Etnográfica Press https://books.openedition.org/etnograficapress CC0 etnograficapress@cria.org.pt La politique de la pauvreté: la régulation de droits sociaux et politiques au Nordeste du Brésil La transformation économique du Nordeste brésilien au cours des deux dernières décennies, une région souvent associée à la pauvreté, a été profondément influencée par le programme de transfert de revenus Bolsa Família. Dans « LA politique de la pauvreté », nous plongeons dans la dynamique de mise en œuvre et des utilisations politiques de ce programme au niveau local, offrant une analyse détaillée résultant de recherches ethnographiques sur les interactions qui relient les pauvres urbains du Nordeste à la société face aux défis contemporains de la régulation de la pauvreté.

Ce livre explore les différents défis auxquels sont confrontées des politiques comme le Bolsa Família dans le monde entier. Existe-t-il des règles informelles que les citoyens doivent observer pour accéder à ces politiques publiques ? Comment les pauvres, en accédant à ces institutions, se perçoivent-ils : comme des titulaires légitimes de droits ou comme des bénéficiaires de faveurs ? Que révèlent les interactions entre les citoyens et les agents locaux responsables de la mise en œuvre des politiques sociales sur la société brésilienne ? Ce livre montre comment l'accès aux droits sociaux et l'exercice des droits politiques au Brésil sont limités par des pratiques construites et légitimées pour réguler la vie des personnes en situation de pauvreté.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/9361 2024-02-23 Flávio Eiró Etnográfica Press fr Etnográfica Press
Be Fu**ing Perfect: À Procura da Perfeição Este volume – que reporta os resultados do projeto de investigação EXCEL The Pursuit of Excellence, coordenado pela autora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa –apresenta ambições, desejos e práticas de embelezamento e de melhoramento humano, discutindo os dramas associados à normatividade dos ideais hegemónicos de beleza e perfeição na sociedade contemporânea. Este volume nutre-se da esperança de conseguirmos num futuro próximo tornar os nossos ideais de beleza mais abrangentes e inclusivos. Para que cada pessoa possa ser como é, na sua especificidade, ocupando no mundo o espaço que quer, em liberdade.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/9198 2024-02-15 Chiara Pussetti Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Mouraria, Retalhos de Um Imaginário: Significados Urbanos de Um Bairro de Lisboa Mouraria, Retalhos de Um Imaginário: Significados Urbanos de Um Bairro de Lisboa, resulta de uma investigação sobre os motivos socioculturais dos dilemas, contendas e conflitos simbólicos relacionados com o processo de construção de imagens identitárias de um bairro tradicional da cidade de Lisboa. O espaço central é o indicador central do estudo e é analisado a partir das significações imaginárias do bairro e das práticas de uso e apropriação do espaço público urbano local.

O livro faz uma síntese da história do bairro e reflete sobre dados etnográficos de uso, apropriação e representação do bairro. A partir da etnografia realizada, o leitor poderá compreender alguns dos significados que vigoram no processo de construção da ideia de que o bairro é um dos contextos representativos de uma Lisboa típica, tradicional e popular, patrimonial e histórica, pluralista e multiétnica, podendo ainda denotar variantes que levam a pensá-lo como espaço marginal e liminar. 

Ao lidar com a complexidade local, o livro incorpora os contributos de uma perspetiva antropológica que, a partir da etnografia, privilegia a análise de um segmento do espaço urbano através da observação, da proximidade social e da assiduidade junto e dentro do contexto de estudo.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/8753 2023-12-22 Marluci Menezes Etnográfica Press pt Etnográfica Press
A Política da Pobreza: A Regulação de Direitos Sociais no Nordeste do Brasil A transformação econômica do Nordeste brasileiro nas últimas décadas, uma região frequentemente associada à pobreza, foi profundamente influenciada pelo programa de transferência de renda Bolsa Família. Em A Política da Pobreza, mergulhamos nas dinâmicas de implementação e nos usos políticos desse programa ao nível local, oferecendo uma análise detalhada fruto da pesquisa etnográfica, das interações que conectam os pobres do Nordeste urbano à sociedade diante dos desafios contemporâneos da regulação da pobreza.

Este livro explora os diversos desafios enfrentados por políticas como o Bolsa Família em todo o mundo. Existem regras informais que os cidadãos devem observar para acessarem essas políticas públicas? Como os pobres, ao acessar essas instituições, se percebem: como detentores legítimos de direitos ou como beneficiários de favores? O que as interações entre cidadãos e agentes locais responsáveis pela implementação de políticas sociais revelam sobre a sociedade brasileira? Este livro mostra como o acesso a direitos sociais e o exercício de direitos políticos no Brasil são limitados por práticas construídas e legitimadas para regular a vida de pessoas em situação de pobreza.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/8973 2023-12-22 Flávio Eiró Etnográfica Press pt Etnográfica Press
A Vida no Guichê: Administrar a Miséria A vida no guichê é o trabalho quotidiano da administração, um universo aparentemente de rotina e anonimato, mas cujo equilíbrio é precário e cujos protagonistas não podem nunca ser reduzidos aos papéis padronizados que a instituição espera que eles adotem. A vida no guichê é também feita de identidades que se recompõem, de vidas singulares que se contam e as quais, de uma certa maneira, são determinadas no secreto de uma cabine de atendimento de um órgão administrativo.

 

"A Vida no Guichê: Administrar a Miséria, de Vincent Dubois, finalmente traduzida para língua portuguesa, assume o caráter de um divisor de águas, apontando caminhos para a análise crítica das interações que dão concretude à implementação de políticas públicas, e chamando a atenção para suas interfaces com processos mais amplos de reprodução de desigualdades e da dominação das classes subalternas" (G. Lotta e R. Pires)

"Pelo que representa em matéria de produção de um ponto de vista científico-social inovador sobre os encontros que se estabelecem entre agentes sociais e instituições, pelo que transmite sobre o modo de construir um tal ponto de vista em termos teóricos e metodológicos, A Vida no Guichê: Administrar a Miséria tem, agora, condições renovadas e atualizadas para continuar a atrair a atenção da comunidade científica lusófona e para inspirar o apuramento da respetiva razão sociológica." (M. Cunha e V. B. Pereira)

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/8762 2023-12-18 Victória Brotto et Vincent Dubois Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Contribuições para Uma Mitologia Popular Portuguesa e Outros Escritos Etnográficos Na formação inicial e posterior desenvolvimento de uma tradição etnológica em Portugal, são retidos geralmente três nomes: Adolfo Coelho, Teófilo Braga e José Leite de Vasconcelos, autores a quem Jorge Dias reserva a designação de "mestres". Contudo, outros investigadores desempenharam, no mesmo período, um papel de relevo. Entre eles conta-se, além de Rocha Peixoto, Zófimo Consiglieri Pedroso.
Este volume vem precisamente pôr à disposição dos estudiosos e do público interessado o conjunto de textos que integram a obra etnográfica deste último, com exceção dos Contos Populares Portugueses. Aproveitou-se, no entanto, o ensejo, para recolher dezoito outros contos populares, não incluídos pelo autor nessa coletânea e originalmente editados de forma algo dispersa em publicações de difícil acesso. Com um horizonte temático que vai desde a constituição da família primitiva até aos estudos sobre a mitologia popular portuguesa, o levantamento de que esta edição resulta procurou ser exaustivo.
Trata-se acima de tudo de redescobrir um autor que, tanto do ponto de vista da informação que recolheu e publicou, como do ponto de vista das preocupações mais gerais de que a sua obra se faz eco, tem direito a um lugar menos marginal do que aquele que ocupou durante algum tempo, um lugar mais próximo dos "mestres".

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/8540 2023-10-02 Consiglieri Pedroso Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Emotions and Public Policies The political moment experienced today by so many countries is marked by an intense polarization that intensifies the emotional dimension of political life, bringing feelings such as fear, hate, sympathy, shame and humiliation, among others, to the forefront. The formulation of public policies is one of the arenas in which divergent worldviews clash - a clash that is permeated by emotions. This pervasiveness of emotions attests to the undeniable urgency of turning the anthropological gaze to the role they play in politics. This volume intends to contribute to this effort by taking public policies (their formulation, their reception, their impact) as its objects.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/8345 2023-04-06 Maria Claudia Coelho et Iara Beleli Etnográfica Press en Etnográfica Press
Modos de Fazer, Modos de Ser O processo de construção deste livro demonstrou que as relações entre arte e antropologia não se limitam às subáreas já convencionais da antropologia visual e da antropologia da arte. Nesse sentido, podemos compreender tanto a antropologia como a arte enquanto mais do que um e, porém, menos do que dois. Ou seja, a arte e a antropologia possuem relações intrínsecas que as constituem enquanto disciplinas com fronteiras inconstantes e estas relações podem produzir outras conexões que originam afluxos distintos. É nesse sentido que os capítulos aqui apresentados não são relações entre uma antropologia e uma arte, mas construções de conexões entre múltiplas partes e possibilidades. Modos de Fazer, Modos de Ser, organizado por Teresa Fradique e Rodrigo Lacerda, compila um conjunto de textos de diversos autores que, na sua diversidade epistemológica, permitem dar a ver que as conexões parciais entre antropologia e arte são uma arena reflexiva e sensível a que devemos estar atentos e que devemos ativamente potencializar para encontrarmos e atualizarmos outros mundos possíveis.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/8044 2022-07-29 Teresa Fradique et Rodrigo Lacerda Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Proprietários, lavradores e jornaleiras Com base no trabalho de campo levado a efeito ao longo de dois anos e meio (1976-78) numa pequena povoação de Trás-os-Montes (e que incluiu nomeadamente a consulta de Registos Paroquiais, Róis de Confessados e outras fontes históricas locais), o antropólogo norte-americano Brian Juan O'Neill apresenta-nos neste seu livro uma imagem completamente nova das estruturas sociais existentes nas aldeias do Nordeste. O chamado «comunitarismo» - que se julga caracterizar grande parte das comunidades rurais do Norte do País - fica questionado e sujeito a uma reanálise crítica, tanto do ponto de vista empírico como teórico e metodológico. Através de três aspetos fundamentais - a posse da terra, as trocas de trabalho, as práticas de casamento e herança - evidenciam-se formas de desigualdade institucionalizada que obrigam a pôr definitivamente em causa a visão tradicional destes aglomerados montanhosos como conjuntos homogéneos não-estratificados. O exame minucioso da complexa articulação entre o sistema fundiário, a entreajuda entre vizinhos e os costumes de matrimónio e de transferência da propriedade revela uma sociedade caracterizada internamente por profundas contradições económicas e sociais. De particular interesse são os dados recolhidos pelo autor sobre os padrões de casamento tardio (mais europeus do que mediterrânicos) e de laços familiares irregulares - designadamente as altas proporções de filhos naturais, com a consequente ideologia popular do «amor ilícito».

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/1517 2022-05-20 Brian Juan O'Neill et Luís Neto Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Arraial: festa de um povo O presente estudo de Pierre Sanchis sobre as romarias portuguesas constitui a primeira tentativa de abarcar, na multiplicidade dos seus contornos e implicações, um fenómeno popular que marca com a sua presença toda a história da sociedade em que se insere. Socorrendo-se de vários campos disciplinares - a etnografia, a antropologia, a sociologia, a história - o autor desvenda-nos o sentido mais profundo de um ritual ambíguo, onde se confrontam «duas» religiões (a oficial e a popular) e de onde emerge, em termos de economia libidinal, um sentido de Festa que ameaça a sociedade instituída mas que, ao mesmo tempo, é canalizado e domesticado pelo poder das instituições.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/5777 2022-04-29 Pierre Sanchis Etnográfica Press pt Etnográfica Press
A Imagem Predatória da Cidade: Uma Etnografia do Medo "De que temos medo no nosso confronto com as grandes urbes? Que figuras da ameaça convocam receios e evitamentos de espaços, grupos ou indivíduos específicos? Como molda a hipótese predatória o viver quotidiano, como se reflete o rumor insecurizante na nossa experiência de cidade? A Imagem Predatória da Cidade: Uma Etnografia do Medo é o livro que resulta da tese de doutoramento de Ximene Rego. Um trabalho a vários títulos singular: porque é uma etnografia levada a cabo por uma psicóloga, porque traz para a prática etnográfica um objeto aparentemente intangível como o sentimento de insegurança, porque põe frente a frente o medo à cidade nos portuenses e nos cariocas, com a investigação conduzida no Porto e no Rio de Janeiro. O rigor metodológico e a profundidade do trabalho de campo, a ampla discussão de um objeto tecido no cruzamento da antropologia, da sociologia, da criminologia e da psicologia, bem como uma escrita cuja firmeza não dispensa a elegância são a marca que Ximene Rego traz para a análise dos fenómenos urbanos que nos inquietam e fascinam. Fascínio é também aquilo de que são capazes as páginas deste livro, se nos deixarmos embrenhar na narrativa sobre o medo à cidade que elas nos propõem", Luís Fernandes

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/7837 2022-03-31 Ximene Rego Etnográfica Press pt Etnográfica Press
A Europa é o Cacém Abordando o tema das formas de articulação entre cuidado, amor e transações monetárias, a etnografia de Paula Togni partilha o espírito crítico desses trabalhos e vai além deles, apresentando contribuições particulares e antecipando formulações teóricas realizadas após a sua finalização. Integrando os contextos emissores e de receção da migração transnacional num único marco, a autora questiona uma série de pares de oposições frequentemente presentes nos estudos sobre migração, família-indivíduo, centro-periferia, liberdade-responsabilidade e, sobretudo, jovem-adulto.

Levando a sério as perceções e experiências dos seus interlocutores, que podiam ser "jovens e adultos ao mesmo tempo", um dos principais méritos deste estudo é a problematização da categoria "juventude". A forma como o faz decorre das suas raras qualidades como etnógrafa. A sua sensibilidade e disponibilidade para compreender os outros foi o que fez com que os jovens brasileiros a residir no Cacém a deixassem entrar nas suas vidas. A Paula viveu com eles, riu com eles, chorou com eles e, nesse processo, eles e as suas famílias entraram também nela e na sua vida. Esta partilha e cumplicidade que estabeleceu com os seus interlocutores, muito visíveis no texto que agora se publica, foram centrais para a densidade empírica da sua pesquisa e sobre a qual a Paula soube construir uma reflexão analítica original, crítica e inovadora, que discute com a bibliografia publicada sobre os temas em discussão e vai para lá das propostas iniciais desses mesmos autores.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/7694 2022-02-28 Paula Togni Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Cadernos de Orações Cripto-Judaicas e Notas Etnográficas dos Judeus e Cristãos-Novos de Bragança Os Cadernos de Orações Criptojudaicas e Notas Etnográficas de Judeus e Cristãos-Novos de Bragança resultam de uma investigação baseada em trabalho de campo antropológico realizado em Bragança e são uma coletânea de dados que atestam a persistência da cultura judaica, criptojudaica, ou cristã-nova no distrito, até à contemporaneidade

Incluem-se nesta obra uma síntese do levantamento histórico e um conjunto de dados etnográficos respeitantes ao património cultural judaico e cristão-novo da região nas suas dimensões imateriais, narrativas ou discursivas, e nas suas dimensões materiais, objetificadas - peças que atestam que se trata de um legado que não só perdura na memória coletiva local, como é ainda no presente um legado estruturante da identidade local, tornando-a multicultural.

O leitor encontrará uma parte do que existe deste património judaico e cristão-novo transmontano, pois uma etnografia é sempre algo em construção, um olhar inacabado que carece de constante atualização, dado que a permanente transformação e construção fazem parte da própria essência de todas as culturas. Mas é sobretudo um tributo aos brigantinos que participaram nesta construção e que, vencendo os receios do secretismo, se deixaram motivar pela esperança de se integrarem num judaísmo plural e num Portugal mais intercultural.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/7572 2022-01-31 Marina Pignatelli Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Findas Linhas: Circulações e Confinamentos pelos Subterrâneos de São Paulo Corpos retorcidos. Ambientes fétidos, úmidos e escuros. Diagnósticos, pílulas, injetáveis, baba. Chapas de aço, buracos, cheiros. Torturas. Quase vidas, quase mortes.

Findas Linhas é o resultado de densa e longa pesquisa etnográfica, realizada em distintos espaços institucionais, bem como em algumas zonas urbanas da cidade de São Paulo. Ao explorar as circulações-confinamentos às quais são submetidas determinadas populações da cidade, Fábio Mallart, lado a lado com as linhas de vida de seus interlocutores, nos conduz a diversas instituições: prisões, manicômios judiciários, unidades de internação para adolescentes, Centros de Atenção Psicossocial, entre outros tantos aparatos estatais que delineiam um continuum entre punição, repressão e controle; saúde, assistência e cuidado. É nesse arquipélago carcerário-assistencial que se entrevê alguns dos fragmentos cortantes mencionados acima, os quais espelham a política do definhamento.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/7497 2021-11-30 Fábio Mallart Etnográfica Press pt Etnográfica Press
O Sítio das Drogas Há mundos sociais que, pelo secretismo das suas práticas, são simultaneamente alvo de grande fascínio e atenção e de grande preconceito e desconhecimento. O “mundo da droga” é um deles. A partir da sua investigação etnográfica, o autor propõe-nos neste livro um percurso pelos territórios psicotrópicos: zonas de periferia urbana onde se vive o quotidiano da venda e do consumo das substâncias psicoativas ilegais. Num estilo mais próximo da narrativa do que do texto académico, somos levados aos lugares onde a experiência comum de cidade se interrompe, dando passo a uma sociabilidade de rua que tem nas drogas o seu elemento central. O livro é, afinal, a proposta de um olhar próximo e interior sobre essa categoria distante dos “mundos marginais”, procurando esclarecer os mecanismos que operam na produção das traseiras da cidade e dos seus atores de margem.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/7245 2021-10-21 Luís Fernandes Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Curto-circuito: Monitoramento Eletrônico e Tecnopunição no Brasil Este livro analisa os elementos técnicos, políticos, epistemológicos e subjetivos que constituem os dispositivos de monitoramento eletrônico de presos e presas no Brasil. São investigados os efeitos da utilização de tornozeleiras eletrônicas em regime semiaberto, prisão domiciliar ou medidas cautelares diversas da prisão, conectados às atuais transformações operadas pelo poder de punir. O trabalho apresenta uma análise dos movimentos de densificação e dilatação do sistema penal brasileiro, impulsionados pelo monitoramento eletrônico; a transversalização de práticas discursivas heterogêneas na constituição do dispositivo de monitoramento; e a produção de novas formas de subjetivação e dessubjetivação mediadas pelas interfaces estabelecidas entre o corpo penalizado que circula e a máquina que conduz essa circulação.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/7322 2021-10-21 Ricardo Campello Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972) Cartas do Brasil. Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972), organizado por Ana Teles da Silva, traz a público o conjunto das cartas de intelectuais brasileiros endereçadas ao antropólogo português Jorge Dias (1907-1973), depositadas no Museu Nacional de Etnologia, em Lisboa. Ao fazê-lo, vem iluminar sob novo ângulo a história das ciências sociais, em especial da antropologia, em Portugal e no Brasil. A troca de missivas transcorreu entre 1949 e 1972 e os seis anos iniciais são o período de maior intensidade, tão frequentes foram, entre 1949 e 1956, as visitas [de Jorge Dias] ao país e tão constante e diversificada foi a troca de cartas e de livros entre os correspondentes. Entre os muitos aspetos desse período vivaz, destaca-se a firme articulação entre a antropologia em formação e os estudos de folclore em plena expansão. Eram campos de conhecimento que se sobrepunham, se mesclavam e atraíam a atenção comum da intelectualidade interessada nas culturas populares tradicionais. É significativo que Jorge Dias tenha-se entusiasmado pelo que pode então presenciar e participar.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/7090 2021-10-18 Ana Teles da Silva Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Retrato de aldeia com espelho A aldeia de Rio de Onor apresenta-se com um estatuto de tão excepcional singularidade que dificulta a análise e os discursos que a envolvem. A sua localização sobre uma linha de demarção fronteiriça, em contiguidade com a aldeia espanhola sua homónima, sendo factor de diferenciação - entre Rio de Onor e Rihonor de Castilha - e recurso local na definição de estratégias identitárias, reforça aquela individualidade de excepção, constituindo-se em obstáculo à delimitação da unidade sob observação. É também uma aldeia com “excesso de biografia”, pois o estudo detalhado de que fora objecto nos anos quarenta e cinquenta veio a estar na origem de um processo local de produção e incorporação de imagens e representações, com consequências práticas, que designámos globalmente por “efeito Rio de Onor”. São estes factores que contribuíram e favoreceram urna prolongada permanência no tempo de formas de organização que neste livro são discutidas no contexto europeu e, mais detalhadamente, peninsular. Questões aqui tratadas a partir de urna aldeia comunitária como outras, mas que se apropriou da imagem que do seu comunitarismo lhe foi devolvida.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/2100 2021-02-01 Joaquim Pais de Brito Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Da prostituição na cidade de Lisboa É inegável que a prostituição sempre existiu, mas nunca como no século XIX chegou a agitar tanto a paciência das correntes mais austeramente moralistas que sempre julgaram primar pelo «bom senso». Quase todos os grandes escritores naturalistas do século XIX se ocuparam da figura humana da prostituta: recordem-se Zola, Tolstoi ou Dostoyewsky. Todos eles matizaram com traços dramáticos a personagem frequentemente arrojada dos meios camponeses à vida urbana e empurrada pela miséria para a prostituição. Também a nossa literatura não deixa de evocar essa imortal personagem do quotidiano que é a prostituta. Abel Botelho consagrou-lhe o seu Livro d’Alda; Alfredo Gallis escreveu As Mulheres Perdidas; a Princesa de Boivão, de Alberto Pimentel, conta a história de uma pobre desventurada a quem o amante vingativo abre no corpo as « quatro letras ferreteantes » ; A Bandeira, de Lino Macedo, é mais uma historieta de uma pobre e desamparada cortesã; Rocha Martins dedica dois livros a cortesãs régias: A Madre Paula e a Flor da Murta, como Andrade Corvo já havia dedicado um à célebre Calcanhares : Um Ano na Corte. No teatro surgem, com o virar do último século, A Pérola, de Marcelino de Mesquita (à época proibida por «imoral») ; A Severa, de Júlio Dantas ; a Rosa Enjeitada, de D. João da Câmara, e o Fado, de Bento Mantua. Contudo, o primeiro estudo sério sobre a prostituição em Portugal apareceu em 1841, com o livro de Santos Cruz, Da Prostituição na Cidade de Lisboa, que temos o gosto de apresentar e que com tanta oportunidade surge agora a público.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/4633 2021-02-01 Francisco Ignácio dos Santos Cruz Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Contos populares portugueses A despeito da erudição implícita da sua ‘Prefação’, os Contos Populares Portugueses de Adolfo Coelho apresentam-se talvez, a um olhar desprevenido, com débil aparência. Como ele próprio assinala, «em regra, pode considerar-se a tradição dos contos entre nós como assaz obliterada; falta-lhes vida, poesia, muitas feições significativas em versões doutros países tornaram-se aqui ininteligíveis e só pela comparação se explicam. A sua forma em geral é seca, monótona, enumerativa...» . Donde vem, pois, para lá de um tal juízo, a importância fundamental desta obra, diria mesmo o seu fascínio imperecível? Para respondermos à pergunta assim formulada, teremos de situar estes Contos não só na relação que apresenta com a obra global do seu Autor, como expressão da ciência da sua época e dos objectivos essenciais do seu labor de pioneiro, mas mesmo numa perspectiva geral da cultura literária portuguesa. E é isso que tentamos fazer nas linhas que seguem.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/4881 2021-02-01 Adolfo Coelho Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Contos tradicionais do povo português (II) Reconhecida a quase generalidade da origem oriental dos contos populares, pelas fontes donde provieram e pelas adaptações que receberam, melhor se poderão seguir as transformações desse elemento tradicional através dos meios sociais e épocas históricas por que passaram modificando-se, e deduzir das suas transformações como actuaram na revelação dos génios literários, elevando as línguas vulgares nacionais à expressão estética. Escreveu Gaston Paris sobre este complexo problema: «Penetrando sucessivamente em meios bem diferentes daqueles em que foram inventados, os contos orientais sofreram naturalmente certas transformações, que por vezes os melhoraram e na maior parte das vezes estragaram-os não sendo bastante importantes, porque a crítica aproximando-as com arte todas as variantes que haja coligido, chegue quase sempre a reduzir as formas ocidentais à sua origem asiática, e possa seguir os estádios destas narrativas emigrantes através dos séculos e das nações.» (La Poésie du Moyen-Age, pág. 752.) Até aqui chega o simples processo folclórico; há mais que avançar, para a morfologia literária apartando dos elementos lendários de criação anónima, elementos que variam indefinidamente, umas vezes abreviando-se em um laconismo claro e lógico, outras prolongando-se pelo interesse da narrativa por episódios sincreticamente agrupados. Por este conjunto cíclico, um mesmo conto reveste formas diversas pelos seus episódios, tomando-se fácil a sua transmigração e adaptação em diferentes meios e épocas sociais ou históricas.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/5378 2021-02-01 Teófilo Braga Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Etnográfia portuguesa Inventariado por Adolfo Coelho, no seu histórico “Programa” da Exposição Etnográfica Portuguesa, de 18%, o campo das tradições materiais, e reconhecida ai a circuns­tancia de até então se terem os nossos etnógrafos principal­mente debruçado sobre as questões do folclore, tornou-se patente a urgência de, em moldes científicos, se estudarem a habitação, o vestuário, as formas e os instrumentos de trabalho, os meios de transporte, as belas-artes populares e as restantes manifestações da ergologia nacional.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/4216 2020-07-22 Rocha Peixoto Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Obra etnográfica (II) Promotor e interveniente nas célebres "Conferências do Casino", historiador da literatura, introdutor em Portugal dos estudos linguísticos e da pedagogia, Adolfo Coelho (1847-1919) foi também - a par de Teófilo Braga, Consiglieri Pedroso, Leite de Vasconcelos e Rocha Peixoto - uma das figuras decisivas na constituição e desenvolvimento inicial da antropologia em Portugal. Tendo na literatura e nas tradições populares o seu núcleo mais sólido, a obra de Adolfo Coelho caracteriza-se simultaneamente por uma visão tematicamente alargada da antropologia. É nesse quadro que podem ser entendidos os seus textos pioneiros de cruzamento entre a pedagogia e a antropologia.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/3726 2020-07-21 Adolfo Coelho Etnográfica Press pt Etnográfica Press
História do fado A presente História do Fado, de Pinto de Carvalho (Tinop), constitui não só o mais importante texto até hoje elaborado sobre as origens e o desenvolvimento do Fado, como também um saborosíssimo painel da vida de Lisboa na segunda metade do século XIX.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/4090 2020-07-21 Pinto de Carvalho (Tinop) Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Através dos campos "O seu único livro publicado, Através dos Campos, (...) não é só um trabalho de etnografia
— detalhado e cheio de cor. Com o ser um breviário perfeito da economia agrária do Alto Alentejo, guarda também nas suas páginas alguns dos mais belos e cristalinos pedaços de prosa portuguesa nos últimos trinta anos. Livro único, livro claro, sadio, o livro de José da Silva Picão há-de ser arrolado entre os melhores padrões da nossa literatura contemporânea." (António Sardinha)

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/4155 2020-07-21 José da Silva Picão Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Signum Salomonis - A Figa - A Barba em Portugal Signum Salomonis, A Figa e A Barba em Portugal são os três mais representativos ensaios escritos por José Leite de Vasconcelos no âmbito da série Estudos de Etnografia Comparativa. Editados originalmente entre 1918 e 1925, os três ensaios ocupam um lugar destacado na produção de Leite de Vasconcelos, uma das figuras centrais na emergência e consolidação de uma tradição de pesquisa etnográfica em Portugal. Recorrendo a uma informação histórica e etnográfica exaustiva, o autor procede ao esclarecimento das práticas e representações associadas aos temas sucessivamente tratados: o sino-saimão, a figa e a barba. Valorizados por uma abundante documentação iconográfica, os ensaios agora reeditados constituem um documento fundamental para a compreensão dos caminhos da etnografia portuguesa nas primeiras décadas do século XX. O presente volume é organizado e prefaciado pelo Dr. João Leal, doutorado em Antropologia Social pelo ISCTE e professor neste mesmo Instituto.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/4380 2020-07-21 José Leite de Vasconcelos Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Heranças O presente volume constitui uma contribuição para o desenvolvimento de uma nova temática na investigação antropológica portuguesa: a compreensão dos mecanismos que podem levar uma sociedade a operar ou não operar correlações entre a sua organização social e o agenciamento do seu território. Apresentando-se sob a forma de uma monografia sobre uma aldeia da Beira Baixa, centrada no estudo de dois sistemas interactivos - a estrutura agrária e o sistema de parentesco -, Heranças é um livro profundamente inovador, uma vez que, nomeadamente, não existia até agora na literatura etnológica portuguesa nenhuma descrição e, muito menos, nenhum estudo exaustivo de um sistema de parentesco local.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/4516 2020-07-21 Armindo dos Santos Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Contos tradicionais do povo português (I) Em 1867, ao prefaciar uma das suas primeiras recolhas de literatura popular, Teófilo Braga, sugerindo uma imagem catastrófica da situação do país, referiu-se desta forma ao seu trabalho: "coligir a poesia popular portuguesa agora, no momento de transe, é como a garrafa ao mar que se atirava nos naufrágios: é para que se saiba que existiu este povo, que também sofreu e cantou". Tal sentimento nacionalista jamais viria a abandonar a sua obra antropológica, o que aliás se explica dada a matriz romântica em que ela assentava. E mesmo quando Teófilo Braga se orientou gradualmente para preocupações de cunho mais científico, isso não significou uma verdadeira ruptura com a perspectiva inicial. São pois os ecos da problemática da identidade nacional, na sua dupla vertente romântica e científica, que podemos reencontrar nestes Contos Tradicionais do Povo Português que, de resto, e independentemente do espírito com que foi concebida e realizada a sua colectânea, propõem ao leitor um conjunto de narrativas cujo fascínio permanece intacto, constituindo além disso um valiosíssimo acervo de informações em áreas que, como a Antropologia e a História das Mentalidades, se dão como objectivo a tarefa de reflectir sobre as múltiplas manifestações das sociedades tradicionais. Após termos procedido à publicação de O Povo Português nos Seus Costumes, Crenças e Tradições, também da autoria de Teófilo Braga, que tem sido considerada a primeira grande obra de conjunto da etnografia nacional, impunha-se esta reedição dos Contos Tradicionais do Povo Português, que decerto formam, juntamente com a recolha de Adolfo Coelho disponível nesta colecção, uma das mais importantes colectâneas de narrativas populares do nosso país. Também na presente reedição se manteve a divisão da obra em dois volumes, tal como sucedia na sua edição original.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/5308 2020-07-21 Teófilo Braga Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Obra etnográfica (I) Promotor e interveniente nas célebres "Conferências do Casino", hisrtoriador da literatura, introdutor em Portugal dos estudos linguísticos e da pedagogia, Adolfo Coelho (1847-1919) foi também - a par de Teófilo Braga, Consiglieri Pedroso, Leite de Vasconcelos e Rocha Peixoto - uma das figuras decisivas na constituiçaos e desenvolvimento inicial da antropologia em Portugal. É no interior deste quadro genérico que a obra atnológica de Adolfo Coelho deve ser situada. Perspectivando a etnologia como uma disciplina preferencialmente vocacionada para o terreno português - "qual poderá (…) ser o estudo mais digno de um povo senão o estudo de si próprio" enfatizará ele num texto de 1896 - Adolfo Coelho afirma-se de facto, em premeiro lugar, como um dos mais destacados "cultores" da literatura e das tradições populares.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/5446 2020-07-21 Adolfo Coelho Etnográfica Press pt Etnográfica Press
Festividades cíclicas em Portugal De há muito se impunha a reunião em volume do conjunto de textos que, nas décadas de 50 e 60, Ernesto Veiga de Oliveira dedicou ao estudo etnográfico das festividades cíclicas portuguesas. E isto por duas ordens de razões: primeiro, por serem fundamentais para a compreensão de um mundo até há pouco fechado no sistema da sua ruralidade e que aos poucos se vai irreversivelmente desvanecendo (mas que é indispensável conhecer para se compreender cabalmente o presente); segundo, porque possuem o interesse de mostrar algumas das linhas de força a que obedeceu a investigação etnológica em Portugal no tempo em que se iniciou entre nós a sua reformulação como matéria de uma ciência organizada. Ao publicar o presente livro, a colecção “Portugal de Perto” coloca assim ao alcance do público um trabalho fundamental da etnografia portuguesa, ao mesmo tempo que recebe entre os seus autores um dos nomes que mais contribuíram para a sua maioridade como ciência: Ernesto Veiga de Oliveira.

]]>
https://books.openedition.org/etnograficapress/5888 2020-07-21 Ernesto Veiga de Oliveira Etnográfica Press pt Etnográfica Press