Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

A Missão

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Luísa Tiago de Oliveira

Parte 3. O Verão Quente

Capítulo 9 – Confrontos e práticas culturais na missão

Luísa Tiago de Oliveira

Texte intégral

Fontes

1Tentemos uma abordagem global da vida das brigadas e dos resultados obtidos. Porém, antes de a efectuarmos, consideremos as fontes disponíveis, as suas características, os seus limites e as suas potencialidades.

2As possibilidades de reconstituição da vida das brigadas que actuaram no Alentejo e no Algarve são reduzidas, dado apenas terem restado as fontes gerais (livros de contabilidade, talões de doação ou de compra dos objectos), a que conseguimos juntar alguns testemunhos orais mais recentes. Facto este que deve sempre ser tido em consideração na apreciação geral destas brigadas do Sul.

3Quanto à Estremadura e ao Ribatejo, por existir nalguns casos um outro tipo de documentação — relatórios —, são maiores as possibilidades de recuperação do quotidiano das brigadas.

4A Beira já é uma zona bem coberta pelas fontes: dispomos de relatórios seleccionados, de bobines mantidas, de testemunhos orais e das fontes gerais. Temos, assim, se bem que desigualmente, mais possibilidades de reconstruir a vida das brigadas.

5Os materiais para a recuperação da vida das brigadas minhotas e transmontanas são ricos e variados: dispomos não só dos tipos de fontes já referidos como também de documentos pessoais e notícias jornalísticas. Ainda que mais uma vez duma forma assimétrica, podemos reconstituir amplos fragmentos das actividades das brigadas minhotas e transmontanas.

Geografia das brigadas

6Antes do mais, apontemos uma verdade óbvia: o PTC cumpriu-se. Houve regressos antecipados e algumas transferências, houve férias, mas o certo é que a grande maioria das brigadas permaneceu no terreno no calor do Verão. Partiram 31 brigadas, 3 acabaram por se dissolver mas, como a maior parte dos seus membros foram reinseridos no trabalho, ainda se forma mais 1 brigada. Assim, 32 brigadas apresentaram resultados de trabalho, ainda que não tenham agido em simultâneo. Ao todo, tinham sido previstas 38 brigadas.

7Nota-se imediatamente que o Sul do país é uma zona cuja cobertura não preocupa excessivamente o responsável do PTC. Segundo o Plano, apenas 5 brigadas se deveriam dirigir para o Alentejo e Algarve. E, aquando da partida, só 3 grupos para lá seguiram efectivamente. Estas brigadas terão sido pouco procuradas? A formação de brigadas para esta zona terá sido pouco encorajada por Giacometti? Contudo, nesta região não era difícil constituir brigadas nem reconstituí-las: aqui se situaram a única brigada do PTC (A-2) que se formou já com a acção em pleno curso, assim como quase todas as brigadas (A-1, A-3 e A-4) que receberam membros vindos de grupos extintos. As transferências de brigadistas tiveram, aliás, com uma excepção, um sentido norte-sul.

  • 1 Nesta tentativa de relacionamento entre Sul vermelho e localização das equipas, mais precisamente e (...)

8E, se o Sul não constitui a prioridade do PTC, o Alentejo Vermelho foi o menos coberto: as brigadas do Sul formadas logo no início do PTC actuaram em concelhos que se caracterizavam todos por ser dos concelhos com as menores votações PCP nos distritos a que pertencem; a A-2, grupo de recurso, trabalhou num concelho de maior votação PCP, mas mesmo assim este concelho foi simultaneamente um dos de mais baixa votação comunista do distrito.1

  • 2 Curiosamente, é a propósito de duas destas equipas que se verificam expedições posteriores para rec (...)

9Avançando para a Estremadura e o Ribatejo, observemos que esta área, mais próxima de Lisboa, é muito procurada: há 5 brigadas previstas e 5 brigadas actuantes. Apesar de ter havido dificuldades no relacionamento com a população (nomeadamente E-1), estes problemas não levaram à extinção de brigadas. Note-se também que só nesta região existiu uma brigada mesmo no litoral (E-5). Preferência dos estudantes pelas regiões mais próximas do litoral e da capital, obviamente mais acessíveis?2 Facto é que os jovens quiseram esta zona e nela foi possível a estabilidade das brigadas.

10Para a Beira, estavam previstas 8 brigadas, não se tendo chegado a constituir 2 delas (as que actuariam no interior da Beira Baixa). Nenhuma das 6 brigadas que partiram para o terreno se extinguiu.

11O Minho foi uma região muito procurada: constituíram-se todas as 9 brigadas previstas; porém, houve uma que se autodissolveu, sendo os seus membros redistribuídos por outros grupos. Teremos tido, pois, novamente os jovens à procura duma região mais próxima do litoral (ainda que nenhuma das equipas se localizasse à beira-mar) ou à procura de áreas com uma acessibilidade apreciável a partir da capital do Norte?

12Quanto a Trás-os-Montes, das 11 brigadas previstas, houve logo 3 que não se formaram e, posteriormente, 2 dissolveram-se, por razões que de algum modo se relacionam com a situação política (ou seja, apenas chegaram ao fim 6 das 11 previstas). Assim, Trás-os-Montes, a grande prioridade do PTC, cumpriu-se mas apenas em parte. A área não foi muito procurada, por um lado, e, por outro, revelou-se como aquela onde as dificuldades fizeram maior número de desistências ou transferências.

13Em suma: em princípio e para Giacometti, a prioridade do PTC parece ter sido o interior do Centro e do Norte, menos participante e mais hostil mesmo à mudança política então defendida pelo mentor do PTC, aí se localizando os terrenos preferenciais para a recolha etnográfica e para a mobilização estudantil e popular. A Estremadura, o Ribatejo e o Minho foram as áreas mais concorridas. Trás-os-Montes foi a região mais difícil. O Sul do Tejo foi terra de refúgio para brigadistas em dificuldades.

Obstáculos e apoios

  • 3 Serviço 1977: 5. Dossiers de inscrição.

14Nesta acção, lembre-se, participaram 79 rapazes e 45 raparigas. Repare-se que, neste PTC, cujos participantes representam 1,5% do total dos estudantes que efectivamente cumpriram o SCE, as brigadistas constituem cerca de 30% do total das raparigas deslocadas das residências habituais.3 Giacometti ousou, pois, contribuir para a saída das raparigas de suas casas naquele Verão.

15Os estudantes percorreram um caminho mais ou menos difícil e demorado até às localidades, nas quais os esperavam inúmeros obstáculos, tendo sido tentados diversos processos para os ultrapassar.

16São muito escassas as informações sobre tais questões no Sul.

17Na Estremadura e do Ribatejo, as brigadas encontraram dificuldades de vária ordem. Lembre-se, apesar da sua especificidade, o caso duma brigada ribatejana (E-1): os obstáculos listados por esta brigada foram a ausência de condições mínimas de instalação e alimentação, o peso excessivo das tarefas domésticas que tinham de ser efectuadas pelos brigadistas, a má organização e falta de apoio dos delegados, as dificuldades de transporte do materiais obtidos, as características locais, a ausência de um reconhecimento prévio do interesse etnográfico das localidades, a atitude da população face ao trabalho etnográfico e ao grupo.

18As brigadas da Beira nomeiam vários obstáculos materiais, a saber, a falta de dinheiro (que leva a comer fiado assim como a comprar objectos fiados), as dificuldades de alojamento (e vão instalar-se em casas particulares habitadas, em casas de emigrantes ausentes, em residências paroquiais, em escolas), os problemas de transporte (dos brigadistas e dos materiais recolhidos). E, se uns tentavam resolver os problemas entrando nas aldeias a tocar e a cantar (B-4), outros apresentavam-se como vindo em nome do MFA (B-1).

19No Minho, houve inúmeras dificuldades materiais recenseadas, à cabeça das quais se devem situar as carências de alojamento, alimentação, transporte, e a falta de dinheiro disponível.

20Estes obstáculos radicam, entre outras coisas, na falta de apoio e de boa vontade dos delegados distritais do SCE. Porém, frequentemente a hostilidade destas figuras distritais (Viana do Castelo e também Aveiro e Braga) foi compensada por outras boas vontades por parte, por exemplo, dos delegados concelhios, dos presidentes das Juntas de Freguesia ou das Câmaras, dos padres, da GNR, da GF, da Polícia, das entidades patronais, das donas das tascas, do Centro Cultural do Couto...

21Terão sido em particular as brigadas do distrito de Viana do Castelo a sentir fortemente a hostilidade do delegado distrital do SCE. Contudo, algumas delas salientaram-se pelo seu bom-humor, pela fome sentidas, para além do seu interesse pelo PTC e pelas realidades encontradas. Todavia, nem sempre os obstáculos foram ultrapassados. Nalgumas situações, as brigadas não arranjaram mesmo alojamento, tendo de ficar numa vila próxima (M-4, M-6).

22Giacometti já tinha previsto as situações difíceis. Manifestam-no as palavras dos brigadistas: para conseguir chegar às aldeias, a M-1 insistiu, "fez pressão" como ele aconselhara "em caso de boicote". Diversa foi a situação da M-2 que partira pensando inocentemente que os estudantes iam para casa dos "lavradores"... e a M-3 chegou a Arcos de Valdevez desconhecendo que o delegado concelhio tinha informado Lisboa de que não arranjara alojamento... Não terá o mentor do PTC avisado todas as brigadas? Ou uns teriam ouvidos para tal e outros não? Em qualquer hipótese, Giacometti previa sem dúvida as dificuldades surgidas, a ponto de dar orientações para casos nos quais lhes parecesse existir “boicote".

23Em Trás-os-Montes, os obstáculos até chegar às aldeias também se fizeram sentir. Pensemos, por exemplo, na hostilidade do delegado distrital de Bragança ou nos problemas monetários que levaram várias das brigadas de Vila Real a anular a estadia na primeira aldeia. Instalados nas povoações, aos estudantes levantaram questões de vária natureza. Algumas dificuldades de ordem material, nomeadamente a falta de dinheiro disponível e, nalguns casos, as dificuldades de alojamento nas aldeias previstas. Entre o "meter-se na vida deles" e as sessões de parapsicologia, várias foram as formas de abordar as aldeias transmontanas.

24Se os brigadistas se apresentaram nas aldeias de forma heterogénea, o desenrascanço foi uma necessidade e uma prática de todos eles. Neste contexto, a ida para o campo é, salvo num caso (M-4), extremamente valorizada no discurso dos brigadistas. Ouvida no curso preparatório ou aprendida na prática, constituiu um grande "método de trabalho" tentado pelos estudantes. Talvez algumas brigadas tenham trabalhado no campo pois era uma forma de estar mais à vontade para tentar resolver as contingências materiais, nomeadamente a falta de dinheiro para alimentação. O denominador comum, a valorização da ida para o campo, não deve ocultar a pluralidade das vias de desenrascanço, as várias soluções tentadas para a escassez de dinheiro e para a carência de alojamento, em boa medida relacionadas com a diversidade de situações locais. As brigadas realçam a importância dos apoios iniciais na primeira abordagem às aldeias.

25Algo, porém, é indiscutível: as hostes aguentaram-se e desenrascaram-se no terreno. O que não era fácil a adolescentes, frequentemente longe dos amigos e da família pela primeira vez, num Verão em que os confrontos políticos na sociedade portuguesa se agudizavam, o que se traduzia, em muitas das regiões abordadas, por grandes e aguerridas manifestações e por vezes por assaltos e incêndios de sedes de partidos políticos.

26Para este sentido de missão e para este entrincheiramento no terreno, terão contribuído vários factores.

27Antes do mais, o próprio facto de ter havido dias de férias, dados pelos estudantes a si próprios, assim como visitas de familiares, que ocorreram um pouco por todo o lado e que permitiram o reabastecimento físico e psicológico dos brigadistas.

28Para além disso, favorável terá sido também a autonomia das brigadas. Foram permitidas as diferentes atitudes e comportamentos que, em cada caso concreto, pudessem possibilitar o desenrascanço. A gestão do dinheiro, apesar de escasso e atrasado, teve de ser também até certo ponto liberal, nomeadamente no caso em que os brigadistas se alojaram e alimentaram por conta própria, sendo eles a governar os 70$00 diários por cabeça. Ainda outro exemplo: Giacometti deu a cada brigada um certo número de rolos fotográficos para uso pessoal. Tudo aponta para que o autor do PTC não tivesse pretendido controlar aquilo que era impossível conseguir. A brigada dispunha de grande autonomia, para o que contribuiu ainda o facto de os encontros interbrigadas terem sido menos frequentes e menos ambiciosos (com menos iniciativas concretas) do que o previsto. E impôs-se indiscutivelmente a realidade da distância dos Serviços Centrais no quadro dum país em turbulência, o chamado Verão Quente.

29Esta autonomia entrelaçava-se com uma responsabilidade afirmada. Aguentar-se no terreno e ir cumprindo, tal como fosse possível, o PTC, parece ter constituído a grande directiva.

30Apesar da lonjura, os Serviços Centrais estavam presentes.

31A sede manteve uma correspondência muito assídua com as brigadas. Respondia sempre a perguntas postas pelos brigadistas — mesmo que de forma pouco concreta (como, por exemplo, no caso das perguntas que remetiam para problemas sociais globais); procurava contribuir para resolver várias das dificuldades encontradas, nomeadamente os problemas de alojamento e as avarias técnicas; prestava informações sobre as outras brigadas e sobre a visita de supervisão de Giacometti; dava directrizes para a recolha etnográfica e para o preenchimento de documentos de trabalho, etc. No fundo, na sua correspondência, a sede procurou acompanhar permanentemente os brigadistas e a recolha de materiais a que se dedicavam, velando pela sua produtividade. Boa parte desta correspondência atingiu um tom ríspido e mesmo provocatório, que desencadeou respostas não menos violentas, parecendo ter funcionado como estímulo. A sede manteve, portanto, um contacto estreito com as equipas (por carta, telegrama ou telefone), o que aliás era necessário porque, quando mais não fosse, houve uma escassez e um atraso de dinheiro permanentes.

32Esta falta de liquidez parece ter sido propositada — nesse longo compasso de espera até à criação legal do SCE, Giacometti conseguiu financiamento para o PTC e, aquando da partida para o terreno, já estava disponível o grosso das verbas. A forma de financiamento das brigadas representou um meio para a direcção dos adolescentes-brigadistas.

33E sobre toda a estadia no terreno pairou a visita de Giacometti.

  • 4 Circular, Lisboa, 6/8/1975.
  • 5 Circular, Lisboa, 21/8/1975.

34A viagem de supervisão foi anunciada em Julho. Na primeira quinzena de Agosto, a sede comunica que ele apareceria, munido de uma máquina de videotape e após ter proposto à RTP uma série de programas sobre o trabalho em curso.4 Nos dias seguintes, a sede explica às brigadas ainda não visitadas que Giacometti regressara à capital "devido ao agravamento da situação política"5 e que, dentro em breve, retomaria as visitas. De facto, a inspecção à maioria das equipas, nomeadamente às das Beiras, Trás-os-Montes e Minho, decorreu em Setembro. E não temos notícia de nenhuma brigada a quem tenha sido anunciada com precisão a data da visita.

35Quando Giacometti chegava, acompanhado pelo menos por um colaborador dos Serviços Centrais, preocupava-se em que este recolhesse os testemunhos dos brigadistas sobre as suas experiências nas três localidades, o apoio dos delegados do SCE, a organização do PTC (apreciação e sugestões) e a inserção do SCE no contexto político de então (afectaria as populações ou pecaria por passivismo?). Foi esta a grelha proposta a todas as brigadas em entrevistas nas quais Giacometti desempenha um papel reservado. Balanço do PTC? Inquérito sobre o SCE? Procura de elementos para uma reestruturação dum Serviço Cívico polémico num Portugal a caminho do socialismo? De qualquer maneira, os brigadistas tiveram oportunidade de conversar e discutir acaloradamente sobre aspectos do PTC, de rever gentes e, por vezes, comidas urbanas.

36Propositado ou não, a iminência desta viagem paira sobre toda a acção, podendo a visita sempre esperada ter funcionado como factor de coesão do PTC.

37A actuação dos Serviços Centrais, em presença ou à distância, caracterizou-se, pois, por uma grande atenção, que nalguns casos chegou a uma apreciável dureza, mas permitiu sem dúvida a autonomia e a maleabilidade de acção das brigadas. Acima de tudo, verificou-se um comando bem pessoal do PTC.

Confrontos culturais

38O PTC consistiu numa ida ao encontro do povo, dissemos anteriormente. E nesta ida ao povo, que áreas de encontro ou desencontro entre os estudantes e o povo se manifestaram? Política, alimentação, sexo e até certo ponto religião parecem ser as áreas deste confronto de culturas no Norte e nas Beiras.

Religião

39De uma forma global, esta área não aparece explícita e significativamente como terreno de confronto. Apesar de tudo, a questão religiosa coloca-se nas brigadas transmontanas.

40No Nordeste, pelo menos duas brigadas queixam-se dos padres (T-7, T-8) e uma delas crítica o papel do clero na sociedade transmontana (T-8).

41Diversamente, no Minho, poucos embates transparecem: dum modo geral, os brigadistas sentem-se apoiados pelos padres (M-1, M-3, M-4, M-9). Mesmo no único caso (M-6) em que um padre duma aldeia é criticado, há outro padre doutra aldeia que é apreciado. E, embora tenha tido um certo mal-estar ao fazê-lo, esta brigada preocupa-se em ir à missa para facilitar a sua integração.

42Também nas Beiras, só em termos abstractos e num caso (B-5) é que é apontado o papel pernicioso da Igreja. Pelo contrário, outras brigadas (B-4, B-8) consideram que são claramente apoiadas pelos padres.

43Lamentavelmente, não dispomos de informações sobre a Estremadura, o Ribatejo, o Alentejo e o Algarve.

Sexo

  • 6 Sobre esta questão, ocorre lembrar aqui o testemunho de Giacometti sobre o que lhe pareceu ser o qu (...)

44Foi no Sul que actuaram as duas únicas brigadas à partida com maioria feminina (A-4 e A-3). Não há, nesta região, referência a questões de ordem sexual levantadas às brigadas mas não podemos concluir não ter havido dificuldades nestes campos, dada a natureza das fontes disponíveis sobre os grupos desta zona.6

45Também não há notícias — e poderia haver nas fontes de que dispomos— a problemas deste foro levantadas às brigadas da Estremadura e do Ribatejo.

46Diversa vai ser a situação mais a norte.

47Nas Beiras, rapazes e raparigas, mesmo tendo alojamentos diferentes, são vistos como dormindo em conjunto.

  • 7 Carta da M-9, 28/7/1975.

48No Minho, uma brigada (M-1) conta que as populações se interrogavam sobre o que andava a fazer uma rapariga com rapazes tanto tempo fora de casa. Foi também no Noroeste que uma rapariga (M-6) se enfureceu com as múltiplas iniciativas de um minhoto para consigo. E uma brigada (M-9) extinguiu-se em grande parte devido “à retirada das meninas pelos pais por falta de condições e ainda por razões ideológicas.”7

  • 8 Entrevista com T1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 500-507.

49Em Trás-os-Montes, as clivagens também foram evidentes. Nalguns casos (T-1, T-2, T-7 e T-9), os comportamentos dos brigadistas entre si e na sociedade foram questionados: discutia-se o facto dos rapazes lavarem roupa, dizia-se que os brigadistas tomavam banho nus nos cursos de água, dormiam juntos... E alguns brigadistas atenderiam efectivamente a estas questões: lembrem-se as afirmações dum responsável de brigada (T-1) segundo as quais “toda uma família que se fecha, toda uma certa repressão sexual que existe (...) tem toda a justificação dadas as grandes dificuldades do processo produtivo”8 ou os lamentos duma brigadista (T-2) sobre a (auto)disciplina imposta ao seu quotidiano.

  • 9 Informação oral prestada aos autores.

50Em suma, os brigadistas não assumiam as identidades e os comportamentos sexuais esperados e, nas Beiras, Minho e Trás-os-Montes, o seu quotidiano aparecia aos olhos populares com uma carga de liberdade e libertinagem. Interessante é notar até que ponto esta imagem condicionou o comportamento de vários estudantes, que se sentem obrigados a tomar posição teórica ou prática sobre a matéria. Poder-se-ia levantar a hipótese de os brigadistas, alertados que estavam para a questão e cheios de temores, terem agravado as cores da narrativa das reacções populares; porém, o depoimento dum responsável central do Serviço Cívico ao qual chegavam as queixas não o confirma e, pelo contrário, tem o mesmo sentido das afirmações dos brigadistas.9

Política

51Não temos notícia de confrontos políticos no Algarve, Alentejo, Estremadura e Ribatejo e, no caso destas últimas duas áreas, era possível havê-los, dado dispormos de relatórios nos quais é narrado que duas brigadas depararam com hostilidade apreciável nas localidades.

52Bem conhecida é a situação mais a norte.

53Nas Beiras, são levantadas questões de natureza política: assim, há brigadas que informam Lisboa de que corriam rumores diversos sobre o seu pretenso comunismo e sobre a missão de espionagem de que iriam incumbidos e que poderia levar à expropriação de bens (B-4) ou a um atentado bombista (B-8). Há duas brigadas com apreciável homogeneidade política à partida, não se tendo detectado qualquer especificidade de comportamento, de reacção ou de resultados da recolha eventualmente relacionáveis com este facto. Uma delas, aquela que entrava nas localidades a tocar e a cantar, foi mesmo a brigada beirã que mais objectos recolheu e, na grande maioria dos casos, por doação (B-4).

  • 10 Diário citado.

54No Minho, correm boatos de que eram comunistas, informadores do COPCON, armados com “radio (radares) para comunicar com a cidade e fazer queixas”10 do que era dito pela população, e de que as informações serviriam para uma posterior missão repressiva (M-1, M-2, M-3, M-4 e M-6). E perseguia-os o rasto da memória das campanhas de alfabetização do Verão anterior (M-1, M-6).

55Em Trás-os-Montes, mais uma vez é dito que os brigadistas são comunistas e agentes da "nova PIDE" (T-2, T-8). É bem possível que os contactos mais ou menos assíduos e regulares que, pelo menos, os estudantes do distrito de Bragança mantiveram com as equipas das campanhas de dinamização cultural do MFA (Maio-Nordeste) tenham contribuído para uma certa desconfiança. Pairou também sobre os brigadistas a memória das campanhas de alfabetização do Verão anterior. E sobretudo as brigadas transmontanas eram fortemente politizadas, contestatárias, preocupadas com a consciencialização popular e actuaram em conformidade.

56Em síntese, as populações das Beiras, Minho e Trás-os-Montes ter-se-iam visto, pois, a braços com "comunistas". Os simples actos de falar, gravar, ou escrever efectuados pelos brigadistas podiam ter uma leitura política: estavam a tirar informações para uma Lisboa e um Estado que depois viriam reprimir as populações. Olhando hoje para o que os brigadistas efectivamente escreveram e gravaram no terreno, o que vemos geralmente, pelo contrário, é uma imensa boa vontade para com as populações e uma feroz crítica ao poder central...

57Mais uma vez, seria interessante confrontar estas reacções populares com as atitudes verificadas mais a sul. Estas são desconhecidas mas, tanto quanto se sabe, não há notícia de acusações ou confrontos políticos.

58Temos, pois, a esfera do político e do sexual como campos relevantes para os confrontos culturais nas Beiras, Minho e Trás-os-Montes. A esfera do religioso é apenas questionada no Nordeste.

  • 11 Entrevista com B5, Piódão, 10/09/1975, bobine 1:266-287, Pinheiro 1990: 169.

59De acordo com orientações de Giacometti, sexo e política, as duas dimensões da cultura popular reprimidas pelo Estado Novo, constituíam precisamente dois eixos a que os brigadistas deviam atender especialmente nas recolhas.11

Comida

60Uma constatação imediata é de que muitos brigadistas se lembram ainda hoje do que comeram quando a família os foi visitar.

61Na época, são inúmeros os comentários sobre a falta de condições em termos de alimentação: são apontados sobretudo a escassez de géneros disponíveis nas aldeias e de dinheiro para os adquirir.

62Lembre-se a frase seca duma brigada de Montalegre:

  • 12 Relatório citado da T-8, 10/9/1975.

“a nossa alimentação reduziu-se (...) a pão, salsichas, bolachas e cerveja”.12

63Ou os comentários duma brigada bem-disposta do Alto Minho (M-1):

  • 13 Relatório citado da M-1, 11/8/1975.

“Como não desencantámos ninguém que nos confeccionasse as batatadas típicas, estamos nós próprios a tentar fazer qualquer coisa que se coma. Como carne não se acha, peixe nem cheirá-lo, fruta idem aspas, rogamos o caridoso envio de vitaminas, pastilhas contra a diarreia e desinfectantes.”13

64Por vezes, como contava e recontava, satisfeito, outro brigadista do Alto Minho (M-2) aquando da visita de Giacometti, a população contribuía para minorar a penúria alimentar:

  • 14 Entrevista com M-2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 40-43.

“broa, batatas, vinho, cebola, alhos, tomates, feijão, deram-nos tudo”14.

65E, sobre o mesmo grupo, dizia um jornalista:

  • 15 Comércio do Porto, 30/08/1975: 6.

“os quatro estudantes entregam-se alegremente ao seu trabalho... mas passam fome! É que Várzea não tem sequer uma pequena mercearia, não há frescos nem carne, nem animais de criação (...) de modo que a equipe come conservas, pão muito ‘rural’, e arroz, batatas, massa. Todos sabem cozinhar (!) mas há quem garanta lá no grupo que, quando é um deles quem cozinha, é um desastre. No entanto, a camaradagem e boa amizade que implanta no grupo superam estes azares culinários”15.

  • 16 Informações orais de brigadistas no Encontro de Setúbal (17/02/1991).
  • 17 Livros de contabilidade.

66De modo que nunca mais esqueceram os bifes que os pais dum dos brigadistas lhes levou aquando de uma visita ao filho…16 Foram os bifes da desforra. Os pratos de carne são aliás sempre os escolhidos pelos brigadistas quando têm acesso a estabelecimentos públicos (tascas, cafés, snacks, restaurantes), nomeadamente aquando da visita de supervisão de Giacometti.17

67Mesmo sem escassez, a mudança alimentar era muito sentida: no caso das brigadas mirandesas, a maioria dos brigadistas teve problemas gástricos e acabou por recorrer ao médico local, que os tranquilizou, diagnosticando apenas "excesso de temperos de porco".

68E uma brigada sem dificuldades nesta matéria (E-5) confirma a importância do problema:

  • 18 Relatório citado da E-5, Lisboa, 22/10/1975.

“tivemos habitação e comida suficiente para nos facilitar a vida o que não se passou com alguns doutros grupos, por aquilo que soubemos.”18

69Os brigadistas sofreram, pois, a questão da alimentação no corpo e na alma.

Desencontros

70Afirmou Peter Burke (1989) que, no campo da cultura popular, na Europa Moderna, se verificou uma luta entre um tempo de excessos (a que chamou Carnaval) e tempo de moderação (designado por Quaresma), saindo vitoriosa deste confronto a Quaresma. Factores como a expansão demográfica e urbana, a revolução dos transportes e o desenvolvimento comercial, o serviço militar obrigatório, a alfabetização, a laicização e as novas formas de politização desferem grandes golpes na cultura popular tradicional, a do Carnaval. Na cultura popular, cujo grande cenário são as festas, as práticas carnavalescas vieram a ficar confinadas ao menor número de dias possíveis, entre os quais os do Entrudo. As festas carnavalescas seriam o tempo dos excessos em sexo, comida e violência, frequentemente expressa no campo político e social.

71É interessante notar o paralelo entre estes elementos da cultura popular e as áreas percebidas como de confronto cultural entre estudantes e povo no Minho, em Trás-os-Montes e na Beira.

  • 19 Arquivo do GCIES, Dossier Noticiário de Imprensa, jornal não-identificado, anotado "Viseu" e "14 de (...)

72É aos estudantes que são atribuídos comportamentos diferentes, desregrados em sexo e política. Sobre a comida, não encontramos queixas populares – e, como é óbvio, seria praticamente impossível havê-las – mas é curioso notar que esta crítica se dirige a outros estudantes do serviço cívico que estão numa aldeia para onde era suposto ir a B-4.19 Os estudantes parecem, pois, ser vistos como agentes e figurantes de Carnaval.

73Apesar do papel repressivo do Estado e da Igreja neste processo, talvez os golpes dados pela alfabetização, transportes, urbanização, etc. não tivessem ainda sido proferidos em termos definitivos em muitas das aldeias percorridas, havendo por isso formas da cultura popular tradicional ainda bastante vivas. Neste contexto, terão os estudantes funcionado como espelho da cultura popular em regressão? Ou tratar-se-ão tão-somente de áreas sensíveis nas mais diversas sociedades?

O nosso povo

74Os brigadistas detectam carências nas localidades que se situam, antes do mais, ao nível das necessidades básicas: na área do saneamento (falta de água canalizada, de esgotos, de casas de banho, insuficiência de fontanários), da electrificação, de transportes e meios de comunicação (mau estado das estradas e caminhos, a falta de transportes públicos).

75Para além daquelas necessidades encaradas como mais graves, os estudantes salientam também as carências na educação (mau estado das escolas, elevados índices de analfabetismo) e sobretudo na saúde (má assistência médica, ausência de planeamento familiar, dificuldades no encaminhamento de casos difíceis). Ainda neste último campo, os brigadistas realçam as deficiências alimentares e o problema do alcoolismo.

76Aos brigadistas parecia ainda que os meios de comunicação e informação eram claramente insuficientes: a distribuição de correio era anacrónica e ineficaz, não havia jornais nem televisões.

  • 20 Geralmente, a missa assim como os circuitos de informação que por aí passam são reconhecidos mas nã (...)

77Interessante é verificarmos também até que ponto a ausência de espaços de sociabilidade "convenientes",20 de espírito associativo e de estruturas organizativas preocupavam os jovens: em vários dos seus documentos, estas lacunas são apontadas e olhadas como obstáculos a ultrapassar, aliás de acordo com as directrizes do PTC. Neste contexto, aparece por vezes individualizada a situação das Casas do Povo.

78Finalmente, os brigadistas mencionam o atraso na agricultura, manifesto na prática de culturas "inadequadas" e na insuficiente mecanização.

79Os brigadistas preocuparam-se, pois, com o saneamento e a electrificação básicas, com a agricultura, com a educação e a saúde, com a as carências de meios de comunicação e informação, com os espaços de sociabilidade e as estruturas organizativas.

80Naturalmente, resulta de tudo isto uma valorização, enquanto tentativas de resposta, de obras básicas de engenharia, de modernização agrícola, das campanhas de alfabetização e educação sanitária, da dinamização do associativismo e da organização popular. No fundo, e até certo ponto, os brigadistas estariam a reviver a tese leninista de que "o comunismo é o poder dos sovietes mais a electrificação".

81Podemos comparar este retrato do Portugal interior com um outro tirado duas décadas antes por um poder político de matriz contrária — o Estado Novo — aquando da Campanha Nacional de Educação de Adultos. Ao abordar os relatórios destas Campanhas (em 1957/1958), Nóvoa levantou os temas aí presentes: em contextos regionais caracterizados pela "inacessibilidade dos povoados, o (mau) estado dos caminhos, a ausência de electricidade, as crianças descalças, a vida nas tabernas", desenvolveram-se acções educativas que levaram à elaboração pelos seus responsáveis do seguinte quadro geral: "O panorama moral, material e cultural das famílias que formam as povoações visitadas é baixo e continua a ser o grande mal da nossa gente: a falta de responsabilidade que os pais sentem na educação dos filhos, começando pelas camadas sociais mais elevadas, a pouca higiene na habitação e nos corpos, a falta de economia e previdência, a ausência de princípios cristãos seriamente vividos, o alcoolismo e a ociosidade escandalosa" (Nóvoa 1992: 477-478).

82O contexto político é radicalmente diferente, os agentes da campanha e os seus apoios são-no, os referenciais ideológicos também. O retrato apresenta, porém, semelhanças quanto às carências básicas de electrificação e meios de comunicação. As diferenças residem na importância atribuída, na conjuntura revolucionária, às dificuldades da agricultura, às carências de assistência médica, e sobretudo de meios de informação, de espaços de sociabilidade "convenientes" e de práticas associativas e organizativas.

A nova sementeira

83Detectadas aquelas carências e equacionadas formas de as ultrapassar, os brigadistas, no curto prazo, vão tentando intervir na realidade que gostariam de modificar.

84Nas Beiras, apesar dos brigadistas que a ele se referem gostarem de contribuir para a transformação do comportamento político das populações, encaram-no com alguma compreensão e simpatia, atribuindo as responsabilidades da sua existência geralmente aos órgãos de poder sitos em Lisboa que, desde há décadas, descuravam o campo, pouco ou nada fazendo de concreto por ele. É sempre a necessidade de "coisas" que sublinham, especificando por vezes (B-8). Terão então os jovens começado a atribuir menos importância ao discurso político e mais valor a esta e aqueloutra realização material de que as populações careciam? Aos próprios, parecia-lhes que a ida para o campo possibilitava a descoberta do concreto.

85No Minho, as realidades encontradas mobilizaram os brigadistas: procuram identificar carências locais assim como manifestam vontade de contribuir para a sua resolução (M-1, M-2, M-3, M-5, M-9). Em particular, o fomento do cooperativismo no mundo rural constitui uma preocupação de várias brigadas (M-2, M-5).

86Em Trás-os-Montes, os brigadistas também atendem às condições de vida das populações. Olham os transmontanos com simpatia; compreendem e em boa parte justificam as suas posições políticas, expressas em termos eleitorais em partidos que não eram da simpatia dos brigadistas. Teria sido sempre o poder central que nada teria feito em seu favor. E entretanto há quem pretenda ilustrar o povo (T-6), há quem queira mobilizá-lo pela mecanização agrícola (T-1) ou pelos transportes (T-2).

87É certo que as brigadas transmontanas encararam de várias formas a sua missão política — que parecem remeter sobretudo para diferentes conceitos de vanguarda e visões da condição estudantil. As expressões da vontade de intervenção são variadas: diversamente valorizadas e concretizadas, lembremos as sessões de desenho infantil nas aldeias mirandesas, o projecto do Centro Cultural do Couto de Ervedoso e os termos da crítica final ao PTC duma brigada de Montalegre (T-8).

88Na Estremadura e no Ribatejo, vários grupos (E-1 e E-5) equacionaram o PTC em termos gerais, discutiram os resultados do trabalho e contextualizam-nos. Porém, a carga política das apreciações é muito menor e não temos notícia de intervenções concretas no quotidiano popular naquele Verão Quente.

89Qual o balanço, em termos nacionais, destes trabalhos "úteis" às comunidades efectuados pelos brigadistas?

90Uns meses após o final do PTC, dizia o seu responsável:

"Quanto ao trabalho nos domínios da animação e desenvolvimento das comunidades, há que registar que 25% das equipas participaram nas tarefas do campo, além de que a sua maioria prestou ajuda na resolução de problemas colectivos, como por exemplo a construção de uma cisterna, a criação de cooperativas, a formação de conselhos de aldeia, a organização de infantários, etc.; algumas equipas economizaram o dinheiro da sua alimentação e entregaram-no à população para auxiliar obras de utilidade pública, enquanto outros promoveram exposições de desenho infantil, espectáculos de variedades ou ainda se integraram em equipas desportivas locais" (Serviço 1977: 8).

91No fundo, a vertente diagnosticadora e de intervenção do PTC ia reaparecendo no olhar e na prática de muitas brigadas.

92É curioso notar que, no caso de algumas brigadas beirãs, aparece a figura do emigrante, geralmente criticado quer indirecta quer directamente (B-5). Esta figura que se dirigia para os países capitalistas e que deles voltava com novos proventos e comportamentos, diferenciando-se dos que haviam ficado nas posses e nas culturas, este símbolo da mobilidade social e transformação cultural, não era benquisto por estes jovens brigadistas. Tratam-se, porém, de referências minoritárias e pouco frequentes; contudo existem e são elementos integrantes do mesmo universo que sonha com o antigo "espírito cooperativo" de Casegas (B-5) ou com o "comunismo primitivo" de Rio de Onor (T-2).

“É porreiro contactar com o povo”

93Olhando globalmente os obstáculos encontrados, a atitude das brigadas e as áreas de confronto, vemos até que ponto o PTC se desenrolou entre a expressão das novas sociabilidades aos 17 ou 18 anos e o sentimento de responsabilidade na missão em curso.

94Qual foi a apreciação geral dos brigadistas sobre o PTC?

95A maioria dos brigadistas considera ser bastante diferente o interesse do PTC se encarado na perspectiva dos brigadistas ou olhado do lado das populações.

  • 21 Entrevista citada com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 3-6.
  • 22 Entrevista citada com B-5, Piódão, 10/09/1975, bobine 1: 62-65.
  • 23 Por exemplo, entrevista com M-2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 28-32.
  • 24 Relatório da B-5, Sobral, 8/8/1975.
  • 25 Entrevista com B-5, Piódão, 10/09/1975, bobine 1: 146-147.

96Para os participantes, há unanimidade em que “é porreiro contactar com o povo”21, fosse este contacto novidade ou não. Mesmo os mais críticos brigadistas (B-5) afirmam: “O SCE não interessa a ninguém, a não ser à valorização pessoal dos participantes.”22 Alguns estudantes mencionam também favoravelmente o contacto com colegas novos23 ou a autonomia usufruída24, exemplificando uma rapariga como um facto positivo “os pais habituar[em]-se a uma separação”.25

97Parece, pois, não terem dúvidas os brigadistas sobre o interesse do PTC para si próprios. Os mentores do PTC, aliás, também invocavam por vezes a utilidade pessoal e social da acção. Com mais ou menos agruras e com maior ou menor sofrimento, parece perpassar, na documentação analisada, muita motivação, muito envolvimento, muitos tempos de emoções fortes.

98Quanto ao interesse do PTC para as populações, já as opiniões são variáveis. À partida, estava fora de questão a utilidade, a curto prazo e para as populações, de uma recolha de cultura popular. A etnografia não era o ramo do saber que se apresentava como mais relevante para a intervenção na conjuntura revolucionária da época, que exigia "operacionalidade". O que podia estar em discussão eram as acções de animação sociocultural nas aldeias previstas pelo PTC. Para alguns, era possível aos estudantes contribuir eficazmente para a politização popular. Para outros, factores vários (como a idade, a não-pertença à comunidade, o pouco tempo de permanência, etc.) não o permitiam, para não falar do facto, desfavoravelmente encarado, do PTC não implicar necessariamente trabalhos concretos de apoio às populações. As populações teriam necessidades prementes e o PTC (com as suas características e o seu dispêndio de dinheiro) não contribuiria em nada para a sua resolução... As populações quereriam coisas e não palavras. Uma brigada beirã (B-5) aponta ainda como profundamente negativo a colisão do SCE com o mercado de trabalho.

  • 26 Entrevista citada com T-2/T-1, S. Martinho de Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 3-6.

99Porém, apesar da razão política levar a tais afirmações, outras razões, talvez menos racionais, levavam os brigadistas a dizer que não só “era porreiro contactar com o povo” como também “bestial recolher a cultura popular”.26

As recolhas

100Se a vida nas aldeias entusiasmou os colectores, os seus resultados também foram encorajadores.

101No Alentejo e Algarve, no Minho e em Trás-os-Montes, globalmente o trabalho desenrolou-se em todos os meses. Já os resultados doutras brigadas (nomeadamente as da Estremadura e algumas da Beira) remetem sobretudo para Julho e Agosto.

102Centremo-nos na recolha de cultura material.

FIGURA 1. Cultura material: proveniência das recolhas por região

FIGURA 1. Cultura material: proveniência das recolhas por região

103Verificamos que o Sul, não-prioritário, está apesar de tudo significativamente representado, para o que contribuiu o muito trabalho da A-1. Na recolha de cultura material cabe a esta zona cerca de 16% dos objectos conseguidos. A imensa maioria dos artefactos foram doados.

104Na Estremadura e no Ribatejo os resultados de trabalho são visíveis, apesar de modestos. A esta área pertencem 13% dos objectos conseguidos. É a região onde foram recolhidos menos objectos, tendo sido a compra a sua principal forma de aquisição.

105A Beira aparece bem representada (cerca de 21 %). Brigadas houve que realizaram recolhas de cultura material bastante apreciáveis (B-2 e sobretudo B-4). Salvo num caso (B-8), em que tudo foi comprado, em todos os outros há uma maioria de ofertas.

106O Minho é também uma região bem presente (quase 22% — na mesma ordem de grandeza da Beira). Salientou-se a M-2 pelo trabalho efectuado. Nesta região, há mais objectos adquiridos do que doados. Curiosamente, no Noroeste português só as brigadas do Alto Minho conseguem mais objectos oferecidos do que vendidos.

107Em Trás-os-Montes, o trabalho foi muito vasto. Quer no campo da recolha de literatura oral quer na colecta de objectos, o Nordeste foi a região mais representada. Salientam-se as recolhas de literatura oral das brigadas do distrito de Bragança (T-1, T-2, T-5), importantes matérias para o Romanceiro Popular Português. No respeitante à cultura material, de Trás-os-Montes vieram 28% dos artefactos, na maioria dos casos por ofertas. Nas recolhas de objectos, há várias grandes colectas (T-5, T-9).

FIGURA 2. Cultura material: recolhas das equipas no Algarve e Alentejo (nº de objectos)

FIGURA 2. Cultura material: recolhas das equipas no Algarve e Alentejo (nº de objectos)

FIGURA 3. Cultura material: recolhas das equipas na Estremadura (nº de objectos)

FIGURA 3. Cultura material: recolhas das equipas na Estremadura (nº de objectos)

FIGURA 4. Cultura material: recolhas das equipas nas Beiras (nº de objectos)

FIGURA 4. Cultura material: recolhas das equipas nas Beiras (nº de objectos)

FIGURA 5. Cultura material: recolhas das equipas no Minho (nº de objectos)

FIGURA 5. Cultura material: recolhas das equipas no Minho (nº de objectos)

FIGURA 6. Cultura material: recolhas das equipas em Trás-os-Montes (nº de objectos)

FIGURA 6. Cultura material: recolhas das equipas em Trás-os-Montes (nº de objectos)

108Em suma, notamos antes do mais que o Norte é o principal fornecedor de peças para o Museu. Verificamos também que, enquanto no Algarve, Alentejo, Beiras e Trás-os-Montes, a principal forma de obtenção de objectos foi a doação, na Estremadura/Ribatejo e no Minho, foi a compra. São as brigadas apesar de tudo mais próximas de Lisboa e Porto que compram mais objectos.

109Estas são as linhas gerais da recolha de cultura material. Que se enquadra nos resultados gerais da recolha etnográfica que teriam ultrapassado as expectativas.

110Mais tarde, Giacometti, referiria a "extrema valia documental" do material reunido e afirmaria mesmo que

“os resultados obtidos, pela sua importância social e cultural, ultrapassaram as previsões mais optimistas.” (Giacometti 1987: 4)

111Poucos meses depois de finda a missão, os resultados foram comunicados aos brigadistas com os quais os Serviços Centrais estavam em contacto.

  • 27 Circular, Lisboa, [Junho de 1976]. Posse particular. Um balanço da missão também aparece num Boleti (...)

“Camaradas,
Só agora nos é possível informar-vos dos resultados do Plano Trabalho e Cultura, os quais, no essencial, são francamente positivos.
Assim, foram registados em 248 cassetes:
- 200 contos
- 30 lendas
- 1500 quadras e canções
- 200 provérbios e ditos
- 300 anedotas
-100 mezinhas
- 250 orações
- 40 entrevistas
- 15 peças de teatro tradicional
Por outro lado, foram realizados cerca de 100 inquéritos referentes à medicina tradicional e outros 150 relacionados com as condições de higiene.
As alfaias agrícolas, ferramentas e instrumentos de trabalho adquiridos pelas equipas avizinham as 1200 unidades (das quais apenas a 10 parte não apresenta interesse) e encontram-se reunidas num pavilhão da Junta Distrital de Setúbal até transitarem para o Museu do Trabalho, cuja construção se iniciou no passado mês. Por fim, das 2500 fotografias tiradas, 800 são de excelente qualidade técnica e interesse etno-sociológico.
Acrescentaremos que parte da documentação recolhida se apresenta como novidade para os especialistas e pode ser considerada sem dúvida como contributo valioso para o conhecimento da nossa cultura popular.
Queremos informar ainda que, desde Novembro do ano passado, uma equipa de sete transcritores se empenhou na transcrição em fichas dos textos de literatura popular recolhidos pelo Plano.
Remetemos-vos as fotografias desprovidas de interesse específico para o Museu e gostaríamos que fossem distribuídas, se possível, por os colegas da equipa.
Um abraço amigo
ass.) M. Giacometti”27

Missão cumprida

112Terminada a missão, os seus resultados justificaram, tal como previsto, a continuação do trabalho, nomeadamente na área da literatura oral e da cultura material, e prosseguiram os contactos para a concretização do CDOC e do seu MT.

  • 28 Alguns exemplos: quer no anteprojecto quer no projecto, uma das tarefas a realizar no final das ope (...)
  • 29 Arquivo da JCP — Pastas sobre Movimento Alfa. Informações orais de participantes no Movimento Alfa.

113Contudo, não se realizou nova campanha do PTC. O que contraria o projecto do PTC, do CDOC, a correspondência trocada e as entrevistas efectuadas com os brigadistas no Verão Quente.28 Talvez mais desmotivado devido à evolução da situação política e certamente a braços com os materiais recolhidos e com as tarefas por eles exigidos, Giacometti não activou, no ano lectivo seguinte, nenhum PTC no quadro do SCE. Porém, no Verão de 1976, participou no Movimento Alfa lançado pela UEC, movimento este que se ocupou do levantamento da cultura popular, nomeadamente da tradição oral e da história do movimento associativo local, embora não fosse esse o seu objectivo principal.29 Giacometti parecia não querer desaproveitar ocasiões para recolhas e para reforçar a sua rede de informantes.

114Contudo, Giacometti preocupava-se sobretudo com o destino dos materiais conseguidos pelo PTC. Terminada a missão, Giacometti vai encaminhar uma parte dos seus resultados (os artefactos) para um Museu do Trabalho a construir na capital vermelha do país (Setúbal).

Notes

1 Nesta tentativa de relacionamento entre Sul vermelho e localização das equipas, mais precisamente entre comportamentos eleitorais em 1975 e distribuição geográfica das brigadas no Verão Quente, considerámos como indicadores vermelhos os votos no PCP. Os votos no PS são votos num partido que, nesta época e neste Sul, estava numa situação de oposição ao PCP. Os votos nas forças políticas que se reclamavam à esquerda do PCP são, nestas eleições e nestes concelhos, diminutos (nenhuma dessas forças atingiu 2%). Concretizemos um pouco mais estas afirmações com os dados das eleições de 1975 para a Assembleia Constituinte. No distrito de Faro, de maioria PS, Alcoutim é dos concelhos de mais baixa votação PCP. No distrito de Beja, de maioria PCP, Ourique e Almodôvar são concelhos onde não ganha o PCP. No distrito de Évora, também de maioria PCP, Reguengos de Monsaraz é concelho onde não ganha o PCP. No distrito de Portalegre, de maioria PS, Crato e Nisa são concelhos de baixa votação PCP. Note-se ainda que a A-5, destinada a um concelho de grande votação no PCP (Serpa), nunca se formou. Ver Gaspar & Vitorino (1976) e Gaspar (1979).

2 Curiosamente, é a propósito de duas destas equipas que se verificam expedições posteriores para recolha ou classificação de material etnográfico, o que poderá talvez ser entendido como efeitos directos ou indirectos da acessibilidade da zona.

3 Serviço 1977: 5. Dossiers de inscrição.

4 Circular, Lisboa, 6/8/1975.

5 Circular, Lisboa, 21/8/1975.

6 Sobre esta questão, ocorre lembrar aqui o testemunho de Giacometti sobre o que lhe pareceu ser o quotidiano duma das brigadas alentejanas. Contou o responsável do PTC que, na sua viagem de supervisão das brigadas, foi no Alentejo que encontrou o grupo com a mais clara divisão dos papéis masculinos e femininos. Ao chegar de surpresa à residência dos brigadistas, apenas encontrara as raparigas, que estavam atarefadas com a lida caseira, e tivera que ir procurar os rapazes a uma festa próxima. Estes, que aliás estavam bastante insatisfeitos com o trabalho doméstico feito pelas suas colegas, costumavam andar pela rua, pelas aldeias e vilas próximas enquanto elas ficavam por casa — informações orais de Giacometti prestadas aos autores. A confirmar-se que este quadro era representativo da vida da brigada, cumpre interrogarmo-nos sobre os efeitos deste quotidiano no relacionamento com a população. O facto do testemunho de Giacometti remeter para o plural "rapazes" faz-nos supor que se trataria da A-1. O que é reforçado pelo facto de ter sido a única brigada do Sul visitada por Giacometti, a crer nos livros de contabilidade. Lembremos agora que foi a brigada que mais objectos recolheu. A confirmar-se tratar-se da A-1, a segregação sexual teria, pois, funcionado a favor da produtividade da recolha.

7 Carta da M-9, 28/7/1975.

8 Entrevista com T1, [S. Martinho Angueira], 13/09/1975, bobine 3: 500-507.

9 Informação oral prestada aos autores.

10 Diário citado.

11 Entrevista com B5, Piódão, 10/09/1975, bobine 1:266-287, Pinheiro 1990: 169.

12 Relatório citado da T-8, 10/9/1975.

13 Relatório citado da M-1, 11/8/1975.

14 Entrevista com M-2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 40-43.

15 Comércio do Porto, 30/08/1975: 6.

16 Informações orais de brigadistas no Encontro de Setúbal (17/02/1991).

17 Livros de contabilidade.

18 Relatório citado da E-5, Lisboa, 22/10/1975.

19 Arquivo do GCIES, Dossier Noticiário de Imprensa, jornal não-identificado, anotado "Viseu" e "14 de Julho de 1975".

20 Geralmente, a missa assim como os circuitos de informação que por aí passam são reconhecidos mas não são valorizados positivamente.

21 Entrevista citada com T-2/T-1, S. Martinho Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 3-6.

22 Entrevista citada com B-5, Piódão, 10/09/1975, bobine 1: 62-65.

23 Por exemplo, entrevista com M-2, sem local, [provavelmente 16/09/1975], bobine 7: 28-32.

24 Relatório da B-5, Sobral, 8/8/1975.

25 Entrevista com B-5, Piódão, 10/09/1975, bobine 1: 146-147.

26 Entrevista citada com T-2/T-1, S. Martinho de Angueira, 13/09/1975, bobine 4: 3-6.

27 Circular, Lisboa, [Junho de 1976]. Posse particular. Um balanço da missão também aparece num Boletim do Serviço Cívico Estudantil já citado: apresenta algumas diferenças nos quantitativos globais, atende ao enquadramento geral proporcionado (projecto do PTC e sua concretização), e às acções de animação sociocultural efectivamente realizadas (Serviço 1977: 7-8).

28 Alguns exemplos: quer no anteprojecto quer no projecto, uma das tarefas a realizar no final das operações era o "estabelecimento de normas para o desenvolvimento futuro do PTC". O mesmo é referido na correspondência da sede em Setembro (Carta dos Serviços Centrais à T-1, 3/9/1975). Nas entrevistas aquando da viagem de supervisão de Giacometti, o futuro do PTC também é discutido.

29 Arquivo da JCP — Pastas sobre Movimento Alfa. Informações orais de participantes no Movimento Alfa.

Table des illustrations

Titre FIGURA 1. Cultura material: proveniência das recolhas por região
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/930/img-1.png
Fichier image/png, 25k
Titre FIGURA 2. Cultura material: recolhas das equipas no Algarve e Alentejo (nº de objectos)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/930/img-2.png
Fichier image/png, 7,1k
Titre FIGURA 3. Cultura material: recolhas das equipas na Estremadura (nº de objectos)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/930/img-3.png
Fichier image/png, 10k
Titre FIGURA 4. Cultura material: recolhas das equipas nas Beiras (nº de objectos)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/930/img-4.png
Fichier image/png, 10k
Titre FIGURA 5. Cultura material: recolhas das equipas no Minho (nº de objectos)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/930/img-5.png
Fichier image/png, 10k
Titre FIGURA 6. Cultura material: recolhas das equipas em Trás-os-Montes (nº de objectos)
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/930/img-6.png
Fichier image/png, 11k

© Etnográfica Press, 1993

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter