Desktop versionMobile version

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte 2. A Grande Operação

Capítulo 4 – Através dos campos

Jorge Freitas Branco and Luísa Tiago de Oliveira

Full text

Muito trabalho, pouco alarido (A-1)

Raio de acção

1Tal como previsto, esta equipa cobriu uma área do Alto Alentejo, actuando em Monte da Pedra e Gáfete (concelho do Crato) e Tolosa (concelho de Nisa).

Composição (4+1 participantes)

2Duas raparigas e outros tantos rapazes formaram um grupo, que tinha a Zélia por responsável.

3Era a única que não acabava de terminar o liceu, pois era regente agrícola e pretendia seguir formação superior neste domínio. Nascida em Angola, residia em Évora. Na sua inscrição, diz tocar um pouco de viola. É ligeiramente mais velha do que os seus novos colegas de campanha.

4Os seus companheiros vinham de outras regiões: Vila Nova de Gaia, Santarém, Lisboa. As suas preferências de estudos universitários são variadas: um aponta Engenharia Civil enquanto os outros mencionam Medicina e Direito.

  • 1 Informação oral recolhida no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

5Em Agosto, em Tolosa, juntou-se-lhes outro rapaz, que anteriormente tinha sido o responsável da M-9. Pretendia seguir Medicina, vivia em Coimbra mas tinha habitado vários anos no Alentejo.1

Fragmentos recuperados

6Os quatro jovens da equipa seguiram de Lisboa para Portalegre de comboio. Instalaram-se em Monte da Pedra, onde permaneceram até ao início de Agosto.

7Após contacto postal com Lisboa, recebem da sede exemplares do Documento 12 Inquérito C (Levantamento das condições de Saúde. Formulário).

  • 2 Carta da Equipa E-1 dirigida à Comissão Coordenadora do SCE, datada de 5 de Agosto; PTC Pasta das C (...)

8Nos primeiros dias de Agosto foram a Gavião para se encontrar com a E-1.2

9Cumprida a permanência na primeira localidade prevista, mudam-se para Tolosa, onde receberiam um reforço para a equipa. Daqui, começam a expedir materiais recolhidos. Para além de encomendas, fazem uma remessa de "quatro caixas com artigos diversos, um arado de ferro, um atado com mercadoria diversa", etc., totalizando 92 quilos, conforme a respectiva carta de porte para transporte ferroviário.

10Provavelmente em 6 de Setembro mudam-se para Gáfete, onde permaneceriam até quase ao final do mês. Prosseguiram a sua tarefa, mantendo-se um bom ritmo nas recolhas e, certamente nas transcrições. No dia 26 expedem de Tolosa, novamente por via-férrea, “2 pacotes com coisas antigas diversas, 1 atado de madeira de pinho com ferramentas, 1 atado ferramenta de madeira", ao todo 40 quilos. Terminava assim a missão desta equipa.

11Dos muitos objectos conseguidos, só um foi adquirido por compra. Parece, por isso, que estes jovens não tiveram grande dificuldade em actuar na zona que lhes coube. Um desarranjo no gravador e a necessidade duma reparação cara (120 escudos) parecem ter sido o único percalço técnico perceptível. Na recordação de um jovem de outra equipa, tudo leva a crer que a inserção no meio foi levada a sério, ao afirmar que:

  • 3 Testemunho oral de um membro da E-1 recolhido pelos autores em 3/2/1991.

“os da A-1 andavam por lá, havia um que andava sempre de mãos sujas na terra, em cima do tractor, não devem ter feito nada”.3

12A actividade de recolha desta equipa é muito elevada. Sobressai a quantidade de objectos doados e dos registos gravados. Dos últimos, destaca-se o grande número mais tarde tratado e publicado.

13Como nota final, refira-se ter sido a A-1 um dos grupos do PTC que desenvolveu o trabalho no terreno com menor dispêndio das verbas atribuídas. Podemo-la considerar uma brigada eficiente e silenciosa.

Os sobreviventes (A-2)

Raio de acção

14Com esta equipa, pretender-se-ia cobrir as seguintes localidades de dois outros concelhos alentejanos: Peroliva e Caridade (Reguengos de Monsaraz) e Montoito (Redondo). Porém, ao certo, apenas trabalhou em Peroliva.

Composição (4 participantes)

15Embora prevista, a equipa não foi formada logo no início do PTC. Seria activada em Agosto com membros da autodissolvida M-9 (Arouca) e da T-6 (Chaves), extinta em finais do mesmo mês.

16O responsável designado foi o Armando, da anterior T-6. A rapariga, transferida da M-9, era alentejana e regressava à sua região.

Fragmentos recuperados

17A reduzida actividade da equipa explica- se pela sua formação tardia, no seguimento duma decisão de recurso para aproveitar os jovens das brigadas nortenhas dissolvidas. Depreende-se que esta transferência lhes tenha causado algum esforço de readaptação a outras condições logísticas. Apesar dos contactos estabelecidos por familiares da rapariga alentejana, permitindo fácil obtenção de alojamento, na mente dos anteriores M-9 ficaria a sensação de que as populações do Sul eram muito fechadas, contrastando com os nortenhos que tinham deixado:

  • 4 Informação oral prestada aos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

“Em Reguengos, até parecia que não queriam falar connosco”.4

18Das cinco peças recolhidas, três foram doadas pela mesma pessoa.

19Da conjugação destes factores desfavoráveis e excepcionais no âmbito do PTC, pode-se concluir ter-se tratado duma autêntica brigada de sobreviventes. Por certo, poucas oportunidades tiveram para deixar rastos mais profundos.

Oralidade aniquila gravador (A-3)

Raio de acção

20De acordo com o previsto, a equipa trabalhou em localidades do Sul alentejano pertencentes a dois concelhos: Aldeia dos Palheiros e Santana da Serra (Ourique) e Aldeia dos Fernandes (Almodôvar).

Composição (3 participantes)

21A área foi coberta por duas raparigas e um rapaz, tendo a Zulmira por responsável.

22Esta última queria estudar História enquanto os outros haviam optado por Direito. Só a Zulmira tinha conhecimentos de registo de som.

23Todos eles vinham da área de Lisboa.

  • 5 Pasta PTC Contabilidade II, Equipa M-9. Este rapaz acabou por efectuar o mesmo percurso duma rapari (...)

24No último dia de Agosto, é enviado para reforçar este grupo um rapaz da autodissolvida M-9; contudo, acabou por não permanecer na A-3.5

Fragmentos recuperados

25Chegada a Ourique, a equipa instalou-se em Palheiros, de onde se mudou para Santana da Serra logo nos primeiros dias de Agosto. Um mês mais tarde estavam em Aldeia dos Fernandes. A avaliar pelas deslocações feitas, a questão da acomodação seria sempre resolvida.

  • 6 Avaliação posterior dos investigadores da Linha de Acção Recolha e Estudo da Literatura Popular Ora (...)

26Os contactos com a sede do PTC foram vários. Na altura em que terminavam o trabalho em Palheiros, a caminho de Santana da Serra, solicitam exemplares dos Documentos 4 e 6 (Registo biográfico dos informantes da Documentação Sonora e a Ficha de Transcrições). Como o montante gasto na aquisição de pilhas é relativamente elevado, conclui-se ter sido intensa a actividade de fixação de relatos orais empreendida pela A-3. Segundo Michel Giacometti, esta brigada salientou-se pelas gravações feitas e a boa qualidade das respectivas transcrições.6

27Em finais de Agosto despacharam materiais recolhidos, provavelmente os objectos. Na listagem dos mesmos destaca-se o conjunto de miniaturas feitas de cortiça. A compra deste tipo de peças absorve a maior parte do dinheiro disponível para aquisição de material etnográfico.

  • 7 Livro de Contas PTC, Despesas, 12 de Setembro 1975, ref. 455.

28Coincidindo com a permanência em Aldeia dos Fernandes, os jovens viram-se a braços com o gravador. Pedido socorro a Lisboa, ser-lhes-ia enviado em 12 de Setembro para Ourique, como encomenda postal, um aparelho de marca japonesa, acabado de comprar.7

29A equipa A-3 parece ter regressado junta a Lisboa, pois conta-se entre as poucas onde esta despesa figura nas contas apresentadas à sede em finais de Setembro.

Juventude a banhos? (A-4)

Raio de acção

30Esta equipa foi projectada para cobrir as áreas serranas do nordeste algarvio: freguesias de Vaqueiros, Martinlongo e Giões (concelho de Alcoutim).

Composição (3+1 participantes)

31A composição inicial caracteriza-se por uma maioria feminina pois só havia um rapaz, o Arménio, que foi designado responsável. Em Agosto, a equipa viria a receber um quarto participante vindo da T-7 (Boticas) que entretanto se desfizera.

32As preferências universitárias revelam dois pretendentes a Medicina e duas candidatas a cursos de Letras. Quanto à residência habitual, eles vieram do Norte, de Lisboa e do Algarve.

Fragmentos recuperados

33Em relação a esta equipa poucos vestígios existem no espólio documental disponível, para além do recebimento do vale postal enviado em finais de Julho, a prestação financeira mandada mensalmente a todos os grupos no terreno. No balanço final de contas esta verba é diferente daquela remetida por via postal. Daí se poder deduzir terem-lhes sido disponibilizados em Faro reforços financeiros, que posteriormente serão devolvidos. Pode isto ter acontecido perante a perspectiva de aquisição de algum objecto, mas que não se viria a concretizar. Aliás, do material comprado consta parte do equipamento de ferreiro, uma actividade desempenhada por homens ao longo de gerações naquela zona.

34Como outras equipas do Sul do País (A-2, A-3), esta também não foi visitada no âmbito da supervisão no terreno feito pela sede. Solicitaram logo no início esclarecimentos a Lisboa sobre o modo de preenchimento das fichas de trabalho. Esta dúvida surgiu em muitas outras brigadas, pois, já em meados de Julho, é enviada uma circular para banir incertezas quanto ao modo de organizar os materiais a recolher.

  • 8 Opiniões recolhidas pelos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991). Insinuações deste teor parece (...)

35A proximidade do litoral algarvio parece ter sido propícia a criar, junto dos jovens das outras brigadas espalhadas pelo País, a ideia de estes constituírem “a dos que foram para a praia”8.

Notes

1 Informação oral recolhida no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

2 Carta da Equipa E-1 dirigida à Comissão Coordenadora do SCE, datada de 5 de Agosto; PTC Pasta das Contas apresentadas pelas Equipas (A-1).

3 Testemunho oral de um membro da E-1 recolhido pelos autores em 3/2/1991.

4 Informação oral prestada aos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

5 Pasta PTC Contabilidade II, Equipa M-9. Este rapaz acabou por efectuar o mesmo percurso duma rapariga da sua anterior equipa: foram ambos para a A2 — informações orais recolhidas no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

6 Avaliação posterior dos investigadores da Linha de Acção Recolha e Estudo da Literatura Popular Oral Portuguesa do INIC, dirigida por M. Viegas Guerreiro (Universidade de Lisboa), que, ao tratarem estes materiais, pouco tiveram a corrigir. Informação oral de Giacometti aos autores (1990).

7 Livro de Contas PTC, Despesas, 12 de Setembro 1975, ref. 455.

8 Opiniões recolhidas pelos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991). Insinuações deste teor parece terem sido proferidas sobre a disciplina de trabalho de outras equipas, como mais adiante se verá (M-1).

© Etnográfica Press, 1993

Terms of use: http://www.openedition.org/6540

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search