Version classiqueVersion mobile

Findas Linhas: Circulações e Confinamentos pelos Subterrâneos de São Paulo

 | 
Fábio Mallart

Prefácio

Manuela Ivone Cunha

Texte intégral

1“Findas linhas”. O livro de Fábio Mallart, suportado em pesquisa documental e etnográfica conduzida em espaços caracterizados pelo autor através da noção “subterrâneos” de São Paulo, trata de linhas de circulação, confinamento e governo que amarram certas populações a um leque de instituições e territórios da urbe contemporânea: periferias urbanas, instituições de acolhimento para crianças e jovens, prisões, instituições psiquiátricas – entre outros lugares e aparatos estatais. São linhas de vida concretas que nos seus múltiplos trânsitos e biografias ligam a rua e este arquipélago de instituições. E são ressonâncias e transversalidades várias entre tecnologias, práticas, repertórios e experiências que traçam um mapa amplo de relacionamentos recíprocos – entre dispositivos de assistência e controlo, entre cuidado e punição, entre atenção e contenção, num jogo de fronteiras permeáveis e dinâmicas.

2Mas talvez a originalidade fundamental deste livro decorra da maneira como tais linhas são dadas a ver nele, a partir de um ponto extremo e de maneira refratada, através de linhas de circulação ainda mais densas e subterrâneas – findas –, as daqueles e daquelas que situamos nas margens da margem. Não me refiro propriamente à massa da população carcerária, por exemplo, mas aos ditos inassimiláveis, que nem convivem com ela, homens e mulheres que não se adaptam, nem aos que tão-pouco se adaptaram. São aqueles e aquelas que definham “quase vivos, quase mortos”, sem fala, ou com palavras quase indecifráveis, nesses lugares de supressão e excesso que são os espaços suplementares do arquipélago, os mais recônditos, as zonas-limite das instituições.

3O livro dá, pois, a conhecer uma camada que circula quase invisível, no fio da navalha dentro e fora, e fazendo aparecer como zonas de sombra entre a vida e a morte esses tempos e espaços-alçapão com regimes de invisibilidade específicos. É assim através destes internados que, em vez de coisa uniforme e monolítica, cada instituição emerge ela própria fragmentada em vários espaços-tempo intramuros. Além disso, esta diferença de grau, mesmo se não de natureza, em relação ao grosso das populações que circulam entre estes lugares não é irrelevante, porque é a partir dela que emerge a especificidade daquilo que se aproxima de uma política de definhamento face a outras modalidades de gestão desse arquipélago.

4Este livro desempacota e esmiúça assim, ao mesmo tempo, o dentro e fora de tais espaços sem perder de vista as suas múltiplas articulações, o fio que os liga, num duplo olhar: num plano horizontal – o da inter-relação, se quisermos – captando transversalidades entre lógicas e dinâmicas; num plano vertical – o da estratificação interna – escavando as várias camadas intrainstitucionais por onde aquelas vidas também transitam.

5A propósito desses cruzamentos de cruzamentos, Fabio Mallart assume que “a intenção é que o texto, em si mesmo, seja um emaranhado”. A ideia de emaranhado reflete, antes de mais, o que facilmente imaginamos ter sido a dificuldade deste exercício. A tese de doutoramento de que o livro resulta optou, com efeito, por correr riscos. Ao partir em várias direções, em vez de se limitar a uma delas, arriscava-se à dispersão de muitas teses numa só, e com isso a perder o foco, ou a torná-lo menos discernível.

6Porém, o autor não só conseguiu amarrar todas essas linhas, como conseguiu nunca perder o fio condutor desse emaranhado, articulando desdobramentos vários sem cair na sua simples soma, e manejando com sensibilidade e subtileza o imenso conjunto de materiais etnográficos em toda a sua complexidade e riqueza, sem cair na linha de montagem plana e previsível.

7Este é de facto, um trabalho que valoriza a complexidade. Não a que redunda em ilegibilidade ou opacidade – pelo contrário, é luminoso em clareza e em elegância, na composição e na redação. Trata-se sim de uma complexidade de substância, em que a atenção fina a pessoas, processos, objetos, memórias e cheiros permite descrever com a densidade justa linhas de vida e as múltiplas ilhas do arquipélago por onde circulam – ou são postas a circular –, bem como as conexões e ressonâncias entre elas, sem diluir a especificidade de cada uma.

8Tal reflete também um percurso de pesquisa que entrevemos aqui não limitado à pesquisa desenvolvida, em particular, para o livro agora publicado, mas onde transparece um longo processo de sedimentação de experiência, de reflexão e de conhecimento que a precede e que apurou a inteligência manifesta neste trabalho.

9Manuela Ivone Cunha

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search