstituída no Brasil, duas relatam a vida de um fascista exercendo sua influência sobre um grupo. Os nazistas instalados no Brasil se dedicam a reativar projetos anti-semitas (pela procura de um veneno ou de um elixir de juventude para uso pessoal) ou se reconverteram na exterminação das tribos indígenas. A proveniência do nazista ou do fascista não deixa dúvidas: Herbert Van Kist, o coronel Hans Schutz, Werner Schweinhund, Karl-Heinz Hagentrummer, Shapiro incarnam os gênios do Mal. Hitler também sobreviveu, rodeado de tenentes, moribundo numa cadeira-rolante (17) ou isolado debaixo de uma redoma em meio à selva (16).

55Os inimigos do «gringo» se reconhecem facilmente: o líder é sempre quinqüagenário, muitas vezes barrigudo e calvo, vestido de cáqui identificado ou não como nazista. Uma variante física é representada por um barbudo, magro, moreno com olhar alucinado.

Os Brasileiros

56Depois de distribuídos os papéis principais, o Brasileiro ocupa nesta configuração o papel secundário, até mesmo o de figurante.

57O exemplo mais claro de papel secundário é evidentemente fornecido pelo papel de ajudante. Os caçadores de «homens» meio fascistas têm como ajudantes respectivos Wilson Silveiro e Luis Ortega, pilotos, organizadores do circuito, guias (13, 15). Belhem dirige a execução das escavações arqueológicas do professor Brooks (10). O Dr. Krauss tem como cúmplice o fazendeiro Caldas (4). O «professor M», cientista brasileiro, se liga com os nazistas (17). Mas o «gringo», ignorando esses homens de mero auxílio, não cessará de enfrentar seu igual: o norte-ocidental.

58No outro campo, o dos heróis positivos, o gringo pode dispôr de um ajudante.

59O jovem Caesarinho, garoto baiano esperto e venal, vai trair Cristal, numa primeira etapa, e em seguida, torna-se seu amigo e lhe salva a vida (6).

60Ian Harlan «veio especialmente da Europa para ajudar o amigo», João Costa; mas, de fato, é este último que vai ajudar o primeiro. Da mesma forma, a presidente da «Associação Brasileira dos Doadores Voluntários de Sangue», apesar de ser informada, não consegue lutar contra um bando de traficantes; fornece a Ian informações que não sabe utilizar. O primo de João Costa, médico brasileiro, é assassinado desde a primeira tentativa de oposição ao bando4.

61É evidente que os Brasileiros, mesmo quando mobilizados, têm dificuldades para resolver sozinhos seus problemas. Alguns de seus compatriotas não têm a mínima consciência da realidade. No caso da caça aos Índios (13, 15), é o «gringo» quem descobre a situação, ele é o único a «ver» os acontecimentos.

62Outra possibilidade: os Brasileiros sabem do que se trata mas não se metem. Os Índios de «Paulette» por fatalismo: «De que serve se vingar?... Arriscamos a própria morte... É melhor continuar vivendo. No caso de uma raça como a nossa, condenada, é um grande luxo16; os de «La Montagne» por medo: fugiram porque parece que monstros habitam esta região» (1); os pescadores da Ilha Grande, por lucidez: «Só somos pobres pescadores, não podemos combater contra esses homens, são capangas, criminosos profissionais» (5); os favelados, por impotência: «precisam de dinheiro» (4).

63A única arma de que os Brasileiros dispõem é a «magia negra», chamada «macumba» (10) ou assimilada ao candomblé (6, 7,11).

64A magia é concebida como um saber e um poder sobrenatural exercido por uma «mãe-de-santo» ou em um dos casos, por um «ogan, organizador do candomblé» (6).

65A mãe-de-santo é dotada de poderes múltiplos, graças a uma «predisposição natural». Pratica a transmissão de pensamento com os humanos, a adivinhação pelo tarô, comunica-se com os «espíritos», interpreta suas mensagens, ressuscita os mortos.

66A mesma mãe-de-santo pode também «curar» (gente), e neste caso é considerada «boa», ou aparecer como uma «velha feiticeira» quando transforma o marido numa gaivota (4). O «ogan», por outro lado, pratica bruxaria («querem apoderar-se do teu espírito») fazendo «aliança com os deuses» (8).

67Prática individual, de virtudes heteróclitas «a magia negra dos negros brasileiros» permite «passar para outra dimensão». No «mundo esotérico da macumba», a fronteira entre a vida e a morte desaparece: «nesta terra, as sombras podem falar»7, os mortos andam no mundo dos vivos8.

68O «gringo» submete-se a este poder temível que a mãe-de-santo lhe coloca eventualmente à disposição. Em última análise – isto é, na última página – chega a confessar um agnosticismo ambíguo. «Será que eu estava mesmo sob o efeito do feitiço?... Quem sabe? Não há resposta, eu acho», declara Cristal, cujos poderes «extra terrestres (ubiqüidade, transmissão de pensamento) não podem ser questionados (6). Quanto a Frank Cappa, conclui: «Sou branco, ocidental, ateu, não acredito nessas coisas há muito tempo, mas no entanto... » (11) Corto Maltês reconhece prudentemente que «esta aventura é demais para seu entendimento», mas aceita a explicação do amigo, o filósofo Steiner, segundo a qual «o absoluto não existe, nem num sentido, nem no outro... Tudo é possível» (7).

69Quando não é cúmplice, o Brasileiro é vítima, vítima/objeto de intercâmbio na luta dos norte-ocidentais e vítima/instrumento do triunfo do herói.

70Os Índios, como o vimos, são vítimas dos caçadores de homens ou dos sábios demoníacos que os submetem ao trabalho forçado. Passivo, medroso ou fleumático, o Índio é socorrido pelo «gringo». A rebeldia, ou melhor a vingança, se integra no desenrolar da estratégia de luta do «gringo»: Frank Cappa, depois de vencer os dois, entrega o fascista Shapiro ao Índio «Carajá» (13). Em outro lugar, os Índios matam Belhem, o explorador, no momento em que se declara o conflito com um grupo de exploradores (10). Da mesma forma, os Índios só atiram (flechas) aos nazistas no momento em que estes agridem Paulette (16).

71O favelado, por sua vez, alimenta o tráfico de um banco de sangue «por algum dinheiro». Vítima da «pressão sobre os pobres», exercida pelas» indústrias farmacêuticas multicontinentais», faz-se «sugar o sangue». Vítimas que consentem e são irresponsáveis: «A maior parte desnutridos e contaminados por doenças... por alguns cruzeiros, escondem seu estado»... e transmitem hepatite viral B para além das fronteiras. O favelado é igualmente vítima de mais pobres, os «marginais» que o agridem e lhe roubam o dinheiro.

72O bando de traficantes chefiado pelo Dr. Krauss, ajudado pelo fazendeiro Caldas, será demantelado graças à intervenção do grupo de «terreiros» vindos de Minas, onde não chegaram a vencer Caldas. Oswaldo Campos, o «terreiro» (chapéu e botas de caubói) é o braço armado do irlandês Ian Harlan (6).

73Cúmplice ou vítima, instrumente ou moeda de intercâmbio, o brasileiro age raramente por conta própria. E quando enfim pensamos surpreendê-lo numa relação interindividual (o idílio de Franck Cappa e de Teresa, (16), ele/ela escapa. Teresa, paulista, não quer revelar nada de seus segredos e, como o Índio da Amazônia, prefere fugir. Dificilmente compreensível, o Brasileiro se limita às vezes a uma certa transparência; Frank Cappa decide fazer uma cura de «solidão absoluta» junto com essa «gente simples e boa» da Bahia (11).

74As únicas vítimas ativas, personagens por inteiro, são os «cangaceiros» de H. Pratt. São os únicos brasileiros a enunciar um discurso próprio, um discurso político, o da rebeldia, e cuja problemática constitui a trama da narração. Os cangaceiros existem através de sua violência, assumida e reivindicada: «Entendi que a injustiça se paga pela injustiça e a violência pela violência» (7) Violência matizada de misticismo na lenda do cangaço onde «o sangue se lava com o sangue» (8).

  • 9 Henri Moniot: Sociétés et civilisations non-occidentales dans l’enseignement de l’histoire de Franc (...)

75Mas justamente, é de lenda que se trata, e de história (quase) antiga. Será que não convém relacionar este interesse pelo brasileiro/ator com a tendência «do pensamento ocidental contemporâneo em fazer a representação dos outros no passado», como o observa H. Moniot9 a propósito da história.

76Os três argumentos do nosso corpus que integram brasileiros numa situação específica de sua história (7, 8, 9) remetem respetivamente ao Brasil dos anos 1917,1938,1927.

  • 10 O episódio da traição do profeta Sabino (8) é provavelmente inspirado da novela de J.L. Borges: «Tr (...)

77As personagens brasileiras são reconhecidas no passado e na sua dimensão lendária ou irracional. H. Pratt retoma os temas privilegiados por Glauber Rocha – a rivalidade, a aliança, a traição – e se interessa também pela retranscrição do mito. Corisco, o profeta Sabino10, «Sebastião, o libertador», são meros vetores.

78Pudemos constatar mais acima que a mãe-de-santo é também uma personagem total, pois domina o universo do irracional. O candomblé é assimilado à «magia negra», a crença religiosa ao misticismo.

79No passado como no presente, o brasileiro é sempre percebido através de uma categoria genérica que o define de maneira unívoca. Esta categoria é estabelecida a partir de seu grupo étnico, social ou mítico: o Brasileiro é Índio na Amazônia, favelado, «marginal» ou médico no Rio, fazendeiro, «terreiro» ou garimpeiro em Minas, jagunço, cangaceiro, capanga, soldado ou mãe-de-santo no Nordeste, pescador na Bahia.

a Terra do mal

O Mal brasileiro

80O Brasil das histórias em quadrinhos pertence sem dúvida ao grupo do Terceiro Mundo: pais de contrastes entre a riqueza e a pobreza, pais de violência, pais da crueldade, pais do misticismo. A denúncia dos males brasileiros se articula em torno de três temas: a miséria e a injustiça social, a ilegalidade e a corrupção, o crime.

81Em meio rural, a miséria dos «camponeses privados de recursos», dos «terreiros... espoliados de seus bens» (4), dos garimpeiros cuja casa é hipotecada» (9), existe por causa dos «ricos» imundos fazendeiros «que não faltam no Brasil» (4).

82Na cidade, os «infelizes» se agrupam nas favelas ao lado dos desempregados e «outros marginais». As crianças «abandonadas pelos pais pobres demais para alimentá-los... mendigam ou roubam... e dormem na rua». Esta pobreza urbana beira a riqueza de uma «minoria de privilegiados» e se explica pelo crescimento econômico tardio demais e mal dividido» (4).

83Os pescadores da Bahia, mesmo se devem «passar três dias no mar por alguns cruzeiros» têm sempre «arroz e feijão» em casa. A desgraça espera aquele que perde o barco ou aquela que o marido abandona, e que só têm para viver «um pouco de arroz e de farinha, enquanto as crianças pegam caranguejos» (5).

  • 11 Coroneis

84A corrupção política e a ilegalidade são facilmente denunciadas... no passado. A história permite mencionar «a revolta dos tenentes... em 1922... hostis à corrupção dos políticos no poder» e definir os «jagunços» como «capangas pagos por um grande fazendeiro» (9). O governo central deixa agir os «coronéis»11 contra os cangaceiros (7) ou participa da repressão mandando o exército (8).

85No presente, a ilegalidade se expressa por eufemismo: «Conheço o Spirit... uma espécie de justiceiro, não é? Deve se sentir um pouco isolado aqui3, ou por um paradoxo: «Vamos atravessar o Rio de Janeiro. Mas de carro, vocês não vão ver grande coisa pois, aqui somos obrigados a dirigir à 60 km/h» (17).

86Enquanto o jornal «O Globo», as associações e os meios médicos sabem, o governo faz de conta que «não vê» tudo o que acontece contra os direitos humanos». É preciso «quebrar a inércia» e obrigá-lo a legiferar», declara a presidente da Associação dos Doadores de Sangue. Mas o procedimento legalista desta enérgica presidente não é de regra entre os cidadãos. João Costa, seu parceiro no diálogo, quer «vingar a morte do primo». Os dois vão conseguir chegar aos objetivos, graças à ajuda do «gringo» (4).

87A ausência ou a displicência das autoridades conduzem mais ao cinismo dos aproveitadores («Vocês não imaginam o trabalho, recolher cadáveres nos estádios de futebol depois dos grandes jogos, subi-los até aqui, dissecá-los (17), ou ao fatalismo das vítimas: «Existem coisas para as quais justiça nunca será feita» (9).

O Mal absoluto

88Talvez porque tem consciência deste estado de fato, ou porque «isto é outro problema» (4), o «gringo», dedica-se a combater o crime em escala internacional. Suas preocupações são essencialmente de ordem humanista e universalista (lutar contra a caça ao homem, a conspiração contra a humanidade) ou no extremo limite de ordem cultural (reencontrar uma jóia arqueológica).

89Seus poderes de intervenção se exercem contra o Mal Absoluto, simbolizado, como o vimos, pelo nazista ou pelo cientista louco.

90O Brasil, terra da miséria e da desigualdade, ofereceu um terreno propício à sobrevivência do nazismo. O demônio extirpado da Europa lá encontrou refúgio. As «associações nazistas» tentam encontrar na natureza de uma riqueza inesgotável «o elixir da juventude» (17), outros se perdem nas profundezas da Amazônia ou se fundem no contexto da delinqüência generalizada.

91O ocidente «civilizado» se encarrega de restabelecer a ordem universal no Brasil, graças à intervenção do justiceiro solitário ou eventualmente pela presença (caricatural) das organizações humanitárias ou pseudo-científicas: «Somos uma comissão de inquérito, não o Exército de Salvação... Só os Índios nos interessam... Vão mendigar junto às associações filantrópicas de ajuda aos subdesenvolvidos, estão acampados a uma hora daqui», respondem os etnólogos a Paulette, perdida na Amazônia (16).

Conclusão

92O Brasil, entidade geográfica e física, é principalmente povoado pelos fantasmas da França dos direitos do homen, republicana e legalista. Apreendido através do filtro do particularismo folclórico ou de uma visão universalizante que o ultrapassa, objeto de um discurso humanista ou apocalíptico, o Brasil das histórias em quadrinhos, território incontrolável e incontrolado é o lugar «em que tudo é possível».

93Neste contexto maniqueísta, os brasileiros, assimilados por cada autor a uma categoria genérica particular, são primeiro caracterizados pela sua passividade e pelo seu fatalismo. A indentidade brasileira aparece em sua dimensão ativa no universo lendário ou irracional.

94A representação do ou dos brasileiros nos quadrinhos pode, no entanto, ser julgada como globalmente positiva. De fato, quaisquer que sejam os atributos com que se fala dele o Brasileiro será ou desculpado (e assistido), em virtude de seu estatuto de vítima, ou, estimado pela neutralidade amena que adota em relação ao herói ou valorizado através de sua dimensão específica.

  • 12 A.M.. Montenegro : Les mass media en Amérique Latine, Annales des pays d’Amérique centrale, no 6, I (...)

95A imagen do Brasil veiculado pelas histórias em quadrinhos difundidas na França não é globalmente diversa da dos outros meios de expressão. É em tudo comparável com a imagem proposta pelo conjunto da produção cinematográfica norte-ocidental. A análise de conteúdo da imprensa francesa a respeito do Brasil12 também evidencia elementos similares aos que foram notados neste estudo.

96As histórias em quadrinhos, ponto de convergência – e de inspiração – de outras formas de expressão culturais, participa da representação do outro no imaginário francês, e reproduz, de modo às vezes exacerbado ou caricatural, a visão dominante de uma sociedade sobre a outra.

Bibliographie

CORPUS

(1) Breysse – La montagne de la peur, Paris, Fleurus, 1970.

(2) Dany, Van Hamme – Histoire sans héros, Bruxelle, Lombard, 1982.

(3) Eisner Will – Caramba! (Spirit), Paris, Albin Michel, 1985.

(4) Jarry – Le venin écarlate (Les baroudeurs sans frontières), Marcinelle-Charleroi, Dupuis, 1985.

(5) Lauzier – Chroniques de l’Ile Grande, Bruxelles, Dargaud, 1977.

(6) Marcello, Maric – Sortilèges à Bahia (Cristal), Marcinelle-Charleroi, Dupuis, 1987.

(7) Hugo Pratt – Sous le signe du Capricorne (Corto Maltès), Paris, Casterman, 1979.

(8) Hugo Pratt – La macumba du gringo, Bruxelles, Dargaud, 1985.

(9) Rubino – Garimpeiros, 1927, in «Corto» no 13, Casterman, 1987.

(10) Schuiten, Renard – Aux médianes de Cymbolia, Paris, Humanoïdes Associés, 1980.

(11) Manfred Sommer – Frank Cappa au Brésil, Paris, Humanoïdes Associés, 1984.

(12) «Jangada»

(13) «Carnaval»

(14) «La chasse»

(15) Vance, Albert – Opération Caïman (Bruno Brazil), Bruxelles, Lombard, 1976.

(16) Vernal, Renaud – Safari dans l’enfer vert (Brelan de dames), Bruxelles, Lombard, 1983.

(17) Wolinski, Pichard – Paulette en Amazonie (Paulette), Paris, Éditions du Square, 1975.

Notes

1 Os números entre parênteses remetem à lista do corpus.

2 Exceto J.C. Camano, P. Gaumier (Glénat, Edition et Diffusion) e F. Cassard a que agradeço pela sua colaboração na constituição do corpus.

3 O que não invalida o prodomínio da escola belga nas histórias em quadrinhos para crianças e adolescentes franceses nos anos 50/60: Tintin, Blake e Mortimer, Alix o intrépido, Jerry Spring, Spirou, Lucky Luke, Buck Danny, foram criados pelos belgas.

4 Hergé: Tintin et l’oreille cassée, Paris, Casterman, 1979.

5 Hermanns: Bernard Prince, Bruxelles, Lombard, 1980.

6 Sobre a visão «rousseauísta» do selvagem, ver Le Sauvage à la mode dir. J.L. Amselle, Paris, Le Sycomore, 1979.

7 «terreiros»: o autor quer, seguramente, falar de «posseiros»

8 Rocinha

9 Henri Moniot: Sociétés et civilisations non-occidentales dans l’enseignement de l’histoire de France: portée et problème didactiques, 16, Congrès International des sciences historiques, Stuttgart, aôut 1985.

10 O episódio da traição do profeta Sabino (8) é provavelmente inspirado da novela de J.L. Borges: «Tres versiones de Judas», in Prosa Completa, vol. 1, Barcelona, Bruguera, 1979.

11 Coroneis

12 A.M.. Montenegro : Les mass media en Amérique Latine, Annales des pays d’Amérique centrale, no 6, Institut d’études politiques, Université d’Aix-Marseille III.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540