Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Os Contextos da Antropologia

 | 
João de Pina Cabral

Capítulo I. A antropologia em Portugal hoje

Texte intégral

1Como se encontra a antropologia em Portugal hoje? Quais são os seus antecedentes, qual o seu futuro? Quais as suas limitações e as condições para o seu desenvolvimento? Será esse o primeiro «contexto» que iremos abordar.

2Sobre algo não restam dúvidas: a antropologia em Portugal encontra-se presentemente num período de desenvolvimento sem precedentes. Por um lado, garantiu uma sólida presença nas universidades, tanto a nível de assistentes como de corpo docente pós graduado. Por outro, tem vindo a ser publicado um número considerável de pesquisas que, conjuntamente com os projectos de investigação que estão em curso, parecem prometer a continuidade deste processo num futuro próximo. Este capítulo é um breve apanhado da história, e do estado presente deste empreendimento académico. A tarefa não é fácil. Sobretudo por não ser possível distanciarmo-nos das nossas posições pessoais.

3O primeiro problema com que somos confrontados é o das classificações subdisciplinares. Por exemplo, cada uma das três licenciaturas existentes presentemente em Portugal tem uma diferente designação: Antropologia na Universidade Nova de Lisboa (U.N.L.); Antropologia Cultural no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (I.S.C.S.P.) e Antropologia Social no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (I.S.C.T.E.). A tradição da antropologia física (ou antropobiologia) encontra-se muito sub-representada não existindo nenhuma licenciatura que cubra esta área. Só no Museu e Laboratório Antropológico de Coimbra, onde não é concedido nenhum grau académico, se prossegue a tentativa de integrar a investigação em antropologia física e antropologia social e cultural (cf. Areia, 1986). Desta forma, tudo parece levar a crer que, em geral, a antropologia em Portugal é hoje, predominantemente, uma ciência social. Contudo, sob diferentes classificações (e por vezes sob a mesma designação) podemos encontrar tendências radicalmente divergentes. É, portanto, sem surpresa que verificamos que, paralelamente à pouca comunicação existente entre os vários grupos de professores e investigadores, não tem existido até hoje uma base teórica comum que permita um diálogo científico criativo.

4Este estado das coisas torna-se mais complexo quando procuramos analisar os seus antecedentes históricos. Em 1974 um dos mais importantes colaboradores de Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira, defendia que

«É unicamente a Jorge Dias, [...] que se deve o renascimento dos estudos etnológicos em Portugal, a sua prossecução científica, metodológica e sistemática; e mais tarde a expansão destes estudos e a fundação de instituições nas quais eles pudessem ser desenvolvidos; do professorado da universidade que formou as suas bases, e treinou os primeiros investigadores e dos seus assistentes que deram a consistência e continuidade necessária a estes estudos» (Oliveira; 1974: 14).

5Quinze anos mais tarde, o que é feito deste «renascimento da investigação etnológica»? A resposta é inevitavelmente desencorajadora: por um lado, praticamente nenhum jovem investigador reclama para si a definição disciplinar de «etnólogo»; por outro, os princípios teóricos e metodológicos que caracterizavam os etnólogos não tiveram seguidores. Temos que reconhecer que, à parte um ou dois casos isolados, o trabalho dos «antropólogos» de hoje só muito raramente é uma resposta a um ímpeto intelectual herdado dos «etnólogos» de ontem. Os problemas, conceitos e teorias que abordam, reformulam e questionam — ou seja, o impulso genético que guia as suas actividades intelectuais — têm origem em França, na Grã-Bretanha ou nos Estados Unidos. Além disso, dos três departamentos universitários acima referidos, apenas um esteve associado a Jorge Dias — e, entre 1969 e a sua morte precoce em 1973, ele dissociou-se do ensino. Já quanto às diferenças nas classificações disciplinares podemos afirmar que elas reflectem as diversas influências de escolas internacionais no momento de criação dos departamentos em causa (a saber, a antropologia cultural americana no I.S.C.S.P., a antropologia francesa na U.N.L. e a antropologia social britânica no I.S.C.T.E.).

6Para aumentar ainda mais a dificuldade da nossa tarefa, podemos verificar uma enorme diversidade nas perspectivas teóricas e metodológicas entre aqueles que se designam como antropólogos: a antropobiologia desenvolvida no Museu e Laboratório Antropológico da Universidade de Coimbra, ou no I.I.C.T.; a antropologia cultural preconizada no I.S.C.S.P.; a antropologia dos que se consideram seguidores de Jung; a antropologia aplicada de empresas como a Antropos; a etnologia do Museu de Etnologia; a antropologia de inspiração lévi-straussiana e a antropologia social de influência britânica.

7Assim, vemos que o problema com que nos defrontamos neste capítulo é simultaneamente sincrónico e diacrónico: como descrever um grupo de cientistas que, apesar de se colocarem sob uma mesma classificação disciplinar, mantêm posições teóricas e metodológicas incompatíveis e que, apesar de reclamarem um passado disciplinar comum, não encontram aí a inspiração principal para o seu trabalho?

8Na tentativa de encontrar uma explicação para este estado de coisas devemos ter em conta dois factores preliminares. Em primeiro lugar, o facto de a comunidade académica nunca ter sido suficientemente grande para permitir o desenvolvimento de um debate académico despersonalizado. Em segundo lugar, as práticas altamente corporativistas que sempre caracterizaram a academia portuguesa. Estas últimas significam que há pouco diálogo criativo e pouca competitividade profissional. Neste sentido, verifica-se uma tendência para reprimir a inovação e para a preservação de teorias e métodos científicos anacrónicos.

  • 1 A Escola Superior Colonial, fundada na fase de implantação do regime ditatorial, em 1926, foi reden (...)

9O isolamento que permite tais anacronismos é criado através de elaborados processos de exclusão académica que, embora antigos nas universidades portuguesas, foram reforçados durante o regime ditatorial de Salazar. Só assim podemos compreender as dificuldades encontradas por cientistas inovadores, como Leite de Vasconcelos no princípio do século, Jorge Dias nos anos 50, ou José Cutileiro nos anos 70, nas suas tentativas de reconhecimento dos graus académicos que obtiveram no estrangeiro. O doutoramento alemão de Jorge Dias, por exemplo, nunca foi oficialmente reconhecido, e foi apenas na então renovada escola de administração colonial1, que conseguiu adquirir o estatuto de professor, depois de uma vida de árduo trabalho científico, inigualada por qualquer dos seus contemporâneos. Infelizmente, a legislação que é usada para bloquear o reconhecimento oficial de graus académicos adquiridos no estrangeiro, e particularmente doutoramentos, continua em vigor e continua, ainda hoje, a ser utilizada para travar a inovação académica.

10Leite de Vasconcelos que, como todos os inovadores, era um espírito independente, queixava-se em 1933:

«Um dia virá em que (...) o estudo do folclore e etnografia nacional penetrará nas universidades, como há muito acontece noutras nações mais florescentes do que a nossa. Sendo certo que Portugal nunca deixa de se importar com os melhoramentos da civilização que observa lá fora, porque é que o não faz logo? Tanta cousa se perde, e tantas vocações se tolhem, só porque não houve pressa de dar verdadeira estimação àquilo que a merece.»

11Trinta anos mais tarde, Jorge Dias, que sofreu o mesmo problema, continuava a sentir necessidade de citar esta passagem (1963: 7). E, pois, ao mesmo tempo trágico e típico que, de acordo com o testemunho de Orlando Ribeiro, tenha sido um discípulo de Leite de Vasconcelos que dificultou a entrada de Jorge Dias na Universidade Clássica de Lisboa onde o seu antigo mestre tinha ensinado (in Dias 1981 [1948]: 9). Esperemos que o impacto que a integração na CEE parece estar a ter nas instituições portuguesas possa significar que tão deprimente questão deixe de se formular num futuro próximo.

12Jaime Cortesão defendia que um pensador deve ser «um contemporâneo do seu próprio tempo» (Cortesão, 1964: 16). Em última análise, talvez tenha sido por esta razão que ele próprio permaneceu tanto tempo no exílio. Falar de uma tradição científica autónoma em Portugal (seja em antropologia — cf. Freitas Branco, 1986 — seja em qualquer outro campo científico) é esquecer que, no passado, todas as inovações significativas foram o resultado da confrontação com tendências internacionais. De facto, a existência de uma relação ambígua com a comunidade científica internacional explica muitas das singularidades que caracterizam o desenvolvimento das ciências sociais em Portugal. No nosso caso — ou seja na vasta área disciplinar que compreende a antropologia, a etnologia e o folclore — o problema é mais complexo devido à importância que este campo teve no desenvolvimento da noção de nacionalidade, num contexto histórico de hegemonia burguesa. Tendo por base este panorama, penso que é impossível descrever os antecedentes da antropologia portuguesa ou o seu estado actual, sem referir a descontinuidade dialéctica entre a inovação forjada no contacto com aprendizagens no estrangeiro e a subsequente paralisação interna.

A cultura burguesa e o interesse pelos «costumes populares»

13Em Portugal o estudo dos costumes populares nacionais e o estudo dos povos das antigas colónias — ambos reclamados pelos antropólogos de hoje — desenvolveram-se separadamente. Para o efeito do presente volume, estamos principalmente interessados no primeiro, pelo que lhe concederemos maior atenção.

14Desde a subida ao poder da burguesia, na primeira metade do século XIX, o estudo dos «costumes populares» foi considerado uma questão de interesse fundamental. À «cultura popular» é atribuída uma autenticidade que a sociedade burguesa pensa não encontrar no seu próprio seio. A produção e reprodução de uma identidade nacional no contexto de uma hegemonia burguesa parece, assim, ter dependido da constante reformulação da noção de «o povo» — no seio da qual se deveria encontrar a «verdadeira» identidade nacional. Tal como na maior parte dos outros Estados-Nações europeus, durante o século XIX e a primeira metade do século XX, o recurso à etnografia, tanto como interesse académico como interesse literário, foi conscientemente associado à procura de uma identidade nacional. Ernesto Veiga de Oliveira, por exemplo, defende que a questão central que guia todo o trabalho de Adolfo Coelho — um dos brilhantes eruditos que, na segunda metade do século XIX, foi responsável pelo incremento do interesse pelo folclore em Portugal — é «quem somos nós?» (Oliveira, 1985: 38). O mesmo pode ser argumentado para a maior parte dos etnógrafos e folcloristas até à década de 1970. Por exemplo, em 1933, Leite de Vasconcelos define a etnografia como a tarefa de:

  • 2 Vasconcelos, 1933, p. 2, uma definição que ainda, em 1941, era considerada adequada por Orlando Rib (...)

«Examinar o que é que dá índole e coesão a um povo, e o distingue de outro; o que nele é congénito e primitivo, ou que, com o tempo, e apropriação do que lhe chegou de outro povo, se tornou típico; os produtos directos (imediatos) e indirectos (mediatos) da sua psique, espontâneos, ou assim julgados.2»

15Uma ideia semelhante está na base da definição de etnografia proposta em 1963 por José João Gonçalves de Proença, então ministro das Corporações do regime salazarista, no discurso de encerramento do Congresso Internacional de Etnografia de Santo Tirso:

«Ciência especialmente virada para a observação social e para a hermenêutica cultural, competir-lhe-á [à etnografia] fundamentalmente a recolha dos índices caracterizadores das etnias e sua definição e interpretação ponderadas. Da atenção que lhe devem merecer todas as manifestações populares ou folclóricas, de sentido cultural, de sentido humano ou de sentido material: (...). Tudo, em suma, que continua expressão viva e material da maneira de ser e viver das populações afastado que seja aquilo que, contrário a essa identidade, resulte da imitação ou da imposição externa» (Proença, 1963: 431).

  • 3 Cf. o artigo de Rocha Peixoto sobre «A casa portuguesa» (Peixoto, 1967-1975, Vol. 1 p. 161). Viegas (...)

16Deverá ser entre «o povo», e não entre as classes urbanas no poder, que se poderá encontrar a «autenticidade nacional». Assim podemos entender porque Ricardo Severo, na sua tentativa de construir «a casa portuguesa» (que o grande etnólogo Rocha Peixoto tanto elogiou) tenha escolhido apenas traços arquitectónicos rurais, deixando de lado os estilos urbanos. Embora possam ter uma existência muito antiga, estes não são vistos como «autenticamente portugueses». Em 1983 Viegas Guerreiro coloca a questão da seguinte forma: «É no povo, em sua espontaneidade, em sua autenticidade, mais do que em qualquer outra classe, que podemos encontrar os elementos da cultura por que esta melhor se define e não na sofisticada sociedade das letras3.» Assim, embora o conceito de «povo português» inclua, em princípio, todos os cidadãos portugueses, o facto é que, em vários contextos, a polissemia do conceito permite a exclusão das classes sociais no poder. (Este não é o lugar para discutir as fascinantes elaborações ideológicas que resultaram do facto de, nos anos 60 e nos princípios dos anos 70, a ideologia oficial ter tratado os povos colonizados como se eles tivessem totalmente garantidos os seus direitos de cidadania.)

  • 4 Para a noção de «primitivo» usada no contexto da etnografia portuguesa veja-se, por exemplo, Jorge (...)

17A noção de «autenticidade» está inscrita em todas as definições da etnologia que tiveram uma influência marcante e duradoura. A autenticidade é definida tanto por referência ao que é único para um povo como ao que tem uma já longa existência: é portanto inseparável da noção de «primitivo», da temporalização da diferença4. Se opto por continuar a exemplificar os meus argumentos com base em citações de Leite de Vasconcelos, é apenas porque, entre aqueles que os antropólogos portugueses consideram seus antecessores, foi um dos mais estudados e continua a ser o mais influente.

«Vemos ainda ao pé de um palácio uma casota de pedras soltas igual às que o homem paleolítico devia por vezes construir; e em quanto no templo o sacerdote cristão entoa hinos a Jesus, as pobres raparigas da aldeia consultam o cuco acerca dos anos que hão-de viver solteiras. No palácio temos progresso, na casota reprodução automática do passado; nos hinos religião, no cuco abusão, que do mesmo modo ascende ao passado, mas directamente» (Leite de Vasconcelos, 1933: 12).

18Este complexo simbólico continua a ter vários adeptos. Por exemplo, em 1980, Viegas Guerreiro afirma que entre as razões «teóricas» que o levaram a fazer uma monografia sobre a isolada e interessante aldeia de Pitões das Júnias, estava o desejo de «dar a conhecer, de modo global, uma população de montanha, o que ajudará, por um lado, a definir área cultural mais vasta (...) e, por outro, a encontrar o que há de específico na cultura portuguesa» (Guerreiro, 1981: 8). Através deste processo é construída uma genealogia fictícia na qual os costumes populares são «autênticos» porque são ancestrais, em oposição aos costumes da burguesia urbana que, embora inequivo-camente hegemónicos, não são «típicos», porque são «modernos».

19Talvez o melhor exemplo desta atitude seja a curiosa noção, ainda vastamente espalhada entre os estratos mais letrados da população, segundo a qual todas as «crenças» que não são totalmente consistentes com as opiniões da hierarquia da Igreja Católica são «superstições», representando sobrevivências «de tempos pagãos», anteriores à ocupação romana da Península. Por exemplo, no primeiro volume da sua Etnografia Transmontana, onde «apresenta e enumera a maior parte das superstições que conseguiu recolher», Padre A.L. Fontes afirma:

«É muito obscura e difícil de historiar a origem da maior parte das crenças do ser humano, em especial do Ocidente da Europa. Mas sabemos que os povos, que habitam a Península, deixaram a sua civilização e os seus defeitos a ela inerentes. A longa história dos povos, formada ao longo dos séculos, é que nos pode fornecer dados para o estudo das origens das crenças da Península Ibérica e de um modo particular do povo português» (Fontes, 1974: 10).

20Uma outra versão deste «mito das origens» consegue ser simultaneamente mais erudita e ainda mais improvável. É a de Moisés Espírito Santo, um sociólogo formado em Paris que ensina na Universidade Nova de Lisboa. Defende que:

«Antropólogos como Bachofen, O. James, Przyhuski e, mais perto de nós, Markale, demonstraram que as religiões da Europa e da bacia mediterrânica evoluíram de um tipo de ginocracia para uma religião presidida por divindades masculinas, e que essa evolução corresponde às relações de poder ou de autoridade no seio dessas sociedades. Tendo nós demonstrado que o sistema religioso popular português se baseia no desejo de predominância dos valores femininos sobre os masculinos, deduzimos que a sociedade que engendra essa visão religiosa é de cariz ginocrático. (...) Estamos perante uma cultura cuja personalidade de base se caracteriza pelo desejo de assistência e pelo parasitismo, que tem, sem dúvida, origem num modelo de educação familiar marcada pela presença assídua da mãe, ou pelo contacto estreito com mãe, e pela superprotecção familiar» (Espírito Santo, 1984:231).

  • 5 Curiosa manipulação temporal: o popular de hoje é rejeitado como «má cultura»; o popular de ontem é (...)

21Ora, como este exemplo extremo o demonstra, a procura levada a cabo pela burguesia «culta» de uma identidade nacional e da sua ancestralidade na cultura popular é contraditória, pois ela é acompanhada por uma atitude paternalista de desrespeito e de superioridade5. Embora a essência «autêntica» da nacionalidade deva ser encontrada no «povo», o «verdadeiro» conhecimento da nacionalidade (a capacidade de a distinguir, de a definir com autoridade) é um privilégio burguês. Maria de Lourdes Lima dos Santos, num estudo pioneiro sobre os costumes da burguesia portuguesa do século XIX, comenta que

«Na sua fase revolucionária, a burguesia admitira autodesignar-se como povo. Empresários, comerciantes, banqueiros e operários, todos faziam parte da mesma classe de industriais, definida por Saint-Simon. À medida que a sua posição se fortalecia, parecia à burguesia desnecessário, e sobretudo perigoso, deixar figurar como seus pares “aqueles que pela sua pobreza se vêem condenados a uma dependência constante ao trabalho ou à jorna” e, como tal, “não possuem mais inteligência que as crianças, nem estão mais interessados que os estrangeiros no bem-estar nacional” (palavras de Benjamin Constant, ideólogo do século XIX muito lido em Portugal ao tempo do cabralismo)» (1983: 36).

22De facto, podemos argumentar que a sociedade burguesa é caracterizada por uma contradição interna que resulta do seu recurso a padrões económicos como meio da sua própria definição (vide Lefebvre, 1971: 164-193). A natureza instável dos meios de definição entra em conflito com a necessidade de perpetuar a pertença ao grupo. Daí que, ao nível individual, o burguês esteja permanentemente ameaçado pela possibilidade de redefinição e, ao nível do grupo, a burguesia esteja constantemente aberta a novos candidatos. O problema da definição da identidade — a questão da distinção, essa fascinante palavra polissémica (Lefebvre, 1971: 180-181; cf. Bourdieu 1979) — é um tema recorrente. Há uma constante necessidade de redefinição, de procura dessa autenticidade fugidia, que a sociedade burguesa não encontra em si mesma. É importante notar, no entanto, que isto não significa necessariamente que haja uma subvalorização de si própria. Consequentemente, origina-se uma posição de amor/ódio perante as camadas sociais no seio das quais a sociedade burguesa procura autenticidade.

23Citemos Lefebvre: ao burguês «falta desde o início e fundamentalmente, “aquilo” que nunca lhe poderá ser retirado: a qualidade». «A burguesia e os burgueses não são. Eles têm. Eles fazem. (...) O que o burguês tem — aquilo que ele possui — nunca é completamente assegurado, nunca é totalmente dele, por ele, para ele. Pode sempre perdê-lo.» O burguês «não é um homem de qualidade. Ele surge de uma lacuna; essa lacuna marca-o e ele tentará sempre compensá-la, expiar esse pecado original da sua classe» (1971: 178). Como a distinção não lhe é conferida pelo nascimento, é necessário alcançá-la: nas palavras de um manual português de etiqueta burguesa «o homem requintado é aquele que alcança maneiras pelas quais se distingue do vulgo» (cit. in Lima dos Santos, 1983: 23).

  • 6 Cf. para o caso português, Maria de Lourdes Lima dos Santos, 1983, p. 8.

24Na senda da qualidade, da «distinção», o burguês apropria-se do capital simbólico da aristocracia.6 No entanto, é possível um outro caminho: a procura da autenticidade na cultura popular. Este percurso caracterizou, segundo Lefebvre, a burguesia francesa de 1936 e 1945 em diante. Em Portugal, todavia, os dois caminhos não se apresentam como alternativas. Tanto o «aristocrático» como o «popular» são «preexistentes» e, do ponto de vista da burguesia nacional, ambos são igualmente caracterizados como sendo predominantemente rurais. Eles servem, portanto, junta e separadamente, para criar as condições simbólicas necessárias para atingir uma «autenticidade» que sirva de raiz genealógica ao presente da sociedade burguesa. Esta associação da aristocracia e do povo, por oposição ao mundo burguês, é característica de um certo número de produtos culturais de significado ideológico central, tal como o fado (cf. Costa e Guerreiro, 1985) ou a tourada. O próprio movimento folclorista e etnológico durante o período salazarista é fértil em figuras de cultivadores de «popular» que se viam a si próprios como aristocratas.

  • 7 Vejam-se, por exemplo, os largamente discutidos artigos de Miguel Esteves Cardoso para o Expresso, (...)

25Encontramos aqui, novamente, a natureza ambivalente da identidade nacional dentro de um contexto de hegemonia burguesa. Embora a burguesia reclame para si o direito de distinguir a verdadeira identidade nacional, ela considera-se «moderna», isto é, nacionalmente descaracterizada. Entramos, assim, numa outra área de identificação conflituosa: a oposição entre nós cá e lá fora. A ambivalência daí resultante inspirou as caricaturas de Bordalo Pinheiro, nos finais do século XIX (Guimarães, 1985) e continua ainda a inspirar os comentaristas de hoje7. Ela encontra-se igualmente presente na pretensão do orgulhosamente sós com que o regime salazarista enfrentava a oposição internacional à sua política colonial, e na, por vezes, aparentemente excessiva avidez com que foi acolhida a integração na CEE. Talvez a discussão mais consciente desta ambivalência tenha sido a polémica que rodeou a noção de estrangeirado (um termo que descreve os admirados e perseguidos transmissores de cultura e ciência estrangeira, que têm tido um papel central na cultura portuguesa desde o século XVI).

Ciclos de renovação científica — Os românticos

26Ao contrário do que aconteceu por exemplo na Grécia, o estudo dos costumes populares em Portugal não foi um factor decisivo na formação do Estado-Nação (cf. Herzfeld, 1986). Foi, no entanto, fundamental para o desenvolvimento das imagens de nacionalidade que caracterizaram a cultura burguesa desde a revolução liberal. A criação do Zé-Povinho por Bordalo Pinheiro — o protótipo cómico do povo sempre sofredor, que continua a ter uma larga utilização no imaginário político português — é indissociável do seu interesse pessoal no estudo dos costumes populares e do trabalho da brilhante geração de folcloristas e etnólogos, seus amigos e contemporâneos. Assim, não nos deve surpreender o facto de os ciclos de criatividade que caracterizam o nosso campo académico, estarem tão proximamente associados a ciclos nacionais de renovação política e cultural. De facto, poderia parecer que uma parte integrante do processo de produção cultural da sociedade burguesa é uma reapreciação da fonte de autenticidade: a identidade original representada pela «cultura popular». Mais do que isto, e de novo, a confrontação entre os valores populares e burgueses é inseparável da confrontação, igualmente ambivalente, entre nós cá e lá fora. Como argumentarei em seguida, os ciclos de renovação na nossa área disciplinar foram sempre impulsionados por uma importação de modelos analíticos desenvolvidos no estrangeiro.

27Foi nos anos 20 do século XIX que Almeida Garrett e Alexandre Herculano, exilados políticos em Inglaterra durante o período das lutas liberais, foram imbuídos do fascínio romântico pelas «antiguidades populares» (Lima dos Santos, 1983: 115-118). Para eles, este fascínio era mais do que um mero interesse académico; era um interesse literário e político, indissociável da necessidade então tão sentida de uma nova noção de nacionalidade. Argumentando contra a influência da Antiguidade Clássica, Almeida Garrett queixa-se que «no que se refere ao caso português e espanhol, quase se poderia dizer destruída toda a nacionalidade, apagados os últimos vestígios originais da poesia, quando, no fim do primeiro quartel deste século XIX, esta influência da renascença alemã se começou a fazer sentir» (Oliveira, 1985: 14-15). Foi então que este autor começou a fazer as recolhas de contos e canções populares que publicaria, depois do seu regresso a Portugal, no seu Romanceiro entre 1842 e1851.

Ciclos de renovação científica — A Belle Époque

28Um outro ciclo de renovação é observável na geração que acompanhou a gestação da República. Desde 1871 — data das famosas Conferências do Casino — até ao final dos anos 20 — o início da implantação do regime ditatorial — assistiu-se a um período de intensa criatividade científica. Uma vez mais, este é um fenómeno cultural mais vasto, que não se limita ao nosso campo disciplinar. Segundo Óscar Lopes e António José Saraiva, «em coincidência com a ligação ferroviária» entre Porto, Coimbra e Lisboa e Paris

«e depois com os primeiros sintomas de uma nova crise política e social, surge entre 1864 e 1871 uma nova geração que, por um lado, realiza mais a fundo algumas das tendências do romantismo europeu, e, por outro, procura reajustar quanto possível a cultura portuguesa às novidades de que a França era o centro de irradiação desde meados do século» (Saraiva e Lopes, 1982: 722).

29Indivíduos como Oliveira Martins, Adolfo Coelho, Consiglieri Pedroso, Teófilo Braga, Rocha Peixoto, Leite de Vasconcelos, Alberto Sampaio e Morais Sarmento, desenvolveram (pela primeira vez de forma académica) o estudo da cultura, arte, literatura e linguagem populares, assim como da história social e da arqueologia — a noção de que a cultura popular é uma sobrevivência de crenças antigas significava que todas estas áreas de estudo eram tratadas como interdependentes (cf. Consiglieri Pedroso, 1988 [1884]: 77).

30Foram figuras brilhantes que mantiveram um diálogo permanente com as tendências e doutrinas que se desenvolviam então em França, na Alemanha e na Inglaterra (cf. Leal in Pedroso 1988: 25). A influência alemã, em particular, (transmitida pelo historiador de arte Joaquim de Vasconcelos (cf. Cruz, 1950) e pela sua mulher, a notavel filóloga e medievalista Carolina Michaelis) fez-se sentir fortemente em pessoas como Adolfo Coelho ou Teófilo Braga. Se olharmos para as datas de publicação das referências dadas por Adolfo Coelho na introdução à sua famosa coleçcão de contos — Contos Populares Portugueses — ou Oliveira Martins nos seus Elementos de Antropologia, torna-se claro que os trabalhos de ambos são parte do debate de ponta que se desenrolava então a nível europeu (Coelho, 1985 [1879]; Martins, 1871). Consiglieri Pedroso publicou pela primeira vez a sua coleçcão de contos populares numa edição inglesa da Folklore Society de Londres em 1882; esta foi seguida por uma edição francesa na Revue Hispanique de Paris; sendo publicada em português apenas em 1910. Leite de Vasconcelos completou o seu doutoramento na Sorbonne em 1901 (Ribeiro, 1942). Em suma, o anacronismo académico, que foi uma característica tão visível na nossa área disciplinar entre as décadas de 1930 e de 1970, não era, de forma alguma, aparente na segunda metade do século passado.

  • 8 Cf. Leal in Braga, 1987: 13.
  • 9 E.g. o relato das explorações africanas de Serpa Pinto (Pinto n.d. [1881]).
  • 10 E.g. o belíssimo estudo de Lopes Mendes (1886) sobre as possessões portuguesas na Índia, ou o estud (...)
  • 11 Junod, 1962 [1927]. Uma versão anterior foi publicada em francês, em 1898; a edição inglesa saiu em (...)

31Todos estes cientistas tinham uma preocupação comum: a procura de uma explicação para a nacionalidade portuguesa e as causas daquilo que consideravam ser a «decadência nacional». As últimas décadas do século XIX foram marcadas por uma profunda crise económica e política. Em particular, o Ultimatum Inglês de 1890 foi sentido como um forte abalo no prestígio nacional, uma vez que reduzia consideravelmente as expectativas de Portugal enquanto potência colonial africana. Tornou-se claro que qualquer tentativa de recriar um novo Brasil em África não era possível. A elite burguesa, que se via como tendo falhado a sua missão, procurava, na história e na cultura popular, uma grandeza nacional perdida. Este facto talvez explique porque é que nunca se chegou realmente a desenvolver em Portugal uma tradição colonial de antropologia.8 A fundação da Sociedade de Geografia de Lisboa, em 1875, foi a primeira tentativa para encorajar os estudos das possessões coloniais em África. Fomentou a publicação de trabalhos de exploração9 e de trabalhos de descrição histórica e geográfica geral.10 Para além disto, a fundação da Escola de Estudos Coloniais nos anos 20, esteve fortemente associada à Sociedade. No entanto, apenas uma monografia foi escrita nessa época sobre uma população pertencente às colónias portuguesas, sendo o seu autor um missionário metodista suíço, Henri Junod. O seu livro, The Life of a South African Tribe, sobre os Thonga de Moçambique continua a ser um dos grandes clássicos do africanismo11.

  • 12 E.g. Neves e Mello, 1872, Leite de Vasconcelos, 1890, Fernandes Thomaz, 1896, António Thomaz Pires, (...)

32No campo dos estudos sobre a cultura popular portuguesa devemos fazer uma menção específica a vários autores. Adolfo Coelho (1847-1919) desenvolveu as suas actividades no campo da linguística, filologia, glossologia (cf. Coelho, 1892) e mitologia comparada. Tal como Consiglieri Pedroso, foi profundamente influenciado pelo pensamento de Max Muller, Adalbert Khun e dos irmãos Grimm. Juntamente com Teófilo Braga (1843-1924) (Braga n.d.; 1911; 1869; 1986 [1885]), criou uma tradição de recolha de contos populares que foi continuada até aos anos 70 por Ataíde Oliveira, Tomás Pires, Leite de Vasconcelos e Manuel Viegas Guerreiro, entre outros12.

  • 13 Leite de Vasconcelos, 1933-1985. Vol. I, 1933; Vol. II, 1936; Vol. III, 1941; Vol. IV, 1958; Vol. V (...)

33Tendo-se licenciado em medicina no Porto, José Leite de Vasconcelos (1856-1941) desenvolveu, desde o início da sua carreira, um interesse por estudos etnográficos. Em 1881 publicou um estudo sobre juntas de bois, em 1883 um estudo sobre o dialecto mirandês e, em 1885, uma investigação geral sobre arqueologia portuguesa. Como assinalou Orlando Ribeiro, por detrás da sua actividade nestes diversos campos, havia uma linha «etnológica» unificadora: «tudo, ou quase tudo, o que escreveu, se integra dentro do plano de um vastíssimo corpus do Povo Português, desde as suas mais remotas origens até aos nossos dias, nas manifestações mais típicas da sua individualidade...» (Ribeiro, 1942: 24). Leite de Vasconcelos ensinou numismática e trabalhou intensamente em arqueologia, filologia (a sua tese de doutoramento na Sorbonne foi sobre o dialecto mirandês) e etnografia comparada. Em 1889 fundou a famosa Revista Lusitana, em 1893 fundou o Museu de Etnologia e escreveu uma obra de três volumes sobre «as Religiões da Lusitânia» (1897-1913; 1983 [1883]) que é hoje uma obra clássica. A obra da sua vida foi, no entanto, A Etnografia Portuguesa que apenas começou a escrever depois de se ter reformado em 1927. Quando morreu, em 1941, tinha três volumes preparados para a publicação. Os seus discípulos, e em particular Manuel Viegas Guerreiro, continuaram a editar o vasto material que tinha recolhido, na sua maior parte não trabalhado13.

  • 14 Veja-de o prefácio de Flávio Gonçalves a Rocha Peixoto 1967-75, Vol. I.
  • 15 Alves, 1908-1946, vol. IX (1934, o texto foi originalmente publicado en Ilustração Transmontana em (...)
  • 16 Peixoto 1967-1971, Vol. I. Os seguintes trabalhos deste período, e que foram agora reeditados, tamb (...)

34Um outro pensador deste período merece atenção detalhada. Profundamente influenciado por Oliveira Martins, A. A. Rocha Peixoto (1866-1909) distinguiu-se particularmente no estudo da «cultura material»14. Foi um etnógrafo de campo muito dedicado, que conhecia o Norte português como poucos dos seus contemporâneos. O seu ensaio sobre «Formas de vida comunal em Portugal» (Peixoto, 1967, vol. I: 330-347) continua a ser uma leitura fundamental, uma vez que fundou uma longa tradição de estudo sobre esta forma de organização social. Este trabalho foi o esboço de um projecto mais vasto que a sua morte prematura não permitiu concluir. Foi Rocha Peixoto quem encorajou o trabalho de Tude de Souza no Gerês, que veio a estar na base da escolha de Jorge Dias, de Vilarinho da Furna como objecto da sua primeira monografia (Dias 1981 [1948]), assim como foi também ele que pediu ao Abade de Baçal para escrever sobre Rio de Onor15, local da segunda monografia de Jorge Dias. Estes trabalhos, por sua vez, motivaram etnógrafos como Joaquim Pais de Brito, Brian O’Neill e Patricia Goldey que, nos anos 70, trabalharam nestas áreas (Brito, 1984; O’Neill, 1984 e Goldey, 1981). Entre outros, os ensaios de Rocha Peixoto sobre tatuagens populares, casas de pescadores, pinturas votivas, cerâmica, filigrana e alcunhas (apodos tópicos) continuam ainda a merecer uma leitura atenta16.

Ciclos de renovação científica — O pós-guerra

  • 17 Considera Jorge Dias uma excepção (Sá, 1978, pp. 11-12).
  • 18 Sejam quais forem as suas limitações, a obra dos discípulos de Leplaz em Portugal, e nomeadamente P (...)

35A afirmação de Vítor da Sá de que desde a fundação do regime ditatorial até ao seu final em 1974, não houve qualquer trabalho significativo no contexto das ciências sociais em Portugal é porventura excessiva17. É verdade, no entanto, que os trabalhos publicados nos finais dos anos 20, nos anos 30, e nos anos 40 revelavam grande falta de força e inovação — características tão marcadas da geração precedente18. No nosso campo de estudos, em particular, testemunhamos o início de uma tendência para o anacronismo académico que apenas veio a desaparecer depois do final do regime ditatorial.

36Mesmo em relação a Leite de Vasconcelos este problema parece evidente. Enquanto na viragem do século a sua produção se integrava plenamente nas tendências académicas internacionais, o mesmo não pode ser afirmado para o período que vai daí até ao fim da sua longa vida. Os três primeiros volumes d’A Etnografia Portuguesa foram publicados em 1933, 1936 e 1941. Se compararmos as suas linhas teóricas com as dos seus contemporâneos, por exemplo Lévi-Bruhl em La mentalitéprimitive (1922) ou Mauss no Essai sur le don (1925), o anacronismo científico torna-se claro. Mais impressionante ainda é a comparação de discípulos seus, tais como Luís Chaves (1945) ou a família Pires de Lima (e.g. J. e F. Pires de Lima 1983; e A.C. Pires de Lima 1947-1951), com os contemporâneos franceses e ingleses (Radcliffe-Brown, Malinowski, Firth, Evans-Pritchard ou Lévi-Strauss).

  • 19 Alves, 1908-1948, Vols. IX (1934), X (1938) e XI (1948).

37O Padre Francisco Manuel Alves, mais conhecido por Abade de Baçal, foi também muito influenciado pelo «mestre». Os três volumes da sua obra de onze volumes sobre o distrito de Bragança que dedica à «Arqueologia, Etnografia e Arte»19 são uma amálgama de informação não trabalhada, ordenada alfabeticamente, de forma a que a secção sobre «estradas» é seguida pela secção sobre «etnografia», que é seguida por duas secções sobre nomes de povoações (Facho ou Failde) e uma secção sobre «feiticeiros», etc. Uma tal pobreza analítica chega a ser surpreendente.

  • 20 E.g. Douro Litoral e mais tarde a Revista de Etnografia.
  • 21 E.g. Congresso de Etnografia e Folklore, Braga 1963, Congresso Internacional de Etnografia de St. T (...)
  • 22 O Museu Etnológico de Leite de Vasconcelos, o Museu de Antropologia em Coimbra, o Museu de Etnologi (...)
  • 23 E.g. Carlos Valle, 1973-1982.
  • 24 Para um exemplo do que não deve ser feito, Teresa Joaquim, 1983.

38Até aos anos 70 foram-se publicando muitas revistas especializadas20, organizando congressos21, fundando museus22, e publicando recolhas de folclore popular23. Apesar de frequentemente destituída de espírito crítico assim como de relevância teórica ou analítica, a obra que nos foi deixada por estes autores constitui um vasto reportório de material que está à espera de ser reanalisado24. Todo este esforço foi encorajado e amplamente subsidiado pelo regime ditatorial — as Juntas de Província, praticamente destituídas de qualquer significado administrativo, tiveram um papel importante nesta área. Neste contexto, devemos chamar a atenção para o brilhante artigo de Joaquim Pais de Brito (1982) sobre o concurso da «Aldeia mais portuguesa de Portugal» organizado em 1938 por um dos principais ideólogos do regime, António Ferro.

39No meio deste deserto intelectual, A. Jorge Dias (1907-1973) surge como uma figura proeminente e relativamente inovadora. O trabalho que efectuou nos anos 50 e 60, assim como do seu pequeno grupo de assistentes, pode ser tomado como representando um terceiro ciclo de renovação.

40Tendo estudado filologia germânica na Universidade de Coimbra, Jorge Dias é produto da tradição intelectual iniciada no Porto por Joaquim de Vasconcelos, Carolina Michaelis, Adolfo Coelho, Teófilo Braga e tantos outros. Desde cedo desenvolveu o gosto pela arqueologia e a etnografia na linha de Rocha Peixoto e Leite de Vasconcelos. Em 1938 foi para Rostock, na Alemanha, como professor de línguas. Mais tarde, em Munique, escreveu uma tese em Volkskunde sobre a aldeia comunitária de Vilarinho da Furna, do Gerês. Trabalhou também com Richard Thurnwald em Berlim (Pereira, 1988: 180).

41Entre 1944 e 1947 viveu em Espanha, só depois regressando a Portugal onde foi trabalhar para o Centro de Estudos de Etnografia Peninsular, associado ao Instituto de Antropologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Nessa altura, Jorge Dias estava já rodeado de um pequeno grupo de assistentes que iriam ficar com ele até à sua morte, em 1973. Em 1948 publica dois livros que tiveram grande receptividade em Portugal e que mostravam alguns sinais de inovação em relação aos trabalhos de Leite de Vasconcelos e Rocha Peixoto, embora se mantivessem solidamente no mesmo universo teórico: um tratado sobre as origens e distribuição dos arados em Portugal e uma versão revista da sua tese alemã (Dias, 1982 [1949]; 1981 [1948]).

  • 25 Veja-se a pitoresca descrição que Oliveira faz do impacto que esta descoberta teve no encontro da C (...)

42Em 1950, Jorge Dias foi pela primeira vez aos Estados Unidos da América, começando então a ser progressivamente influenciado pela antropologia cultural americana até ao ponto de reformular a sua própria definição disciplinar. Em 1953 publicou uma segunda monografia etnográfica, desta vez sobre Rio de Onor — a aldeia fronteiriça do Nordeste português com fortes tradições comunitárias, à qual já nos referimos. Surge então na sua obra todo um novo tipo de referências bibliográficas, que revela que Jorge Dias se começava a virar para novos horizontes. Cita Ruth Bennedict, Lowie, Kluckhohn, Kroeber e Murdoch. A concepção da obra, porém, continua ainda muito na linha das suas monografias anteriores, dando importância primordial à descrição da «cultura material» e «tecnologia tradicional» e não prestando praticamente atenção à análise sociológica. No prefácio (1981 [1953]: 11), Jorge Dias defende o carácter inovador da sua monografia sobre Vilarinho da Furna que, na sua opinião, devia ser uma das primeiras da Europa a seguir o método «orgânico e funcionalista». Esta afirmação é um sinal claro da sua incompreensão das tendências que se desenvolveram no período do pós-guerra. Se imediatamente a seguir ao final da Segunda Guerra Mundial, a contribuição de Jorge Dias para a distribuição geográfica dos tipos de arados na Europa ainda se revela inovadora para indivíduos como Van Gennep, Rivière, Erixon e Meertens25, em relação ao trabalho da nova geração de cientistas sociais que se desenvolveu nos anos 50, ela apenas se podia revelar anacrónica. Se compararmos Vilarinho da Furna com o trabalho que um dos alunos de George M. Foster, Charlotte Gower-Chapman, fez no final dos anos 20, ou Rio de Onor com a monografia de Julian Pitt-Rivers sobre Grazalema, na Andaluzia, publicada um ano depois, este facto torna-se evidente (Gower-Chapman, 1973 e Pitt-Rivers, 1971 [1954]).

  • 26 Para uma explicação sintomática deste tipo de colaboração entre a arte e a antropologia, veja-se Me (...)

43No princípio dos anos 50, Jorge Dias iniciou um processo de dissociação progressiva do grupo de Mendes Corrêa, em cuja colaboração tinha trabalhado no Porto. Tratava-se de um grupo de «antropobiólogos» que procuravam desenvolver conhecimentos sobre as populações estudadas através do exame cuidadoso do seu «tipo físico». Uma listagem das primeiras publicações de Mendes Corrêa dará uma ideia sobre a inspiração destes trabalhos: Génio e talento na patologia (1911), Criminosos portugueses (1913), Crianças delinquentes (1914), Raça e nacionalidade (1919). Foi este grupo que desenvolveu o estudo oficial sobre as populações coloniais. Já em 1915, 1916 e 1917 Mendes Corrêa tinha publicado um número de artigos sobre temas como «três crânios de negros Mossumbe», «Antropologia timorense» ou «três crânios da Índia portuguesa». Ao mesmo tempo publicava também «Os índices nasais da Beira Alta» ou «O retrato de Nuno Álvares», um estudo do herói nacional baseado nos seus retratos26. Talvez o seu texto mais conhecido seja um estudo «geográfico, arqueológico e antropológico» sobre os «povos primitivos da Lusitânia» (Mendes Corrêa, 1924).

44A partir de 1935, o regime ditatorial instituiu o estudo das colónias, com o objectivo particular de elaborar mapas etnológicos. No conjunto, o principal objectivo deste projecto era coligir dados antropométricos considerados de valor prático em termos da exploração mais correcta do trabalho colonial. A sugestão para a organizaçã desta missões foi feita no Primeiro Congresso Nacional de Antropologia Colonial, que decorreu no Porto em 1934, onde foi defendido que

«nem todos os indígenas se prestam para o serviço militar, como há outros que são insusceptíveis de trabalhar rudemente nas fábricas./É, pois, um tal seleccionamento prévio, que se pretende organizar para evitar inutilizações de pessoas e fracassos económicos./ A caracterização do grau de desenvolvimento físico relaciona-se com a observação antropométrica vulgar cujos resultados ou fórmulas práticas são expressas por meio de índice ou coeficiente de robustez de fácil aplicação prática./ E quanto ao seleccionamento funcional, mesmo dentro da própria vida militar, deve-se efectuar mediante as mensurações ergográficas, reflexomotoras, etc.» (cit. in Moutinho, 1982: 427-8).

45Consequentemente foram enviadas missões a todas as colónias portuguesas. Em 1956, Joaquim do Santos Júnior, uma das principais figuras desta escola, fala-nos do trabalho de «seis missões antropológicas» que foram enviadas entre 1936 e 1955 a Moçambique:

«Observámos muitos milhares de indígenas (...) e temos em arquivo mais de 12 000 fichas antropológicas, com uma média de vinte medidas cada uma. (...) Estes milhares de números, apreciados estatisticamente, hão-de fornecer elementos para a apreciação somática das tribos e suas relações de similitude ou diversidade» (cit. in Pereira, 1988: 13).

46Este tipo de antropologia representava as tendências mais conservadoras das ideologias coloniais do regime. A Antropologia de Moçambique de Santos Júnior (Santos Júnior, 1956, veja-se Santos Júnior, 1959: 25), por exemplo, foi escrita para celebrar a visita do Presidente da Républica à Província Ultramarina de Moçambique. Em 1959, o mesmo autor publicou um «quadro sobre a forma geral do cabelo dos negros» em homenagem ao seu professor Mendes Corrêa, (Santos Júnior, 1959) e em 1968, sete anos depois do início da guerra colonial, continuava ainda a falar de África como sendo «um continente portentoso sem o qual a Europa não conseguirá preservar a hegemonia que detém desde há uns séculos devido a uma supremacia espiritual ao serviço da cultura» (Santos Júnior, 1968: 11).

47Nos finais dos anos 50, no entanto, surgiu uma nova tendência de ideólogos coloniais, fundamentalmente como resposta ao sentimento crescente de que as condições para a ocupação colonial estavam a mudar. Nas palavras de Rui Pereira:

«Após a conferência de Bandung, a política colonial portuguesa deverá ter sentido necessidade de uma reciclagem legislativa, como alguns sinais exteriores deixam entender, entre os quais o renascer de uma “nova consciência etnográfica”. Mas a inércia resultante de uma acrisolada ideologia colonialista, coibiu a extensão dessa nova operação de cosmética que só viria a ser executada em 1961 quando o regime se viu confrontado com o início da luta armada nas colónias. Apressadamente, surgem disposições legislativas abolindo as culturas obrigatórias, o trabalho compelido, o estatuto do indigenato» (Pereira, 1988: 108).

48É neste contexto que deve ser entendido o crescente interesse de Jorge Dias por África. À medida que aumenta o seu reconhecimento no seio dos círculos etnológicos internacionais, e devido à influência da antropologia cultural americana, Jorge Dias foi-se distanciando do grupo do Porto liderado por Mendes Corrêa. Em 1952 mudou-se para Coimbra onde leccionou duas cadeiras semestrais (Etnologia e História da Geografia) na Faculdade de Letras. Em 1956 integrou-se na Escola de Administração Colonial que, em 1961, se passou a chamar Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina. As disciplinas que aí leccionou até princípios dos anos 70 intitulavam-se Antropologia Cultural, Etnologia Regional, e Instituições Nativas (mais tarde chamada Instituições Regionais).

  • 27 Cf. Jorge Dias, 1957, 1961a, 1961b, 1964, 1965, 1970. Jorge e Margot Dias, 1964, 1970. Margot Dias, (...)
  • 28 Estes relatórios não estão à disposição do público em geral. O meu parco conhecimento deles é basea (...)

49Já em 1956, Jorge Dias fez uma viagem de prospecção à Guiné portuguesa, Moçambique e Angola e, em 1957 o Ministério do Ultramar convidou-o para dirigir as Missões de Estudo das Minorias Étnicas do Ultramar Português. Sua mulher, Margot Dias, e Manuel Viegas Guerreiro foram posteriormente nomeados seus assistentes. O objectivo era duplo: i) produzir descrições etnográficas sobre algumas populações das colónias; ii) elaborar relatórios confidenciais sobre as condições sociais e políticas das populações nativas das colónias. Para além dos trabalhos científicos que publicaram27, os membros da comissão enviaram ao Ministério do Ultramar relatórios detalhados sobre as condições sociais e políticas que encontraram28. Foram elaborados estudos sobre os Chopes do Sul de Moçambique e sobre os Bóeres e Bosquímanes do Sul de Angola, mas o trabalho central foi sobre os Macondes do Norte de Moçambique. Podemos presumir que Jorge Dias terá sido influenciado nesta escolha pelo facto de o seu mentor em Berlim, Richard Thurnwald, ter levado a cabo, nos anos 30, um estudo sobre os Macondes do Tanganhica (chamados por ele Mawiha, cf. Pereira, 1988: 108). De notar que, no entanto, a escolha foi, de um ponto de vista político, muito avisada. Os Macondes viviam em ambos os lados da fronteira com o Tanganhica, onde o movimento independentista estava já muito avançado (a Tanzania tornou-se independente em 1964). No final dos anos 50 esta área denunciava já uma sensível tensão política. Foi aí que, em 1964, começou a luta armada para a independência de Moçambique.

50As campanhas, que eram levadas a cabo durante o Verão europeu, decorreram do seguinte modo: 1957, um estudo sobre os Macondes; 1958, Viegas Guerreiro estuda os Bosquímanes de Angola e o casal Dias permanece no planalto Maconde; 1959, Jorge Dias passa uns meses na Universidade de Witwatersrand e vai visitar os Macondes do Tanganhica; I960, Jorge Dias passou-o viajando entre Moçambique e Angola acompanhando Charles Wagley, professor de Antropologia na Columbia University. Esta viagem foi organizada pelo Ministério como um acto de relações públicas, com o objectivo de reduzir a má impressão causada pela expulsão de Moçambique de Marvin Harris (então ligado ao departamento de Wagley). No seu importante ensaio sobre «Emigração laboral entre os Thonga de Moçambique: factores culturais e políticos», Harris explicava as condições políticas e económicas que forçavam os homens Thonga a emigrarem em massa para as minas da África do Sul (Harris, 1959). Em 1960 inicia-se no planalto Maconde o chamado «levantamento de Mueda» depois do qual o trabalho etnográfico na região foi considerado impossível. O trabalho sobre o Sul de Angola foi, no entanto, continuado por Viegas Guerreiro nos Verões europeus de 1962, 1963 e 1964.

  • 29 Tal como ele próprio defende, em relação ao racismo sul-africano, tais atitudes tendem a virar-se r (...)

51Apesar de ter sido sempre um homem do regime, com uma participação activa nas suas instituições mais conservadoras, Jorge Dias permaneceu uma figura de alguma independência pessoal. A sua educação na Alemanha durante a guerra, não parece ter conduzido a uma simpatia para com os ideais nazis29; nem parece ter diminuído a sua admiração pela cultura e academia americana nos finais dos anos 50 e 60. Não é portanto surpreendente que, quando o regime ditatorial teve necessidade de uma informação fidedigna, honesta e inteligente, sobre uma das zonas potencialmente mais explosivas dos territórios africanos, tenha escolhido Jorge Dias. Não era desinteressado, pois era um crente profundo no colonialismo português — o qual denomina como «um dos mais extraordinários trabalhos da história» (cit. in Pereira, 1988: 194). Mas, o resultado final do seu trabalho foi, pelo menos, honesto e justo, e de forma alguma laudatório para o lado português.

52Os quatro volumes monográficos sobre os Macondes foram publicados entre 1964 e 1970. Apesar de se tratar indubitavelmente da mais notável contribuição portuguesa para a etnografia africana, Os Macondes de Moçambique é uma obra pouco feliz do ponto de vista antropológico, pois revela que Jorge Dias nunca conseguiu ultrapassar as suas limitações teóricas de base. Na mesma altura em que levava a cabo o trabalho de campo entre os Macondes, Jorge Dias publicou um conjunto de ensaios metodológicos. Estes correspondiam a uma tentativa de conceptualizar a nova designação disciplinar de antropologia cultural que tinha adoptado. Baseado num esquema desenvolvido por Adolfo Coelho no século XIX, e retomado posteriormente por Leite de Vasconcelos, Dias defende que a antropologia se divide em física e cultural. Esta última, que vê como uma substituição da etnologia (Dias, 1959: 13), baseia-se na etnografia que, por sua vez, está dividida em ergologia (estudo da tecnologia, da «cultura material»), folclore, etnossociologia e etnopsicologia. A propósito das duas últimas diz: «É igualmente importante o estudo das estruturas social e colectiva, que teríamos de designar por etnossociologia e etnopsicologia, no caso de lhe querermos dedicar qualquer estudo especial» (Dias, 1959: 15-16).

53Ao longo da sua carreira Jorge Dias evidencia uma grave incompreensão da teoria sociológica. A distinção entre «critérios etnológicos» e «critérios sociológicos», que desenvolve em 1958, é disto um exemplo claro. Os últimos são definidos como o critério que considera como objecto de estudo tudo que constitui a vida e a cultura das classes populares das nações históricas (Dias, 1957: 63). A sua leitura de Durkheim é também bastante elucidativa:

«Pode dizer-se que ele foi um dos primeiros a formular a “ciência da cultura”, apesar de lhe chamar sociologia. Sob a definição de “consciência colectiva”, Durkheim designa uma série de fenómenos simbólicos tradicionais considerados suprapsicológicos a que mais tarde se deu o nome de cultura. O resultado disto foi que muitos investigadores começaram a aplicar ao estudo dos primitivos os mesmos métodos estatísticos que os sociólogos aplicavam às sociedades ocidentais. Escusado será dizer que as consequências foram desastrosas, porque a antropologia perdeu o carácter de humana espontaneidade e o colorido que a distingue das outras ciências sociais» (Dias, 1958: 15).

54No decorrer dos anos 60, Jorge Dias tomou conhecimento da existência de aproximações alternativas no estudo das populações rurais europeias; cita com aprovação Pitt-Rivers, Kenny e Friedl. No entanto, apesar dos seus esforços, não parece ter compreendido as implicações teóricas da nova metodologia. Em 1969, falando do seu trabalho sobre Rio de Onor, afirma: «Esta monografia tem uma falha, no entanto, que é ter sido feita com uma finalidade única: a de ser tão completa quanto possível. Perdi tempo excessivo a descrever todos os aspectos da vida comunitária, em vez de ser mais sintético e interpretativo» (Dias, 1968-9: 112). Se o compararmos com People of the Sierra a monografia de Pitt-Rivers, publicada no ano seguinte, compreendemos facilmente que o estudo de Jorge Dias sofre, não de uma excessiva ambição, como o autor afirma, mas de falta de uma grelha interpretativa. De facto, é pouco mais que uma acumulação de observações etnográficas não relacionadas.

55Em Os Macondes de Moçambique o impacto das perspectivas internacionais dominantes sobre a etnografia africana é mais visível. Dias refere-se repetidas vezes a Evans-Pritchard no prefácio ao primeiro volume, quando tenta, de um ponto de vista metodológico, explicar as razões que não lhe permitiram levar a cabo a aplicação do (para ele) novo método antropológico de trabalho de campo — fundamentalmente devido a impedimentos práticos. No entanto, de um ponto de vista analítico, a estrutura gigantesca da sua monografia deve mais a Lowie que a Evans-Pritchard (Dias e Dias, 1970 [Vol. III]: 404) e assemelha-se mais à anterior monografia de Junod sobre os Thonga que às dos contemporâneos que trabalhavam do outro lado da fronteira ocidental de Moçambique: por exemplo, Schism and Continuity (1957) de Victor W. Turner; ou The politics of Kinship (1964) de Jaap Van Velsen.

  • 30 Dias e Galhano, 1986 [1953]; Dias, Veiga de Oliveira e Galhano, 1959 e 1963; Veiga de Oliveira, 196 (...)

56Durante este período, os antigos colaboradores de Jorge Dias na recolha da etnografia portuguesa, continuaram a trabalhar afincadamente na perspectiva do culturalismo descritivo por ele advogado. Produziram-se, assim, numerosas obras do mais alto nível descritivo e técnico, essencialmente dedicadas ao tema das «tecnologias tradicionais»30. Dois trabalhos merecem uma menção especial pois correspondem a interesses mais contemporâneos: Festividades Cíclicas em Portugal de Ernesto Veiga de Oliveira, e Pitões das Júnias de Manuel Viegas Guerreiro (Veiga de Oliveira, 1983 e Viegas Guerreiro, 1981).

Ciclos de renovação científica — A antropologia contemporânea

57O quarto e o mais recente ciclo de renovação é aquele que foi levado a cabo pelos cientistas que acompanharam o final do regime ditatorial e a revolução de 1974. Com o passar dos anos, Jorge Dias dissociou-se progressivamente dos seus colegas mais conservadores do I.S.C.S.P.U. Não conseguira preparar jovens que incutissem uma nova vida às instituições que criara. Devido a um número de razões circunstanciais, após a sua morte, os seus antigos colaboradores no Museu de Etnologia também não abriram as portas aos jovens que, treinados no estrangeiro, regressavam a Portugal no período pós-revolucionário. O processo de criação dos três departamentos de antropologia de Lisboa foi, portanto, caracterizado por secessões sucessivas, e não por crescimento e renovação. Nos anos imediatamente após a revolução o I.S.C.S.P.U. foi palco de uma luta amarga entre os jovens académicos de esquerda e a ala conservadora dos ideólogos coloniais. Esta última terá eventualmente ganho, chefiada pelo antigo ministro do Ultramar, Adriano Moreira. Sob a liderança inicial de uma geógrafa, formou-se um segundo departamento de antropologia na Universidade Nova de Lisboa. Dissensões internas levaram, no entanto, a mais uma secessão. Em 1983, formou-se no I.S.C.T.E., um terceiro departamento, que integrou pessoas vindas da U.N.L. assim como um conjunto de académicos treinados no estrangeiro, chegados a Portugal na primeira metade dos anos 80.

58De um ponto de vista teórico, este quarto ciclo de renovação já fora iniciado antes da revolução, com o trabalho de antropólogos sociais e culturais que, estudando no estrangeiro, começavam a produzir um tipo de pesquisa antropológica radicalmente distinta da tradição etnológica. Assim, as preocupações descritivas e metodológicas desta última, que estavam profundamente associadas a um projecto nacionalista, deram lugar a outros tipos de antropologia, onde a ênfase mais forte era colocada na observação e interpretação sociológicas, na contextualização histórica e na análise simbólica. A anterior preocupação com a identidade nacional deu lugar a uma procura da diferença; a preocupação com o consenso comunitário, à procura do conflito; a preocupação com o posicionamento espacial à ênfase no posicionamento temporal. Nos comentários que se seguem, e tendo em vista os interesses que dominarão este livro, farei uma escolha bastante restritiva. Por um lado, referirei só obras de antropologia europeísta; por outro lado, limitar-me-ei às que se integram dentro das linhas de inovação que identifico.

59O primeiro sinal desta nova tendência terá sido a tese de doutoramento de Joyce Riegelhaupt apresentada em 1964 na Universidade da Columbia em Nova Iorque. Era um estudo sobre S. João das Lampas, uma pequena aldeia saloia, baseada num trabalho de campo extensivo, levado a cabo entre 1960 e 1962. Riegelhaupt foi encorajada a estudar Portugal por George Wagley e Marvin Harris e foi supervisionada por Conrad Arensberg. Na sua tese ela agradece ainda a ajuda de Ernestine Friedl e Sydel Silverman, que foram também pioneiras na antropologia cultural mediterrânica. «Usando a grelha teórica proposta por Robert Redfield para analisar a mudança (particularmente a difusão da urbanização) em comunidades periféricas», a autora propõe-se «analisar o papel desempenhado pelo centro urbano na implementação da mudança em S. João das Lampas» (Riegelhaupt, 1964: 3-4). A sua conclusão é oposta à de Redfield. Defende que a modernização não é uma função da distância mas, «no caso específico de S. João das Lampas, ela é o produto da crescente penetração das instituições formais, económicas, políticas e religiosas da nação na vida da comunidade» (Riegelhaupt, 1964: 240).

60Infelizmente, Riegelhaupt nunca publicou uma versão portuguesa da sua tese, o que reduziu largamente o impacto que certamente teria tido. Apesar disso, ela acabou por ser conhecida através de dois bons artigos, que publicou em revistas americanas sobre a posição da mulher camponesa e o papel dos padres em Portugal nessa época (Riegelhaupt, 1967 e 1973).

61Os trabalhos de Colette Cailler-Boisvert sobre o Soajo, aldeia serrana do Alto Minho, onde a emigração reduziu a população masculina ao mínimo, e sobre a família em Portugal, foram também precedentes importantes para as novas tendências da pesquisa antropológica (Cailler-Boisvert, 1966 e 1968). Tal como no caso de Riegelhaupt, estes ensaios nunca foram traduzidos para português e tiveram, a curto prazo, uma influência reduzida.

62Assim, a primeira monografia publicada sobre Portugal segundo os cânones da antropologia «moderna» (pós-Malinowski) foi A Portuguese Rural Society de José Cutileiro (1971 e 1977), um membro da brilhante geração de intelectuais portugueses que, no final dos anos 60, procuraram no estrangeiro uma atmosfera académica menos anacrónica, que lhes era negada em Portugal. Cutileiro escreveu a sua tese de doutoramento em Oxford sob a orientação de John Campbell, um pioneiro da antropologia social mediterrânica.

63A excelente monografia de Cutileiro sobre uma aldeia de montanha do Alentejo é indissociável das circunstâncias políticas e históricas em que foi escrita. É essencialmente um estudo sobre estratificação de classes, propriedade de terra, patrocinato e exploração, numa região agrícola onde a terra está concentrada, onde os trabalhadores rurais estão proletarizados e onde se desenvolvia rapidamente uma situação política tensa. De facto, três anos depois da publicação do seu livro, a revolução de Abril inaugurou um período de reforma agrária que teve profundos efeitos na sociedade rural alentejana. Em 1977, quando foi publicada a versão portuguesa, o autor acrescentou um posfácio onde questiona o valor da reforma agrária que se tinha levado a cabo entretanto.

64Cutileiro recusa a idealização utópica das comunidades rurais que caracterizava a visão das gerações antecedentes e que se tornara parte integrante da ideologia do regime ditatorial. Duas monografias publicadas nos meados da década de 80 respondem ao repto de Cutileiro. Brian Juan O’Neill escreve um estudo de uma pequena aldeia do Norte transmontano com a finalidade de desconstruir o mito da aldeia comunitária ou igualitária (O’Neill, 1983, 1984 e 1985). Eu próprio publiquei uma monografia de duas freguesias rurais do Alto Minho assumindo uma posição diversa (Pina Cabral, 1989, 1983 e 1987). Tentei demonstrar que a sociedade camponesa consegue, de facto, conciliar uma profunda experiência individual de comunidade e de comunhão de interesses com uma forte diferenciação social, cujos efeitos são, no entanto, marcantes, tanto ao nível da exploração económica como do poder informal.

65Um outro tema presente nas monografias etnográficas da última década tem uma longa história na antropologia portuguesa: a saber, o papel e o poder das mulheres na família. O antigo debate sobre o matriarcado do campesinato nortenho reaparece agora transformado numa preocupação com o papel da mulher na emigração, com a ilegitimidade e com o poder da mulher no lar. Vários estudiosos estrangeiros tinham já demonstrado interesse por estas temáticas nos anos 60: Willems, Cailler-Boisvert (1966 e 1968), Riegelhaupt (1967 e 1973). Contudo, a relação entre a ilegitimidade, os sistemas familiares e o poder doméstico feminino parece ser um interesse específico aos anos 80, presente nas obras de O’Neill, Pina Cabral, Brettell e outros.

66De um ponto de vista metodológico, a antropologia em Portugal nos anos 80 tem sido marcada por uma forte relação com a história social. Isto é verdade tanto no campo do estudo da família (vide Rowland, 1984 e João Arriscado Nunes, 1986) como em outras áreas — por exemplo, as monografias de Freitas Branco sobre instrumentos agrícolas na Madeira (Freitas Branco, 1987) ou de Fatela sobre a marginalidade e a violência em Portugal nos anos 30 e 40 (Fatela, 1985). A melhor afirmação teórica desta relação interdisciplinar é, sem dúvida, o ensaio de Robert Rowland Antropologia, História e Diferença (Rowland, 1987). A recolha de ensaios em homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira (Batista et al, 1990) é a melhor amostra das tendências que marcam a nossa disciplina neste final de século. Entre os autores incluídos, 34 são portugueses ou residentes em Portugal. Da natureza dos seus artigos podemos retirar algumas sugestões: para além de um número de artigos especificamente dedicados a Veiga de Oliveira, o corpo principal (16) insere-se dentro de temáticas características da antropologia sociocultural — de entre estes, o maior número demonstra um forte pendor para o estudo de fenómenos simbólicos; há uma quantidade considerável de autores (8) que, inserindo-se em outras tradições disciplinares, encontram na antropologia uma fonte privilegiada de inspiração; finalmente, e apesar de estas serem as áreas de estudo do homenageado, só quatro textos se debruçam sobre questões ligadas à cultura material, à museologia ou à etnomusicologia. A antropologia em Portugal hoje, parece evidente, está predominantemente inserida no campo teórico das ciências sociais. Dentro deste contexto, e salvaguardada a sua especificidade, ela demonstra ainda a vocação interdisciplinar que tem sido sempre uma característica sua.

Conclusão

67Deste balanço da antropologia em Portugal e dos seus antecedentes pode concluir-se que os anos 70 foram, de facto, um momento de viragem irreversível. A partir de então, as condições teóricas para o trabalho intelectual nesta grande área a que hoje chamamos antropologia mudaram radicalmente. Segundo creio, e em termos sumários, o cerne deste câmbio foi a substituição do projecto nacionalista pelo projecto sociológico. Isto é, desde a sua origem no movimento romântico do princípio do século passado até à obra de Jorge Dias e os seus colaboradores, o ímpeto teórico central subjacente ao esforço de recolha e estudo da sociedade e cultura populares foi sempre a busca de uma identidade nacional: a procura de uma autenticidade validificadora do «povo» identificado com o EstadoNação. Com as obras de Pitt-Rivers (1971) e Kenny (1961), em Espanha, e mais tarde em Portugal com Riegelhaupt e Cutileiro, inicia-se um novo percurso. A identidade nacional perde prioridade teórica, já que o que está em causa é o estudo de grupos sociais, da sua integração, da sua dinâmica e dos seus significados. Assim, o abandono da descrição disciplinar de «etnologia» por parte de Jorge Dias, reflecte já alguma percepção da natureza da alteração em causa.

68Os anos 80 viram o surgimento de toda uma geração de antropólogos que, fascinados pelas possibilidades que esta nova perspectiva abria, se entregaram a estudos monográficos aprofundados. Com o passar dos anos, porém, a necessidade de uma aproximação comparativa, que supere a mera acumulação de estudos de comunidade torna-se mais e mais urgente. Ora os termos dessa comparação já não podem ser os que guiavam a velha escola etnológica. Abandonada a noção de «povo», somos forçados a procurar os termos de comparação na diferenciação sociocultural que, no caso presente da Península Ibérica, não parece corresponder ao Estado-Nação. Somos assim levados a tentar estabelecer padrões de comparação regional (vide capítulos III e IV). Contudo, só o podemos fazer, depois de termos explorado um outro aspecto, sem o qual a antropologia que se pratica hoje em Portugal e na Europa não pode ser compreendida: a metodologia de trabalho de campo com observação participante.

69Permito-me chamar a atenção do leitor para o facto de que, enquanto o presente capítulo foi escrito do ponto de vista da antropologia em Portugal, os seguintes presumem uma visão regional mais alargada, tratando da antropologia sociocultural no contexto da Europa mediterrânica e atlântica. Tal prática é consistente com a opinião já aqui expressa que o trabalho científico não pode subordinar-se a parâmetros nacionais.

Notes

1 A Escola Superior Colonial, fundada na fase de implantação do regime ditatorial, em 1926, foi redenominada, nos anos 50, Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina. Depois da Revolução de 1974 retirou-se do nome a referência às colónias, ver Moutinho, 1982: 12-ff.

2 Vasconcelos, 1933, p. 2, uma definição que ainda, em 1941, era considerada adequada por Orlando Ribeiro (p. 31).

3 Cf. o artigo de Rocha Peixoto sobre «A casa portuguesa» (Peixoto, 1967-1975, Vol. 1 p. 161). Viegas Guerreiro, na sua introdução a Leite de Vasconcelos, 1986, p. 23.

4 Para a noção de «primitivo» usada no contexto da etnografia portuguesa veja-se, por exemplo, Jorge Dias et al, 1959 e 1963, ou Ernesto Veiga de Oliveira et al 1969. Veja-se também Pina Cabral, 1989, Epílogo.

5 Curiosa manipulação temporal: o popular de hoje é rejeitado como «má cultura»; o popular de ontem é co-optado como «tradicional» (cf. Pina Cabral, 1983). Concomitantemente, devido à influência dos estratos sociais culturalmente hegemónicos, as práticas que são, agora, consideradas actuais tornar-se-ão, eventualmente, «populares». O próprio Leite de Vasconcelos demonstra uma percepção deste processo quando afirma que «muitas outras coisas e ideias que são hoje consideradas como pertencentes à civilização, pois foram introduzidas por ela, tornar-se-ão “etnográficas”» (Vasconcelos, 1933: 4).

6 Cf. para o caso português, Maria de Lourdes Lima dos Santos, 1983, p. 8.

7 Vejam-se, por exemplo, os largamente discutidos artigos de Miguel Esteves Cardoso para o Expresso, tal como a sua campanha, brilhante mas sem sucesso, para o Parlamento Europeu em 1987.

8 Cf. Leal in Braga, 1987: 13.

9 E.g. o relato das explorações africanas de Serpa Pinto (Pinto n.d. [1881]).

10 E.g. o belíssimo estudo de Lopes Mendes (1886) sobre as possessões portuguesas na Índia, ou o estudo de Manuel Ferreira Ribeiro sobre S. Tomé e Príncipe (1877).

11 Junod, 1962 [1927]. Uma versão anterior foi publicada em francês, em 1898; a edição inglesa saiu em 1912, e uma outra mais alargada em 1926. A versão portuguesa só foi publicada em 1944.

12 E.g. Neves e Mello, 1872, Leite de Vasconcelos, 1890, Fernandes Thomaz, 1896, António Thomaz Pires, 1891 e 1902-10, Athayde de Oliveira, 1905, Adolfo Coelho, 1985 [1879] e 1883, Consiglieri Pedroso, 1882, Viegas Guerreiro, 1978.

13 Leite de Vasconcelos, 1933-1985. Vol. I, 1933; Vol. II, 1936; Vol. III, 1941; Vol. IV, 1958; Vol. V, 1967; Vol. VI, 1975; Vol. VII, 1980; Vol. VIII, 1982 e Vol. IX, 1985.

14 Veja-de o prefácio de Flávio Gonçalves a Rocha Peixoto 1967-75, Vol. I.

15 Alves, 1908-1946, vol. IX (1934, o texto foi originalmente publicado en Ilustração Transmontana em 1910) e Dias, 1981 [1953].

16 Peixoto 1967-1971, Vol. I. Os seguintes trabalhos deste período, e que foram agora reeditados, também merecem referência: Pinto de Carvalho (1983 [1903]) sobre a história do fado e Silva Picão, 1983 [1903]) sobre a vida e os costumes do Alentejo rural.

17 Considera Jorge Dias uma excepção (Sá, 1978, pp. 11-12).

18 Sejam quais forem as suas limitações, a obra dos discípulos de Leplaz em Portugal, e nomeadamente Paul Descamps merece ser relida (cf. Medeiros 1987). Esta escola teve, porém, pouca influência na nossa obra de estudo.

19 Alves, 1908-1948, Vols. IX (1934), X (1938) e XI (1948).

20 E.g. Douro Litoral e mais tarde a Revista de Etnografia.

21 E.g. Congresso de Etnografia e Folklore, Braga 1963, Congresso Internacional de Etnografia de St. Tirso, 1963 ou Colóquio de Estudos Etnográficos «Dr. José Leite de Vasconcelos», Porto, 1958.

22 O Museu Etnológico de Leite de Vasconcelos, o Museu de Antropologia em Coimbra, o Museu de Etnologia de Jorge Dias, o Museu de Etnografia e História da Província do Douro Litoral, o Museu Regional de Cerâmica de Barcelos, para referir apenas alguns.

23 E.g. Carlos Valle, 1973-1982.

24 Para um exemplo do que não deve ser feito, Teresa Joaquim, 1983.

25 Veja-se a pitoresca descrição que Oliveira faz do impacto que esta descoberta teve no encontro da Comissão Internacional para a Arte e Tradição Populares em Paris em 1947 (in Dias, 1982, pp. 7-10).

26 Para uma explicação sintomática deste tipo de colaboração entre a arte e a antropologia, veja-se Mendes Corrêa (1925).

27 Cf. Jorge Dias, 1957, 1961a, 1961b, 1964, 1965, 1970. Jorge e Margot Dias, 1964, 1970. Margot Dias, 1960, 1962a, 1962b, 1965, 1973. Viegas Guerreiro, 1958, 1960, 1962, 1963, 1966, 1974.

28 Estes relatórios não estão à disposição do público em geral. O meu parco conhecimento deles é baseado no valioso estudo de Rui Pereira. Para um relato talvez excessivamente crítico do envolvimento de Jorge Dias com o regime colonial, veja-se Moutinho, 1982.

29 Tal como ele próprio defende, em relação ao racismo sul-africano, tais atitudes tendem a virar-se rapidamente contra os Portugueses (cit. in Pereira; 1980: 171).

30 Dias e Galhano, 1986 [1953]; Dias, Veiga de Oliveira e Galhano, 1959 e 1963; Veiga de Oliveira, 1965; Veiga de Oliveira, Galhano e Benjamim Enes Pereira, 1965, 1969, 1975, 1978 e 1983; Galhano, 1985.

© Etnográfica Press, 1991

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr