Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books Etnográfica Press Antropologia A Missão Capítulo 2 – Preparativos da partida

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte 1. A Missão

Capítulo 2 – Preparativos da partida

Luísa Tiago de Oliveira

Texte intégral

1Em Lisboa, desde o Inverno que se preparava o Plano Trabalho e Cultura.

2O início do PTC foi sendo sucessivamente adiado; finalmente, a 30 de Maio – data do diploma legal da criação do Serviço Cívico —, os estudantes que se haviam inscrito no PTC são "contactados" e é-lhes anunciada a próxima realização do curso preparatório.

3Este curso começou no fim de Junho. Teve aulas teóricas e práticas, em salas de aulas ou em museus, e incluiu sessões ocupadas pela escolha dos grupos e da área geográfica. No curso, os debates parecem ter sido muito vivos, pelo menos ao nível das discussões prolongadas e acesas que se verificaram em muitas das sessões.

4Aparentemente, foi bastante crítica a visão e a memória que dele guardaram alguns brigadistas. Foi sobretudo a sua utilidade que foi posta em causa.

5Afirmou um brigadista da T-1, já nas aldeias mirandesas:

“nós viemos para aqui (para as aldeias) sem qualquer preparação, no aspecto etnológico, procura etnológica, (...) e como tal nós não temos bases nenhumas, nem de sociologia, de nada, estamos aqui perfeitamente despassarados, porque a única preparação que nós tivemos foi aquele curso de 8 dias, assim com umas injecções de umas coisas, ‘ora vocês vejam lá’, ‘nas aldeias falem com as pessoas’, ‘façam isto, façam aquilo’, eram assim uns conselhos, uma ensaboadela muito rápida que não chega.”

6E mais à frente:

  • 1 Entrevista com T1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 158-178, 541-552.

“para este trabalho, seria necessário (...) um sociólogo, por exemplo (...). Aquelas duas horas que nós tivemos, ainda por cima sem interesse nenhum, [de alguém] que foi lá debitar sobre sociologia, aquilo deveria ter sido desenvolvido num contacto muito mais próximo das pessoas quer por parte [desse] quer doutro qualquer, devia ter havido apoio técnico mais insistente.”1

7Posição até certo ponto semelhante tem outro brigadista, agora da M-2:

  • 2 Entrevista com M2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 95-110.

“uma semana de preparação não chega e depois ainda por cima tivemos aquelas chagas (...) a falar dumas coisas que não interessavam a ninguém, falavam em tudo menos daquilo que nós queríamos saber, deviam falar ‘como é que se deve falar com o povo’, ‘como é que o povo nos vinha receber’ (...) apanhámos lá uma data de professores que não nos ensinaram nada, só 1 ou 2 é que ensinaram alguma coisa, só o professor do primeiro dia e o de fotografia também.”2

QUADRO 1. Horário do curso

DIA

DATA

HORA

ASSUNTO

DOCENTE

2.ª feira

30

10:00-12:00

Recepção e directrizes para a constituição das equipas

15:00-18:00

Recepção e directrizes para a constituição das equipas

3.ª feira

1

10:00-12:00

Directrizes para a constituição das equipas

15:00-18:00

Directrizes para a constituição das equipas

4.ª feira

2

10:00-13:00

Técnicas de pesquisa etnográfica

M.ª Beatriz Rocha Trindade

15:00-18:00

Literatura oral

Manuel Viegas Guerreiro

5.ª feira

3

10:00-13:00

Audição de música popular

Michel Giacometti

15:00-19:00

Higiene e Saúde Pública

Rosália Heitor Ferreira

6.ª feira

4

10:00-13:00

Visita à Colecção de Instrumentos Musicais da Fundação Calouste Gulbenkian

Ernesto Veiga de Oliveira

17:00-19:00

Teatro popular

António Machado Guerreiro

sábado

5

10:00-13:00

Técnicas de fotografia

Fernando Correia Marques

15:00-18:00

Cooperativismo

Tomás Figueiredo

domingo

6

10:00-13:00

Visita ao Museu de Arte Popular

15:00-18:00

Audição de música popular

Michel Giacometti

2.ª feira

7

10:00-13:00

Geografia regional

Jorge Gaspar

15:00-16:00

Preparativos da partida

8Diversa foi a opinião dum membro da E-5, num relatório final, todo ele escrito com um tom muito maduro:

  • 3 Relatório da E-5, Lisboa, 22/10/1975.

“Quanto aos chamados cursos de preparação eles foram surpresa para as pessoas que estariam à espera de ‘aulas’, tipo ensino normal com explicações, estudo e com regras específicas e rígidas. Mas devo dizer desde já que a aparente desorganização, quanto a mim, terá até sido benéfica e acredito que se teria atingido o bom na nossa preparação teórica para o trabalho a desenvolver, com a correcção de alguns pormenores de organização e explanação de temas, se bem que, como disse, toda a preparação, desde o modo de o dar até aos temas e maneira como nos foram apresentados e debatidos, me pareceu bastante razoável e construtiva, tendo alcançado o objectivo de nos avisar quanto ao trabalho em geral.”3

  • 4 Instituto Nacional de Educação Física, foi integrado em Dezembro de 1975 na Universidade Técnica de (...)

9Se muitas dessas aulas se caracterizaram por discussões acaloradas, também as noites do curso parecem ter sido acesas e inesquecíveis. Os estudantes de fora de Lisboa (ou melhor, que não tinham dado uma morada de Lisboa) foram alojados no Dafundo, numa residência do INEF.4

  • 5 Testemunhos orais de vários participantes recolhidos nomeadamente no Encontro de Setúbal. Testemunh (...)

10As noites terão decorrido com grande animação e até às tantas da madrugada, tendo sido a grande preocupação dos brigadistas a invenção de partidas – como, por exemplo, trocar as placas dos números dos quartos. Vieram então a desencadear a oposição dos outros estudantes, mais velhos, de tal modo que, perante o protesto dos diurnos e dos que gostavam dos números certos nas portas certas, foram "expulsos" do Dafundo e alojados, em piores condições, em pensões do Cais do Sodré. Foram estas as novas e juvenis sociabilidades do Dafundo.5 Se aqui nos parece tratar-se de um experimentar de novas sociabilidades sem os limites e os constrangimentos habituais, haverá também que atender à possibilidade de estes comportamentos exprimirem também alguma hostilidade face ao SCE e ao PTC. Vejam-se em particular as impressões dum brigadista da E-5:

  • 6 Relatório da E-5, Lisboa, 22/10/1975.

“Nalgumas pessoas presentes (no curso preparatório) deve ter havido muitas desilusões pois notava-se nalgumas uma pré-disposição desfavorável e até antipática em relação ao trabalho que teriam de fazer, facto aliás que se reflectiu depois na maneira de trabalhar junto das pessoas das aldeias, quando o resto do grupo tinha facilidades nisso.”6

11A composição e a localização das brigadas constituíam uma questão muito importante. Assim, Giacometti sentiu a necessidade de propor critérios claros a ser observados na formação das brigadas.

“Normas para a constituição das equipas e sua distribuição pelas áreas de trabalho
1. Proíbem-se formalmente as opções de carácter partidário para a constituição das equipas.
2. Não se aconselha que as mesmas sejam constituídas por 2 ou mais estudantes:
a) candidatos ao mesmo curso
b) residentes na mesma localidade
3) Recomenda-se que todas as equipas integrem pelo menos uma estudante.
4) É obrigatório que cada equipa disponha de um gravador e de uma máquina fotográfica e integre um ou mais estudantes práticos no seu manuseamento.
5) Uma vez constituída, cada equipa escolherá o seu responsável.
6) Aconselha-se que as equipas escolham áreas de trabalho (distrito ou província) com as quais estejam familiarizados um ou mais dos seus componentes.
7) Proíbe-se que a escolha dos locais de trabalho seja determinada por conveniência familiar (terra de naturalidade e residência dos pais ou outros familiares).”

12Estes critérios – uma composição mista, uma certa heterogeneidade no curso pretendido e nas áreas de proveniência, uma mudança dos locais de residência e portanto dos círculos habituais — parecem apontar para que Giacometti não quereria grupos que se fechassem sobre si mesmos, que pretenderia a diversidade e a discussão dentro dos grupos.

  • 7 Brigadas é também o termo que utilizamos em todo este trabalho pois, como tentaremos demonstrar, a (...)

13Estes grupos são tratados por equipas no projecto do PTC e nos outros documentos oficiais. Os relatórios de estudantes são assumidos umas vezes por equipas, outras por brigadas. O mesmo acontece na memória oral recuperada. Mais do que acaso, talvez estas designações diversas reflictam a maior ou menor proximidade dum dado referencial político. Parecem ser os grupos que integram elementos mais próximos da UEC, mais sensíveis ao modelo cubano, às campanhas do Verão de 1974, que tendem a utilizar o termo brigadas.7

  • 8 As condições da campanha poderão ter sido uma das causas desta atitude (informações orais dos desis (...)

14Neste contexto marcado por discussões e noites prolongadas e pelo anúncio de condições difíceis, desistiram vários dos inscritos.8 Se admitirmos que, de acordo com o previsto, tenham sido convocados 152 estudantes, e sabendo que, para o terreno, partiram 124, podemos apontar para, no máximo, 28 desistências (um pouco menos de 20%). Não é provável que tenham existido tantos desistentes pois certamente nem todos os convocados se apresentaram no curso preparatório. É certo contudo que o anúncio das dificuldades do trabalho no interior fez as suas baixas, talvez por ter assustado os próprios estudantes ou os seus pais.

  • 9 Dossiers de inscrição. Temos dados sobre 122 estudantes (79 rapazes e 43 raparigas). As suas prefer (...)

15À partida para o terreno, temos assim 124 estudantes, dos quais 79 rapazes e 45 raparigas. Candidatos a várias faculdades, preferem contudo Engenharia e, em seguida, Medicina, Direito e Letras; vêm em particular de Lisboa e do Porto, se atendermos à morada indicada que, em vários casos pelo menos, não foi a efectiva mas sim a de contacto mais fácil naquela conjuntura.9

16A partida dos estudantes representava um momento-chave com uma importante carga simbólica.

17Aconteceu na meia-noite de um dia de Julho, na estação de Santa Apolónia, e contou com a presença da Comunicação Social: jornais e rádio. Aí, pela noite dentro, à partida do mais lento dos comboios de passageiros então existentes, Michel Giacometti despediu-se das suas hostes.

  • 10 Parte dos outros estudantes quiseram passar por casa antes de seguirem para as aldeias, pelo que já (...)

18Note-se que, apesar da comunicação social não o ter dito, tratava-se apenas de uma parte dos brigadistas: aqueles que constituíam a maioria das brigadas que iam trabalhar a norte da capital e, destes, os que não tinham querido primeiro passar por casa.10 Já os brigadistas do Sul e de regiões que não necessitavam de utilizar a linha do Norte não despertaram tanta atenção. Não há momento solene, não há jornais nem rádio. Nem os comboios para sul, mais modernos, nem as camionetas tinham a mesma carga simbólica. É indiscutível que a hora escolhida, a do comboio-correio que partia pela meia-noite, permitia aos brigadistas que iam para as mais distantes capitais de distrito chegarem lá no dia seguinte ao princípio da tarde. Mas é também de notar o seu peso simbólico.

19É certo que este constituiu o maior contingente de brigadistas a partir ao mesmo tempo; porém, a grande atenção concedida à despedida nocturna em Santa Apolónia parece indiciar que os responsáveis do PTC queriam explicitar o quadro das dificuldades (o Norte obscurantista), realçando o carácter de missão.

  • 11 Viático - Dinheiro ou provisões que se dá a alguém que vai para uma viagem (Costa & Melo: 1989: 172 (...)

20Os estudantes partiram. Profusão de bagagens em sacos e mochilas. A bagagem pessoal, é certo. E a bagagem comum a todas as equipas: cada grupo levava um mapa militar de escala muito pormenorizada, um saco mochila tipo exército propositadamente comprado para este fim, dezena e meia de documentos de trabalho, um gravador, uma máquina fotográfica pelo menos, e o viático, para usarmos a expressão empregada nos livros de contabilidade por Michel Giacometti.11 Para além disso, levavam o contacto dos delegados distritais (aos quais os brigadistas se deviam apresentar logo que chegassem), e tinham a noção clara de que podiam recorrer aos Serviços Centrais sempre que necessário.

21Com uma bagagem de cunho militar, religioso e técnico, assim foi a partida para a campanha do Verão Quente. A missão.

Notes

1 Entrevista com T1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 158-178, 541-552.

2 Entrevista com M2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 95-110.

3 Relatório da E-5, Lisboa, 22/10/1975.

4 Instituto Nacional de Educação Física, foi integrado em Dezembro de 1975 na Universidade Técnica de Lisboa, passando depois a Faculdade de Motricidade Humana (1990).

5 Testemunhos orais de vários participantes recolhidos nomeadamente no Encontro de Setúbal. Testemunhos dos responsáveis do SCE.

6 Relatório da E-5, Lisboa, 22/10/1975.

7 Brigadas é também o termo que utilizamos em todo este trabalho pois, como tentaremos demonstrar, a situação e a acção são bem características duma conjuntura revolucionária.

8 As condições da campanha poderão ter sido uma das causas desta atitude (informações orais dos desistentes). Outras desistências poderão ter sido ocasionadas por razões de ordem política: nalguns casos, os estudantes terão considerado que a Revolução precisaria deles em postos que não os do PTC; noutros ainda, opor-se-iam à carga política do PTC (informações orais de participantes do PTC sobre outros colegas desistentes).

9 Dossiers de inscrição. Temos dados sobre 122 estudantes (79 rapazes e 43 raparigas). As suas preferências universitárias são Engenharia (27 casos), Medicina (22), Direito (21), Letras (19) e, em seguida, Economia, Ciências e Belas-Artes. Vêm dos distritos de Lisboa (51 casos), do Porto (38), de Coimbra (10), e de outras cidades e povoações (22).

10 Parte dos outros estudantes quiseram passar por casa antes de seguirem para as aldeias, pelo que já tinham partido.

11 Viático - Dinheiro ou provisões que se dá a alguém que vai para uma viagem (Costa & Melo: 1989: 1723); dinheiro ou provisões de que muniam os antigos peregrinos (informação oral de Giacometti). Palavra de uso religioso.

Table des illustrations

Titre Fotografia 1
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/938/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 254k

© Etnográfica Press, 1993

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search