Version classiqueVersion mobile

Findas Linhas: Circulações e Confinamentos pelos Subterrâneos de São Paulo

 | 
Fábio Mallart

Bibliografia

Texte intégral

ADLER, Michael, e LONGHURST, Brian, 1994, Discourse, Power and Justice: Towards a New Sociology of Imprisonment. Londres: Routledge.

AGAMBEN, Giorgio, 1998, Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua. Lisboa: Editorial Presença.

AGAMBEN, Giorgio, 2008, O que Resta de Auschwitz: O Arquivo e a Testemunha (Homo Sacer III). São Paulo: Boitempo.

ALBERT, Bruce, 2014, “Situação etnográfica e movimentos étnicos: notas sobre o trabalho de campo pós-malinowskiano”, Campos, 15 (1): 129-144.

AMARANTE, Paulo, 1995, “Novos sujeitos, novos direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica”, Cadernos de Saúde Pública, 11 (3): 491-494.

AMÉRY, Jean, 2013, Além do Crime e Castigo: Tentativas de Superação. Rio de Janeiro: Contraponto Editora.

ANGOTTI, Bruna, 2017, “O encarceramento feminino como ampliação da violação de direitos”, em Fábio Mallart e Rafael Godoi (orgs.), BR 111: A Rota das Prisões Brasileiras. São Paulo: Veneta/ Le Monde Diplomatique Brasil, 87-97.

ANTELME, Robert, 2013, A Espécie Humana. Rio de Janeiro: Record.

ANTUNES, Sara, 2017, “Para habitar entre grades: táticas de sobre[vida] na prisão”, Aracê, 4 (5): 116-135.

ARAÚJO, Fábio, 2014, Das Técnicas” de Fazer Desaparecer Corpos: Desaparecimentos, Violência, Sofrimento e Política. Rio de Janeiro: Lamparina/Faperj.

ARAÚJO, Fábio, 2019, “Fazer sumir: o desaparecimento como tecnologia de poder”, Le Monde Diplomatique Brasil, 12 (141): 20-21.

ARBEX, Daniela, 2013, Holocausto Brasileiro. São Paulo: Geração Editorial.

BACHELARD, Gaston, 1990, L’Air et les Songes: Essai sur l’Imagination du Mouvement. Paris: Librairie José Corti.

BARBOSA, Antonio R., 2005, Prender e dar Fuga: Biopolítica, Tráfico de Drogas e Sistema Penitenciário no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, tese de doutorado em Antropologia Social.

BARRETO, Lima, 2010, Diário do Hospício e o Cemitério dos Vivos. São Paulo: Cosac Naify.

BARRETO, Lima, 2011, Triste Fim de Policarpo Quaresma. São Paulo: Penguin & Companhia das Letras.

BARROS, Andrea Saraiva de, 2018, Trajetória de Criação da Ala Especial de Medidas de Segurança na Penitenciária III de Franco da Rocha: O Circuito da Periculosidade. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, dissertação de mestrado em Psicologia Social.

BAUMAN, Zygmunt, 1999, Globalização: As Consequências Humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BÉRARD, Jean; e CHANTRAINE, Gilles, 2008, “La carcéralisation du soin psychiatrique”, Vacarme, 42: 91-94.

BIEHL, João, 2008, “Antropologia do devir: psicofármacos – abandono social – desejo”, Revista de Antropologia, 51: 413-449.

BIONDI, Karina, 2009, “Um debate sobre o PCC: entrevista com Camila Nunes Dias, Gabriel de Santis Feltran, Adalton Marques e Karina Biondi”, R@u, 1 (2): 154-175 .

BIONDI, Karina, 2010, Junto e Misturado: Uma Etnografia do PCC. São Paulo: Terceiro Nome.

BIONDI, Karina, 2011, “Consumo de drogas na política do PCC”, Coletivo Desentorpecendo A Razão. Disponível em http://coletivodar.org/cartas-na-mesa-consumo-de-drogas-na-politica-do-pcc/ (última consulta em agosto de 2018).

BIONDI, Karina, 2018, Proibido Roubar na Quebrada: Território, Hierarquia e Lei no PCC. São Paulo: Terceiro Nome.

BIONDI, Karina; e MARQUES, Adalton, 2010, “Memória e historicidade em dois ‘comandos’ prisionais”, Lua Nova, 79: 39-70.

BOITEUX, Luciana, 2010, “Drogas y prisión: la represión contra las drogas y el aumento de la población penitenciaria en Brasil”, em Pien Metaal e Coletta Youngers (orgs.), Sistemas Sobrecargados: Leyes de Drogas y Cárceles en América Latina. Amsterdam, Washington: TNI/ WOLA, 30-39.

BOITEUX, Luciana, 2015, “Brasil: reflexões críticas sobre uma política de drogas repressiva”, Revista SUR, 12 (21): 1-6.

BOLAÑO, Roberto, 2006, Os Detetives Selvagens. São Paulo: Companhia das Letras.

BONY, Lucie, 2015, La prison, une cité avec des barreaux? Continuum socio-spatial par-delà les murs, Annales de Géographie, 702-703: 275-299.

BOUAGGA, Yasmine, 2010, Qui sont les ‘pires des pires’? Des usages des classifications en Supermax aux États-Unis, Déviance et Société, 34 (2): 201-216.

BRASIL, 2001, Guia Prático do Programa Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL, 2011, Levantamento Nacional do Atendimento Socioeducativo ao Adolescente em Conflito com a Lei. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos/Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente.

BRASIL, 2015a, A Implementação da Política de Monitoração Eletrônica de Pessoas no Brasil. Brasília: DEPEN.

BRASIL, 2015b, Censo SUAS 2014: Análise dos Componentes Sistêmicos da Política Nacional de Assistência Social. Brasília: MDS/ Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação/Secretaria Nacional de Assistência Social.

BRASIL, 2015c, Saúde Mental em Dados – 12. Brasília: Ministério da Saúde. Informativo eletrônico. Disponível em www.saude.gov.br/bvs/saudemental (última consulta em maio de 2019).

BRASIL, 2016, Censo SUAS 2016: Análise dos Componentes Sistêmicos da Política Nacional de Assistência Social. Brasília: MDS/ Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação/Secretaria Nacional de Assistência Social.

BRASIL, 2018a, Levantamento Anual SINASE 2016. Brasília: Ministério dos Direitos Humanos.

BRASIL, 2018b, Relatório Anual (2017). Brasília: Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura.

BUTLER, Judith, 2018, Corpos em Aliança e a Política das Ruas: Notas para uma Teoria Performativa de Assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CALIPPO, Flávio R.; RAMBELLI, Gilson; e CAMARGO, Paulo F. B., 2013, “Por uma arqueologia subaquática que vai além dos naufrágios: o caso do arquipélago de São Pedro e São Paulo”, Ciência e Cultura, 65 (2): 33-36.

CAMPELLO, Ricardo, 2017, “Dispositivos de monitoramento e a máquina penal: separar a boa circulação da má”, Contemporânea, 7 (1): 211-222.

CAMPOS, Gastão W. S., 2007, “O SUS entre a tradição dos sistemas nacionais e o modo liberal-privado para organizar o cuidado à saúde”, Ciência e Saúde Coletiva, 12 (supl.): 1865-1874.

CAMPOS, Marcelo S., 2017, “A atual política de drogas no Brasil: um copo cheio de prisão”, em Fábio Mallart e Rafael Godoi (orgs.), BR 111: A Rota das Prisões Brasileiras. São Paulo: Veneta/ Le Monde Diplomatique Brasil, 139-147.

CANCIAN, Natália, 2015, “Governo quer protocolo para conter uso de ritalina por crianças”, Folha de São Paulo, São Paulo. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/10/1696475-governo-quer-protocolo-para-conter-uso-de-ritalina-por-criancas.shtml (última consulta em novembro de 2016).

CARRARA, Sérgio, 1998, Crime e Loucura: O Aparecimento do Manicômio Judiciário na Passagem do Século. Rio de Janeiro: Edições UERJ; São Paulo: Edições USP.

CEFAÏ, Daniel, 2010, “Provações corporais: uma etnografia fenomenológica entre moradores de rua de Paris”, Lua Nova, 79: 71-110.

CHALÁMOV, Varlam, 2016, Contos de Kolimá. São Paulo: Editora 34.

CHANTRAINE, Gilles, 2006, La prison post-disciplinaire, Déviance et Société, 30 (3): 273-288.

CLEMMER, Donald, 1958, The Prison Community. Nova York: Holt, Rinehart and Winston.

COLLIER, Stephen J, 2011, “Topologias de poder: a análise de Foucault sobre o governo político para além da ‘governamentalidade’, Revista Brasileira de Ciência Política, 5: 245-284.

COMBESSIE, Philippe, 2002, La ville et la prison une troublante cohabitation, Revue Projet, 269: 70-76.

COMBESSIE, Philippe, 2009, Flux migratoires, villes, prisons: analyse sociologique d'une forme de canalisation des circulations humaines, em Martine Herzog-Evans (org.), La Prison dans la Ville. Toulouse: ERES, 15-44.

COMFORT, Megan, 2007, “‘Partilhamos tudo o que podemos’: a dualização do corpo recluso nos romances através das grades”, Análise Social, XLII (185): 1055-1079.

CÔRTES, Mariana P, 2012, Diabo e Fluoxetina: Formas de Gestão da Diferença. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, tese de doutorado em Ciências Sociais.

CUNHA, Manuela Ivone, 2002, Entre o Bairro e a Prisão: Tráfico e Trajectos. Lisboa: Fim de Século.

CUNHA, Manuela Ivone, 2014, “Etnografias da prisão: novas direções”, Configurações, 13: 47-68.

CUNHA, Manuela Ivone, 2015, “Da relação prisão-sociedade: atualização de um balanço”, em Manuela Ivone Cunha (org.), Do Crime e do Castigo: Temas e Debates Contemporâneos. Lisboa: Editora Mundos Sociais, 181-200.

DARWIN, Charles, 2009, A Origem das Espécies. Leça da Palmeira: Planeta Vivo.

DAS, Veena, 2007, Life and Words: Violence and the Descent into the Ordinary. Berkeley: University of California Press.

DAS, Veena; e POOLE, Deborah (orgs.), 2008, “El estado y sus márgenes: etnografías comparadas”, Cuadernos de Antropología Social, 27: 19-52.

DAVIS, Angela, 2018, A Liberdade é Uma Luta Constante. São Paulo: Boitempo.

DELEUZE, Gilles; e GUATTARI, Félix, 1992, O que é a Filosofia? São Paulo: Editora 34.

DELEUZE, Gilles; e GUATTARI, Félix, 2011, Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia 2, 1. São Paulo: Editora 34.

DELEUZE, Gilles; e GUATTARI, Félix, 2012a, Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia 2, 3. São Paulo: Editora 34.

DELEUZE, Gilles; e GUATTARI, Félix, 2012b, Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia 2, 5. São Paulo: Editora 34.

DELEUZE, Gilles; e PARNET, Claire, 2004, Diálogos. Lisboa: Relógio D’Água.

DIAS, Camila C. N., 2011, Da Pulverização ao Monopólio da Violência: Expansão e Consolidação do Primeiro Comando da Capital (PCC) no Sistema Carcerário Paulista. São Paulo: Universidade de São Paulo, tese de doutorado em Sociologia.

DONZELOT, Jacques, 1980, A Polícia das Famílias. Rio de Janeiro: Graal.

DUNKER, Christian, 2014, “Subjetivações e gestão dos riscos na atualidade: reflexões a partir do DSM-5”, EPOS, 5 (1): 181-190.

EHRENBERG, Alain, 1998, La Fatigue d’Etre Soi: Dépression et Société. Paris: Editions Odile Jacob.

ESPOSITO, Roberto, 2010, Bios: Biopolítica e Filosofia. Lisboa: Edições 70.

FASSIN, Didier, 2009, Une science sociale critique peut-elle être utile? Tracés, 9: 199-211.

FASSIN, Didier, 2015, “L’asile et la prison”, Esprit, 3: 82-95.

FAVRET-SAADA, Jeanne, 2005, “Ser afetado”, Cadernos de Campo, 13: 155-161.

FELDMAN, Allen, 1991, Formations of Violence: The Narrative of the Body and Political Terror in Northern Ireland. Chicago: The University of Chicago Press.

FELTRAN, Gabriel S., 2011, Fronteiras de Tensão: Política e Violência nas Periferias de São Paulo. São Paulo: UNESP/CEM/CEBRAP.

FELTRAN, Gabriel S., 2018, Irmãos: Uma História do PCC. São Paulo: Companhia das Letras.

FERGUSON, James; e GUPTA, Akhil, 2002, “Spatializing states: toward an ethnography of neoliberal governmentality”, American Ethnologist, 29 (4): 981-1002.

FOUCAULT, Michel, 1978, História da Loucura. São Paulo: Perspectiva.

FOUCAULT, Michel, 1987, Vigiar e Punir: História da Violência nas Prisões. Petrópolis: Vozes.

FOUCAULT, Michel, 2006, O Poder Psiquiátrico: Curso no Collège de France (1973-1974). São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel, 2007, Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel, 2008a, Segurança, Território, População: Curso no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel, 2008b, Nascimento da Biopolítica: Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel, 2010a, Os Anormais: Curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: VMF Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel, 2010b, Em Defesa da Sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: VMF Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel, 2013, Eu, Pierre Rivière, que Degolei Minha Mãe, Minha Irmã e Meu Irmão. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel, 2015, Ditos e Escritos, Volume IV: Estratégia, Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michel, 2017, História da Sexualidade 1: A Vontade de Saber. São Paulo: Paz & Terra.

FROMM, Deborah, 2017, “Percursos e refúgios urbanos”, Ponto Urbe, 21. Disponível em http://journals.openedition.org/pontourbe/3604 (última consulta em maio de 2019).

FRÚGOLI JR., Heitor; e SPAGGIARI, Enrico, 2010, “Da cracolândia aos nóias: percursos etnográficos no bairro da Luz”, Ponto Urbe, 6. Disponível em http://pontourbe.revues.org/1870 (última consulta em setembro 2016).

FURTADO, Juarez P.; e CAMPOS, Rosana O., 2005, “A transposição das políticas de saúde mental no Brasil para a prática nos novos serviços”, Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, VIII (1): 109-122.

GARLAND, David W. (org.), 2001, Mass Imprisonment: Social Causes and Consequences. Londres: SAGE.

GARLAND, David W., 2008, A Cultura do Controle: Crime e Ordem Social na Sociedade Contemporânea. Rio de Janeiro: Revan.

GODOI, Rafael, 2017, Fluxos em Cadeia: As Prisões em São Paulo na Virada dos Tempos. São Paulo: Boitempo.

GODOI, Rafael; CAMPOS, Marcelo; MALLART, Fábio; e CAMPELLO, Ricardo, 2020, “Epistemopolíticas do dispositivo carcerário paulista: refletindo sobre experiências de pesquisa-intervenção junto à Pastoral Carcerária”, Revista de Estudos Empíricos em Direito, 7 (1): 143-158.

GOFFMAN, Erving, 1974, Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva.

GOMES, Sílvia, 2011, Criminalidade, Etnicidade e Desigualdades: O Crime nos Reclusos dos PALOP, Leste Europeu e de Etnia Cigana e as Percepções dos Guardas Prisionais e dos Elementos da Direcção Acerca Deles. Braga: Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.

GRILLO, Carolina, e GODOI, Rafael, 2019, “Simulacros: a hiper-realidade do extermínio”, Le Monde Diplomatique Brasil, 12 (142): 20-21.

HAMANN, Trent H., 2012, “Neoliberalismo, governamentalidade e ética”, Ecopolítica, 3: 99-133.

HARAWAY, Donna, 1995, “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”, Cadernos Pagu, 5: 7-41.

HIRATA, Daniel V., 2010, Sobreviver na Adversidade: Entre o Mercado e a Vida. São Paulo: Universidade de São Paulo, tese de doutorado em Sociologia.

INFOPEN, 2017, Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional.

INFOPEN, 2019, Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, Departamento Penitenciário Nacional.

INGOLD, Tim, 2015, Estar Vivo: Ensaios Sobre Movimento, Conhecimento e Descrição. Petrópolis: Vozes.

INTERNATIONAL HUMAN RIGHTS CLINIC; JUSTIÇA GLOBAL, 2011, São Paulo sob Achaque: Corrupção, Crime Organizado e Violência Institucional em Maio de 2006. São Paulo: Human Rights Program at Harvard School/Justiça Global Brasil.

JESUS, Maria G. M., 2016, O que Está no Mundo não Está nos Autos: A Construção da Verdade Jurídica nos Processos Criminais de Tráfico de Drogas. São Paulo: Universidade de São Paulo, tese de doutorado em Sociologia.

KAFKA, Franz, 1998a, Um Artista da Fome e a Construção. São Paulo: Companhia das Letras.

KAFKA, Franz, 1998b, O Veredicto e na Colônia Penal. São Paulo: Companhia das Letras.

KAFKA, Franz, 2005, O Processo. São Paulo: Companhia das Letras.

KRAMER, Peter, 1994, Ouvindo o Prozac: Uma Abordagem Profunda e Esclarecedora sobre a “Pílula da Felicidade”. Rio de Janeiro: Record.

LEVI, Primo, 1988, É Isto um Homem? Rio de Janeiro: Rocco.

LEVI, Primo, 2010, A Trégua. São Paulo: Companhia das Letras.

LEVI, Primo, 2016, Os Afogados e os Sobreviventes. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz & Terra.

LOREY, Isabell, 2016, Estado de Inseguridad: Gobernar la Precariedad. Madrid: Traficantes de Sueños.

MAGALHÃES JR., José C.; e HIRATA, Daniel V, 2017, “Governar pela crítica: o reformismo carcerário em vigiar e punir”. Dilemas, edição especial 2: 67-83.

MAGALHÃES, Taís, 2015, Campos de Disputa e Gestão do Espaço Urbano: O Caso da Cracolândia Paulistana. São Paulo: Universidade de São Paulo, dissertação de mestrado em Sociologia.

MALLART, Fábio, 2011, “Salve geral: áreas urbanas, instituições prisionais e unidades de internação da Fundação CASA em comunicação”, R@u, 3 (1): 293-314.

MALLART, Fábio, 2014, Cadeias Dominadas: A Fundação CASA, suas Dinâmicas e as Trajetórias de Jovens Internos. São Paulo: Terceiro Nome.

MALLART, Fábio, 2017, “Gestão neuroquímica: pílulas e injetáveis na prisão”, em Fábio Mallart e Rafael Godoi (orgs.), BR 111: A Rota das Prisões Brasileiras. São Paulo: Veneta/Le Monde Diplomatique Brasil, 127-137.

MALLART, Fábio; e GODOI, Rafael, 2017, “Vidas matáveis”, em Fábio Mallart e Rafael Godoi (orgs.), BR 111: A Rota das Prisões Brasileiras. São Paulo: Veneta/Le Monde Diplomatique Brasil, 21-33.

MALLART, Fábio; MATTAR, Marina M.; RUI, Taniele; e TELLES, Vera S., 2017, “Fazer sumir: políticas de combate à cracolândia”, Le Monde Diplomatique Brasil, 10 (120): 30-31.

MALLART, Fábio; e RUI, Taniele, 2016, “Por uma etnografia das transversalidades urbanas: entre o mundão e os dispositivos de controle”, em Juliana Melo, Daniel Simão e Stephen Baines, Ensaios Sobre Justiça, Reconhecimento e Criminalidade. Natal: EDUFRN, 433-456.

MALLART, Fábio; e RUI, Taniele, 2017, “Cadeia ping-pong: entre o dentro e o fora das muralhas”, Ponto Urbe, 21. Disponível em http://journals.openedition.org/pontourbe/3620 (última consulta em maio de 2019).

MALVASI, Paulo, 2012, Interfaces da Vida Loka: Um Estudo Sobre Jovens, Tráfico de Drogas e Violência em São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo, tese de doutorado em Saúde Pública.

MALVASI, Paulo; SALLA, Fernando; MALLART, Fábio; e MELO, Rrodrigo, 2018, “Saberes da encruzilhada, pesquisa, militância e política no sistema socioeducativo”, Etnográfica, 22 (1): 75-96.

MALVENTI, Dario, 2009, Curar y Reinsertar: Líneas de Fuga de la Máquina Penal Contemporánea. Barcelona: Universidad de Barcelona, tese de doutorado em Antropologia.

MALVENTI, D; e GARREAUD, Álvaro, 2008, Curar y Reinsertar, en la Sociedad Terapéutica. Bellaterra, Barcelona: Espai en Blanc.

MANSO, Bruno P.; e DIAS, Camila N., 2018, A Guerra: A Ascensão do PCC e o Mundo do Crime no Brasil. São Paulo: Todavia.

MANTOVANI, Célia; MIGON, Marcelo N.; ALHEIRA, Flávio V.; e DEL-BEN, Cristina M., 2010, “Manejo de paciente agitado ou agressivo”, Revista Brasileira de Psiquiatria, 32 (II): 96-103.

MARCUS, George, 1995, “Ethnography in/of world system: the emergence of multi-sited ethnography”, Anual Review of Anthropology, 24: 95-117.

MARQUART, James W., 1986, “Doing research in prison: the strengths and weaknesses of full participation as a guard”, Justice Quarterly, 3 (1): 15-32.

MARQUES, Adalton, 2009, Crime, Proceder, Convívio-Seguro: Um Experimento Antropológico a Partir de Relações entre Ladrões. São Paulo: Universidade de São Paulo, dissertação de mestrado em Antropologia Social.

MARQUES, Adalton, 2018, “Sobre o exército prisional de descarte: notas para a desativação da governança democrático-humanista da segurança pública”, em Pastoral Carcerária, Tortura em Tempos de Encarceramento em Massa II. São Paulo: Pastoral Carcerária Nacional/CNBB, 103-120.

MARTINEZ, Mariana M., 2016, Redes do Cuidado: Etnografia de Aparatos de Gestão Intersetorial para Usuários de Drogas. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, tese de doutorado em Antropologia Social.

MASSARO, Camilla M., 2014, Trabalho em Tempos de Crise: A Superexploração do Trabalho Penal nos Centros de Ressocialização Femininos do Estado de São Paulo. Araraquara: Universidade Estadual Paulista, tese de doutorado em Ciências Sociais.

MATSUDA, Fernanda E., 2009, A Medida da Maldade: Periculosidade e Controle Social no Brasil. São Paulo: Universidade de São Paulo, dissertação de mestrado em Sociologia.

MBEMBE, Achille, 2018, Necropolítica. São Paulo: n-1 edições.

MOREL, Bénédict A., 1857, Traité des dégénérescences physiques, intelectuelles et morales de l'espèce humaine et les causes qui produisent ces variétés maladives. Paris: Baillière.

MORELLE, Marie, 2013, La prison centrale de Yaoundé: l'espace au coeur d'un dispositif de pouvoir, Annales de Géographie, 691: 332-356.

MORELLE, Marie, 2015, La prison, la police et le quartier. Gouvernement urbain et illégalismes populaires à Yaoundé, Annales de Géographie, 702-703: 300-322.

NASSER, Marina M. S., 2017, “Cracolândia como campo de gravitação”, Ponto Urbe, 21. Disponível em http://journals.openedition.org/pontourbe/3530 (última consulta em maio de 2019).

NASSER, Marina M. S, 2018, “Entre a ameaça e a proteção: categorias, práticas e efeitos de uma política de inclusão na Cracolândia de São Paulo”, Horizontes Antropológicos, 24 (50): 243-270.

NEVES, Claudia; e MASSARO, Altair., 2009, “Biopolítica, produção de saúde e outro humanismo”, Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 13 (1): 503-514.

OLIC, Mauricio B., 2017, “Arrastão ou lagarteado? Dinâmicas em torno da prática docente na Fundação CASA”, Educação e Pesquisa, 43 (2): 357-377.

OLIVEIRA, Francisco, 2004, “Por quê política?”, Fórum da Sociedade Civil na Unctad. São Paulo, 14-16 de junho de 2004. Disponível em https://ibase.br/userimages/francisco_de_oliveira_port.pdf (última consulta em maio de 2019).

PADOVANI, Natália C., 2015, Sobre Casos e Casamentos: Afetos e Amores Através de Penitenciárias Femininas em São Paulo e Barcelona. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, tese de doutorado em Antropologia.

PASSETTI, Edson, 2007, “Crianças carentes e políticas públicas”, em Mary Del Priori (org.), História das Crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 347-375.

PASTORAL CARCERÁRIA, 2010, Relatório Sobre Tortura: Uma Experiência de Monitoramento dos Locais de Detenção para Prevenção da Tortura. São Paulo: Serviço da CNBB.

PASTORAL CARCERÁRIA, 2016, Tortura em Tempos de Encarceramento em Massa. São Paulo: Coordenação Nacional da Pastoral Carcerária.

PASTORAL CARCERÁRIA, 2018a, Hospitais-Prisão: Notas Sobre os Manicômios Judiciários de São Paulo. São Paulo: Pastoral Carcerária da Arquidiocese de São Paulo.

PASTORAL CARCERÁRIA, 2018b, Assistência Religiosa no Cárcere: Relatório Sobre Restrições ao Trabalho da Pastoral Carcerária. São Paulo: Coordenação Nacional da Pastoral Carcerária.

PELBART, Peter P., 2013, “Foucault versus Agamben?”, Ecopolítica, 5: 50-64.

PERLONGHER, Néstor, 2008, O Negócio do Michê: A Prostituição Viril em São Paulo. São Paulo: Perseu Abramo.

PIERUCCI, Antônio F.; e PRANDI, Reginaldo, 1998, “Introdução: as religiões no Brasil contemporâneo”, em Reginaldo Prandi, Um Sopro do Espírito: A Renovação Conservadora do Catolicismo Carismático. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 13-26.

PRANDI, Reginaldo; e SOUZA, André R., 1996, “A carismática despolitização da Igreja Católica”, em Antônio F. Pierucci e Reginaldo Prandi, A Realidade Social das Religiões no Brasil. São Paulo: Hucitec, 59-91.

PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA, 2000, Revista de Saúde Pública, 34 (3): 316-319. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102000000300018&lng=en&nrm=iso (última consulta em maio de 2019).

QUADROS, Leonice F., 2018, “‘Dois tomates e dez ovos quebrados’: a visita domiciliar no Serviço Social”, Cadernos da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, 3 (3): 82-104.

RENGEL, Carmen, 2014, “A história desenterra Treblinka”, El País Brasil. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2014/04/01/cultura/1396374161_002628.html (última consulta em maio de 2019).

RICORDEAU, Gwénola, 2007, Les Relations Familiales a l’Epreuve de l’Incarceration: Solidarités et Sentiments à l’Ombre des Murs. Paris: Université Paris IV, Sorbonne, tese de doutorado em Sociologia.

ROSEIRA, Ana, 2017, A Porta da Prisão: Uma História dos Meios de Segurança e Coerção Penal na Perspectiva dos Guardas Prisionais Portugueses (1974-2014). Coimbra: Universidade de Coimbra, tese de doutorado em História Contemporânea.

RUI, Taniele, 2012, “Vigiar e cuidar: notas sobre a atuação estatal na ‘cracolândia’”, Revista Brasileira de Segurança Pública, 6 (2): 336-351.

RUI, Taniele, 2013, “Depois da ‘Operação Sufoco’: sobre espetáculo policial, cobertura midiática e direitos na ‘cracolândia’ paulistana”, Contemporânea, 3 (2): 287-310.

RUI, Taniele, 2014, Nas Tramas do Crack: Etnografia da Abjeção. São Paulo: Terceiro Nome.

RUI, Taniele; FIORE, Mauricio; e TÓFOLI, Luís F., 2016, Pesquisa Preliminar de Avaliação do Programa “De Braços Abertos”. São Paulo: Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD)/Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM).

RUI, Taniele; e MALLART, Fábio, 2015, “A cracolândia, um potente conector urbano”, Le Monde Diplomatique Brasil, 9 (99): 30-31.

RUSCHE, Georg; e KIRCHHEIMER, Otto, 2004, Punição e Estrutura Social. Rio de Janeiro: Revan.

SAFATLE, Vladimir, 2013, “A produção da doença”, Folha de São. Paulo. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/colunas/vladimirsafatle/2013/05/1278102-a-producao-da-doenca.shtml (última consulta em outubro de 2013).

SALLA, Fernando, 2007, “De Montoro a Lembo: as políticas penitenciárias em São Paulo”, Revista Brasileira de Segurança Pública, 1 (1): 72-90.

SALLA, Fernando; e DIAS, Camila N., 2011, “Controle disciplinar e relações de poder nas prisões em São Paulo”, apresentado no XXXV Encontro Anual da ANPOCS, 24-28 de outubro de 2011. Disponível em http://www.anpocs.org.br/portal/index.php?option=com_wrapper&Itemid=94 (última consulta em dezembro de 2020)

SCHRITZMEYER, Ana L. P., 2012, Jogo, Ritual e Teatro: Um Estudo Antropológico do Tribunal de Júri. São Paulo: Terceiro Nome.

SHARMA, Aradhana; e GUPTA, Akhil (orgs.), 2006, The Anthropology of the State: A Reader. Oxford: Blackwell.

SOLJENÍTSIN, Alexander, 2017, O Arquipélago Gulag. Porto: Sextante Editora.

SOUZA, André R., 2007, “Igreja católica e mercados: a ambivalência entre a solidariedade e a competição”, Religião e Sociedade, 27 (1): 156-174.

TEIXEIRA, Alessandra, 2006, Do Sujeito de Direito ao Estado de Exceção: O Percurso Contemporâneo do Sistema Penitenciário Brasileiro. São Paulo: Universidade de São Paulo, dissertação de mestrado em Sociologia.

TELLES, Vera S., 2010, A Cidade nas Fronteiras do Legal e Ilegal. Belo Horizonte: Argvmentvm.

TELLES, Vera S., 2017, “Em torno da cracolândia paulista: apresentação”, Ponto Urbe, 21. Disponível em http://journals.openedition.org/pontourbe/3602 (última consulta em maio de 2019).

TELLES, Vera S., 2019, “A violência como forma de governo”, Le Monde Diplomatique Brasil, 12 (139): 20-21.

TOURAUT, Caroline, 2009, “Entre détenu figé et proches en mouvement: ‘L'expérience carcérale élargie’: Une Epreuve de Mobilité, Recherches Familiales, 6: 81-88.

VALÉRY, Paul, 1960, “L’idée fixe, em Oeuvres Complètes Tome II. Paris: La Pléiade.

VIANNA, Adriana, 2014, “Etnografando documentos: uma antropóloga em meio a processos judiciais”, em Sérgio R. R. Castilho, Antonio C. S. Lima e Carla C. Teixeira (orgs.), Antropologia das Práticas de Poder: Reflexões Etnográficas entre Burocratas, Elites e Corporações. Rio de Janeiro: Contra Capa/FAPERJ, 43-70.

VIANNA, Adriana, 2019, “Políticas da morte e seus fantasmas”, Le Monde Diplomatique Brasil, 12 (140): 20-21.

VICENTIN, Marina C. G.; GRAMKOW, Gabriela; e ROSA, Miriam D., 2010, “A patologização do jovem autor de ato infracional e a emergência de novos manicômios judiciários”, Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 20: 61-69.

VIRILIO, Paul, 1996, Velocidade e Política. São Paulo: Estação Liberdade.

WACQUANT, Loïc, 2001, As Prisões da Miséria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

WACQUANT, Loïc, 2007a, Punir os Pobres: Nova Gestão da Miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Revan.

WACQUANT, Loïc, 2007b, “Os excluídos da sociedade de consumo: toxicodependentes, psicopatas e sem-abrigo nas prisões americanas”, Análise Social, XLII (185): 987-1003.

WALTORP, Karen; e JENSEN, Steffen, 2019, “Awkward entanglements: kinship, morality and survival in Cape Town’s prison – township circuit”, Ethnos, 84 (1): 41-55. Disponível em https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00141844.2017.1321565?scroll=top&needAccess=true (última consulta em abril de 2019).

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search