Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

A. Les media culturels/Os media culturais

Visão por alto das imagens do Brasil na França. Uma herança ambígua

Mario Carelli

Texte intégral

  • 1 Cf. Mario Carelli, Hervé Théry e Alain Zantman, France-Brésil: Bilan pour une relance, Paris, Edit (...)

1Talvez se consiga, ao encerrar esta mesa-redonda, aprofundar a rede de imagens que é associada ao Brasil pela maior parte dos Franceses. Aliás, continuo me perguntando se, a rigor, se pode falar em imagens já que a pobreza dessas representações estereotipadas as assimilam mais a clichês. Em outra ocasião já lhes propus uma compilação critica dessas tolices e de seu uso; temo que as pesquisas municiosas que foram apresentadas aqui só confirmam este bestialógico impressionista1.

2Ora, evidentemente, as «imagens» franco-brasileiras atuais contêm um substrato cultural do qual importa conhecer não só a evolução diacrônica como também as contradições e as hesitações, em momentos chave da história das relações entre os dois povos. Estou encarregado de situá-los em alguns minutos na «longa duração histórica», de lhes propôr uma arqueologia das imagens contemporâneas. Detenhamo-nos no essencial, lembrando os principais marcos da evolução das representações mentais, suas reactualizações e suas transformações.

Nostalgia edênica e terror fantasmático

  • 2 Cf. Mário Carelli, «Portraits français du Brésil» in Brésil des Brésiliens, Paris, Beaubourg, 1983

3As imagens francesas ou européias do Brasil não são puramente acidentais, mas nos aparecem como o resultado de uma estratificação histórica que não se pode desprezar. As representações contemporâneas devem muito não só àquelas que as precederam imediamente, mas ainda às primeiras visões do Novo Mundo2.

  • 3 Gilbert Chinard, L’Amérique et le rêve exotique dans la littérature française au XVIIe et au XVIII(...)

4O assunto foi amplamente estudado, em particular por Gilbert Chinard, Geoffroy Atkinson, Afonso Arinos de Melo Franco e Sérgio Buarque de Holanda para se limitar aos clássicos3.

5Salientemos que as primeiras narrativas insistem muito mais na descrição dos «Brasileiros» que na natureza exuberante e tropical4. No entanto os topoï do Renascimento decorrem da associação da natureza, do estado natural, da exaltação clássica do corpo humano cuja perfeição plástica expressa a virtude moral, do prazer da festa e do jogo, elementos que resultam duma humanidade «na infância», ou seja num estado de inocência.

  • 4 Cf. reprodução da iconografia antiga em Mario Carelli, Brésil, épopée métisse, Paris, Gallimard 19 (...)
  • 5 Catálogo L’Amérique vue par l’Europe, Paris, Musées Nationaux, Grand Palais, 1976-77.

6Simultaneamente, esses bárbaros, não-batizados, são associados a demônios com deformações físicas propriamente monstruosas, corpos acéfalos, membros sexuais desmedidos, cabeças de cachorro. As narrativas mesclam observações diretas, referências à Escritura Sagrada ou a Ptolomeu, sem esquecer as mirabilia do imaginário medieval. Essas distorções e extrapolações eram sensivelmente acentuadas pelos ilustradores, que não tinham ido ver in loco e deixavam sua imaginação criar, a partir das narrativas das testemunhas, elas mesmo muito fantasiosas. Para Bernadette Bucher, por exemplo, as representações às vezes positivas, às vezes disgraciosas, dos selvagens dos de Bry, ajudam os protestantes a resolver as contradições morais nascidas da conquista4. Lembremos que foi preciso esperar o século XVII e os pintores holandeses da corte de Maurício de Nassau para que as realia brasileiras fossem pintadas ao vivo5.

  • 6 France-Brésil, op. cit. p. 119.
  • 7 Já a imagem do homem americano substituia a do Turco ou do Africano, cf. Philippe Sénac, L’image d (...)
  • 8 Hugh Honour, «Science and Exoticism: The european artist and the non-european world before Johan M (...)

7Exaltado ou temido, o Brasileiro conhece uma evidente popularidade, a tal ponto que se tornou a referência quando se descobrem novos selvagens, em particular no Canada6. Exibido nas cortes e nas festas, sua presença instiga e alimenta debates teológicos e filosóficos, sendo os exemplos mais conhecidos os capítulos dos «Coches» e as páginas sobre os canibais «homens próximos da inocência original» dos Essais de Montaigne. Mas à medida que os Portugueses irão afirmando o seu monopólio sobre a colônia, as informações se tornarão mais indefinidas. Enquanto os Tupinambás serão assimilados aos Huronianos ou aos Iroqueses, os Enciclopedistas falarão do Selvagem americano como de uma entidade global. E preciso dizer que o Ameríndio já foi assimilado e que a americanidade passou a ser uma moda entre outras, ao lado por exemplo do gosto pelos Turcos7. Reunem-se elementos heterogêneos na figura alegórica do continente americano que, junto com a África e a Ásia, homenageia a figura real da Europa8.

  • 9 Cf. Edição de Hélène Minguet, Paris, Maspéro, 1981, pp.62-63.

8Franco Cenni mostrou que na mesma época Buffon, elaborando suas teorias científicas sobre as «épocas da natureza», sustentava que a natureza americana era imatura e que a fauna sofria de uma forma de degenerescência devida a uma pausa de seu desenvolvimento. Esta ambigüidade fundamental, feita ao mesmo tempo de fascínio e de desprezo, persiste no decorrer da histôria dos contactos franceses com o Brasil. Para ficarmos no século XVIII, lembremos uma das poucas fontes dignas de crédito La Relation abrégée d’un voyage fait dans l’intérieur de l’Amérique méridionale, depuis la côte de la mer du Sud jusqu’aux côtes du Brésil et de la Guyane, en descendant la rivière des Amazones; lue à l’assemblée publique de l’Académie des sciences le 28 avril 1745 de Charles-Marie de la Condamine. Quando esse homen de ciência propõe uma tipologia do «mesmo fundo de caráter» dos índios americanos, mostra-se implacável: «A insensibilidade está no seu fundamento. Deixo a outros decidir se ela merece o nome de apatia, ou deve ser aviltada com o de estupidez.(...) não se pode ver sem humilhação o quanto o homen abandonado à simples natureza, desprovido de educação e de civilidade, difere pouco do animal.» Ele constata a degenerescência dos Peruanos em relação a seus ilustres antepassados e conclui: «Quanto às outras nações da América Austral, ignora-se que tenham jamais saído da barbárie»9. O retrato do Índio «embrutecido»é a retomada, em negativo, de todos os valores que deviam personificar o cavalheiro do séc.XVIII, com o seu ideal de cultura geral, de conhecimento da natureza, de domínio das paixões, de refinamento dos costumes, de virtudes de coragem e de honra, de previdência, de comedimento, ou seja de aperfeiçoamento intelectual e moral.

Do exotismo

9A sensualidade pré-romântica vai aplainar os ângulos. No fim do século XVIII, por exemplo, a «preguiça» atribuída aos mestiços vai ser disfarçada com indolência. Os Natchez de Chateaubriand e seu Voyage en Amérique (1827) que será o protótipo do gênero, apresentam guerreiros homéricos com costumes de uma calma nobreza. Assim, desde o século XVI, o impacto do distanciamento e da apropriação do Novo Mundo passa pela referência a «modelos» antigos conhecidos. Depois virá o veredito sem apelo do racismo racionalista e a condenação da miscigenação teorizados pelo Conde de Gobineau, diplomata no Rio e amigo pessoal de Dom Pedro II. «O espetáculo esta no espectador» notava Lamartine; de fato, cada um via no Brasil, o que bem entendia.

10Entretanto os Europeus vão continuar a buscar no Brasil aquilo que querem là encontrar. Assim Jean-Baptiste Debret, «pintor de história, naturalista e filósofo» como se define ele próprio; dedica um volume inteiro de seu Voyage Pittoresque aos Índios, enquanto não deve ter encontrado mais de dois ou três Botocudos durante a sua estada entre 1816 e 1831. Mas, a partir dos documentos etnográficos do Museu Imperial do Rio de Janeiro, consegue construir uma imagem dos diversos tipos em que respeita a morfologia dos rostos mesmo se os corpos possuem padrões neo-clássicos.

11Até no caso deste observador minucioso, a realidade deve amoldar-se aos mitos ou aos sonhos da criança que, na biblioteca de seu pai, tinha lido o Abade Raynal e alguns antigos viajantes. Toda a sua interpretação do Brasil passa por uma visão ideológica do triunfo progressive da civilização sobre a barbárie. Obra da qual julga participar, junto com son seus colegas da missão francesa, Nicolas Taunay ou Grandjean de Montigny, ao fundar a Academia de Belas Artes. É quase vinte anos depois de volta de Debret à França, que Jules Verne publica seu romance «brasileiro», Jangada, em que a trama aventurosa se coaduna com o caráter impenetrável de uma Amazônia fantasmagórica. Um trabalho sobre a intertextualidade permite mostrar como as imagens foram reapropriadas de texto em texto (Jean de Léry é citado por Jean Baptiste Debret, que é citado por Ferdinand Denis... Jean-Jacques Rousseau é tributário das narrativas dos jesuitas...)

12Essa evolução dos olhares corresponde à progressão geral do discurso europeu sobre o outro mas com variantes devidas à natureza da colonização e da independência do Brasil, e à sua relação privilegiada (mesmo se em sentido unilateral) com a França. Os Franceses inventaram Brasis procurando dar conta deste pais, foram levados a construir imagens que dependem tanto de seus desejos quanto do rigor de suas observações.

Tempos de ruptura

13Foi nesse jogo de espelhos deformantes que os Brasileiros se viram encerrados com um crescente malestar. De fato, certos intelectuais tomarão consciência da distância entre a realidade de seu pais e as representações européias, distância que a visão exótica acentuava necessariamente, visão que, por definição, procurava destacar os traços diferenciais mais sugestivos. Essa busca do pitoresco leva muitas vezes o diário de viagem a se tornar um texto mais ou memos ficcional.

14Essas imagens francesas eram frequentemente depreciativas em relação aos modelos incontestáveis do desenvolvimento europeu. Na oposição clássica entre barbárie e civilização, o Francês conhece o lugar dele e o Brasiliero que pertence à elite se considera branco e afrancesado para rivalizar como seu modelo, sacrificando assim sua herança ameríndia e exorcisando a presença africana.

  • 10 Revue des Deux Mondes, Paris, tome 7, ano 14, nova seria.

15Esse rápido pano de fundo permite compreender melhor a polêmica que opôs o Brasileiro Araújo de Porto Alegre ao jornalista francês Louis de Chavagnes em 1884. Na Revue des deux mondes10, Chavagnes se mostra o digno precursor do Conde de Gobineau ironizando sobre «o amor próprio dos Brasileiros»: «Sem dúvida o Brasil possui grandes recursos, a terra só quer produzir; mas será que o papel que esta raça portuguesa degenerada gostaria de preencher é porporcional a suas forças?» (p. 67). Estigmatiza a famosa indolência dos trópicos: «Os Brasileiros preferem morrer a se apressar». (p.74). Apoiando-se nesse diagnóstico, o cronista acaba seu artigo por uma defesa da intensificação das relações comerciais que permitiriam ao Brasil «retomar confiança no futuro»: «O comércio europeu não só vai trazer a prosperidade material, como também vai servir a causa da ordem, favorecer a reforma dos costumes e trazer de volta aos caminhos da civilização uma população desorientada, que dela se afasta cada vez mais» (p. 909).

  • 11 Minerva Brasiliense, no 23, vol. II, p. 711.

16Importa saber que essas acusações são contestadas por Araújo Porto-Alegre, um dos mais brilhantes discípulos da Missão francesa e que empreende a reabilitação de sua pátria em Paris onde acaba seus estudos ao mesmo tempo que anima revista Minerva brasiliense na ótica do nacionalismo romântico europeu vigente. O jovem polígrafo brasileiro não teme a polêmica pois Chavagnes combate contra um «fantasma gerado por sua própria imaginação»11 Este último lamenta a má acolhida que lhe foi dada enquanto, segundo Porto-Alegre, no Brasil em particular, povo jovem, os estrangeiros são bem acolhidos mesmo quando se trata de pobres coitados que chegam para enriquecer. Todos os Brasileiros sensatos concordariam em reconhecer o arcaísmo de sua agricultura e o atraso de sua indústria, mas a pobreza não é o privilégio daquele país, alcança também regiões da Europa. Pouco nos importam os argumentos desta controvérsia. É a vivacidade da reacção, com a tática de remeter, a este francês consciente de sua superioridade, uma imagem igualmente desvalorizante de sua nação, que aparece como novidade em 1844. Ele voltaria ao assunto numa comédia em resposta aos viajantes, A Estátua Amazonense (1851).

17Quase um século depois, a dessacralização da Europa por António de Alcântara Machado (1901-1935) vai passar pela desmitificação de Paris. Invertendo o ponto de vista dos viajantes europeus no Brasil, ele opõe a Paris da modernidade, o da «febre do inédito e do presente», à Paris mitificada pelos brasileiros. Sua convicção é reforçada por ocasião de sua segunda viagem, em 1929. No decorrer de sua andanças, tem a oportunidade de 1er Océan et Brésil d’Abel Bonnard. Fica enraivecido diante daquelas «besteiras» que uma formula incisiva resume: «(Os Brasileiros) nos mostram os tesouros de sua terra e nos pedem os de nossa cultura. Isto lembra a lealdade e a ingenuidade dos antigos intercâmbios: oferecem-nos borboletas e nos pedem idéias». «É preciso se conter para não soltar um palavrão», comenta Alcântara Machado. Delicia-se em mostrar as falhas da «cultura» de Bonnard. Ser capaz de denunciar essas falsidades representa, a seu ver, um grande progresso para os Brasileiros, muito tempo intimidados pela Europa, e assim incapazes de distinguir os verdadeiros valores franceses dos sub-produtos parisienses, que faz questão de não confundir.

Um imaginário persistente

  • 12 Anvers, Édition du Dauphin.

18Entre mais de seis mil referências, tomemos alguns exemplos escolhidos por seu caráter sintomático. Charles Bernard publica em 1921 Où dorment les Atlantes: Paysages brésiliens12. Esse Belga narra as emoções contraditórias que suscita nele o passeio num mercado carioca: (p. 25-26)

19«Os cinco sentidos são solicitados, mesclados numa vertigem; sensação violenta feita de enjôo e de volúpia, todos esses maus cheiros da terra que se abre, o mar que se entrega, desencadeiam em nós uma animalidade alegre e feroz, e eu rio ao ver um neguinho arrastando sobre o calçamento, preso a uma corda um cabrito quase estrangulado, como um holocausto ao Pã Tropical...».

20Deixo-os imaginar as emoções que lhe provocarão as orgias carnavalescas. Encontramos ainda, nos escritos de um viajante do século XX, uma igual atração-repulsão profundamente física. O que não impede uma certa lucidez na percepção da singular apropriação cultural do Brasil: «apesar das levas contínuas provindas do estrangeiro, temos aí um povo autóctone, já modelado à maneira dessa terra pródiga e desse céu de fogo, formado por três séculos de tradições. Permanece ele mesmo até nas suas imitações, se não existe em todo o Rio de Janeiro, imitado de Lisboa, até o ser de Paris, Gênova ou Nova Iorque, uma obra arquitetônica suscitada das próprias vísceras de sua terra pela vara mágica de um artista criador, a imensa cidade no seu conjunto, integrada à luz de sua baía como ao aspecto de seus morros, confessa sua alma exótica e seu gênio original» («Une capitale sous les Tropiques» p. 27).

  • 13 Victor Segalen, Essai sur l’Exotisme: une esthétique du divers et Textes sur Gauguin et l’Océanie,(...)
  • 14 François Hartog, Le miroir d’Hérodote: Essai sur la représentation de l’autre, Gallimard, 1980, pp (...)
  • 15 Tzvetan Todorov, La conquête de l’Amérique: la question de l’autre, Paris, Seuil, 1982, p. 252.

21A esclerose das imagens se explica pelo gênero simplista das oposições: o mundo solar dos trópicos sendo associado à sensualidade («Sob o equador, não há pecado»), e a Europa, ritmada pelas estações, moldada por sua longa história, sendo um mundo ordenado, racionalizado. Faz pouco tempo que os Europeus refletem sob sua relação com o Outro. E, nesse sentido, Victor Segalen é um precursor, quando procura definir um exotismo não falsificado: Despir – a palavra exotismo – de seus ouropéis: a palmeira e o camelo; o capacete colonial; peles negras e sol amarelo; e livrarmo-nos ao mesmo tempo de todos aqueles que as usaram com uma verbosidade ingênua (...) E definir o mais cedo possível a sensação do Exotismo: que é apenas uma noção do Diferente, a percepção do Diverso, o conhecimento de que existe coisa fora de nós; e o poder do exotismo, que é apenas o poder de conceber diferente»13. Eruditos chegaram a reconstruir a «retórica da alteridade» desde Heródoto, e o esforço de «tradução» para inscrever o mundo que narramos no mundo onde narramos. Os instrumentes da linguagem e da representação não são senão a comparação, a anologia ou a inversão... O viajante é obrigatoriamente preso a este sistema redutor: «Uma retórica da alteridade é fundamentalmente uma operação de tradução: procura transformar o outro no mesmo (tradere); passador da diferença»14. Conhecemos agora «a obliteração de outro» empreendida pelo Europeu na sua conquista da América, concomitante com a descorberta do outro interior, este «eu» que é um outro15.

Conclusão

22Se não quisermos «chover no molhado», estabelecendo repertórios de imagens estereotipadas (reatualizadas com grande eficiência pelos principais meios de comunicação de massa e pelos clichês publicitários), devemos não só conhecer a gênese e o funcionamento dessas imagens mas ainda ver como elas foram às vezes violentamente postas em questão. Esta rejeição foi operada quer por Brasileiros cansados de ver a imagem de seu país e de seus compatriotas desfiguradas, quer por artistas e intelectuais franceses (Milhaud, Cendrars, Bernanos, Roger Bastide...) que foram verdadeiros conhecedores do Brasil e que o revelaram aos leitores. No entanto, o Brasil continua sendo vítima de um preconceito estético...

23A contemplação condescendente e compadecida da pobreza de nosso conhecimento recíproco não leva a nada. Em compensação, a tradução e a crítica dos grandes textos brasileiros, o aprofundamento da produção científica francesa no Brasil, a presença de verdadeiros conhecedores nos meios de comunicação, são outro tantos prolegômenos a uma renovação das nossas relações; Vamos à luta!

Notes

1 Cf. Mario Carelli, Hervé Théry e Alain Zantman, France-Brésil: Bilan pour une relance, Paris, Editions Entente, préfacio de Robert Richard, pp. 17-28 e «Interactions culturelles franco-brésiliennes» (com bibliografia) pp. 107 à 171. A releitura desses textos antigos sobre o Brasil e a iconografia permite explorar um capital histórico ainda pouco estudado. Apoia-se numa pesquisa documentária bibliográfica, iconográfica, fatual que resultou num banco de dados de mais de seis mil dados sobre as relações entre a França e o Brasil. A originalidade deste B.F.B. vem do fato que é constituído por uma equipe brasileira de Casa França-Brasil do Rio de Janeiro, pelo grupo Lery-Assu do I.E.A. da Universidade de São Paulo, e pelo Laboratório de Informática para as Ciências do Homen do CNRS sob o patrocínio do Projeto Brasil-França. Nosso trabalho deve muito à Bibliografia Franco-Brasileira (1551-1957) de Georges Raeders (com a colaboração de Edson Nery da Fonseca), Rio de Janeiro, I.N.L., 1960.

2 Cf. Mário Carelli, «Portraits français du Brésil» in Brésil des Brésiliens, Paris, Beaubourg, 1983.

3 Gilbert Chinard, L’Amérique et le rêve exotique dans la littérature française au XVIIe et au XVIIIe siècle, Paris, Droz, 1934, Geoffroy Atkinson, Les nouveaux horizons de la Renaissance Française, Paris, Droz, 1935; Afonso Arinos de Melo Franco, O índio brasiliero e a revolução francesa: As origens brasileiras de teoria da bondade natural, Rio de Janeiro, José Olympio, 1937; Sérgio Buarque de Holanda, Visão de Paraíso. Os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil (1a ed. em 1958,) 3a ed. São Paulo, Companhia Editoria Nacional, 1977.

4 Cf. reprodução da iconografia antiga em Mario Carelli, Brésil, épopée métisse, Paris, Gallimard 1987 e para o estudo de Théodore de Bry e de sua dinastia, Bernadette Bucher, Icon and conquest: A Struture, analysis of the illustrations of de Bry’s «Great voyages», Chigago, University of Chigago Press, 1981; sob o impacto panfletário dos ilustradores protestantes ver também Michèle Duchet et al. L’Amérique de Théodore de Bry, Paris Editions du CNRS, 1987.

5 Catálogo L’Amérique vue par l’Europe, Paris, Musées Nationaux, Grand Palais, 1976-77.

6 France-Brésil, op. cit. p. 119.

7 Já a imagem do homem americano substituia a do Turco ou do Africano, cf. Philippe Sénac, L’image de l’autre: histoire de l’Occident médiéval face à l’Islam, Paris, Flammarion, 1983, p.163.

8 Hugh Honour, «Science and Exoticism: The european artist and the non-european world before Johan Maurits», in E. van den Boogaart, Johan Maurits van Nassau-Siegen (1604-1679): A humanista prince in Europe and Brazil, The Hague, The Johan Maurits van Nassau Stichting, 1979, pp. 269-296.

9 Cf. Edição de Hélène Minguet, Paris, Maspéro, 1981, pp.62-63.

10 Revue des Deux Mondes, Paris, tome 7, ano 14, nova seria.

11 Minerva Brasiliense, no 23, vol. II, p. 711.

12 Anvers, Édition du Dauphin.

13 Victor Segalen, Essai sur l’Exotisme: une esthétique du divers et Textes sur Gauguin et l’Océanie, Montpellier, Fata Morgana, 1978. Segalen reflete a partir do conhecimento do Totalmente Outro, o homen do Extremo Oriente: «A sentir vraiment la Chine, je n’ai jamais éprouvé le désir d’être Chinois» (Ibid. p. 65).

14 François Hartog, Le miroir d’Hérodote: Essai sur la représentation de l’autre, Gallimard, 1980, pp. 225 et 249.

15 Tzvetan Todorov, La conquête de l’Amérique: la question de l’autre, Paris, Seuil, 1982, p. 252.

Auteur

Pesquisador do CNRS

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540