Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books Etnográfica Press Antropologia A Missão Capitulo 5 – Pelos meandros do ce...

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte 2. A Grande Operação

Capitulo 5 – Pelos meandros do centro

Jorge Freitas Branco et Luísa Tiago de Oliveira

Texte intégral

Contra ventos e mares (E-1)

Raio de acção

1A equipa E-1 foi mandada para o distrito de Santarém para permanecer em Alcaravela e Santiago de Montalegre (concelho do Sardoal) e na Aldeia do Mato (concelho de Abrantes). Embora com dificuldades, trabalharam efectivamente nessas freguesias e tentaram mesmo diversificar a cobertura geográfica prevista.

Composição (4 participantes + 1?)

2Uma rapariga e três rapazes viveram em conjunto uma série de peripécias, tendo o Alfredo assumido a coordenação da acção colectiva nestas paragens ribatejanas.

3Metade dos efectivos deste grupo haviam-se inscrito na Escola de Belas-Artes enquanto os restantes desejavam enveredar por Direito e Ciências Sociais.

4Todos viviam na área de Lisboa, tendo o Alfredo nascido em Angola.

  • 1 Esta rapariga consta de uma lista de participantes no PTC entregue aos autores por Giacometti (1990 (...)

5Terá eventualmente havido ainda uma outra brigadista.1

Fragmentos recuperados

6Os jovens desta equipa souberam remar contra ventos e marés. É possível seguir a situação em pormenor, dada a existência de correspondência com as instâncias de tutela.

7Sobre o acolhimento nas localidades em que a E-1 se propunha desenvolver actividade e a dificuldade em assentar arraiais, relatam numa carta:

“Primeiramente ficámos instalados no Café-Pensão São José em Sardoal, pois era impossível arranjar alojamento em Santa Clara-Alcaravela.
Depois de algumas pesquisas, conseguiu-se alojamento na cantina da escola de Santa Clara. As camas vieram da misericórdia de Sardoal.
No Café-Pensão São José fizemos duas diárias e ainda outras refeições enquanto em Santa Clara ainda não havia condições de preparar comida.
(...)
Passado este primeiro período instalámo-nos em Santa Clara (cantina da escola) onde de princípio ainda não tínhamos gás e éramos obrigados a fazer fogueiras para preparar as nossas refeições.
Em Santa Clara não há qualquer loja pelo que nos vimos forçados a deslocar ao Sardoal diariamente em procura de alimentos.
Diariamente, pois não existem condições de conservar a comida.”

8Mesmo com estas dificuldades logísticas, duas semanas depois da chegada é positiva a opinião da equipa sobre a reacção dos habitantes da povoação à sua presença:

  • 2 Carta de 24 de Julho, equipa E-1, dirigida à Delegação do SCE. de Santarém, assinada "Equipe E-1", (...)

“A população tem-se mostrado bastante acolhedora mas existe dificuldade em contactar as pessoas pois a maioria trabalha fora e sai cedo e regressa tarde obrigando a concentrar as nossas actividades principalmente pela tardinha e aos fins-de-semana.”2

9Passados mais quinze dias, e desta vez numa carta escrita directamente para Lisboa, a descrição da permanência em Alcaravela é mais diferenciada. Assim, passamos a saber de algumas resistências locais aos jovens:

“O acolhimento dado pela população de Alcaravela foi o melhor possível: logo à nossa chegada houve ofertas de géneros alimentícios e préstimos para qualquer necessidade.
Houve no entanto certas dificuldades de acomodação, pois em Alcaravela não existiam de imediato condições para lá se viver. A princípio estivemos dois dias acomodados numa pensão no Sardoal e só depois de alguma insistência e boa vontade (da nossa parte) nos instalamos em Alcaravela propriamente dita.”

10A rejeição aos estudantes era uma realidade. À medida que pretendem desempenhar as suas tarefas, apercebem-se da situação:

“Alcaravela é não uma aldeia mas sim uma freguesia: os casais que a constituem andam pelos 30 fogos cada um e encontram-se distanciados entre si cerca de 1 km. Se a distância em si não se puser como problema, o contacto directo com as populações é dificultado pela dispersa dos referidos casais; por isso decidimos centralizar as nossas pesquisas etnográficas em Santa Clara, sede de freguesia de Alcaravela e casais mais próximos.
O factor importante e que também dificultou o nosso trabalho é o próprio modo de vida das populações; eles levantam-se por volta das seis, sete horas seguindo directamente para os locais de trabalho de serração, oficinas, etc. (a maior parte fora da freguesia).
São as mulheres que regam a horta (trabalho de campo), fazem a lide da casa e ainda se deslocam para buscar água que sendo camarária não existe em canalizações ao domicílio.
Pelo fim da tarde, quando os homens regressam do trabalho, ocupam-se também das hortas, jantam e acabou-se mais um dia de trabalho.
Outro factor mais ou menos difícil de ultrapassar é o da desconfiança das populações em relação à essência do nosso trabalho. Já agora é de referir a dificuldade de apresentar certas questões inseridas nos inquéritos (exemplo flagrante e impossível de abordar é o do rendimento auferido pelo agregado familiar). Dentro deste clima de desconfiança podemos relatar certos factos bastante desagradáveis que nos aconteceram e que em contacto com a Delegação Distrital do S. C. E. de Santarém nos levaram a resolver mudar para Santiago:
Primeiro que tudo convém dizer que nós é que tínhamos a nosso cargo todo o trabalho caseiro (deslocação ao Sardoal e Abrantes para aquisição de géneros, preparação e confecção dos mesmos — a princípio a lenha e só mais tarde a gás — e consequentemente lavagem de louça o que implicava compra de detergentes, sabão, esfregões, etc. É de realçar que parte do tempo de trabalho era perdido com estas operações que de modo algum estavam programadas no "Plano Trabalho e Cultura", aquando da nossa saída de Lisboa).
A louça eventualmente ficava no pátio traseiro da escola onde nós ficámos instalados; numa noite ouvimos vários barulhos suspeitos, saímos várias vezes à rua sem nada descobrir, e só no dia seguinte verificamos que havia uma estreita ligação entre a louça desarrumada, pratos quebrados de forma bastante suspeita, e os barulhos ouvidos na noite anterior. Um outro facto a relatar é o de nos terem fechado a água da casa de banho o que só poderia ter sido feito propositadamente. Além de barulhos ouvidos durante várias noites temos a relatar o mais grave dos incidentes que teve lugar no preciso dia em que nos fomos encontrar em Gavião com a equipa A-1. Quando chegámos a casa por volta das 23 horas e nos preparávamos para acabar de transcrever as cassetes que tínhamos gravado, descobrimos que uma janela estava arrombada, dossiers espalhados pelo chão e essas duas cassetes tinham desaparecido.
Em face destes acontecimentos recebemos ordem de Santarém para nos mudarmos para Santiago de Montalegre.”

11Servindo de remate ao relatório, fazem uma observação resultante da sua experiência, mas também reveladora da motivação predominante:

  • 3 Carta de 5 de Agosto, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cultura, ass (...)

“Uma despesa com que não contaram aí em Lisboa, e que é de extrema importância para estabelecer contacto directo com a população, é o de retribuição de convites efectuados pelos mesmos, o que nos leva a fazer despesas extra orçamento ao pagar nas lojas copos de vinho e cerveja e até compra de vinhos para oferecer a habitantes da aldeia que nos visitaram.
Isto é um resumo da nossa actividade em Santa Clara — Alcaravela.”3

12A má recordação, que Santa Clara – Alcaravela constituiu para os quatro membros da equipa, fica mais uma vez comprovada pela forma como, em Setembro, se referem a esta localidade. Sentindo-se injustamente criticados por Lisboa, pelos resultados ainda modestos alcançados em princípios de Setembro, relembram:

“Em Santa Clara, assim que chegámos houve logo uma certa reacção da parte da população.
Note-se que tudo isto nos foi comunicado por um amigo nosso que reside em Santa Clara e que teve conhecimento do que se estava a passar e prometeu-nos que iria tentar recuperar as 2 cassetes que nos roubaram, e tentar averiguar os culpados (nós aceitámos a 1ª parte mas recusámos a 2ª).
Mas, segundo essa pessoa, houve em Santa Clara uma forte reacção contra nós em que se formaram 2 grupos: um manteve-se na expectativa e outros agiram. Daí a razão da louça partida, da casa de banho, do assalto à escola, dos constantes barulhos, etc.
Por duas noites ficámos acordados toda a noite, e várias vezes viemos à noite para a rua por haver movimentos anormais. Isto não constou nunca em relatório algum mas agora pensamos que devemos revelar-vos o nosso esforço.
Mas a reacção à nossa estadia não se limitou a assaltos e a tentativas de nos arrasar os nervos, houve também de parte de várias, para não dizer quase todas as pessoas um boicote ao nosso trabalho.
Caso não tenham conhecimento, podemos especificar.
Num balanço podemos dizer que em Santa Clara houve um boicote sucessivo e roubo de material de trabalho etnográfico.
Por outro lado, lembramos-vos mais uma vez que Alcaravela (freguesia) não tem absolutamente nada; as músicas populares são substituídas por fados e músicas brasileiras (...) ninguém as sabe, etc. Em contrapartida Valhascos que é a freguesia ao sul de Alcaravela é rica em tradições. Quanto a nós o trabalho que valia a pena fazer em Alcaravela seria o de saber o porquê da substituição da cultura popular por uma outra importada.
Em Valhascos o trabalho etnográfico seria sem dúvida mais compensador.
Um outro factor importante é o de o trabalho etnográfico não ser bem recebido, na medida em que faltando todas as necessidades fundamentais à povoação (esgotos, casas de banho, caminhos, electricidade, água, etc.) torna-se difícil que as populações nos contassem charadas e anedotas. De cada vez que entrámos em contacto com as populações, a conversa caia invariavelmente nesses problemas.”

13A passagem para Santiago de Montalegre, alguns quilómetros mais a norte no concelho, trouxe uma melhoria na aceitação por parte da população; pelo menos os jovens não se aperceberam de qualquer acto de hostilidade deliberada. Continua a carta:

  • 4 Carta de 8 de Setembro, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cultura. A (...)

“houve a princípio uma certa desconfiança mas não provocaram qualquer dano a qualquer de nós, havendo mesmo alguns habitantes sido bastante acolhedores.”4

14Se a nova localidade se apresentava mais pacífica, era a continuidade da penúria de "matéria etnográfica" que agora apoquentava a equipa. Tudo lhes parecia desfigurado, demasiado influenciado pela vida urbana. Um indício que lhes parecera auspicioso revelar-se-ia espinhoso:

“Contactámos com o padre, expusemos-lhe a nossa missão e as suas palavras textuais foram: ‘Em algumas terras, os homens ainda pegam numas canas e fazem uns pífaros. Cá nem isso há!’".
É claro que nós não íamos fazer os pífaros!
Mais tarde soubemos que havia dois irmãos, mais precisamente os Srs. priores, que eram uns estudiosos de assuntos etnográficos da região.
É claro que esses senhores não moravam em Santiago de Montalegre. Viviam na Matagosa que dista do local onde nós estávamos instalados entre 8 a 10 Km, sem possibilidade de nos deslocarmos até lá nos transportes públicos, por não existirem. Foi nesta altura que contactámos com a GNR, com Santa Margarida e com Abrantes, sem resultado algum.”

15Segundo a mesma carta, também aqui não era possível estruturar uma organização do quotidiano que permitisse maior eficácia no trabalho dos jovens:

  • 5 Carta de 8 de Setembro, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cultura. A (...)

“Na primeira semana éramos obrigados a andar a pé 6 Km por dia, debaixo de sol, para irmos comer a uma venda em São Domingos. Mais tarde, (...) por os preços pedidos pelos donos da venda não serem compatíveis com o dinheiro que nos davam, tivemos de passar a cozinhar na escola onde estávamos alojados. Aliás, é de notar que de Santarém contactaram com a venda numa tentativa de baixarem os preços, mas o delegado de Santarém pouco pôde fazer.”
(...)
Mais uma vez os mesmos problemas de tempo; com a louça para lavar, etc.…”5

  • 6 Livro de Contas PTC, Despesas, 19 Agosto 1975, ref. 394. Aliás, a equipa já tinha sido visitada uma (...)

16A ida para a outra localidade, situada mais a sul, no concelho vizinho de Abrantes, ser-lhes-ia proposta durante uma viagem de supervisão dos responsáveis de Lisboa. Provavelmente durante o almoço em conjunto no Café-Restaurante Chave de Ouro de Abrantes,6 onde os jovens terão aproveitado para compensarem as misérias alimentares suportadas ao longo das semanas anteriores. Michel Giacometti, avaliando a situação, decidiu mandá-los seguir para a próxima e última das povoações previstas:

  • 7 Carta datada de 8 de Setembro, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cul (...)

“Mudámo-nos portanto para a Aldeia do Mato, ficando dependentes de Abrantes, onde o delegado do S.C.E. não se encontra, por estar de férias... (informação de Santarém). Na Aldeia do Mato ficámos instalados na casa paroquial, que ainda não está pronta. O trabalho a fazer a partir de agora vai incluir não só a Aldeia do Mato mas também a Matagosa e tudo o que for possível, o que aliás era o nosso propósito, já antes da chegada da vossa carta
Portanto, quanto ao dizerem da falta de produtividade da nossa equipa, temos que concordar que existe, mas temos a dizer que tal deriva de vários factores entre os quais avultam uma falta de organização em relação às condições em que íamos trabalhar (caso das instalações e alimentação) e à inexistência de um reconhecimento prévio quanto a interesse etnográfico de cada região (que parece-nos que no nosso caso não se realizou).
Além disso temos também a referir e a lamentar a falta de apoio dos delegados do S. C. E. (Sardoal — inicialmente muito prestável mas mais tarde desligando-se quase completamente do caso — e Abrantes — férias). Esperamos notícias vossas”.7

17Por certo que nesta oportunidade se acertaram agulhas e se decidiram as acções possíveis de realizar. Várias situações se lhes deparam, relacionadas com determinados objectos que pretendem recolher. No sítio da primeira permanência, não tinham conseguido encontrar peças, mas tentaram uma análise do contexto local:

  • 8 Carta da Equipa E-1, datada de 24 de Julho, dirigida à Delegação do SCE de Santarém. Assinada “Equi (...)

“Viemos encontrar Santa Clara uma povoação com 20 fogos e 44 habitantes (estatística de 1970), onde não existe electricidade e quanto a água existe apenas uma bica para toda a aldeia.
(...)
A maior parte dos chefes de família trabalham por conta de outrem fora de Santa Clara. Na região onde predomina o pinheiro e pequenas hortas não há grandes proprietários, tendo todos mais ou menos terrenos.
A produção das hortas é para consumo próprio e o pinho é também base económica importante da subsistência das populações desta região. De referir que muita gente desta região se encontra a trabalhar em Lisboa na construção civil, fazendo com que exista um maior contacto e conhecimento da situação presente (todos os fins de semana esses indivíduos vêm passá-los a Alcaravela, fretando para o efeito autocarros de excursão).
Propriamente quanto ao nosso trabalho de actividade etnográfica viemos encontrar uma região pouco caracterizada sofrendo as influências do atrás referido da população que foi trabalhar para Lisboa.
Assim, ao procurarmos gravar música regional encontrámos alguns exemplos da referida influência.
Já temos gravadas 2 cassetes (1 hora cada) cantadas por pessoas de aldeia.
Em relação aos inquéritos da saúde tem sido um pouco difícil pois mostram certa desconfiança a certas perguntas. Verifica-se desde já que as condições higiénicas são más (não existe canalizações ao domicílio, esgotos, casas de banho, etc.).
É de notar que as pessoas ao serem contactadas para cantar, contar histórias, lendas, etc., preferem falar das suas dificuldades e esperanças em futuros melhoramentos na sua aldeia.
Quanto a mezinhas tem-se tentado recolher alguma coisa, não sendo as pessoas da aldeia grandes sabedoras nesse assunto.”8

18Em Setembro, a situação neste aspecto é diferente. Existem recolhas feitas, tendo algumas cassetes e inquéritos sido provavelmente entregues a Michel Giacometti. Ficou a cultura material:

  • 9 Carta datada de 8 de Setembro, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cul (...)

“a nossa grande dificuldade não é despachá-los para Lisboa, mas sim levá-los até Abrantes que é a estação mais próxima. Contamos entre os objectos adquiridos coisas frágeis (barros, cabaças...) e outros de transporte difícil (cangas, enxadas, malhos...) que são impossíveis de levar nos transportes normais. Para levarmos a efeito o que vocês nos pedem, teremos de contactar com o Exército ou GNR, para que tudo isso seja possível.
Portanto há todo um trabalho burocrático a realizar e esperamos que as portas não se nos fechem à frente como já tem acontecido. Esta era a solução que nós tínhamos encontrado e quando vos comunicámos das dificuldades de transporte esperávamos que nos elucidassem da melhor maneira de proceder.
(...)
Quanto ao carro de bois, arado, canga e grade, ainda não vos podemos dizer nada de concreto, de qualquer modo, caso o consigamos, o problema de transporte persiste e para o resolver pedimos-vos que comuniquem com o delegado do S.C.E. para que nos facilite o problema já que em Santiago comunicámos com a GNR, com o R.I. de Abrantes e com Santa Margarida, e todas as tentativas nos saíram frustradas.”9

19Aí, na Aldeia do Mato, a equipa sente-se como que realizada:

“Não sabemos se o dinheiro para a compra de objectos chega ou não, na medida em que há com certeza mais instrumentos para adquirir aqui na Aldeia do Mato, o que até agora não procurámos. De qualquer modo, caso o tal carro de bois com a canga e arado e grade seja adquirível por 1500$00, o dinheiro de que ainda dispomos não chega. Essa visita a São Domingos e Matagosa, para chegarmos a conclusões sobre o carro de bois e para gravarmos conversa com os priores, deve realizar-se amanhã. Portanto antes disso não vos podemos dizer nada.
Em respeito a objectos, temos visto alguns que nunca qualquer de nós os tinha visto e achamos que são verdadeiramente interessantes. É o caso de uma ferramenta própria para a resinagem. Até agora, não conseguimos arranjar nada parecido: para uns é uma recordação da resina, para outros é muito decorativo, e até agora, nada! De qualquer modo vamos continuar a tentar.
Temos também visto várias balanças, bastante antigas, em ferro; coisas que não valem mais de 400$00 ou 500$00 mas que nos pedem por elas 1000$00 a 2000$00, porque com uma quantia dessas podem comprar uma balança nova...”

20Nesta mesma carta comunicam a Lisboa que:

  • 10 Carta da Equipa E-1, datada de 15 de Setembro, dirigida à sede do PTC. Assinada "Equipa E-1".

“A carrinha, segundo o proprietário, elemento da equipa E-1, encontra-se em mau estado de conservação, e atendendo aos maus caminhos a percorrer era quase como certo que não aguentasse.
Esta é portanto a resposta do proprietário da carrinha, quanto à hipótese de os transportes dos objectos se efectuarem nela.”10

  • 11 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 467.
  • 12 A caderneta para registo e emissão de comprovativo sobre a aquisição de material etnográfico desta (...)

21Com data de 18 de Setembro, um dos rapazes assina na estação de Abrantes a carta de porte para a remessa ferroviária de um total de 50 quilos, distribuídos por “7 pacotes — diversos" e “3 pacotes — objectos agrícolas".11 Constata-se assim que o carro de bois e acessórios várias vezes referidos não tinham sido ainda adquiridos. Foram-no nos últimos dias de estada no terreno. Como a documentação não refere mais remessas — e, neste caso, elas seriam bastante pesadas — presume-se que as derradeiras recolhas foram transportadas do local e encaminhadas para fora de outro modo. Isto poderá ter ocorrido já após o termo da missão dos jovens.12

  • 13 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 599.

22Passada a experiência colectiva de recolha de cultura popular, alguns ex-participantes do PTC colaboraram pontualmente com os Serviços Centrais, nomeadamente no tratamento do espólio reunido. Tal ocorreu em Fevereiro de 1976 com um rapaz da E-1, que em Setúbal auxiliou na classificação dos objectos etnográficos aí depositados.13 Daqui se depreende que, apesar dos ardores de um Verão quente, passado a remar contra ventos e marés, os jovens continuaram a empenhar-se na movimentada missão para ir ao encontro do Povo.

Lenços de senhora (E-2)

Raio de acção

23Equipa destinada a três localidades a Oeste da Serra dos Candeeiros: Juncal (concelho de Porto de Mós), Évora de Alcobaça e Carris (concelho de Alcobaça).

Composição (4 participantes)

24Dois rapazes e duas raparigas, coordenados pelo Américo.

25Este menciona o seu interesse por actividades teatrais. O outro rapaz indica o mesmo interesse, para além dos conhecimentos de fotografia e de registo de som. As colegas pretendiam inscrever-se em Letras e em Medicina.

Fragmentos recuperados

26À luz dos elementos disponíveis é difícil reconstituir os parâmetros de acção desta brigada, na medida em que da análise dos resultados obtidos se configuram alguns enigmas, em torno dos quais é difícil estabelecer conjecturas.

  • 14 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 367.

27Verifica-se que em inícios de Agosto lhes é enviada de Lisboa uma encomenda postal contendo folhas de transcrição.14

  • 15 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 369, 370, 371.
  • 16 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 395; PTC Pasta Contabilidade II, mesma referência: (...)
  • 17 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 398, 399, 400.

28A equipa foi visitada por dois colaboradores da sede — com toda a probabilidade em 11 ou 12 de Agosto —,15 e novamente por Michel Giacometti, acompanhado de um desses colaboradores, a 19 do mesmo mês. Almoçaram juntos, mas não se sabe o que terão combinado, ou de como foi feita a avaliação da actividade de terreno. Poder-se-á, quando muito, presumir que compareceram dois dos jovens da equipa ao encontro.16 Ao supervisionarem as brigadas no terreno, os coordenadores aproveitavam para trazer para Lisboa materiais entretanto recolhidos ou transcritos.17 Assim sucede também neste caso.

29São poucos os artefactos conseguidos, se comparado o seu número com os totais alcançados por outras equipas. No entanto, nota-se uma atenção especial em torno de um tipo de objectos: a E-2 concentra-se nos apetrechos de olaria. Foram os únicos PTCs a conseguir uma roda de oleiro.

  • 18 PTC Pasta Contabilidade II, Equipa E-2, recibos de material etnográfico.
  • 19 Tal ocorreu no mês de Janeiro seguinte. A despesa (600$00) referente a esta aquisição agrupada de p (...)

30O processo que conduz a algumas das aquisições é, neste caso, diferente. O recibo respectivo tem data posterior,18 o que permite deduzir que a compra tenha sido combinada ainda com a equipa presente no terreno, mas que o levantamento só se concretizaria mais tarde.19

  • 20 Ver Soromenho (1984: 54*, 107, 320*, 601) e Soromenho (1986: 17*, 100*, 185*). As páginas assinalad (...)

31Na senda de percursos trilhados pela brigada, encontram-se referências a registos sonoros publicados anos depois.20

  • 21 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 437.

32Sobre o quotidiano dos jovens nas localidades de trabalho, consta muito pouco. Depreende-se que, provavelmente no Juncal, ficaram instalados numa casa particular, a cuja hospitalidade os responsáveis do PTC não ficaram indiferentes. Em princípios de Setembro adquirem em Lisboa uma caixa de lenços, descriminando-se para efeitos contabilísticos que "esta despesa se refere à compra de um presente para uma senhora que albergou a equipa E-2".21

Informação: nada de novo (E-3)

Raio de acção

33Uma equipa destinada a cobrir uma área ribatejana, trabalhando em Moçarria, Abitureiras e Várzea (concelho de Santarém).

Composição (4 participantes)

34O Avelino foi o responsável da equipa, talvez escolhido para este cargo por ser o mais velho. Tinha-se inscrito em Belas-Artes e menciona actividades e interesses múltiplos como fotografia, teatro, registo de som e música.

35O grupo tinha mais um rapaz, que vinha do centro do país, e duas raparigas: uma dedicava-se ao piano e tinha optado por Belas-Artes, outra gostava de cantar e queria seguir um curso de Letras.

Fragmentos recuperados

36Do conjunto das recolhas feitas e possíveis de verificação, destaca-se, para além das alfaias agrícolas e dos apetrechos de atrelagem, os dois instrumentos musicais (flauta de cana e guitarra).

37Não se detectaram quaisquer remessas de materiais para Lisboa. Este facto parece compreensível, uma vez que não existem objectos pesados ou de grande dimensão a enviar. Deste ponto de vista, pode-se quando muito referir a fragilidade dos instrumentos musicais que, dada a proximidade geográfica dos locais de actuação da equipa à sede do PTC, terão levado a que os jovens entregassem estes artefactos aos responsáveis, aproveitando as visitas de supervisão.

38Michel Giacometti e um seu colaborador estiveram com a E-3. Terão almoçado no restaurante Caravana, de Santarém, no dia 17 de Agosto.

39Sendo os instrumentos musicais aqueles que exigem melhor conhecimento específico para avaliar o interesse da aquisição — a flauta foi oferecida, a guitarra comprada por 400 escudos — é natural que os jovens tenham sido previamente orientados. As aquisições podem ter sido entregues em mão, a fim de serem encaminhadas para Lisboa, assim como as cassetes gravadas, as transcrições feitas e inquéritos preenchidos.

  • 22 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 398, 399, 400.

40Não é também de excluir a hipótese de Michel Giacometti ter aproveitado a localização próxima das povoações onde se encontravam as equipas, para in loco tirar dúvidas e ajuizar da oportunidade ou interesse de recolhas a concretizar.22

  • 23 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 494.

41No final de Setembro, ou seja, após o regresso das brigadas, Michel Giacometti desloca-se de Lisboa a Santarém para ir buscar material etnográfico guardado na delegação do SCE deste distrito.23 É plausível que tenha trazido também resultados da actividade desta equipa.

Encantados por um carpinteiro? (E-4)

Raio de acção

42Coube a esta equipa cobrir três localidades do concelho da Azambuja, na margem direita do Baixo Vale do Tejo: Arrifana, Albergaria e Manique do Intendente. Foi um dos dois grupos do PTC a actuar nas proximidades da Cintura Industrial de Lisboa.

Composição (4 participantes)

43Três rapazes e uma rapariga, também coordenados pelo mais velho, o Auzendo. Tal como um dos outros rapazes, optara por estudar Direito; a única rapariga queria vir a ser médica. Entre os conhecimentos extra-escolares que declararam possuir, encontramos uns interessados pelas experiências de representação teatral, outros dominando rudimentos de fotografia e de registo de som. Três dos quatro membros desta equipa vinham do centro e norte enquanto o outro vivia perto de Lisboa.

Fragmentos recuperados

44Saíram de Lisboa, tendo passado por Rio Maior, a fim de se instalarem em Manique do Intendente.

45A equipa concentrou-se na aquisição de ferramentas de uma oficina de carpintaria, conforme a designação genérica utilizada. Aliás é a mesma pessoa que lhes cede e vende os dois raspadores de pinheiros.

46A actividade parece ter sido mais eficaz em Arrifana, conforme se deduz da compilação das recolhas.

47Ao longo da sua estada no terreno, os jovens fazem duas deslocações mais longas, uma a Leiria, onde residia a única rapariga do grupo, e outra a Tomar, provavelmente para se encontrarem com outras brigadas.

48Enfrentaram dificuldades no manejo do gravador. Das contas apresentadas posteriormente à sede consta a reparação de dois aparelhos, feita num estabelecimento no Cartaxo. Como as facturas têm data tardia de Setembro, presume-se que se tratou de uma limpeza.

49O envio do material recolhido terá sido feito em viaturas particulares, pois a equipa não recorreu a empresas de transporte rodoviário ou ferroviário.

  • 24 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 396.

50Também tiveram supervisão. Almoçaram com os coordenadores, vindos de Lisboa, em 19 de Agosto no restaurante Pelé, do Cartaxo.24 Esta data coincide com a dos recibos do conjunto de peças de carpintaria. Será que os jovens, encantados com algum carpinteiro ou com a sua oficina, aguardavam luz verde de Lisboa para a recolha?

Colheitas de agosto (E-5)

Raio de acção

51A Península de Setúbal foi a região definida para a actuação desta equipa, que se deveria instalar na Aldeia do Meco, na Apostiça (concelho de Sesimbra) e em Fernão Ferro (concelho do Seixal); contudo, a E-5 não se mudou para a última localidade.

52Note-se que foi o único grupo de todo o PTC a cobrir uma povoação piscatória litoral.

Composição (4 participantes)

53Dois rapazes e duas raparigas compunham esta equipa.

54Ao Aurélio foi confiada a chefia: para além de ser o mais velho, já estava na Universidade embora quisesse mudar para Economia.

55A maioria diz ter conhecimentos de fotografia e de registo de som. Uma das raparigas, embora vivendo no Centro do país, nascera na Índia.

Fragmentos recuperados

  • 25 Trata-se, pelos vistos, do mesmo objecto mencionado pela E-1, mas que esta última não consegue reco (...)

56Por motivos que iremos conhecer, na perspectiva dos membros da equipa, a produtividade foi relativamente baixa. Os objectos conseguidos são elucidativos da área de acção, não havendo nenhuma aquisição por compra. A listagem traz peças pouco vulgares no conjunto das recolhas feitas no âmbito do PTC: os dois ferros de resineiro,25 a vassoura de eira e os apetrechos da pesca (búzio, nassa).

57O relatório final, entregue na sede, proporciona aspectos interessantes do quotidiano vivido:

  • 26 Relatório da Equipa E-5, datado de 22 de Outubro de 1975, assinado por um dos participantes.

“A primeira aldeia (Aldeia do Meco) foi bastante proveitosa pois deu-nos experiência quanto a contactar com as pessoas e acima de tudo recordou-nos que os problemas deste país não são só os das cidades, que Portugal é tão pouco as urbes citadinas e que fora delas vive o mais importante da nação, que tem problemas específicos e concretos dos quais dependemos, e não problemas teóricos e polémicas, muito lindas, mas ilusórias. Recolhemos grande parte do material aí e nos seus arredores, e o ambiente entre as pessoas que lá viviam e o nosso grupo foi aumentando com o tempo de tal modo que no dia em que fomos buscar o material as pessoas perguntavam se voltaríamos, quando, e que teriam muito gosto em continuarem a ajudar-nos.
No segundo local, Herdade da Apostiça, já se levantaram problemas mais graves pois era o ‘monte’ de uma herdade com um feitor a dominar e com pouca população, no geral, apenas a que trabalha na herdade. Além disso o local encontrava-se social e culturalmente dividido pois metade da população residia permanentemente no local, mas oriunda das mais variadas regiões, e a outra metade eram resineiros vindos da região de Leiria que viviam à parte e só por uma questão de alguns meses. Tinham entretanto surgido problemas graves entre as duas comunidades que se tinham afastado socialmente. Houve um bom acolhimento por parte da população permanente mas isso já não se verificou quanto à outra comunidade. Pouco material recolhido pois a população, de uma forma geral, era nova e a herdade está reduzida à exploração do pinhal há vários anos e, portanto, a actividade agrícola desapareceu, não havendo material, pois o que havia foi levado para outra herdade dos mesmos donos.
Não fomos para a terceira aldeia indicada pois não houve confirmação de alojamento e ficámos onde estávamos alojados. Fomos entretanto recolhendo algum material que nos pareceu com interesse em pequenos lugares perto do local do alojamento. Foi assim que recolhemos as Cegadas, por exemplo, e mais alguns documentos fotográficos.”26

  • 27 Pasta da Contabilidade das Equipas, E-5.

58Não consta que a equipa tenha sido visitada pelos responsáveis de Lisboa. Dada a proximidade, alguns dos jovens deslocaram-se à sede, conforme se depreende das contas apresentadas no final. Houve ainda uma ida de três deles a Coimbra, debitada nos mesmos termos.27
O teor do relatório atrás citado revela perspicácia sociológica do autor na análise da realidade, onde a brigada se tenta inserir. Os jovens recolheram alfaias de debulha. Podem ter assistido ou participado nesta operação, conseguindo a cedência de utensílios vistos. Assim se explicaria o aparecimento do trilho, da canga (provavelmente pertencente ao objecto anterior), da pá de padejar, da vassoura de eira e do malho. São artefactos com a mesma data na listagem das recolhas. A colheita de Agosto destes jovens só se encontra parcialmente desvendada.

Notes

1 Esta rapariga consta de uma lista de participantes no PTC entregue aos autores por Giacometti (1990) mas não dos Dossiers de Inscrição.

2 Carta de 24 de Julho, equipa E-1, dirigida à Delegação do SCE. de Santarém, assinada "Equipe E-1", e posteriormente facultada à sede em fotocópia.

3 Carta de 5 de Agosto, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cultura, assinada "Equipe E-1".

4 Carta de 8 de Setembro, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cultura. Assinada "Equipe E-1”.

5 Carta de 8 de Setembro, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cultura. Assinada "Equipe E-1".

6 Livro de Contas PTC, Despesas, 19 Agosto 1975, ref. 394. Aliás, a equipa já tinha sido visitada uma semana antes por dois colaboradores vindos de Lisboa (ver. Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 369, 370, 371). Este procedimento parece ter sido geral em relação às Equipas em terreno em zonas próximas de Lisboa.

7 Carta datada de 8 de Setembro, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cultura. Assinada "Equipe E-1".

8 Carta da Equipa E-1, datada de 24 de Julho, dirigida à Delegação do SCE de Santarém. Assinada “Equipa E-1” e enviada fotocópia para Lisboa.

9 Carta datada de 8 de Setembro, Equipa E-1, dirigida à Comissão Coordenadora do Plano Trabalho e Cultura. Assinada "Equipe E-1"

10 Carta da Equipa E-1, datada de 15 de Setembro, dirigida à sede do PTC. Assinada "Equipa E-1".

11 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 467.

12 A caderneta para registo e emissão de comprovativo sobre a aquisição de material etnográfico desta equipa menciona no talão nº 27 a quantia de 1800$00, paga a Mateus Lucas pelo seguinte agrupamento de objectos: canga, carro de bois, chavelho, grade. A mesma pessoa vendeu um arado por 200$00 (ver. talão 28 da caderneta mencionada), sendo o recibo emitido com a mesma data. Dado o peso e dimensões deste material, não é de excluir o seu envio, findo o PTC, num camião directamente para Setúbal, para onde seguiram outros artefactos em Janeiro de 1976.

13 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 599.

14 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 367.

15 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 369, 370, 371.

16 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 395; PTC Pasta Contabilidade II, mesma referência: as facturas do restaurante parecem mencionar refeições para 2 pessoas, que no talão para efeitos contabilísticos se descrimina como "despesas de alimentação da Equipa E-2".

17 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 398, 399, 400.

18 PTC Pasta Contabilidade II, Equipa E-2, recibos de material etnográfico.

19 Tal ocorreu no mês de Janeiro seguinte. A despesa (600$00) referente a esta aquisição agrupada de peças (enxofradeira, fole, bigorna, roca), feita no Juncal, foi contabilizada na E-2. Ver Caderneta de Recibos E-2, talão nº 5.

20 Ver Soromenho (1984: 54*, 107, 320*, 601) e Soromenho (1986: 17*, 100*, 185*). As páginas assinaladas com * reportam-se a trechos de literatura oral que remetem simultaneamente para o Serviço Cívico Estudantil (SCE) e para o Inquérito à Serra dos Candeeiros, feito em 1978 e em que participaram José Manuel Soares e Maria do Rosário Borges Pereira. Por outro lado, há que mencionar ter havido no distrito de Leiria, em áreas próximas das localidades da E-2, recolhas etnográficas feitas por estudantes. Refira-se o caso da Nazaré e de Casal do Rei, próximo de Alcobaça (SCE 1977: 47, Agren 1977: SEC 1976: 3, 47). A nível nacional sabe-se de grupos estudantis do SCE empenhados em levantamentos etnolinguísticos em Castelo Branco e Vila Franca de Xira, ou na inventariação de colecções em Alenquer (SCE 1977: 34, 51).

21 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 437.

22 Livro de Contas PTC, Despesas, Agosto 1975, ref. 398, 399, 400.

23 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 494.

24 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 396.

25 Trata-se, pelos vistos, do mesmo objecto mencionado pela E-1, mas que esta última não consegue recolher.

26 Relatório da Equipa E-5, datado de 22 de Outubro de 1975, assinado por um dos participantes.

27 Pasta da Contabilidade das Equipas, E-5.

© Etnográfica Press, 1993

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search