Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books Etnográfica Press Antropologia A Missão Introdução 2 – Luísa Tiago de Oli...

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Introdução

Introdução 2 – Luísa Tiago de Oliveira

Luísa Tiago de Oliveira

Texte intégral

1Em Setúbal, existia uma colecção etnográfica, sem documentação anexa, atribuída a uma iniciativa de Michel Giacometti e de jovens do Serviço Cívico orientados por si em 1975. Colecção fundadora do Museu do Trabalho (Setúbal), com a sua exposição foram inauguradas, em 1987, as actividades públicas da instituição. Impunha-se em seguida o seu estudo aprofundado e foi esta a tarefa que, por proposta do Museu, nos coube.

2Procurámos reunir materiais que documentassem a colecção, começando por algumas tardes de trabalho com o Homem que a pensara e conseguira, Michel Giacometti, então vivo, e caminhando em seguida de sítio em sítio e de pessoa em pessoa. Procurámos, pois, elementos sobre a acção de recolha etnográfica, o Plano Trabalho e Cultura (PTC), empreendido no quadro do Serviço Cívico Estudantil (SCE). Assim, conseguimos vir a juntar as fichas de inscrição, os livros de contabilidade do PTC, os talões de doação e de compra dos objectos, materiais de institutos nas quais estiveram os artefactos, fotografias, relatórios seleccionados por Giacometti para publicação, bobines com entrevistas aos estudantes gravadas no terreno. Elaborámos dossiers de imprensa, com notícias relevantes para o tema em estudo. Contactámos com os participantes - tanto individualmente como num Encontro geral -, tendo assim conseguido reunir inúmeros documentos pessoais e obter testemunhos orais. Recolhemos também um sem-fim de informações orais de quem convivera com Giacometti ou conhecera as peças. E, essencial, contámos com a memória e com materiais do autor do PTC.

  • 1 Foi-nos possível confrontar os relatórios originais seleccionados com os textos dactilografados e “ (...)

3Como todas as fontes, aquelas de que dispomos são produto de uma selecção de quem as guardou, organizou, produziu. Neste caso, algumas delas foram mesmo assumidas como uma escolha – como, por exemplo, no caso dos relatórios que tinham sido seleccionados e preparados para publicação: contudo, e como se verá mais adiante, deste conjunto constam relatórios que contestam o PTC, alguns dos quais com bastante dureza.1 Até certo ponto próxima é a situação das bobinas – onde as entrevistas obedecem a uma grelha que parece indiciar a vontade de elaborar uma arma útil para o combate a favor duma reestruturação do SCE, mas onde não deixam de aparecer posições adversas ao SCE e ao próprio PTC. Qualquer que seja o caso, o importante é o tratamento, o olhar sobre os materiais.

4Foram, pois, fontes diversificadas, com as suas exigências específicas de crítica, que foram utilizadas neste trabalho.

5Não é demais salientar contudo até que ponto o tipo de materiais reunido favorece uma perspectiva de abordagem que por nós deve ser inequivocamente assumida. Trata-se de fontes geralmente produzidas pelos colectores (Giacometti e brigadistas). Se tivéssemos partido doutro lado, nomeadamente da recolha de testemunhos das comunidades envolvidas, certamente teriam sido recuperadas outras imagens do PTC. Apenas um indício, aliás indirecto: numa entrevista com um responsável do SCE, ao qual entre muitas outras coisas chegavam reclamações (nomeadamente vindas das aldeias e de responsáveis locais do SCE), este, ao ser questionado sobre as reacções ao PTC, referiu imediatamente a quantidade de queixas recebidas sobre o comportamento das raparigas, dos adolescentes que iam em grupos mistos, enfim, a propósito de identidades e comportamentos sexuais. Se bem que não seja a nossa preocupação fundamental neste momento, a perspectiva das populações não está completamente ausente: o discurso dos colectores é naturalmente uma dialéctica entre o eu e os outros, entre o nós e o eles. E os universos estudantis e populares interseccionavam-se, apesar de todos os confrontos possíveis... Temos, pois, por via indirecta, algumas páginas sobre as atitudes e comportamentos populares mas não serão predominantes. É, assim, de algumas faces do prisma que tratamos. Noutras perspectivas, outras faces surgiriam. É, portanto, neste momento, uma pesquisa assumidamente orientada para o estudo das motivações conducentes à realização de recolhas etnográficas, que agora se apresenta.

6Com este trabalho pretende-se provocar ainda a produção de mais materiais. Interessa-nos, em todos os sentidos, e também no científico, que os participantes do PTC, aos quais este trabalho chegue, o leiam e comentem. E possível que, reconhecendo-se, digam "Não foi bem assim, foi..." ou "Não foi nada por causa disso mas sim porque... ou "Já não me lembrava nada disto mas agora lembrei-me que...". Estarão, assim, a produzir materiais que, agarrados e sujeitos a crítica adequada, permitirão que se desenhem novos contornos nas faces do prisma.

7Por esta eventual colaboração futura, que desejamos, e por tudo o que já nos ajudaram através da palavra e da entrega dos materiais, muito obrigada a todos os participantes do PTC localizados. E um enorme muito obrigada póstumo a Michel Giacometti, que fez o PTC com o corpo e a alma e permitiu a muitos rapazes e raparigas, entre as quais estive incluída, o gosto amargo e doce de o viverem.

Notes

1 Foi-nos possível confrontar os relatórios originais seleccionados com os textos dactilografados e “adaptados” para publicação: apenas se tinham verificado modificações mínimas, nomeadamente de pontuação.

© Etnográfica Press, 1993

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search