Version classiqueVersion mobile

Findas Linhas: Circulações e Confinamentos pelos Subterrâneos de São Paulo

 | 
Fábio Mallart

Últimas palavras

Texte intégral

1Após tantas e tantas páginas, a tentação de retomar parte do que foi escrito, almejando fornecer ao leitor uma imagem do conjunto, é grande. Pode ser uma oportunidade, a última, para amarrar as pontas soltas, estabelecer um fio condutor ou conferir inteligibilidade ao que restou nebuloso. Por vezes, o arremate emerge como um segundo resumo, remarcando, passo a passo, o trajeto do pensamento, agora delimitado pelos capítulos que ficaram para trás. Se o prefácio é o primeiro ato que dá início à monarquia do autor, a primeira tentativa de limitar a intenção e o sentido do que está por vir (Foucault 1978), de certa maneira, a conclusão – ao recolocar o que foi dito, remarcando as molduras do retrato – não deixa de proceder a um feito da mesma natureza, não mais no sentido do que virá, mas no âmbito do que já foi.

2Em virtude de o texto ter vida própria, constituindo-se como objeto manejável, o qual, após a publicação, pode ser recortado, fragmentado, tomado a partir de um só pedaço como se fosse o todo, de minha parte, mesmo sabendo que é inviável limitar a sua liberdade, gostaria que ele fosse mobilizado como um elemento minúsculo no interior de um tabuleiro. Como tal, este pode ser deslocado, estrategicamente reposicionado, até mesmo descartado, mas sempre posto para se mover em parceria com outras peças e, consequentemente, em confronto direto com outros fragmentos. Em tempos exasperados de encarceramento em massa, de operações letais por parte das polícias (fardadas ou encapuzadas), de rejeitos de minério que sepultam e corroem pessoas, animais, morros e rios, de execuções de ativistas e lideranças ambientais, de violências contra povos indígenas e quilombolas, e de governos que parecem atualizar o que há de mais nefasto em nossa história, o desejo é que esse objeto ínfimo se articule com outras forças, emergindo, simultaneamente, como instrumento e luta. Nessa chave, mais do que os refinamentos e precisões sobre a interioridade do instrumento, algo feito e refeito ao longo do processo de construção, o que importa é que ele sirva de munição. Ora, na medida em que ele veio ao mundo em conexão com outras ações e enfrentamentos de uma época, prolongando as linhas de pensamento delineadas por outros e outras, não faz sentido que subsista sozinho.

3A decisão de não fazer uma conclusão, ao menos não como a retomada de questões em aberto, como um resumo do conjunto ou, o que me parece mais interessante, como abertura de novos problemas a serem trabalhados futuramente – um texto que abre, ao invés daqueles que fecham –, é porque, e principalmente, não há nada por concluir. O ponto final é aquele mesmo, esboçado algumas linhas atrás, onde se cruzam os subterrâneos, os corpos que os habitam e o fazer babar. Se essa é a imagem que deve perdurar, é justamente porque a sua potência reside em inflamar os sentimentos de rejeição e a recusa ao intolerável, intensificando a ânsia pelo combate. Ademais, a insistência em realçar a incômoda fotografia da baba que escorre pela boca deve-se ao simples fato de que, em certa medida, ela é como que o nervo do arquipélago, a cifra mais bem acabada de um processo que arrasta consigo prisões, manicômios, unidades socioeducativas, equipamentos de assistência e de saúde, órgãos do poder judiciário, políticas estatais e criminais, forças policiais, conselhos, mecanismos e entidades de defesa dos direitos humanos, saberes, etc.

4Na medida em que não há nada a acrescentar, o melhor a fazer é seguir se perguntando sobre as palavras indecifráveis ou ditas pela metade. Da mesma forma, acerca dos sujeitos que simplesmente não puderam falar, tais como o homem de cueca na enfermaria improvisada do CDP da Vila Independência, o sujeito sem palavras no castigo do castigo da Penitenciária de Lucélia, entre outros tantos que, nesse exato momento, restam calados. Talvez devamos nos inspirar nos esforços de Primo Levi, a testemunha dos submersos, “o implacável agrimensor da Muselmannland [terra do muçulmano]” (Agamben 2008: 76, grifo do autor).

5Nos primeiros dias de 1945, logo depois da libertação, no campo maior de Auschwitz, momento em que a vida começava a fluir, o autor anota a presença mortal de uma criança de cerca de três anos, cujo nome fora atribuído pelos sobreviventes. “Hurbinek era um nada, um filho da morte, um filho de Auschwitz” (Levi 2010: 19). Paralisado dos rins para baixo, os olhos do garoto, carregados de tormento, denunciavam a urgência de perfurar o mutismo.

“De noite ficávamos de ouvidos bem abertos: era verdade, do canto de Hurbinek vinha de quando em quando um som, uma palavra. Não sempre exatamente a mesma, para dizer a verdade, mas era certamente uma palavra articulada; ou melhor, palavras articuladas ligeiramente diversas, variações experimentais sobre um tema, uma raiz, sobre um nome talvez. Hurbinek continuou, enquanto viveu, as suas experiências obstinadas. Nos dias seguintes, todos nós o ouvíamos em silêncio, ansiosos por entendê-lo, e havia entre nós falantes de todas as línguas da Europa: mas a palavra de Hurbinek permaneceu secreta” (Levi 2010: 20).

6Por mais que a palavra do garoto permaneça oculta, Levi teve a coragem de escutar, meditar e transcrever o balbucio disforme, interrogando-se sobre o não dito e sobre aquilo que não pode ser testemunhado, unindo-se àquele que “combatera como um homem, até o último suspiro, para conquistar a entrada no mundo dos homens” (Levi 2010: 21). Sigamos, portanto, com o som truncado e sombrio, que ainda hoje ressoa: mass-klo, matisklo.

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search