Versione classicaVersione mobile
OpenEdition Books Etnográfica Press Antropologia A Missão Capítulo 10 – Ciência e povo: a c...

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte 3. O Verão Quente

Capítulo 10 – Ciência e povo: a construção de universos camponeses

Jorge Freitas Branco

Testo integrale

Fotografias 2 e 3 - Plano de Trabalho e Cultura: na debulha e nas gravações. Concelho de Miranda do Douro, Equipa T-1. Colecção Alexandre Ramires.

Fotografias 2 e 3 - Plano de Trabalho e Cultura: na debulha e nas gravações. Concelho de Miranda do Douro, Equipa T-1. Colecção Alexandre Ramires.

Uma modalidade de constituição de acervo

1As populações visitadas pelos brigadistas desde o Algarve serrano até aos confins transmontanos aparecem em relances. Só pelas entrevistas gravadas encontramos ecos directos — sonoros — de pessoas com quem os PTCs poderão ter contactado. Vimos como essas intervenções eram evasivas, embora cheias de significado. O caso do Tio Luís — interlocutor da equipa B-5 — adquire estatuto paradigmático (ver capítulo 5).

2É em tomo da vida e da dinâmica interna das equipas, no inter-relacionamento escasso e sobretudo na sua ligação com a sede em Lisboa, que se podem deduzir elementos relevantes para situar o papel da Missão, em termos de constituição de uma colecção etnográfica.

3Sem perder a dimensão nacional, a grande operação não abrangeu o número de localidades inicialmente desejado. Nem por isso deixou de ser a maior acção de dispersão de colectores de cultura popular lançada em simultâneo em Portugal. Implicou uma organização considerável. O enquadramento foi abordado em capítulos anteriores.

4Despachadas para as primeiras localidades de destino, as equipas passaram a estar autónomas. Em princípio, nem os chefes de brigada, nem os seus camaradas conheciam pessoas nas localidades de destino. Dispunham de indicações para o estabelecimento de contactos oficiais, que se supunha virem a facilitar ou a garantir o alojamento, assim como para, nos prazos estipulados, receberem o reforço financeiro. Tais apoios eram no final de contas pontuais e distantes. Atendendo ao conteúdo amplo e complexo das tarefas de que iam incumbidos os jovens caçadores de cultura popular, os auxílios referidos pouca certeza lhes davam do êxito do trabalho em vista. Por isso, pode-se afirmar que cada brigada formava uma patrulha estacionada, responsabilizada por si própria.

5A motivação individual, a esperança de que ela se transformasse numa atitude colectiva no seio de cada um destes destacamentos isolados, a determinação em responder a um desafio aceite de livre vontade, eis os ingredientes suficientes para fazer do grande encontro marcado com o Povo uma aventura sem precedentes. Por sua vez, esta atmosfera de aventura pode ter representado individualmente uma afirmação pessoal perante um enredo familiar e, no domínio colectivo, uma forma de inserção e de participação no debate sobre os ideais globais e os destinos programáticos discutidos naquela época em Portugal. Eram muitos os desafios: uns aceites, outros construídos. Protagonizar novas soluções para alterar a sociedade seria demonstrar empenho em conciliar essa diversidade de desafios.

6Contando com as próprias forças, cada destacamento gozou de autonomia para movimentação no terreno — excepto quando a possibilidade de encontrar abrigo nocturno se revelou impossível. Foram situações extremas, pelas quais os jovens aventureiros terão pressentido que a progressão em terras movediças implicava riscos; deles, o principal terá sido a antevisão repentina de fracassar na Missão. Nestes casos recorreram à base, quer por via postal, quer pelo telefone. Mas mantiveram-se maioritariamente na frente de operações, contrariando ventos adversos.

7Uma vez instalados no terreno e assentados arraiais, ensaiaram várias estratégias para ganhar a confiança das populações. E provável que, para conseguirem capturar boas presas, tenham adoptado pontualmente formas pouco suavizadas de assédio interrogativo. Nestas fases da batalha, Lisboa em nada lhes deve ter podido valer. A luta foi travada corpo a corpo, sem recurso a reforços enviados da base coordenadora da operação.

8Isto equivale a dizer que as equipas escolheram e aplicaram a munição disponível, consoante lhes pareceu mais indicado. Sentiram a força do adversário e souberam encontrar em si próprios a maleabilidade para contornar configurações duma relação de forças, à partida sempre desfavorável. Utilizando o canto ou outro tipo de arma, como a participação nos trabalhos agrícolas, foram-se infiltrando, até onde o Povo lhes permitiu a penetração. A partir de meados de Julho aparecem os primeiros registos de recolhas (artefactos e gravações).

9Além da relativa autonomia de movimentação no terreno ocupado, às brigadas havia sido dada outra independência, a da ordem de recolha dos materiais científicos — desde que respeitado o correcto preenchimento dos inquéritos e fichas. Nos relatórios, na correspondência trocada, nas entrevistas gravadas, nos escritos pessoais, em nenhuma parte se adivinha uma ordem imposta na busca dos elementos necessários ao preenchimento dos questionários ou das fichas. Apalpavam os contornos do terreno, avançavam quando possível.

10Esta capacidade de decisão no teatro de operações pouco tinha a ver com autodeterminação nos aspectos relacionados com o conteúdo científico. Antes pelo contrário, com a distribuição de munição havia-lhes sido traçada uma rota, sendo escassa a margem para desvios; quando muito para atalhos. Só dispunham de autonomia de fogo.

Por detrás das coisas

11Ao ser transferido para Setúbal, o acervo de artefactos portugueses reunido pelo PTC levava consigo cargas múltiplas de informação: umas visíveis e muitas ocultas. A esfera do invisível, para utilizar a oposição elaborada por K. Pomian (1987: 30-37), proporciona oportunidade para aprofundar algumas questões.

12Os brigadistas não eram etnógrafos, mas foram investidos deste estatuto. Eram agentes passivos, ou seja, não os moveu, nem tal podia ter acontecido, a curiosidade de encontrar dados novos ou de reforço de um qualquer aspecto mais controverso nos domínios de pesquisa ligados à chamada cultura popular. Adolescentes, eles apenas queriam ingressar na universidade; a disparidade de cursos pretendidos era grande. Não podiam ainda ser pesquisadores. Eram amadores, no verdadeiro sentido do termo. Movia-os a curiosidade e a aventura, não uma preocupação, domesticada pelo treino adquirido através da perseverança, para desenvolver argumentos comprovativos de teorias existentes ou de hipóteses a construir.

13A diversos níveis, os brigadistas desconheciam a realidade para onde os haviam projectado. Tanto do ponto de vista empírico, como na perspectiva das questões de índole científica que o mundo camponês suscitava aos profissionais da ciência. Os materiais expostos e discutidos nos capítulos anteriores sugerem que os brigadistas foram melhores etnógrafos do que inquiridores de pesquisa social. Os resultados divulgados pelo próprio Michel Giacometti, ao comunicar a todos os ex-PTCs o balanço das campanhas Portugal adentro, insinuam algum desnível nos quantitativos recolhidos por meio dos inquéritos e fichas. Sobressai a oralidade — e aqui reportamo-nos exclusivamente aos trechos desde então publicados —, a cultura material, depreendendo-se um menor grau de eficácia nos restantes domínios. Embora se trate duma conclusão preliminar, ela não deixa de ter significado.

14A situação de terreno proporciona mais pistas para uma reflexão em torno do contexto de recolha. Espalhados por lugarejos, povoações, aldeias ou vilas, os brigadistas chegam em Julho e mantêm-se activos até finais de Setembro. No âmbito do ano agrícola só terão tido oportunidade de assistir a ceifas, debulhas e talvez ao início de vindimas. Mas o conjunto de objectos recolhidos reporta marcas artefactuais que remetem para actividades realizadas fora do período estival. Por conseguinte, os jovens caçadores de cultura popular foram buscar informação sobre os meses do ciclo agrícola em que já não iriam estar presentes nas aldeias. Poderão ter indagado junto dos camponeses numa ou outra situação. Terão até mesmo os "nativos" recitado pormenorizadamente as sequências e o encadeamento das fases da faina agrícola ao longo do ano, esclarecendo uma ou outra incidência pontual. Contudo, é pouco plausível que isto tenha ocorrido como regra, porque não existiam as bases para o estabelecimento deste tipo de diálogo entre colectores e colectados. Para os últimos, além das reticências que os confrontos culturais nas esferas da política, da religião, do sexo e da comida criaram, a rapaziada formava uma massa desconhecedora destes saberes. Por isso, a sua presença, mesmo que acentuada por perguntas e indagações várias, pouco ou nada estimularia conversas e meditações prolongadas. Quanto aos primeiros, como podiam eles tomar a iniciativa de lançar pontes para o diálogo, se no seu papel de forasteiros não estavam familiarizados com os preceitos e procedimentos agrícolas?

15A ligação possível entre estes dois universos, traziam-na os brigadistas nas mochilas. No domínio da cultura material, tinham o rol dos instrumentos agrícolas, com as suas designações regionais e a sua aplicação. Desta forma os PTCs podiam perguntar por uma qualquer alfaia, constante dessa lista, mesmo que correspondesse a trabalhos realizados noutros períodos do ano. Se tinham na mira a sua captura, um outro documento servia de indicador dos preços recomendáveis. Relativamente a este último aspecto, sabemos que ele não se revelou importante. Se os brigadistas tiveram desavenças com o Povo, elas não ocorreram devido ao açambarcamento de cultura material praticado pelos jovens intrusos. Através da contabilidade feita na sede do PTC e da cronologia das recolhas efectuadas pelas equipas, foi possível provar que, de norte a sul, os camponeses lhes abriram os corações e estenderam os braços. Choveram as doações naquele período de intenso calor.

16O mesmo se pode deduzir para a oralidade. Instruções globais foram elaboradas para bom uso dos brigadistas no terreno. Levavam o ciclo festivo anual esquematizado, os trechos mais significativos associados a cada uma das fases e ainda notícia concreta sobre os instrumentos musicais porventura ainda utilizados.

17Estes guias de acesso à cultura popular portuguesa, compilados expressamente para a Missão, não podiam ser preparados no domínio da saúde ou da higiene, dos hábitos alimentares, etc. Não só a informação prévia era escassa, como estes assuntos obrigavam a penetrar na esfera interna das famílias e das mulheres camponesas. Não admira que alguns relatórios enviados à sede lastimem a impossibilidade de levar avante o preenchimento de tais inquéritos. O mesmo poderá ter ocorrido com a medicina popular. Dentro das brigadas, só às raparigas não estava vedada a possibilidade de aceder a este campo do saber dos camponeses em geral e das camponesas no específico. Terão as brigadistas sabido estabelecer o diálogo de forma a não ficar a meio caminho, presas pelo tear a conversas sobre tecelagem?

18O nosso conhecimento da concepção inicial do PTC permite afirmar ter sido o plano concebido para uma acção de recolha de maior duração, e anualmente repetida. As circunstâncias inviabilizariam a concretização deste objectivo.

19No conjunto, a actividade desenvolvida pelas brigadas foi um instantâneo, tendo-se gorado o aspecto que talvez viesse a transformar uma alegre campanha de incursão pelas hostes populares portuguesas numa estrutura de pesquisa a longo termo. A continuidade garantida por ondas de colectores agrupados em brigadas, sucessivamente refrescadas, lançadas no terreno ao longo de várias fases do ano, teria conduzido aquilo que foi um empreendimento inédito e fugaz, provavelmente a um suporte de pesquisa científica dedicado ao Povo. Não foi possível ir além da concretização do primeiro embate. Às partes inevitavelmente envolvidas não seria proporcionada a possibilidade de marcar outro recontro. Não haveria segunda chamada.

Colector colectivo, colectores imediatos

20Com este estudo de caso foi possível abordar os principais aspectos da realidade efémera que estruturou e caracterizou o PTC como uma acção de recolha de cultura popular.

21Refira-se em primeiro lugar a noção de colector colectivo. Será este o modo de definir o papel desempenhado por Michel Giacometti em toda a Missão que acabámos de conhecer.

22Na sua essência, a Missão continha duas vertentes. A externa, centrada na inserção num contexto político e cultural determinado, visava um objectivo de militância cultural: a recolha de cultura popular. Articulado com este nível, verifica-se a existência de outro, interno. Aqui surge o estatuto de colector a atribuir ao mentor, organizador e realizador do PTC. Foi um colector posicionado a distância ambígua, porque colocou entre si e o Povo transitoriamente uma cadeia humana, composta de voluntários, cobrindo grosso modo um terreno pré-seleccionado. Neste sentido, as equipas de recolha foram conduzidas por braço remoto. E, por isso, os brigadistas empreenderam na prática as recolhas, enquanto M. Giacometti o fez na ideia. Conhecia o teatro de operações, traçara com os guias e os inquéritos o guião. Foi, neste caso e neste seu estatuto, o colector colectivo.

23A aplicação desta noção justifica-se na medida em que a Missão constituía, em princípio, uma fase importante num percurso maior, e não um objectivo momentâneo. O colector colectivo dispõe de uma ideia, cuja concretização depende de uma operação coordenada, em parâmetros previamente estabelecidos — o tipo ou o género de materiais a obter —, estando a respectiva viabilidade dependente do concurso de colaboradores eventuais. Não haverá assim sintonia entre o colector colectivo e os restantes participantes na acção directa de recolha. Enquanto o primeiro pretende dar corpo a uma perspectiva anteriormente amadurecida, os segundos não acompanharam este processo mental, nem partilham da necessidade de encontrar uma coerência global à campanha. Mas, para que a tarefa se desenrole nos moldes previstos, há que dispor de uma articulação mutuamente estimulante e compensadora — a garantia de que o empreendimento não venha a terminar num naufrágio. Este momento fulcral na concepção e realização de uma expedição, formule-se agora como de forte ambição e incidência científicas, varia consoante o caso em questão. A fórmula encontrada para o PTC derivou da trajectória anteriormente percorrida pelo colector colectivo, combinada com a motivação então generalizada em muitos sectores da juventude portuguesa para assumir tarefas voluntárias baseadas em ideais de perspectivação da sociedade. A mobilização dependerá então da existência de estímulos recíprocos. Para o colector colectivo a continuidade do plano e a acumulação rápida de materiais sobre cultura popular deverá ter sido a perspectiva decisiva, porque entreabria hipóteses de desenvolvimento de pesquisa a longo termo. Porém, para os brigadistas, não deverá ter sido este o aliciante. Outras questões terão de ser discutidas.

  • 1 Informações orais prestadas aos autores em 26/10/90.

24Volvidos quinze anos sobre a aventura rural de 124 jovens urbanos, a nosso pedido, um ex-brigadista da frente transmontana, no seu local de trabalho situado num bairro antigo de Lisboa, recordava situações então vividas. Apontando para um móvel, mostrou uma pedra de amolar, obtida na altura. Lembrava-se do coronel (…), que tão pouco habilmente os havia acolhido em Bragança; dos inquéritos de medicina popular feitos a mulheres, justificando as brigadas mistas; de falarem aos camponeses na preparação de um museu, para legitimar a vontade desmedida de reunir artefactos; de terem comprado “uma espécie de prancha”, depreendendo-se ser um trilho, que de facto consta das recolhas da sua equipa, pois “tínhamos dinheiro para comprar as coisas que eles tinham”.1

25Além disto, tudo aponta para o aparecimento de uma ou várias paixões urbanas por uma jovem e linda camponesa. Foi retratada repetidas vezes — um indício sério de uma ligação platónica testemunhada pela lente fotográfica, ou olho etnográfico camuflado. As recordações do ex-combatente pacífico da causa cultural giravam em torno das noites quentes (com suor), do vinho (tinto, sem sangue), da pedra de amolar (sem lâmina onde trabalhar), da escalada a uma amoreira, da camisa cheia de nódoas, da moça que a lava com detergente (sem lágrimas). Saíra de Lisboa para conhecer as zonas rurais e fazer qualquer coisa diferente. Assim o desejara desde os 13 anos de idade.

26Estes fragmentos de memória não são uma prova contundente, mas dão uma ideia da posição de muitos dos brigadistas, simultaneamente inquiridores e etnógrafos. E exprimem a sua posição específica, como grupo de suporte para aquela Missão concreta.

27Os PTCs não fizeram observação participante. Levavam o enredo preparado, estando nas suas mãos a capacidade, melhor, a intuição, de pela sua actuação obterem provas materiais várias dos ciclos da vida rural previamente esboçados no papel. Se para os jovens tudo foi acontecendo como uma natural descoberta, os resultados alcançados não o foram. No sentido estritamente científico, não houve, nem se esperariam, objectos desconhecidos para a Ciência.

28As faixas do Portugal camponês ou rural ocupado temporariamente pelos brigadistas não eram uma terra incógnita, que importava desvendar. Prova-o uma vez mais o municiamento com que foram apetrechadas as equipas. Dito de outro modo: a base coordenadora em Lisboa sabia tudo, conhecia o terreno, porque havia preparado os documentos. Michel Giacometti tivera a ideia, concebera o plano, preparara a maioria dos documentos, montara a base administrativa, angariara fontes de financiamento, organizara o curso de preparação, avaliara os voluntários aptos para a campanha, aproveitara a rede administrativa de apoio ao SCE para garantir o êxito no plano logístico. O aspecto fundamental vinha de trás. Era o seu conhecimento do terreno. Ele determinara um pouco, talvez sempre na medida do possível, a distribuição das equipas e a selecção das localidades abrangidas, por um lado, e, por outro, as coordenadas científicas que norteavam os brigadistas no seu envolvimento diário com as populações contactadas.

29O PTC não foi, por conseguinte, uma expedição científica, no sentido clássico do termo. Não foi espoletado para trazer dados novos à Ciência. Põem-se em marcha destacamentos, lança-se uma grande operação de abordagem da fortificação camponesa, sabendo-se de antemão que os resultados nenhuma descoberta irão proporcionar. Qual o sentido?

30Para encontrá-lo, teremos de regressar novamente ao funcionamento interno do PTC como acção ampla de recolha de cultura popular. Autónomas no terreno, as equipas percorreram-no à procura de coisas que lhes foi dito existirem. Tudo se vai confirmando. Terminadas as três semanas programadas para manter sob ocupação pacífica cada uma das localidades previstas na guia de marcha, os jovens têm a oportunidade de confrontar experiências, trocar impressões, comparar resultados entre brigadas. São os encontros interequipas, muitos dos quais não terão funcionado pelo melhor. Mas dentro da autonomia atribuída e exigida aos destacamentos, estas reuniões alargadas funcionaram provavelmente como instâncias de autocontrolo nas bases. A reunirem-se fora da zona de operações, brigadistas e brigadas tinham a oportunidade de avaliar entre si o estado do cumprimento da Missão. Em Lisboa procedia-se a um controlo indirecto: as remessas de materiais recolhidos, as respostas às questões colocadas, mas não o acompanhamento e orientação das recolhas propriamente ditas. Esta tarefa teria sido humanamente impossível de concretizar. À distância o colector colectivo comandava o levantamento, enquanto, na frente de batalha, os jovens oficiais de diligências — colectores imediatos — davam lentamente corpo ao empreendimento.

31Durante o mês de Setembro, M. Giacometti visita equipas e faz as entrevistas. Embora a documentação contabilística da sede as apresente como deslocações de supervisão, na realidade pouco podem ter contribuído nesse sentido. Mesmo chegando sem anúncio prévio, de nada teria servido o efeito surpresa. E o tempo disponibilizado não seria suficiente para cobrir todas as equipas no terreno. Viu-se que, num Portugal revolucionário, o Norte foi a opção. Mesmo assim, algumas não seriam sequer alcançadas. Por fim, o teor das conversas gravadas não deixa de ser elucidativo. Como foi anteriormente analisado, a condução das entrevistas é feita segundo objectivos globais que não integram questões específicas de cultura popular, nem problemas concretos dos inquéritos. Atendendo aos contextos políticos e sociais distintos, M. Giacometti quer saber como os jovens descobriram aquilo que ele havia descoberto ao longo dos anos 60. Fê-lo de modo indirecto: perguntando sobre a experiência em curso. Ele havia travado contacto, alicerçada simpatia e desenvolvida uma postura de intelectual militante ao lado do Povo, num contexto de autoritarismo político: o regime salazarista. Agora, queria ouvir e ver como outra geração, num clima revolucionário, reagia ao contacto com o Povo.

32Descentralização e auto-responsabilização foi uma fórmula eficaz, porque existia motivação entre os jovens voluntários. São estes os parâmetros que dão originalidade ao PTC. Paralelamente, torna-se mais clara a forma como o seu mentor entendeu a Missão: era um balão de ensaio. Mobilizar a juventude, definir e consolidar comportamentos cívicos norteados por uma atitude de princípio e de posicionamento político de fundo. Marcar um primeiro grande encontro com o Povo, estabelecer um quadro de militância cultural. Do ponto de vista intelectual foi em simultâneo uma atitude de princípio, que tinha implícita a busca de propostas alternativas para a Ciência dedicada à cultura popular.

A ciência: diversidade de abordagens

33Das recordações espontâneas do ex-brigadista antes referido podem ainda extrair-se outros elementos relevantes para a compreensão dos sentidos da Missão.

34Ao abordarem a população, os jovens legitimavam a sua presença naquelas paragens, para eles estranhas, pelo propósito de contribuir para a formação de um museu. Justificavam desta forma as fotografias, as gravações, os artefactos, o preenchimento de fichas e de questionários. Era um objectivo anteriormente estabelecido, pois fazia parte da programação do PTC. Que pertinência teria um museu dedicado à cultura popular? A ideia de M. Giacometti era inédita, vindo colmatar uma lacuna existente no país? Ou a sua proposta para a criação de um Museu do Trabalho constituía uma concepção diferente e diversificadora no panorama museológico dominante?

  • 2 Citem-se sumariamente fases importantes na recolha e estudo da cultura material em Portugal. Em pri (...)

35A resposta só pode ir no sentido da segunda indagação. O mentor do Plano Trabalho e Cultura estava a querer lançar os fundamentos para um museu dedicado ao povo português. É nesta perspectiva que vamos prosseguir a análise do papel das recolhas dos jovens voluntários.2

  • 3 Do grupo de A. Jorge Dias (1907-1973) fazem parte E. Veiga de Oliveira (1910-1990), Fernando Galhan (...)

36A avaliação do conteúdo e da incidência temática da informação genérica, assim como os inquéritos versando os diferentes aspectos da cultura popular distribuídos aos brigadistas — para orientá-los na recolha de trechos instrumentais e vocais, na fixação da literatura oral, na recolha de instrumentos musicais, de alfaias agrícolas e de ferramentas, incluindo o preçário estimativo —, induz a comparar esta acção nacional de recolha de cultura popular ao outro grande projecto de fôlego, o Atlas Etnográfico de Portugal, posto em marcha por A. Jorge Dias, em 1948.3

  • 4 Caso da Alfaia Agrícola Portuguesa (1976). M. Giacometti cita, aliás, como atrás ficou referido, tr (...)
  • 5 Naquela altura o edifício actual do Museu de Etnologia estava em termo de conclusão.

37A comparação do universo de objectos listados no Doc. 9 (ver Anexo 1) com as publicações do Atlas Etnográfico de Portugal revela uma sobreposição em muitos assuntos. Embora algumas das obras de síntese não estivessem na altura ainda disponíveis ao público,4 havia conhecimento da importante colecção etnográfica reunida ao longo dos anos pelo Centro de Estudos de Etnologia e que transitaria para o Museu de Etnologia (Oliveira 1969). Assim, tudo faz pensar que M. Giacometti se propunha e se dispunha a, com o seu plano, duplicar na temática, no âmbito geográfico de abrangência e no propósito de divulgação, uma instituição museológica já montada e estruturada do ponto de vista científico.5

38As entrevistas feitas às equipas não incidem sobre questões de índole científica, mas sobre o futuro do PTC, o que pode demonstrar, não só o seu interesse, mas sobretudo a sua preocupação em criar e dinamizar uma estrutura organizada, diferente, de acesso ao Povo, ao mundo do trabalho, à cultura popular em geral. M. Giacometti já antes colaborara com estudantes universitários em tarefas ligadas às suas recolhas sonoras, feitas ao longo da década de 60. Terminado o PTC, prosseguiu nesta via de compilação de informação de campo. Pode-se assim concluir que Michel Giacometti tinha outra visão, outro modo de querer encaminhar o seu olhar sobre o Povo.

39Não será acaso que nos documentos preparados para os brigadistas e incidindo sobre aspectos de cultura material — se dela quisermos pôr os instrumentos musicais à parte — haja uma busca de fundamentação ou, pelo menos, de enquadramento teórico. Socorreu-se de autores com obras de compilação comparativa (J. -A. Mauduit), de síntese (M. Mauss) ou de teoria (A. Leroi-Gourhan). Na classificação tipológica das alfaias agrícolas portuguesas recorre a autores conhecedores do terreno, que sobre a matéria se debruçavam e reconhecidos pelas suas publicações. Mas pelo cunho e pela orientação gerais que a redacção do documento-guia para as equipas patenteia, adivinha-se a inspiração dada e o apoio encontrado no labor etnográfico de José Leite de Vasconcelos. Quando M. Giacometti palmilhava Portugal e nos meses de efervescência revolucionária em que terá redigido o citado guia, a obra de súmula do Atlas Etnográfico de Portugal ainda não estava editada (Oliveira, Galhano & Pereira 1976). Publicados em revistas científicas, havia artigos dedicados a vários tipos de alfaias. Em contrapartida terá lido, consultado, utilizado e confrontado as suas vivências com o conteúdo dos volumes V (1967) e VI (1975) da Etnologia Portuguesa. O documento que os brigadistas consultavam ao baterem o País intitulava-se:

Alguns exemplos de Ferramentas, Instrumentos e Máquinas usados pelo nosso Povo na sua luta pela sobrevivência e bem-estar

40E J. Leite de Vasconcelos, ao apresentar a sua compilação da vida material do adulto, decidira-se décadas atrás pelo seguinte título programático:

  • 6 A elaboração da listagem dos artefactos utilizados nos diversos domínios reforça esta ideia. M. Gia (...)

“Actividade mecânica do Homem aplicada à busca de elementos para a própria subsistência, comodidade e regalo físico e costumes correlativos” (Vasconcelos 1967: 109)6

41Poder-se-á argumentar que M. Giacometti não podia ter conhecimento dos resultados das investigações do Centro de Estudos de Etnologia, o ex-Centro de Estudos de Etnologia Peninsular criado no Porto, onde se trabalhava nas Cartas de Distribuição de alfaias agrícolas e no enquadramento histórico-cultural de manifestações materiais da vida do campesinato português. Contudo, tal hipótese não parece consistente, porque ele cita resultados da actividade de pesquisa ali desenvolvida.

O povo: imaginando vitrinas

  • 7 É o que se depreende da colecção por ele cedida já na década de 80 ao Município de Cascais, a fim d (...)

42A opção do mentor do PTC foi outra. O mosaico adquire contornos se partirmos do princípio de que a cultura material não seria o seu campo predilecto e que o seu conhecimento de terreno se aprofundara graças a outro olhar sobre o mundo rural. As peças etnográficas portuguesas que terão despertado, ao longo da década de 60, a curiosidade de M. Giacometti pouco têm a ver com o estudo da agricultura e dos seus implementos como sistema, com o levantamento sistemático e comparado de tecnologias, mas sim com uma aproximação ao terreno ditada por outra sensibilidade. Foi a sonoridade que o encaminhou em direcção ao Povo, e não a observação das componentes materiais dos processos de trabalho.7

  • 8 A exposição inaugurada em 25 de Abril de 1987, em Setúbal, intitulada O Trabalho Faz o Homem (ver A (...)

43Retomemos o fio anteriormente tecido em torno da trajectória pessoal de M. Giacometti. Da sua actividade de campo resultou um património importante, constituído por registos sonoros, talvez único, porque ainda por avaliar na vertente em que incide. Esta prolongada actividade teve ecos diferenciados na bibliografia especializada. Uns designam-no iniciador da etnografia musical (Caufriez 1997: 70-71), outros colector (Lopes-Graça [s. d.]: 49-52, Henrique 1988: 161-167, Pinto-Correia 1988: 21, Castelo-Branco & Toscano 1989:163, Oliveira 1982: 58,91, Guerreiro 1982: 8, Fontes 1987: LXIII), ou então não mencionam as suas recolhas (Nazaré 1979, 1986). De qualquer forma, foi este o caminho por ele aberto para construir a sua visão dum universo camponês. Pressente-se que a experiência ganha lhe moldou uma perspectiva determinada do mundo social do trabalho, dedicando-se com intensidade e, certamente não menos emoção, ao meio camponês (Trás-os-Montes) e ao operariado rural (Baixo Alentejo). A sua linha de orientação não era a Ciência, pois nunca a ela esteve institucionalmente ligado. Reflectia sobre o mundo, posicionava-se na política como intelectual, optara por participar nesse combate, recolhendo a voz do Povo. A sua persistência não era o produto de uma acção programada e concertada, mas uma atitude pessoal de militância. Feita uma recolha sonora representativa do território continental, Michel Giacometti vê, com o 25 de Abril de 1974, a possibilidade de transformar a sua posição solitária de militância no domínio cultural em projecto susceptível de ser reconhecido como de utilidade pública e institucionalizado. Neste novo enquadramento ter-lhe-á surgido a ideia de, a partir da sua visão do universo camponês, caracterizada pelo primado da voz do Povo, dar a conhecer a todos, e aos próprios protagonistas indirectos, o que ele deles tinha ouvido, gravado, arquivado, aprendido e que importava devolver simbolicamente às fontes de origem. Assim teria lógica um Centro de Documentação Operário-Camponesa (CDOC) e um Museu do Trabalho (MT) com cultura material distribuída e exposta em itinerários moldados pelas sonoridades registadas. Podia ter sido este o enredo idealizado e, nesse sentido, original.8 Por isso, o guia para recolha de cultura material dado aos brigadistas, além dos instrumentos musicais, das alfaias agrícolas e de outros utensílios, abrangia os mais variados ofícios do mundo rural. Era uma proposta de musealização das alianças e desalianças entre grupos sociais no universo camponês. Mas, dada a sua desconfiança perante a Ciência institucionalizada, o seu acto de criação de uma estrutura museológica deveria ser uma denúncia do uso e abuso da cultura popular. A recolha e a disposição dos materiais deveriam reflectir esta questão de fundo. Daí o planeamento de recolhas sistemáticas, mas não como actos mudos e neutros. As idas ao campo e o conhecimento do terreno seriam encontros marcados com o Povo; neste sentido mais uma acção pedagógica, formativa e de empenhamento político no campo intelectual. Um contexto ideal para praticar uma ciência para o Povo e não uma ciência sobre o Povo. Na medida em que Michel Giacometti logrou institucionalizar uma colecção etnográfica reunida nos moldes de acção por ele defendidos, ficou lançado na etnografia portuguesa um repto difícil de contornar. Até pelo simples facto de a colecção ter abrangência nacional e pertencer a uma instituição local. Singularidade que, por si só, suscitaria interesse e despertaria curiosidade. O conjunto de artefactos portugueses reunidos pelo PTC talvez figurem em segundo lugar, se confrontados com outras colecções existentes em museus etnográficos portugueses; pelo seu contexto de recolha, ele não terá paralelo. Conjugando as duas vertentes, repensando a instituição museológica nos seus aspectos teóricos, científicos e sociológicos, pode concluir-se que o referido contexto de recolha de cultura popular, estudado à luz do relevo nele concedido à cultura material, trouxe à superfície uma clivagem invisível, mas profunda, num determinado momento da história da etnografia portuguesa. Opuseram-se duas concepções museológicas, deduzidas dos modos diferentes de encarar o alimentador de materiais para Ciência: o Povo.

44O saldo positivo da Missão cumprida resultou de uma convergência situacional de atitudes de militância, motivação e empenho individuais e não de uma concretização num quadro de funcionamento profissional ou profissionalizante. Dispor de uma estrutura estabilizada para desenvolver pesquisa a longo termo, é o que se depreende da fundamentação dada para a realização do PTC. Questão esta que não pode ser aprofundada, porque não houve continuidade. A articulação entre o CDOC e o MT remete directamente para enunciados de funcionamento museológico profissionalizado, adoptados em inúmeros âmbitos institucionalizados dedicados à museologia etnográfica (Chiva 1987: 9-10, Rivière 1989: 179-200). O grande desafio de M. Giacometti era combater o tratamento e representação do universo camponês fabricado pelo regime salazarista. O PTC seria o ajuste de contas histórico com a perspectiva emblematicamente assumida no Museu de Arte Popular (Lisboa) e nos tentáculos normativos estabelecidos pela FNAT por todo o País.

45Até à altura havia imperado a encenação de um universo camponês edificado do alto. No posicionamento oposto, uma proposta de edificação de outro universo camponês, em que a memória do passado a encenar no presente assentaria na recuperação dos fragmentos reveladores de um passado estruturado pelas clivagens entre grupos sociais.

46O estudo de uma colecção etnográfica foi o problema colocado à partida. Foi desenvolvida uma abordagem visando extrair dos artefactos leituras inicialmente dispersas, fora de contexto, porque não de imediato relacionáveis entre si. A opção de explorar a fundo a situação em que se verificou a recolha teve por objectivo criar bases para um enquadramento produtor de uma especificidade para a colecção. A vertente etnográfica por si não respondia a este requisito.

47A história da colecção foi reconstituída através da exploração sistemática de documentação diversa, tendo sido adoptado um método centrado em vias múltiplas, derivadas das fontes disponíveis: recordações, testemunhos pessoais, documentação produzida na época pelos colectores imediatos. Além deste nível, a determinação de lógicas institucionais e o enquadramento de ideias e correntes de pensamento.

48Embora centrados no desvendar das componentes invisíveis da colecção, foi determinante inseri-la nas visões de cultura popular, o que conduziu a indagar as condições de surgimento de propostas museológicas. Determinaram-se variáveis dinamizadoras destes processos: uma via científica e outra de militância cultural:

49No caso em questão, os dados compilados e analisados revelam que a face oculta se situa na ligação que se pretende estabelecer entre o público e um universo invisível — o universo camponês. Mas, porque oculto, rejeita a temporalidade e torna-se palco de um combate vivo pelo acesso à sua posse e representação.

50Este é o ponto preciso a que se pretende chegar e para o qual a colecção reunida pelos brigadistas, conhecido o contexto de recolha, dá um contributo inesperado.

51O período revolucionário iniciado com o 25 de Abril proporcionou um palco natural para o confronto de ideias, de novas propostas para a discussão de soluções nos mais variados níveis da sociedade portuguesa. Domínio então muito insípido, em termos de área científica e profissional — como aliás todo o campo do saber antropológico, porque a disciplina não estava institucionalmente constituída (Branco 1986) —, a museologia etnográfica expressava-se como actividade específica coordenada por uma atitude ideológica então dominante, na qual a noção de Povo desempenhava um papel importante, mas que urge aprofundar. A imagem cultural oficial criara um universo camponês. Idílico, pacífico, isento de tensões sociais, assente na trilogia de Deus, Pátria e Trabalho, ela toma-se certamente visível na criação e manutenção de uma série de estruturas museológicas dedicadas à cultura popular, disseminadas pelo País. Umas suportadas pelo poder central, outras geridas por instâncias com competência regional. Um outro aspecto não menos produtivo do regime foi a criação e normalização das execuções folclóricas, em que a FNAT desempenhou um papel decisivo na respectiva promoção e divulgação.

  • 9 A abertura pública do Museu de Etnologia é feita em Dezembro de 1985, com a inauguração de três exp (...)

52Os projectos museológicos até agora mencionados — o subjacente ao Atlas Etnográfico de Portugal e o do Museu do Trabalho — não estavam realizados na prática. Por isso, só é possível discuti-los nos seus contornos, mas não as realizações que eles eventualmente viessem a originar. Assim sendo, pode afirmar-se que ambos foram ganhando forma por vias distintas de acumulação de materiais da cultura popular. Comum terá sido uma mesma atitude de rejeição da cultura popular elaborada pelo Estado Novo. Pela captura da voz popular, M. Giacometti milita com empenho contra a visão instituída do folclore e dos inúmeros ranchos camponeses que o divulgam. No Atlas Etnográfico de Portugal entrevê-se uma outra posição, onde o interesse científico estrutura um acesso erudito ao Povo. Nos três encontramos um denominador comum, a construção de universos camponeses. Embora moldados e inspirados por atitudes divergentes, todos nascem na cidade, no seio das camadas intelectuais. Adivinham-se clivagens que, projectadas no Povo, como noção geral, não visam abranger nenhuma camada sociológica rural, mas um espaço cultural produzido para edificar um passado. Do que se poderá concluir que o PTC era o início de um ajuste de contas global com o regime desmoronado a 25 de Abril. Visava ocupar um espaço novo, o de um museu com forte representação de materiais etnográficos, à escala nacional, e que sobretudo aniquilasse a cultura popular museografada anteriormente. Era uma proposta de crítica cultural militante. O projecto inicial do Museu do Trabalho não foi avante, nos moldes então esboçados. Mas, no final de contas, até meados da década de 80, altura em que o Museu de Etnologia (Lisboa) é aberto oficialmente ao público, não seria desenvolvida uma alternativa estruturada à museografia etnográfica herdada do anterior regime.9 Chegados a estas conclusões, importa destacar um eixo de pesquisa nelas contidas: a necessidade de analisar o contexto de formação das colecções etnográficas ilustrativas do Portugal camponês, espalhadas por museus locais, regionais ou nacionais, articulando-as com as leituras então feitas dos artefactos que as integram. Ou seja: a diversidade ou unidade de olhares perante conjuntos de objectos funcionalmente equivalentes.

53Sem atingir o grau de publicidade que muitos outros processos e acontecimentos do contexto revolucionário alcançaram, a Missão representou na altura uma tentativa de lançar bases alargadas para uma museologia etnográfica diferente. Adivinhar-lhe os moldes é difícil. A colecção talvez proporcione o acesso a outras vertentes ocultas.

Note

1 Informações orais prestadas aos autores em 26/10/90.

2 Citem-se sumariamente fases importantes na recolha e estudo da cultura material em Portugal. Em primeiro lugar, há que mencionar José Leite de Vasconcelos (1858-1941), com a sua Etnografia Portuguesa. Tentame de Sistematização, cujo primeiro volume foi publicado em 1933. A morte surpreendeu-o quando a obra ia no terceiro tomo. O espólio passou a ser publicado — só a Etnografia Portuguesa compõe-se de 10 volumes — por Manuel Viegas Guerreiro (Universidade de Lisboa), sendo Orlando Ribeiro, da mesma universidade, o testamentário. Especialmente nos volumes V e VI desta obra, J. L. de Vasconcelos aborda a vida material por actividades e ofícios. No seu conjunto, a Etnografia Portuguesa representa um esforço individual, levado a cabo ao longo de muitos anos de compilações bibliográficas e de observações feitas em itinerâncias constantes. Hoje, tem grande valor como obra inicial de referência e consulta relativamente ao estado de conhecimentos de então. Manuel de Paiva Boléo (Universidade de Coimbra), organizou em 1942 um Inquérito Linguístico, conhecido pela abreviatura ILB, que consistiu no envio de questionários para diversas regiões do país. Posteriormente completado, contará cerca de 2400 inquéritos arquivados (Santos 1969: 333). As designações de artefactos têm aqui importância, no âmbito da escola Coisas e Palavras. Nesta perspectiva dialectológica e, em parte, com base neste arquivo, surgiria o trabalho de J. G. C. Herculano de Carvalho sobre o mangual e os sistemas de debulha na Península Ibérica (Carvalho 1953). Num organismo anexo à Universidade do Porto — o Centro de Estudos de Etnologia Peninsular — seria iniciado a partir de 1948 o Atlas Etnográfico de Portugal (Dias 1948). Enquanto em Coimbra a etnografia era tratada numa perspectiva linguística, no Porto encetava-se uma abordagem etnológica. Em comum havia o recurso à cartografia como método. Embora não tivesse por objectivo a cultura material, assinale-se o Inquérito à Arquitectura Regional Portuguesa (1955-1960), porque aborda questões importantes do seu enquadramento (AAP 1988). A partir de 1960 organiza-se o Atlas Linguístico e Etnográfico de Portugal e da Galiza (Universidades de Coimbra e de Lisboa), onde inúmeras folhas incidem sobre objectos etnográficos (Boléo 1960). Finalmente, há que mencionar nesta lista o objecto do presente estudo: em 1975, a organização por Michel Giacometti do Plano Trabalho e Cultura. A fim de seguir o desenvolvimento da via etnológica no levantamento e estudo da cultura material, sublinhe-se que o Atlas Etnográfico de Portugal originou múltiplas pesquisas, cujas publicações se foram sucedendo, sobretudo na década de 70 e 80. Estes serão alguns dos tópicos sobre um aspecto histórico da etnologia em Portugal que mereceria aprofundamento — as concepções e o papel dados à cultura material.

3 Do grupo de A. Jorge Dias (1907-1973) fazem parte E. Veiga de Oliveira (1910-1990), Fernando Galhano, Benjamim Pereira e inicialmente Margot Dias.

4 Caso da Alfaia Agrícola Portuguesa (1976). M. Giacometti cita, aliás, como atrás ficou referido, trabalhos anteriores de A. Jorge Dias e de F. Galhano.

5 Naquela altura o edifício actual do Museu de Etnologia estava em termo de conclusão.

6 A elaboração da listagem dos artefactos utilizados nos diversos domínios reforça esta ideia. M. Giacometti inclui um chavante (formão), seguindo a Etnologia Portuguesa (Vasconcelos 1983: 135). É curioso notar que uma das brigadas recolhe um pechevante

7 É o que se depreende da colecção por ele cedida já na década de 80 ao Município de Cascais, a fim de criar o Museu de Música Regional Portuguesa. Os artefactos denunciam critérios de selecção assentes no aspecto decorativo e não no estudo dos processos de trabalho.

8 A exposição inaugurada em 25 de Abril de 1987, em Setúbal, intitulada O Trabalho Faz o Homem (ver Anexo 4), não deverá ser considerada como ponto de aferição para as concepções museográficas de Michel Giacometti. O contexto em que é organizada prende-se mais com uma chamada pública de atenção para aquele espólio e o projecto museológico Museu do Trabalho, do que com o seu tratamento e investigação expositivas. A brochura com textos de apoio então editada só reforça esta nossa interpretação. Do ponto de vista temático o texto de M. Giacometti sobre a agricultura é genérico e não revela uma abordagem específica da colecção etnográfica (ver. Branco & Oliveira 1993).

9 A abertura pública do Museu de Etnologia é feita em Dezembro de 1985, com a inauguração de três exposições: Escultura Africana em Portugal; Desenho Etnográfico, de Fernando Galhano; Têxteis: Tecnologia e Simbolismo.

Indice delle illustrazioni

Titolo Fotografias 2 e 3 - Plano de Trabalho e Cultura: na debulha e nas gravações. Concelho de Miranda do Douro, Equipa T-1. Colecção Alexandre Ramires.
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/931/img-1.jpg
File image/jpeg, 1,3M
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/931/img-2.jpg
File image/jpeg, 1,3M

© Etnográfica Press, 1993

Condizioni di utilizzo http://www.openedition.org/6540

Acquista

Cerca su OpenEdition Search

Sarai reindirizzato su OpenEdition Search