Version classiqueVersion mobile

A Europa é o Cacém

 | 
Paula Togni

Prefácio

Adriana Piscitelli et Antónia Pedroso de Lima

Texte intégral

1A Paula Togni entrou nas nossas vidas em momentos diferentes, mas em ambas se instalou de forma permanente, através da alegria e rigor do seu trabalho como investigadora e como mulher, consolidando assim os laços que já antes nos uniam.

2Em 2007, recém-chegada a Lisboa, a Paula destacou-se no grupo de excelentes alunos da Antónia Pedroso de Lima no Mestrado em Antropologia do ISCTE-IUL pelo entusiasmo, qualidade argumentativa e tenacidade com que se envolvia nos debates e pela forma como se integrou em projetos de investigação que vieram depois a constituir a sua tese de mestrado. Na altura, não imaginávamos que a nossa relação se tornaria numa intrincada mistura de troca e estímulo intelectual, trabalhos de pesquisa e atividades cívicas, amizade e cumplicidade que nos unia entre trabalho, gargalhadas e algumas lágrimas.

3Mais tarde, ao recebê-la na Unicamp, no Brasil, por uma prolongada temporada, a mesma bela surpresa se repetiu com Adriana. Paula integrou o grupo de pesquisa do Pagu durante um ano, iluminando-o com a particular combinação entre seriedade académica e alegria marcante de sua personalidade. Essa convivência ofereceu a possibilidade de realizar inúmeras trocas intelectuais e afetivas com ela.

4A tese que resultou dessa circulação entre o ISCTE e a Unicamp teve orientação conjunta da Antónia e da Adriana. Foi concluída em maio de 2014 e dá agora origem a este livro. Nesse momento já eram percetíveis os méritos dessa etnografia “translocal”, termo utilizado por uma das integrantes do júri [banca] de defesa da tese para destacar a importância do seu trabalho relativamente a reflexões sobre transnacionalidade. Cinco anos depois, os contributos desse estudo tornam-se ainda mais evidentes.

5O texto que agora publicamos está na forma de tese académica, tal como a Paula o deixou. O livro, extremamente envolvente, começa por traçar paralelos, interseções e distanciamentos entre experiências migratórias. A autora escreve sobre a sua própria trajetória, a de uma brasileira de classe média, considerada branca no Brasil, de um centro metropolitano, que chega a Portugal com 23 anos para iniciar os seus estudos de pós-graduação, aumentando o seu capital cultural. Essa trajetória é contraposta à de Sheila, nome que a autora dá a uma das suas principais interlocutoras, uma mulher de 19 anos da zona rural de uma região do estado de Minas Gerais, com experiências marcadas pela pobreza, que migrou para “melhorar de vida”.

6Contrastando as estratégias, redes e recursos utilizados para aceder a Portugal, a autora evoca de maneira produtiva o conceito de localização social formulado por Patricia Pessar e Sarah Mahler (2001) num trabalho que, no início da década de 2000, marcou os estudos feministas sobre migração. Delineando os encontros e desencontros entre as duas trajetórias, Paula Togni inicia o livro com uma reflexão sobre como as diversas posições ocupadas por ela própria e por Sheila nos seus respetivos processos migratórios lhes proporcionaram diferentes experiências de deslocamentos internacionais no âmbito de múltiplas hierarquias de poder que articulam género, classe, raça, sexualidade, etnicidade e nacionalidade. A partir desse contraponto, a autora problematiza a separação entre tipos de deslocamento que são analisados separadamente no campo dos estudos de migrações e na própria legislação migratória: a mobilidade de estudantes e a de migrantes laborais.

7Esse é o primeiro dos diversos e férteis questionamentos presentes neste trabalho que, ancorado na crítica ao nacionalismo metodológico possibilitada por uma sólida etnografia, mostra a relevância de considerar a heterogeneidade nos fluxos migratórios de uma única nação. Tomando como referência as trajetórias e processos de subjetivação das mulheres e homens brasileiros com os quais trabalhou, tecidas entre Mantena, em Minas Gerais, e o Cacém, pequena cidade tida como “periférica” na área metropolitana de Lisboa, a autora demonstra a importância de considerar os diversos aspetos que participam na conformação dessa heterogeneidade, levando seriamente em conta a classe social. Ao fazê-lo a partir da etnografia que entretece contextos e conceitos, Paula endereça, de forma empiricamente densa e teoricamente sofisticada, um dos conceitos das ciências sociais mais evitados pela antropologia – o de classe social – e mostra como ele pode ser útil quando ancorado na multidimensionalidade relacional das vidas sociais.

8A etnografia de Paula Togni insere-se no prolongado diálogo que a produção antropológica tem mantido com os estudos sobre migração. Diversos/as antropólogos/as têm problematizado pressupostos e categorias relevantes para esses estudos. Na década de 1990, James Clifford (1997) chamava a atenção para o facto de como prestar séria atenção a género, raça e classe social possibilitava questionar aproximações “clássicas” dos estudos sobre migração, particularmente os modelos lineares de assimilação. A problematização desses modelos foi demonstrada de maneira magistral na década seguinte por Grace Cho (2008), numa análise dos casamentos entre mulheres coreanas e militares norte-americanos realizados durante e após a guerra entre os dois países.

9Etnografias recentes têm estabelecido diálogos com as perspetivas atuais dos estudos sobre migração, questionando, como o fez Paula, distinções entre modalidades migratórias e migração laboral; migração ligada ao casamento/marriage migration e migração familiar – e problematizando conceitos e ideias aceites nesses estudos. Nesse ponto vale a pena mencionar os trabalhos que examinam as dimensões íntimas das migrações africanas na Europa, considerando a centralidade adquirida nessas mobilidades pelos circuitos afetivos, isto é, pelas redes sociais que emergem do intercâmbio de bens, ideias, pessoas e emoções (Cole e Groes 2016; Cole 2016).

10Abordando o tema das formas de articulação entre cuidado, amor e transações monetárias, a etnografia de Paula Togni partilha o espírito crítico desses trabalhos e vai além deles, apresentando contribuições particulares e antecipando formulações teóricas realizadas após a sua finalização. Integrando os contextos emissores e de receção da migração transnacional num único marco, a autora questiona uma série de pares de oposições frequentemente presentes nos estudos sobre migração, família-indivíduo, centro-periferia, liberdade-responsabilidade e, sobretudo, jovem-adulto. Levando a sério as perceções e experiências dos seus interlocutores, que podiam ser “jovens e adultos ao mesmo tempo”, um dos principais méritos deste estudo é a problematização da categoria “juventude”. A forma como o faz decorre das suas raras qualidades como etnógrafa. A sua sensibilidade e disponibilidade para compreender os outros foi o que fez com que os jovens brasileiros a residir no Cacém a deixassem entrar nas suas vidas. A Paula viveu com eles, riu com eles, chorou com eles e, nesse processo, eles e as suas famílias entraram também nela e na sua vida. Esta partilha e cumplicidade que estabeleceu com os seus interlocutores, muito visíveis no texto que agora se publica, foram centrais para a densidade empírica da sua pesquisa e sobre a qual a Paula soube construir uma reflexão analítica original, crítica e inovadora, que discute com a bibliografia publicada sobre os temas em discussão e vai para lá das propostas iniciais desses mesmos autores.

11Outro aspeto inovador do trabalho é a sua refinada análise sobre gé­nero, na sua articulação com outras categorias de diferenciação, como idade, nacionalidade, sexualidade, “raça” e etnicidade no âmbito da circulação entre esses contextos. A contribuição da etnografia reside no cuidadoso trabalho realizado, que esmiúça as relações entre os códigos de género e moralidade que imperam em Mantena e no Cacém. A partir da análise dessas relações, um dos pontos importantes da pesquisa é a demonstração de que a disseminada sexualização das mulheres brasileiras, vinculando-as muitas vezes à prostituição, presente nos media e no imaginário social em Portugal, foi parcialmente incorporada por essas jovens migrantes já no contexto migratório, distantes do controlo das redes familiares e de amizade em relação à possibilidade de “fazerem a coisa errada”. Aqui, mais uma vez, encontramos as qualidades da excelente etnógrafa que a Paula era. Na contradição entre o peso social e emocional dos discursos sobre “fazer a coisa errada” e o contentamento das famílias que recebem as remessas financeiras, Paula evidencia as aparentes incongruências que constituem as vidas vividas e a forma como – para fazer face ao quotidiano – muitas vezes os sujeitos recorrem a práticas que recusam moralmente e que, nesse processo, novos sentidos e significados são constituídos.

12Vale a pena salientar também a delicada análise das masculinidades dos interlocutores, considerando aspetos de estética e performance, classe e raça em Mantena e no Cacém. Nesse contraponto, a autora mostra como os estilos de masculinidade dos “brasileiros produzidos por Portugal” remetem para uma aprendizagem mediada pela relevância concedida à sexualidade, e a sua articulação com o mercado local do sexo, e para os estereótipos vinculados à criminalidade e à racialização diferenciada de brasileiros e africanos no Cacém.

13Finalmente, a etnografia de Paula Togni antecipa a ideia da centralidade adquirida pelos circuitos afetivos na conformação das migrações, mostrando a importância das economias sexuais para os jovens com os quais trabalhou. Referimonos às economias sexuais aludindo às íntimas vinculações entre intercâmbios económicos, sexo, afeto e poder, particularmente em momentos/contextos nos quais a sexualidade se torna um recurso relevante para obter capital económico e social (Cole 2009, 2014). Estas fazem parte das economias quotidianas, no sentido que lhes é atribuído por Narotsky e Besnier (2014), na subsistência no dia a dia, no que as pessoas fazem para viver melhor, para se ajudarem entre gerações e para distribuírem e redistribuírem recursos. O estudo de Paula Togni mostra como as trocas sexuais, afetivas e económicas, muitas vezes afastadas da prostituição – “chular viados/sair com velhos portugueses cheios da guita” –, constituem parte das economias quotidianas desses migrantes. Referimonos à forma como eles acionam a sexualidade para sobreviver e aos aspetos morais que permeiam essas trocas, que não podem ser separados de um circuito amplo de obrigações e transferências de bens, serviços e cuidados, entre o Cacém e Mantena. A importância afetiva e económica dessas redes de trocas e cuidados translocais constitui uma base de legitimação moral do “fazer a coisa errada”, permitindo-nos passar a análise da sexualidade para um nível analítico mais abrangente que a insere na complexidade de dinâmicas, contextos e sistemas morais em que os jovens adultos de que nos fala o texto entretecem as suas vidas e se constituem como pessoas.

14Fica aqui uma homenagem à autora, que nos deixou prematuramente, alguns anos antes da publicação deste estudo exemplar. É sobretudo o reconhecimento do caráter inovador que esta obra apresenta e a sua contribuição para os estudos antropológicos sobre género, interseccionalidades, sexualidade, migrações, juventude, classe e cuidado.

15Beijinho no ombro.

Bibliographie

CHO, Grace, 2008, Haunting the Korean Diaspora. Shame, Secrecy, and the Forgotten War. Minneapolis, University of Minnesota Press.

CLIFFORD, James, 1997, Routes. Travel and Translation in the Late Twentieth Century. Cambridge, MA, Harvard University Press.

COLE, Jennifer, e Lynn THOMAS, 2009, Love in Africa. Chicago, The University of Chicago Press.

COLE, Jennifer, 2014, “Producing Value among Malagasy Marriage Migrants in France Managing Horizons of Expectation”, Current Anthropology, 55 (9).

COLE, Jennifer, 2016, “Giving Life. Regulating Affective Circuits among Malagasy Marriage Migrants in France”, em Jennifer Cole e Christian Groes, Affective Circuits. African Migrations to Europe and the Pursuit of Social Regeneration. Chicago. The University of Chicago Press: 197-222.

COLE, Jennifer, e Christian GROES, 2016, Affective Circuits. African Migrations to Europe and the Pursuit of Social Regeneration. Chicago, The University of Chicago Press.

MAHLER, Sarah J., e Patricia R. PESSAR, 2001, “Gendered Geographies of Power: Analyzing Gender Across Transnational Spaces”, Global Studies in Culture and Power, 7 (4): 441-459.

NAROTZKY, Susana, e Niko BESNIER, 2014, “Crisis, Value, and Hope: Rethinking the Economy: An Introduction to Supplement”, Current Anthropology, 55 (9).

© Etnográfica Press, 2022

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search