Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. Les media culturels/Os media culturais

A presença e a imagem do Brasil na Revue des Deux Mondes no século XIX

Luiz Dantas

Texte intégral

  • 1 Jornal de viagens, da administração, dos costumes, etc nos diversos povos do globo, ou arquivos ge (...)

1A Revue des deux mondes foi oficialmente criada em 9 de março de 1830; seu título era então mais extenso e resumia o conjunto de suas preocupações: «Journal de Voyages, de l’administration, des moeurs, etc. chez les différents peuples du globe, ou archives géographiques et historiques du XIXe siècle».1

2Seu fundador, François Buloz (1804-1877), que permaneceria na direção da Revue até sua morte, deixando, aliás, marcos profundos de sua forte personalidade, lançou-se então numa aventura, pois este gênero de publicação era quase inexistente na França, e somente as revistas inglesas – muito populares, na época – podiam servir de modelo para tal empreendimento, com seus relatórios, seus trechos das principais publicaçôes e suas crônicas de viagem.

3Aventura duradoura, pois a Revue atravessou todo o século XIX, sobreviveu a todas as reviravoltas políticas, para chegar até os dias de hoje, depois de mais de século e meio de história. Aventura bem sucedida, dado que a decana das revistas francesas, se considerarmos principalmente seus primeiros cinqüenta anos de existência, ocupou um lugar de destaque entre as publicações francesas, reunindo colaboradores prestigiosos, publicando os maiores nomes da literatura, tornando-se de certa forma, uma verdadeira instituição do séc. XIX.

4Durante o longo período que se estende de 1830 ao final dos anos 1880 – idade do ouro da revista – (período que corresponde no Brasil ao início da Regência até ao final do reinado de D. Pedro II) o Brasil mereceu uma atenção especial por parte da Revue des Deux Mondes. É pelo lado da política, ou das afinidades políticas que poderíamos encontrar algumas das explicações para esse interesse.

  • 1 Gabriel de Broglie: Histoire politique de la Revue des Deux Mondes, Librairie Académique Perrin, 1 (...)

5Embora a Revue se tenha sempre recusado a identificar-se com qualquer partido político, seu pensamento nesta área revelou-se, no entanto, progressiva e prudentemente, no decorrer dos acontecimentos. Um historiador contemporâneo1 resume assim seus princípios:

6«(...) as crenças da Revue des Deux Mondes eram as da burguesia que chegava ao poder: confiança no progresso, culto da liberdade individual, e defesa da ordem social».

7Sob a Monarquia de Julho, a Revue jamais escondeu sua adesão aos principíos do regime; sob o Segundo Império, a Revue passou para a oposição, reunindo em torno de si os fiéis e os nostálgicos da Monarquia desfeita. Oposição discreta, contudo, pois ao mesmo tempo era preciso conservar os princípios liberais da Revue, e não ser a inimiga do poder, sob pena de desaparecer. Mais favorável à pessoa do Imperador Napoleão III, em si, do que ao regime, a Revue des Deux Mondes manteve, no entanto, uma certa benevolência para com o Império, na medida em que restabelecia a ordem e afastava o perigo republicano.

  • 2 Le Brésil, in Annuaire des Deux Mondes, 1860, p. 707.

8Essas observações nos ajudam, evidentemente, a compreender o tipo de olhar que a Revue dirigia ao Brasil de D. Pedro II, a única exceção monárquica numa América tão fortemente republicana. Cito, como exemplo, algumas linhas que serviram de introdução para um artigo de 18602: «Chegamos enfim ao maior dos Estados Americanos, ao império do Brasil que, em relação aos outros países do Novo Mundo, tem como trunfo, a monarquia, ou seja uma garantia considerável de estabilidade e de ordem (...)».

9E o autor completará seu raciocíno em seguida, opondo o caso brasileiro à desordem e à anarquia das Repúblicas vizinhas.

10Lembremos, no entanto, que esta imagem do Brasil ficaria um tanto desfigurada no final da década de 1860, depois da intervenção do Brasil nos negócios de La Plata e durante a guerra do Paraguai – cujos atos e motivos seriam julgados com muita severidade pelos comentaristas da Revue. Lembremos também que a atenção dada ao funcionamento das instituições brasileiras – tão próximas dos ideais da Revue- não comprometia análises, muitas vezes sem complacência alguma.

11Foi durante o período que coincide com o Segundo Império que a revista alcançou seu maior sucesso e impulso. Sua fama ultrapassava amplamente as fronteiras francesas, e no caso do Brasil, podemos contar no mínimo 5 pontos de difusão, três no Rio de Janeiro, um em São Paulo, e um último em Recife. Não é muito difícil medir o poder de penetração da publicação junto às elites brasileiras, primeiro pela frequência das menções da Revue nas obras literárias brasileiras, e segundo, por sua presença nas bibliotecas públicas e particulares.

12São inúmeros os artigos dedicados ao Brasil: cerca de 40, para o período, desde a fundação da Revue des Deux Mondes até o final dos anos 1880, ou seja, o fim do reinado de D. Pedro II. Entre os artigos, alguns se destacam pela sua importância, verdadeiros balanços do Brasil naqueles anos. E se quiséssemos estabelecer uma classificação simples, dever-se-ia mencionar, em primeiro lugar, diários de viagem, gênero informativo por excelência, e que nos remetem às preocupações originais da Revue.

13Assim é que os dois primeiros artigos seriam assinados pelos dois mais ilustres viajantes franceses ao Brasil no séc.XIX: Ferdinand Denis e Auguste de Saint-Hilaire.

  • 3 Ferdinand Denis: Voyages dans l’intérieur du Brésil, 1831, tomo 2, pp. 149-181.

14Em 1831, Ferdinand Denis3, que saúda a publicação das célebres Voyages à l’intérieur du Brésil (Viagens no interior do Brasil) d’Auguste de Saint-Hilaire, ao apresentar a obra e o cientista, recorda a importância dos viajantes franceses no Brasil e seus antigos laços com o Brasil: «(...) Sabe-se ainda menos, talvez, que é a dois Franceses inimigos por religião e rivais como historiadores que se devem as primeiras noções um pouco mais completas que tivéramos sobre o Brasil e sobre as nações guerreiras que o povoavam. O primeiro é Jean de Léry, natural do Ducado de Borgonha, como ele mesmo dizia, e protestante, que fugia das perseguições da Europa, e procurava uma nova pátria no clima agradável da Guanabara. O segundo, André Thévet, é um monge, grande explorador de terras desconhecidas, que percebia com rapidez e sagacidade as realidades, e portador do título pomposo de cosmógrafo do rei».

  • 4 Francis de Castelnau: L’Araguail, scènes de voyage dans l’Amérique du Sud, 1848, tomo 3, pp. 151-1 (...)

15E os viajantes franceses do séc.XIX, que razões os levaram até o Brasil? Deixemos a palavra e a resposta a um outro colaborador da Revue des Deux Mondes, Francis de Castelnau4, chefe de uma expedição que percorreu, pela primeira vez, os rios Araguaia e Tocantins. Escreveu em 1848: «Enquanto a América do Norte se tornava a terra do utilitário e do negociante, o Sul continuava e não deixou de ser, em grande parte, o domínio do poeta e do naturalista. Lá, não há estradas de ferro nem canais, nem mesmo estradas de rodagem, mas, em todo lugar, admiráveis florestas virgens, rios de extensão incomensurável, animais das formas mais estranhas, montanhas de cumes gelados perdendo-se além das nuvens, nações selvagens enfim, entre as quais o nome da Europa é desconhecido».

16Estas poucas frases atestam, por um lado, a vitalidade das velhas imagens caras aos românticos, e associadas à fascinação americana, e, por outro lado, as necessidades mais práticas. Entretanto, não se dever superestimar o aspecto literário ou exótico das preocupações desses viajantes. As descrições das paisagens tropicais, sua desolação ou sua imensidão, são, na verdade, passagens obrigatórias em todas aquelas relações. Porém os viajantes estão engajados numa investigação mais «séria»: trata-se ou de cientistas no exercício de suas missões científicas, ou de observadores que percorrem o país a fim de reunir o maior número de informações necessárias à sua compreensão e análise.

  • 5 Adolphe d’Assier: Le Brésil et la société brésilienne – mœurs et paysages, 1863 em data do 1° de j (...)

17Partem do Rio de Janeiro, seu porto de chegada, onde permanecem por um tempo mais ou menos variável de maneira a poder conhecer a capital do império; em seguida, galgam as serras costeiras para poder penetrar nas regiões do interior do Rio de Janeiro, e estudar o funcionamento das «fazendas» e as condições do trabalho escravo. Adolphe d’Assier, autor de «Le Brésil et la société brésilienne – mœurs et paysages» (O Brasil e a sociedade brasileira – usos e paisagens), diria en 18635:

18«A «cidade» não nos mostra tão nitidamente quanto a «fazenda» e o «rancho» a sociedade brasileira do passado, naquele tipo de luta entre a civilização e a barbárie, luta cujo palco principal tem sido o interior do império. Aqui, os contrastes se multiplicam; mas é a atividade européia que se vislumbra quase sempre, às vezes sofrendo às vezes dominando as influências locais. O mundo por onde devemos conduzir o leitor não lhe é inteiramente desconhecido. Na «cidade» brasileira, necessidades novas fizeram surgir costumes que não nos afastam muito do velho continente».

19Prosseguem a viagem até a província de Minas Gerais, muito impregnada ainda do prestígio que vem dos esplendores do século anterior – apesar das riquezas do ouro serem meros vestígios, quando não lembranças; e esses viajantes retornam, enfim, à capital de país, quando não arriscam uma viagem até Salvador da Bahia, pelo interior.

20À medida que o século avança, as descrições abarcam regiões mais afastadas (como o interior de Goiás, no texto de Francis de Castelnau, citado acima) ou então em direção ao Norte, a Amazônia, ou enfim o Sul, com as colônias alemãs de Santa Catarina e o Rio Grande do Sul.

  • 6 Pereira da Silva: Le Brésil en 1858 sous l’empereur D. Pedro II, 1858, tomo 4, pp. 791-834.

21Voltando à nossa classificação sumária de toda esta matéria da Revue sobre o Brasil, cumpriria mencionar rapidamente os balanços gerais, que freqüentemente trazem o simples título de «Situação do Brasil em... ». Esses balanços surgem periodicamente, mais ou menos a cada dez anos (1844, 1850, 1858, 1863, 1873), e apresentam numerosas estatísticas colhidas nas publicações brasileiras ou nas obras européias contemporâneas; apóiam-se sobre os testemunhos dos viajantes e anunciam também as últimas realizações do país. A importância desses textos, junto aos leitores brasileiros da Revue des Deux Mondes – que olhavam a realidade de seu país através do olhar dos franceses sobre ela foi, com certeza, determinante. Poderá comprová-lo a declaração feita pelo antigo Presidente da província do Rio de Janeiro, o senador conservador Pereira da Silva, que, em 1858 foi o autor de Le Brésil en 1858 sous l’Empereur D. Pedro II6 (O Brasil em 1858 sob o Imperador D. Pedro II). Seu objetivo é evidente, e diria à guisa de introdução: «Tudo o que foi publicado até agora não dá uma idéia suficientemente exata de suas instituições políticas, de seus relacionamentos exteriores, e sobretudo do papel que o Brasil desempenha na América do Sul, papel que prepara e define sua influência futura nesta parte do mundo. » Em seguida, Pereira da Silva examina os principais aspectos da vida brasileira, mas se detém particularmente no funcionamento da administração, e em sua eficiência, nem sempre poupada nos escritos dos observadores da Revue. O texto de Pereira da Silva é, sem dúvida, mais do que oficial e destinado a corrigir a imagem do pais, mas é sobretudo enquanto sintoma do alcance desta publicação junto às dites brasileiras que se torna precioso.

  • 7 Elisée Reclus: Le Brésil et la colonisation, 1862, em data de 15 de junho e 15 de julho respectiva (...)

22Entre os balanços do Brasil publicados pela Revue des Deux Mondes destaca-se, sobretudo, um texto totalmente ímpar do geógrafo Elisée Reclus: «O Brasil e a Colonização», de 18627.

23Reclus utiliza como fonte de informação e ponto de referência, os relatos de viagem, e principalmente A Viagem ao Norte do Brasil, e A Viagem ao Sul do Brasil do cientista Avé-Lallemant, de origem alemã, publicados respectivamente em 1858 e 1859.

24A importância e a agudeza das análises de Elisée Reclus merecem serem evocadas. Trata-se de um estudo das bases da sociedade brasileira, bastante moderno em sua inspiração, pois parte de uma análise econômica, e será preciso aguardar o nosso século para encontrarmos a mesma maneira de colocar essas questões.

25Diante das dificuldades que o Brasil enfrenta para se colocar ao nível das nações modernas, principalmente em relação aos Estados Unidos da América, e apesar das riquezas naturais serem comparáveis nos dois países, Reclus se questiona sobre as razões de tal defasagem. Recusa as explicações gerais, duvidosas, emitidas pela maioria dos viajantes, que enchem seus comentários de considerações sobre os inconvenientes do clima tropical, sobre a mestiçagem excessiva de raças, sobre a preguiça dos habitantes, sobre as incompatibilidades entre as civilizações latinas e o progresso técnico. O Brasil encontra-se numa posição muito mais perigosa do que a da república americana, pois, no Brasil, um em cada três habitantes é escravo. E se o regime escravocrata brasileiro é menos cruel que o das plantações americanas, Reclus acredita – paradoxo aparente – que «a instituição escravocrata oferece nos Estados Unidos uma aparência de moralidade que em vão se buscaria no Brasil». Pois, «os fazendeiros americanos, advertidos pela reprovação de seus compatriotas e pela voz de sua consciência, nunca cessaram de discutir a escravidão do ponto de vista da justiça». Enquanto a sociedade brasileira, «completamente imersa na escravidão, não poderia avaliar-lhe a justiça ou a iniqüidade. » Elisée Reclus cita os casos dos conventos, com seus domésticos africanos. Cita o caso do próprio Estado, também proprietário de escravos. E conclui com esta frase tão exemplar, que poderia nos ajudar a compreender muitas das contradições do nosso Brasil de hoje: «As alegres gargalhadas dos negros e das negras ressoam sempre em cada esquina da Bahia e do Rio de Janeiro; mas se passarmos diante das casas de correção em que açoitadores à solda do Estado fustigam os escravos ao simples pedido do proprietário, ouvemse gritos de dor que fazem eco aos ruidosos risos das ruas. »

26Em seguida, Elisée Reclus questiona um outro grande problema do Brasil, o das fazendas e da monocultura. Quantos inconvenientes, para ele, na concentração de todos os capitais, de toda a força de trabalho, numa produção única, colocando em perigo o país, quando surge uma crise de ordem internacional ou natural, (seca, enchentes, etc), ou quando o país se vê obrigado a comprar no exterior os produtos alimentícios. Para ele, a «lavoura grande» é uma agricultura incompleta, rotina invariável, que exclui a participação e o dinamismo dos verdadeiros agricultores.

27Elisée Reclus acusa a instituição patriarcal, pois ela «usa a terra e o homem com a mesma selvageria, sem nunca lhes dar nada em troca de seus serviços; ela queima o solo na sua passagem. » Por outro lado, se os viajantes se referem com tanta frequência à preguiça dos homens livres, como poderia ser diferente, pergunta-se Elisée Reclus, se a própria existência da escravidão desonra o trabalho. Se esses mesmos viajantes observam o eclipse e o estado de inferioridade da mulher na vida brasileira, não seria o resultado – pergunta – se o geógrafo – dos hábitos do déspota usados pelo marido num mundo de senhores e escravos?

28Eis algumas das perguntas feitas por Elisée Reclus, de modo tão contundente, nesse texto surpreendente por sua modernidade, pois anuncia as reflexões sobre a formação econômica da sociedade brasileira, desenvolvidas somente na atualidade.

29Para encerrar nossa rápida classificação dos artigos da Revue des Deux Mondes dedicados ao Brasil, é preciso mencionar a matéria propriamente jornalística adotada, abundante e centrada em torno de dois temas principais: as questões relativas ao tráfico e aos conflitos que opuseram o Brasil e a Inglaterra, e em segundo lugar, evidentemente, a questão da Guerra do Paraguai.

  • 8 Théodore Lacordaire: L’or des Pinheiros, 1835, tomo 2, pp. 335-355
  • 9 Cf. Luiz Dantas: O segredo dos Pinheiros in Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo (...)

30Deixei para o fim um texto de Théodore Lacordaire, «O ouro dos Pinheiros», publicado em 18358 e que teve no Brasil um destino curioso. O autor, irmão do predicador dominicano, grande viajante, percorreu a América do Sul quatro vezes, entre 1825 e 1832. «O Ouro dos Pinheiros» não é propriamente um relato de viagem, mas a dramatização de um episódio histórico, mais precisamente da epopéia «bandeirante». Na verdade, o relato toca as fronteiras imprecisas entre história e ficção9.

  • 10 Carvalho Franco: Os Camargo de São Paulo, Instituto Genealógico Brasileiro, São Paulo, 1943, pp. 1 (...)

31Depois de esboçar um quadro dos primeiros séculos da História do Brasil, o autor se detém longamente nas proezas dos aventureiros de São Paulo, os únicos dignos de interesse, segundo ele, no meio da «longa monotonia» dos anais portugueses na América. Entretanto, se as expedições «bandeirantes» representam uma fonte excepcional de interesse em si mesmos, os documentos escritos são quase inexistentes, pois «os primeiros paulistas entendiam mais de espada e malho que de pena, e não deixaram nenhum relato de suas proezas», lamenta o autor. No entanto, o acaso de uma estadia no convento dos beneditinos do Rio de Janeiro, o estudo de alguns manuscritos da famosa biblioteca, o fizeram descobrir «um verdadeiro tesouro, um pequeno caderno de quase cem páginas, escrito em latim, uma espécie de crônica da província de São Paulo. » E as lembranças dessa leitura e as notas tomadas na ocasião permitiriam a Théodore Lacordaire elaborar sua narração. «O Ouro dos Pinheiros» mistura situações históricas reais (as rivalidades de famílias na São Paulo do século XVII, partida das expedições em busca das minas de ouro), com uma trama totalmente romanesca (a organização de «uma bandeira» para acalmar os ânimos, as lutas e o desaparecimento dos participantes, o retorno do único sobrevivente com a notícia da descoberta das minas de ouro, a revelação interrompida pela morte deste, a retomada das lutas entre os clãs inimigos). Ora, este texto, que usa o artifício do «manuscrito encontrado» para a construção do episódio «histórico», obterá uma posteridade surpreendente. Em 1838, cinco anos depois de sua publicação na Revue des Deux Mondes, seria traduzido e parcialmente publicado na revista Panorama de Lisboa («O Ouro dos Pinheiros» – tradição brasileira). Nenhuma indicação de fonte ou de autor aparece na capa, e apenas a narração dramatizada foi reproduzida. Mais recentemente, em 1943, um historiador brasileiro, Carvalho Franco10, interessado pelas lutas de família em São Paulo, e sabendo da existência do artigo anônimo da revista portuguesa, pensou achar um documento inédito. Mas Carvalho Franco não possuía nenhuma informação sobre o autor deste «documento» e o atribuiu a um escritor do século XVIII, que teria lido um velho código latim do convento de São Bento. O episódio do ouro dos Pinheiros foi, assim, creditado de uma legitimidade e de uma temporalidade jamais questionadas, depois dele, por nenhum dentre os mais sérios pesquisadores.

32Parece impossível resumir, nos limites da presente comunicação, o conjunto do problema relativo à imagem do Brasil na Revue des Deux Mondes. No entanto, me pareceu fundamental salientar (após esta breve exposição) o que liga o tema deste colóquio à matéria incluída nesta revista sobre o Brasil. De fato, as imagens propostas pelos autores dos artigos sobre o Brasil do século XIX são, provavelmente, as mesmas que permanecem, a posteriori, na memória coletiva tanto dos Franceses quanto dos Brasileiros, e se tornam, assim, a base sobre a qual parece apoiar-se o imaginário, ou quem sabe o estereótipo habituai de quem olha o Brasil a partir da França.

Notes

1 Gabriel de Broglie: Histoire politique de la Revue des Deux Mondes, Librairie Académique Perrin, 1979.

2 Le Brésil, in Annuaire des Deux Mondes, 1860, p. 707.

3 Ferdinand Denis: Voyages dans l’intérieur du Brésil, 1831, tomo 2, pp. 149-181.

4 Francis de Castelnau: L’Araguail, scènes de voyage dans l’Amérique du Sud, 1848, tomo 3, pp. 151-169.

5 Adolphe d’Assier: Le Brésil et la société brésilienne – mœurs et paysages, 1863 em data do 1° de junho, 15 de julho, respectivamente, pp. 554-579, 753-787 et 65-98.

6 Pereira da Silva: Le Brésil en 1858 sous l’empereur D. Pedro II, 1858, tomo 4, pp. 791-834.

7 Elisée Reclus: Le Brésil et la colonisation, 1862, em data de 15 de junho e 15 de julho respectivamente pp. 930-959 et 375-415

8 Théodore Lacordaire: L’or des Pinheiros, 1835, tomo 2, pp. 335-355

9 Cf. Luiz Dantas: O segredo dos Pinheiros in Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n° 23,1981 pp. 51-71

10 Carvalho Franco: Os Camargo de São Paulo, Instituto Genealógico Brasileiro, São Paulo, 1943, pp. 105-106

Notes de fin

1 Jornal de viagens, da administração, dos costumes, etc nos diversos povos do globo, ou arquivos geográficos e históricos do século XIX.

Auteur

Professor na Universidade de Campinas.

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540