Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. Les media culturels/Os media culturais

A imagem da França na literatura brasileira (paradoxos do nacionalismo)

Leyla Perrone-Moisés

Texte intégral

1Em seu livro Viagem à Terra do Brasil (1563), Jean de Léry transcreve a saudação dirigida aos Franceses pelos Índios tupinambás: «Maïr, deagotoren amabé morubi». Tradução: «Francês, tu és bom, dá-me os braceletes de contas de vidro». Em outra saudação, os mesmos Índios diziam: «Vocês nos trouxeram coisas bonitas que nos não temos aqui». O deslumbramento dos brasileiros diante dos objetos oferecidos pelos franceses permaneceria quase idêntico durante os três séculos seguintes; com a única diferença de que os braceletes de contas de vidro se transformariam em outros objetos, entre os quais se encontrariam livros.

2Ao percorrer rapidamente a história da literatura brasileira, verifica-se não apenas a presença constante da influência francesa como também sua actuação efetiva junto aos Brasileiros, em momentos decisivos dessa história, para ajudá-los a encontrar seu próprio caminho. É desse paradoxo, o de uma alteridade que incita a encontrar uma identidade, que tratarei aqui.

3Até o fim do século XVIII, não existe «literatura brasileira», mas apenas manifestações coloniais da literatura de língua portuguesa. A formação da literatura brasileira, como a de todas as literaturas latino-americanas, é concomitante com a criação da Nação. Ora, o conceito de «nação» nos vinha da Europa, através da França.

4A Revolução francesa inspirou todas as guerras de independência americanas. No Brasil, as primeiras tentativas de emancipação política foram empreendidas por letrados de Minas Gerais, leitores dos Enciclopedistas franceses. As «idéias francesas», e os livros em que elas se expunham, circulavam por debaixo do pano, e levaram vários leitores à prisão.

5A imagem da França era então a própria imagem da rebeldia e da liberdade, em oposição àquela da opressão portuguesa. Não havia, portanto, nenhuma razão para recusar a influência francesa; pelo contrário: depender dessa influência era um modo de se mostrar independente.

6No plano da produção literária, a inspiração do Néo-Classicismo francês permitiu que nossos poetas arcádicos elaborassem as primeiras reflexões sobre as relações do homem com a natureza, e da civilização com o primitivismo. O sentimento de exílio, experimentado por esses Brasileiros europeus que eram nossos primeiros literatos, encontrava, na temática pastoral, um imaginário adequado. O resultado foi, segundo Antônio Candido, o seguinte: «Os cajados dos pastores virgilianos, fincados no solo brasileiro, floresceram em cocares de plumas» (Formação da Literatura Brasileira, Vol. I).

7Até esse ponto da história, nosso relacionamento com as idéias e formas artísticas francesas não apresenta nenhuma particularidade; fenômenos análogos ocorreram nos outros países latino-americanos.

8É a partir do início do século XIX que nossas relações com a cultura francesa vão estreitar-se de modo original, e mesmo paradoxal. O primeiro paradoxo, histórico, é o de nossa Independência, proclamada por um rei português. Pode-se dizer que esse fato surpreendente foi provocado por um francês: Napoleão. De fato, fugindo das tropas de Junot, o rei D. João VI partiu para o Brasil (em 1807) onde permaneceu, com a Corte portuguesa, o tempo suficiente para que seu filho, D. Pedro, nos libertasse deles mesmos. (em 1822). Tudo indica que D. João VI não guardava. ressentimentos com relação à França já que, uma vez instalado no Rio de Janeiro, chamou uma Missão francesa encarregada de promover o desenvolvimento das artes e das ciências. Na realidade, Portugal já era então uma colônia cultural da França. E, por um curioso mecanismo de compensação, aqueles que tinham sido vencidos por Napoleão queriam ter, em suas cortes, exatamente a mesma estética e, se possível, os mesmos artistas que glorificavam o Imperador francês. Foi o caso do pintor Debret, integrante da Missão francesa.

9Estávamos portanto, nos Brasileiros, duplamente destinados à influência francesa: quer através de Portugal, quer em oposição a ele. Alceu Amoroso Lima, num discurso pronunciado em 1968 no Institut de France, salientava essas circunstâncias: «se nossa independência política foi uma consequência indireta das guerras napoleônicas (...), nossa independência cultural foi uma conseqüência direta da influência francesa».

10Depois da Independência, nossos ressentimentos em relação a Portugal levaram-nos a um diálogo direto com a França, vista como libertária e internacional, em oposição a Portugal, visto como opressor e provinciano. Afinal, para afrancesarmo-nos, dispensávamos intermediários.

11A história de nosso Romantismo não é uma simples história de influências. No nosso caso houve, como se diria hoje, uma verdadeira colaboração técnica. Tivemos um Pré-Romantismo franco-brasileiro no qual participaram franceses: os que haviam permanecido no Brasil após a Missão francesa e outros, visitantes.

12Foi um Francês, Ferdinand Denis, autor do primeiro esboço de uma história da literatura brasileira, que mostrou a nossos escritores o caminho a seguir: a exploração dos temas locais, a natureza tropical e os Índios. Na mesma época um outro Francês, François de Monglave, traduzia para o francês o poema épico Caramuru, de Santa Rita Durão, dando-lhe uma feição romântica que revelava aos Brasileiros as potencialidades dessa obra (Ver Antônio Candido, «Estrutura literária e função histórica», in Literatura e Sociedade).

13Foram portanto os franceses que nos forneceram o mapa do tesouro, aquele tesouro temático que Chateaubriand tinha descoberto na América do Norte. Encantados, nossos escritores românticos descobriram o que existia no Brasil: florestas e Índios. Compreende-se assim que nosso Romantismo, como a heroína índia do Caramuru, tenha sido batizado em Paris, onde um grupo de jovens brasileiros fundou a revista Niterói(1836), com as bênçãos dos mestres franceses acima citados.

14Nosso idílio com a França decorreria sem nuvens durante um século. Wilson Martins qualifica nosso século XIX como «um imenso galicismo» (História da inteligência brasileira, vol. II). De fato, o Brasil produziu então réplicas de todos os grandes autores franceses, com resultados desiguais, que vão da cópia servil ou diluída até a criação de obras originais, nas quais as fontes são incorporadas e a influência se torna intertexto, isto é, texto novo que dialoga, em pé de igualdade, com o texto tutor.

15Instala-se então o grande paradoxo: é a inspiração francesa que incentiva a originalidade brasileira, ainda mais por serem a «originalidade» e o «novo» valores pregados pelas estéticas que a França difundiu desde o Romantismo. Tudo o que é especificamente brasileiro em nossa literatura do século XIX – o indianismo de Alencar e de Gonçalves Dias, a poesia libertária de Castro Alves, a análise de nossa sociedade urbana em Aluísio Azevedo – foi desencadeado pela leitura de Chateaubriand, Victor Hugo e Zola. «Sempre a França, na origem dos mais nacionalistas de nossos escritores» (Alceu de Amoroso Lima).

16Se nosso Império foi afrancesado, também o foi nossa Répública. Como se sabe, o lema de nossa bandeira – «Ordem e Progresso» – é uma citação de Auguste Comte, cuja doutrina teve grande repercussão no Brasil.

17Outro episódio ilustra de modo exemplar, nos últimos anos do século XIX, o paradoxo desse nacionalismo à francesa. Trata-se da fundação da Academia Brasileira de Letras. Tendo objetivos nacionalistas tais como a reunião dos escritores do país e a fixação da língua brasileira num dicionário, nossa Academia foi concebida como uma copia da Academia Francesa, pelo número de membros, pelo sistema de funcionamento, pelos uniformes, etc. Só faltava um palácio francês para que nossos acadêmicos se sentissem em maior conformidade com o original. E a França, benevolente, satisfez esse desejo, oferecendo-lhes uma réplica do Petit Trianon (prédio hoje em dia mais deslocado que nunca, encravado entre o tráfego desenfreado da praia do Flamengo e os arranhacéus que desafiam os morros).

18Durante todo o século XIX houvera um consenso favorável em relação à França. As declarações de amor eram freqüentes e efusivas, como esta de Junqueira Freire, autor de um manual de retórica muito difundido: «Sigamos a França porque ela é o farol que ilumina todo o mundo civilizado (Elementos de Retórica Nacional, 1869).

19No fim do século, surgem entretanto as primeiras reservas. Em 1897, Joaquim Nabuco dizia, num discurso pronunciado na Academia Brasileira de Letras, que era preciso libertar «a língua de Camões e de Herculano» da influência das leituras e estudos franceses, já que tal influência «corrompia nosso vocabulário». O mesmo Nabuco, na inauguração do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro, lamentava que os Brasileiros ignorassem a existência de Portugal. «O que o Brasileiro lê, diz ele, é o que a França produz. Ele é, pela inteligência e pelo espírito, cidadão francês; nasceu parisiense (...) vê tudo como o veria um Parisiense exilado de Paris» (apud Wilson Martins, op. cit., Vol. IV). Ora, o próprio Nabuco tinha começado sua carreira de escritor em francês e em Paris...

20O crítico José Veríssimo, por sua vez, protesta contra a circulação excessiva de autores franceses no Brasil, em livras isentos de impostos e publicados em numerosas traduções. A seu ver, isso prejudicava os autores nacionais (apud Antônio Cãndido, Formação da Literatura Brasileira, vol. II). Ainda hoje, em encontros de escritores brasileiros, pode-se ouvir a mesma queixa; mas diz respeito, atualmente, aos livras estrangeiros em geral.

21Essas suspeitas e queixas eram ainda ocasionais, no fim do século XIX. No começo do século XX, o que predomina é um discurso amoroso em relação à França. Nossos homens de letras, que tinham aderido à ideologia da latinidade, dizem por exemplo: «França, etemo foco de luz e de beleza, país da razão clara e dos pensamentos nobres-terra resplandescente da latinidade. (...) Orgulhosa, cavalheiresca, corajosa e generosa, a França nos é cara (...). Amamos esta França, grande e imortal (...) adoramo-la, mais do que nunca, por ela ter lutado tão corajosamente», etc. (Elysio de Carvalho, La France éternelle, discurso de recepção a Paul Fort, 1922 – em francês).

22E já que chegamos a 1922, falemos de nosso Modernismo. Tão nacionalista quanto nosso Romantismo, o movimento modernista brasileiro começa em 1922, depois da viagem de Tarsila do Amarale Oswald de Andrade... a Paris. É ainda uma vez através da França que descobrimos o que já possuíamos: a arte negra e primitiva em geral (fonte de inspiração para os cubistas parisienses), o tropicalismo (praticado por Blaise Cendrars) e o anti-racionalismo (proposto pelos surrealistas).

23No decorrer do século XX, essa longa história de amor com a França conheceria momentos menos felizes. Parece que o feitiço se voltou contra o feiticeiro. Vejamos como: foi a França que inventou a latinidade e, junto com ela, a América Latina. Esta, então, cria e desenvolve a ideologia da «latino-americanidade» (o «mundonovismo» hispano-americano) que, para se afirmar, recusaria a cultura européia. Os escritores brasileiros passam a reivindicar sua latino-americanidade, recusando as ingerências estrangeiras e estreitando seus laços com os hispano-americanos.

24Surge então um outro discurso. Monteiro Lobato, nacionalista e latino-americanista, dirá nos anos 40: «Que pena para o Brasil que o mundo, para ele, seja a França e nada mais que a França: essa estupidez nos cega, impede-nos de ver e de admirar grandes obras tão superiores às bugigangas que Paris nos envia e que recebemos como macacos, sem nenhum discemimento critico» (Críticas e outras notas).

25Mais recentemente, num livro de 1977, Darcy Ribeiro denunciava os valores europeus por serem «espelhos deformadores» que impedem as culturas latino-americanas de possuir «uma imagem autêntica do mundo» e «uma concepção correta delas mesmas». Trata-se, segundo o antropólogo e romancista brasileiro, de uma verdadeira trama que deve ser desmascarada, para que possamos reconquistar nossa «autenticidade cultural». Salienta a «expansão européia» como sendo o inimigo n° 1 de nossa autonomia cultural, e considera a «ruptura com essa alienação» como nosso objetivo prioritário. No entanto, a grande contradição do livro de Darcy Ribeiro reside na defesa de uma «cultura mestiça» na qual o elemento «branco», europeu, seria eliminado. Esse livro corresponde a um momento de exaltação da latino-americanidade, por razões políticas bem compreensíveis. O mesmo Darcy Ribeiro, jã em outro estado de espírito, quando responsável pela Secretaria da Cultura do Estado do Rio de Janeiro, foi o principal promotor da Casa França-Brasil, museu das relações franco-brasileiras.

26Esse projeto de união latino-americana (às vezes usado como propaganda eleitoral) teve como resultado a introdução recente da língua espanhola no ensino secundário brasileiro. Considerando-se o número reduzido de horas dedicadas às línguas estrangeiras em nossos programas, a língua que será preterida em favor do espanhol será a francesa, já que o inglês tem sua situação garantida, por outras razões. Napoleão III, que inventou a América Latina, ficaria muito surpreso se visse essa latino-americanidade que se afasta da França, e até se volta às vezes contra ela, acusando-a de um «colonialismo cultural» que estaria na raiz de todos os nossos problemas culturais. E seria uma boa lição para Napoleão III, cujas motivações nada tinham de cultural.

27Com todos esses paradoxos, a França teve um papel muito positivo na formação e no desenvolvimento da literatura brasileira. A história de nossa literatura demonstra que a cultura francesa sempre agiu como um revelador, aquele líquido que faz aparecer as imagens latentes nos negativos fotográficos. Na verdade, os Franceses não nos trouxeram coisas que não tínhamos, como diziam os Tupinambás. Mostraram-nos o que possuíamos e o modo de usá-lo.

28Tal foi, globalmente, a história de nossas relações literárias com a França. As marcas franceses já estão incorporadas à nossa tradição, e não podemos rejeitá-las sem nos mutilar. Assim, nossa simpatia «natural» pela cultura francesa não é mais uma simples macaquice ou um deslumbramento ingênuo, mas decorre da presença de elementos franceses em nossa formação cultural, a tal ponto que não se pode compreender a cultura brasileira sem levar em conta esses dados.

29Quando tivermos finalmente a certeza de possuirmos uma cultura e uma literatura originais, deixaremos de oscilar entre o fascínio embasbacado e a rejeição xenófoba, reações típicas dos povos coloniais. Nossos grandes escritores, escapando à recepção passiva, procederam a uma «devoração» crítica e transformadora da cultura francesa (ver Oswald de Andrade). Como acontece em todas as culturas, que se afirmam não pela rejeição do outro, mas pela maneira como o assimilam e integram.

Bibliographie

NOTAS

Oswald de Andrade,– Do Pau-Brasil à Antropofagia e às utopias, Vol. VI de Obras completas, 2a. ed., Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1978.

Antônio Candido, – Formação da literatura brasileira, 2 Vols., 3a. ed., São Paulo, Martins, 1969. Literatura e sociedade, São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1967.

Elysio de Carvalho, – Os bastiões da nacionalidade, Rio de Janeiro, Anuário do Brasil, 1922.

Junqueira Freire – Elementos de Rhetorica Nacional, Rio de Janeiro, Eduardo & Henrique Laemmert, 1869.

Alceu Amoroso Lima, – «L’influence de la pensée française au Brésil», Communication lue dans la séance du 28 octobre 1968, Institut de France, Académie des Sciences Morales et Politiques.

Monteiro Lobato, – Conferências, artigos e crônicas, 13a. ed., São Paulo, Brasiliense, 1970.

Wilson Martins, – História da Inteligência Brasileira, Vol. II & IV, São Paulo, Cultrix, 1976.

Joaquim Nabuco, – Discurso citado por L. Guilaine. In: Petit Temps, Paris, 20 de Outubro de 1897.

Darcy Ribeiro, – As Américas e a civilização, Petrópolis, Vozes, 1977.

Auteur

Universidade de São Paulo.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540