Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

I. L’image du Brésil au quotidien : l’impact des médias d’information (presse et télévision)/A imagém do Brasil no cotidiano: o impacto dos meios de comunicação de massa (imprensa e televisão)

A impossível objetividade

André de Séguin

Texte intégral

1A escola, o cinema, a literatura são fornecedores de imagens. Mas as mídias têm uma influência determinante, pois oferecem informações de modo contínuo e lidam com uma multiplicidade de registros. Portanto, parece lógico que, neste debate, a imprensa apareça no banco dos réus. As acusações são várias: a imprensa daria ênfase demais aos aspectos de crise; destacaria exageradamente os problemas da dívida, as dificuldades sociais e políticas. Esta distorção poderia ter graves conseqüências, desanimando investidores, preocupando os exportadores, amedrontando os turistas, ou seja, dificultando as relações entre os dois países. Tocamos aí numa das perguntas-chave: os meios de comunicação dariam uma imagem falsificada do Brasil?

2Alguns definem a pergunta em termos quantitativos: não será simplesmente por insuficiência de informações sobre o Brasil nos nossos meios de comunicação? Eu darei uma resposta com algumas nuances. Estamos entre Brasileiros e brasilianistas, ou seja, consideramos a priori que os meios de comunicação não oferecem ao Brasil o espaço que deveria ter. Do mesmo modo, se estivéssemos entre Chineses e sinólogos, certamente julgaríamos que não existem notícias suficientes sobre a China. Reconheçamos então que precisamos de um outro instrumente de medida que não seja a nossa subjetividade. As obrigações às quais a imprensa deve se sujeitar devem ser levadas em conta. Irene Jarry acaba de repeti-lo: «não existe espaço»; os diários franceses têm uma paginação restrita. Aliás, esse problema não se coloca do outro lado do Atlântico. Os jornais brasileiros, por causa da tendência ao elitismo da imprensa escrita, têm um volume considerável; alguns chegam a ter mais de cem páginas, e o limite do espaço redacional não existe lá como na França.

3Através das monografias efetuadas por pesquisadores como Ana Maria Montenegro, dispomos de um material que deveria permitir avaliar com precisão a parte atribuída ao Brasil. Um estudo comparativo deverá ser feito, mas à primeira vista não acho que o Brasil esteja claramente sub-representado com relação a outros países latino-americanos. O que dizer, por exemplo, do México?

4Claro, pode-se constatar uma certa discrição da imprensa. Mas a importância dada hoje ao que alguns vêm chamando de sociologia das mentalidades não deve fazer-nos esquecer a infra-estrutura econômica. O espaço que os meios de comunicação oferecem ao Brasil é também o espelho das relações materiais entre os dois países. Ora, os laços são estreitos do ponto de vista cultural, mas menos intensos a nível econômico. Os intercâmbios comerciais tiveram um desenvolvimento bastante limitado. O Brasil ocupa apenas o 34° lugar das exportações francesas. Só 3% das exportações brasileiras se destinam ao mercado francês. Sabemos que os investimentos e a cooperação técnica permanecem bastante tênues. Considerando-se os limites desta base econômica, será que os meios de comunicação podem ser realmente criticados? Não estaríamos estigmatizando o efeito em vez da causa?

5Podemos destacar a presença de algumas temáticas privilegiadas. A imprensa sempre se fascinou pelo poder. A maior parte das informações se relaciona com a agitação política, os movimentos sociais, as eleiçôes, as lutas entre partidos. No período mais recente, o público francês foi bem informado da campanha das «diretas já», da eleição de Tancredo Neves, da sua longa agonia. Ainda hoje a imprensa noticia os incidentes que opõem o Presidente Sarney à Assembléia Constituinte. Neste campo da atualidade política, não parece que o público receba globalmente um número insuficiente de informações. Porém para muitos franceses, a América Latina constitui uma nebulosa bastante difusa, de contornos indefinidos. O público distingue dificilmente as especificidades de cada país latino-americano. Portanto, o que se deve questionar é, principalmente, a fragmentação da informação, o fato dos assuntos de atualidade serem tratados em meia página, em um programa, e depois seguidos de um silêncio total durante uma e até, às vezes, varias semanas. O leitor ou o ouvinte ficam inevitavelmente abandonados à deriva. Esta falta de continuidade talvez não seja inerente, na informação, ao jornalismo moderno. Não resultaria principalmente das políticas redacionais que vigoram nos órgãos de imprensa? Somos assim levados a uma outra dimensão de nosso debate: será que a imagem do Brasil transmitida pelos meios de comunicação é deformada? É impossível explicitar a sútil alquimia através da qual informações de origem tão variada vão se juntando, se mesclando, para finalmente se fundirem e gerarem uma imagem. Mas uma série de observações pode ser feita. Este colóquio vai permitir uma melhor definição da imagem do Brasil. Entretanto para este primeiro debate, gostaria de assinalar o resultado de uma pesquisa que efetuei junto a uma amostra de jovens. Para mais da metade dos jovens, o Brasil evoca primeiro o carnaval, depois a pobreza, e em seguida o futebol, o café, o sol, o Rio de Janeiro, o subdesenvolvimento. Outras noções foram também aludidas com certa freqüência: endividamento, droga, Amazônia, América do Sul, dança, samba, praia, prostituição, democracia, Copacabana, miscigenação... Notemos também uma tendência em subestimar o papel econômico do Brasil e um desconhecimento do regime político.

6Assim, a representação que, pelo menos, os jovens têm do país, tem como fonte as reportagens e os documentários, refletindo provavelmente certas tendências destes. O estilo dos nossos meios de comunicação leva-os a privilegiar assuntos «de peso», a procurar fenômenos de marginalidade, de contraste, e a enfocar o carnaval e as favelas. A regularidade dos programas esportivos facilitou a divulgação dos sucessos do futebol brasileiro. Ficamos propensos a afirmar que a opinião detém-se mais na produção tradicional do café do que no êxito do programa Pró-Álcool, mais no fracasso da Transamazônica do que no gigantismo de Itaipu e de Tucuruí, mais na miséria do Nordeste do que no desenvolvimento da siderurgia ou da aeronáutica. A imprensa dá ênfase com mais facilidade aos aspectos do subdesenvolvimento. Ainda recentemente, nenhum órgão ignorou o caso das crianças de Goiânia vítimas de irradiação atômica... Em compensação, é raro encontrar na emprensa francesa notícias relativas à importância das empresas multinacionais na economia brasileira, ou referências feitas à degradação dos termos do intercâmbio...

7A imagem não é nem neutra nem objetiva. Está inevitavelmente impregnada de ideologia. Existe nesta imagem uma «emanação» da relação de Norte-Sul, relação entre um centra que seria dominante e um Brasil que permaneceria periférico. Mas é melhor não irmos muito longe neste campo. A imprensa francesa não se cansa de lembrar o endividamento e a hiper-inflação. Não deixa, no entanto, e simultaneamente, de fornecer outras informações. Como o indicou Françoise Barthélemy, a imprensa fala da batalha da informática com uma abordagem bastante favorável ao Brasil. Quando, em fevereiro deste ano, a moratória foi decretada, a imprensa francesa noticiou sem particular hostilidade, ao contrario das reações violentas despertadas na imprensa de muitos outras países. Assim, em síntese, a visão do Brasil transmitida pelos meios de comunicação é bastante equilibrada. É também diversificada, múltipla e variável, conforme os órgãos.

8Em parte deformada pela ideologia, a imagem talvez o seja ainda mais pelo mito, um mito à medida do nosso jornalismo de consumo de massa. É o mito do país da aventura, da natureza paradisíaca, das transgressões. Mito que alimenta os imaginários europeus...

9Mais vale não atribuirmos à imprensa um poder maior do que realmente tem. É por essência um espelho deformante, que acentua os traços e se interessa mais pelos elementos de mudança que pelos da perenidade. Mas é apenas a peça de uma vasta maquinaria e, como o lembraram todos os jornalistas presentes, possui um grau de autonomia muito relativo.

Auteur

Pesquisador no CREDAL

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540