Version classiqueVersion mobile

População, Família, Sociedade

 | 
Robert Rowland

Prefácio à 2ª edição

Texte intégral

1A reedição deste texto, desde há muito esgotado, visa, antes de tudo, tornar mais acessíveis os resultados destas análises sobre a nupcialidade e o sistema familiar em Portugal aí incluídas; mas constitui, também, o ensejo, passados vinte anos sobre a data da sua primeira publicação, para revisitar a sua problemática e reequacioná-la à luz da investigação mais recente, aproveitando o distanciamento temporal para situá-la num contexto mais amplo.

2O livro, que sintetiza os resultados de investigações realizadas ao longo de cerca de quinze anos, tinha na sua origem um duplo objectivo. Propunha-se contribuir, em primeiro lugar, para a discussão metodológica que, ao longo dos anos 80 e 90, animou boa parte da investigação realizada, em diversos países europeus, sobre a história da população e da família e sobre as suas relações mútuas; e, em segundo, transpor essa discussão para o plano da investigação concreta, proporcionando em relação a Portugal continental uma caracterização, tão exaustiva quanto possível, da diversidade regional das duas variáveis chave – a nupcialidade e a estrutura familiar – que ocupavam um lugar central nessa discussão metodológica. Face às características e às limitações da informação estatística disponível, essa caracterização exigiu o desenvolvimento de novas técnicas de análise, cuja apresentação, com um grau de pormenor talvez excessivo para alguns leitores, tinha como propósito sublinhar a necessidade de se associar o rigor metodológico no tratamento dos dados com a especificação, igualmente rigorosa, dos conceitos estruturantes que tinham norteado a pesquisa.

  • 1 Em rigor, poderia argumentar-se que o Malthusian turn se desdobra em três momentos distintos e, em (...)

3O conteúdo do volume, no seu conjunto, demonstra a sua evidente filiação malthusiana. Quer a discussão metodológica centrada na noção de regime demográfico e na relação deste com o sistema familiar, quer a escolha da nupcialidade e da estrutura familiar como objectos de estudo aprofundado remetem, de facto, para a discussão crítica da “hipótese Hajnal-Laslett” quanto à existência de uma relação de interdependência funcional entre nupcialidade e estrutura familiar, pelo menos no contexto europeu. Neste sentido, ele integrava-se, tal como as investigações que para ele contribuíram, no Malthusian turn que caracterizou uma parte significativa dos estudos sobre população e família na segunda metade do século XX1. Conforme se depreende de maneira mais nítida do capítulo suplementar que foi incluído nesta nova edição, o qual procura aprofundar e redefinir a problemática dos regimes demográficos à luz das investigações mais recentes, a tentativa de enquadrar comparativamente o caso português traduziu-se numa avaliação bastante crítica dos pressupostos que nortearam uma parte significativa dos estudos de inspiração malthusiana desenvolvidos pelos investigadores de Cambridge ou por eles inspirados em outros países.

  • 2 O termo não é tão descabido quanto poderá parecer. Há não muitos anos, em 2012, o responsável por u (...)

4Estudos recentes, como os do Eurasian Population and Family History Project ou do projecto internacional Life at the Extremes, efectuados a uma escala geográfica mais ampla e com dados muito mais completos e representativos, têm vindo a reforçar essas críticas e a pôr em causa, pelo menos aparentemente, a herança malthusiana. O recurso a bases de dados demográficos de âmbito internacional tem, contudo, um preço. A harmonização e padronização de dados censitários de variada proveniência implica uma estruturação da informação ao nível e em termos estritamente individuais, de modo que dados de carácter supra-individual, como a estrutura do agregado doméstico ou outras características das relações sociais ou dos grupos nos quais os indivíduos se encontram inseridos, só podem ser contemplados quando transformados em atributos dos indivíduos a que dizem respeito. O recurso ao big data2 demográfico acarreta, assim, o risco de enviesar a estratégia de investigação, promovendo implicitamente um individualismo metodológico que privilegia o estudo (ou a reconstituição hipotética) de processos de decisão individual e torna invisível, ou, pelo menos, obscuro, qualquer papel estruturante desempenhado pelas relações sociais.

5Não será este o lugar para aprofundar esta questão, ou para encetar uma discussão sobre os custos e benefícios da data-led research em demografia histórica e em história da família. Mas serve este apontamento para sugerir que, embora noutros termos, a discussão iniciada neste livro há vinte anos continua aberta, e que a presente reedição talvez possa vir a contribuir para a sua desejável renovação.

Notes

1 Em rigor, poderia argumentar-se que o Malthusian turn se desdobra em três momentos distintos e, em parte, contraditórios. O primeiro, inspirado pela problemática da relação entre recursos económicos e dinâmica da população desenvolvida na edição original do Ensaio de Malthus, corresponde ao conjunto de estudos sobre a transição demográfica; o segundo, centrado na problemática da organização social da reprodução, inspira-se nas análises comparativas das cinco edições subsequentes do Ensaio e corresponde, sobretudo, aos trabalhos do Grupo de Cambridge e de autores como Mackenroth, Dupâquier e Hajnal; o terceiro, mais recente, caracteriza-se pela utilização de grandes bases de dados com informação demográfica padronizada ao nível dos indivíduos e, apesar do seu âmbito comparativo, representa, de certa forma, um regresso à problemática do primeiro momento (e ao primeiro Malthus) e ao individualismo metodológico que lhe estava subjacente. Em geral, no entanto, e neste contexto, o termo Malthusian turn é utilizado para o segundo destes três momentos, aquele que de maneira mais evidente corresponde às preocupações de Malthus no seu período maturo.

2 O termo não é tão descabido quanto poderá parecer. Há não muitos anos, em 2012, o responsável por umas dessas bases de dados internacionais gabava-se, num congresso, de possuir informações demográficas sobre tantos indivíduos quanto as pessoas inscritas, nessa altura, no Facebook.

© Etnográfica Press, 1997

Licence OpenEdition Books

Cette publication numérique est issue d’un traitement automatique par reconnaissance optique de caractères.

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search