Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. Les media culturels/Os media culturais

O Brasil na literatura para crianças e adolescentes

Monik Bouvier

Texte intégral

1Escrever e publicar para a juventude não dependerá, para o autor e o editor, de critérios relacionados com suas respectivas exigências? Com efeito, a especificidade do público orienta a criação e a edição, harmonizando-as com a concepção do que tem de ser este campo literário se quiser responder às necessidades, às disposições e às aspirações dos leitores.

2Informar, agradar e dar a sonhar, sem deixar de ser um material acessível.

3Além do prazer de se identificar com a personagem, a criança e o adolescente não sentirão necessidade que o livro desenvolva sua capacidade em descobrir o outro e assim facilite sua compreensão do que é diferente deles? A leitura oferece-lhes a possibilidade de satisfazer sua busca de identificação com heróis que vivem as mesmas experiências, os mesmos sonhos, em dado momento de sua evolução, e com isso, a leitura corresponde ao jogo narcisista do espelho. Há de se desejar, portanto, que os livras lhes permitam alargar seus conhecimentos e seus valores, favoreçam o desdobramento de sua imaginação criativa, afastem os limites de seu imaginário.

4Para os jovens leitores, a literatura escrita será o oportunidade de ampliar e aprofundar sua imagem do Brasil, aquela que lhes vem dos clichês na moda, da publicidade, da televisão ou da escola?

5No decorrer do estudo de um total de quase cinquenta obras, publicadas principalmente entre 1972 e 1986 e relativas ao Brasil, escritas em francês ou traduzidas, procuramos destacar as características da imagem que elas propõem, a partir dos temas escolhidos, delimitando sua frequência e seu modo de apresentação. Com efeito, conforme a idade do leitor, a natureza da obra - reportagem ou relato de viagem, ficção - e conforme o autor seja brasileiro ou não, a escolha do tema e o modo de apresentá-lo refletem motivações diferentes.

6Qual é, de fato, a disponibilidade de livras, relativos ao Brasil, ofertos aos jovens nas estantes das bibliotecas ou das livrarias? Frequentemente, por um lado, livros bonitos com títulos prometedores e que apresentam o Brasil em conjunto, ou uma região, ou uma cidade, através de uma centena de páginas e de fotografias, e, por outro lado, romances de que se ouviu falar ou cujo resumo intrigou.

7Qual é o Brasil que neles se descobre?

8Entre as obras escritas em francês, algumas sendo aliás traduzidas do inglês, escolhemos alguns exemplos de reportagens ilustradas, de relatos de viagem e de romances que a Biblioteca Municipal, em Pau, deixa à disposição das crianças e dos adolescentes.

9Como não ficarmos seduzidos pelos títulos atraentes dos livros publicados por exploradores e cineastas de volta de suas viagens? Embora não sejam diretamente destinados a eles, o fascínio das belas fotografias, que aguça seus sonhos de «alhures» leva os jovens acostumados a frequentar bibliotecas, a folhear esse livros de viagens, privilegiando, é verdade, as ilustrações em relação ao texto. Este último serve essencialmente de laço entre as ilustrações, sacrifica freqüentemente ao partido do humor fácil e da frase contundente e revela ser um comentário mais ou menos superficial.

  • 1 Douglas Botting – Rio de Janeiro, Time-life, « Les Grandes Cités », 1975.
  • 2 Marcel Isy-Schwart – Brésil, Paradis de l’Aventure, «Coup d’œil sur le monde», éd. Presses de la C (...)
  • 3 Marcel Isy-Schwart – Brésil, Paradis de l’Aventure, « Coup d’œil sur le monde », éd. Presses de la (...)

10Neste caso, a descoberta do Brasil não se faz, portanto, através da expressão escrita mas pela documentação fotográfica. Um exemplar da coleção «Grandes Cités» de Time Life é dedicado ao Rio de Janeiro1. O texto, relativemente moderado e objetivo, apresenta um histórico da cidade, a evolução de seu urbanismo, os monumentos modernistas, a conquista do espaço vital pelos desherdados, e naturalmente os principais polos de atração: o carnaval e o samba, os mistérios das culturas espiritistas, o paraíso à beira-mar. Nas coleções «Coup d’Œil sur le Monde» e «Connaissance du Monde», Marcel Isy-Schwart propõe dois títulos atraentes: Brésil, Paradis de l'Aventure (Brasil, Paraíso da aventura)2 e Brésil, Terre Magique (Brasil, Terra Mágica)3. A expedição, narrada no primeiro dentre eles tem por objetivo a caça das orquídeas e dos beija-flores mas começa no Rio de Janeiro em 1976, leva-nos, via Brasília, no Alto-Xingu e, em seguida, na Serra de Xique-Xique, no estado da Bahia. É na capital deste último, e em meio ao carnaval, que acaba a viagem, depois de uma breve incursão em Santa Teresa (Espírito Santo). Corresponde perfeitamente bem ao título da coleção: um olhar sobre... e vale pela apresentação de fotografias inéditas. O segundo livro, datado de 1981, apôs um panorama histórico dedicado principalmente à Amazônia, seguido das habituais referêncais à loucura do carnaval, aos Índios, ao futebol, aos sortilégios do mar e ao culto de Iemanjá), apresenta uma transposição folclórica da luta entre os Cristãos e os Mouros, em Pireneópolis!... em seguida, a missa dos vaqueiros, perto de Salgueiro (Pernambuco) e, enfim, o fascínio por Serra Pelada, gigantesca miragen para dezenas de milhares de garimpeiros. Em resumo: o caleidóscopo de um Brasil de exceção e de sensação, para um olhar europeu, mas que permanece bastante longínquo das preocupações quotidianas de muitos brasileiros, pelo menos no que diz respeito à Amazônia, Nordeste e Pireneópolis...

  • 4 Helen et Franck Schreider – L’Amazone, National Geographic Society, trad. de l’américain, Flammari (...)

11Publicada pela National Geografic Society, Amazone4, é uma monografia ilustrada com objetivo claramente pedagógico e científico. Os exploradores comentam seu périplo, do nascente até a desembocadura do rio, explicando detalhadamente a aventura da borracha e a metamorfose de Manaus. Aludem ao projeto Rondon, ao projeto da SUDAM e às atividades de diversos órgãos na área sanitária. Insistem, enfim, sobre a necessidade de valorizar a Amazônia, graças a pianos racionais que favoreçam os investimentos.

12Nos precedentes livros ilustrados de que acabamos de falar, como no conjunto dos livros estudados, a Amazônia ocupa um lugar de destaque. Com efeito, o conteúdo da maioria dentre eles lhe é dedicado, apresentando ou privilegiando um ou mais dos aspectos seguintes: os Índios, o ciclo da borracha, o ouro ou os minerais, a exuberância da flora e a diversidade da fauna, ou, enfim, contos e lendas. Pareceu-nos interessante questionar as razões que levaram a privilegiar essa imagem do Brasil, ainda mais se levarmos em conta o fato dos autores desses livros não serem brasileiros, salvo aqueles que apresentam o aspecto mitológico e o fato desses temas serem também prevalescentes, no restante das obras.

  • 5 Alain Gheerbrant – Expédition Orénoque-Amazone, coll. Exploits, éd. Gallimard, 1974.
  • 6 Bernard Lelong – La Rivière du Maïs, éd. Lattès, 1974.

13No entanto, certos relatos de viagem que se referem à Amazônia só fazem aludir à área brasileira. É o caso da adaptação, para os mais jovens, do texto de Alain Gheerbrandt, Expédition Orénoque-Amazone5, publicado por Gallimard na coleção «Exploits»: ao sair da Sierra de Parima, o Brasil é tudo cerrado, e a civilização aparece sob forma de rastos de animais, fios eléctricos, mas sobretudo xícaras de café em bandejas de prata. É o caso também com Rivière du Maïs (Rio do Milho)6, que cita Levi-Strauss a respeito dos Bororós, e que só alude à exploração da borracha.

  • 7 Richard Collier – Le Fleuve Oublié de Dieu, trad. de l’Américain par J. Papy et A. Coblence, éd. F (...)

14Este tema, ao contrário, constitui a parte essencial de um minucioso livro-reportagem dedicado a Walter Ernest Hardenbourg, Le Fleuve Oublié de Dieu (O Rio esquecido por Deus)7. Um provérbio português, em exergo, indica o conteúdo: «Não há pecado além do Equador». Tudo parece ser dito sobre a grandeza, a prosperidade e a decadência da capital da borracha: arquitetura e urbanismo, fasto da vida cultural e cotidiana, fachadas sofisticadas, e cidade de pioneiros, centro da finança... Não falta o menor detalhe sobre a história do produto milagroso, o roubo das sementes de seringueiras e a ascensão de um potentado da borracha, José Arana, à origem do escãndalo do rio Putomayo, morando ao mesmo tempo em Iquitos, Manaus e Londres. Walter Ernest Hardenbourg, engenheiro contratado na construção da linha Madeira-Mamoré – cujas dificuldades de realização são apresentadas com pormenores – é quem provoca a constituição de comissôes de inquéritos e a abertura de um processo em Londres onde José Arana será finalmente confundido. Esta reportagem, abundantemente documentada, não deixa de mencionar a ação humanitária do general Rondon e as consequências técnicas da aventura da borracha, e acaba por um cataclismo, devido ao triunfo das plantações na Malásia, que tranforma a cidade branca em cidade-fantasma.

  • 8 Richard Chapelle – Les Hommes à la Ceinture d’Écorce, éd. Flammarion, 1978-1979.

15No prefácio à reportagem sobre os Índios do rio Aripuana, Les Hommes à la ceinture d’Écorce8, denunciam-se os efeitos negativos da civilização e dos missionários, o colonialismo e o paternalismo que só acabam em marginalização e em desaparecimento. Ao contrário, a FUNAI, seguindo Rondon e graças aos irmãos Vilas-Boas, é reabilitada. O discrédito que poderia ter pesado sobre este órgão resultaria exclusivamente de indivíduos isolados e da fraqueza dos meios financeiros postos à sua disposição. Um longo capítulo lembra a história dos Índios: primeiro, a pré-historia, em seguida as medidas tomadas pelos governos português e brasileiro – a Carta Pombalina de 1750 e o decreto de 1845 que lhes outorgava alguns direitos, enfim, mais tarde, as orientações positivistas das ações de Rondon, do SPI e da FUNAI. A reportagem recorda, em seguida, as diversas expedições que, a partir de 1960, provocaram reações de hostilidade dos Índios, tal como sua resistência à abertura de novas estradas ou seus confrontos com os garimpeiros. Depois de uma descrição desenganadora de Brasília, o autor narra sua estadia junto às Cintas Largas, seres muito contemplativo, e junto aos Suruis, mais ferozes e mais refinados: vida quotidiana e habitat, organização social, bigamia, língua, cerimônias, lendas e crenças. A viagem acaba pela visita de uma exploração misteriosa e ilegal de rubis e diamantes, em Pimenta Bueno (Rondônia).

  • 9 Lucien Bodard – Massacre des Indiens, Le cercle du nouveau livre d’Histoire, éd. Gallimard, 1970.

16Os leitores mais idosos poderão 1er Massacre des Indiens9 cujo título indica sem equívoco a tomada de posição de Lucien Bodard. Relato de viagem muito detalhado, mas sobretudo abundantemente comentado pelo autor que se deixa levar à sua indignação e expressa julgamentos categóricos, em um estilo simultaneamente lírico e crítico, irônico e humorístico, a respeito dos problemas da Amazônia, tanto de hoje quanto de ontem. Este violento requisitório serve, aliás, para transmitir inúmeras informações relativas aos principais acontecimentos e às grandes personalidades que marcaram o Brasil há mais de um século. Rondon, a epopéia da borracha, o escândalo de Putomayo, a construção da estrada de ferro Madeira-Mamoré, a caça aos minerais, os Vilas-Boas e Meireles, no que diz respeito à Amazônia, em seguido Canudos, as secas, Lampião, o Padre Cícero, a Coluna Prestes, Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, a fundação e a evolução de Brasília, Dom Helder Câmara, para apenas dar alguns exemplos entre os mais famosos, servem de matéria-prima para trechos extensos – mais que simples digressões – que se articulam em torno da história de numerosas tribos índias e do destino que conheceram.

  • 10 Madeleine Aubert – Kanavi, Le Petit Indien d’Amazonie, « Des Enfants et des Animaux », éd. F. Nath (...)
  • 11 Dominique Darbois – Manuela, la Petite Brésilienne, éd. Nathan, 1975.

17Na área da ficção, as obras escritas em francês são relativamente pouco numerosas e de qualidade desigual em relação a nosso tema. Para os jovens leitores, existem na editora Nathan vários livros nos quais a ilustração ocupa um lugar privilegiado. São coleções que têm sobretudo um papel instrutivo, são organizadas em torno de temas abertos, se referindo mais à América do Sul em geral do que ao Brasil em particular: os grandes exploradores, as grandes viagens (Cristóvão Colombo, Magalhães), os Animais da América do Sul, as mais bonitas lendas (Incas, Maias, e outros Índios da América Latina). Dentre eles, duas séries que rodam o mundo das crianças, apresentam títulos que se referem ao Brasil: Kanavi, le Petit Indien d’Amazonie e Manuela, la petite brésilienne10-11. Nos confins da Guiana e do Brasil, Kanavi vive em perfeita harmonia com a natureza, a família e a tribo, livre de qualquer compromisso, escolar em particular... Apenas se preocupa em adquirir o «savoir-faire» paterno para garantir sua sobre-vivência e autonomia. Numerosas fotografias atestam, para o olhar do pequeno francês, a estranheza de um mundo feliz com o qual procura se familiarizar. Mas este pequeno Índio mítico aparece-lhe como desfrutando de uma infância idílica e totalmente lúdica. Manuela não tem maior profundidade psicológica, até menos, ela se torna pretexto ou suporte para uma iniciação muito sumária, do Brasil em geral, e, em seguida, de Salvador. O leitor, acompanhando os périplos da criança, e graças às aptidões que lhe são atribuídas de propósito descobre a história e a arquitetura da cidade, os múltiplos aspectos da herança africana – artesanato, festas, cultos e gastronomia – enfim, as atividades da região, a pesca, o cultivo do cacau. O artifício padece de originalidade mas facilita a abordagem do conhecimepto etnográfico. Essas duas obras, de fato, quer convidam a criança a sonhar, quer procuram instruí-la implicitamente, e a imagem assim oferecida do Brasil traduz essa dupla orientação.

  • 12 Willard Price – Pièges en Amazonie, coll. Plein Vent, trad. de l’Américain par Wanda Vulliez, éd. (...)
  • 13 André Massepain – Les Flibustiers de l’Uranium, coll. Plein vent, éd. R. Laffont.

18Na coleção «Plein Vent», a editora Robert Laffont oferece aos adolescentes «romances de aventura sobre tudo que os faz sonhar»... Duas obras levam-nos para a Amazônia: Pièges en Amazonie12 (Emboscadas na Amazônia) e Les Flibustiers de l’Uranium13 (Piratas do Urânio) cujos heróis são dois irmãos. No primeiro, jovens Americanos partem com o pai, zoologista em busca de amostras na selva, o que permite ao leitor descobrir a fauna e os perigos da navegação em meios às cataratas que poderiam ser, segundo uma interpretação fundada na lingua indígena, à origem do nome do rio: «Amassona» (que quebra cataratas). No segundo romance, dois irmãos também, mas desta vez franceses, raptados em Nova York, reencontram-se nas redondezas do rio Outahy, estão empregados numa fábrica clandestina de tratamento de urânio, dirigida por ex-nazistas que exploram, até à total degenerescência física e moral, os Índios dos arredores. O chefe, amigo do médico Menguele, será confundido pela secretária israelita, membro de um comando especializado na busca dos antigos nazistas refugiados no Brasil. Um engenheiro brasileiro compre, na fábrica, uma pena por subversão política e participação nas lutas armadas dos camponeses no Mato Grosso. Conheceu anteriormente o exílio, a prisão e as torturas. Apresentam-no como vítima da repressão da Junta Militar cujas práticas são criticadas pelo autor. Embora ignore oficialmente essa fábrica, que pertence a uma multinacional e fornece o mercado paralelo de urânio, o governo pareceria satisfeito das facilidades financeiras e outras que lhe são feitas. Dos mirantes, os alemãos administram o lugar com terror e racismo, no segredo mais absoluto! Um missionário dominicano, bastante desiludido quanto ao valor do progresso técnico, se não for a serviço da justiça, e lamentando que o homem «civilizado» não seja mais atento aos valores dos Índios, é quem permite descobrir esse campo de concentração que lembra as obras de Jerôme Bosch. Nesta ficção, o autor, André Massepain, não se limita em descrever o «Inferno Verde», embora o use como cenário, revela um inferno humano, que obriga a questionar problemas morais e políticos, e incorpora acontecimentos contempôraneos históricos ou científicos. Além disso, a introdução de antigos nazistas entre as personagens parece servir de subterfúgio cômodo para multiplicar e reforçar as medidas cínicas e revoltantes impostas aos Índios.

  • 14 Huguette Perol – La Jungle de l’Or Maudit, « Les Maîtres de l’Aventure », éd. de l’Amitié, G.T. Ra (...)

19La Jungle de l’Or Maudit14 (A Selva do Ouro Maldito), nas edições de l’Amitié, que aliás publicam vários títulos sobre o Brasil, narra a aventura de um jovem cearense que, a exemplo do avô que em outras tempos foi fazer fortuna na região do látex, foge da miséria para se aventurar como garimpeiro, em Maues, à beira do rio Tapajós. A este tema, naturalmente o autor acrescenta uma descrição de Manaus e da selva mas também, o que é mais original, lendas amazonenses. Ticuan, o deus alado que cuida dos rios, e Uirapuru, o pássaro-feiticeiro preto como o carvão e amarelo como o ouro, cujo canto é raro mas traz felicidade. O mito do Eldorado, soberano de Manoa, ocasião para fazer, no postfácio, um histórico da febre do ouro do século XVII até os nossos dias. Clara, o herói encontra rapidamente um enorme diamante; claro, roubam-lhe esse diamante em circunstâncias tràgicas, mas o mundo dos garimpeiros é apresentado com muita simplicidade, o que o torna acessível ao jovem leitor francês, ajudado por notas que explicam, no fim, as palavras ou os acontecimentos que poderiam ficar incompreensíveis à primeira vista.

  • 15 Michel Grimaud – Les Contes de La Ficelle, « Bibliothèque de l’Amitié », éd. de l’Amitié, G.T. Rag (...)

20Na mesma editora, Les Contes de la Ficelle15 (Os contos da fivela) narram, depois de uma longa travessia de barco, a organização, os abusos e todos os tipos de perigo existentes num seringal de onde é dificil escapar. O herói, no entanto, consegue fugir. Rejeitado pelos capatazes defronta-se com o inferno da selva, encontra caçadores de Índios, cúmplices dos representantes do SPI e pagos com regalias por um rico brasileiro que, assim, adquire legalmente terras, uma vez expulsos os habitantes legítimos. Enfim, graças a um jovem Índio que ele salva das unhas dos batedores, partilhará com entusiasmo a vida dos Yanomani, chegando a se casar. O narrador é totalmente maravilhado: «Os Índios não são selvagens, como se pretende, para melhor os expulsar e os explorar; sua sociedade é baseada na partilha e na igualdade; respeitam as regras do código moral que se deram; possuem uma mitologia, crenças, cantos, danças, ou seja uma cultura! Para eles, a infelicidade deve-se ao fato da Amazônia possuir um sub-solo de uma riqueza fantástica!» No entanto, o retrato não é idílico... De índole guerreira, as tribos praticam raptos de mulheres, represalhas, até mesmo canibalismo. Durante uma expedição, o herói perde o crédito que tinha conquistado na tribo: os guerreiros, supersticiosos, rebeldes à autoridade e à disciplina, não levam em conta sua estratégia e consideram-no como responsável pela derrota. Desfaz-se seu sonho, bastante paternalista, de unificar as tribos e de prolongar seu éden pessoal. Os Índios rejeitam-no. Aflito e nostálgico, o narrador confessa que se teria muito que aprender dos Índios. Mas como confiar neste narrador que responde ao apelido de «Fivela»? Um vagabundo, por uma noite de tempestade, começa a narrar suas aventuras à família que o hospedou, mas essas aventuras, será que as viveu, sonhou ou leu, nos sábados na biblioteca de Marselha, cidade que nunca teria deixado? Ninguém para se pronunciar sobre a autenticidade dos fatos nem o auditório nem narrador. No entanto, esta ficção em segundo grau faz eco a acontecimentos que o leitor já pode conhecer através de outros meios de informação. E o autor soube conferir à narração de uma experiência algo excepcional, uma imagem justa e verossímil.

  • 16 Huguette Pirotte – L’Enfer des Orchidées, coll. Travelling no 1, éd. Duculot, 1972.

21Nas edições Duculot, a coleção «Travelling», procurando apreender de mais perto as realidades do nosso tempo e acabar com um gênero açucarado, para satisfazer as exigências da juventude de hoje, dedica seu primeiro número ao Brasil: L’Enfer des Orchidées16 (O inferno das Orquídeas). À aventura de um jovem em busca de seu pai etnólogo juntam-se muitos acontecimentos localizados no Brasil central e setentrional, garantidos autênticos, embora pareçam inacreditáveis ou pavorosos. A exatidão aparece como uma preocupação central na descrição do meio ambiente e do contexto humano: relevo, clima, fauna e flora, cidades-cogumelos e aldeias indígenas, costumes locais e hábitos cotidianos. Refere-se a um passado mais ou menos recente, como os Bandeirantes ou Rondon, como também alude ao carnaval, às favelas ou ao futebol. Embora o romance seja denso, o assunto principal não escapa ao leitor, ou seja a denúncia de todos os abusos e de todas as injustiças que acontecem nessas regiões. O autor explica as condições propriamente escandalosas do trabalho nas minas ou nos seringais, nas quais traficantes ávidos trazem uma mão-de-obra da qual exploram a desgraça; explica também os diferentes meios utilizados para se apropriar das terras dos índios. A ficção até integra os irmãos Vilas-Boas, «Les Vilas-Lobos»! No epílogo, uma personagem propõe a transformação do SPI em SPB, servício de proteção a todos os Brasileiros... No fim do livro, uma nota define o romance como o reverso da medalha, reverso de um «sonho brasileiro» de Marcel Isy-Schwart e indica as obras que foram consultadas.

22Levando em conta as reservas que se podem fazer sobre seus conteúdo e forma é evidente que as obras analisadas acima, todas escritas por autores que não são Brasileiros, favorecem a abordagem da Amazônia, matéria de descrição ou narração, mas apreendida por um autor que lhe fica exterior. No entanto, esses textos e essas ilustraçôes satisfazem o desejo de «alhures» dos leitores. Com efeito, a importãncia dada às particularidades geográficas da região responde aos desejo de exotismo espacial. A estranheza do meio aquãtico, viçoso, feérico, a exuberãncia vegetal e animal, sinfonia ou cacofonia, e até os perigos que suscitam a imaginação e supõem ultrapassar a si mesmo, todo este simbolismo fascina aqueles que gostam de aventura. Aventura que nem se limita ao espaço, e pode até se tornar cultural ou mesmo econômica. Volta, aliás imaginária, ao modo de vida dos Índios, em simbiose com a natureza, e perspectivas de valorização de um meio ambiente ainda virgem e prometedor. O choque das civilizações e de seus respectivos valores, em oposição uns aos outros, se manifesta na Amazônia, teatro de escãndalos e de violentas polêmicas que questionam as relações entre a política, o desenvolvimento econômico, o progresso técnico, e a moral. Durante muito tempo, a Amazônia representou uma região longínqua e mítica, inacessível para a maior parte dos próprios Brasileiros também. Mas há um século que, em graus diversos e de uma maneira esporádica, se tornou objeto de interesses econômicos consideráveis, ultrapassando as perspectivas brasileiras. Esses interesses fazem-se hoje mais prementes e obrigam o Brasil a reagir para integrar e desenvolver esta região que representa um elemento essencial na evolução global do país. A maioria dos textos citados parecem privilegiar o meio ambiente ou um universo mítico, localizando nele aventuras já relacionadas com o passado. Segundo Euclides da Cunha, a Amazônia seria, no entanto, a última página da Gênese que ficaria por escrever...

23Se a Amazônia é o tema principal dos livros estudados, estes não deixam de evocar, com maior ou menor relevo, o Nordeste – terra de miséria que se acaba por abandonar – quer como elemento da intriga, quer em disgressões. Lucien Bodard, na obra referida acima9 fala de fugir duma morte seca para uma morte húmida! Segundo uma ordem invertida, relacionada com a frequência dos temas abordados nos livros escolhidos, passamos da Amazônia ao Nordeste...

24De fato, visto o número importante de livros sobre este assunto, os problemas do Nordeste vão aparecer aos leitores. A maioria desta obras dirigem-se aos adolescentes e apresentam-lhes, graças a traduções mais ou menos recentes, obras de romancistas que pertencen ao Regionalismo, movimento dos anos 30. O litoral e o interior, as plantações e a seca, ou ainda Recife e Salvador.

  • 17 Aurélia Montel – José du Brésil, éd. Delagrave, 1967.

25Além dessas traduções de que falaremos mais adiante, alguns livros escritos em francês referem-se ao Nordeste. Já em 1967, Delagrave publica as aventuras de José du Brésil17, órfão cearense. Seu protetor detém um segredo que poderia permitir a riqueza da aldeia, e é por isso que vai ser morto por um bandido. José e os outros habitantes deixam a aldeia flagelada pela seca. Suas andanças, levando-os quase ineluctavelmente à Amazônia, a das pedras preciosas, da borracha e dos Índios, inscrevem-se numa intriga que opõe o desejo de vingança do adolescente à cobiça do bandido cínico e cruel, o que dá uma tonalidade afetiva ao périplo, mas permite apresentar mais um aspecto do país, este relativamente pouco conhecido.

  • 18 Mário Fiorani – Cangaceiros, Ballade Tragique, trad. de l’italien Nicole Levi Dagnino, éd. Cimarro (...)

26O mesmo tema é desenvolvido numa obra de caráter mais didático, traduzido do italiano Cangaceiros, Ballade Tragique18, dedicado principalmente a Lampião, que situa o fenômeno de banditismo social em seu contexto geográfico, histórico e sociológico. Assim esta figura mítica, sem conteúdo revolucionário, muito mais justiceiro do que capanga, é apresentado nos vários aspectos de seu caráter, em suas relações com a Igreja, o Padre Cícero em particular, com Prestes, e igualmente com o poder e os fazendeiros. Sua morte, de que se discutem as circunstâncias, será vingada por um parceiro, Corisco. Mas com ele, morrem os «saltimbancos de um mundo perdido, para quem o banditismo tinha sido o único meio de existência num mundo em decomposição». O autor informa o leitor sobre o sistema policial, as práticas eleitorais, o fanatismo religioso e as seitas espiritistas, evoca Canudos e Antônio Conselheiro, Pedra Bonita e Antônio Silvino e cita frequentemente Euclides da Cunha. O texto, ilustrado a grandes traços muito coloridos e vigorosos, seguido de um quadro cronológico (de 1500 a 1940), constitui afinal uma iniciação bastante completa e objetiva do interior do Nordeste, o Sertão.

  • 19 Nicole Vidal – Miguel de la Faim, « Les Maîtres de l’Aventure », éd. de l’Amitié, G.T. Rageot, 197 (...)

27Miguel de la Faim19, editado em 1973, é reeditado em 1984, nas edições de l’Amitié. Fragmentos de jornais e de livras desapareceram entre as duas edições: Le Tiers Monde Trahi (Dom Helder Câmara), La Géographie de la Faim (Josué de Castro), Terres Vivantes (René Dumont) et Le Joug (Francisco Julião). Porquê? Esses textos tinham o mérito de trazer uma informação interessante sobre a região e esclarecimentos complementares para a leitura do romance. Segundo a apresentação do autor, trata-se de uma história atual, a de uma família de vaqueiros se debatendo com a miséria, na região de Natal: seca, desnutrição, abuso de poder, analfabetismo e desemprego, superstições e mistiscimo. O êxodo em Recife onde a situação piora. É o ciclo do caranguejo nas favelas, a violência, a repressão, o desmembramento da família, os biscates, e os tráficos de mão-de-obra. O revés do pai em Belo Horizonte e a nostalgia da terra natal incitam-nos a voltar para a aldeia, onde vão viver clandestinamente. Clara que o desfecho pode parecer muito otimista: graças às iniciativas de um engenheiro da SUDENE e à atitude benevolente do filho do proprietário, cava-se um poço, instalam-se meios para regar a terra e cria-se uma escola. O conjunto do romance sabe, porém, tornar real, pela pureza do estilo, pela fineza dos detalhes e dos diálogos, uma situação de desespero que não precisa também exagerar.

28O primeiro dos três livros trata simultaneamente dos temas da Amazônia e do Nordeste. Se o faz de modo superficial, isto talvez decorra da coexistência dos dois temas. Em compensação, as duas outras obras aprofundam realmente seu assunto, de um modo seja instrutivo, seja romanesco.

  • 20 Yves Mauffret – Rencontre à Rio, « Bibliothèque de l’Amitié », éd. de l’Amitié, G.T. Rageot, 1969.

29Fora desse dois polos, a Amazônia e o Nordeste, dois temas atraentes, poucos livros dão ao leitor francês a oportunidade de descobrir outras regiões do Brasil. A biblioteca de l’Amitié tinha publicado em 1969 Rencontre à Rio20, romance de conteúdo essencialmente afetivo. De fato, a realidade brasileira aparece muito superficialmente em meio à intriga romanesca. O carnaval favorece o ençontro de um jovem marinheiro francês que faz escala no Rio de Janeiro, com um jovem engraxate vivendo nas favelas de Copacabana e cujo pai, um bretão, depois de uma estadia no Nordeste, foi devorado pelas piranhas, tristemente famosas na Amazônia. Será que este pai misterioso veio se refugiar no Brasil depois de ter colaborado com os nazistas? Uma vez a questão esclarecida, o adolescente deixa o Brasil para voltar para a Bretanha nativa, verdadeiro símbolo de exotismo para ele...

  • 21 Jacques Da Cunha – Severo, « Le Nouveau Signe de Piste », éd. L’Épi de Jeunesse, Alsatia, 1978.
  • 22 Jacques Da Cunha – Le Seigneur d’Arangua, ibidem, 1979.
  • 23 Jacques Da Cunha – Claudio, ibidem, 1982.

30Que dizer dos três romances que Jacques da Cunha situa no Brasil, senão que este país serve para multiplicar as circunstâncias que permitem exaltar uma concepção do adolescente caracterizada pela idealização conformista. Estes romances são publicados pelas edições l’Epi de Jeunesse, na coleção «Nouveau Signe de Piste»: Severo21, Le Seigneur d’Arangua22 e Claúdio23. O adolescente, em torno dos quinze anos, pois aqui a misoginia é latente, impõe às pessoas que o rodeiam um ascendente físico e moral pregnante. Cumpre proezas tão inverossímeis quanto as situações que deve encarar. Esses adolescentes têm uma coragem excepcional, são de uma inteligência superior e de raça branca, são louros, de olhos azuis... Os pais, desaparecidos em circunstâncias dramáticas, reaparecem graças a um «deus ex machina» como para explicar as qualidades dos heróis pela «dignidade» de seu nascimento.

31Conforme o caso uma educação rígida e convencional será o meio para se ilustrar nos campos de tênis, frequentar a sociedade dos clubes e das praias na moda no litoral do Sudeste. Os castigos corporais e as humilhações, aceitos e até às veres esperados, não são excluídos. Uma nota explica que esses «costumes patriarcais, bastante rudes e autoritários, são reprovados pelo autor mas justificados pelas origens nordestinas daqueles que as praticam. Esta concepção exaltada e elitista, de um romanesco desenfreado, altera a credibilidade que se poderia conceder ao mundo que o rodeia, quer se trate dos lugares escolhidos como cenário, quer da autenticidade das reações humanas. Severo herda uma fazenda no estado de São Paulo e administra com justiça e felicidade as tensões relativas à ocupação das terras. Philippe, o Senhor de Arangua, último descendente de uma família de grandes fazendeiros, manda em suas terras, no meio do Mato Grosso, triunfando dos homens e da natureza. As lições de um jovem e brilhante preceptor vindo da França transformarão rapidamente uma existência bastante primitiva, no meio do mato, em vida civilizada própria de refinados cidadãos. Enfim, Claúdio resiste à degenerescência moral à qual arriscava levá-lo sua vida miserável na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. Felizmente, uma série de acasos fazem com que reencontre a família, muito respeitável, e volte a levar uma existência decente. O autor reforça o ambiente brasileiro por diversos elementos: os escuteiros, os Índios, os garimpeiros, o carnaval, os cultos espiritistas, a flora e a fauna! E o autor integra muitas palavras portuguesas, até expressões ou frases inteiras, que talvez o sobrenome justifique! Disto discutaremos ulteriormente.

32Os preconceitos são tais que o autor ou o editor julgam útil indicar suas posições. Em anexo a Seigneur de Arangua, explica-se o contraste «muito marcado» no Brasil entre a vida agradável de um garoto mimado, de boa família, e o moço das favelas! A advertência feita no prefácio a Severo informa o leitor sobre o problema da «desapropriação» das terras. A orientação política se faz mais nítida nessas afirmações: o processo de aceleração das medidas sociais, depois de 1964, e da reforma agrária, a necessidade dos fazendeiros de «transformar» as leis, devido às dificuldades de tesouraria, enfim a preferência declarada pelos deserdados por terras já desbravadas, a dos fazendeiros, e não pelas que os municípios lhes atribuem...

33Por outro lado, na reedição de Claudio, em 1982, o preãmbulo do editor parece prevenir a acusação de inverossimilhança e de racismo que poderia ser feita ao romance. Mas, de fato, reforça a veracidade do conteúdo: «Isto não passará junto aos leitores de «Signe de Piste» que são pessoas sérias. E naturalmente, Claúdio deve ser de raça branca, senão para que tudo isso? Enfim eu disse que meu amigo – o autor – é um horrendo racista com imaginação melodramática!» Mais adiante, afirma-se que, para os Negros e os Mulatos, não existe a mínima esperança de mudança, pois são demasiado acostumados à humilhação, por viver nas favelas, para imaginar sair de sua condição.

  • 24 Frédéric Mauro – La Vie quotidienne au Brésil, au temps de Pedro II (1831-1889), éd. Hachette, 198 (...)

34Enfim, os adolescentes que a história interessa poderão 1er um estudo relativo ao reinado de Dom Pedro II, na série La Vie Quotidienne24, editada na Hachette. A obra que se baseia em numerosos documentos e relatos de viagem, apresenta os contrastes que marcam o fim da época imperial no Rio de Janeiro, a evolução do Nordeste e as mudanças que surgem em São Paulo. O autor trata igualmente de alguns aspectos mais pontuais: o ensino, a imprensa, as mulheres, a influência européia e certos fenômenos sociais como a prostituição, o alcoolismo, sem omitir as grandes preocupações da época, a luta contra as epidemias e a abolição da escravidão. Esta leitura, mais séria para um público jovem, é facilitada pelas abundantes notas explicativas e seguida de uma bibliografia.

  • 1 Citemos igualmente alguns contos brasileiros inseridos nos volumes: Contos e lendas da Guaiana (Co (...)

35Esta análise não pretende em nada esgotar as leituras ofertas aos jovens, nas condições definidas acima, ou seja das obras em língua francesa relativas ao Brasil1. No entanto, a amostra permite dar uma visão dos horizontes brasileiros assim apresentados – geográficos, históricos, sociais ou culturais. Um aspecto particular vai nos ocupar agora por razões óbvias: o aspecto lingüístico que se manifesta pela introdução nesses textos, redigidos em francês, da língua portuguesa.

  • 2 Daremos apenas alguns exemplos:
    – ortografia: barimbau, caxaça, ingleza, paulisto, copoeira, capuei (...)

36Quando se trata de tornar acessíveis realidades para as quais a língua francesa não possui equivalentes, quais são as práticas adotadas? Certos autores usam a palavra portuguesa, glosam-na no próprio texto ou explicam-na em nota. No entanto, só podemos ficar surpresos da grande liberdade tomada em relação à palavra usada. «Liberdade», neste caso, parece ser um eufemismo indulgente já que se trata mais de uma negligência lastimável. Verificar a ortografia da palavra não seria uma obrigação? Como explicar esta negligência a não ser pelo desprezo do Outro na sua diferença, na especificidade de sua língua? Não será lógico exigir um esforço de exatidão, simples prova de honestidade intelectual, sobretudo por parte daqueles que pretendem «abrasileirar» um texto, introduzindo nele elementos lingüísticos locais, enquanto não sempre indispensável. No decorrer de nossas leituras, encontramos exemplos significativos2. Sem insistir na «imprevisibilidade» da acentuação gráfica ou da ortografia das palavras, pudemos constatar algumas tendências: a deformação das palavras, pura e simplesmente por ignorância, a incoerência no caso de repetições num mesmo texto, até mesmo na mesma página, a impossibilidade de reproduzir corretamente citações, cantos, poemas, diálogos, e enfim o recurso, sem escrúpulo, a uma outra língua pelo simples fato de pertencer à mesma família lingüística!

37Com exceção de algumas palavras em italiano, a língua substituída é evidentemente o espanhol. Apenas citaremos algumas frases que só fazem confirmar os clichês habituais. Um peruano de Iquitos: «o português, só é espanhol mal pronunciado...» Um alfandegário brasileiro: «Não se preocupe, você vai aprender depressa, de fato, o espanhol só é português mal pronunciado»14 Mas, apesar das aparências, não existe, na realidade, nem simetria, nem equilíbrio entre as duas línguas. Mas adiante15, um outro diálogo: «Dá a impressão que você fala espanhol, mas não entendo nada! – Claro, menimo, falo português!» O Brasil não é um país hispanófono, porém... Obviamente, a língua espanhola é mais estudada do que a língua portuguesa, e desde tanto tempo em países em que não é a língua nacional, e isto causa prejuízos à língua irmã, interpondo-se como um ecrã por ser mais conhecida.

38Há de lastimar que obras relativas ao Brasil reforcem a confusão já demasiado existente quanto à língua.

39Descobrir um país através de sua literatura, na «língua original», é evidentemente um privilégio para quem faz esforços adequados. No entanto, o conhecimento e as capacidades humanas não sendo ilimitadas, o acesso direto à «língua estrangeira» não é possível para todos. Ficam as traduções. Pareceu-nos interessante mostrar como os jovens leitores têm acesso a um certo número de lendas brasileiras, participando às vezes, é verdade, de um fundo universal, graças a iniciativas de reescritura ou de adaptação.

  • 25 Huguette Perol – Contes d’Amazonie, « Monde en Légendes », éd. Hatier.

40Na coleção «Mondes et Légendes» em Hatier, Contes d’Amazonie25 coletãnea organizada por Huguette Perol. Trata-se duma cosmogonia, de uma gênese mitológica, do aparecimento de elementos e seres fabulosos que os habitam. A Amazônia, império das águas essencialmente marcado pela feminidade, só é um parto maravilhoso, uma sucessão de metamorfoses que fascinam os Índios. Guardado pelos bichos no seu paraíso, o fogo permanece inacessível: um beija-flor, salvado por um Índio, abrasa-se a ponta da cauda para levá-la aos homens. Jaci, a lua, é uma moça que, à força de olhar na água o rosto empretecido de genipapo por amor pelo irmão, acaba por se afogar. Para escapar à solidão, Jaci manda na terra seu araúto, o Jaguar, para que gere Guaraci, o sol, que ela, em seguida, desposará. Mas, por causa do ardor do amor que os une, a terra abrasa-se e a lua, renunciando ao sol, chora tanto que suas lágrimas dão nascimento ao rio. Jaci ritma a existência dos Iamabas, amazonas que se reúnem cada ano para pescar a muiraquita, uma pérola verde que usam para ornementar o pescoço do marido escolhido, o qual deve desaparecer antes da lua nova sob pena de morrer. Como explicar a origem da flora e da fauna amazonenses? A vitória-régia, é a estrela das águas oferta ao carinho da lua, a moça submersa pela onda por ter procurado o príncipe da lua que devia encantar sua vida. O Boto, o delfim rosa, pertence ao reino aquático, volta para ele, levando o filho da Índia que seduziu. Iemanjá, a deusa des águas, teria criado o coqueiro metamorfoseando uma Índia que chorava por amor de um português voltado para a Europa. Para acalmar a fome dos humanos, a mandioca nasce no túmulo de uma criança, de pele branca como a flor do algodão e de cabelos claros como a seringueira. Na época em que a Amazônia só era deserto árido, os Deuses exterminaram os homens, muito belicosos, e com sua substância, criou-se uma terra fértil, cujos nervos são filões de ouro. O guaraná, enfim, é o fruto da árvore perto da qual foram encontrados, flechados um ao lado do outro, tais Romeu e Julieta, os dois jovens amantes cujas tribos eram inimigas. Mas o verdadeiro herói dos Índios seria Apuricaba, nascido sob o duplo signo de Jaci e de Tupão, o deus do dia. A esposa, Irubia, o reencontra quando ele decide penetrar na floresta para não pactuar com os Portugueses que, no entanto, o trancarão no porão dum navio. Apesar disto, seu destino cumpre-se: mergulha no rio e dorme nos braços de Iemanjá.

  • 26 Béatrice Tanaka – La Fille du Grand Serpent, Contes du Brésil, éd. La Farandole, 1973.
  • 27 Béatrice Tanaka – Le sage Bahira et son fils, « Légende d’indiens d’Amazonie », éd. La Farandole, (...)
  • 3 jaboti = jabuti: espécie de tartaruga que vive fora da água;
    – cotia = cutia: pequeno roedor de pel (...)
  • 4 Nós somos de Portugal (Nous venons de Portugal), Germaine Finifter, Col. l’Arbre à livres, ed. Syr (...)

41As edições La Farandole publicam dois livras. No primeiro, Béatrice Tanaka reescreve e ilustra La Fille du Grand Serpent26, no segundo, ela adapta e ilustra Le Sage Bahira et son fils27. Huguette Pérol também tinha contado o nascimento da grande cobra, filha de uma mulher horrendo e perversa, que a tribo joga no rio mas que o gênio do Mal acaba por esposar; esta cobra desmedida apenas acorda para anunciar o verão e amedrontar os Índios, pois os seus olhos lançam raios terrificantes. Mai-Tuna, a filha, serve de título à antologia de Béatrice Tanaka, cujo conteúdo ultrapassa o tema amazonense. Os Índios temem a noite e sua chegada na terra simboliza a desordem e o caos do mundo: os empregados de Mai-Tuna desobedecem e transformam-se em macacos por terem trazido a noite na terra. Os outros contos relativos à Amazônia põem em cena bichos personificados: o jaguar, símbolo da potência, é dominado pelo jaboti3 e pela cutia, menores porém mais astuciosos. O maguari4 é vítima do sono que procura dominar para comer continuamente. Outras fábulas não situam nem no espaço nem no tempo os seres mais ou menos míticos que evocam. Algumas, no entanto, testemunham da herança africana: um ferreiro ambicioso descobre finalmente a felicidade na aceitação de sua condição. Nos Minas Gerais, em Vila Rica, Chico-Rei demonstra que a liberdade pode ser reencontrada pelo trabalho, a solidariedade e a astúcia...

42Estes textos permitem ampliar os horizontes do imaginário das crianças pondo-os em contato com seres fabulosos, novos e diferentes, embora o alcance moral ou filosófico destes contos pertença ao universal. No entanto, como o observa a narradora, «a apresentação» é diferente, o diabinho é substituído por Saci, neguinho nascido da noz de uma palmeira e de Curupira, espírito das florestas. O conjunto desses contos certo refere-se à busca da felicidade e da verdade, do conhecimento do mundo e de si, e é comparado a Uirapuru, pássaro da sorte cujo canto expressa, por si só, os cantos de todos os outros pássaros. Não é exagerado ver nele o símbolo da pluralidade cultural do Brasil.

43Le Sage Bahira et son fils, lenda já citada e publicada em 1937 por Nunes Pereira, interpreta o desaparecimento, enquanto povo e cultura, da tribo dos Cauaiua-Parintintins, como a consequência de um conflito de gerações. O pai, cheio de imaginação e coragem, traz à tribo o fogo e a técnica, enquanto o filho se deixa levar à preguiça e ao conforto, apenas desfrutando o que já existe. Uma nota a esta fábula – bastante parecida com o Lavrador e seus filhos de La Fontaine – informa que os descendentes desta tribo acabaram por se radicarem nas favelas, tornando-se operários agrícolas ou desempregados.

  • 28 Ferreira de Castro – Forêt Vierge, traduit par Biaise Cendrars, 1930.

44Quanto aos textos brasileiros traduzidos, insistiremos sobre aqueles que se dirigem diretamente aos jovens leitores. No entanto, introduziremos nosso estudo mencionando o caso de um romance português sobre a Amazônia que poderá ser lido pelos adolescentes. De fato, A Selva28 de Ferreira de Castro foi traduzido por Blaise Cendrars que apresenta esta autobiografia romanceada como um verdadeiro documento, o testemunho sem artefatos de uma experiência humana sofrida, relacionada com a emigração e as difíceis condições de vida num seringal, no começo do século. O ilustre tradutor elogia a veracidade dos fatos e a escrupulosa fidelidade da palavra mas confessa a dificuldade extrema com a qual se defrontou no momento da tradução, apesar do seu conhecimento do país e da língua e a qual explica pela força da frase portuguesa e pela sedução do estilo voluptuoso e cintilante. Esta observação de B. Cendrars só faz lembrar – se for necessário – quanto é dificil o papel de tradutor. No entanto, esses últimos anos, alguns livros brasileiros se tornaram acessíveis à juventude francesa.

  • 29 Lygia Bojunga Nunes – Angélique a des Idées, trad. par Noémi, éd. La Farandole, « Mille épisodes » (...)
  • 30 Lygia Bojunga Nunes – La Fille du Cirque, trad. par Alice Raillard, éd. Flammarion, 1981.
  • 31 Lygia Bojunga Nunes – La Maison de La Marraine, trad. par Noémi, éd. La Farandole, « Mille épisode (...)

45Graças aos livros de Lygia Bojunga Nunes, os mais jovens reconstroem o mundo de seus sonhos. Angélique a des idées29 situa a ação num mundo animal,cheio de bom humor e de fantasia, no entanto marcado pelas preocupações materiais dessa gente miúda, e alude à dificuldade de aceitar quem somos. A solução ao problema da identidade surge com a criação de uma peça de teatro, à iniciativa dos dois heróis. Porc (porco) finge ser um outro, transforma o nome dele em Port (porto) e dissimula a cauda em sacarolha: não suporta sua condição de porco. Encontra Angélica, a cegonha, que emigrou para o Brasil porque recusava a mentira universalmente atribuída a seus congêneres, sobre seu papel no nascimento das crianças. Graças à harmonia entre eles, o passado de Angélica renasce, favorecendo a felicidade de ambos, Port aceitando ser Porc, e a tranquilidade de todos os amigos que participaram da peça. La Fille du Cirque30, Maria, reconstrói em imaginação a vida feliz com os pais, no circo, para escapar da existência atual, de órfã recolhida por uma avô autoritária e rica. Para distrair a neta, esta lhe comprou A velha das estórias, miserável mulher que se empanturra de alimentos a cada oportunidade. E a avó de comentar, cínica: «não é um presente caro para quem tem dinheiro!» Não será um modo, brutal sem dúvida mas eficaz, de dar a entender as injustiças sociais? A tradutora faz questão, antes de oferecer ao leitor o texto do terceiro romance, La Maison de la Marraine31 (A casa de Tia), de dar uma informação simples e objetiva sobre o Brasil e o Rio de Janeiro, em particular sobre o que representa o carnaval para as classes desfavorecidas: música e fantasias, sonhos e esquecimento, esgotamento e endividamento. Os contrastes sociais são personificados pelos dois heróis: Vera, de boa família, deixa-se levar pela fantasia de Alexandre que fugiu da favela de Copacabana onde vivia de biscates – vender amendoim ou sorvetes na praia – para aliviar a indigência da família. Em busca da «casa de Tia», encontrou um pavão, símbolo da beleza, da felicidade e do sonho, do qual narra para Vera a história fantástica e os amores contrariados. O leitor será sensível às dificuldades que conhece o rapaz para sobreviver e frequentar escola, e segui-lo-á em sua fuga de uma realidade miserável, graças a sua imaginação e à cumplicidade dos bichos e das coisas. Acreditará na magia da mala da professora e da casa encantada que dissolve todos os problemas e significa a felicidade atemporal, que sô se consegue pelo poder de sonhar um mundo seu e de recriá-lo pelo desenho quando o encanto desaparece.

46A realidade brasileira é sem dúvida importante neste último romance, ao contrário dos dois primeiros livros nos quais o Brasil apenas existe através dos nomes de família e topônimos; de fato, o essencial consiste na fuga da realidade concreta e presente, na possibilidade de voltar para trás ou abolir o tempo, para mergulhar num passado feliz, graças ao universo mágico do circo ou do teatro, ou de construir uma felicidade futura através do sonho e do abandono ao fantástico. E estas reações diante da vida podem ser entendidas e compartidas pelos jovens de qualquer lugar.

  • 32 Ana Maria Machado – Une Grande Petite Fille, « Ma première Amitié », no 46, éd. de l’Amitié, G.T. (...)

47No país em que se cultiva a mandioca e o feijão preto, Helena questiona-se e suas perguntas assemelham-se em muitos aspectos, às de Alice, de Lewis Carroll: a busca da identidade dela e da verdade sobre o mundo. Num texto Une grande petite fille32, Helena parece desorientada na sua busca, pela imagem que os outros lhe refletem de si através da linguagem, pela prova do espelho e pela ilusões da percepção. A viagem iniciática que empreende lhe permitirá confrontar seu questionamento com a existência do outro: o rapaz Tipiti tem, por analogia, o nome de uma coisa e Flávia se considera como «inventora de palavras, as quais só são brinquedos que ela abre para ver o que há dentro». São encontros que não conseguem tranquilizá-la sobre a linguagem. Será que não detém a verdade absoluta? E a percepção? Também não... Aliás, quando chegam para a aldeia, as três crianças avistam um monstro com cinco patas, nada mais que um fotógrafo escondido atrás de sua máquina tripeça. Mas como identificar tal objeto que nunca se viu antes? Bate-se uma foto e só é depois que o clichê impõe uma tomada de consciência: o tamanho respectivo das crianças e de uma árvore, menor que eles lá nos longes, e no entanto... A relatividade do mundo do conhecimento – tempo, distância, essência dos seres e das coisas – interessa as crianças, sem distinção de nacionalidade, quando procuram compreender o que as rodeia. Da viagem, a heroína vai desfrutar, à falta da descoberta da Verdade, a possibilidade de abrir-se aos outros, a sensibilização aos valores de solidariedade, da amizade e da ternura entre os seres.

  • 33 Jorge Amado – La Balle et le Footballeur, coll. « Un ami raconte », éd. ILM, trad. par Claeys-Desb (...)

48É, sem duvida, com La Balle et le Footballeur33 que o jovem leitor descobrirá Jorge Amado e, talvez, o Brasil, através das primeiras imagens que recordará deste país. Uma página de texto, uma página de ilustração, grande e bonita, lembrando uma história em quadrinhos. Perce-Filets, esfera mágica, campēa das terras brasileiras, enamora-se do pior goleiro, seduzida por sua malha cor de caramelo! Jorge Amado, com ternura e com humor, torna possível este amor fatal da Estrela pela minhoca. Casaram-se e viveram felizes... Aí está uma abordagem muito mais poética e sedutora do futebol! O post-fácio de Alice Raillard parece totalment justificada pois dá informações objetivas e claras sobre o país e o autor. Se é marcado por contrastes econômicos e sociais, o Brasil é também um país jovem e moderno, inteiramente voltado para o futuro... e não é nem supérfluo nem tarde demais para informar que lá não se fala a língua espanhola...

  • 34 Jorge Amado – Le Chat et l'Hirondelle, trad. par Alice Raillard, éd. Stock, 1983.

49Outra história de amor: os heróis, dois bichos, apesar de suas condições sociais diferentes, não conseguirão triunfar dos bons costumes e dos preconceitos. É o relato poético, escrito por J. Amado para o filho, em 1948: O gato e a andorinha34. A criança não poderá entender facilmente as «parênteses», cheias de malícia nas quais o autor confia suas reflexões solve as regras e escolhas a respeito da escritura, mas será encantado por este mundo animal, ilustrado com muita graça por Carybé, e interessado pela reações dos heróis, que lhes sejam familiares ou nem tanto, como a da cobra-cascável, do sapo-boi ou do sabiá. Concebido quase como se fosse um desenho animado, o relato integra na ação a cronologia, a divisão do dia e da noite, a meteorologia e o mundo vegetal graças a alegorias originais: o Tempo, sob suas diferentes formas, as Estações, o Amanhecer, o Anoitecer, a Jaqueira e a Goiabeira.

50Estas duas fábulas, de alcance universal, que testemunham da sensibilidade do autor brasileiro mais conhecido, vão agradar logo o jovem leitor francês.

  • 35 Jorge Amado – Capitaine des Sables.
  • 36 Jorge Amado – La Terre aux fruits d’Or, trad. par I. Meyrelles, éd. Messidor, 1986.
  • 37 Jorge Amado – Terres du bout du Monde, ibidem.

51Para os maiores, outros romances traduzidos, do mesmo autor, em particular Capitães de Areia35 ou São Jorge de Ilhéus36, recentemente publicado pelas Edições Messidor. Sucedendo a Terras do Sem Fim37, que narra a fase heroíca da conquista das terras para plantar cacau, este romance focaliza o drama da economia do cacau e mostra como essas mesmas terras passaram das mãos dos fazendeiros às dos exportadores. À conquista feodal épica sucede a conquista imperialista que, a maior parte do tempo, permanece ao nível do drama mesquinho das flutuações financeiras e das ambições pessoais.

  • 38 Rachel de Queiroz – L’Année de la Sécheresse, éd. Stock, 1986.
  • 39 Rachel Queiroz – João Miguel, ibidem.
  • 40 Rachel Queiroz – Dora, Doralina, ibidem.
  • 41 José Lins do Rego – L’Enfant de la plantation.
  • 42 Graciliano Ramos – Sécheresse.

52Além de Jorge Amado, como o indicamos acima, um certo número de traduções de autores que escreveram, em parte antes de 1930 mas principalmente depois desta data, facilitam a iniciação da juventude ao Nordeste Brasileiro. Citamos por exemplo de Rachel de Queiroz, L’Année de la Grande Sécheresse38, João Miguel39 e Dora, Doralina40, de José Lins do Rego, L’enfant de la Plantation41 e de Graciliano Ramos, Sécheresse42.

53No caso desses livros traduzidos, o olhar sobre e realidade não é mais exterior, aquele do «estrangeiro» como era quase sempre o caso nas obras relativas à Amazônia. É um olhar brasileiro ou até nordestino. Parece evidente, aliás, que o Nordeste constitui o segundo polo de atração para os tradutores e editores.

  • 43 José Mauro de Vasconcelos – Rosinha, mon Canoë, trad. par Alice Raillard, 1979.
  • 44 José Mauro de Vasconcelos – Mon Bel Oranger, trad. par Alice Raillard, éd. Stock, 1971.
  • 45 José Mauro de Vasconcelos – Allons Réveiller le Soleil, trad. par Alice Raillard, éd. Stock, 1975.

54Um autor brasileiro conheceu, graças à tradução, um sucesso universal junto à juventude, é José Mauro de Vasconcelos. Um de seus romances, Rosinha, mon canoé43, fala, é verdade, da Amazônia. José Orocó só vive através da comunicação, o dialogo com o ambiente que o rodeia, criado e interiorizado por capacidade de imaginação. O mistério da Amazônia vê-se assim desvelado graças à personificação dos elementos, da vegetação, dotados não só de uma linguagem mas também de uma alma e uma vida própria. O protagonista entra em contato direta e magicamente com a natureza e os objetos, entre eles, com seu barco-confidente. A selva explica suas próprias reações em relação aos homens. O Índio expressa com malícia seus sentimentos a respeito dos brancos e dos turistas em particular: zomba de seu gosto pelo exotismo fácil, vendendo-lhes setas feitas em série e sem o menor cuidado! Este mundo amazonense, feito de intercâmbio, de autenticidade e de significação apavora no entanto um médico de São Paulo que vai encarcerar José Oroco a fim de «extrair-lhe sua magia interior». O romance serve-se da alegoria do hospital, representação ao mesmo tempo redutora e simbólica das dificuldades de vida numa sociedade moderna, para tratar de questões essenciais para todo ser humano: a velhice e a morte, a razão e a loucura. Além disso reaparecem temas caros ao autor, ou seja o poder da linguagem, a necessidade de nomear e a relação com o outro, que de fato, eram essenciais em dois outros romances de Vasconcelos O meu pé de laranja lima44 e Vamos despertar o sol45. Tantos leitores se apaixonaram pelas aventuras reais ou fictícias de Zezé, criança em Rio ou adolescente em Natal! Sua enorme necessidade de ternura e de comunicação não encontra remédio a não ser na criação de confidentes imaginários com quem estabelece relacionamentos regulares e compensadores, num tipo de monólogo desdobrado, implicando um interlocutor fictício mas individualizado, quer se trate de uma árvore, de um sapo ou de Maurice Chevalier!

  • 46 Antonieta Dias de Moraes – Trois Garçons en Amazonie, bibliothèque internationale, éd. F. Nathan, (...)
  • 47 Antonieta Dias de Moraes – Tonico et le secret d’État, ibidem.
  • 48 Zélia Gattai – Zélia coll. Mon Bel Oranger, trad. par Mario Carelli et Dominique Nunes, éd. Stock.

55Outros romances brasileiros para crianças foram traduzidos, como os de Antonieta Dias de Moraes, Trois garçons en Amazonie e Tonico et le Secret d’État46-47, desprovidos da autenticidade e da densidade que seduzem nos textos de Vasconcelos. Pelo contrãrio, a recente tradução de Zélia Gattai, além de narrar uma experiência original, a de uma família de emigrados italianos, mostra, graças a esta autobiografia Zélia48, a vida cotidiana em São Paulo, no começo de século. Aliás pudemos constatar a ausência quase total desta cidade, de Brasília ou do Sul, como assuntos de romance, em nosso inventário. No entanto, Monteiro Lobato escreveu para a juventude. O romance de Érico Veríssimo, Clarissa, ao que parece, não foi traduzido e, quanto a Brasília, Maíra, de Darcy Ribeiro, permanece de acesso difícil ao jovem leitor.

  • 49 La princesse Guenon, trad. par P. Léglise-Costa’ édition bilingue, coll. Folio Junior, éd. Gallima (...)
  • 50 Les Trois Têtes d’or, édition bilingue, coll. L’Arbre à Livres, éd. Syros, 1986.
  • 51 Au Royaume de Caligonie, édition bilingue, ibidem, 1986.

56Em 1986, a publicação de várias edições bilíngües propicia um melhor conhecimento da literatura luso-brasileira, entre os jovens. Já uma primeira iniciativa, em 1981, La Princesse Guenon49, e dois outros títulos em 1986, tinham sido dedicados a Portugal. São exemplos algo particulares já que concretizam experiências vividas em colégio nos quais se ensina o português como primeira língua: Les Trois Têtes d’Or50 e Au Royaume de Caligonie51.

  • 52 Contes d’expression portugaise Portugal, Brésil, Afrique. Choix, traduction et notes par Solange P (...)
  • 53 Jorge Amado – L’Enfant du Cacao, édition bilingue, trad. par Alice Raillard, éd. Messidor/La Faran (...)

57Por outro lado, nos Contes d’Expression Portugaise52, nove entre os dezesseis textos falam do Brasil. A seleção dos autores e dos temas é bastante original. São-nos mostrados comportamentos sociais e reações psicológicas características dos brasileiros de classe média, em situações atuais. O leitor descobre o humor dos brasileiros em suas dificuldades cotidianas. A edição bilíngüe, comentada com notas explicativas, permite ao leitor não-lusófono compreender a dimensão psicológica e autêntica do país. Também em 1986, saiu uma outra edição bilíngüe de um romance de Jorge Amado, l’Enfant du Cacao53, autobiografia poética, situada no Sul do estado da Bahia que, enquanto narra o período heroíco das plantações de cacau, questiona o problema das lembranças de infância e conta as primeiras descobertas literárias do autor, durante sua estada num colégio de jesuítas. Ainda neste caso, a tradutora julgou útil comentar as palavras ou noções que resistem à tradução, para facilitar uma melhor compreensão.

  • 54 Fleur, Téléphone et Jeune Fille et autres contes brésiliens, trad. C. Orfila, J. Penjon, A.-M. Qui (...)

58Diante da dificuldade para delimitar o que se pode chamar de literatura para adolescentes, não citamos outras traduções que, no entanto, este público jovem poderia 1er com proveito e prazer, pois obrigaria que se fizessem avaliações específicas, relacionadas com a maturidade de cada indivíduo. No entanto a leitura em edição bilíngüe, de uma antologia de contos brasileiros, Fleur, Téléphone et Jeune Fille54 deve ser proposta à leitura de todos aqueles que desejarem aprofundar seu conhecimento da literatura brasileira... Pois a vantagem da edição bilíngüe de um texto de literatura estrangeira é evidente e esta solução tende a um ideal. Constatamos que é ainda pouco adotado e engatinha na área da literatura brasileira para a juventude.

59Abrir-se à realidade brasileira, na literatura para um público jovem, é fato recente e a tradução de textos capazes de interessar este público, ainda mais. Para diversificar, complementar e melhorar a imagem que pode se fazer o jovem leitor do que é real e atualmente um país plural e movediço como o Brasil, graças à literatura, um dos meios (senão o melhor, como a edição bilíngüe) não seria intensificar este impulso de tradução de textos brasileiros acessíveis a este leitor determinado? Parece aliás desejável estender as pesquisas às áreas geográficas ou culturais que ainda não encontraram o lugar que lhes compete na apresentação, então, mais fiel do país, visto na sua multiplicidade e na sua evolução.

Notes

1 Douglas Botting – Rio de Janeiro, Time-life, « Les Grandes Cités », 1975.

2 Marcel Isy-Schwart – Brésil, Paradis de l’Aventure, «Coup d’œil sur le monde», éd. Presses de la Cité, 1976.

3 Marcel Isy-Schwart – Brésil, Paradis de l’Aventure, « Coup d’œil sur le monde », éd. Presses de la Cité, 1976.

4 Helen et Franck Schreider – L’Amazone, National Geographic Society, trad. de l’américain, Flammarion, 1976.

5 Alain Gheerbrant – Expédition Orénoque-Amazone, coll. Exploits, éd. Gallimard, 1974.

6 Bernard Lelong – La Rivière du Maïs, éd. Lattès, 1974.

7 Richard Collier – Le Fleuve Oublié de Dieu, trad. de l’Américain par J. Papy et A. Coblence, éd. Fayard, 1970.

8 Richard Chapelle – Les Hommes à la Ceinture d’Écorce, éd. Flammarion, 1978-1979.

9 Lucien Bodard – Massacre des Indiens, Le cercle du nouveau livre d’Histoire, éd. Gallimard, 1970.

10 Madeleine Aubert – Kanavi, Le Petit Indien d’Amazonie, « Des Enfants et des Animaux », éd. F. Nathan, 1977.

11 Dominique Darbois – Manuela, la Petite Brésilienne, éd. Nathan, 1975.

12 Willard Price – Pièges en Amazonie, coll. Plein Vent, trad. de l’Américain par Wanda Vulliez, éd. R. Laffont.

13 André Massepain – Les Flibustiers de l’Uranium, coll. Plein vent, éd. R. Laffont.

14 Huguette Perol – La Jungle de l’Or Maudit, « Les Maîtres de l’Aventure », éd. de l’Amitié, G.T. Rageot, 1984.

15 Michel Grimaud – Les Contes de La Ficelle, « Bibliothèque de l’Amitié », éd. de l’Amitié, G.T. Rageot, 1984.

16 Huguette Pirotte – L’Enfer des Orchidées, coll. Travelling no 1, éd. Duculot, 1972.

17 Aurélia Montel – José du Brésil, éd. Delagrave, 1967.

18 Mário Fiorani – Cangaceiros, Ballade Tragique, trad. de l’italien Nicole Levi Dagnino, éd. Cimarron, 1979.

19 Nicole Vidal – Miguel de la Faim, « Les Maîtres de l’Aventure », éd. de l’Amitié, G.T. Rageot, 1973, rééd. 1984.

20 Yves Mauffret – Rencontre à Rio, « Bibliothèque de l’Amitié », éd. de l’Amitié, G.T. Rageot, 1969.

21 Jacques Da Cunha – Severo, « Le Nouveau Signe de Piste », éd. L’Épi de Jeunesse, Alsatia, 1978.

22 Jacques Da Cunha – Le Seigneur d’Arangua, ibidem, 1979.

23 Jacques Da Cunha – Claudio, ibidem, 1982.

24 Frédéric Mauro – La Vie quotidienne au Brésil, au temps de Pedro II (1831-1889), éd. Hachette, 1980.

25 Huguette Perol – Contes d’Amazonie, « Monde en Légendes », éd. Hatier.

26 Béatrice Tanaka – La Fille du Grand Serpent, Contes du Brésil, éd. La Farandole, 1973.

27 Béatrice Tanaka – Le sage Bahira et son fils, « Légende d’indiens d’Amazonie », éd. La Farandole, 1979.

28 Ferreira de Castro – Forêt Vierge, traduit par Biaise Cendrars, 1930.

29 Lygia Bojunga Nunes – Angélique a des Idées, trad. par Noémi, éd. La Farandole, « Mille épisodes », 1979.

30 Lygia Bojunga Nunes – La Fille du Cirque, trad. par Alice Raillard, éd. Flammarion, 1981.

31 Lygia Bojunga Nunes – La Maison de La Marraine, trad. par Noémi, éd. La Farandole, « Mille épisodes », 1978.

32 Ana Maria Machado – Une Grande Petite Fille, « Ma première Amitié », no 46, éd. de l’Amitié, G.T. Rageot, 1984.

33 Jorge Amado – La Balle et le Footballeur, coll. « Un ami raconte », éd. ILM, trad. par Claeys-Desbans, 1984.

34 Jorge Amado – Le Chat et l'Hirondelle, trad. par Alice Raillard, éd. Stock, 1983.

35 Jorge Amado – Capitaine des Sables.

36 Jorge Amado – La Terre aux fruits d’Or, trad. par I. Meyrelles, éd. Messidor, 1986.

37 Jorge Amado – Terres du bout du Monde, ibidem.

38 Rachel de Queiroz – L’Année de la Sécheresse, éd. Stock, 1986.

39 Rachel Queiroz – João Miguel, ibidem.

40 Rachel Queiroz – Dora, Doralina, ibidem.

41 José Lins do Rego – L’Enfant de la plantation.

42 Graciliano Ramos – Sécheresse.

43 José Mauro de Vasconcelos – Rosinha, mon Canoë, trad. par Alice Raillard, 1979.

44 José Mauro de Vasconcelos – Mon Bel Oranger, trad. par Alice Raillard, éd. Stock, 1971.

45 José Mauro de Vasconcelos – Allons Réveiller le Soleil, trad. par Alice Raillard, éd. Stock, 1975.

46 Antonieta Dias de Moraes – Trois Garçons en Amazonie, bibliothèque internationale, éd. F. Nathan, 1974.

47 Antonieta Dias de Moraes – Tonico et le secret d’État, ibidem.

48 Zélia Gattai – Zélia coll. Mon Bel Oranger, trad. par Mario Carelli et Dominique Nunes, éd. Stock.

49 La princesse Guenon, trad. par P. Léglise-Costa’ édition bilingue, coll. Folio Junior, éd. Gallimard.

50 Les Trois Têtes d’or, édition bilingue, coll. L’Arbre à Livres, éd. Syros, 1986.

51 Au Royaume de Caligonie, édition bilingue, ibidem, 1986.

52 Contes d’expression portugaise Portugal, Brésil, Afrique. Choix, traduction et notes par Solange Parvaux, Jorge Dias da Dilva, Jacqueline Penjon, éd. Presses Pocket, 1986.

53 Jorge Amado – L’Enfant du Cacao, édition bilingue, trad. par Alice Raillard, éd. Messidor/La Farandole, 1986.

54 Fleur, Téléphone et Jeune Fille et autres contes brésiliens, trad. C. Orfila, J. Penjon, A.-M. Quint, M. Carelli, éd. L’Alphée, 1980.

Notes de fin

1 Citemos igualmente alguns contos brasileiros inseridos nos volumes: Contos e lendas da Guaiana (Contes et légendes de Guyane), por Arlette de Bennetot, ed. F. Nathan, 1968 (O Príncipe Caiena e a Princesa Belém); Histórias maravilhosas dos cinco continentes contadas as crianças (Histoires merveilleuses des cinq continents racontés aux enfants) por Ré Soupault et Philippe Soupault, ed. Seghers, reeditado num só volume em 1985 (A Estrela, a Yara, a Mulher-Rã).

2 Daremos apenas alguns exemplos:
– ortografia: barimbau, caxaça, ingleza, paulisto, copoeira, capueira, castagnas, grafinos, granfinos, Maracanão, sesmaria, churrasquo, vové, Pai, Papaï, caxueira, sertan, sertão, secco, abraso, etc.
– italiano: Mamma, La Mamma.
– espanhol: senõr, señhor, Don, Dona, con serteza, cabeza, Maracaña, Porta del Sol, o pais do arbol Brasil e mesmo: fuego, bacalao, buenos dias, viada hermosa, olé!
– finalmente a palavra «feijão»: feyao, feijaõs, feyãodos!

3 jaboti = jabuti: espécie de tartaruga que vive fora da água;
– cotia = cutia: pequeno roedor de pele dourada.
– maguari: garça-parda.

4 Nós somos de Portugal (Nous venons de Portugal), Germaine Finifter, Col. l’Arbre à livres, ed. Syros. 1986.

Auteur

Professor «agrégé» De Português.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540