Version classiqueVersion mobile

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte 2. A Grande Operação

Capítulo 7 – Por montes e vales

Jorge Freitas Branco et Luísa Tiago de Oliveira

Texte intégral

Lobos, incêndios e populações (M-1)

Raio de acção

1Tal como previsto, à equipa M-1 foram atribuídas as localidades de Ermida, Germil e São João Baptista — Vila Chã, no concelho de Ponte da Barca.

Composição (4 participantes)

2Uma rapariga e três rapazes constituíram esta equipa que tinha por responsável o Artur. Este era da região do Porto como os outros rapazes; a colega de campanha vinha dos arredores de Lisboa. Belas-Artes, Engenharias e Letras eram as preferências então mencionadas. Todos possuíam conhecimentos de fotografia e de registo de som.

Fragmentos recuperados

3Os elementos disponíveis permitem um olhar circunstanciado sobre a dinâmica dos jovens nos confins serranos do Alto Minho, entre acidentes naturais, a criação de gado — sublinhe-se desde já o ferro de capar oferecido — e a descoberta de si próprios. Vale a pena transcrever algumas das suas cartas para a sede do PTC.

4A campanha começou da forma mais animadora:

  • 1 Carta de 10 de Julho de 1975 à sede do PTC, escrita em Ponte da Barca. Assinam todos os membros da (...)

“Caro Michel Giacometti,
chegámos a Viana na 3.a feira da parte da tarde e fomos juntamente com os outros grupos que se reuniam em Viana falar com o tenente-coronel.
Estes estavam totalmente a leste do que se passava: não sabiam quando chegávamos, nem quantos éramos, tendo acusado disso os serviços de Lisboa. Também se queixaram de que 70$00 de diária não chegava para alojar as pessoas na cidade. Por outro lado, um sujeito ligado ao tenente-coronel afirmou que fizeram tudo para que nós não viéssemos para o S. C. E. justificando que no ano anterior os estudantes tinham sido mal recebidos (para nossa protecção portanto...)?!!
Por fim como nós disséssemos que não tínhamos qualquer interesse em ficar em Viana resolveram telefonar para o delegado concelhio de Ponte da Barca que disse que nos iria receber à camionete e ‘despacharam-nos’ assim para Ponte da Barca. Em P. da Barca o delegado estava à nossa espera e de acordo com o Presidente da Câmara (que parece ser um gajo porreiro) instalou-nos numa pensão pois já era bastante tarde e como no outro dia havia feira na vila aproveitaria para ver se em Ermida nos podiam alojar.
No dia seguinte, à tarde, tivemos uma reunião com os Presidentes das Juntas da Freguesia de Ermida e Germil que, como ainda não sabiam se tinham alojamento para nós, ficaram de telefonar no dia seguinte.
Neste momento, temos uma resposta positiva do Presidente da Junta da Ermida e vamos pôr-nos a caminho.
Afinal as coisas até nem são assim tão difíceis como pelo menos em Viana pretenderam fazer crer.
Com os melhores cumprimentos (...)”1

5Noutro momento dão mais pormenores sobre a barreira institucional inicial:

  • 2 Entrevista com M-1, Vila Chã, 16/09/1975, bobine 6:1-35.

“Vimos logo (...) que o delegado distrital estava a fazer tudo para que nós não continuássemos o trabalho, foi ele próprio a dizer, para que o SCE não fosse para a frente devido aos antecedentes que tinham existido com as campanhas de alfabetização, portanto, porque dizia que essas campanhas tinham sido muito mal recebidas, o que até parece que foi um facto, tinham andado a realizar campanhas comunistas. No entanto — tal como o Michel nos tinha dito para nós fazermos pressão (...) se quando chegássemos nos dificultassem o trabalho, nós então resolvemos fazer pressão. E ele aí então resolveu lavar as mãos (...) e mandar-nos para os concelhos, (...) disse-nos só a camionete em que devíamos ir.”2

6Nos primeiros dias de Agosto transferem-se para a localidade seguinte. Os ânimos não pareciam ter esmorecido. Dão conta do prosseguimento da sua aventura:

  • 3 Carta da Equipa M-1, em Germil, datada de 11 de Agosto, dirigida a M. Giacometti. Assinada pelos qu (...)

“chegámos a Germil depois de um esforço titânico por estas terras inóspitas e agrestes onde nos perdemos às 9 horas da noite nestas serranias sem fim. Chegámos a Germil à meia-noite onde já ninguém nos esperava depois duma horrível perseguição por lobos ferozes e esfomeados acicatados pelas labaredas de um incêndio que devastava a floresta.
Por falar em incêndio, o dinheiro da equipa ardeu. Precisando de comprar pilhas para continuar a nossa laboriosa recolha vamos inaugurar o apetitoso cheque de dois mil escudos.
Já despachámos para a capital todo o material penosamente recolhido nas alturas da Ermida, excepto um antiquíssimo arado de pau gentilmente oferecido por um nativo. Em virtude das suas dimensões e peso vimo-nos constrangidos a deixar este representativo espécime na Ermida.
Temos dado voltas e voltas à imaginação para arranjar meios para levar o arado para a Ponte da Barca.
Encontramo-nos instalados numa barraca de arrumações onde fizemos o impossível para a transformar pelo menos numa habitação de animais. Como não desencantámos ninguém que nos confeccionasse as batatadas típicas estamos nós próprios a tentar fazer qualquer coisa que se coma. Como carne não se arranja, peixe nem cheirá-lo, fruta idem aspas, rogamos o caridoso envio de vitaminas, pastilhas contra a diarreia e desinfectantes.
As pessoas receberam-nos bem e facilmente se dispuseram a fornecerem-nos a louça e outros objectos necessários. Estamos dispostos a concretizar a nossa tarefa”3

  • 4 Livro de Contas do PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 443.

7Não foi possível detectar a referida remessa de material. A primeira referência na contabilidade central reporta-se a 3 volumes com madeira, pesando 17 quilos, expedidos de Ponte da Barca por via-férrea, em 8 de Setembro pelo responsável da equipa.4

8Um mês mais tarde, instalam-se na última povoação prevista. O tom do relato é mais sério, talvez rendido à imponente serrania:

  • 5 Carta da Equipa M-1, escrita em Vila Chã, datada de 12 de Setembro e dirigida à sede do PTC. Não te (...)

“Atendendo ao pedido que nos fizeram para mandarmos um relatório do trabalho dado o nosso trabalho ficar entre ‘os de mais baixa produtividade’ aqui o enviamos. Na realidade supomos que o nosso trabalho não seja muito visível daí até este momento já que não enviámos as transcrições e outro material da Ermida, admira-nos que até este momento não tenham mandado dizer nada, pois se o tivessem feito já teríamos mandado algum material.
Não aceitamos o carácter ameaçador da vossa carta que revela uma total ignorância das dificuldades que enfrentamos, muitas das quais poderiam ser resolvidas se o Serviço Cívico estivesse melhor organizado.
Evidentemente que também existem deficiências internas do próprio grupo, as nossas incapacidades, falta de vontade, etc., inerentes a um serviço cívico em que as pessoas já dificilmente acreditam e onde à partida não se sabe até onde se pode contar com as pessoas, que só em princípio estão ali para fazer um trabalho em grupo e estão realmente interessadas nisso.
Estamos, no entanto, dispostos a prosseguir o nosso trabalho, pois achamos que a nossa ‘produtividade’ tem sido boa embora não se possa, porventura, medir em número de ferramentas ou em metros de gravação. Ela verifica-se sobretudo ao nível da evolução da nossa maneira de compreender estas gentes. E aqui, onde elas estão, nós (alguns) estamos presentes, no seu trabalho, nas suas festas, no seu dia-a-dia.
Na realidade não temos passado férias no Algarve nem em qualquer outro sítio. Há quem diga que o S. C. dá para tudo...
Quanto à Ermida o trabalho não correu muito mal, pois em gravações fizemos um trabalho bastante satisfatório, assim como nos inquéritos, excepto no de Medicina Popular, que não fizemos, visto nos terem dito que não havia praticamente nada. Quanto a ferramentas, supomos que poderíamos ter arranjado mais, o que não aconteceu porque deixámos essa parte do trabalho para o fim já que era um tipo de trabalho que, em princípio, não nos agradava muito.
Fomos extraordinariamente bem recebidos por todos os sectores da população, novos e velhos, que nos ajudaram imenso e que ficaram com muito boa impressão nossa. Fomos mesmo convidados a irmos às Festas da Ermida o que na realidade, fizemos no dia 17 de Agosto tendo tido, na altura, muitos convites para irmos almoçar e jantar a casa das pessoas.
Em Germil, o trabalho, de princípio, parecia correr pior, pois as pessoas são mais fechadas, sobretudo as mais velhas. No entanto, a partir da altura em que fomos (alguns) ajudar numas malhadas começámos a ter uma boa aceitação entre a população que, sobretudo a gente nova (raparigas), nos ajudaram imenso em muitas gravações posteriores.
Fizemos pois, quanto a nós, um bom trabalho em gravações. Também os inquéritos foram todos feitos, incluindo o de medicina popular.
No dia 17 fomos, como já foi dito, às festas em Ermida onde aproveitámos para completar umas fichas, gravar umas lendas e levar uma espadela e um arado para Lourido donde depois o delegado de Ponte da Barca ficou de arranjar quem o transportasse para a Barca.
No dia 19 andámos a ajudar a apagar um incêndio que já estava perto da aldeia.
(...)
Quanto à parte do trabalho referente à recolha de ferramentas de trabalho foi um autêntico fracasso. Isso deve-se ao facto de as pessoas mais velhas não quererem separar-se das suas ferramentas e de terem, em definitivo, mantido uma atitude desconfiada quanto a isso, talvez por pensarem que, porventura, poderiam ser prejudicadas. Nem oferecidas nem vendidas, não conseguimos arranjar mais do que um banco e a promessa de nos arranjarem um cesto e um chapéu (oferecidos). Depois de termos saído de Germil tivemos imensas dificuldades em arranjar casa em Vila Chã.
O presidente de junta contactado pelo delegado de P. da Barca não conseguiu arranjar, tendo-se mostrado bastante céptico quanto às possibilidades de arranjar casa. Este, chegou a falar ao padre que numa missa falou neste problema. Não veio contudo resposta.
Só no outro dia (9) conseguimos arranjar casa, através dum rapaz que conhecemos na P. da Barca há uns tempos, que falou a uma pessoa que tinha uma casa de vago que imediatamente no-la cedeu. Como se vê não foi difícil...
Nota-se um autêntico boicote mais ou menos de carácter político à nossa actividade. As pessoas perguntam-se o que estamos aqui a fazer. Acham estranho que uma rapariga ande junto com rapazes tanto tempo fora de casa, perguntam se somos comunistas, e outras coisas do género.
Não prometemos, portanto, um bom trabalho pois as dificuldades são enormes desde um povoamento muito disperso onde não se conseguem localizar pontos de reunião das pessoas, até ao mau tempo que começa a estar, passando pela inexistência de trabalhos nesta altura em que pudéssemos ajudar as pessoas para lhes captar a confiança até à já focada desconfiança.
Nós, no entanto, procuraremos não desanimar e fazer o melhor que pudermos.”5

  • 6 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 509, 510, 511.

9Na segunda quinzena de Setembro os jovens foram visitados por Michel Giacometti.6 Nesta altura, certamente que tiveram ocasião de discutir em profundidade as experiências vividas.

10Sobre a pertinência do PTC e das recolhas etnográficas, tendo em conta o contexto nacional vivido, explanam na entrevista as suas ideias. Assim:

  • 7 Entrevista com M-1, Vila Chã, 16/09/1975, bobine 6: 312-318, 262-305.

“se não tivéssemos ido para o campo, não tínhamos provavelmente realizado metade do que fizemos“.
“era preciso coisas concretas, imediatas no trabalho com as populações, senão continuamos a ser os meninos que vêm de fora, privilegiados, estamos em casa a ouvir música, andamos com gravador, enquanto eles andam a sachar milho ou a cavar batatas ou outra coisa qualquer. (...)
No caso da etnografia, uma ajuda à população não é… quer dizer, há é um estudo da própria população que em nada os vai beneficiar já, pode ser a longo prazo.”7

  • 8 Livro de Contas PTC, Despesas, Outubro 1975, ref. 516.

11Da documentação disponível não se deduz se esta equipa participou em encontros com outras estacionadas na região, o que, no entanto, se pode considerar como muito provável. No termo da campanha deixaram alguns materiais em Ponte da Barca, que seriam prontamente expedidos para Lisboa. Foi uma encomenda de 8 quilos.8

12Da riqueza dos materiais desta brigada são de reter duas questões.

13Primeiro, o desinteresse assumido pela cultura material, que se reflectiu nos quantitativos de peças recolhidas. Em contrapartida, as recolhas orais (publicadas) são em número significativo.

14Segundo, a relação estabelecida com as pessoas nas aldeias. Embora em equipas anteriores o facto já se tenha feito pressentir, no caso da M-1 nota-se como a estranheza, ou mesmo hostilidade, perante os jovens se manifesta nos domínios do sexo e da política. São estas duas grandes arenas onde se desenrolam os confrontos culturais entre os estudantes e os camponeses. Os tópicos formulam-se em torno da suspeita de conduta sexual desregrada e de receio por eventuais simpatias pelo comunismo.

15Estes jovens dificilmente poderão ser englobados no grupo de brigadas silenciosas. Do ponto de vista dos resultados da recolha há um desequilíbrio assumido. Concentraram-se na fixação do património oral, em detrimento dos artefactos. Preferiram tentar penetrar no espírito das pessoas, e não tanto nos constrangimentos da vida material.

Um curso de pedir emprestado (M-2)

Raio de acção

16Esta equipa era suposta efectuar recolhas nas localidades serranas do Soajo, Várzea e Gavieira-Tibó, no concelho de Arcos de Valdevez.

17Contudo, vieram a ter que se instalar na Peneda em detrimento da Gavieira-Tibó.

Composição (4 participantes)

18Ao Arsénio foi dada a responsabilidade da equipa. Era o mais velho dos seus companheiros e queria estudar Medicina. Vivia na área de Lisboa.

19Os dois outros rapazes residiam no Porto (eram quase vizinhos), haviam frequentado o mesmo liceu e a opção de curso manifestada coincidia: Engenharia.

20A colega era lisboeta e queria seguir Direito.

21Apenas um dos rapazes refere conhecimentos de fotografia — e muito poucos.

Fragmentos recuperados

22Através dos relatos das brigadas do Alto Minho, sabemos das dificuldades e da resistência encontradas por estas equipas para continuarem de Viana do Castelo rumo às aldeias previstas. Os jovens da M-2 seguiram para Arcos de Valdevez, onde permaneceriam uma semana, aguardando oportunidade de acomodação no Soajo.

23Sobre este compasso de espera, recordam-se de ter de dormir “em camas com 1,50 m de comprimento”. A tónica dos comentários deixa entrever alguma dureza da situação:

“E viemos nós de Lisboa convencidos de que, quando chegássemos a Viana, íamos logo para casa dos lavradores.”
“Viemos mal preparados e à sorte”.

24De acordo com as perspectivas dos brigadistas, o apoio dos responsáveis regionais foi inesperadamente fraco: alojamento por garantir, ausência de mobiliário, alimentação por assegurar. Sugerem até que o SCE distribuísse "tendas ou qualquer coisa", só para se livrarem das camas em miniatura. Resumem a experiência inicial:

“O SCE devia era ter um curso de pedir emprestado.”

25Nos dias seguintes, a situação começou a normalizar-se. À equipa chegavam auxílios diversificados. Vinham de entidades patronais, da GNR, do delegado concelhio e, por fim, da população. Numa das localidades — provavelmente no Soajo ou na Várzea — vencida a dúvida se eram comunistas, franqueiam-lhes as portas, incluindo o empréstimo de dinheiro. O abastecimento alimentar passou a ser farto e variado, pois:

  • 9 Entrevista com M-2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 71-75, 88-95, 100-106, 110-114 (...)

“broa, batatas, vinho, cebolas, alhos, tomates, feijão, deram-nos tudo”.9

  • 10 Testemunho de um ex-participante recolhido pelos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

26As dificuldades no campo da alimentação seriam desforradas. Um belo dia, os pais de um dos jovens do Porto foram visitá-los. Para além do reencontro com familiares, foi a oportunidade que todos eles tiveram de comer os bifes que lhes haviam levado.10

27Seguiu-se a Várzea. Sobre a repercussão do PTC nesta aldeia, dispomos de reportagens publicadas num diário portuense, interessado em noticiar e acompanhar a aventura dos adolescentes urbanos naquelas paragens esquecidas do mundo. Mesmo antes de para lá se mudarem, as pessoas já tinham uma ideia, talvez ainda indefinida, dos brigadistas. Assim o apresenta o jornalista do Comércio do Porto:

  • 11 Comércio do Porto, 29/7/1975: 5.

“Quisemos saber se por esses lugares ermos, sucedia algo de anormal, gente suspeita, passagem de pessoas estranhas...
A resposta foi esta: ‘Não, absolutamente nada se tem visto, os dias são sempre iguais, mas devo dizer que a nossa gente anda vigilante e que por aqui aparece, isso sim, pessoal português a ter em conta. Mas nada tem encontrado ou avistado. O que consta é que, para o mês que vem, chegam aqui uns senhores portugueses que vêm procurar coisas antigas. Não sei explicar o que é, mas eu depois informo.’”11

28Um mês depois, o jornalista narra o quotidiano da brigada em plena operação:

  • 12 Comércio do Porto, 30/08/1975: 6.

“Instalados na casa que serviu de posto da Guarda Fiscal, os quatro estudantes entregam-se alegremente ao seu trabalho... mas passam fome! É que Várzea não tem sequer uma pequena mercearia, não há frescos nem carne, nem animais de criação.
Oleias, povoação espanhola que fica na encosta fronteira à Várzea, é distante uns três quilómetros e o caminho é mau. De modo que a equipe come conservas, pão muito ‘rural’ e arroz, batatas e massa. Todos sabem cozinhar (!), mas há quem garanta lá no grupo que, quando é um deles quem cozinha, é um desastre. No entanto, a camaradagem e boa amizade que implanta no grupo superam estes azares culinários.
Dispondo de um gravador, a equipa tem-se ocupado em recolher tradições, lendas, anedotas e cantigas, dizeres e frases peculiares. Um pormenor curioso: as mulheres viúvas ou as que têm o homem em França negam-se a cantar as velhas cantigas locais, limitando-se a dizer as quadras. Outro pormenor curioso: uma velha moradora do lugar contou para os estudantes uma anedota, mas fê-lo em língua ‘misturada’, isto é, uma espécie de dialecto em português arcaico ou, dizendo melhor, em galego que se fala nas regiões raianas, misturado com palavras portuguesas. Até esta altura a equipe M-2 recolheu diversos utensílios oferecidos pelos habitantes do lugar: uma canga, foles, funis, enxadas, tigelas, etc. Estão recolhidas peças do rudimentar folclore local, em que há tradições de muito interesse.
Logo que o seu trabalho finde na Várzea, os estudantes seguirão para Gavieira também na zona raiana. Notámos um grande espírito de equipa, e aquela despreocupação, alegria e ‘filosofia’ própria dos 17 e 18 anos, essa couraça que nos imuniza contra todos os azares e contrariedades, mesmo contra um estrugido queimado...”12

29À imagem pitoresca narrada pelo jornalista, contrapõem-se outras recordações dos jovens, marcadas por situações dramáticas vividas:

  • 13 Testemunho de um ex-participante recolhido pelos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

“Houve um incêndio horrível, a Várzea está entalada entre a montanha e o rio, só podíamos fugir para o rio, era um incêndio horrível, as pessoas cantavam no meio da noite e nós gravávamos.”13

  • 14 Informação oral prestada aos autores por um ex-participante no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

30A caminho da terceira localidade, a M-2 viu-se a braços com mais um obstáculo imprevisto. Rumo à Gavieira, esperavam-nos na estrada homens de caçadeira na mão. Foi deste modo que se decidiram pela Peneda como local alternativo para prosseguir o trabalho de recolha.14

  • 15 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 509, 510, 511. Nestas folhas de deslocações figu (...)

31Do exterior tiveram mais visitas. Durante o mês de Setembro, Michel Giacometti e um dos seus colaboradores foram encontrar-se com estes jovens.15

32A equipa só comprou um artefacto. Foi uma retranca, adquirida por 300 escudos, na Peneda, a Casimiro de Sousa, de 82 anos. Foi, por sinal, nesta povoação, onde seria recolhido o maior número de peças.

  • 16 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 480.
  • 17 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 477. A palha de centeio será provavelmente uma croça.

33O encaminhamento dos objectos para Lisboa teve de ser empreendido em duas etapas. Primeiro, a deslocação em carro de aluguer até Monção, onde depois era feita a expedição ferroviária. Numa carta de porte consta o total de 97 quilos, compreendendo "8 caixas de cartão com ferragens, 1 albarda usada, 1 canga de bois, 1 atado ferramenta usada, 1 banco de madeira usado". Ressalva-se a fragilidade dos materiais e a insuficiência de embalagem.16 A outra reporta-se a um conjunto perfazendo 16 quilos, compreendendo "1 balde de folha usada, 1 atado trempes ferro usado, 1 pá forno em madeira, 1 saco plástico com palha centeio".17

34O balanço que os membros da M-2 fizeram da sua campanha é positivo, sobretudo no plano do enriquecimento pessoal. Uma voz feminina sintetiza a sensação generalizada na equipa:

“Até certo ponto (...) foi uma experiência agradável, estivemos em contacto com as populações, tivemos conhecimento das dificuldades que eles tinham. No entanto, notamos que podemos ajudar muito pouco as populações, porque viemos mal preparados (...) para ajudar seja o que for, (...) era frequente pedirem-nos para nós pedirmos para Lisboa que viessem engenheiros ver os terrenos (...) para verem os tipos de produção que podiam realizar (...). Até certo ponto, foi agradável, conhecermos as terras que não conhecíamos, viemos com pessoas que não conhecíamos, estávamos habituados a viver nas cidades, conhecíamos pouco o ambiente das aldeias, portanto, passámos a viver mais em contacto com as populações.”

35Sobre o Soajo, afirmam os estudantes que a sua relação com a população foi tal que

  • 18 Entrevista com M-2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 20-35, 178-198.

“estivemos em vias de arranjar uma cooperativa, mas não foi avante porque não tínhamos conhecimentos suficientes.”18

36Em serviço deslocaram-se várias vezes a Arcos de Valdevez e a Viana do Castelo, onde trataram de assuntos logísticos e financeiros, para além de contactarem membros de outras equipas. Desconhece-se se estas idas (comprovadas) à vila e à cidade proporcionaram ocasião para mitigar a falta de refeições.

Desenrasquem-se! (M-3)

Raio de acção

37Foi outra equipa organizada para actuar no concelho de Arcos de Valdevez, a fim de permanecer em Grade, Cabana Maior e Couto. De facto, esteve sempre instalada no Couto.

Composição (4 participantes)

38Uma equipa composta por uma rapariga e três rapazes, chefiados pelo Arnaldo que, para além de ser o mais velho, já frequentara um curso não universitário e pretendia agora dedicar-se a Gestão de Empresas. Residente em Lisboa, menciona interesse pelo teatro e registo de som.

39Os dois outros rapazes são de Lisboa e do Porto, haviam-se inscrito em Direito e Engenharia e, num deles, é referido o conhecimento de fotografia.

40Nascida na Índia, residindo no Porto, o único elemento feminino do grupo optara por Medicina. Gostava de música, dedicava-se ao canto e tinha noções de fotografia.

Fragmentos recuperados

41Conforme aconteceu com as brigadas que se destinavam ao Alto Minho e seguiram por Viana do Castelo, também a M-3 se debateu com a falta de empenho das autoridades que tutelavam a nível regional o SCE. A palavra de ordem emitida era invariavelmente: “desenrasquem-se!” De acordo com o que os jovens vieram a saber, pouco antes da sua chegada, o delegado concelhio

  • 19 Entrevista com M-3, Ponte da Barca, 16/09/1975, bobine 6: 554-558.

“nem sequer sabia que íamos chegar, já tinha mandado um ofício para baixo a dizer que não tinha conseguido alojamento nas aldeias.”19

42Numa carta escrita em finais de Julho, a equipa relata como lograram instalar-se e encetar o seu trabalho:

“Através desta carta, desejamos informar o seguinte:
Chegámos cá e não tínhamos nada preparado para a nossa estadia no Couto.
O delegado da Câmara de Arcos arranjou-nos alojamento provisório no ex-Seminário (alojamento esse que não oferecia as mínimas condições de permanência), e disse para nos ‘desenrascarmos’ — palavra essa que já vinha do nosso delegado distrital tenente-coronel (...).
Para ser possível nós nos ‘desenrascarmos’ teríamos que estar na posse do dinheiro que os senhores haviam então enviado de Lisboa. Esse dinheiro foi conseguido somente oito dias após a nossa chegada 2ª feira (14), depois de nos termos deslocado pessoalmente a Viana do Castelo.
Após tudo isto ainda nos vimos a braços com vários problemas para arranjarmos alojamento no Couto. A casa que conseguimos arranjar era uma casa abandonada. Precisamos de camas (ou colchões) que fomos arranjando após vários contactos pela aldeia. Precisamos de apetrechos para cozinhar ou quem cozinhasse para nós, coisa que conseguimos por intermédio do padre que mesmo sendo influente e conhecedor da população teve dificuldade em nos auxiliar. Somente após a resolução de todos estes problemas nós conseguimos ir definitivamente para o Couto no dia 19-7 (sábado) para então começarmos o nosso trabalho. Mas isso foi-nos mais uma vez impossibilitado, por termos recebido um gravador avariado da fábrica. Tentámos compô-lo por intermédio de um indivíduo cá da terra que trabalha em electrónica, mas segundo ele era impossível, porque tinha um transístor ou coisa do género estragado e sair-nos-ia mais barato comprarmos outro. ‘Desenrascámo-nos’ conseguindo um emprestado. Mas isso só aconteceu hoje dia 21”.

43Estes passos iniciais, caracterizados pela resolução de questões logísticas, permitiram, por outro lado, que se fossem estabelecendo relações com as individualidades locais e com outras pessoas:

  • 20 Carta da equipa M-3, escrita no Couto a 21/7/75 e dirigida aos serviços centrais.

“A par de todos estes problemas uma coisa é certa, temos a confiança das pessoas cá da terra por intermédio dos contactos que temos tido, e estamos cientes que o nosso trabalho irá avante.”20

44Noutro momento da sua conversa com Giacometti apontam no mesmo sentido:

“Fomos bem aceites porque entrámos com as pessoas influentes da aldeia, o presidente da Junta, logo no princípio, as donas das tascas, o padre, o Centro Cultural do Couto”.

45Porém, há que atender a uma dialéctica da hospitalidade. Se alguns problemas se iam encaminhando para uma solução, os rumores sobre a presença daqueles adolescentes circulavam, dando azo a interpretações diversas, motivadas pela desconfiança e a surpresa. Só mais tarde viriam a saber o que sobre eles se especulava, consoante afirmaram na mesma visita de Giacometti:

  • 21 Entrevista com M-3, Ponte da Barca, 16/09/1975, bobine 6: 392-400, 386-391. COPCON - Comando OPerac (...)

“duas semanas após a chegada contaram que tinham desconfiado que (...) éramos do COPCON e que íamos vigiar e recolher informações.”21

46Dificuldades de alojamento nas outras povoações obrigaram-nos a permanecer no Couto durante os três meses. O saldo neste processo de aceitação parece ter sido positivo. A certa altura, a técnica do going native produzia resultados visíveis:

  • 22 Entrevista com M-3, Ponte da Barca, 16/09/1975, bobine 6: 504-510.

“nos jogos de futebol em que o Couto entrava, então éramos nós todos a berrar pelo Couto, ao pé da equipa”. 22

  • 23 Pasta PTC Contabilidade, ref. 509, 510, 511.
  • 24 Entrevista com M-3, Ponte da Barca, 16/09/1975, bobine 6: 424-450.

47A identificação com as dificuldades locais nota-se nesta entrevista feita por Michel Giacometti, aquando da supervisão.23 Falando perante o microfone, os jovens alongam-se bastante sobre a questão da falta de água como sendo o maior problema da aldeia24.

  • 25 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 376.

48As recolhas comprovadamente atribuíveis a esta equipa são poucas, figurando o tear em primeiro lugar. Seria expedido de Arcos de Valdevez, encontrando-se descriminado como tal: "1 caixa cartão peças de tear, 4 atados madeiras de tear". Ao todo são 67 quilos.25

  • 26 Pasta Contabilidade Equipas: no dossier M-3 encontram-se 3 talões de expedição, datados de 19 de Ag (...)

49A equipa mandou mais remessas de material, por estrada, a partir de Ponte de Lima. Impossível averiguar de que se teria tratado.26 O peso indicado aponta para cerca de três dezenas de quilos no total, o que prova serem mais do que a espadela, o forcado, o sedeiro e a tesoura de poda. Os registos na caderneta de aquisições são omissos.

50É um enigma difícil de esclarecer. Pelos vistos, a M-3 levou a sério e assumiu a palavra de ordem que, logo de início, lhes incutiram: Desenrasquem-se! O imperativo passou a substantivo. Mais peças terão chegado a Lisboa, sem que se lhes possa apanhar o rasto.

O nosso e o vosso trabalho (M-4)

Raio de acção

51Ainda no Alto Minho, esta equipa dedicou-se, tal como previsto, a Bárrio, Labrujó e Rendufe, no concelho de Ponte de Lima.

Composição (4-1+1 participantes)

52Responsável era o Albano, vindo dos arredores de Lisboa e que queria ser arquitecto. Tinha conhecimentos de fotografia, de registo de som e interessava-se por actividades cinematográficas.

53A equipa integrava mais dois rapazes e uma rapariga. Eles eram da cidade do Porto e ambos queriam estudar Engenharia; ela, também da mesma cidade, inscrevera-se num curso de História.

  • 27 Pasta PTC Contabilidade Equipas, M-4, onde figura a respectiva guia de marcha.

54O grupo refez-se durante o Verão: verificou-se a desistência de um dos rapazes do Porto e, em contrapartida, em meados de Agosto, acolheram o antigo responsável da T-7, equipa que se desfizera.27

Fragmentos recuperados

55É conhecido o acolhimento dado aos jovens à chegada a Viana do Castelo. Também a M-4 não fugiu à regra, só conseguindo avançar para as aldeias após um compasso de espera de uma semana, seguindo entretanto para Ponte de Lima.

56Terminada esta quarentena, as coisas pareciam querer compor-se da melhor forma.

57No Bárrio afirmam ter-se integrado sem dificuldade, graças à intervenção do padre, que lhes cedeu a própria casa. Contudo, nas localidades seguintes tudo estaria sob outro signo:

  • 28 Entrevista com M-4, Vila Chã, 16/09/1975, bobine 6: 79-132, 36-60.

“nas outras aldeias, não arranjámos alojamento (...). Ou melhor, na [segunda], arranjámos um que não interessava e eles fizeram tudo para a gente não ficar lá, desde nos dar má comida, fecharem-nos a porta, tínhamos que entrar pela janela, assim umas coisas esquisitas. Na última [povoação], não arranjámos mesmo alojamento, não nos quiseram mesmo lá.”28

58Perante esta situação, decidem instalar-se em Ponte de Lima, deslocando-se diariamente nos transportes públicos a Rendufe e a Labrujó, as duas aldeias que os haviam rejeitado. Neste aspecto, a M-4 não pôde optar pelo método da imersão na comunidade, mas viu-se compelida à tentativa de fazer um survey. No entanto, seria prematuro tentar estabelecer qualquer relação entre o método de trabalho que foi possível a estes jovens aplicar no terreno, por um lado, e, por outro, a dimensão e a qualidade das recolhas efectuadas.

59Os brigadistas preocuparam-se e discutiram a situação, de certeza, entre si, mas também com os camaradas de outras equipas.

60A visita de supervisão de Michel Giacometti, realizada em Setembro, proporcionou ocasião para mais uma troca de opiniões. Debateram a questão de trabalhar com as populações, a chamada observação participante, que no contexto político da altura e atendendo ao grau de politização reinante, assumia rapidamente uma feição de militância accionista. Com o microfone ligado, jovens da M-4 e da M-1 equacionam as experiências recentes, marcadas por impressões ainda muito frescas:

  • 29 Entrevista com M1 e M4, Vila Chã, 16/09/1975, bobine 6: 305-325.

“M-4 — Nós quisemos trabalhar com eles, mas eles não quiseram; o vosso trabalho é gravar e tirar fotos e o nosso é o nosso.
M-1 — Isso não será pouca receptividade a vocês?
M-4 — Não, eles gostavam mesmo muito de nós.”29

61A listagem das recolhas efectuadas revela aquisições exclusivamente por compra; além disso, os respectivos registos são de Agosto e Setembro.

  • 30 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 406.
  • 31 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 447, 512.

62As peças adquiridas foram sendo expedidas para Lisboa ao longo do mês de Agosto30, onde figura "1 caixote com potes" e mais duas remessas em Setembro.31 Estas últimas referem as cangas obtidas. Pode depreender-se que as primeiras se reportam aos objectos de Bárrio, as segundas a Rendufe e à "valiosa" canga de Labrujó. Custou 600 escudos, sendo a peça mais cara conseguida pela M-4. É a única recolha realizada em Labrujó. Como foi comprada alguns dias após a supervisão, é de supor que a decisão tenha sido tomada depois de consultado Michel Giacometti.

  • 32 Informação oral prestada aos autores (1991).

63Dezasseis anos mais tarde, muita coisa se esbatia na memória dos ex-brigadistas. Interrogado um deles — cuja voz se ouve no gravador — sobre a aceitação conseguida na altura, recordava-se unicamente da boa recepção graças ao padre e de terem esclarecido as pessoas de que não eram comunistas.32

O povo foi maravilhoso (M-5)

Raio de acção

64Esta equipa trabalhou, de acordo com o previsto, em São João de Rei e Calvos (concelho de Póvoa de Lanhoso), e Soutelo (concelho de Vieira do Minho).

Composição (3 participantes)

65A equipa M-5 é constituída por dois rapazes e uma rapariga, sendo o Armindo o responsável.

66À partida, tinham coisas em comum: vinham da área do Porto e queriam estudar Medicina nesta cidade. Não são referidos conhecimentos de fotografia mas em contrapartida são-no de registo de som.

Fragmentos recuperados

67Dispomos de dois relatórios, redigidos sobre as duas últimas localidades em que permaneceram. Neles reflecte-se sobre o tempo de experiência, a tentativa de apresentação globalizadora das questões colocadas aos brigadistas, e as tarefas a cumprir ao longo do tempo da missão. Isso permite não só avaliar a situação em que se envolveram, como conhecer a forma como a resolvem encarar.

68Sobre Calvos, informam:

  • 33 "Relatório do trabalho em Calvos da M-5", enviado à sede do PTC, sem data. Está assinado "A Equipa (...)

“Salientamos desde já o bom acolhimento de que fomos alvo do povo de Calvos, que nos proporcionou uma boa estadia.
No que diz directamente respeito ao nosso trabalho não nos poupámos a esforços, fazendo tudo o que estava ao nosso alcance. Lamentamos no entanto não termos conseguido melhor, como seria de desejar, pois encontrámos pela frente vários obstáculos que muito dificultaram a elaboração do nosso trabalho.
Um dos problemas com que nos debatemos, foi no que diz respeito à recolha de música popular. Acontece que aqui em Calvos, povoação com largas tradições musicais, a música popular se encontra actualmente perdida, dado que apenas duas ou três pessoas já idosas se recordam de canções antigas, e até já não as cantam por não terem voz para isso.
A juventude à excepção de duas ou três raparigas não se interessa pela música popular, e de notar ainda que não encontrámos ninguém que tocasse instrumentos musicais. Além da falta de pessoas com conhecimentos de canções populares, vimo-nos na impossibilidade de juntar estas poucas que existem para a realização de gravações dado que durante o dia as pessoas estão ocupadas nos seus trabalhos e à noite não saem de casa por falta de um lugar de reunião ou convívio — na loja da terra apenas se reúne meia dúzia de rapazes e homens. Tentámos juntar as raparigas que sabiam cantar aos domingos, mas ao domingo estas vão dar o seu passeio, e assim dados todos estes entraves apenas nos foi possível gravar uma cassete.
Outro problema que tivemos foi no que diz respeito à recolha de material de interesse museográfico. Acontece que recolhemos um nº razoável de peças mas muitas mais tínhamos em vista, se não fosse a falta de dinheiro para as adquirir. Está estabelecido recebermos dinheiro para compra de material entre o dia 22 a 28 de Agosto, mas até hoje não recebemos nada. Ora quando estivemos em S. João de Rei recebemos 2000$00, e aí apenas gastámos 1000$00. Os restantes 1000$00 foram gastos aqui em Calvos e mais 100$00 que tivemos de retirar da verba destinada à compra de rolos fotográficos, pilhas para o gravador, etc. Aqui em Calvos gastámos pois 1100$00 na compra de material para o museu. Contávamos pois receber um vale de 2000$00 que se destinaria à compra de mais material que até já tínhamos em vista, e que decerto iria enriquecer o museu que se pretende construir. Deu-se várias vezes o caso de pessoas virem ter com a malta dizendo que tinha isto ou aquilo que nos poderiam vender se nos interessasse, e nesses casos a resposta que lhes dávamos era sempre a mesma "isso interessa-nos mas neste momento não temos dinheiro".
Ficámos mais indignados quando recebemos a vossa carta, dizendo que só nos enviariam o dinheiro após averiguarem o conteúdo da nossa expedição. Perguntamos pois: como é possível expedirmos material sem termos dinheiro para o adquirir? Primeiro vai o material e depois vem o dinheiro ou primeiro vem o dinheiro e depois vai o material?
Lamentamos pois a vossa atitude que nos impossibilitou de recolher o material que era de recolher e que decerto atingiria as trinta peças que pedem. Temos tido ainda dificuldade em expedir o material recolhido, pois para isso é necessário transportá-lo de Calvos até Braga e aí despachá-lo na CP. Ora o transporte de Calvos a Braga só pode ser feito com um veículo da Câmara da Póvoa de Lanhoso; acontece que a Câmara só possui um camião e, sempre que nós contactamos a Câmara a pedir o camião, esta nos responde que o camião está ocupado e para aguardarmos. É pois dada a dificuldade do transporte que o material recolhido em Calvos ainda não foi expedido.”33

  • 34 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 409.

69Este problema foi resolvido. Em 25 de Agosto remetem para Lisboa ”1 semeador e 1 croça”, adquiridos em São João de Rei. Especialmente a primeira das peças é natural que colocasse dificuldades de transporte até à estação ferroviária de Braga. No entanto, os esforços seriam compensados: trata-se dum objecto único nas recolhas do PTC.34

70Depois de se queixarem da falta de apoio da estrutura distrital do SCE, prosseguem mencionando as vicissitudes e os imprevistos do trabalho de terreno:

“Quanto ao inquérito sobre medicina popular não se efectuou, pois não encontrámos ninguém em Calvos que tenha conhecimento de mezinhas ou receitas caseiras.”

71No final do mesmo relatório, dão a sua perspectiva do mundo que encontram:

  • 35 "Relatório do trabalho em Calvos da M-5", enviado à sede do PTC, sem data. Está assinado "A Equipa (...)

“Verificou-se também não existirem cooperativas ou qualquer tipo de associações, ou tentativa de formação das mesmas, pelo que pouco fizemos neste campo. Dado o nosso permanente contacto com o povo de Calvos, tomámos conhecimento da sua miserável situação e necessidades. Assim verificamos que a maioria do povo vive da agricultura, encontrando-se esta arruinada dada a falta de ajuda do governo aos camponeses pobres, vendo estes piorar a sua situação de dia para dia. As ‘casas’ são péssimas e para casas só têm o nome. Falta ainda electrificar vários lugares da freguesia, poucas casas têm água canalizada, o saneamento é feito por estrumação, os caminhos são horríveis de Verão e de Inverno nem é bom falar, transportes para a vila (Póvoa do Lanhoso) só em dois dias da semana. O correio é distribuído na venda da freguesia sendo as pessoas obrigadas a deslocar-se muito longe a pé — torna-se pois necessária a existência dum distribuidor de correio ao domicílio. Toma-se ainda necessário fomentar a formação de grupos ou associações recreativas ou culturais.
A miséria destes camponeses é tal que não se encontram palavras que a possam devidamente descrever.
Aqui acabamos este relatório salientando mais uma vez a hospitalidade do povo de Calvos.35

72Para esta brigada, o empenho demonstrado em viabilizar um projecto museológico surge como o elemento motivador do levantamento etnográfico que realizam. Trata-se de um pormenor interessante, porque esta tónica não aparece tão explícita nos relatórios (encontrados) das outras equipas.

  • 36 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 466. O arado da carta de porte refere-se certamente ao leirador.

73Em 12 de Setembro, já em Soutelo, enviam ”1 arado, 1 roda de fiar, 1 caixa peças de museu”. É a boa presa resultante da permanência em Calvos.36

74O processo de contacto cada vez mais longo num ambiente bem diferente daquele a que estavam habituados levou os jovens a ensaiarem formas de aprofundar essa descoberta, em detrimento da simples acção de recolha, ou então, precisamente para melhor a concretizarem. No relatório feito em Soutelo, mencionam uma vez mais o bom acolhimento dos habitantes da localidade e fazem um balanço daquele Verão:

  • 37 "Relatório do trabalho em Soutelo", Equipa M-5, enviado à sede do PTC, sem data. Está assinado "A E (...)

“Desde o início o nosso método de trabalho consistiu em trabalhar lado a lado com os camponeses na agricultura, ajudando-os na medida dos possíveis, sem nos pouparmos a esforços ou a calos nas mãos, o que permitiu um permanente contacto com o povo, e uma melhor compreensão das suas necessidades, privações e sofrimentos na sua luta do dia-a-dia pelo pão. Foi pois neste contacto diário que estes camponeses nos mostraram a sua miséria, nos mostraram o péssimo estado em que se encontra a agricultura, e o seu justo descontentamento por o governo não os ter ainda ajudado, vendo estes dada a carestia de vida piorar a sua situação de dia para dia. (...)
Foi pois nos últimos dias que nós começamos a recolher material, tendo recolhido tudo o que nos foi possível recolher.
Assim esperamos ter cumprido a missão que nos foi incumbida.”37

  • 38 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 487.

75A tarefa foi levada a bom termo; na última remessa vieram, entre outros instrumentos de trabalho, 1 arado, 1 grade e 1 canga, comprados no desfecho desta incursão etnográfica por terras do "hospitaleiro povo nortenho”. Eram ao todo 100 quilos,38 a rematar uma campanha bem-sucedida. Não admira que, perante este estado de espírito, tenham iniciado o relatório de Setembro numa tónica, para eles, já característica de toda a missão:

  • 39 "Relatório do trabalho em Soutelo", Equipa M-5, enviado à sede do PTC, sem data. Está assinado "A E (...)

“A quatro de Setembro de 1975, chegámos à pobre, mas muito hospitaleira freguesia de Soutelo, do concelho de Vieira do Minho. Aqui como nas anteriores localidades em que tivemos de efectuar o nosso trabalho, o povo foi maravilhoso para connosco, demonstrando do primeiro ao último dia da nossa estadia, uma profunda amizade por todos nós, revelando o seu carácter hospitaleiro, característico do povo nortenho.”39

76Com entusiasmo e calos nas mãos, assim viveu a M-5 por terras minhotas.

Vivências & experiências (M-6)

Raio de acção

77Coube a esta equipa trabalhar em Bucos, Abadim e Rio Douro, no concelho de Cabeceiras de Basto; contudo só esteve instalada nas duas primeiras povoações.

Composição (4-1 participantes)

78Inicialmente, seguiram quatro jovens, dois rapazes e duas raparigas, ficando o Arlindo responsável pela coordenação da actividade da equipa.

79Só ele era de Lisboa; os seus colegas vinham do Porto.

80Elas queriam estudar Medicina, eles tinham-se inscrito em Belas-Artes e na Faculdade de Ciências.

81Em termos de conhecimentos extra-escolares, caracterizava-se o grupo pelo domínio de instrumentos musicais: o responsável dedicava-se à guitarra espanhola e à flauta de bisel e o outro rapaz tocava piano.

  • 40 Pasta de Contabilidade; Diário de um brigadista; 8 a 16 de Julho (posse particular), Bilhete-postal (...)

82Este último rapaz desistiu logo no mês de Julho, ficando durante toda a campanha um rapaz e duas raparigas.40

Fragmentos recuperados

83A M-6 proporciona o aproveitamento de um quadro particularmente diversificado de fontes documentais. A sua importância justifica o recurso a citações longas. Em primeiro lugar, acompanhemos a chegada e instalação da brigada, na visão de um dos seus membros, e conforme os apontamentos feitos no seu diário pessoal.

  • 41 Referência a uma criança residente no local.
  • 42 Trata-se do camarada que pretende desistir.
  • 43 Diário de um brigadista, 8 a 16 de Julho de 1975 (posse particular).
  • 44 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 305 (aquisição gravador Hitachi). A respectiva expedição postal fi (...)

“Dia 8 Partida de Lisboa às 0:10
Chegada a Braga - contacto com delegado distrital do SCE (Major)
Partida para Cabeceiras de Basto — viagem em mercedes da polícia
Chegada a Cabeceiras de Basto — contacto com delegado regional de SCE
Dormida numa pensão
Dia 9 Contacto e partida para Vila Boa de Bucos e Vila Boa. Almoço em casa de uma
camponesa onde ficámos hospedados
Primeiros contactos com a população
Conversa com Presidente da Junta
— gravador avariado
— cartas para casa e UEC
Dia 10 Visita a Bucos conversa com duas professoras primárias de Bucos que nos emprestaram uma telefonia. Muito simpáticas e colaborantes; visita ao ‘rio’.
Conversa com bibliotecário da biblioteca itinerante da Fundação Calouste Gulbenkian, muito animado e até certo ponto progressista. Até aqui tudo tem corrido bem se bem que com algumas reservas da parte de alguns que dizem que os sacos que levamos são para gravar o que eles dizem e levar para os denunciar. Correm boatos de que os comunistas iam matar os velhos com mais de 60 anos.
Da parte de alguns colegas de equipa (...) começa-se a esboçar uma certa impaciência e aborrecimento por estar longe dos amigos e pela perspectiva de ainda aqui ficarem mais quase 3 meses. O (…) provavelmente vai-nos abandonar porque tem de ir trabalhar. Não se dão bem com o ambiente calmo, atrasado e sem nada para fazer, de que eu tanto gosto. Acho o contacto com a população e com a região maravilhoso.
Dei-me a conhecer como militante da UEC; surgiram discussões, mas o ambiente continuou o mesmo.
Dia 11 Passámos a manhã em casa porque estava de chuva. Apenas a (...) saiu de casa. É de notar a forma como se dedica e comunica com as pessoas. A nossa integração no meio não tem sido boa, apesar de não termos tido conflitos nem termos sentido entraves por parte das pessoas, porque passamos uma boa parte do tempo em casa. Somente à tarde saímos para fotografar um tear, moinhos e começar os inquéritos. Temos de começar a sair de casa e procurar contactar com as pessoas. Apesar de estarmos a ser bem recebidos sei que continuam desconfiados. Algumas pessoas dizem (disseram-nos) que trazíamos rádios para comunicar com a cidade e fazer queixas do que eles dizem. Hoje o (...)41 estava a dizer o resultado da votação na freguesia quando a mãe o mandou calar mostrando inquietação. Temos de ter muito cuidado com as conversas entre nós. A inactividade e o ambiente calmo da aldeia começa a agravar o estado de espírito de alguns de nós. O (...) já decidiu ir-se embora. Parte no domingo. A (...) já está farta disto que quer tentar sindicalizar-se para poder deixar isto.
Recebemos um telegrama do SCE que nos dizia para mandar arranjar o gravador. Telefonei para lá dizendo que não era possível pois o (...)42 ia-se embora. Responderam que nos iam comprar um e que nos iam enviar amanhã. Acabei um rolo de fotos e comecei outro. Pedem 900$00 por um tear.
Telefonei para casa (35$00) e ainda não tinha chegado a carta. Os contactos vão crescendo e já temos quem nos conte histórias.
Estive a conversar com um mestre de jogo de pau e pode ser que ele me ensine qualquer coisa. Vila Boa tinha um bom grupo de jogadores de pau. Hoje sobram 2.
Dia 12 Banho no rio Ave. O (...) telefonou-me e ficou de me mandar notícias.
Dia 13 DOMINGO — De manhã fomos à missa (forma de sermos aceites pela população). O padre durante a prática começou por falar para nós mas quando percebeu que não estava a ser compreendido pela população mudou a conversa. No fim referiu-se a nós dizendo que não tínhamos vindo fazer política mas sim aprender e trabalhar com o povo e que esperava que a população colaborasse. Depois da missa fomos falar com ele. Pareceu-me progressista. Deve ser PS, mas honesto.
De tarde vieram buscar a (...) (que disse voltar no sábado dia 19) e deixaram uma gatinha pequenina. Mais tarde vieram buscar o (...).
Dia 14 Mandei duas cartas: uma para casa em que pedia que telefonassem para o (...) a saber se tinha recebido notícias minhas, e outra para a UEC em que dizia mais ou menos o mesmo que na primeira. Juntamente foi um relatório semanal.
De manhã fui à Feira de Cabeceiras. É fantástico como esta gente (lavradores) tem uma vida tão pobre e quando chegam à vila compram contos de reis de ouro (5, 4000$00). Comprei dois jornais (o primeiro que li desde dia 8). Fomos à Câmara, onde nos fizeram uma grande festa, para dizer como estávamos e perguntar se já tinham chegado mais estudantes para os cívicos. De tarde fomos visitar a floresta (que paisagem maravilhosa se admirada do alto de um monte!). Ao chegarmos a casa encontrámos o padre e o irmão com quem conversámos durante bastante tempo (continuo a ter boa impressão dele).
A (...), se bem que um pouco convencida, paternalista e extraordinariamente burguesa, consegue ganhar as simpatias da população. Temos feitios e educações opostas o que cria certas incompatibilidades mas, até agora, parece-me podermos ultrapassá-las. Tem ideias extraordinariamente confusas e pouco esclarecidas sobre política, embora julgue estar muito certa e gosta pouco de discutir (…).
Dia 15 Visita guiada, juntamente com os lavradores de Cabeceiras à feira Agro 75. É triste ver como esta gente está fechada ao progresso. Dizem que gostariam de aumentar a produção, mas que a terra é pobre e não se pode explorá-la aqui desta forma.
Fui à sede do Partido em Braga e consegui contactar com o controleiro de Cabeceiras. Sei que já há um centro de trabalho em Cabeceiras com algumas dezenas de militantes. Fiquei de contactar com um dos camaradas de Cabeceiras e de ir a Fafe (falar) com o controleiro para combinar futuras formas de actuação nas aldeias. Possivelmente irmos fazer um comício no último domingo com projecção de filmes. Para quem não tinha contactos com a organização há uma semana foi muito bom. Comprei o Avante! e trouxe os últimos comunicados do Partido.
Chegou o gravador juntamente com um postal.”43
A sede em Lisboa preocupara-se em resolver-lhes rapidamente o problema. Tratava-se de uma deficiência de fabrico, tendo-lhes sido enviado um aparelho novo por via postal.44

84O diário prossegue, predominando considerações sobre acontecimentos políticos nacionais.

  • 45 Diário de um brigadista, 8 a 16 de Julho de 1975 (posse particular).

“Dia 16. Recebi a carta de parabéns do (...) e da (...). Passei a manhã a escrever e a ouvir os noticiários.
A situação política é extremamente grave, principalmente aqui no Norte (aqui em Cabeceiras o trabalho é quase na clandestinidade) onde se estão a concentrar todos os esforços da reacção. São reuniões, manifestações, assaltos a sedes, greves e as futuras manifestações do PS em Braga e no Porto. Vão ser verdadeiras manifestações de maioria silenciosa pois vão congregar toda a reacção até à mais nazi. Ao mesmo tempo em Lisboa decorreu uma manifestação unitária, e o Conselho da Revolução esteve a braços com o ultimato do PPD. A reacção internacional ataca em força com apoios à atitude do PS (saindo do governo) e bloqueio económico em perspectiva. O governo francês cortou o auxílio da CEE a Portugal.
A DORN do PCP emitiu um comunicado hoje alertando contra a reacção, comunicado esse muito bem feito. Também o Avante! emanou um editorial até certo ponto com perspectivas um pouco alarmantes mas bastante incisivas.
Hoje de tarde a organização regional do Norte do PCP está reunida para meditar a solução desta crise perante a qual eu me sinto impotente ao máximo e alheado. Ainda não recebi contacto da UEC, mas também sinto e sei que estou a fazer um trabalho político importante.
De tarde fizemos algumas gravações de contos e adivinhas em casa da Conceição. Depois fomos até à ‘presa’ do rio Ave onde tomei banho. É um grande esticão.”45

85De acordo com o previsto, a estada em Bucos termina em princípios de Agosto, altura em que a brigada segue para Abadim. Um balanço parcial, feito a partir da informação contida no diário, permite constatar uma série de questões comuns ao conhecimento de que já dispomos do quotidiano de outras equipas.

86Verifica-se, por motivos de força maior, a desistência de um dos camaradas, ao que os serviços centrais reagem, relembrando num bilhete-postal alguns trâmites legais a respeitar nestes casos:

  • 46 Bilhete postal enviado pela sede à equipa M-6, em 14 de Julho de 1975.

“Caros (...):
Embora tivéssemos comprado o gravador logo na 6.a feira, os correios já estavam fechados quando o quisemos enviar. Segue hoje para cima. Não se esqueça o (...) de que se quer desistir do Plano tem que nos enviar o seu cartão do SCE e uma carta a justificar a desistência.
Ainda bem que tudo tem corrido bem e esperamos que assim continue. As equipas M/1, M/2, M/3, M/4, M/9, B/3, A/1 e T/9 já deram notícias e encontram-se bem. Felicidades e mantenham-se em contacto connosco.”46

87O contacto, com vista à aceitação por parte dos habitantes da aldeia, caracteriza-se por desconfiança, nesta altura justificada por razões de ordem política. Os brigadistas, à procura da cultura popular, são tidos fundamentalmente por informadores de instâncias políticas suspeitas à população. Receia-se que a sua tarefa concreta seja apenas uma camuflagem. Os adolescentes ensaiam várias formas para tentar vencer essa resistência. Desde a ida à missa, ao ficarem em casa, isolando-se, mantendo correspondência com os familiares e amigos distantes. Dado o cariz assumidamente político na reacção cautelosa das pessoas, um dos brigadistas procura ultrapassar a situação, através de indivíduos do local ligados à sua organização política. É a busca de uma sintonia.

88Torna-se clara a diversidade de comportamentos dentro da equipa. Face a uma reacção de quase rejeição pressentida e manifestada pela aldeia, os jovens confrontam-se consigo próprios e conhecem-se melhor uns aos outros. Constatam como os seus camaradas adoptam modos diferentes para ultrapassar o impasse. Enquanto uns se refugiam na paisagem e na reflexão, outros conseguem estabelecer primeiras relações com os locais. A opção da fuga temporária surge igualmente; o afastamento de casa e dos amigos passa a ser insuportável. Outros compensam a situação refugiando-se na captação dos noticiários radiofónicos e na leitura da imprensa (política). Estabelecem e mantêm ligações ao quadro de referências que trazem. Conseguem, no entanto, furar o círculo instalado à sua volta. Surgem as primeiras oportunidades de gravar e avaliar as condições para a aquisição de objectos etnográficos. Pelo menos no autor do diário é nítida a responsabilidade sentida de estar envolvido no cumprimento de uma missão cujo cabal desempenho os ultrapassa.

89O mês de Agosto passa-se em Abadim. A três, a ausência do local de acção manifesta-se de tal forma que chama a atenção de alguém, para eles desconhecido. A sede resolve intervir em favor de maior disciplina.

  • 47 Carta da sede à equipa M-6, datada de 23 de Agosto de 1975.

“Equipa M/6
(...) e (...)
Abadim
Braga
Camaradas,
Soubemos através de um elemento ligado à Comissão Nacional que o (...) estava ausente da localidade de trabalho há mais de cinco dias e que a (...) fazia frequentes e longas permanências fora desta localidade.
Proibimos, portanto, formalmente, estas saídas e se se vierem a averiguar novas transgressões a Comissão Nacional terá que os expulsar do Plano pelo que além de perderem as regalias do SCE terão que reembolsar todas as despesas. Acreditamos, no entanto, que tomarão consciência da gravidade da situação e aguardamos notícias informativas. ass.)”47

90Os destinatários sentem-se injustamente visados. Indignados, não demoram a responder para Lisboa.

  • 48 Carta de uma brigadista da M-6 aos serviços centrais, escrita de Abadim, em 29 de Agosto de 1975.

“Abadim, 29-8-75
Camaradas:
em resposta à vossa carta de 23 tento dar-vos as ‘notícias informativas’ que requerem. Não sei se com ‘notícias informativas’ pretendeis uma justificação razoável da nossa falta inconcebível de abandono do local de trabalho.
Após o excelente telefonema e as avisadas recomendações por vós ministradas, vejam lá, cúmulo dos cúmulos, os recrutas, desassombradamente, desobedecem às ordens. E por razões mais que conhecidas por vós, têm de vez em quando de ir a casa para, por exemplo: buscar dinheiro, roupas, consultar médicos, ou tratar de qualquer papel importante e ainda (nomeio-a no fim por ser a menos razoável) ver a família ou os amigos.
Inédito como semelhantes tresloucados, que são quase incapazes de apreciar a gravidade da situação, conseguem fazer um trabalho mais que razoável sem que as suas saídas do local de trabalho possam interferir com a razão porque ali se encontram.
Realmente, deve ser muito mais fácil apreciar a gravidade da situação desse cantinho lisboeta e fazer então ameaças incoerentes, não vendo que com isso favorecem totalmente todo um jogo de caciques que pretendem a inutilidade do serviço cívico (em geral mas particularmente aqui) e não tendo coragem, por já ser impossível de manipular a população contra nós, servem-se de qualquer meio, neste caso do próprio serviço cívico, para acabar com esta brigada, que pelos vistos já lhes está a aquecer os calcanhares.
Não querendo, no entanto, fazer falsas acusações, mas como me parece quase impossível que tenham qualquer espécie de sistema de vigia (por me parecer demasiado repressivo) e atendendo à precisão das informações — a não ser nas minhas ‘frequentes e longas permanências’ o que é falso — tudo me leva a crer que as informações vos foram dadas da própria aldeia. Por razões várias e mais ainda por conversas anteriores as minhas desconfianças recaem sobre um cacique da zona, mais que reaccionário e ainda mais que respeitado.
Não quero pôr qualquer espécie de dúvida na boa intenção das vossas ameaças, mas se for como eu preconizo podem ser extremamente perigosas, por favorecerem esta espécie de jogo.
Assim peço-vos o favor de levar a investigação até ao fim e verem de onde parte a informação. Garanto-vos que ficarei mais descansada, se por acaso existir qualquer espécie de aparelho de vigia, por vós montado, e a informação tiver partido de aí. Espero que a vossa resposta seja dada o mais rapidamente possível visto que dia 1 mudamos de aldeia.
P.S.: Na vossa próxima carta espero já saber o nome do informante. Saudações revolucionárias, ass.)48.

91Por esses dias, a outra brigadista envolveu-se numa situação diferente. Quis intervir em favor de um caso de auxílio social.

  • 49 Trata-se provavelmente da brigada de cantoneiros.
  • 50 Carta de uma brigadista da M-6 aos serviços centrais, escrita em Abadim, em 3 de Setembro de 1975.

“3-9-75
Conheci em Abadim duas miúdas com 14 e 8 anos que lá são conhecidas por surdo-mudas, que não frequentam a escola primária porque ‘não são como as outras crianças’, e que pertencem a uma família de sete filhos, em que a mãe ainda é nova, o que implica no futuro um aumento familiar, e o pai trabalha na Brigada.49São pobres, e não têm posses materiais para mandarem as duas filhas para uma escola própria.
Acontece que elas são de uma inteligência extremamente viva, e é pena que ninguém as possa ajudar. A mais velha ouve quase nada e não fala. A mais nova ouve um pouco e fala articulando mal as consoantes palatais (o seu céu da boca é muito fundo, o que dificulta a fala. Com uma operação plástica penso que se resolveria este problema de boca).
Peço ao Michel para tomar conta deste caso, e que faço os possíveis para internar estas crianças, tão inteligentes que o são, numa escola especializada em recuperação física (fala) e audição.
A miúda mais velha chama-se: (...) e tem 14 anos
A mais nova chama-se: (...) e tem 8 anos
O pai chama-se: (...)
A morada deles é:
Abadim — Cabeceiras de Basto
O mais velho dos irmãos tem 17 anos e a mais nova 3 anos. Nesta aldeia reparei no número bastante extenso de irmãos e irmãs. O planeamento familiar deveria ser dado por pessoas competentes nesta aldeia e noutras idênticas.
Se o Michel não poder fazer nada por este caso, que o entregue à Direcção Geral de Saúde, ou a qualquer departamento do estado onde o possam acolher, e dar-lhe uma saída útil.
Contudo, gostava duma resposta.
Será possível ajudar a(...)e a(...)?
ass.)
Um membro da Equipa M-6 S. Cívico
P.S.: Peço uma apreciação crítica dos utensílios de trabalho enviados.”50

92Embora a sede respondesse à solicitação, provavelmente este empenho pessoal não conduziu à solução do caso. Ficou o confronto com uma realidade.

  • 51 Bilhete postal da sede à equipa M-6, datado de 12 de Setembro de 1975.

“Camaradas,
Recebemos a vossa carta de 3/9, falando-nos sobre as duas crianças surda-mudas de Abadim. Como sabem, o Michel está em visita às equipas, sendo por isso difícil contactar com ele. Este caso ser-lhe-á, portanto, apresentado no seu regresso, ou seja, mais ou menos dentro de uma semana. Poderão, no entanto, referir-se a este problema quando ele estiver convosco, o que acontecerá num período de poucos dias. (...)
Saudações revolucionárias!”51

93Se em Bucos o levantamento etnográfico parece ter sido desde o início condicionado pelo primeiro contacto e pela adaptação ao terreno, assim como pela inoperacionalidade inicial do gravador, encontramos, na correspondência dos brigadistas enviada de Abadim, preocupações concretas sobre o modo de efectuar as recolhas. Não só pedem observações críticas sobre materiais adquiridos, como solicitam orientações para as transcrições. Nas respostas, os serviços remetem sempre para Michel Giacometti, entretanto ausente de Lisboa para supervisionar brigadas no terreno. Mas sublinham alguns dos aspectos considerados importantes para o PTC.

  • 52 Carta da sede à equipa M-6, datada de 13 de Agosto de 1975.

“Agora queremos responder às perguntas:
Pensamos que de qualquer modo haveria interesse em proceder à recolha de instrumentos do trabalho nas 3 freguesias, mesmo que estes se repitam.
Interessa recolher todos os instrumentos de trabalho mesmo os mais banais.
No caso de adquirirem instrumentos de grande volume informem-se da melhor maneira de os enviar (comboio).
O Michel está à espera de receber material audiovisual para iniciar a sua visita às equipas, a qual está prevista para o princípio da próxima semana.
(...)
Esperamos uma boa continuação do vosso trabalho.
Saudações revolucionárias.”52

94Em Setembro deveriam transferir-se para Rio Douro, mas a situação local parece ter-lhes sido adversa. Num relatório enviado para Lisboa, o responsável pela brigada explica as razões, que implicariam a anulação do alojamento prometido:

  • 53 Carta da Equipa M-6, sem data, [Setembro], dirigida ao Plano Trabalho e Cultura. Assina em nome da (...)

“Na referida aldeia foram feitas, no ano passado, as campanhas de alfabetização, que foram um falhanço, devido ao anticomunismo exacerbado nos aldeões e às campanhas do padre no sentido de identificá-los com comunistas à mistura com mentiras e deturpações que vocês com certeza conhecem. (...)
Assim, como nos foi sugerido pela (...) (que nos atendeu quando telefonámos), não abandonámos o ‘local de trabalho’ e [continuámos], na medida do possível, a fazer um trabalho minimamente parecido com aquele que temos vindo a desenvolver.
No entanto, visto as pessoas que irão ser abordadas não nos conhecerem e terem medo de prestar declarações, ainda por cima sendo gravadas, principalmente se lhes pedirmos o nome (pensam que os viemos espiar, e que os vamos denunciar aos comunistas) e visto não estarmos fixos numa aldeia, o que faz que não tenhamos um plano pré-estabelecido, baseado nas perspectivas de trabalho, que se nos deparariam com a integração efectiva na aldeia, pomos em dúvida o êxito do nosso trabalho. No entanto vamos fazer o possível para que a nossa estadia não seja totalmente em vão, ou simplesmente para nos mantermos nos postos de trabalho. Achamos que o país não está em condições de gastar dinheiro em férias de estudantes (que por sinal para nós nem estão a ser ‘férias’ nenhumas, apesar de estarmos ultimamente vários dias sem fazer nada).”53

95A última frase equivale a um desabafo e talvez a um certo cansaço dos membros da equipa, perante um acumular de experiências, que já durava há dois meses. A carta, atrás referida e citada, da rapariga buscando apoio institucional para um caso de carência social, atesta até que ponto o envolvimento individual em destinos alheios pode ter conduzido a alguma preocupação na disposição dos brigadistas.

96À distância depreende-se que a M-6 — e outras equipas — se sentiram injustamente avaliadas quando a sede lhes escrevia, insistindo na intensificação da busca de materiais. São elucidativas duas passagens com datas diferentes. Em meados de Agosto era-lhes cuidadosamente comunicado:

  • 54 Carta do PTC à Equipa M-6, Lisboa, 13 Agosto 1975. Cedida aos autores por um dos membros da Equipa.

“Camaradas,
Acabamos de receber a vossa carta de 10 de Agosto.
Lemos com interesse o balanço da vossa recolha e, à primeira vista, parece-nos positivo embora consideremos que terão que recolher muito mais instrumentos de trabalho. (...)”54

97Passadas quatro semanas é feita maior insistência num bilhete-postal:

  • 55 Bilhete postal do PTC à Equipa M-6, enviado de Lisboa em 12 de Setembro 1975. Cedida a aos autores (...)

“Ainda recebemos muito poucos objectos e só o Michel poderá fazer a apreciação crítica por vós pedida”55.

98A sede exigia mais, e os brigadistas queriam cumprir a tarefa. Mas deparavam com dificuldades várias que, no caso da última localidade, não havia sido possível ultrapassar. Na população pairava o fantasma das campanhas de alfabetização do ano anterior. Restou-lhes alojar-se numa pensão em Cabeceiras de Basto, de onde se deslocavam às aldeias.

99Procedendo ao cômputo das recolhas, não se poderá afirmar que a M-6 figura mal, quando comparada com as outras equipas. Além disso, não se detecta a forma como conseguiram remeter a sua recolha para Lisboa. O desvio à última fase do programa trouxe-lhes como contrapartida outras vivências. Atesta-o um relato circunstanciado, redigido para fins pessoais. Trata-se de um documento interessante, porque, e ao contrário do diário inicialmente apresentado, se reporta aos dias finais da campanha por paisagens minhotas.

  • 56 Trata-se de uma colega da equipa.
  • 57 Canção de luta do movimento operário internacional, composta por A. de Geyter (1871). A versão orig (...)
  • 58 Carta escrita em Setembro de 1975 por uma brigadista a um seu camarada já ausente. Espólio particul (...)

“PARA LER COM ATENÇÃO
nada melhor que um caderno para escrever uma carta que se se utilizassem os meios normais ocuparia diversas folhas.
Posto isto comecemos, para já, por descrever o que se passou nos últimos dias.
6.a feira dia 19
Foste-te embora de manhã e combinei com o (...) ir a Chacim.
Estava a preparar as cassetes quando chegou o Giacometti, que nos ocupou (a mim e ao (...) a tarde inteira, até às 6 horas.
Falámos de diversas coisas que não interessa agora estar a repetir. Perguntei-lhe se era necessário transcrever os depoimentos, disse-me que não, daí não estarem transcritos.
A ida a Chacim ficou sem efeito.
Sábado dia 20
De manhã fomos ter com o regente que tinha prometido na véspera levar-nos a Torrinha nesse dia. O regente pediu desculpa e afirmou ter assuntos de capital importância a tratar. Sem efeito a ida a Torrinha.
De tarde fomos a Eiró buscar a cassete nº 6, que lá estava embora um bocado embebida em vinho morangueiro, o que lhe valeu ficar sem referência, e lá ficámos a tarde inteira a conversar com o gajo.
À noite como era dia de feira e por outras razões que desconheço houve embriagados aqui pelo sítio, e como consequência uma cantiga ao desafio que gravei atendendo à recomendação do Giacometti, que me pareceu bastante interessado nelas.
Domingo dia 21
Tal como tinha prometido não fiz anda.
Segunda dia 22
Agora começa a parte chata pois vou encher-te os olhos de números e contas e etc.
Recebeste no sábado 2 cartas que remeti, hoje, segunda feira. Para além disso despachei dentro da mochila:
os dossiers
2 cassetes
as cadernetas *
e a papelada restante.
* nas cadernetas terás que preencher o papel das peúgas e do meu tapete que de boa vontade cedi ao serviço cívico.
Falei com o (...) que me pagou os 3 dias que estivemos fora. Assim começo com as contas
(...)
a ti devia-te:
8$50 SG Filtro
8$50 SG Ventil
8$50 SG Ventil
12$50 Pasta de dentes
22$50 Base
65$50 Camionete, tabaco, etc.
126$00
Dos 126$00 que te devia tirei: (...)
Esta 2.a feira foi memorável e portanto vou descrever-ta em pormenor.
Após uma tarde agitada, passada a despachar merdas e a fazer embrulhos fui jantar com a (...)56 e apareceu o (...).
É evidente que ela ficou quase histérica, mas disfarçou. Mal, mas disfarçou.
Decidi ir ao clube, aliás já tinha decidido à tarde. E perguntei à (...) se queria vir. Perguntou-me se haveria lá alguém com quem jogar. Que é o mesmo que perguntar se o (...) ia.
Bem o certo é que jogamos monopólio, ping-pong, monopólio outra vez até só restarmos 5 na sala; ou seja:
Prof. (…), (…), (…), um gajo qualquer que não conheço e eu.
Metemo-nos no carro do prof. e fomos ao snack-tasca cabeceirense ouvir fados e comer caldo verde e beber tintol.
O certo é que apanhei uma destas que resolvi ficar bem-disposta em extremo. Não fiz asneiras (nem sei como tal) mas eu e o (...) resolvemos cantar o hino da Intersindical, seguida da Internacional57 no meio daquela maralha toda.
O que vale é que estava uma barulheira infernal e abafou.
Metemo-nos novamente no carro do prof. o que nos valeu um passeio à (...), enquanto o (...) só dizia que se queria ir deitar. Isto eram 2 da manhã.
Ninguém lhe ligava nenhum e fomos levar o (...) ao barracão. Enquanto a poder de pontapé na porta e de cantoria acordámos os outros gajos todos.
Agora começa a parte boa.
Entrámos lá dentro, ainda bebemos umas coisas e eu quis um cigarro, mas precisava de fósforos e o prof. pegou nuns que estavam em cima da mesa.
Enquanto o (...) gritava: ‘Esses não, esses não’, eu aumentava a minha curiosidade sobre a caixinha de fósforos, o prof. espreitava devagarinho e ria-se.
Perdi o interesse pela caixa e nunca mais liguei nenhum.
Sei que bati no (...) (à canelada) e ele torceu-me o braço.
Até que me chateei e quis ir embora porque estava cheia de sono.
O prof. deixou o outro rapazito em casa foi levar o irmão e ficou só comigo.
E o diálogo foi neste género:
— Eu trouxe um fósforo da caixa do (...).
Aí comecei a notar qualquer coisa de estranho no ambiente.
— Queres ver?
Acedi e apalpei o plástico mole de uma camisa-de-vénus.
Tomei a dar-lha e sorri cinicamente dizendo:
— Muito interessante.
Não percebo o que houve de errado da minha parte, mas acho que no Porto ou em qualquer outro sítio isto bastaria para desencorajar, ou pelo menos dar-lhe a entender que estava a ser parvo.
Chegámos à curva da estrada e eu virei para a pensão (era eu que ia a guiar). E o gajo pergunta:
— É mesmo para aí?
Digo-lhe que sim e estupidamente começo a ter medo.
Tinha os nervos meio adormecidos, o que me impedia de raciocinar e de lhe chamar de caras imbecis.
Parou um bocado mais à frente o que lhe valeu um berro e saí.
Toquei à campainha, e ele disse-me:
— Então, queria utilizar isto.
Olhei para ele e acho que lhe disse que isso era com ele e não tinha nada a ver com o assunto.
E o meu medo aumentava.
Premi novamente a campainha e o homem da pensão veio abrir.
Acho que o prof. tornou a dizer qualquer coisa.
E eu disse-lhe para se portar como gente crescida.
Conclusão: sem comentários.
Cabeceiras é isto, e nada mais.
Fui a Vila Boa de tarde e o prof. foi lá ter, trouxe-me para baixo.
Era a oportunidade que eu precisava.
Chamei-lhe infantil, idiota, imbecil, mas de uma maneira tal que consegui que o gajo compreendesse que tinha mesmo sido infantil, idiota e imbecil.
Acho que é recuperável.”58

100Em Cabeceiras de Basto, uma rapariga da grande cidade provou vinho local e a vida, enquanto oferecia umas "peúgas" e um "tapete" ao Serviço Cívico Estudantil, recomendando ao seu camarada que preencha os talões desta doação para um futuro museu. Não se concretizaria a compra de um tear pela M-6, embora pareça ter havido intenção de o fazer em Bucos.

Rapazes & crianças (M-7)

Raio de acção

101A equipa M-7 foi incumbida de cobrir uma área da margem direita do rio Douro, apanhando as faldas da serra do Marão. Foi previsto o trabalho em Lufrei, Vila Chão do Marão e Canadelo, no concelho de Amarante; os resultados da recolha revelam ainda pesquisas nas povoações de Frariz, Gatão e Costa Grande, neste mesmo município.

Composição (4 participantes)

102Trata-se da única equipa exclusivamente masculina.

103Eram todos do Porto, salvo o Afonso que era lisboeta e foi o responsável. Nas preferências universitárias, verifica-se que os nortenhos queriam todos Engenharia, enquanto o jovem da capital queria Economia. Dois declaram saber de fotografia, outro ter "conhecimentos elementares" de piano e solfejo.

Fragmentos recuperados

104Da actividade desenvolvida ressalta o conjunto de instrumentos musicais adquirido por compra (reque-reque, cavaquinho, viola amarantina, ferrinhos). Na nota das despesas, que o responsável da equipa elaborou, nota-se o cuidado em fazer envios separados destes objectos frágeis.

  • 59 Pasta PTC Contabilidade Equipas, M-7.

105O restante material recolhido foi sendo expedido por comboio para Lisboa em três remessas ao longo de Agosto e no início de Setembro. Dos talões de registo postal deduz-se uma frequência considerável no encaminhamento de cassetes, transcrições e, provavelmente, inquéritos para Lisboa.59

106Do conjunto da cultura material recolhida refira-se a armadilha para toupeiras, pois trata-se duma categoria funcional de objectos pouco representada nas recolhas. Uma peça — o entrudo — é única no PTC.

  • 60 Informação de Giacometti prestada aos autores (1990).

107De acordo com Michel Giacometti, esta brigada caracterizava-se por agrupar rapazes mexidos e divertidos, politicamente radicais, e que andavam de carro de aldeia em aldeia.60 E percorreram muitos locais: basta atendermos às povoações onde houve recolhas. Adquiriram a maioria das coisas por compra feita a adolescentes e crianças, conforme se verifica nos recibos.

Observação: nada a assinalar (M-8)

Raio de acção

108Miomães, S. Romão de Aregos e Cárquere, no concelho de Resende, distrito de Viseu constituíram as áreas de trabalho atribuídas à equipa M-8.

Composição (4 participantes)

109Dois rapazes e duas raparigas formam uma equipa cuja coordenação é originalmente confiada à rapariga mais nova, a Zaida.

110Três deles residiam na área de Lisboa mas havia também uma rapariga do Litoral Norte.

111As opções universitárias equilibravam-se entre os ramos técnicos e as Ciências Sociais e as Humanidades. Em matéria de conhecimentos extra-escolares, dois deles possuíam experiência de registo de som e de representação teatral.

Fragmentos recuperados

112O facto de a contabilidade da Equipa mencionar frequentes deslocações de camionete, pode ser um indício de que estes jovens se instalaram num local, cobrindo outros em estadias diárias.

113As remessas por via-férrea do material recolhido foram distribuídas regularmente ao longo da campanha, o que reforça a hipótese anteriormente formulada.

  • 61 Não foi possível encontrar referências na contabilidade da sede relativas às remessas da M-8, salvo (...)
  • 62 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 465.

114Da estação de Aregos enviam em 29 de Julho "1 pacote: croça, polainas, flauta, mangual, roca". Com a mesma procedência remetem em 31 do mesmo mês "1 pacote com molhelhas, jugo, bouças, trouxa, tamoeiro e 1 cesto madeira vazio usado". Nesta mesma data, despacham para Lisboa "1 arado madeira usado".61 Em finais de Agosto mandam de São Romão (Douro) mais duas remessas; uma contendo "crivo, charrua, enxada, panela, cesta, fuso, pá, podoa", outra incluía "2 engaços, 1 enxada, 1 gancho, 1 foice".62

115Em termos de envolvimento financeiro, a maior soma despendida pela M-8 na compra de material foram os 1000 escudos para o conjunto de apetrechos para atrelagem de bois. Para tal necessitaram provavelmente da aprovação prévia de Michel Giacometti.

116Registe-se ainda a oferta de uma flauta de cana.

  • 63 Pasta PTC Contabilidade Equipas (M-8).

117Os fragmentos actualmente recuperados sobre a actuação desta brigada são escassos. Da documentação deduz-se ainda que em 2 de Agosto se encontraram com a M-7.63

118A M-8 quase se apaga pelo silêncio que transmite...

Operação abortada (M-9)

Raio de acção

119A região prevista para a actuação desta equipa era constituída pelas localidades de Covelo de Paivó, Rio de Frades e Cabreiros, no concelho de Arouca. Neste último município, na povoação de Albergaria das Cabras, actuaria a equipa B-4.

Composição (4 participantes)

120Dois rapazes e duas raparigas compunham esta equipa cuja responsabilidade coube ao Amílcar.

121Este, que já tinha tido experiências profissionais, residia em Coimbra e os outros vinham de Santarém, Évora e Porto.

122Medicina, Direito, Agronomia e Engenharia são os cursos aos quais aspiram os membros do grupo. Os conhecimentos revelados abrangem registo de som, execução de instrumentos musicais e fotografia.

Fragmentos recuperados

123A brigada entregou-se a bater o terreno, começando por Regoufe e Cabreiros. A integração, pensam alguns deles hoje, foi-lhes facilitada pelo apoio recebido do padre e talvez também por o tio de um deles ter coligido na década de cinquenta o Cancioneiro de Arouca (Pereira, Virgílio 1959, 1990). Muitas pessoas lembravam-se do erudito local.

124Apesar desta referência a um antepassado, a rapaziada não dispunha de condições. Pernoitavam nas minas de volfrâmio, dormindo no chão. O espaço de habitação era disputado aos percevejos. Conseguiam sustento trabalhando todo o dia no campo, para que as pessoas lhes dessem alimentação. Levadas pelo desespero, as raparigas choravam à noite.

  • 64 Um dos brigadistas deslocou-se a Lisboa para esclarecer junto da sede o diferendo. Nessa ocasião, f (...)

125Não resultariam as tentativas de contacto com o delegado distrital do SCE. Antes pelo contrário, o militar incumbido destas funções, instalado na cidade de Aveiro, não se interessou pelos brigadistas, abandonando-os à própria sorte. À beira de um ataque de nervos, trocaram mensagens em tom ríspido com a sede do PTC. Agudizada a situação, os serviços centrais ameaçaram-nos.64

126O quadro logístico da brigada não se alterava e o moral permanecia próximo da rotura. As "meninas" choravam, os rapazes mantinham as aparências, para o que a maior experiência de vida do chefe muito deve ter contribuído.

  • 65 Informações orais prestadas aos autores por três dos brigadistas visados, durante o encontro de Set (...)

127O colapso verificou-se quando os pais de uma das brigadistas foram visitar a filha. Encontrando-a em tão más condições, resolveram evacuá-la daquela área.65 Os outros tomaram então a decisão. Comunicam a Lisboa:

  • 66 Carta da equipa M-9, datada de 28 de Julho de 1975, dirigida aos serviços centrais. Foi seleccionad (...)

“O grupo M-9, depois de ter tentado entrar em contacto com Lisboa pelo telefone, o que não aconteceu, pois não se dignaram a telefonar para o 026-44425 como tinha sido indicado, informa que por motivos vários, entre eles a retirada das meninas pelos pais, por falta de condições e ainda por razões ideológicas, decidiu terminar no próximo dia 31 de Julho o trabalho. Comunica que por motivos não reaccionários se vai iniciar aqui um movimento de recolha de assinaturas para manifestarem o desagrado pela maneira como o dinheiro do povo anda a ser gasto. Pois as pessoas não conseguem compreender que nós estejamos a recolher canções enquanto não existe aqui nenhuma estrada decente precisamente porque não há dinheiro para a fazer. Conclui-se que o serviço cívico nada contribui para o avanço do processo revolucionário, mas sim para o descontentamento e descrédito das massas populares.
Todo o material seguirá pelo correio.
Equipe M-9”66

128Determinados na decisão tomada, supostamente escudados no apoio popular, firmes na avaliação do seu papel, voltam passados dois dias a carregar por via postal sobre a capital:

  • 67 Carta datada de 30 de Julho dirigida à sede do PTC em Lisboa.

“Ex. mos Srs:
como já vos foi comunicado, a Equipa M-9, depois de constatar as necessidades locais (Regoufe e Cabreiros — concelho de Arouca), resolveu não continuar o trabalho a ela destinado.
Onde há falta de tudo (desde assistência médica, transportes, esgotos, acessos e dezenas de outras necessidades vitais), recusamo-nos, com o apoio da população, a continuar com o trabalho ‘fantoche’ que por nós estava a ser realizado.
O material recolhido e o não utilizado segue para Lisboa pela C. P. Segue também, neste envelope, o talão para a encomenda ser levantada.
Outros objectos de uso local (gentilmente cedidos pela população local, com o seu inerente prejuízo) estão na Câmara Municipal de Arouca, à espera de serem reclamados por vós.
Sem mais e muito atenciosamente,
A Equipe M-9”67

129Note-se o formalismo do tratamento: “Ex. mos Senhores” e ”sem mais e muito atenciosamente”. Porém, os jovens colectores de cultura popular, ao denunciarem a dureza das realidades locais e ao contestarem as características e condições do seu trabalho, não deram por findas as experiências em operações deste tipo. Não desistiram da missão em si — o PTC.

130Todos estes brigadistas vieram a ser integrados nas equipas A-1, A-2 e T-10.

131A curta vida da M-9 não podia produzir resultados de grande envergadura. Mas o levantamento não foi nulo: foram-lhes oferecidas quatro peças.

Notes

1 Carta de 10 de Julho de 1975 à sede do PTC, escrita em Ponte da Barca. Assinam todos os membros da Equipa M-1.

2 Entrevista com M-1, Vila Chã, 16/09/1975, bobine 6:1-35.

3 Carta da Equipa M-1, em Germil, datada de 11 de Agosto, dirigida a M. Giacometti. Assinada pelos quatro membros da Equipa.

4 Livro de Contas do PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 443.

5 Carta da Equipa M-1, escrita em Vila Chã, datada de 12 de Setembro e dirigida à sede do PTC. Não tem assinatura.

6 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 509, 510, 511.

7 Entrevista com M-1, Vila Chã, 16/09/1975, bobine 6: 312-318, 262-305.

8 Livro de Contas PTC, Despesas, Outubro 1975, ref. 516.

9 Entrevista com M-2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 71-75, 88-95, 100-106, 110-114, 39-43.

10 Testemunho de um ex-participante recolhido pelos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

11 Comércio do Porto, 29/7/1975: 5.

12 Comércio do Porto, 30/08/1975: 6.

13 Testemunho de um ex-participante recolhido pelos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

14 Informação oral prestada aos autores por um ex-participante no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

15 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 509, 510, 511. Nestas folhas de deslocações figuram as localidades de Soajo e Gavieira. Trata-se certamente de um lapso, porque como foi referido esta última localidade seria substituída pela da Peneda.

16 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 480.

17 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 477. A palha de centeio será provavelmente uma croça.

18 Entrevista com M-2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 20-35, 178-198.

19 Entrevista com M-3, Ponte da Barca, 16/09/1975, bobine 6: 554-558.

20 Carta da equipa M-3, escrita no Couto a 21/7/75 e dirigida aos serviços centrais.

21 Entrevista com M-3, Ponte da Barca, 16/09/1975, bobine 6: 392-400, 386-391. COPCON - Comando OPeracional do CONtinente, uma estrutura político-militar extinta em finais de 1975.

22 Entrevista com M-3, Ponte da Barca, 16/09/1975, bobine 6: 504-510.

23 Pasta PTC Contabilidade, ref. 509, 510, 511.

24 Entrevista com M-3, Ponte da Barca, 16/09/1975, bobine 6: 424-450.

25 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 376.

26 Pasta Contabilidade Equipas: no dossier M-3 encontram-se 3 talões de expedição, datados de 19 de Agosto, sem indicação de conteúdo. Também não foram encontrados recibos de oferta ou compra de peças.

27 Pasta PTC Contabilidade Equipas, M-4, onde figura a respectiva guia de marcha.

28 Entrevista com M-4, Vila Chã, 16/09/1975, bobine 6: 79-132, 36-60.

29 Entrevista com M1 e M4, Vila Chã, 16/09/1975, bobine 6: 305-325.

30 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 406.

31 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 447, 512.

32 Informação oral prestada aos autores (1991).

33 "Relatório do trabalho em Calvos da M-5", enviado à sede do PTC, sem data. Está assinado "A Equipa M-5".

34 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 409.

35 "Relatório do trabalho em Calvos da M-5", enviado à sede do PTC, sem data. Está assinado "A Equipa M-5".

36 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 466. O arado da carta de porte refere-se certamente ao leirador.

37 "Relatório do trabalho em Soutelo", Equipa M-5, enviado à sede do PTC, sem data. Está assinado "A Equipa M-5".

38 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 487.

39 "Relatório do trabalho em Soutelo", Equipa M-5, enviado à sede do PTC, sem data. Está assinado "A Equipa M-5".

40 Pasta de Contabilidade; Diário de um brigadista; 8 a 16 de Julho (posse particular), Bilhete-postal do SCE de 14 de Julho de 1975.

41 Referência a uma criança residente no local.

42 Trata-se do camarada que pretende desistir.

43 Diário de um brigadista, 8 a 16 de Julho de 1975 (posse particular).

44 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 305 (aquisição gravador Hitachi). A respectiva expedição postal figura no Livro de Contas PTC, Despesas, Julho de 1975, ref. 306. Note-se que nos casos em que se verificou defeito de fabrico, a sede, ao adquirir outros aparelhos, opta por outra marca. Isto provavelmente prende-se com as dificuldades então existentes no mercado nacional em dispor de quantidades apreciáveis de equipamentos deste tipo, dadas as barreiras postas à importação.

45 Diário de um brigadista, 8 a 16 de Julho de 1975 (posse particular).

46 Bilhete postal enviado pela sede à equipa M-6, em 14 de Julho de 1975.

47 Carta da sede à equipa M-6, datada de 23 de Agosto de 1975.

48 Carta de uma brigadista da M-6 aos serviços centrais, escrita de Abadim, em 29 de Agosto de 1975.

49 Trata-se provavelmente da brigada de cantoneiros.

50 Carta de uma brigadista da M-6 aos serviços centrais, escrita em Abadim, em 3 de Setembro de 1975.

51 Bilhete postal da sede à equipa M-6, datado de 12 de Setembro de 1975.

52 Carta da sede à equipa M-6, datada de 13 de Agosto de 1975.

53 Carta da Equipa M-6, sem data, [Setembro], dirigida ao Plano Trabalho e Cultura. Assina em nome da Equipa um dos seus membros.

54 Carta do PTC à Equipa M-6, Lisboa, 13 Agosto 1975. Cedida aos autores por um dos membros da Equipa.

55 Bilhete postal do PTC à Equipa M-6, enviado de Lisboa em 12 de Setembro 1975. Cedida a aos autores por um dos membros da Equipa.

56 Trata-se de uma colega da equipa.

57 Canção de luta do movimento operário internacional, composta por A. de Geyter (1871). A versão original tem letra de E. Pottier.

58 Carta escrita em Setembro de 1975 por uma brigadista a um seu camarada já ausente. Espólio particular.

59 Pasta PTC Contabilidade Equipas, M-7.

60 Informação de Giacometti prestada aos autores (1990).

61 Não foi possível encontrar referências na contabilidade da sede relativas às remessas da M-8, salvo neste último caso; ver. Livro de Contas PTC, Despesas Julho 1975, ref. 349. Os restantes elementos foram extraídos das facturas anexas à Pasta PTC Contabilidade Equipas (M-8). Trata-se dos comprovativos das despesas feitas, apresentados à sede no termo da permanência no terreno.

62 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 465.

63 Pasta PTC Contabilidade Equipas (M-8).

64 Um dos brigadistas deslocou-se a Lisboa para esclarecer junto da sede o diferendo. Nessa ocasião, ficou convencido de que a carta de ameaça não terá sido escrita por Michel Giacometti. Esta ocorrência foi narrada aos autores pelo próprio brigadista, no Encontro de Setúbal (17/2/1991). Condiz de certo modo com esta suposição o facto de Giacometti ter seleccionado e conservado duas cartas desta equipa.

65 Informações orais prestadas aos autores por três dos brigadistas visados, durante o encontro de Setúbal (17/2/1991).

66 Carta da equipa M-9, datada de 28 de Julho de 1975, dirigida aos serviços centrais. Foi seleccionada por Giacometti.

67 Carta datada de 30 de Julho dirigida à sede do PTC em Lisboa.

© Etnográfica Press, 1993

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search