Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books Etnográfica Press Antropologia A Missão Capítulo 8 – Percorrendo serrania...

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte 2. A Grande Operação

Capítulo 8 – Percorrendo serranias e planaltos

Jorge Freitas Branco et Luísa Tiago de Oliveira

Texte intégral

Entre a pousada e as aldeias (T-1)

Raio de acção

1A esta equipa coube o concelho de Miranda do Douro, devendo concentrar esforços na Póvoa, em Paradela e em Ifanes. Na realidade, dificuldades em obter alojamento levaram os estudantes a instalar-se nos dois últimos meses em Miranda do Douro, trabalhando nas localidades previstas mas também em Caçarelhos, Cércio, Duas Igrejas e Miranda do Douro.

Composição (4 participantes)

2Eram três rapazes e uma rapariga, sendo o Anastácio o responsável. Residia no Algarve, inscrevera-se na Universidade de Coimbra (Faculdade de Ciências) e dedicava-se à fotografia e ao registo de som. Os outros dois rapazes residiam em Lisboa, sendo um deles do Centro do País; queriam seguir respectivamente Arquitectura e Engenharia e indicam interesses idênticos ao do chefe do grupo. Alentejana, a rapariga optara por Direito.

Fragmentos recuperados

3São variadas e ricas as fontes compiladas sobre o quotidiano desta brigada. Dados pormenorizados permitem a reconstituição do encaminhamento para as aldeias de destino, das condições de instalação, da actividade desenvolvida, assim como da visão destes jovens sobre o trabalho que realizavam.

4A chegada às localidades não foi difícil, embora com algumas atribulações, pela pouca colaboração do delegado distrital, instalado em Bragança. Nas suas palavras, tudo se passou assim:

“Aqui há três meses, chegámos a Bragança [o delegado distrital, um tenente-coronel na reserva] diz-nos que não há nada, que nas aldeias não nos vão receber, que (...) não vão ser simpáticos, que os 70$00 que disseram que nos davam por dia que não senhor, quais 70$00, eles nas aldeias querem mas é 100 a 150$00 e não sei quê. Chegámos aqui às aldeias e na primeira povoação encontrámos logo alojamento por 70$00, e tenho a impressão que foi o que aconteceu com outras pessoas.”

5A falta de empenho desta entidade, recordam os rapazes, manifestou- se de igual forma em ocasião posterior. Ainda nas suas palavras, em princípios de Agosto, quando a T-1 vai participar no encontro Interequipas, o referido oficial não se mostrou colaborante:

  • 1 Entrevista com T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3:371-385, 415-416.

“não ajudou quando tivemos falta de lençóis.”1

6Ultrapassadas as barreiras erguidas pelo delegado distrital e, já em Miranda do Douro, os brigadistas beneficiam do auxílio inequívoco do Presidente da Câmara e de outros funcionários, conseguindo seguir para a Póvoa.

7Tal sorte não teriam nas outras localidades. A partir do mês de Agosto, restou-lhes como alternativa acomodarem-se na Pousada de Miranda do Douro, nas dependências reservadas ao pessoal de serviço. Estabelecida esta base operacional, os brigadistas iam-se deslocando regularmente às aldeias.

8Em Lisboa, os Serviços Centrais não esconderam a sua estranheza perante a opção dos jovens pelo alojamento num ponto de apoio turístico. Dá-se uma troca de correspondência, justificando-se a T-1 da seguinte forma:

  • 2 Carta da Equipa T-1 ao SCE, escrita em Miranda do Douro e datada de 28 de Agosto 1975. Está assinad (...)

“Dizem-nos achar estranho não termos conseguido alojamento em Paradela e Ifanes. Na realidade assim aconteceu. Isto devido ao trabalho da brigada de alfabetização do ano transacto que não respeitou algumas das condições essenciais do modo de vida das populações, aliada ao facto de que nesta altura do ano recebem familiares do estrangeiro e não têm acomodações para nós. Daí que o trabalho que nos foi incumbido de efectuar nas três aldeias não apresenta, além do que já foi recolhido, significativas possibilidades de recolha dado o trabalho no campo que ocupa nesta altura toda a população, acontecendo o mesmo em toda a região nesta época do ano.”2

9De Lisboa obtêm a seguinte resposta:

  • 3 Carta dos serviços centrais à equipa T-1, datada de 3 de [Setembro] de 1975.

“Já que a Câmara Municipal de Miranda do Douro tem colaborado no vosso trabalho, poderiam solicitar-lhe que ajude a vossa instalação numa das seguintes aldeias: Angueira, Caçarelhos, Vilar Seco, Malhadas ou Cércio.”3

10Havia um mês que os brigadistas estavam instalados naquele refúgio. Durante este período, eles tinham meditado certamente sobre as práticas de levantamentos de cultura popular, como não se tinham alheado das ocorrências a nível nacional. Acompanhavam os acontecimentos políticos. Da pousada escreveram para Lisboa, relatando algumas preocupações.

  • 4 Federação Nacional para a Alegria no Trabalho, organismo extinto em 1975, sendo substituído pelo IN (...)
  • 5 Carta da equipa T-1 aos serviços centrais, escrita em Miranda do Douro e datada de 28 de Agosto de (...)

“Camaradas,
Recebemos a vossa carta na qual se fazem suposições que não correspondem à realidade. Não é FNAT4 nem alegria no trabalho. É vontade de fazer um trabalho como deve ser, o qual necessita de estímulo constante, o que nos é um bocado difícil dada a nossa deficiência de conhecimentos etnográficos para aprofundarmos o trabalho e sentirmos assim que estamos a participar em pleno para a compreensão das características do povo português.
Evidentemente se não fosse a necessidade de acompanhar o actual processo político português a fundo, sugeriríamos a continuação do trabalho nas actuais condições, mas por pensarmos que a nossa participação para o desenvolvimento da sociedade em que vivemos poderia situar-se em pontos mais essenciais, e possibilitar a nossa resposta inequívoca a qualquer situação que possa surgir.
No entanto deixamos ao vosso critério a nossa futura actividade no trabalho que desempenhamos e que se situa em termos mais gerais ao nível do desenvolvimento do Socialismo em todo o Mundo.
(...)
É esta a justificação para a carta que ficará em lugar de destaque nos arquivos do SCE, e que esperamos que a situem na sua verdadeira dimensão. Além de reconhecermos o carácter inédito de semelhante carta, que distorcia a intenção dos nossos argumentos.
Saudações revolucionárias,
A brigada T-1”5

11A sede não fez a mesma leitura da necessidade, sentida pelos jovens da T-1, em deslocar-se para a ribalta da cena política. Tenta recordar-lhes os argumentos mobilizadores do próprio PTC. Coloca-lhes de outro modo a grande questão política.

  • 6 Carta dos serviços centrais à equipa T-1, datada de 3 de Setembro de 1975.

“Equipa T1
Serviço Cívico Estudantil
Pousada de Santa Catarina
Miranda do Douro
Camaradas,
Pedimos desculpa por apenas hoje nos ter sido possível responder às vossas cartas dos dias 28 e 29 de Agosto.
Em primeiro lugar, verificamos que tomaram a sério os trechos da nossa carta que tão-somente pretendiam dar largas a um humor que talvez fosse mau gosto. No que diz respeito ao vosso problema, devemos esclarecer o seguinte:
1 — o vosso afastamento dos centros de decisão política não é justificativo do vosso regresso já que quase todas as equipas se encontram na mesma situação e que, se assim fosse, acabaria o Plano Trabalho e Cultura cuja duração prevista era 6 meses.
2 — também não é justificativo do vosso regresso o facto de considerar cumprida a vossa missão nas três localidades: outras equipas se encontram na mesma situação. Aceitar a vossa proposta seria criar o precedente para o regresso de todas as equipas.
A vossa proposta de colaborar connosco em Lisboa não tem validade porque:
1 — temos pessoal que chegue para tal;
2 — o Serviço Cívico teria que vos pagar a estadia em Lisboa, o que não está previsto no seu regulamento.
Embora percebamos perfeitamente o vosso problema, pedimos-lhes que façam um esforço para se aguentarem mais três semanas, tanto mais que entretanto o Michel estará entre vós nos próximos dias.
(...)
Devem perceber que é de grande importância para o futuro do Plano nos próximos anos que esta experiência resulte plenamente. Esperamos que aceitem a nossa solicitação avaliando os prós e os contras.
(...)
Não se esqueçam que ficou determinado que seria necessário para dar início ao Museu do Trabalho que cada equipa recolha cerca de 30 objectos em cada uma das localidades.
Para terminar, afirmamos reconhecer que a vossa equipa se situa entre as três ou quatro que melhor cumpriram a missão que lhes foi confiada (e sem vos querer ‘manipular’).
Aguardamos uma resposta positiva.
Saudações revolucionárias!”6

12Entre a vontade de um eventual regresso e o acatamento da orientação para a permanência da T-1 no terreno, os jovens mantiveram-se no local e demonstraram em outras situações a vontade de um bom desempenho político da missão confiada.

13Em várias intervenções do responsável da equipa surgem apelos ao apoio técnico e a uma boa organização que conduzisse à “resolução dos problemas essenciais da população”.

14Mostra-se particularmente sensível à modernização agrícola:

  • 7 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 389-390, 553-556
  • 8 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 572-580.

“É necessário investir em tractores para que as pessoas não trabalhem como na Idade da Pedra.”7
“Quais são os meios técnicos que aqui os trabalhadores da zona têm à disposição? Têm um arado, têm a foice, etc., levam aí o dia todo a trabalhar 10-12 horas, quando existia capacidade técnica, há máquinas para essa pessoa não estar constantemente a ser agredida.”8

15Os meios técnicos postos à disposição dos camponeses teriam de ser profundamente alterados e seria neste aspecto que os estudantes poderiam ajudar. A forma de o concretizar não é apontada.

16A vontade de assumir um compromisso político manifesta-se também na preocupação de efectuar um levantamento etnográfico empenhado e intervencionista junto das populações visadas:

  • 9 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 385-390.

“a recolha etnográfica correria melhor, se fosse acompanhada dum trabalho de resolução dos problemas essenciais da população”.9

  • 10 Entrevista com T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 220-225.

“sem apoio técnico, o trabalho pode tomar-se mais ou menos monótono, há a nossa falta de conhecimentos, podemos não encontrar estímulo para continuar, para pesquisar cada vez mais com o máximo de produtividade”.10

17Apenas alguns dias após a chegada à Póvoa, os estudantes exprimem a vontade de empreenderem um melhor trabalho "no ramo teatral", propondo a integração de dois jovens mirandeses abrangidos pelo Serviço Cívico. Na formalização do pedido, é dada ênfase à origem social dos mesmos:

  • 11 Rascunho de uma carta da equipa T-1 aos serviços centrais, escrita em Julho de 1975 (posse particul (...)

“Caros Camaradas,
No decorrer da nossa actividade de pesquisa entrámos por várias vezes em contacto com o (…), conhecedor de teatro popular, que se encontra em situação de prestação de Serviço Cívico, não se encontrando ainda em actividade, sendo pessoa com capacidade única de captação de teatro popular, por ser conhecido na região. É extremamente difícil, já que, depois de uma incursão de pesquisa por uns padres, que ficaram com os cascos, qualquer recolha de material toma-se muito difícil, o que ele supera. Em termos concretos há a possibilidade de captar com ele mais de meia dúzia de peças não publicadas e inéditas. Além de ser conhecedor da sua elaboração e montagem cénica que obedecem a características particulares.
Ora, o que nós propúnhamos é que ele, se possível, pudesse ser integrado no Plano Trabalho e Cultura, que trabalhasse connosco e com isso prestasse o Serviço Cívico, é possível?
No caso desta hipótese não ser viável por qualquer impossibilidade, sugeria a possibilidade de se activar uma brigada em Miranda com este elemento e outro que se chama (…), que já está a trabalhar no S. C. E. em inquéritos ao comércio na zona de Bragança, sendo ele possuidor de alguns cascos inéditos, contando ambos com algumas representações de teatro popular. Mas para a integração do (…) é preciso que se faça transferência do outro trabalho para este. Se estas hipóteses forem viáveis e como o (…) e o (…) são filhos de trabalhadores, as suas dificuldades económicas são evidentes, pelo que não podem gastar dinheiro em transportes quando em pesquisa, o que me parece poder ser assegurado pelo Plano Trabalho e Cultura com mais vantagens pela qualidade da pesquisa que se poderia efectuar no ramo teatral.
Para podermos tratar do assunto respondam com uma certa urgência, para que não passe mais tempo e o projecto se não tome inviável.
A Brigada T-1”11

18É ainda pelas palavras do responsável da equipa que se ganha uma visão da grande operação PTC:

  • 12 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 490-507, 534-556.

“[O PTC] leva-nos a compreender toda a mentalidade de um povo, as estruturas sociais que existem aqui, que a maioria dos indivíduos, dos estudantes que vêm para aqui, vêem estruturas arcaicas, mas não as compreendem. Quer dizer, toda uma família que se fecha, toda uma certa repressão sexual que existe, que tem toda a justificação dadas as grandes dificuldades que têm no processo produtivo.”
“Os traços culturais são os tais pontos que tentamos captar e compreender, e ajudar a que se compreenda mais sobre o que é o modo de vida das populações, e sobretudo levar as pessoas a pensar, para que criem estruturas aqui e façam qualquer coisa de concreto para que as pessoas do campo não sejam forçadas a fugir para a cidade ou a emigrar.”12

19Sobre a actividade concreta de recolha etnográfica, outros brigadistas pronunciam-se. As suas experiências traduzem um esforço para estabelecer uma relação com a população camponesa. Os termos de troca têm valores e ponderações diferentes, consoante a posição do interveniente neste processo.

  • 13 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 594-609.

“o trabalho que tem estado bastante dificultado para nós é a recolha de objectos. As pessoas até podem ter objectos que não utilizam há muito tempo, mas não se querem desfazer daquilo que é deles, desculpam-se sempre [a dizer] que aquilo é para a família.”13

20A disparidade ou mesmo o antagonismo na leitura das recolhas torna-se nítida para os jovens etnógrafos em rodagem acelerada. O maior ensinamento, que fizeram a expensas próprias, foi certamente aperceberem-se da delicadeza da tarefa, exigente no que respeita a sensibilidade, se efectuada com um espírito de rigor. As suas declarações gravadas quer em Ifanes quer em S. Matinho de Angueira, quase no termo da campanha, são conclusivas:

  • 14 Entrevista com T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 133-155.
  • 15 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 158-213, 226-267.

“O trabalho tem sido bom, nós temos sido bem recebidos nas populações, temos tentado recolher o máximo possível de canções, contos, e isso tudo; há também o trabalho de recolha de objectos que ele já falou (...) e, além disso, há o dos inquéritos (...). Os inquéritos de medicina popular, esses, são bastante interessantes (...). Os inquéritos de levantamento das condições de saúde (...) a ideia em si é boa (...), mas acho que (...) os que vinham para Trás-os-Montes tinham um tipo de inquérito, os que iam para outras regiões do país teriam outro tipo de inquérito, porque assim para todo o país o mesmo inquérito… (...). Acontecem coisas giras… Sei lá... Há uma pergunta que é ‘quantos ovos é que a senhora come por semana?’ e as pessoas em geral dizem-nos assim ‘ah, minha filha, isso é conforme calha, quando a galinha dá e isso (...)’. De resto tem sido bom.”14
“[É um trabalho] um bocado superficial, é apenas uma apalpadela do terreno, porque nós viemos para aqui sem qualquer preparação no aspecto etnológico, (...) e, para além das nossas bases serem muito frágeis, há ainda a acrescentar que o trabalho que nós estamos aqui a fazer é um trabalho que as pessoas da aldeia vêem quase como umas férias (...), não vêem acção nenhuma da nossa parte, não nos vêem por exemplo trabalhar com eles, não nos vêem ajudá-los. Nós por acaso temos ajudado, por exemplo, na Póvoa, íamos ceifar com eles, íamos apanhar os molhos (...), íamos à horta porque nós queríamos (...), se nós não quiséssemos, não íamos (...). Nós vínhamos para aqui à procura de elementos etnográficos de toda a ordem e, para além disso, não havia nada que nos obrigasse a trabalhar no campo.”
“Que é que nós podemos fazer numa aldeia? (...) É chegar cá, temos os inquéritos de saúde (...), temos os inquéritos de medicina popular, temos fotografias a tirar, temos contos a gravar, temos histórias e anedotas e lendas e narrativas e não sei quê, temos fotografias a tirar, temos objectos a recolher (...). Já vimos com tudo embalado lá de baixo, depois chegamos aqui, abrimos as malas e fazemos aquilo e depois, quando acabamos aquilo, ficamos assim sem saber o que é que vamos fazer. Nós por acaso até fizemos uma animação cultural para miúdos, com pintura, porque um da nossa equipa já tinha feito isso em Lisboa e por isso até achou piada a fazer isso aqui para cima, para ver qual era a reacção dos miúdos, miúdos a pintar em Trás-os-Montes. Fornecemos papel e tintas e não dissemos nada, eles descobriram por eles próprios, as próprias maneiras do desenho... foi um espectáculo!”15

21Graças à vivacidade destes testemunhos, guardados em fita magnética, podemos agora passar revista às principais vertentes da grande tarefa em que aqueles jovens estavam inseridos.

22Das declarações ressalta a dificuldade no que respeita à recolha de cultura material. Saliente-se ainda os vários momentos encadeados por sensações assumidas de vazio: uma insatisfação com a preparação prévia e com os limites do trabalho de terreno; a ausência de obrigatoriedade de prestar auxílio aos camponeses; a falta de orientações para empreender acções em proveito das populações.

23Ao longo das suas reflexões críticas, os brigadistas parecem de acordo em conceder à participação activa na faina dos campos um estatuto de imperativo insubstituível. Sobressai também o entusiasmo posto no relato da sessão de pintura infantil. A intervenção social, uma vertente em boa parte perdida na reestruturação do PTC, era assim inesperadamente reencontrada.

24Estas afirmações convergem, em última análise, com as do responsável da equipa. Querendo associar ou até articular o levantamento etnográfico com outras acções específicas em prol das populações, os brigadistas davam a mesma atenção a realizações concretas, ou seja, imediatamente perceptíveis aos camponeses.

25Todavia divergiam em outro ponto.

26O responsável da equipa preocupava-se com o dilema, analisando as atitudes e os comportamentos populares, indo ao ponto de justificar a repressão sexual através de constrangimentos impostos pelo processo produtivo ou acreditando que seria possível aos estudantes — habilitados com conhecimentos tecnicamente mais sofisticados — transformar o quadro de vida das populações. Os seus camaradas de brigada pareciam ter dúvidas e impressões mais esbatidas. Mas unia-os uma mesma vontade de actuar.

27Os adolescentes procuraram uma busca de fundamentação para os seus argumentos no diálogo travado com um homem idoso de São Martinho de Angueira.

28À pergunta colocada pelos rapazes, se não serão só os velhos a saberem "coisas, músicas e danças", Albino João Pires discorda, afirmando que quer velhos, quer novos sabem "coisas", não querendo mencionar nomes. Insistem os brigadistas:

— “Como é que há 20 ou 30 anos se divertiam as pessoas aqui?
— Também, é como agora. Antigamente também dançavam, como dançam agora, era o baile mais solto. E tocavam um bombo, tocavam uma caixa (...), agora já é só rádios, é gira-discos, a tocar essas coisas, claro, coisas mais modernas.”

29Passam às condições materiais. Depois de os rapazes procurarem discutir a água e a luz da casa do entrevistado, debruçam-se sobre a falta de instalações sanitárias e a profusão de moscas. Albino João Pires relativiza e discorre sobre estes insectos em Trás-os-Montes. Os entrevistadores mantêm-no sob fogo cerrado:

  • 16 Entrevista com T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 52-59, 96-104. Enfardadeiras e ce (...)

“— Não há necessidade de mais máquinas para trabalhar, de televisões para as pessoas se divertirem?
— Aqui também há algumas televisões, máquinas também aparecem, também há máquinas, há tractores, há apalhadeiras, há máquinas-semelhadoras para segar e tudo.16

  • 17 A entrevista foi feita numa aldeia (sem carreiras regulares de passageiros) situada a 20 quilómetro (...)

30Falam dos horários de trabalho, reagindo o entrevistado de forma vaga. Finalmente, chegam aos hábitos alimentares. Os jovens perguntam se a fruta não seria pouca, assim como a carne. Mas, mais uma vez, não é esta a opinião do transmontano, que menciona o consumo de vitela, de cordeiro e de porco.17

31Albino João Pires voltará a ser citado. Por ora, não confirmou a ideia de atraso e de miséria da terra mirandesa.

32Se resumirmos a acção da T-1, pode afirmar-se que esta se caracterizou por uma esbatida divisão no seio da brigada, assim como por dificuldades de integração no meio social, onde pretendiam mergulhar. A pousada de Santa Catarina transformou-se para eles num ponto de mira, na sua retaguarda estratégica de observação.

33Os resultados da recolha são evidentes. A afirmação feita pela sede na carta que lhes é enviada no início de Setembro — colocando-os entre os 3 ou 4 melhores grupos e sem os "querer manipular" — deve ser entendida como um alento para que não desistissem do terreno, a fim de acompanhar o desenrolar do processo revolucionário na capital. Se se destacaram no domínio da literatura oral e da fotografia, situavam-se numa faixa intermédia quanto à recolha de artefactos. Confirmam-se as declarações dos jovens sobre as dificuldades no acesso a objectos. A maioria foi adquirida por compra. No entanto, uma análise atenta aos recibos permite verificar terem sido muitos emitidos no mesmo nome. Os brigadistas tiveram a intenção de contribuir economicamente para uma determinada pessoa. Tratava-se de um casal, em que um dos cônjuges sofria de doença incurável.

34Entre os artefactos obtidos, figuram duas flautas compradas em Miranda do Douro. Nota-se de igual forma — o esplêndido espólio fotográfico atesta-o —, que participaram em debulhas (2 trilhos, crivo). Foram atraídos pelo mobiliário doméstico (cama).

35No total, quase duas dezenas de objectos, testemunhos materiais da Idade da Pedra, recolhidos juntos de "pessoas constantemente a ser agredidas", pelo arcaísmo da sua maneira de trabalhar, numa altura em que existia "capacidade técnica, máquinas", para que tal não ocorresse; como um dos rapazes tinha dito.

36Como dispunham de um posto de observação, ou seja, não estavam presos a compromissos sociais diários inerentes à participação na vida duma localidade determinada, puderam percorrer mais aldeias do que esteve inicialmente previsto. Eram visitas breves, a sítios cada vez mais distantes. Isto poderá explicar que na T-1 seja bastante regular o registo de recolhas, sem abrandamento significativo de ritmo nos meses de Agosto e Setembro.

  • 18 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 454.

37Não deverá surpreender que a fixação e transcrição da oralidade tenha sido, também nesta brigada, o ponto forte. É o que será legítimo deduzir, porque ainda em meados de Setembro, já com o termo da campanha à vista, a equipa solicita, e recebe de Lisboa, uma encomenda contendo 12 cassetes, para dar vazão ao material acumulado.18 Confirma-se este facto pela sua contribuição para as recolhas de literatura oral (Galhoz 1986, 1988, Soromenho 1984, 1986). Como foi atrás mencionado, do espólio fotográfico até à data reunido, as fotografias tiradas pela T-1 sobressaem pela sua qualidade. A equipa teve dois fotógrafos que trabalhavam ao desafio. Verificando a contabilidade por equipas, é esta a que mais despende na aquisição de película. A despesa não foi debalde.

  • 19 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 478, 479, 481.

38As remessas de peças fazem-se no fim, conjuntamente com as da T-2. Em termos de peso, trata-se duma autêntica avalanche de cultura material do nordeste português, em enxurrada para a capital. Ao todo 296 quilos contabilizados na balança da estação de caminho-de-ferro de Duas Igrejas.19 Um dos fotógrafos da equipa transformara-se em despachante de mercadoria usada: aquelas que o senso comum atribui dignidade de peças de museu. Que fazer numa aldeia, se percorrendo muitas se vê mais?

Instruções da vida (T-2)

Raio de acção

39Cumprindo o previsto, a equipa T-2 teve a seu cargo as localidades de Constantim, Cicouro e S. Martinho de Angueira, pertencentes ao concelho de Miranda do Douro.

Composição (4 participantes)

40Um grupo com dois rapazes e duas raparigas, cuja responsabilidade foi atribuída ao Adérito.

41Este nascera no interior nortenho, residia no Porto, queria estudar Agronomia, sabia de fotografia e de registo de som, para além de gostar de actividades teatrais.

42Os outros membros da equipa queriam estudar Matemática, Letras e Direito. As duas raparigas sabiam piano e flauta.

Fragmentos recuperados

43A T-2 é a brigada sobre a qual se dispõe do maior quantitativo de materiais reunidos no âmbito desta pesquisa.

44A chegada às aldeias processou-se de forma idêntica à da T-1. Em Bragança, depararam com a hostilidade do delegado distrital do SCE, barreira que seria transposta também por estes jovens.

45Chegados de comboio a Bragança, foram à delegação do SCE, onde ninguém estava. De acordo com um diário:

“[Em seguida] fomos à procura da residência do coronel […], responsável regional pelo ‘Cívico’. Encontrámos a vivenda na Avenida do Sabor, tinha um jardim com relva e suponho que ele estava a almoçar. A sua indignação com a nossa presença foi grande... não sabia que íamos chegar, disse, e não tínhamos cobertura financeira. Como é que tínhamos vindo? E sobretudo como é que queríamos continuar? Não havia qualquer possibilidade. E foi então que o [responsável pela equipa], magriço, sempre inquieto, muito falador, olhou em volta e notou que havia muita relva para as nossas tendas e sacos-cama. A sua decisão de permanecer parecia tão inabalável que prontamente suspirámos de alívio enquanto pousávamos as mochilas e os sacos. O coronel (…) combinou então um encontro connosco para pouco depois, mas no centro da cidade, e penso que foi acabar de almoçar.”

46Na manhã seguinte, a questão teve solução. O coronel enviou os brigadistas para os delegados concelhios do SCE, transferindo assim a responsabilidade para instâncias mais próximas das populações que os jovens queriam conhecer.

47Em Miranda do Douro, a T-2 encontrou por parte do Presidente da Câmara o empenho já referido na T-1. Segue o mesmo diário:

  • 20 Diário pessoal de uma brigadista, cedido para este efeito. Os autores agradecem a colaboração.

“Alto e esquelético, de barba pontiaguda e ruiva, pele avermelhada, entre o judeu e celta, acompanhou-nos até Constantim. Levou-nos a nós, as raparigas, a uma casa e depois os rapazes a uma outra. Apresentou-nos como afilhados, ou praticamente, e responsabilizou-se pessoalmente pelo pagamento dos 70$00 diários de cada um de nós. Era um velhote muito animado, que conversava com toda a gente, até dançava quando havia música, sempre a ser convidado para provar um copito aqui e ali.”20

  • 21 Numa carta pessoal, escrita em 24 de Julho de 1975, por um dos membros da equipa, lê-se: "As cívica (...)

48Em termos de acomodação, a brigada ficou repartida por dois locais. Os rapazes numa casa de família, partindo-se do princípio de que depois do jantar fariam uma “ronda” pela aldeia, esperando-os uma ceia reparadora, quando recolhessem à casa já em silêncio. As raparigas instaladas noutra casa particular,21 na qual, após sobremesa de caixa de sortido de bolachas ao jantar, lhes restava ficar no convívio da família que as hospedava ou, quando muito, ir ao parque infantil fronteiro à casa. Era uma conquista recentíssima da aldeia, pois tinha sido construído naquele ano de 1975.

49A campanha propriamente dita teve início. Entre a procura de teares e as recolhas de elementos sobre medicina popular, tudo ia arrancando, salvo os inquéritos sobre condições sanitárias. Nesta matéria, a brigada optou pelo não preenchimento, com uma recusa revolucionária.

  • 22 Polícia Internacional e de Defesa do Estado, polícia política e de informações, criada pelo regime (...)

50A estranheza dos habitantes da aldeia perante a chegada e a instalação daqueles jovens urbanos é patente na pergunta directa que, passada uma semana, lhes faziam: se eram da PIDE do novo governo.22

  • 23 Rádio Renascença, Emissora Católica Portuguesa, propriedade do Patriarcado de Lisboa, foi a única e (...)

51O dia-a-dia tomava forma. Os diversos testemunhos referem idas aos campos para ceifar, auxílio nas hortas na rega e participação nas debulhas com o trilho. Ao cair da noite, passeavam até Espanha. Frequentavam a missa, aí ouvindo um sermão-apelo à participação dos crentes numa manifestação pela devolução à Igreja da Rádio Renascença.23

  • 24 Maio-Nordeste, última das campanhas de Dinamização Cultural e Acção Cívica lançadas pelo MFA em 197 (...)

52Quiseram intervir no quotidiano rural com acções de animação. Tal como a T-1, organizaram uma sessão de desenho infantil, comparecendo crianças de Constantim e militares, então estacionados em Miranda do Douro na operação Maio-Nordeste.24

53O ambiente na equipa parecia ser bom, gostavam da aldeia. Escreviam para Lisboa, dando notícias e transmitindo impressões:

“e que tal falar do planalto mirandês? Desta aldeia?
Constantim tem coisas de nómada
viste a fotografia que vos mandámos?
a chegada do gado à aldeia, o guardador montado no burro, a comida no alforje
saem pela madrugada... voltam depois do sol-pôr .
quando este trigo, separado por baixos muros de pedras sobrepostas.
quando o calor se dilui no dia posto...
quando o anoitecer iniciado dissolve as sombras...
... e os montes de palha se erguem, como as capelas e os cruzeiros ... o gado, o burro, o(a) guardador(a) entra no povo com a música das searas, dos grilos, do chiar dos carros de bois, com os sinos (1 por cada 3 crias)... é lindo.”

54Este enlevo por terras de Miranda entrecruza-se com a atenção à questão social:

  • 25 Carta de Constantim, escrita por uma brigadista e datada de 24 de Julho de 1975 (posse particular).

“cá fala-se mirandês; é muito giro — conhecem?
"a los que num tem pan; a los que num tem auga; a los que bêin las sus terríquias sequitas como palos”.25

55Em princípios de Agosto vão a Bragança, a fim de participar no encontro Interequipas, conforme planeado. Revêm os camaradas da T-5 e naturalmente os da T-1, seus vizinhos e que tinham encontrado nas semanas anteriores. Nesta ocasião estabelecem mais contactos com os militares da Maio-Nordeste. Um membro da T-1 acompanha os militares, quando estes se deslocam a Cortiços para apoiar a formação de uma cooperativa. O ambiente na cidade transmontana reflecte a tensão política vivida em Lisboa. Na Sé de Bragança são afixados cartazes contra os militares da Maio-Nordeste, assinados pelo Movimento de Libertação do Povo Transmontano, que os jovens copiam e enviam para Lisboa.

  • 26 Dados retirados de cartas particulares, escritas de Constantim em 24 de Julho e de Mirandela em 5 d (...)

56Os brigadistas estabelecem contactos com alguns dirigentes políticos de Bragança e de localidades próximas. Os rapazes fazem noites de vigília com a Maio-Nordeste no Seminário da cidade, onde estavam alojados com os militares que estavam a ser contestados.26

57A estes dias urbanos vividos em plena intensidade política e emocional, seguir-se-ia a passagem à segunda aldeia.

58Em Cicouro, toda a brigada ficou alojada na mesma casa particular. Hospedaram-se numa família de antigo imigrante no Brasil, que antipatizava com o curso da vida política lisboeta, embora estivesse contente por ter sob o seu tecto filhos de gente supostamente tão importante.

59As semanas foram preenchidas com o levantamento etnográfico propriamente dito, a participação em fases da faina agrícola, idas a Espanha e visitas a Constantim. Nesta última povoação tinham deixado assuntos (recolha de peças) em aberto e relações feitas.

60No princípio de Setembro, realiza-se novo encontro Interequipas, desta vez em Miranda do Douro. A confraternização fez-se unicamente com a T-1, na pousada de Santa Catarina. Reviram também os militares empenhados na campanha cívica. Os jovens e os militares, colocados naquele universo camponês, representavam a esfera urbana do poder instituído. Entretanto, alguns brigadistas aproveitaram para se deslocar ao Sul de férias.

61O mês de Setembro foi dedicado à terceira aldeia prevista no programa estabelecido em Lisboa. Em São Martinho de Angueira o alojamento piorou. Instalaram-se na cave de um edifício público, em condições precárias. Seria este o pano de fundo, quando Michel Giacometti os foi supervisionar.

  • 27 Canção então muito em voga, interpretada por Ermelinda Duarte.
  • 28 Informações orais prestadas por membros da equipa aos autores (1990-91).

62Na memória de um dos brigadistas, a aproximação a São Martinho lembra-lhe música. Recorda-se de um ensaio musical à noite, sem iluminação, com as flautas e as gaitas de foles a tocarem canções tradicionais e a "Gaivota"27 Também neste domínio, a observação participante foi levada a sério pela T-2. Preparava-se uma festa em que os jovens viriam a acompanhar os pauliteiros desde a alvorada.28

63Por esta altura verifica-se, através das cartas particulares dos brigadistas, o aparecimento de alguma tensão nervosa, provocada pela duração da missão naqueles confins distantes.

  • 29 Carta particular escrita em São Martinho, em 10 de Setembro de 1975.

“Ontem e anteontem, a viagem Lisboa — São Martinho (...).
Ontem, imediatamente depois de cá ter chegado, soou-me nos c. ‘Cerraram sobre ti muros de prisão’. Não sei se por as bocas dos S. Martinhenses, que também chegam a boicotar o meu livre passear, se por ainda não ter encontrado caminhos pouco frequentados, se pela música infernal do [companheiro de equipa], se por não ter bandas onde possa recolher (quando f…), se pelos inícios de discussão entre toda a malta (...). Discussões, que sejam das brutas e secas. Mas não das intermédias, semi-manifestadas. Bem, mas S. Martinho é uma terra gira. Esperemos que isto passe.
E vocês? Apareçam por estas aldeias raianas, por estes transmontanos de boinas pretas à ‘Guerra de Espanha’, pela ‘nossa’ (??) casa que, a partir de hoje, já vai ter cobertores pelo chão cimentado!!! — Viva o luxo! — Por isso, quando vierem, tragam cobertores ou sacos-cama, que o cimento é frio.”29

64A sensação de isolamento ou a necessidade de encontrar uma rotina local, pautada pela aceitação de responsabilidades inseridas no meio social da aldeia, é o que se poderá depreender de uma outra carta, escrita pela mesma pessoa, nesses dias:

  • 30 Compositor e cantor chileno, assassinado em 1973, num estádio de Santiago, pelas forças militares q (...)

“Por cá estou, música da América Latina (danças astecas, Victor Jara30, etc.) no rádio ao lado.
Só longinquamente a música me toca; só um fiozinho dela me chega. Estou calcificada, carbonizada, granitada, basaltada, calcariada e empedrada ao máximo.”

  • 31 Foi durante estes banhos que as duas brigadistas adquiriram alguns novos conhecimentos. Certo dia, (...)

65Pode-se desde já concluir que a T-2 esteve instalada nas três aldeias, com empenhamento por parte dos jovens, e pelos vistos sem grandes sobressaltos. Sujeitaram-se a regimes de habitação vários: primeiro, separação por sexos, depois todos juntos num chão de cimento. Uma vez por semana deslocavam-se à cidade (Miranda do Douro), onde no posto da GNR lhes era facultada a possibilidade de tomar banho.31

  • 32 Alusão ao 18 de Julho de 1936, data do início da rebelião das tropas do general Francisco Franco (f (...)

66O entrosamento entre cumplicidades locais e o imaginário adolescente urbano manifesta-se de forma clara nos escritos pessoais disponíveis. Aproveitando a proximidade da fronteira, os brigadistas deslocavam-se frequentemente a uma aldeia em território espanhol (Moveros). Acompanhavam gente do contrabando. Numa dessas incursões e tratando-se do aniversário do início da Guerra Civil,32 escreveram algumas palavras-de-ordem revolucionárias.

67O interesse por Espanha surge noutros documentos:

“Amanhã (...) vou a Alcañices — vila espanhola a 8 Km de distância de Cicouro. Sabes que conhecemos uma quantidade de caminhos — eu sei um dos contrabandistas — para atravessar a raia? Já dávamos uns bons passadores (os gajos que passam os emigrantes de Portugal para Espanha em troco de dinheiro)!!!
No outro dia, fui com as contrabandistas a Espanha (já estou no meu banco à porta de casa, o círculo solar está tangente no horizonte); uma delas — a Tia Carmen — falou-me de tudo na viagem (como se nos conhecêssemos há séculos), desde o modo como passava emigrantes, às aventuras com carabineros — quer por causa de emigrantes, quer por causa do contrabando — até à vida conjugal (sexual) (a montanha já engoliu quase meio sol). É bestial... andar por Moveros à luz (pouca e mais fraca) dos candeeiros públicos que confundem as casas de pedra cor de terra com as ruas de terra — é tal e qual as fotografias e filmes das pequenas terras da Guerra de Espanha. É bestial... atravessar as zonas de fronteira, abrindo o caminho por entre os arbustos, os carvalhos, com uma vasta e negra noite de estrelas por cima a iluminar, tropeçando nas pedras e raízes, agarrada pela Tia Carmen, que contava da sua vida, me dava ensinamentos e conselhos sexuais para as primeiras noites do matrimónio.

Estas bandas esteticamente são lindas, os horizontes são muito largos, há montes, trigo, carvalhos, burros, noites amplas, casa cor de terra, velhas de lenços pretos, velhos de boinas pretas, nada que lembre ‘tempo e espaço de consumo’ (há que tempo o sol se foi).”

68A questão da conduta sexual preocupa os brigadistas. Continua a mesma carta:

  • 33 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro em 17 de Agosto de 1975 (posse particular).

“ando com uma susceptibilidade desgraçada pelo que me tomo insuportável e mesmo maricas. De vez em quando, dá-me para (...) ter ataques (até agora contidos) de choro. Bem, esperemos que seja mal psíquico de origem fisiológica — p..... não me lembro de ter tido alguma vez na vida tais hemorragias e dores (barriga, cabeça, etc.). Ou então, talvez seja das barreiras desta ‘moral transmontana’ a um livre passear, estar, ser, fazer o que dá nos c. Aqui, a população, ou melhor, um largo estrato, adora pensar em termos de matrimónios, de coisas próprias de machos, de coisas próprias de fêmeas. Nunca me tinha lembrado tantas vezes que era rapariga e como tal devo actuar — ‘senão fica mal e já não arranjo um matrimónio ao nível das minhas possibilidades!’”33

69Em outro texto, vê-se o confronto com o código local.

  • 34 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro em 21 de Agosto de 1975 (posse particular).

“Eu fui suficientemente imbecil (e isto é imperdoável) para me deixar influenciar pelas implicações chatas para todos desta moral transmontana e comecei a estar em permanente esquivanço, aos picos e aos saltos — cá pensam muito em matrimónios e amigados e namoros e dormir juntos, a p. que os pariu, e por isso contraí-me e mesmo assim estão fartos de me perguntar se durmo com o (...)”34

70A disparidade de olhares surge na leitura na distribuição das tarefas do quotidiano. Na entrevista os brigadistas referem-no:

  • 35 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 60-62

“os rapazes lavam roupa, apesar das pessoas ficarem impressionadas”.35

71As questões e as dúvidas íntimas abrangem não só o sexo e o afecto; pairam outras emoções e empenhamentos. As reflexões sobre a realidade social e política abarcam o local de permanência, onde tudo lhes parece diferente. Apercebem-se de que são vistos como representantes de outro meio social. Aceites como hóspedes-intrusos, pelo seu mundo de origem têm de responder.

  • 36 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro em 17 de Agosto de 1975 (posse particular).

“Cá por Trás-os-Montes (melhor, por estas zonas de Miranda) a ausência de malta nova lixa tudo e a emigração sente-se em cada passo. As únicas mudanças deste viver ancestral deram-se devido às inovações/ostentações dos emigrantes. Aliás, no concelho de Miranda do Douro, a emigração foi de 47%!!!
Mas há Vila Flor. Como?
Por aqui e por Bragança, as pessoas estão traumatizadas, já respondem à acusação de reaccionários e atrasados, sem que esta seja formulada. Estão mais que habituados a serem inferiorizados em relação à malta do Sul e daí têm-lhes uma raivinha entranhada que não te digo nada. Estão em pânico por causa do comunismo (que identificam à fase da promiscuidade sexual) e reagem como tal. Mesmo em Constantim — onde nos gramam bastante — aparecem tipos a dizer:
— Quando chegarem ao Sul, não se esqueçam de dizer que nós cá não queremos o comunismo. Eles que se amanhem lá para baixo com o comunismo e com a pouca-vergonha.
Ou:
— Escrevam lá nos vossos relatórios para o Estado que nós cá no Norte — e nós não somos burros como nos fazem, podemos ser atrasados, e isso é culpa dos de baixo que nunca nos deram nada, mas se calhar até somos melhores que os do Sul — (...) que nós cá no Norte não queremos nem ver comunistas.
Ou:
— Mas as mulheres lá para o Alentejo não querem os homens? Como é que podem ter votado pelo comunismo?”36

  • 37 Organismo dependente do Ministério das Finanças, criado com esta designação em 1886, sucedendo ao C (...)

72Se a distância geográfica dos adolescentes em relação aos seus locais de residência e socialização era grande, maior se tornava culturalmente em relação aos locais onde se haviam instalado para cumprir a missão estival. Tentavam compensar o desfasamento no terreno, procurando os elos de ligação ao mundo urbano, que albergava os centros de decisão política. Visitavam a Guarda Fiscal37 para ler os jornais de tiragem nacional publicados no Porto; escutavam a rádio, especialmente os programas do MFA; e, para preencher os serões sem televisão nem cafés, escreviam longas cartas para os amigos, todos residentes no litoral. Ao redigir, recorriam às metáforas produzidas no seu meio de origem:

  • 38 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro em 21 de Agosto de 1975 (posse particular). Manuel Aleg (...)

“O Manuel Alegre é um dos tipos que mais me vem aos c. Na noite de luas e estrelas por aqui, penso ‘o meu país é uma fronteira entre um pinheiro e a lua’. Sinto por vezes a amargura como se estivesse exilada num país distante, com toda a malta longe, duma lonjura fisicamente intransponível.”38

73A rota da viagem interna seguida pelas considerações de uma brigadista, revela absorção intelectual. Não tanto na observação dos seus camaradas de campanha, mas mais na exploração do estatuto assumido de mediação entre dois universos, para ela entreaberto. Encontra motivos para questionar o conhecimento instituído, transmitido pela sociedade como identidade cultural: a História nacional.

  • 39 Humberto Delgado (1906-1965), general, candidato pela oposição nas eleições presidenciais de 1958. (...)
  • 40 Lendário guerrilheiro lusitano, que terá organizado uma das fases da resistência aos Romanos no oci (...)
  • 41 Cidade em Castela-a-Velha, capital da província do mesmo nome, situada na margem do rio Douro. Em Z (...)

74Constata como as populações reconhecem nos meios de transporte factores de desenvolvimento. Em Constantim, as pessoas lamentavam não ter sido concretizado o projecto de transformar aquela localidade no terminal ferroviário do ramal do Sabor. Em São Martinho de Angueira, ouviam-se comentários que, sendo a povoação populosa, não tinha nenhuma carreira regular, porque ali tinha ganho Humberto Delgado nas eleições presidenciais.39 Neste apreender da visão local do acontecimento nacional, os brigadistas verificam que Viriato40 era reclamado pelos espanhóis, havendo uma estátua em sua homenagem em Zamora.41 A própria fronteira surgia-lhes ali como um facto despido de transcendência ou glória:

  • 42 Carta de uma brigadista, escrita em Constantim em 24 de Julho de 1975 (posse particular).

“aqui as fronteiras são uns marcos bastante distanciados uns dos outros; os do lado de Portugal, como não têm lá muito, semeiam mesmo até à raia, de modo que na segada a certos campos, um, dois, três passos, estás naquilo a que se chama Espanha.”42

75A correspondência transcrita constitui um diário íntimo. Torna-se inevitável o desabar de mais castelos de cartas. Às imagens dum Portugal heróico, sucedem-se as das aspirações dum Portugal camponês, culminando na essência perdida da ruralidade, ali tão próxima:

  • 43 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro, [final de] Agosto de 1975 (posse particular). Rio de O (...)

“Somos capazes de ir a Rio de Onor (...). Rio de Onor é terra de comunismo primitivo?”43

76Mas as tarefas da missão mantêm-se de pé. Na altura da viagem de supervisão de Michel Giacometti, o responsável da equipa T-2 – forneceu elementos sobre a aceitação do grupo:

  • 44 Outro rapaz da equipa.

“Na primeira aldeia começaram a dizer que nós éramos comunistas, que estávamos a trabalhar para o Estado. Mas depois (...) a senhora da casa onde nós estávamos, nós os rapazes, gostou muito de nós, achou que nós éramos uns gajos porreiros, começou a dizer a toda a gente que nós éramos mesmo bestiais e que não podíamos ser comunistas porque éramos uns gajos porreiros. Depois, a partir daí não tivemos mais problemas... quer dizer, de vez em quando diziam que nós éramos comunistas, por exemplo, uma vez estava eu e o (...)44 a descarregar um carro de feno, e então estava lá uma mulherzinha a dizer:
— Oh Sr. (…), você é comunista?
— Não, não sou comunista.
— Ah, vocês são comunistas...?
— Não, não sou comunista.
— Ah, está bem, vocês não podem ser comunistas, vocês são trabalhadores, vocês trabalham connosco no campo, não podem ser comunistas, os comunistas são todos uns manguelas.”
“Eles gostavam mesmo de nós, porque nós metíamo-nos na vida deles, nós ajudávamos, a gente ajudava mesmo quando eles diziam que não, gostaram tanto de nós que, na primeira aldeia, a senhora da casa onde estivemos nos considerava como filhos.”

77Sobre o levantamento etnográfico o mesmo responsável não conseguiu conter o seu entusiasmo no início da entrevista. Exclamou ao microfone:

  • 45 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 40-60, 74-90, 3-6.

“porreiro contactar com o povo (...) bestial recolher a cultura popular”.45

78As raparigas também achavam o PTC importante para os estudantes, mas não para as populações contactadas. Afirmavam que factores como a idade e o estatuto de forasteiros eram limitativos para um trabalho de politização. Mesmo assim, o chefe da brigada insistia na sua perspectiva. Segundo ele, os estudantes podiam contribuir para a resolução dos problemas mais prementes dos camponeses. Exemplificava:

  • 46 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4:295-305.

“a malta pode mostrar certas necessidades. Ainda ontem, quando a malta cá chegou [a São Martinho], a malta mostrou aos gajos que uma aldeia destas precisava duns transportes colectivos, como a camionete. Mostrámos aos gajos que uma das soluções era ir buscá-la a Cicouro, obrigavam o condutor (...). A malta pode mostrar certas soluções que eles podem fazer.”46

  • 47 Entrevista com T-2/T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 5:168.

“até aqui já se fez uma ocupação!”47

79Na entrevista, conduzida por Michel Giacometti, debatem-se grandes questões: o PTC, o SCE, o papel dos estudantes na Revolução. E como veriam as pessoas da aldeia o PTC?

  • 48 Em 13 de Setembro foram entrevistadas as equipas T-1 e T-2. Nalguns momentos Albino João Pires este (...)

80É agora que importa retomar o diálogo entre a T-1 e Albino João Pires, de São Martinho de Angueira, a aldeia onde a T-2 se instalara no dia anterior.48

  • 49 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 1-22.

“[T-1] — Gostava que nos dissesse se tem alguma ideia, se sabe o que é que estes moços andam cá a fazer e o que é que pensa do trabalho deles?
[AJP] — Não falo nada, não digo nada, eu não sei de nada, andam aqui a fazer coisas de... instruções de vida, não é?
[T-1] — Já os viu a trabalhar? Mas já ouviu falar que eles andavam aqui por perto? Então o que é que ouviu dizer deles?
[AJP] — Muito bem, eu nunca ouvi dizer mal de ninguém, não digo mal de ninguém, claro, eu, como não sei de nada, também não posso dizer nada, de coisa nenhuma. (...) Ouvi dizer que andavam aqui a tirar gravações, assim coisas, é para pôr nas histórias, essas coisas todas, para falar, é claro, andam por aqui a fazer a sua vida, a tirar coisas, será para o Estado, naturalmente.
[T-1] – Terá interesse?
[AJP] – Os senhores não fazem mal a ninguém, andam por aqui a ver as coisas, a instruir a gente, não é?
[T-1] – Será possível resolver problemas?
[AJP] – Podem, então não hão de poder?”49

81A sabedoria de Albino João Pires era desconcertante para os brigadistas, ou melhor, para a sua causa. Nela transparece uma atitude de profunda desconfiança perante o Estado. No contexto em análise, os jovens não eram mais do que agentes directos e activos desse distante e poderoso aparelho central. Noutros momentos, as hostilidades locais antigas face ao Poder longínquo manifestavam-se através dum violento discurso verbal, recorrendo-se à linguagem política característica daquele Verão quente.

82Por sua vez, a rapaziada não desarmava. Dispunham de alguma experiência adquirida. Tinham aprendido a relativizar o discurso camponês.

  • 50 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 116-136.

“Há analfabetos que afirmam não ter nada para dizer, não saber nada, mas depois... encontramos gajos com a 4ª classe que fazem peças de teatro (...). Lá em Constantim, há um gajo que fez a vida dele em verso…. E um pastor que nunca tinha andado na escola, ali em Cicouro, também fez versos (...) e canções.”50

83Perguntado à T-2 pelo entrevistador, qual a reacção local à sua presença, o responsável afirma que uma parte da população achava "porreiro", outra um passatempo. Uma voz feminina constatou nas pessoas opiniões diferentes, oscilando entre considerá-los de férias ou na tropa. Quanto ao destino e ao sentido do PTC, relatam os brigadistas, parecer-lhes que havia

  • 51 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 111-116, 108-111.

“a ideia de que isto era para a história do país, para ficar tudo registado.”51

  • 52 Informação oral prestada aos autores por uma ex-brigadista (1990).

84O desafio dos camponeses aos estudantes tinha outras dimensões. Certo dia, haviam-lhes perguntado se no seu trabalho se preocupavam também com o registo da História Natural ou Divina.52

85A documentação variada disponível sobre esta equipa permitiu aprofundar aspectos importantes. De destacar a relação com a população, a aceitação da sabedoria camponesa, as motivações pessoais, a descoberta do seu próprio mundo, possível pela transposição para um espaço diferente. Estes jovens revelaram bastante empenho em "meter-se na vida deles", reconhecendo os limites dessa imersão.

86Os resultados da recolha global são significativos. Dedicaram-se sobretudo à fixação da tradição oral, sendo notável o seu contributo para a literatura oral (Galhoz 1986, 1988, Soromenho 1984, 1986). As remessas, como se viu, foram feitas por via-férrea para Lisboa juntamente com a T-1.

87Não parece que o grupo tenha tido tensões suficientes para abalar a sua coesão. Gostavam do que faziam. Por isso, talvez se possa generalizar a afirmação de uma das jovens durante a entrevista:

  • 53 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 271-277

“Eu nem sequer vim com a ideia de tirar qualquer curso, porque nem sequer vou daqui para nenhum sítio, vim para conhecer Trás-os-Montes e fazer um trabalho de que gosto, acho muitíssimo giro ver música e relacionar a música com as pessoas, com a maneira de viver, com as tradições.”53

88Este depoimento data de antes do termo da missão cumprida, revelando inquietação em conhecer outras sabedorias.

Uma mulher de armas (T-5)

Raio de acção

89A equipa T-5 foi destinada e trabalhou efectivamente nas seguintes localidades pertencentes ao concelho de Vinhais: Travanca, Moimenta da Raia e Montouto.

Composição (4-3 participantes)

90Inicialmente, partiram nesta brigada três rapazes uma rapariga, a Zilda, que era a responsável. Esta era de Lisboa e queria estudar Biologia. Os seus companheiros vinham da área do Porto e pretendiam vir a ser médicos. Aquando do preenchimento das fichas de inscrição, nenhum dos membros da T-5 afirma ter conhecimento extra-escolares.

  • 54 Informações orais de outros brigadistas do distrito de Bragança.

91Temos vestígios da actividade da T-5 até ao final de Setembro, apesar de, nos princípios de Agosto, a responsável ter comparecido sozinha ao Encontro das brigadas do distrito de Bragança — os rapazes tinham todos ido para o Porto.54

92Alguns deles ou todos os rapazes terão voltado? Terá a responsável continuado o trabalho sozinha? Certo é que não houve transferências de outros brigadistas para compensar eventuais baixas. Ao fim e ao cabo, como evoluiu a composição da brigada? São perguntas até ao momento sem respostas precisas.

Fragmentos recuperados

93Sobre esta equipa quase nada foi possível apurar, apesar das muitas recolhas.

94Sabe-se, pelos referidos testemunhos de camaradas de outras brigadas, que participou num dos encontros Interequipas, sendo a única representante do seu grupo. Recordam-se ainda da jovem da T-5 lhes narrar as suas andanças pelas serranias de Vinhais e dos contactos regulares que tinha com os militares do MFA naquele concelho.

  • 55 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 460.
  • 56 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro, Outubro 1975, ref. 469, 476, 517. Na Pasta PTC Contabilida (...)

95Em Setembro, nos dias 15, 19 e 21, a Zilda tratou da expedição para Lisboa dos materiais recolhidos. A primeira remessa foi feita de Vinhais, através duma empresa de camionagem,55 enquanto as posteriores saem de Bragança por caminho-de-ferro. Uma última é feita de Vinhais, também por via férrea, a 25 do mesmo mês.56 Em qualquer caso, a sua actividade de recolha é impressionante, quer atendendo aos objectos recolhidos quer à literatura oral já publicada.

96Se o peso fosse adoptado como critério avaliativo da actividade de recolha etnográfica, a T-5 teria ficado numa posição cimeira, ultrapassando as duas centenas e meia de quilogramas. Em qualquer caso, a sua actividade de recolha é impressionante, quer atendendo aos objectos recolhidos quer às peças de literatura oral já publicadas.

97A brigada era a Zilda, e a Zilda a brigada. Eis uma prova de que nem sempre o número faz a força. Mesmo quando a solidão envolve uma mulher de armas.

Brigada acidentada (T-6)

Raio de acção

98Trata-se de uma equipa pensada para actuar no concelho de Chaves, nas localidades de Vilela Seca, Ervededo e Soutelo. Contudo, o Plano não foi cumprido, não tendo a equipa chegado a trabalhar na última povoação.

Composição (4-2 participantes)

99Novamente uma rapariga como responsável, acompanhada por três rapazes.

100Nascida em Moçambique, a Zuraida tocava piano e queria estudar Arquitectura.

101Os rapazes vinham da Póvoa do Varzim, dos arredores do Porto e de Lisboa. Um indica saber viola, acordeão e piano, os outros mencionam experiências de teatro, de fotografia e de registo de som. Querem seguir Direito e História.

Fragmentos recuperados

102O início da campanha parece ter sido animador para estes jovens, que na correspondência não ocultam o entusiasmo. Terminada a permanência em Vilela Seca e após a chegada a Ervededo, informam Lisboa da situação:

  • 57 Carta da T-6, escrita em Couto de Ervededo, datada de 7 de Agosto, dirigida à sede do PTC. Assina a (...)

“Depois de um encontro ‘ligeiramente’ frustrado em Vila Real, onde só compareceram 3 equipes e não soubemos o que foi feito da outra, trocámos algumas impressões mas mais ou menos todos chegámos às mesmas conclusões a respeito das reacções daqueles que são o nosso objecto de estudo.
Por aqui ainda não podemos adiantar nada pois só chegámos antes do jantar de ontem. Temos apenas a dizer que continuamos com imensa sorte nas instalações. Temos todos os requisitos.”57

103Dois dias mais tarde, a motivação não esmorece:

“Por cá tudo decorre bem, estando a nossa equipe a ambientar-se gradualmente. Começámos mesmo com o nosso trabalho específico. Enviamos hoje as cassetes, as transcrições e os inquéritos pelo correio, conforme o combinado. Quanto aos utensílios recolhidos (cerca de 13) estamos a diligenciar para que se consiga uma embalagem assaz sólida para eles chegarem ao destino nas condições em que foram recolhidos. As pessoas cá trabalham com afinco e dispõem de limitadíssimos meios de diversão: cavaqueira no tasco, divertindo-se mais nas festas de cariz religioso. São fanáticos! Despendem quantias fabulosas em proveito do Deus terrestre que é o padre, que as devora em seu proveito, beneficiando pouco o povo.”

104Afigura-se-lhes premente agir. Propõem:

“Surgiu-nos uma ideia que seguidamente iremos expor:
Em Couto de Ervededo há um edifício da telescola que reúne as condições necessárias para serem projectados filmes de temática vária (agricultura, vida numa cidade, documentários e filmes de enredo); também aqui se poderiam efectuar colóquios para esclarecer o povo: sobre higiene, alimentação, impostos, habitação, reforma agrária, culturas agrícolas, fluxos ideológicos, etc.
Para que isto se concretizasse gostaríamos que emitisse um juízo de valor sobre esta sugestão que pensamos poder concretizar, embora não descurando os objectivos que presidiram à esquematização deste plano ‘Trabalho e Cultura’.
Isto permitiria dar a conhecer novos mundos ao mundo tão fechado em que vive este povo (Couto de Ervededo).
Compatibilizar as tarefas que advêm (filmes e colóquios) é fácil: executá-lo-íamos à noite, hora em que estamos praticamente inactivos, com horários bem espaçados a fim de se poder programar com êxito.
Iremos tentar arranjar uma máquina de projectar 8 mm ou 16 mm e quanto aos filmes seriam pedidos às embaixadas acreditadas aí na capital, com especial relevo à francesa.
Os colóquios seriam proferidos por indivíduos de Chaves, habilitados profissionalmente ou não, que expusessem com a sapiência e a clarividência necessária para a população entender.
Esperamos que este plano extra (filmes e colóquios) seja devidamente estudado por V. Ex., a fim de poder emitir uma opinião válida acerca do mesmo. Move-nos fazer isto porque pretendemos também lançar no povo fogachos de cultura, ainda que ténues para consciencializar que vivemos um momento transcendente da nossa história, e que só com o povo culto é que lograremos atingir os objectivos a que a Nação se propôs.
Poderá parecer à primeira vista que esta missiva está repleta de chauvinismo, mas não está! Estava se não contivesse soluções, mas contem-nas!
Aguardamos o bom acolhimento para estas sugestões, esperando que V. Ex.ª nos comunique o seu parecer sobre as mesmas.
Saudações cívicas”

105Esboçado o conjunto de propostas nocturnas para ambiente rural, os brigadistas explicam as razões das dificuldades no manuseamento dos aparelhos. Mas nada aponta para qualquer desfalecimento. Até fazem uma promessa, a rematar a mesma carta:

  • 58 Carta da T-6, escrita em Couto de Ervededo, datada de 9 de Agosto, dirigida à sede do PTC. Assina u (...)

“Post scriptum: Aproveito o ensejo para informá-los de que nos surgiram problemas relativamente às cassetes. Existem uma série de falhas que aliadas à nossa inexperiência contribuíram para que as gravações, que foram perfeitas não ficassem demarcadas nas respectivas transcrições consoante as ordens dimanadas por vós. Como adquirimos certa experiência à custa das cassetes gravadas em Vilela Seca, estamos confiantes que estas sairão perfeitas, embora se saiba que é impossível atingir a perfeição suprema. Note-se que não pretendemos escudar-nos atrás desta frase nem realizar um trabalho de cassetes idêntico.”58

106Em 12 de Agosto, remetem da estação ferroviária de Chaves 120 quilos de "ferramentas". Conseguiram vencer o problema do acondicionamento, e podemos pressupor que a "cama antiga com adornos floreados" fazia parte desta remessa, apesar de figurar no recibo com data de 14.

  • 59 Na Pasta PTC Contabilidade Equipas, T-6, existe a carta de porte correspondente a esta remessa e o (...)

107As restantes peças, assim como transcrições posteriores, foram certamente entregues em mão na sede, quando da mudança de equipa.59

108Implacável, a má sorte vinha-os espreitando. O abalo decisivo na estrutura da brigada viria a dar-se da seguinte forma:

“Contudo, ontem, 25 de Agosto, num embate de automóveis cá em Vila Real a [ responsável pela Equipa] ficou ligeiramente ferida. É uma fractura num dos ossos da bacia, de que não me lembro agora o nome, que exige umas três ou mais semanas de repouso absoluto para correcção natural. Nós os dois (...) estamos porreiros (quanto ao físico). Agora há uma quantidade de problemas:
a nossa equipa — T-6 — desfalcada com a saída do (...) e outros contratempos, continuava com esforço a sua tarefa. Com este novo desfalque parece ter comprometida a sua existência como equipe.
Restamos dois, com vontade de apesar de tudo continuar o trabalho e levar as coisas até ao fim. Vemos contudo pouca viabilidade do trabalho pois, além de sermos só os dois, temos de fazer, em Soutelo, a nossa própria comida, etc. O tempo de trabalho será assim muito reduzido.
Dificuldades práticas e algumas de carácter moral pois será difícil permanecer o mesmo espírito de grupo, de mútuo apoio. E foi um bocado chato as saídas e os motivos das saídas dos nossos camaradas (...) e (...). Isto ligado à situação político-militar...”

109Este acidente colocaria a chefe de operações fora de combate. Vinha confirmar o mau presságio. Dois dias antes, a senhora que os havia hospedado em Ervededo vai-se embora, ficando a equipa sem-abrigo. Graças aos bons ofícios duma funcionária municipal de Chaves, entram em contacto com Soutelo — a próxima localidade programada. Depois de sondagens e negociações, prometem-lhes para breve alojamento. Entretanto, aguardavam resposta em Vila Real de Trás-os-Montes.

110Mas o moral tinha sido atingido. No entanto, o espírito que norteara o desempenho da sua missão pela região flaviense ainda ia a par com a motivação e a prontidão. Asseveram na mesma carta os dois rapazes sobreviventes da equipa:

  • 60 Relatório da T-6, dirigido ao “Amigo Michel”, escrito em Vila Real, em 26 de Agosto de 1975, assina (...)

“Apesar dos defeitos e carências deste trabalho (a breve tempo faremos as nossas críticas e autocríticas) julgamos poder estar aqui a dar a nossa ajuda à Revolução Socialista. Daí a nossa capacidade de rejeitar soluções que nos levam a fazer ‘campismo’ numa situação política destas e à custa do dinheiro do povo português. É pena que para resolver esta situação nos mandem contactar Lisboa mas parece não haver aqui capacidade de dar saída a esta situação difícil.
Esperamos, camaradas, que compreendais a nossa situação e o nosso espírito e tenhamos capacidade revolucionária de descobrir uma solução que seja solução. Saudações amigas e revolucionárias aos camaradas amigos.”60

  • 61 Pasta PTC Contabilidade Equipas, T-6.

111Perante esta constelação desfavorável, a equipa viria a desfazer-se. Os dois subscritores da carta parcialmente transcrita foram ajudar a activar a A-2 durante o mês de Setembro. A ordem de marcha para o trajecto de Chaves a Lisboa, e de Lisboa a Évora tem data de 6 de Setembro.61

112Vida agitada e final abrupto, eis dois vectores da T-6 perceptíveis na correspondência que enviam à sede. Dada a "decapitação” da brigada, os contactos com a sede são feitos por vários membros da equipa. Na forma de redigir, verificam-se diferenciações pessoais. Os relatórios de autoria feminina caracterizam-se por um estilo bem-disposto, recorrendo ao termo camarada; quando se trata de um dos rapazes transparece a tradição liberal democrática orientada para a cultura francesa; finalmente, na carta final dos dois rapazes o estilo é de assumido empenhamento na revolução socialista.

A suposta nudez (T-7)

Raio de acção

113Segundo o Plano, a equipa T-7 deveria instalar-se em Codessoso, Curros e Beça, no concelho de Boticas. Contudo, a equipa desfez-se bastante cedo, apenas remetendo as recolhas feitas em Beça.

Composição (4 participantes)

114Uma rapariga e três rapazes avançaram para esta zona, cabendo a responsabilidade a um destes, o Aníbal.

115Um era do Porto, os restantes residiam na área de Lisboa.

116Alguns tocavam instrumentos musicais, como por exemplo flauta transversal. Vários interessavam-se por fotografia e registo de som.

117Dois pretendiam seguir Direito, outro queria História e a única rapariga do grupo optara por Economia.

Fragmentos recuperados

  • 62 Informações orais prestadas aos autores por um membro da T-9, por outros brigadistas, assim como pe (...)

118De acordo com várias fontes, os jovens desta equipa não terão conseguido equilíbrio no relacionamento interno, nem contactos fáceis com a população. Os brigadistas quiseram regressar prematuramente a Lisboa, argumentando com a situação política nacional. Assim, os rapazes dirigiram-se para a capital. A única rapariga esteve por vezes sozinha e sozinha se bateu com os boatos sobre a sua nudez aquando do banho num curso de água, tendo tido que esclarecer o assunto com o padre local.62

  • 63 Pasta PTC Contabilidade Equipas, T-7.

119Em Agosto, a brigada desfez-se. A rapariga e dois rapazes desistiram do PTC. O responsável foi transferido, indo reforçar a M-4.63

120Pesem estas condicionantes, mesmo assim, esta equipa de vida efémera efectuou recolhas. Destas, registe-se o berço, um objecto que pertence à categoria do mobiliário doméstico, pouco representada no acervo constituído no âmbito do PTC.

Ventos de espanha, brisas de portugal (T-8)

Raio de acção

121Padroso, Padornelos e Vilar de Perdizes (Santo André e São Miguel), do concelho de Montalegre, foram as povoações escolhidas para área de trabalho da T-8.

Composição (4 participantes)

122Zila, a única rapariga do grupo, que era também a brigadista mais velha, foi a responsável.

123Vinham todos do Norte litoral e do Centro do país.

124Querem estudar História, Engenharias e Física. Interessam-se por teatro, registo de som, fotografia e tocam instrumentos, tais como a flauta de bisel.

Fragmentos recuperados

  • 64 Informação oral colhida pelos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

125Inicialmente, os jovens terão permanecido duas semanas na vila de Montalegre, sede do concelho, aguardando que lhes desbloqueassem recursos financeiros. É plausível que, por este motivo, anulassem a permanência na primeira aldeia prevista no programa.64 Foram para outra aldeia:

“Em Padornelos tivemos bastantes problemas, pois etnograficamente a aldeia não tem absolutamente nada. Sujeitámo-nos a uma estadia sem um mínimo de condições de sobrevivência. A nossa alimentação reduziu-se a pão; salsichas; bolachas e cerveja... As janelas da casa onde estávamos poucos vidros tinham e a aldeia é a mais fria do concelho...
Mas o nosso trabalho não foi inútil. Tivemos um grande contacto com a população, pois trabalhámos frequentemente com eles nas actividades agrícolas.
Por outro lado, conseguimos dados importantes no aspecto socioeconómico. Consideramos o ‘status’ extremamente baixo.
Todos os habitantes se prontificaram a dar informações sobre as dificuldades que tinham!”

126De Padornelos nada parecem ter trazido.

127A mesma carta dá conta de atritos iniciais em Santo André:

“tivemos problemas com o padre que muito ‘delicadamente’ nos recusou alojamento em sua casa. Aliás tem havido graves desentendimentos entre ele e o povo pois ‘Sua Exª Rev.ª’ reconstruiu o seu ‘palácio’ com o dinheiro da população e agora diz que o edifício pertence ao ‘ministério da igreja’".

128No entanto, a brigada não deixa de encontrar fontes de inspiração para assuntos de recolhas no terreno:

“Pessoalmente contactei um homem com perto de 80 anos que apoia o comunismo.... Vou tentar gravar uma conversa com ele que juntarei ao nosso trabalho.”

129A brigada esteve preocupada com o papel político, que julgou importante desempenhar, contribuindo para que, no país, se tivesse outra imagem da região onde se encontravam. Manifestam-no à sede nos seguintes termos:

  • 65 Relatório da T-8 à sede, escrito em Santo André, datado de 10 de Setembro de 1975. Assina a respons (...)

“Até agora, nem o Michel nem representantes dos órgãos de informação nos contactaram, lamentamos isso pois a opinião que a maioria do povo português tem sobre a gente desta zona é 100% errada.
Além disso, achamos que os ministérios da saúde; economia; administração interna; educação etc.... deviam começar a pensar mais a sério nesta zona e nas condições de vida desta gente que não são más. São péssimas!
O caciquismo e o reaccionarismo têm aqui fortes sustentáculos que se tornam de dia para dia mais poderosos devido ao descontentamento das populações. Pois os adubos aumentaram de preço... o açúcar também... isto para não falar nas quotas da Casa do Povo que passaram de 12$50 para 70$00 e 90$00, mulheres e homens respectivamente, quando a assistência médica não melhorou em nada... pelo contrário!...”65

130Em Agosto, o Notícias de Chaves tinha-lhes dedicado um apontamento sobre a permanência em Vilar de Perdizes.

  • 66 Artigo de António Fontes in Notícias de Chaves, 09/08/1975: 2. Também publicado em Correio do Plana (...)

“As primeiras impressões da gente da terra foram suspeitar de comunistas e vindo com intenções duvidosas. Pensaram ainda em corrê-los daqui. Mas, depois de ambientados, em poucos dias os quatro estudantes voluntariosos tinham tudo quanto queriam dos Perdicenses: a casa, o pão, o vinho, e o delicioso presunto, sem falar na espontaneidade das pessoas para obter a matéria-prima para o seu valioso trabalho.
Os Barrosões somos assim, primeiro desconfiamos muito, depois confiamos tudo e de todo o que vem por bem, fazemos grande amigo.
Estranhamos que este ano não tenha havido repórteres da imprensa, rádio e televisão, como no ano passado.
Suprindo esta lacuna, aqui vão as impressões finais destes quatro revolucionários trabalhadores.
No aspecto etnográfico, de muito interesse, mas já encontram tudo esquecido, adulterado, vivido noutra geração. A influência da Espanha vizinha, das cidades, da emigração, poluiu a pureza das tradições. De destacar o comunitarismo agro-pastoril de toda a região: em especial a entreajuda nos trabalhos agrícolas, sem remuneração. Apesar disso ainda há explorações com máquinas agrícolas, intermediários, abandono pela Cooperativa de Montalegre e autarquias. [sic]
Teria também muito valor e aplicação às pessoas o serviço cívico, noutros campos como a saúde, higiene, cooperativismo, organização de conselhos de aldeia, politização, esta a longo prazo, alfabetização, desportos, etc.
Depararam com problemas fundamentais: alto índice de analfabetismo, inexistência absoluta de meios de comunicação social: não se lê jornal, a televisão é só a espanhola, as emissoras mal cá se ouvem; graves deficiências na assistência médica, pré-natal, materno-infantil, velhice, primeiros socorros. Subalimentação, falta de sanitários, de rede de esgotos, esquecimento e abandono total pelos Ministérios Estatais e Câmara.
Religiosidade fanática, explorada por partidos políticos, que provoca certa dose de reaccionarismo involuntário, mas curável a longo prazo.
Enfim é um Portugal desconhecido, doente, esquecido, que espera pelo 25 de Abril, que parece ainda cá não ter chegado em nenhum aspecto.
Aos estudantes já lhes custa ir embora. Sentem-se bem e queridos do povo, com um acolhimento que não esperavam. Desejam prolongar o trabalho local, voltar no Inverno, visitar a gente amiga. Diz o (...): noutras terras mais politizadas e cultas como na região de Coimbra e Leiria que ele conhece, não tiveram tão bom acolhimento. Aqui não houve problemas de casa, nem de nada e lá viram-se e desejaram-se.”66

131Em Setembro é publicado o seu relatório sumário da actividade noutro jornal local, o Correio do Planalto:

“Levantamento topográfico e levantamento sobre a saúde (medicina popular, alimentação, assistência materno-infantil, etc.).
Primeiramente tivemos algumas dificuldades, porque éramos considerados Comunistas, ao ponto de alguns elementos irem falar com o padre da aldeia.
Para isso contribuiu o padre que na aldeia e mais propriamente na Igreja, foi explicando o que era o SCE.
Relativamente à juventude, em princípio certa reacção, mas agora sentem-se seguros, depositam toda a confiança, inclusivamente oferecem presunto no qual são seguidos pelos mais idosos.
O trabalho também reflecte literatura popular, tal como contos, cantigas, anedotas, poesias, etc.
Inquérito à saúde. Em primeiro lugar a inexistência de um posto de saúde com primeiros socorros. Isto implica que a maior parte do povo se vá tratar a Espanha. Grande índice de alcoolismo, tanto feminino como masculino, vestígios de raquitismo em crianças, derivado da subalimentação.
Falta de assistência na gravidez — 1 única criança nascida na maternidade. Condições sanitárias — falta de rede de esgotos, não há casas de banho.
Não são utilizados meios contraceptivos na gravidez, talvez por influência da religião, e falta de divulgação dos mesmos.
Aspecto social — inexistência de Casa do Povo, implicando que o Povo não faça reuniões, fraco nível associativo, e por isso não discutem os seus problemas. Grande índice de analfabetismo — as campanhas de alfabetização ajudaram os mais velhos nas primeiras letras que eles estão a esquecer por falta de continuação das mesmas.
Meios de informação — falta de meios de comunicação social (jornais raramente são lidos, somente TV espanhola devido à inexistência de um posto emissor, assim como nos rádios não se apanha a Emissora Nacional).

  • 67 Correio do Planalto, Montalegre 15/9/1975: 3. Na notícia há uma gralha. Trata-se da T-8 e não da T- (...)

Já recolheram materiais tal como: alfaias agrícolas, malhos, gadanhos, arados, jugos, candeias, etc.
Este grupo terminou o seu trabalho em Vilar e agora está em Padornelos.”67

132As remessas de material desta equipa não são fáceis de comprovar. Aliás queixam-se:

“esperamos que o MFA nos facilite o trabalho enviando-nos pelo menos uma viatura que possa transportar as coisas até Vila Real, de lá despacharemos pelo comboio está certo?!
O material recolhido em Vilar ainda não foi pois o alferes (…) afirmou que não dispõe de meios para nos auxiliar!...
Esperamos que agora reconsidere!”

  • 68 Livro de Contas PTC, Despesas Setembro 1975, ref. 474, 475.

133O desejo deve ter sido atendido pela autoridade militar. Em 20 de Setembro foram feitas duas remessas de Vila Real de Trás-os-Montes, que podem ser atribuídas à T-8.68

134A T-8 não viveu só em alojamentos com janelas sem vidros, nem tão-pouco da generosidade dos Perdicenses, demonstrada na disponibilização de casa, de pão, de vinho e do delicioso presunto. Recolheu bastantes materiais e discutiu a grande operação em que estavam envolvidos. Quiseram definir e aprofundar a essência da missão atribuída.

  • 69 Proposta da T-8 à sede, s.l., s.d. Assinam os quatro brigadistas.

“Proposta à Comissão Coordenadora do Serviço Cívico e do Trabalho e Cultura elaborada por os elementos da Equipa T-8
1. Considerando que o Serviço Cívico Estudantil desenvolvido no ano de 74-75 foi extremamente deficiente.
2. Que os moldes em que foi organizado não agradaram de modo algum à maioria dos estudantes e do próprio povo.
3. Que o Plano Trabalho e Cultura foi extremamente mal elaborado.
4. Que os organismos particulares e oficiais prestaram uma muito reduzida colaboração.
5. Que o boicote que os delegados distritais e concelhios moveram aos estudantes em nada beneficiou o nosso trabalho, assim como as burocracias exigidas pela Comissão Central em Lisboa.
6. Que o registo exaustivo da música regional; da literatura popular e a recolha de testemunhos materiais de trabalho em nada beneficiou os camponeses transmontanos (este é o nosso caso).
7. Que 24 dias em cada aldeia não chegam sequer para uma adaptação suficiente dos estudantes à população e destas a nós.
8. Que a formação das equipas foi muito precipitada, o que deu origem a graves desentendimentos entre os estudantes, motivados por divergências pessoais e ideológicas.
9. Que o Plano Trabalho e Cultura foi uma tarefa extremamente frustrante pois em nada conseguimos melhorar as condições de vida das populações.
Assim, os estudantes que constituem a Equipa T-8 propõem que se revejam os modos de organização do Serviço Cívico, nomeadamente de um futuro Plano de Trabalho e Cultura, de modo a que as próximas realizações deste género sejam postas inteiramente ao serviço das massas trabalhadoras, principalmente do campesinato.
Os estudantes”69

135Eis o teor do projecto global enviado pelos brigadistas à sede. Amadurecera entre ventos de Espanha e brisas de Portugal.

Setembro alucinante (T-9)

Raio de acção

  • 70 Informações orais recolhidas no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

136Trata-se de uma outra equipa destinada a localidades do concelho de Montalegre: Covelães, Pitões das Júnias e Tourém. Contudo, não trabalhou na primeira povoação.70

Composição (4 participantes)

137Três rapazes e uma rapariga, sendo atribuída a responsabilidade da equipa ao Angelino.

138Excepção feita a um brigadista que era do Minho litoral, todos os outros eram de Lisboa.

139Quanto às preferências universitárias, um rapaz e uma rapariga (que eram vizinhos) querem Gestão de Empresas, outro rapaz quer Engenharia e o responsável pretende Direito.

140Os interesses extra-escolares revelados centram-se na música e no teatro. Todos dizem não saber de fotografia.

Fragmentos recuperados

141Estiveram duas semanas na vila de Montalegre, à espera de dinheiro para seguir para as aldeias. Como sucedeu com a T-8, o compasso de espera obrigou a desistir da primeira localidade.

  • 71 Informações orais recolhidas no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

142Em Chaves, aquando do Encontro interbrigadas, passaram uns dias agradáveis. Alojados num antigo convento, que albergava muita documentação, recordariam com saudade as noites lá passadas.71 Nas aldeias, a situação era diferente: pelo menos numa delas tiveram de dormir todos juntos em condições que não esqueceram. Para além de tudo isto, o PTC terá trazido a vários deles experiências fortes, salientando-se as de hipnose colectiva.

143Um apontamento publicado na imprensa local, novamente no Correio do Planalto, dá-nos uma ideia da experiência em Tourém.

  • 72 Correio do Planalto, Montalegre, 15/9/1975: 3.

“Menos dificuldades, visto o povo de Tourém ser mais revolucionário.
Saúde — falta de assistência, vendo-se obrigados a vir a Montalegre ou a Espanha.
Transportes — De Tourém para Montalegre só há camionetas aos dias de feira (portanto 2 vezes por mês), e um táxi.
Falta de meios de informação — os jornais raramente são lidos, e vê-se muito TV espanhola.
Grande índice de analfabetismo e alcoolismo — caso excepcional que o índice de alcoolismo é maior nas mulheres do que nos homens.
Pouca ou nula assistência à gravidez — não são utilizados meios contraceptivos. Falta de rede de esgotos.
O Povo encontra-se revoltado porque as taxas da Casa do Povo aumentaram de 30$00 para 90$00. — O Povo pede que o problema da barragem seja resolvido o mais depressa possível.
Grande índice de analfabetismo nos mais idosos, mas toda a juventude anda a estudar na Escola Primária e o saldo é quase 100%.
Este grupo encontra-se agora em Pitões, na continuação do seu trabalho.”72

  • 73 Livro de Contas PTC, Despesas Agosto 1975, ref. 366.

144Em Setembro, a T-9 recebeu uma encomenda de Lisboa com exemplares de fichas sobre informantes das recolhas orais (Documento 4), assim como uma caderneta para registo de objectos oferecidos.73 De facto, o resultado final do levantamento efectuado por estes jovens situa-se bem acima da média do PTC; foram dos mais bem-sucedidos. Assinale-se que todos os objectos resultam de doação. Neste sentido comportaram-se como peixe na água. Fazendo fé aos registos nas cadernetas, o mês de Setembro foi um período de intensa actividade.

  • 74 A fim de ser respeitada a norma do anonimato, não se remete para o artigo de imprensa em questão.

145Pelos vistos, os brigadistas souberam articular uma recolha eficaz no terreno. O responsável da equipa interessava-se por fenómenos parapsicológicos. Poucos anos mais tarde, este rapaz defenderia num jornal lisboeta a supressão do SCE. Esta posição certamente não resultou da experiência pessoal vivida naquele Verão passado no Barroso.74 Foi um mês de Setembro alucinante.

Amnésia (T-10)

Raio de acção

146Tal como previsto, a equipa T-10 instalou-se nas localidades de Torre do Pinhão, Souto de Escarão e Lamares, pertencentes respectivamente aos concelhos de Sabrosa, Alijó e Vila Real.

Composição (4?+1 participantes)

147Trata-se de uma equipa com predomínio masculino.

148Integra três rapazes que, pelo seu local de nascimento, davam uma configuração transcontinental ao grupo: Anselmo, o responsável, era de Angola e os outros dois rapazes vinham de Moçambique e da Venezuela. Apesar desta diversidade geográfica, todos tinham frequentado liceus em língua portuguesa.

149Tinham-se inscrito em Faculdades de Ciências, Engenharia e Letras. Dois afirmam possuir conhecimentos de música, registo de som e fotografia.

  • 75 Esta rapariga consta de uma lista de participantes entregue aos autores por Giacometti (1990) mas n (...)
  • 76 Pastas de Contabilidade.

150Terá eventualmente havido ainda uma outra rapariga.75Em princípios de Agosto, a equipa acolheu uma rapariga vinda da autodissolvida M-9.76

Fragmentos recuperados

  • 77 No Encontro de Setúbal (17/2/1991) foi contactada a brigadista. Nas suas recordações estavam vivas (...)
  • 78 Livro de Contas PTC, Despesas Setembro 1975, ref. 456; Pasta PTC Contabilidade II, mesma ref.

151A brigada trabalhou com afinco e regularidade, se se atender à ordenação cronológica em que se verificam as recolhas. Pouco se pôde apurar sobre o seu dia-a-dia.77 Em princípios de Agosto recebem materiais de trabalho (Documentos 4 e 6).78 As remessas atribuídas à T-8 podem igualmente ter sido feitas pela T-10.

Notes

1 Entrevista com T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3:371-385, 415-416.

2 Carta da Equipa T-1 ao SCE, escrita em Miranda do Douro e datada de 28 de Agosto 1975. Está assinada "Brigada T-1" (posse particular).

3 Carta dos serviços centrais à equipa T-1, datada de 3 de [Setembro] de 1975.

4 Federação Nacional para a Alegria no Trabalho, organismo extinto em 1975, sendo substituído pelo INATEL (Instituto Nacional para o Aproveitamento dos Tempos Livres dos Trabalhadores).

5 Carta da equipa T-1 aos serviços centrais, escrita em Miranda do Douro e datada de 28 de Agosto de 1975.

6 Carta dos serviços centrais à equipa T-1, datada de 3 de Setembro de 1975.

7 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 389-390, 553-556

8 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 572-580.

9 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 385-390.

10 Entrevista com T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 220-225.

11 Rascunho de uma carta da equipa T-1 aos serviços centrais, escrita em Julho de 1975 (posse particular).

12 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 490-507, 534-556.

13 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 594-609.

14 Entrevista com T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 133-155.

15 Entrevista com T-1, Ifanes, 13/09/1975, bobine 2: 158-213, 226-267.

16 Entrevista com T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 52-59, 96-104. Enfardadeiras e ceifeiras-debulhadoras, respectivamente.

17 A entrevista foi feita numa aldeia (sem carreiras regulares de passageiros) situada a 20 quilómetros das localidades onde a T-1 tinha estado instalada. Os entrevistadores não conheciam o entrevistado. A T-2 chegara no dia anterior à aldeia, para lá permanecer.

18 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 454.

19 Pasta PTC Contabilidade II, ref. 478, 479, 481.

20 Diário pessoal de uma brigadista, cedido para este efeito. Os autores agradecem a colaboração.

21 Numa carta pessoal, escrita em 24 de Julho de 1975, por um dos membros da equipa, lê-se: "As cívicas vivem numa casa que é também o Posto Público de Constantim (o 10 de Ifanes)." Posse particular.

22 Polícia Internacional e de Defesa do Estado, polícia política e de informações, criada pelo regime salazarista. Em 1972 seria submetida a uma reforma, surgindo então a Direcção Geral de Segurança (DGS). Após o 25 de Abril foi extinta. Os arquivos encontram-se no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), em Lisboa.

23 Rádio Renascença, Emissora Católica Portuguesa, propriedade do Patriarcado de Lisboa, foi a única estação radiofónica portuguesa a não ser nacionalizada. Foi porém ocupada.

24 Maio-Nordeste, última das campanhas de Dinamização Cultural e Acção Cívica lançadas pelo MFA em 1974/1975.

25 Carta de Constantim, escrita por uma brigadista e datada de 24 de Julho de 1975 (posse particular).

26 Dados retirados de cartas particulares, escritas de Constantim em 24 de Julho e de Mirandela em 5 de Agosto; testemunhos pessoais dos ex-brigadistas aos autores.

27 Canção então muito em voga, interpretada por Ermelinda Duarte.

28 Informações orais prestadas por membros da equipa aos autores (1990-91).

29 Carta particular escrita em São Martinho, em 10 de Setembro de 1975.

30 Compositor e cantor chileno, assassinado em 1973, num estádio de Santiago, pelas forças militares que derrubaram o governo de Salvador Allende.

31 Foi durante estes banhos que as duas brigadistas adquiriram alguns novos conhecimentos. Certo dia, em que espreitavam pela janela a visita de inspecção do general Pires Veloso (que naqueles dias tinha sido nomeado comandante da Região Militar Norte, em substituição do brigadeiro Eurico Corvacho, conotado com as forças revolucionárias), viram pela primeira vez preservativos, abandonados pelo chão da casa de banho das camaratas. Informações orais prestadas aos autores pelas raparigas em causa (1990).

32 Alusão ao 18 de Julho de 1936, data do início da rebelião das tropas do general Francisco Franco (forças nacionalistas), contra o governo (forças republicanas), dando início à Guerra Civil (1936-39). Sairiam vencedores os rebeldes, após a queda da Catalunha e a ocupação, já sem resistência, de Madrid. Francisco Franco (1892-1975), passaria a ser Chefe de Estado vitalício. No plano internacional, a Alemanha nazi, a Itália fascista e o Portugal salazarista (os "Viriatos" eram grupos de voluntários portugueses) apoiaram os Nacionalistas, enquanto a França e a Grã-Bretanha optaram pela política de não-intervenção. O lado republicano recebeu auxílio político e militar da União Soviética e das Brigadas Internacionais, formadas por voluntários vindos de vários países. Muitos intelectuais inspiraram-se neste conflito ou participaram nele. Federico Garcia Lorca (1899-1936) foi assassinado pelos nacionalistas perto de Granada. Ernest Hemingway (1899-1961) viveu a situação como jornalista, dedicando mais tarde um romance a esta sua experiência - For whom the bell tolls (1940), Por quem os sinos dobram na tradução portuguesa. Pablo Picasso (1881-1973), impressionado com um ataque aéreo alemão (Legião Condor) a uma aldeia no País Basco, dedicou-lhe uma das suas maiores obras de pintura – Guernica (1937, Prado, Madrid). André Malraux (1901-1976), escritor, crítico de arte e político francês, participou no teatro de guerra, na aviação republicana. O seu romance L’Espoir (1937) trata este contexto. Robert Capa (1913-1954), aliás Andrei Friedmann, repórter fotográfico de origem húngara, foi correspondente de guerra em Espanha (1936). Ficaram célebres as suas imagens sobre a Guerra Civil; viria a falecer no Vietname, no exercício da sua actividade profissional.

33 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro em 17 de Agosto de 1975 (posse particular).

34 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro em 21 de Agosto de 1975 (posse particular).

35 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 60-62

36 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro em 17 de Agosto de 1975 (posse particular).

37 Organismo dependente do Ministério das Finanças, criado com esta designação em 1886, sucedendo ao Corpo da Guarda Fiscal (1885), por sua vez nascido dos Guardas Barreiras. Em 1993, foi transformado em brigada integrada na GNR.

38 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro em 21 de Agosto de 1975 (posse particular). Manuel Alegre (1936- ), poeta, escritor, político. Activista na oposição ao salazarismo, exilado. Desde o 25 de Abril dirigente do Partido Socialista e deputado à Assembleia da República.

39 Humberto Delgado (1906-1965), general, candidato pela oposição nas eleições presidenciais de 1958. Foi destituído, exilou-se, tendo desenvolvido intensa actividade política contra o salazarismo. Foi assassinado pela PIDE em Villanueva del Fresno (Espanha). Os exemplos citados baseiam-se em informações orais prestadas aos autores (1990).

40 Lendário guerrilheiro lusitano, que terá organizado uma das fases da resistência aos Romanos no ocidente da Península Ibérica, e seria morto à traição. Existe uma estátua a Viriato na cidade de Viseu.

41 Cidade em Castela-a-Velha, capital da província do mesmo nome, situada na margem do rio Douro. Em Zamora foi em 1143 assinado um tratado de paz, que asseguraria a Portugal a independência.

42 Carta de uma brigadista, escrita em Constantim em 24 de Julho de 1975 (posse particular).

43 Carta de uma brigadista, escrita em Cicouro, [final de] Agosto de 1975 (posse particular). Rio de Onor foi objecto de uma monografia com este título, consagrada na Etnologia portuguesa (publicada em 1953, 2.ª edição 1983) da autoria de A. J. Dias (1907-1973). Posteriormente, foi revisitada numa tese, agora de Joaquim Pais de Brito (1989).

44 Outro rapaz da equipa.

45 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 40-60, 74-90, 3-6.

46 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4:295-305.

47 Entrevista com T-2/T-1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 5:168.

48 Em 13 de Setembro foram entrevistadas as equipas T-1 e T-2. Nalguns momentos Albino João Pires esteve presente, sendo solicitada a sua opinião.

49 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 1-22.

50 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 116-136.

51 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 111-116, 108-111.

52 Informação oral prestada aos autores por uma ex-brigadista (1990).

53 Entrevista com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 271-277

54 Informações orais de outros brigadistas do distrito de Bragança.

55 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro 1975, ref. 460.

56 Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro, Outubro 1975, ref. 469, 476, 517. Na Pasta PTC Contabilidade II, sob as mesmas referências, verifica-se que os dois últimos despachos não foram feitos pela Zilda o que poderá significar ter entretanto regressado a Lisboa. Livro de Contas PTC, Despesas, Setembro, Outubro 1975, ref. 469, 476, 517.

57 Carta da T-6, escrita em Couto de Ervededo, datada de 7 de Agosto, dirigida à sede do PTC. Assina a responsável da Equipa.

58 Carta da T-6, escrita em Couto de Ervededo, datada de 9 de Agosto, dirigida à sede do PTC. Assina um dos membros da Equipa.

59 Na Pasta PTC Contabilidade Equipas, T-6, existe a carta de porte correspondente a esta remessa e o aviso de entrega ao destinatário. Contudo, não foi possível encontrar qualquer pista no Livro de Contas.

60 Relatório da T-6, dirigido ao “Amigo Michel”, escrito em Vila Real, em 26 de Agosto de 1975, assinado por um dos rapazes

61 Pasta PTC Contabilidade Equipas, T-6.

62 Informações orais prestadas aos autores por um membro da T-9, por outros brigadistas, assim como pelo próprio Giacometti.

63 Pasta PTC Contabilidade Equipas, T-7.

64 Informação oral colhida pelos autores no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

65 Relatório da T-8 à sede, escrito em Santo André, datado de 10 de Setembro de 1975. Assina a responsável da equipa.

66 Artigo de António Fontes in Notícias de Chaves, 09/08/1975: 2. Também publicado em Correio do Planalto, Montalegre, 15/9/1975: 3.

67 Correio do Planalto, Montalegre 15/9/1975: 3. Na notícia há uma gralha. Trata-se da T-8 e não da T-9.

68 Livro de Contas PTC, Despesas Setembro 1975, ref. 474, 475.

69 Proposta da T-8 à sede, s.l., s.d. Assinam os quatro brigadistas.

70 Informações orais recolhidas no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

71 Informações orais recolhidas no Encontro de Setúbal (17/2/1991).

72 Correio do Planalto, Montalegre, 15/9/1975: 3.

73 Livro de Contas PTC, Despesas Agosto 1975, ref. 366.

74 A fim de ser respeitada a norma do anonimato, não se remete para o artigo de imprensa em questão.

75 Esta rapariga consta de uma lista de participantes entregue aos autores por Giacometti (1990) mas não dos dossiers de inscrição.

76 Pastas de Contabilidade.

77 No Encontro de Setúbal (17/2/1991) foi contactada a brigadista. Nas suas recordações estavam vivas as ocorrências na M-9 e muito apagada a recordação da permanência na T-10.

78 Livro de Contas PTC, Despesas Setembro 1975, ref. 456; Pasta PTC Contabilidade II, mesma ref.

© Etnográfica Press, 1993

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search