Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte 2. A Grande Operação

Capítulo 6 – Pelo interior adentro

Jorge Freitas Branco et Luísa Tiago de Oliveira

Texte intégral

Povo e política (B-1)

Raio de acção

1Tal como previsto, a equipa B-1 instalou-se em Vascoveiro, Manigoto e Lamegal, localidades do concelho de Pinhel.

Composição (4+1 participantes)

2Três rapazes e uma rapariga, a Zeferina, que era a responsável.

3Residiam todos na zona de Lisboa e as opções universitárias são Direito, Economia e Engenharia. Todos sabem fazer registo de som e um dedica-se à execução de vários instrumentos musicais (piano, viola, acordeão).

4Em Agosto, recebem mais um colega, transferido da T-6 (Chaves) por razões relacionadas com as tensões políticas desse Verão.

Fragmentos recuperados

5Havia membros desta brigada que já se conheciam antes de se constituírem como B-1. Este facto não ocorreu em inúmeras equipas do PTC. Neste caso, pode-se falar de um grupo em que alguns jovens tinham afinidades prévias, nomeadamente no que toca às posições de defesa pública do SCE no movimento estudantil.

6A situação político-militar conturbada então vivida terá tido forte influência na vida desta brigada. A responsável era uma conhecida dirigente estudantil, tarefa que a levou a permanências prolongadas em Lisboa.

7As recordações da responsável centram-se sobretudo nos problemas políticos locais e nacionais então vividos ou acompanhados. Em relação às localidades onde estiveram referem a atitude anticomunista predominante, mais enraizada nos emigrantes contactados.

8Apesar deste ambiente desfavorável, não desistiram, nem foram compelidos pela população a abandonar a tarefa de que tinham sido encarregados.

  • 1 Exército de Libertação Português. Organização clandestina liderada por militares, surgida após o 25 (...)
  • 2 O jovem em causa era filho de uma das mais destacadas figuras na hierarquia do Estado. Os parágrafo (...)

9O trabalho de recolha de cultura popular foi, por isso, frequentemente alternado com outras actividades reveladoras do clima político vivido no plano nacional. Dada a proximidade da fronteira, pela noite, um dos jovens terá, por várias vezes, colaborado em acções de "vigilância revolucionária" contra o ELP.1 O contexto explica ainda a transferência do quinto elemento vindo da T-6: razões de ordem política levaram os responsáveis em Lisboa a deslocar um rapaz mais para sul, tendo em conta questões de segurança pessoal.2

10Povo e Política, eis os parâmetros em que se moveu a equipa. Em termos de recolhas, o balanço não é desfavorável, no confronto com a globalidade das equipas do PTC. Há que sublinhar o tear, que dada a sua complexidade de funcionamento, é de difícil montagem, quando se pretenda voltar a instalá-lo noutro local.

11É no mês de Setembro que começam a ser despachados por caminho-de-ferro, da Guarda para Lisboa, os objectos recolhidos por esta brigada.

  • 3 Livro de Contas PTC, Despesas, 11 de Setembro 1975, ref. 450.

12Em 5 de Setembro, um dos rapazes remete um total de 41 quilos, distribuídos por vários volumes. Na carta de porte constam,3 entre outros, o jugo e o arado conseguidos no Lamegal.

  • 4 Livro de Contas PTC, Despesas, 25 de Setembro 1975, ref. 485.

13Da mesma estação ferroviária, segue a 25 do mesmo mês um conjunto de cinco volumes, perfazendo no total 97 quilos.4 Alguns dos atados, dado o seu peso, deveriam conter o tear desmanchado, adquirido nesse mesmo dia em Vascoveiro.

14Entre alertas nacionais e pacientes contactos locais, a B-1 terá tido um cabal desempenho da sua missão.

Alguns dissabores (B-2)

Raio de acção

15Igualmente enviada para o distrito da Guarda, a equipa B-2 concentrou esforços, tal como era suposto, nas localidades de Cortiçada e Forninhos (concelho de Aguiar da Beira) e Matança (concelho de Fornos de Algodres).

Composição (4 participantes)

16Dois rapazes e duas raparigas, tendo o Acácio sido o responsável. As suas terras de origem eram bastante diversificadas: enquanto dois vinham de regiões próximas (Mangualde e Viseu), o outro rapaz vinha de Gaia e a outra rapariga era açoriana da ilha de São Miguel.

17Dos conhecimentos extracurriculares mencionados, registe-se a prática da gaita-de-beiços pelo responsável da equipa.

Fragmentos recuperados

  • 5 Livro de Contas PTC, Despesas, 4 de Agosto 1975, ref. 366.

18Pela primeira pista encontrada, depreende-se que em finais de Julho o grupo entrou em contacto com a sede do PTC, solicitando esclarecimentos sobre a forma de realizar o trabalho no terreno. São-lhes enviados por via postal exemplares dos Documentos 4 e 6.5

19É com um significativo desabafo dos brigadistas para a sede, feito quando a missão ia adiantada, que se pode entrever um enredo para esta equipa.

20Terminada a permanência prevista numa localidade e ao chegarem à seguinte, declaram:

“Estamos deveras decepcionados com a falta de apoio geral”.

21Em termos mais explícitos, perguntam a Lisboa:

“Numa localidade onde não conhecemos ninguém e sem dinheiro... A população já de si fica desconfiada ao ver um grupo que de repente lhe aparece, e que fará se esse grupo lhe vai comprar as coisas, pedindo que lhes fiem...”

22Queixam-se da dificuldade em organizar o envio dos "instrumentos agrícolas antigos" recolhidos em Forninhos e dos obstáculos ultrapassados para os conseguirem expedir por via-férrea assim como das penúrias financeiras. Mas persistem na missão, enfrentando os problemas logísticos:

  • 6 Carta da Equipa B-2, escrita em Matança em 3 de Setembro, dirigida aos serviços centrais. Está assi (...)

“Encontramo-nos desde ontem na última das localidades — Matança —, onde encontrámos alojamento na residência paroquial e na escola. O próprio transporte teve de ser de táxi, pois não tínhamos transportes públicos.”6

23Depreende-se que haviam resolvido o problema do alojamento da forma mais consentânea com o meio: uns na escola, as raparigas certamente protegidas pela proximidade da instância eclesiástica local.

24Na carta que vem sendo citada dão conta do estado de andamento das recolhas de literatura oral gravadas em cassetes. Em finais de Agosto tinham enviado para Lisboa três, havendo outra prestes a estar terminada. Faltam as respectivas transcrições. Anunciam para os próximos dias a remessa de registos biográficos (Documento 4) e de inquéritos à saúde (Documento 12) devidamente preenchidos.

25Para além dos dados sobre as condições logísticas do grupo, dispõe-se de outros elementos de interesse, porque testemunham o modo e o cariz dos contactos estabelecidos com as populações. Em primeiro lugar, há que atender às motivações individuais e à experiência pessoal anterior dos jovens. O rapaz e a rapariga da região de Viseu declaram-se familiarizados com realidades rurais precárias. O próprio responsável afirma “Para mim, o SCE não foi uma experiência porque vivi sempre numa aldeia, até em condições piores que estas que visitei”, negando assim que o PTC lhes haja proporcionado uma descoberta da vida nos campos. Respondendo à pergunta, a jovem açoriana diz ter tido deste modo oportunidade de “conhecer as aldeias do continente”, não escamoteando que se inscrevera no SCE “pela regalia que nos dá mais tarde para entrar numa universidade”.

26A resultante da relação que tentam criar com as pessoas leva à seguinte síntese de um deles:

“este trabalho de recolha dos vários aspectos da cultura popular é importante, mas difícil de explicar às pessoas”.

27Por isso, tentam forjar argumentos para convencê-las:

“calcule que depois desaparecem estes instrumentos e depois (...) os que virão depois não conhecem, e o nosso trabalho é esse, aglomerar o maior número de instrumentos antigos para depois os dar a conhecer às pessoas no futuro”.

28Este diálogo vago conduz a reflexões nos adolescentes pré-universitários:

“Eu, como o meu colega, vivi largos anos na aldeia, simplesmente admiro muito o contacto com as pessoas (...). Há muitas diferenças, (...) mesmo na mesma povoação e nas vizinhanças, varia com a classe social — há sempre o padre, a professora, os que vão passar férias e os que trabalham no campo”.

29E conclui o seu pensamento, afirmando que, para os aldeões, são sempre melhores, porque mais importantes e aceitáveis, os que chegam por último:

“não falando no comunismo, é claro!”.

  • 7 Entrevista com B-2, Matança, 11/09/1975, bobine 1: 317-320, 385-397, 510-550, 350-385, 320-323.

30Por depoimentos existentes sabe-se que o trabalho de recolha em Forninhos foi muito bem sucedido, onde contaram com o apoio de jovens locais: “recolhemos trinta e tal instrumentos”,7 o que talvez tenha trazido mais preocupações com o transporte.

31Em 2 de Setembro, o responsável pela equipa assina a carta de porte relativa à expedição por via-férrea de um total de 68 quilos, repartidos por "6 volumes com alfaias agrícolas, 1 com canga e ripanço juntos, 1 arado com 1 serra e 1 mangual juntos, 1 sachola". Outros objectos seriam ainda recolhidos, sendo provável que tenham chegado à sede do PTC por outro portador.

32Apesar destes contratempos, a B-2 participou num encontro Interequipas, conforme se depreende da contabilidade apresentada no termo da campanha, onde é feita referência a 180 escudos de deslocações para este efeito.

Uma actuação discreta (B-3)

Raio de acção

33A esta equipa caberia actuar no distrito de Viseu, permanecendo em Pinheiro, Ermida e Ester, no concelho de Castro Daire.

Composição (4 participantes)

34A equipa B-3 agrupava três rapazes e uma rapariga, a Zelinda, a quem foi atribuída a coordenação do grupo.

35A responsável residia no Porto e estava inscrita num curso de Engenharia. Os seus colegas daquele Verão vinham da área de Lisboa, da Guarda e de Viana de Castelo. Dois queriam seguir Medicina, o outro preferia Economia. É nas fichas dos rapazes que se mencionam conhecimentos de registo de som e de fotografia. Ninguém refere conhecimentos musicais.

Fragmentos recuperados

36Através da correspondência doutra equipa (B-4), sabe-se que os materiais recolhidos estavam a ser depositados em Viseu. Também estes jovens se queixam do mesmo tipo de dificuldade:

  • 8 Relatório da B-4, Paços de Vilharigues, 29/8/1975.

“Ora nós vimos ontem em Viseu que tudo a B/3 levou para lá, lá continua numa sala do Governo Civil. E o tenente que para variar foi a Lisboa não tinha sequer sido capaz de levar as duas cassetes e as transcrições que lá estavam e que não teriam com certeza ocupado muito espaço.”8

37Do conjunto da documentação tratada não consta qualquer remessa para a sede, existindo unicamente os recibos das doações e aquisições de objectos. Não é de excluir o recurso a outros meios de encaminhamento gratuitos, impossíveis de detectar.

38Das contas apresentadas em Lisboa em finais de Setembro, confirmam-se as despesas para material etnográfico e ainda o débito de uma viagem de regresso. Pode tratar-se da deslocação da responsável, pretendendo vir proceder ao fecho de contas sobre as verbas que lhe tinham sido confiadas ou, então, do regresso do participante residente na área de Lisboa.

  • 9 Livro de Contas PTC, Despesas, 29 de Julho 1975, ref. 314.

39Como a supervisão feita às equipas no terreno se realizou, nesta região, durante o mês de Setembro, e a B-3 não figura na lista dos grupos visitados, poder-se-á supor que já não desenvolveu actividade a partir de finais de Agosto. Dificuldades em assegurar acomodação podem reforçar esta hipótese. Assim se explicaria não ter a sede mandado qualquer reforço financeiro após finais de Julho.9

40Ainda de acordo com o citado relatório da B-4, confirma-se a sua presença num encontro Interequipas.

41O registo de peças surge concentrado em finais de Julho e na primeira quinzena de Agosto. Referências a localidades são sempre omitidas, exceptuando Vila Seca e Cetos. Predominam as ofertas. O único caso de aquisição por compra, pelo elevado montante de 1015 escudos, justifica-se por abranger uma balança nas peças agrupadas no mesmo recibo. A máscara enumerada é um acessório de trabalho.

42Atendendo aos objectos recolhidos, pode-se considerar esta brigada como fazendo parte do grupo das equipas de actuação silenciosa e aparentemente discreta. É o que será legítimo depreender da escassez de vestígios deixados.

O canto como arma (B-4)

Raio de acção

43À equipa B-4 foram destinadas localidades próximas pertencentes aos distritos de Viseu e Aveiro: Manhouce e Santa Cruz da Trapa (concelho de S. Pedro do Sul) e Albergaria das Cabras (concelho de Arouca). Porém, só fizeram recolhas em Santa Cruz da Trapa mas, em contrapartida, trabalharam também em Paços de Vilharigues (concelho de Vouzela).

Composição (4 participantes)

44Novamente três rapazes e uma rapariga, a Zita, que assumiu a responsabilidade da acção em terras altas do interior do país.

45Residiam todos em Lisboa, embora um deles tivesse nascido na Madeira.

46As inclinações universitárias reveladas na altura não deixam entrever qualquer gosto pronunciado pelas Humanidades, pois as opções são nos domínios das Ciências Naturais, da Medicina e das Engenharias.

47Note-se ainda que três deles tocam viola acústica, para além de terem interesses diversificados — como o registo de som, a prática de canto coral, a fotografia ou mesmo experiência em actividades teatrais.

Fragmentos recuperados

  • 10 Informação oral prestada por familiar de um dos participantes (1990), e por alguns dos próprios no (...)

48Do ponto de vista da sua formação inicial, esta brigada coincide com um grupo de amigos preexistente. Residiam no mesmo bairro lisboeta, frequentavam a mesma paróquia, militavam no mesmo agrupamento político e juntos tocavam música10.

49A convivência anteriormente cimentada proporcionou-lhes uma estratégia para abordar e atrair as pessoas de Santa Cruz da Trapa, a primeira aldeia a que chegam:

  • 11 Carta da Equipa B-4 aos serviços centrais, escrita em Santa Cruz da Trapa e datada de 15 de Julho. (...)

“Aqui, equipa B/4.
Chegámos cá na 4ª feira e até domingo pouco mais fizemos do que contactos com o presidente da Junta de Freguesia, com o pároco e com mais algumas pessoas.
No domingo fizemos uma reunião na Casa do Povo em que o Sr. Laurindo, presidente da Junta, nos apresentou, nós falamos a dizer o que cá viemos fazer e depois cantámos e tocámos até conseguirmos os primeiros voluntários para cantar. Depois disso, conseguimos mais promessas para gravações e até agora já conseguimos localizar e contactar os vários grupos que cantam e que sabem canções tradicionais”11.

50A equipa recorreria sistematicamente a este método, conforme se lembra um dos rapazes:

  • 12 Informação prestada aos autores (1991).

“cantar e tocar era a primeira coisa que fazíamos quando chegávamos às aldeias.”12

51E assim se vão dando conta da realidade:

“O único problema que temos é que as canções que se cantam nos campos não as podemos gravar no campo porque as pessoas já não trabalham em grupo, logo as gravações terão de ser feitas num domingo, o que também é um problema porque terá de ser domingo 27, por dia 20 estar cá pouca gente (festa em S. Pedro do Sul). De qualquer maneira, se não houver muitos problemas, talvez possamos ficar cá no domingo 3 de Agosto.
Quanto a instrumentos musicais, duvidamos encontrar, pois pelas pessoas com quem já falámos (que nos tinham indicado) soubemos que a aldeia já foi muito batida pelo ferro velho e as pessoas desfizeram-se das coisas.”

52A desconfiança e algumas resistências com que se deparam no local são ultrapassadas, conforme a relatora esclarece na mesma carta:

“O acolhimento das pessoas tem sido bastante bom sobretudo depois da reunião de domingo. Corriam boatos alarmistas que já foram desmentidos como por exemplo: ‘que são a pide dos comunistas que vêm ver o que nós temos para nos tirar’ ou ‘são os que vêm mandar em nós, são tão novos, que vergonha’ esta foi contada pelo padre que é um tipo bestial e que tem colaborado bastante.
Também começaram a dizer que dormíamos juntos e coisas no estilo mas, como eu estou a dormir em casa do presidente da junta e os 3 rapazes a 2 Km, na casa do pai dele, isso já passou.”

53Do ponto de vista financeiro, os jovens parecem querer precaver-se, pois houve inicialmente desajustamentos. A carta que vem sendo citada contém um pedido aberto para reforço de cabedal:

  • 13 Carta da Equipa B-4, escrita em Santa Cruz da Trapa, dirigida aos serviços centrais e datada de 15 (...)

“De qualquer maneira mandem o dinheiro. A propósito de dinheiro há uma coisa que nos preocupa de certo modo: é que nós estamos a comer fiado porque o Tenente Rosa disse que não tinha dinheiro por enquanto. Isso por enquanto não nos tem posto problemas mas nós não gostamos muito de sentir que estamos a comer do bolso das pessoas.”13

  • 14 Ver. Pasta Contabilidade das Equipas.
  • 15 Carta da Equipa B-4 aos serviços centrais, escrita em Paços de Vilharigues e datada de 29 de Agosto

54Posteriormente, continuam a verificar-se inúmeros percalços: uma vinda colectiva a Lisboa14, a anulação da estadia em Manhouce, a instalação em Paços de Vilharigues. Em finais de Agosto, exprimem para Lisboa as suas apreensões sobre a incerteza do alojamento em Albergaria das Cabras.15

55A recolha etnográfica foi empreendida com bastante empenho e vigor. Logo na primeira semana, na carta de Santa Cruz da Trapa comunicam:

  • 16 Carta da B-4 aos serviços centrais, escrita em Santa Cruz da Trapa e datada de 15 de Julho.

“Já arranjámos um jugo e um arado incompleto, não sabemos se terá muito interesse mas de qualquer maneira foi de borla.”16

56Estes instrumentos figuram na listagem de recolhas, não tendo sido registados com essa data. A referência ao "arado incompleto" significa, por certo, terem capturado uma rabiça.

  • 17 Livro de Contas PTC, Despesas, 8 de Agosto 1975, ref. 377.

57Uma carta de porte confirma uma primeira remessa ferroviária feita de São Pedro do Sul sobre um total de 57 quilos de recolhas. Consta de "7 pacotes instrumentos de madeira e ferro 1 encapado arado de madeira". No dia seguinte, 6 de Agosto, são descarregados em Lisboa.17

58Outro percurso, de fácil seguimento posterior, é o da peça que consumiu a maior fatia do orçamento da equipa:

  • 18 Carta da Equipa B-4 aos serviços centrais, escrita em Paços de Vilharigues e datada de 29 de Agosto

“Outro problema é a história do tear que nós comprámos cá e que desmontámos. Ainda pensámos dizer para os MFAs de Viseu o virem cá buscar mas disseram-nos que podia era ir um jipe de vez em quando buscar umas peçazitas que quando houvesse lugar iriam para Lisboa. (...) Achamos por isso preferível mandá-lo em peças separadas pelo comboio. Querem que vá para o domicílio ou que fique na estação? Respondam depressa.”18

59A solução foi uma vez mais o envio por via-férrea. Em 4 de Setembro, um dos rapazes assina em Vouzela a carta de porte, onde se especificam os sete volumes contendo "peças de teares", pesando 185 quilos.

  • 19 Pasta PTC Contabilidade I, Setembro 1975, Carta de Porte da CP, nº de entrega 1334.

60O último despacho verifica-se a 25 de Setembro, também de Vouzela, constando de um volume com 25 quilos, onde vai acomodado outro "arado de pau".19 Não foram estes os únicos envios. Outros materiais, como as gravações, as transcrições e as fotografias iam seguindo pelo correio, ou aproveitando algum portador eventual.

61Uma campanha alegre é como será mais adequado designar a acção da B-4. Iniciando-se o processo com cantares e folguedos, culminou numa recolha muito considerável entre objectos e transcrições (publicadas). Da chegada à derradeira partida, fica-nos a suspeita de uma liderança feminina desembaraçada, patente no estilo de comunicação T. S. F. por ela adoptado na correspondência com a sede; porque dos telefonemas não há registo. No conjunto, esta brigada utilizou o canto como arma, dissipando boatos sobre o seu modo de adolescentes urbanos, comendo fiado durante a missão de que haviam sido incumbidos, e mandando consertar o gravador, quando este falhou.

O tio Luís (B-5)

Raio de acção

62Tal como previsto, esta equipa instalou-se em Casegas, Sobral de Casegas (ou de S. Miguel), no concelho da Covilhã, e Piódão, no concelho de Arganil.

Composição (4 participantes)

63Dois rapazes e duas raparigas, chefiados pelo Amândio, levaram a termo a tarefa de que tinham sido incumbidos.

64As duas raparigas residiam em Coimbra onde tinham frequentado o mesmo liceu; uma pretendia estudar História e a outra Direito. Os rapazes, vindos da área de Lisboa, também acabavam de frequentar o mesmo liceu e queriam seguir Economia e Direito. No conjunto de conhecimentos extracurriculares das fichas individuais de inscrição figuram a prática de instrumentos musicais (piano e flauta) e noções de fotografia.

Fragmentos recuperados

65Na opinião de um dos membros, a equipa teve acolhimento bastante diverso nas localidades onde se instalou.

66Sobre Casegas, povoação da qual parece só terem trazido gravações, escreve:

  • 20 Carta da Equipa B-5, escrita em Sobral de São Miguel, dirigida aos serviços centrais e datada de 8 (...)

“Com o conhecimento do responsável e o acordo dos restantes elementos do grupo, apresento um relatório sucinto que tem como finalidade enquadrar os resultados obtidos em Casegas, com as condições determinantes a que lá estivemos sujeitos. Não venho justificar, desculpar ou elogiar o grupo em geral ou em particular, nem o trabalho que ali desenvolvemos, mas apenas dar conta dos condicionalismos geográficos, humanos, culturais que definiram o esquema de trabalho e os resultados apresentados.
A inexperiência, a indecisão e a falta de esquemas à partida, colocaram-nos a princípio numa situação de autocrítica.
Apesar de todos os abalos, interrogações que se puseram aos meus colegas e a mim, acho que foram dos dias mais interessantes, sobre o ponto de vista de termos chegado ali, e vermos que havia uma coisa a que ninguém no grupo estava habituado: a falta de ‘alguém’ que fizesse as coisas por nós, que nos ‘levasse’, que nos protegesse até. Apesar de serem momentos difíceis, até pelo facto de toda a gente saber que estavam ali quatro estudantes, que ‘caíram’ em Casegas e isso provocar um isolamento até mesmo emocional pois, apesar disso, o constatar que a responsabilidade, o trabalho, mas também a liberdade e o campo de manobra, estavam inteiramente à nossa mercê e ao nosso cargo, foi decisivo para os primeiros dias.
(...)
Em Casegas até nos conseguimos integrar ainda que um tanto superficialmente na paisagem da localidade, mas pouco mais que isso.”20

67O mês de Agosto, passado em Sobral de São Miguel, foi diferente. Atesta-o a oportunidade proporcionada aos jovens de conseguir objectos, a maioria dos quais oferecidos. No relatório posterior, elaborado pelo mesmo autor, não se esconde a satisfação:

  • 21 Carta da Equipa B-5, escrita no Piódão, dirigida aos serviços centrais e datada de 7 de Setembro. T (...)

“O nosso trabalho, quer dizer, as gravações e transcrições vão um pouco atrasadas, para que realmente nada falhe e para que as coisas vão em ordem. Sobre Sobral de São Miguel há a dizer que por muitos motivos, até pessoais, nos deixou saudades e a esperança de voltar em breve.”21

68A mudança para Piódão caracterizou-se por dificuldades na obtenção de alojamento, apesar dos bons ofícios do Município de Arganil. A equipa aproveita este impasse transitório para ir passar uns dias a Coimbra.

69Certamente que o fizeram para voltar a respirar ares citadinos, e porque as duas raparigas queriam aproveitar a interrupção no terreno, visitando as famílias.

70Entre os extensos relatórios enviados à sede e a entrevista de 10 de Setembro de 1975, a B-5 produziu materiais abundantes, onde predominam reflexões gerais sobre o campesinato, a transformação da Sociedade e as relações entre a cidade e o campo.

71Nestes textos, abundam as considerações teóricas; caso extremo é o da alimentação:

  • 22 Carta da Equipa B-5, escrita no Piódão, dirigida aos serviços centrais e datada de 7 de Setembro.

“Ouve-se constantemente que o nosso país importa imensos produtos alimentares, e que necessitamos de pôr as nossas terras em regimes que as façam produzir mais para bem de todos. Portanto, aceite-se que a alimentação é uma coisa indispensável não só à economia como à sobrevivência física dos portugueses.”22

72Num relatório, o seu autor exprime a sua visão da realidade social camponesa que encontra nas aldeias:

“Ninguém pode negar a integridade, a autoridade moral e humana das pessoas que correntemente encontramos; para além da sabedoria popular e dos contos e cantigas, que sim senhor, são muito importantes, uma coisa é fundamental fazer saber: a personalidade e dignidade do povo, das pessoas que temos conhecido.
Temos levado aquilo a que se chamam autênticos ‘banhos’ de humanidade, de ‘trato’, como nos disse ontem um velhote.
Uma coisa que me entristece, e que espero francamente venha a ser rapidamente pensada, é a divisão que existe entre a cidade e o campo pois o fenómeno não é de modo nenhum português mas sim entre as aspirações a falar em nome do povo, a absorvê-lo e englobá-lo nos slogans, o ‘salvamento’ que se pratica, salvando o povo das garras da reacção, a ‘dinamização’ que a rádio e a TV faz para os trabalhadores agrícolas, aquelas conversas com um ou outro camponês que pelos vistos enche de prazer e de espírito revolucionário quem o encomenda, mas que se tornam ridículos vistos daqui, eu não direi ridículos, antes insignificantes, porque as pessoas vêem-nas como mais um locutor e uma carrinha que foi ao campo levar a palavra do progresso e da civilização, e de lá trazer umas palavras.
Quer isto dizer que tudo isto se pensa em Lisboa. Um povo é uma identidade! E fala-se tanto nele, tanto se ‘protege’ o povo... Mas francamente quando se começa a lembrar que Portugal são os oito milhões e tal, e que Lisboa continua de diversas maneiras a ser quase tudo?

73Pode parecer estranho ser um lisboeta a dizer isto, mas quando me recordo das manifestações em que o povo era termo velho de uso, e quando vejo o povo serem todas estas pessoas, integradas no seu modo de vida, nas suas atitudes morais, até creio que esses slogans são para fazer a sua revoluçãozita pessoal ou de roda de amigos, e quase por descarga de consciência vêm buscar estes ‘desprotegidos da sorte’ para os fazer beneficiar dos seus ideais revolucionários.”

74Na sua análise, não oculta o cariz pessoal das considerações e um sentimento de culpabilidade pela origem social:

  • 23 Carta da equipa B-5, escrita no Sobral, dirigida aos serviços centrais e datada de 8 de Agosto de 1 (...)

“Quanto ao grupo, o facto de sermos de Lisboa e de Coimbra poderia não ser significativo, mas há origens sociais e culturais que por vezes esbarram com a situação em que nos encontramos, e por vezes a boa vontade de ir falar, de estar com as pessoas amolece. E creio que transpomos de uma forma ou de outra os padrões e os estilos de vida de onde somos originários, e, esse, creio que é o maior problema de toda a organização do grupo, mas uma análise particular do grupo e dos seus elementos que o compõem não me parece indicado, nem tão pouco é coisa que mereça a pena aqui dissecar.
O que se pode é recordar as condições que atrás apontei, e que ajudam a ver como se trata e se vê o campo, porque além de uma recolha etnográfica, há uma convivência, uma constatação do que de bom ou mau é a vida no campo. E o modo como nos integramos ou não nas famílias ou no ambiente da localidade, é denunciador da origem de classe dos elementos do grupo.
(...)
De qualquer modo, das experiências (fossem agradáveis ou não) recolhemos benefícios, e pudemos testar aqui no campo, com os camponeses, vendo a sua vida, a sua total dependência de si próprios e da terra que cultivam, as nossas concepções de interpretar a vida do camponês, a nossa própria vida, e as realidades que nos cercam.
Uma coisa que a princípio não se pôs em prática, é logo de princípio irmos com as pessoas para o campo; as hesitações foram grandes nos primeiros dias, e claro isso reflectiu-se no trabalho que fizemos, mas no Sobral já aprendemos a lição e vamos utilizá-la.
Porque não é a mesma coisa que ir depois ter com as pessoas ao campo, lá para o meio da manhã ou para o fim da tarde; essa atitude que, diga-se, tomámos uma vez, teve o resultado correspondente.
O camponês é sempre sociável e gosta de conversar, o que não lhe agrada é que haja na terra uns tipos que andam a gravar cantigas e a fazer fotografias, dá-lhe a impressão e não tem pejo em o dizer que andam ali apenas para saber de cada um mas que não conseguem pegar numa enxada, que vêm cá, gravam o que cada um quer dizer, e depois dizem adeus a isto tudo. As pessoas beneficiam de algum modo com a nossa presença? E a pergunta que eu posso fazer mas também já me fizeram. Francamente não, realmente o que é que nós poderíamos dar seja em que campo for a estas pessoas?
Dizem-nos que: ‘ah, vocês estão aqui, gravam isto também porque vos foi recomendado e vos interessa pessoalmente’. Aqui, já não é bem assim; embora haja várias interpretações deste plano no grupo (aliás fala-se demais, mas trabalha-se de menos), uma coisa estamos a constatar: as carências de toda a ordem, que estas pessoas suportam. É certo que elas lá vão cultivando o seu bocado de terra, que lhes dá para viver, ‘lá se vão remediando’, como certamente pensa muito boa gente, o que é certo é que eles tornam-se desconfiados, pouco receptivos, nem lhes interessa que lhes falem em revoluções, porque desde há muito que eles aprenderam a confiar quási que em si próprios, e nos seus braços que trabalham. Dizia há uns tempos um velho: ‘eles discutem, andam às turras uns com os outros, mas o pão que eles comem é a gente que o faz.’”23

75Na entrevista efectuada aos jovens aquando da viagem de supervisão, transparecem diferenciações, nomeadamente nas raparigas, que vão além das considerações do relatório citado. Põem em causa a legitimidade do trabalho que estão a fazer. Questionam o programa do SCE e do PTC. Algumas exclamações ao longo da entrevista comprovam-no:

“Viemos para aqui fazer das pessoas cobaias, (...) não podemos dar nada a esta gente.”
“Sinto-me uma intrusa (...) quando, depois de um dia de trabalho (...), vamos pedir às pessoas para cantarem, para recordarem tempos de miséria e exploração.”
“Sinto-me um verdadeiro joguete de todo um sistema de manobras políticas.”

76Num outro momento, como que em busca de argumentos legitimadores desta ideia, entrevistam um "implicado" local — o tio Luís —, estabelecendo-se a seguinte troca de palavras, ao fim de muitas perguntas sugerindo respostas negativas:

“— Haverá interesse neste trabalho?
— Então não é bonito?”

77Embora contundente, a resposta do camponês não satisfez o íntimo dos jovens. Continuam a insistir com perguntas sobre a pouca utilidade do PTC, mas apenas conseguem que o tio Luís mantenha as afirmações anteriores. Trata-os bem, considerando-os como filhos.

78Perante o entrevistador gera-se um debate, confrontam-se posições pessoais. Em ar de conclusão, uma das vozes define aquilo que norteou os mentores (políticos) do SCE:

  • 24 Entrevista com B-5, Piódão, 10/09/1975, bobine 1: 74-78, 103-110, 168-170, 262-268, 62-67.

“O SCE não interessa a ninguém, quer dizer, poderá interessar, relativamente ao meu caso, e eu acho que sim, a uma valorização pessoal que eu acho mesmo que se tem, porque eu, por exemplo, é a primeira vez que estou numa aldeia sem luz, sem água canalizada, sem instalações sanitárias, sem nada daquilo que temos em casa, portanto penso (...) que só nesse ponto, valorização pessoal, é que se poderá ter algum proveito, mas não para as populações em que estamos, para nós próprios, só assim, mais nada.”24

79A B-5 é uma brigada que, através dos materiais existentes, transmite uma das dimensões que pautaram o PTC para a maioria dos adolescentes nele envolvidos. Mobilizados para uma recolha de cultura popular, confrontados intuitivamente com questões de método no trabalho etnográfico, reconhecem que o máximo a conseguir é a experiência pessoal, vivida num contexto novo. Embora a descoberta de si próprios, dos seus camaradas e a ausência do suporte familiar os apoquente, formulam como realidade inesperada a ida para o campo e a aprendizagem com o povo.

80De referir ainda as transcrições com a indicação da povoação de Carvoeiro (concelho de Mação), o que faz supor uma deslocação imprevista, provavelmente quando da realização do encontro Interequipas em Castelo Branco.

81A impressão geral é de que este grupo se concentrou mais nas recolhas orais e não encontrou muitas oportunidades, consideradas válidas, para a aquisição de objectos. Durante a sua campanha compram cinco rolos de fotografia e 24 pilhas para o gravador. Das peças obtidas destaca-se a armadilha para toupeiras.

82Os jovens da B-5 subalternizaram o trabalho etnográfico como atitude orientadora da sua permanência no campo. Mas utilizaram a etnografia como linguagem de acesso a um universo social anteriormente insuspeito.

A velhota e a bomba (B-8)

Raio de acção

83A equipa B-8 actuou na zona raiana, em três localidades do concelho de Almeida (Nave de Haver, Malhada Sorda e Poço Velho), cumprindo, pois, o plano.

Composição (4 participantes)

84A equipa foi composta por dois rapazes e duas raparigas, chefiados pelo Abílio.

85Este, que vivia perto de Coimbra, queria dedicar-se à Engenharia e indicou possuir alguns conhecimentos de fotografia, de música e de canto coral. Uma sua colega desta campanha vivia igualmente em Coimbra, gostava da jurisprudência, para além de se interessar por música e canto. Os outros dois viviam no Porto. Ele inscrevera-se em Belas-Artes e sabia registo de som e fotografia; ela queria vir a ser médica.

Fragmentos recuperados

  • 25 Livro de Contas PTC, Despesas, 8 de Setembro 1975, ref. 441.
  • 26 Livro de Contas PTC, Despesas, 29 Julho 1975, ref. 334.

86Nesta equipa chama a atenção a relativa regularidade das recolhas, nomeadamente no respeitante aos objectos conseguidos. A actividade desenvolvida neste domínio caracteriza-se pela inexistência de ofertas, sendo todas as peças adquiridas por compra. Daí não ser de estranhar a necessidade sentida pela equipa em dispor de um reforço de verba, no montante de 1000 escudos, que lhes é enviado em princípios de Setembro25 (em finais de Julho haviam recebido um outro vale, no valor de 2000 escudos, como ocorreu com os outros grupos no terreno).26 A despesa feita com as peças etnográficas é de longe a mais alta no PTC, elevando-se a 3185 escudos.

  • 27 Livro de Contas PTC, Despesas, 19 Setembro 1975, ref. 471, 472, 473.

87É da Guarda, e não duma estação ferroviária localizada mais perto das aldeias de permanência, que são feitas as remessas para Lisboa. A primeira segue em 9 de Setembro, totaliza 30 quilos, distribuídos por 3 volumes. A respectiva discriminação do conteúdo é abrangente; os avisos ao domicílio especificam "peças de museu".27

  • 28 Livro de Contas PTC, Despesas, 25 Setembro 1975, ref. 484.

88Da mesma procedência e provavelmente já depois de terem terminado a sua campanha, com data de 25 de Setembro, é expedida do Governo Civil uma grade de madeira pesando 24 quilos. Tratava-se certamente dos restantes objectos adquiridos por compra.28

89Por detrás destes dados extraídos da contabilidade, existem indicações sobre um dia-a-dia menos burocrático e mais movimentado.

90Em primeiro lugar, e apesar de conseguirem desenvolver trabalho nas três localidades previstas, tudo aponta para dificuldades no alojamento.

91Em Nave de Haver, a aceitação inicial foi boa, “devido ao padre que arranjou uma casa de emigrantes, enquanto as pessoas arranjavam coisas (...).”

92Em Poço Velho, mesmo “com o apoio do senhor mais importante da terra e do padre (...) as pessoas diziam que estavam à espera dos emigrantes, mas depois havia muitas casas vagas.”

93Enfrentaram também as especulações locais sobre a razão do seu aparecimento naquelas paragens e os verdadeiros motivos da tarefa a realizar. Corriam rumores sobre eventuais intenções não confessadas.

“Deu-se até um caso muito interessante, duma velhota que veio muito aflita ter [connosco], disse que nós éramos comunistas, que íamos para lá, andávamos lá a cosculhar para depois quando fossemos embora deitarmos lá uma bomba, como em Vilar Formoso.”

94Giacometti e os seus acompanhantes, atentos às repercussões da conjuntura revolucionária na aldeia, perguntam qual foi a reacção das pessoas ao verificarem que se tinha deitado lá uma bomba. "Uma baixa do nível geral nacional" é a resposta enigmática de um dos jovens da equipa.

95Como em outras brigadas, também os jovens da B-8 se sentem constrangidos pelas carências locais e pelo baixo nível de vida da população. Ao aprofundarem as razões daquela situação, sentem necessária uma reformulação do PTC. Embora pessoalmente o considerem positivo, acham que carece de dimensão prática:

“de palavras está o povo cheio, o que ele quer é ajuda, por exemplo, a compor as ruas.”
“eles estão contra o governo, a revolução para eles quase não existe, não há ajudas materialistas, para eles não há Reforma Agrária”.
“As pessoas não são reaccionárias, apenas aceitam o princípio da felicidade para eles, e isto é essencial em aldeias onde todos vivem da terra ou do contrabando.”

96Chocados com um mundo que vão descobrindo, os jovens assumem uma atitude voluntarista. Afirmam a sua preocupação perante a imagem que a população poderá ter deles e, no fundo, da sua condição urbana:

  • 29 Entrevista com B-8, Malhada Sorda, 11/09/1975, bobine 2: 58-100, 101-106, 118-128, 172-181, 181-208 (...)

“para eles verem que não somos apenas estudantes, mas trabalhadores, o SCE deverá ajudar o povo, comunicar com ele, ajudá-lo em todas as necessidades”.29

97Perante uma experiência pessoal que consideram positiva, porque lhes permite penetrar em outro universo social, estes jovens manifestam abertura para aceitar o desafio de sobre isto reflectir e discutir.

Notes

1 Exército de Libertação Português. Organização clandestina liderada por militares, surgida após o 25 de Abril, e que se opunha à nova situação, recorrendo a acções violentas.

2 O jovem em causa era filho de uma das mais destacadas figuras na hierarquia do Estado. Os parágrafos anteriores assentam em informações prestadas por ex-participantes e por Giacometti aos autores (1991).

3 Livro de Contas PTC, Despesas, 11 de Setembro 1975, ref. 450.

4 Livro de Contas PTC, Despesas, 25 de Setembro 1975, ref. 485.

5 Livro de Contas PTC, Despesas, 4 de Agosto 1975, ref. 366.

6 Carta da Equipa B-2, escrita em Matança em 3 de Setembro, dirigida aos serviços centrais. Está assinada Equipa B-2.

7 Entrevista com B-2, Matança, 11/09/1975, bobine 1: 317-320, 385-397, 510-550, 350-385, 320-323.

8 Relatório da B-4, Paços de Vilharigues, 29/8/1975.

9 Livro de Contas PTC, Despesas, 29 de Julho 1975, ref. 314.

10 Informação oral prestada por familiar de um dos participantes (1990), e por alguns dos próprios no Encontro de Setúbal (1991).

11 Carta da Equipa B-4 aos serviços centrais, escrita em Santa Cruz da Trapa e datada de 15 de Julho. Assina a responsável.

12 Informação prestada aos autores (1991).

13 Carta da Equipa B-4, escrita em Santa Cruz da Trapa, dirigida aos serviços centrais e datada de 15 de Julho.

14 Ver. Pasta Contabilidade das Equipas.

15 Carta da Equipa B-4 aos serviços centrais, escrita em Paços de Vilharigues e datada de 29 de Agosto.

16 Carta da B-4 aos serviços centrais, escrita em Santa Cruz da Trapa e datada de 15 de Julho.

17 Livro de Contas PTC, Despesas, 8 de Agosto 1975, ref. 377.

18 Carta da Equipa B-4 aos serviços centrais, escrita em Paços de Vilharigues e datada de 29 de Agosto.

19 Pasta PTC Contabilidade I, Setembro 1975, Carta de Porte da CP, nº de entrega 1334.

20 Carta da Equipa B-5, escrita em Sobral de São Miguel, dirigida aos serviços centrais e datada de 8 de Agosto. Tem assinatura.

21 Carta da Equipa B-5, escrita no Piódão, dirigida aos serviços centrais e datada de 7 de Setembro. Tem assinatura.

22 Carta da Equipa B-5, escrita no Piódão, dirigida aos serviços centrais e datada de 7 de Setembro.

23 Carta da equipa B-5, escrita no Sobral, dirigida aos serviços centrais e datada de 8 de Agosto de 1975.

24 Entrevista com B-5, Piódão, 10/09/1975, bobine 1: 74-78, 103-110, 168-170, 262-268, 62-67.

25 Livro de Contas PTC, Despesas, 8 de Setembro 1975, ref. 441.

26 Livro de Contas PTC, Despesas, 29 Julho 1975, ref. 334.

27 Livro de Contas PTC, Despesas, 19 Setembro 1975, ref. 471, 472, 473.

28 Livro de Contas PTC, Despesas, 25 Setembro 1975, ref. 484.

29 Entrevista com B-8, Malhada Sorda, 11/09/1975, bobine 2: 58-100, 101-106, 118-128, 172-181, 181-208, 208-226, 133-172.

© Etnográfica Press, 1993

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter