Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Images réciproques du Brésil et de la France

 | 
Solange Parvaux
, 
Jean Revel-Mouroz

As imagens recíprocas França-Brasil

Solange Parvaux et Jean Revel-Mouroz

Texte intégral

1O objetivo geral do projeto intergovernamental França-Brasil é proporcionar um melhor conhecimento recíproco, valorizar e incrementar a cooperação entre ambos os países.

2A Mesa redonda as «Imagens recíprocas entre França e Brasil», considerada tanto pelos Franceses como pelos Brasileiros como uma das operações prioritárias do projeto França-Brasil, enquadrou-se justamente nessa perspectiva.

3O Ministério da Educação Nacional (França) tomou a iniciativa e a responsabilidade de promovê-la, através da Direção dos Assuntos Gerais, Internacionais e da Cooperação –DAGIC –, com colaboração da Inspeção Geral e de instituições e organismos associados: o Centro Nacional de Documentação Pedagógica, o Instituto de Altos Estudos da América Latina da Universidade de Paris III, e da Casa das Ciências do Homem de Paris.

4Os Comissários gerais sucessivos do projeto França-Brasil, os embaixadores Henrique Rodrigues Valle Junior por parte do Brasil, e André Lewin e Robert Richard por parte da França tiveram um papel decisivo na preparação do projeto, concorrendo para seu êxito.

5O evento em questão contou também com o apoio do Ministério das Relações Exteriores (França), com o auspício e honrosa presença do Senhor Alain Poher, Presidente do Senado.

6Essa operação foi realizada em estreita colaboração com o Ministro da Cultura do Governo brasileiro, Doutor Celso Furtado, que patrocinou, e co-presidiu a sessão de abertura com o Ministro da Educação da França, o senhor René Monory, e encerrou o colóquio, tendo igualmente participado de debates em várias seções na qualidade de cientista econômico.

7O Ministério da Educação brasileiro fez-se presente na pessoa do Director Geral da Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal do Ensino Superior – CAPES – Professor Edson Machado de Sousa e do Diretor da Fundação de Apoio ao Estudante, Carlos Pereira de Carvalho; ambos apresentaram comunicações da mais alta relevância.

8O Ministério auxiliou também as Associações de Professores de Francês na realização da pesquisa sobre a imagen da França no Brasil no meio escolar, operação simétrica à pesquisa sobre a imagem do Brasil na França no meio escolar, entregue aos cuidados da Associação para o Desenvolvimento dos Estudos Portugueses, Brasileiros, da África e da Ásia Lusófonas (ADEPBA).

9A Mesa redonda constituiu uma das contribuições importantes do Ministério da Educação Nacional (França) para o projeto Brasil-França, com:

  • o concurso sobre o Brasil organizado nos estabelecimentos escolares franceses, cujos prêmios foram pessoalmente entregues, aos laureados, pelo Ministro Monory, em junho de 1987;
  • a criação de uma cadeira de História do Brasil na Universidade de Paris IV, resultante da decisão tomada pelo Ministro Monory por ocasião de sua visita oficial ao Brasil em 1987.

10O evento reuniu mais de trezentos Brasileiros e Franceses, responsáveis e atores em diferentes níveis dos sistemas que contribuem para a constituição e difusão das imagens, como a Educação (universitários, professores primários e secundários, autores de livros didáticos), a Cooperação cultural, científica e econômica (diplomatas, cientistas, chefes de empresa) e também os meios da informação e das mídias (jornalistas, responsáveis de rádio e de televisão).

11Em suas conclusões, o Ministro Celso Furtado e o Embaixador Robert Richard assinalaram a originalidade e a amplitude dos objetivos desta Mesa redonda que pretendia desmontar e demonstrar os mecanismos de constituição das imagens entre a França e o Brasil, em toda sua complexidade e difusão, recorrendo a especialistas e atores de todos os setores implicados.

12As relações entre a França e o Brasil são vítimas de preconceitos, de estereótipos em que as realidades contemporâneas respectivas aparecem demasiadamente simplificadas ou deformadas. As opiniões nacionais de cada um dos dois países, marcadas por imagens muitas vezes ultrapassadas, desconhecem as evoluções em sua profundidade, registrando apenas imagens superficials: o Brasil do Carnaval ou do «rei Pelé» oblitera a emergência desse país como oitava potência industrial mundial. Essas imagens do Brasil se forjaram ao longo do tempo e varias comunicações no colóquio mostraram que, no caso da Amazônia, esses mitos vieram se construindo desde o século XVI, que toda uma literatura os fossilizou, e assim se mantêm no subconsciente e imaginário de muitos. A televisão lhes dá novo sopro de vida revivificando mitos, exemplo recentemente confirmado pela aparição de um cacique Caiapó na pequena tela.

13A França acaba sendo reconhecida mais frequëntemente como país da alta costura e de vinhos célebres do que como a quinta potência econômica do planeta ou ainda como a terceira potência aeroespacial. As primeiras são imagens que os estudantes entrevistados no Brasil nos devolvem com muito humor em seus desenhos, alguns deles reproduzidos aqui.

14A Mesa redonda França-Brasil tinha como objetivos:

  • contribuir para uma melhor apreciação das realidades brasileiras e francesas através de uma operação de atualização dessas imagens recíprocas, priorizando a análise de seus mecanismos de formação e propondo métodos para corrigir tais deformações;
  • articular, num piano voluntariamente operacional, medidas capazes de equilibrar e enriquecer a cooperação entre os dois países. Como bem colocou o Ministro Celso Furtado em seu discurso de encerramento: «É através da cooperação que se pode realmente chegar à imagem recíproca, a melhorar, a aperfeiçoar, a aprofundar a imagem que temos do outro.

15A cooperação dá ensejo à presença, ou seja, estar em e viver o país, conhecê-lo em toda sua complexidade, fenômeno que se pode apreender por analogia, mas nunca por análise».

16Para o Ministério da Educação Nacional da França foi uma forma de analisar, quantitativa e qualitativamente, o lugar que o Brasil ocupa nos programas oficiais de história, de geografia e de português, quando não de francês, e nos guias pedagógicos correspondentes, de propiciar uma avaliação dos intercâmbios ao nível da pesquisa universitária, e de manter de pé as condições para o desenvolvimento dos conhecimentos sobre esse país.

17A Mesa redonda Foi preparada durante um ano inteiro por três comissões («Pedagogia», «Mídias», «Ciência e Tecnologia»), coordenadas por Jean Revel-Mouroz, diretor de pesquisa do CNRS e consultor na DAGIC e Solange Parvaux, inspectora geral de português que animou as equipes encarregadas das pesquisas metodológicas e sondagens em meio escolar, definidas e realizadas especificamente para este fin.

18O comitê organizador contou também com o senhor de Marigny, responsável pelas Relações Internacionais no Centro Nacional de Documentação Pedagógica e os senhores Bernard Poli, chargé de mission na DAGIC, e Lamartine Venance, chef do setor de Cooperação e Desenvolvimento na DAGIC.

19O secretariado técnico da Mesa redonda ficou a cargo das senhoras Michèle Arrué, Balland, Carmen Falconnet, Mona Huerta e dos senhores Patrice Mélé e Raymond Safon.

20A mesa redonda foi realizada em Paris nos dias 3, 4 e 5 de dezembro de 1987, no Salão Médicis do Senado, abordando sucessivamente:

  1. A imagem do Brasil no cotidiano. Impacto da mídia (televisão e imprensa).
  2. A construção da Imagem do Brasil na herança cultural francesa:
    • mídias culturais (literatura, música, cinema)
    • transmissão de imagens no sistema educativo
  3. A emergência do Brasil: uma nova imagem?
    • imagem cultural (televisão, artes plásticas, traduções literárias)
    • imagem científica e tecnológica (áreas das ciências sociais, cooperação científica, testemunhos de atores da cooperação).

21A Mesa redonda tratou particularmente dos aspectos culturais, pedagógicos e das ciências sociais, sem, contudo, esquecer os aspectos tecnológicos e econômicos que dever ser desenvolvidos num próximo colóquio no Brasil, segundo a lógica da reciprocidade. Daí, a razão de se privilegiar a imagem do Brasil na França; a imagem da França no Brasil, devendo ser o tema por excelência do colóquio a ser realizado no Brasil.

22No total, cerca de 60 comunicações, sínteses e relatórios foram apresentados e agora integram as Atas, com exceção de dois ou três, cujo caráter oral, o forte componente iconográfico ou o suporte em vídeo, não permitiram que fossem integrados por razões técnicas, nem retranscritos apropriadamente: paradoxo para um colóquio sobre «Imagens»! Foi o caso de uma pesquisa em vídeo realizada pelo CNDP, do exposé dos alunos da HEC, da comunicação sobre as imagens das mídias publicitárias que tinham sido acolhidas com vivo interesse.

23Um certo número de comunicações, de relatórios de debates são transcrições de gravações feitas ao vivo, o que pode explicar algumas imperfeições na forma.

24A grande maioria das comunicações foram apresentadas em francês. A publicação bilingüe das Atas da Mesa redonda, única formula que correspondeu à filosofia de reciprocidade, representou também um desafio, tanto técnico quanto financeiro. A participação exemplar da CAPES, graças ao impulso de seu diretor geral, o Professor Edson Machado de Sousa e o apoio permanente da DAGIC tornaram possível o longo trabalho de redação, tradução e edição.

  • 1 Associação para o Desenvolvimento dos Estudos Portugueses, Brasileiros, da África et da Ásia Lusóf (...)

25Os dois autores desta introdução foram os responsáveis pela presente edição: Solange Parvaux encarregou-se principalmente da árdua tarefa de coordenação das traduções, com a colaboração da ADEPBA1 e de um grupo de tradutoras: Dominique Dreyfus, Lígia Fonseca Ferreira, Marie-Christine Giust, Ruth Lepine, Elisalva Oliveira Joué, Jacqueline Penjon, Leila Perrone Moysés, Clélia Piza, Anne-Marie Quint.

26Agradecemos a todos aqueles que nos auxiliaram na revisão das traduções, principalmente os autores brasileiros de comunicações escritas em francês. Lamentamos, porém, não nos ter sido possível contactar os que se encontravam no Brasil.

27Nesta etapa dos trabalhos, a Embaixada do Brasil prestou-nos valiosa ajuda, através das sugestões do Conselheiro Cultural, Eurico de Freitas, e das revisões feitas dela senhora Claúdia Laux. A nossa gratidão dirige-se também ao Professor Jean Orecchioni que aceitou a ingrata tarefa da releitura final.

28A secretaria de redação ficou por conta de Michèle Arrué.

29Finalmente a maquete da capa do livro, uma marca concreta do reconhecimento dum trabalho en comun franco-brasileiro, foi realizada pela senhora Valderez Coelho da Paz.

Notes de fin

1 Associação para o Desenvolvimento dos Estudos Portugueses, Brasileiros, da África et da Ásia Lusófonas.

Auteurs

«Inspetor geral» do português junto ao Ministério da Educação Nacional.

Diretor de Pesquisa do CNRS e diretor do CREDAL (Instituto dos Altos Estudos da América Latina, Universidade de Paris III).

© Éditions de l’IHEAL, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter