Version classiqueVersion mobile

O Sítio das Drogas

 | 
Luís Fernandes

Parte II: Das práticas sociais

Capítulo 3: Atores e territórios psicotrópicos

Texte intégral

1Este capítulo é composto pela monografia relativa ao estudo intensivo. Na primeira parte fala dos bairros “das drogas” e na segunda das drogas nos bairros; o alvo da atenção é, pois, inicialmente, a vida diária de bairros habitualmente vistos como zonas degradadas e como zonas de drogas, para em seguida se centrar na vida diária dos atores e das atividades em torno dos psicoativos.

2Com todas as questões metodológicas já tratadas em capítulos anteriores, aqui dedica-se apenas atenção ao que os dados empíricos autorizam a dizer acerca do objeto que nos ocupa.

3As várias notas de rodapé que surgem ao longo do texto são, geralmente, destinadas a assinalar alguma relação que nos pareça importante sublinhar na altura entre o nosso material empírico e outras investigações ou produções teóricas. Não o fazemos em rodapé porque achemos este exercício coisa secundária, mas para seguirmos a tradição do texto monográfico das etnografias: um relato discursivo em profundidade dos dados empíricos recolhidos pelo etnógrafo.

Os bairros “das drogas”: características ecossociais da Pasteleira

4Desenvolveremos esta secção a partir de um tipo específico de notas de terreno: as que registavam aspetos físico e socioambientais das zonas em estudo, colhidos no contacto direto ao longo do trabalho de campo. A acumulação deste tipo de notas foi revelando regularidades ambientais e foi-nos sugerindo por vezes possibilidades comparativas: dos bairros entre si e destes com outros tipos de habitats urbanos.

5Procedendo a uma análise temática destes registos damo-nos conta de que, no fluxo aparentemente compacto das notas, se vão desenhando claramente alguns temas: a comparação entre bairros acerca de características físicas e dos cenários de rua; a dicotomia bairro marginal-cidade normativa; o bairro social como lugar onde a cidade se interrompe; o público e o privado no espaço dos bairros; a polivalência funcional dos espaços; habitar em altura: o bloco do bairro social e o prédio destinado à classe média.

Os bairros não são todos iguais

6Embora os especialistas em habitat urbano façam distinções entre vários tipos de bairros sociais e evitem a identificação entre estes e áreas habitacionais degradadas, é inequívoco o poder redutor da etiqueta “bairro social”: designaria uma entidade sócio­territorial mais ou menos semelhante em todos os grandes aglomerados.

  • 1 Mostrámos por diversas vezes fotografias do Aleixo a indivíduos não residentes em bairros e normalm (...)

7Quando viemos para a zona da Pasteleira sabíamos já da necessidade de resistir à realidade a priori instaurada pela etiqueta. Déramo-nos por diversas vezes conta de que os portuenses exteriores à zona falavam dos “bairros da Pasteleira” como de um conjunto homogéneo. É como se um bairro não passasse de um bairro, quer dizer, fosse sempre semelhante a outro bairro – o nome bastaria para explicar a coisa. Mesmo se nomeássemos o, na altura, mediático Aleixo, associavam-no facilmente às drogas mas não lhe conheciam nenhuma outra particularidade específica.1

8Ora, precisamente uma das primeiras constatações no terreno é a de que os habitantes dos vários bairros da Pasteleira diferenciam-nos claramente entre si; e microespacializam ainda mais finamente a sua experiência do habitat, pois no seu bairro nem todas as partes são equivalentes – por muito idênticas que pareçam ao forasteiro. Entre os residentes, o Aleixo reúne consenso: tratar-se-ia de um mau lugar para estar, concentrando delinquentes e mantendo um clima social de rua tenso, que faria dele um sítio a evitar.

9“Só lá há índios”, dizia-nos um adolescente do bairro da Pasteleira, sintetizando nesta frase uma série de qualificativos que fomos recolhendo de vários atores sociais.

A etiqueta “bairro social” corresponde, na realidade, a espaços habitacionais muito distintos entre si

A etiqueta “bairro social” corresponde, na realidade, a espaços habitacionais muito distintos entre si

10O evoluir da nossa experiência no terreno foi-nos impondo, de facto, diferenças importantes por sob a aparência primeira de homogeneidade dos diferentes bairros. Daremos alguns exemplos, tomando como elementos comparativos o Aleixo e o Pinheiro Torres. São ambos bairros conotados com drogas, como confirmámos quer pela análise da imprensa, quer pelos processos judiciais de técnicos de reinserção social, quer pelos testemunhos que fomos recolhendo; e são ambos construídos nos anos 70. O Aleixo é constituído por torres de treze andares; o Pinheiro Torres é constituído por blocos em barra de quatro andares; ambos são facilmente delimitáveis mesmo por um estranho, mas o interior do Aleixo resulta praticamente impossível de avistar de fora. O contraste entre a sua volumetria gigantesca e as casas baixas que o rodeiam é um traço visual marcante.

“Noto como o volume, a massa impressionante das torres vistas ao perto, cerca o espaço, para lá do qual, num pano de fundo de ruídos longe fica a cidade. E noto também como o que rodeia o Aleixo é terreno intersticial – espaços ocos, sem atribuição funcional, deixados ao abandono. A norte, fábricas desativadas ou com aspeto degradado” [Notas de terreno, 18 de fevereiro de 1993].

11Este contraste é muito mais esbatido no Pinheiro Torres, que se constitui como um território menos fechado, com várias entradas (o Aleixo só tem duas) e com uma interface com três fábricas em plena laboração, que lhe abrem a fronteira sul a um movimento fabril. Primeira consequência: o Aleixo tem tendência a aparecer como um território isolado, um sítio à parte; o forasteiro percebe claramente o momento em que franqueia um limiar físico que lhe abre o espaço para dentro de um território muito específico. Esta sensação de território onde se desenvolveria um mundo social muito próprio é reforçada pela atividade de rua. Gente a pé, sobretudo jovens, cruza o bairro para cima e para baixo. Aos fins-de-semana e nos dias de sol esta atividade aumenta; há grupos de mulheres encostadas aos muros, crianças a brincar, e pequenos grupos de indivíduos nas transações em torno das drogas. Estas concentrações do deal são frequentes à entrada, sobretudo, de uma das torres – “ali é a secção poeira”, na expressão eloquente dum junkie do bairro. Os contactos nestas entradas desmultiplicam-se; o forasteiro é sempre observado e às vezes interpelado para a compra de drogas. As entradas de algumas das torres perdem o seu carácter de espaço semipúblico ou lugar de transição (entre o público e o privado) e são apropriadas por atores de atividades desviantes – convertem-se em espaços marginais.

12O Pinheiro Torres, pelo contrário, não provoca um corte tão acentuado com a organização espacial envolvente, dá a impressão de um sítio recolhido sobre si próprio, centrado sobre a sua vida privada, a rua não é nele local de interação tão densa nem se apercebe venda pública de drogas como no Aleixo.

  • 2 Tomamos aqui o termo conveniência de Mayol, citado por Prost (1991): o conjunto das regras que rege (...)

“Ao longo do dia há um fluir de gente que não dá a sensação senão de residentes em atividades ordinárias. São rotas pedestres de conveniências;2 por exemplo, a mercearia é um atrator pedestre feminino” [Notas de terreno, 18 de fevereiro de 1993].

13Diríamos, utilizando uma expressão de Michel de Certeau (1980), que as retóricas pedestres são muito diferentes no Pinheiro Torres e no Aleixo: no primeiro predominam as de conveniência, no segundo as desviantes (a “movida” junkie).

  • 3 “Costumava queixar-se amargamente o vereador da habitação da CMP […]. Em 1993 contou que no bairro (...)

14Por outro lado, a muito melhor conservação física tanto dos blocos como dos espaços semipúblicos e públicos, os traços naturais (árvores, relva, sebes e vedações vegetais), um fontanário e uma capela contribuem para criar a impressão de um habitat que não está em descontinuidade profunda com a experiência corrente do espaço. Os sinais bem visíveis de degradação física das torres e das zonas públicas, e mesmo de vandalização,3 criam nas primeiras vezes que se entra no Aleixo a ideia de um sítio de facto em descontinuidade com a cidade – é enclave urbano onde as regras coletivas parecem ter pouco poder.

15Se refinarmos a observação para uma escala mais proximal, verificamos facilmente que o Pinheiro Torres tem muito mais marcadores físicos e simbólicos de pertença territorial do que o Aleixo: há maior personalização dos espaços semipúblicos (extensões ajardinadas em frente à entrada dos blocos, vedações de sebe, vasos, lampiões, objetos pessoais…).

16Em síntese, temos dois bairros vizinhos, edificados com seis anos de intervalo entre si e que no entanto apresentam diferenças marcadas: um é enclave urbano degradado fisicamente, com as atividades do mercado de drogas a organizarem grande parte da interação do espaço de rua; o outro, embora mais antigo, está mais bem conservado, tem muito poucos sinais de vandalização de espaços e equipamentos, é mais centrado na vida doméstica, tem um quase nulo deal de rua e parece ser muito mais apropriado pelos seus moradores (presença de marcadores territoriais, signos de conservação física…). Estes dados obrigam pelo menos a problematizar a dicotomia redutora cidade desviante-cidade normativa, que faria dos bairros os grandes agentes da primeira. E confirmam o estereótipo socioespacial negativo sobre o Aleixo – esta imagem desvalorizada é de resto referida nos discursos dos moradores dos próprios bairros sociais vizinhos: “o Aleixo é que é mau”, estabelecendo assim nitidamente uma hierarquia na qualidade de vida entre os diferentes bairros da zona.

Evitamento experiencial e redução cognitiva

“Estigma é a situação do indivíduo não habilitado para uma plena aceitação social.”
Erving Goffman (1986))

17A noção de espaço marginal convoca uma outra – a de estigma. “Tudo se passa como se a característica de um espaço como espaço marginal servisse socialmente de equivalente a um espaço topologicamente periférico, estigmatizado socialmente como espaço de rejeição” (Fischer 1994). Shields (1991) chama a atenção para o carácter ambíguo destes espaços, ao mesmo tempo alvo de rejeição e de nostalgia e fascinação. Refere que o seu estatuto marginal pode advir da localização geográfica out-of-the-way, do facto de serem sítios de atividades ilícitas ou desvalorizadas socialmente, da circunstância de serem o Outro polo (maiúscula do autor) de um importante centro cultural. A periferia não é necessariamente topográfica – há uma periferia social, na expressão de Shields. “Os espaços marginais não estão necessariamente em periferias geográficas, mas primeiro e acima de tudo têm sido colocados na periferia de sistemas culturais de espaço, nos quais os lugares são ordenados uns em relação aos outros. Todos eles carregam a imagem e o estigma da sua marginalidade, que se torna indistinguível de qualquer identidade básica que alguma vez possam ter tido.”

18A manutenção deste estigma alimenta-se sem dúvida do facto de “os bairros serem todos iguais”. Por um processo idêntico ao que Goffman (1986) descreveu para a etiquetagem de indivíduos, procede-se assim também à etiquetagem de espaços, que passam a ser recorrentemente sublinhados como lugares de marginalidade. A própria etiqueta de “espaço perigoso” é mantida graças a um duplo processo, de acordo com a constatação que fizemos ao longo da nossa experiência de terreno. Chamamos aos seus dois constituintes “redução cognitiva” e “evitamento experiencial”. Pelo primeiro, cujo agente laborioso é o rumor e veículo fundamental os media, os indivíduos identificam os lugares inseguros e as atividades desviantes através dos estereótipos circulantes – procedem a uma redução cognitiva. Ora, o que permite que esta não seja confrontada com uma realidade que eventualmente a contradiga é precisamente o evitamento experiencial: o cidadão normativo evita os “lugares perigosos”. Sabe-os diferidamente (pela notícia), alucina-os (pela imagem televisiva), mas raramente os pisa. De resto, a própria topografia da cidade facilita o evitamento experiencial: os bairros sociais não levam a lugar nenhum, não é preciso lá ir ou passar por lá para os serviços normais que uma cidade oferece. Os bairros sociais ou se habitam ou se evitam. Constituem enclaves, áreas delimitadas, na melhor das hipóteses situam-se ao lado de um eixo viário importante, constituindo um cenário fugaz a 120 km/hora.

  • 4 Sobre a relação que esta etiqueta tem com a autoimagem e a identidade dos habitantes destes espaços (...)

19Esta dupla redução, cognitiva e experiencial, alimenta representações sociais simplistas e estereotipadas em torno de realidades ameaçadoras. Eis a base do imaginário de insegurança, tema atualmente alvo de grande atenção científica; eis a base dos territórios do medo: tal como os indivíduos que julgamos serem a causa da delinquência e aos quais aplicamos uma etiqueta, também alguns espaços são alvo de etiquetagem. Trata-se, pois, de um processo de construção de estereótipos socioterritoriais cujo efeito é homogeneizar os indivíduos de uma mesma zona “mal-afamada”, considerando-os a todos “problemáticos” e dirigindo-lhes indiscriminadamente a mesma reação social.4

20Seriam os concentradores, num mosaico urbano descontínuo e heterogéneo, da ideia comum de “espaços perigosos” – funcionariam como os territórios que acossam a cidade normativa. Delarue (1991) sintetiza bem este processo a propósito de estudos conduzidos em cités francesas: “Uma imagem desvalorizada que vem menos do bairro em si que da marca que se lhe coloca. Pela assimilação que é feita entre o bairro e os seus habitantes, habitar lá não é – longe disso – ser delinquente; mas é carregar consigo a imagem da delinquência. O desejo de escapar a este estigma social é, para algumas famílias ao menos, uma luta suplementar […].”

21Outro fenómeno que a etiqueta “espaços perigosos” produz reflete-se na própria população que, por extensão, é alvo do rótulo: acaba por se desenvolver a crença na pouca viabilidade do destino coletivo do bairro, da sua infestação por indivíduos marginais (que “vêm de fora” no discurso dos residentes). No limite, é a autoestima de uma coletividade que é afetada ao ser posta sob mira. Este mecanismo acentua a eventual exclusão social que já exista. O estigma aplica-se aqui, não ao eu, não a indivíduos, mas a populações e seus habitats. Lagrange e Zauberman (1991) traduzem bem isto: “O sentimento de insegurança tem por efeito produzir etiquetagens. Neste sentido, contribui para apontar certas categorias de população como suspeitas de serem autoras de atos de delinquência”. Esta identificação estereotipada dos transgressores tem um papel simbólico importante na manutenção da normatividade do tecido social: “A marginalidade é a colocação sob o olhar social de uma parte da população” (Yves Barel, citado por A. Vant 1986).

22O quadro que acabámos de traçar faz parte de uma certa realidade eco-social dos bairros, se adotarmos o princípio interacionista que Fischer (1994) enunciou bem: “A realidade social é o que as pessoas pensam dela, como a designam, e pouco importa a conformidade com os cânones de uma definição – aliás, é precisamente aí que reside o seu interesse psicossocial.”

23Esta realidade psicossocial, a que os situa como lugares do estigma e cenários privilegiados de exclusão social e que vimos confirmada pelos nossos dados empíricos, corresponde de algum modo a um ponto de vista exteriorista – ainda que captável também nos seus habitantes. E também a este respeito haverá que reiterar que os bairros não são todos iguais.

24A obtenção de dados a partir de uma escala mais proximal e quotidiana forja outra leitura, permitindo perceber uma outra realidade eco-social. A atenção ao microacontecimento, as microapropriações, que são aquilo que escapa à observação própria às instâncias do controlo social (Fischer 1994), a atenção a factos como as retóricas pedestres (Certeau 1980) ou os acontecimentos sonoros, permitem, de facto, destacar um outro bairro por sob aquele que serve a iconografia dos media: trata-se do bairro de quem lá está permanentemente, não do de quem lá vai fugazmente.

25Os bairros podem ter “um impacto visual massivo”, ser “uma ilustração infeliz da cidade que não conseguimos dissimular” (Delarue 1991). Mas no seu interior desenham-se territórios vários, apropriações múltiplas, tramas interativas densas. São sem dúvida um horizonte permanente das grandes cidades; fazem parte da sua especialização funcional – mas são também os lugares onde ela se interrompe. Debrucemo-nos, pois, sobre os dados que nos falam dos microacontecimentos.

Os lugares onde a cidade se interrompe

26Os bairros sociais são lugares onde a cidade urbano-industrial se interrompe são os sítios onde a urbe cosmopolita cede lugar a uma outra figura. São, com frequência, vistos como espaços de marginalidade. Mas é necessário que problematizemos a expressão “espaço marginal”, de modo a precisar-lhe um significado que a afaste da aceção do senso comum.

27Podemos opor espaço marginal a espaço central: um é valorizado socialmente (e mesmo administrativamente), o outro é desvalorizado. De acordo com Fischer (1994) o espaço marginal situa-se na franja de um sistema social, tanto do ponto de vista topológico como comportamental: simultaneamente afastado (das áreas valorizadas) e desviante (em relação aos comportamentos normativos). Esta caracterização está próxima daquilo a que Goffman (1974) chamou “bastidores”, a propósito dos lugares afastados do espaço consagrado à encenação propriamente dita; sítios escondidos, labirínticos, eles oferecem um território de refúgio que possibilita a capacidade de se isolar e agir ao abrigo de olhares indiscretos.

28“Globalmente, podemos concluir que um espaço marginal corresponde a um espaço retirado, ou seja, afastado de uma zona de visibilidade e de transparência” (Fischer 1994). Nas nossas notas de campo tínhamos utilizado já a expressão “traseiras da cidade” neste sentido. Escrevíamos então:

“São zonas de pouca visibilidade a partir da urbe dominante, a das ruas da Baixa e dos eixos comerciais. Situam-se, frequentemente mesmo por trás destes lugares de grande atividade, escondendo-se para lá das esquinas que conduzem a aberturas amplas para outra cidade. Quarteirões, ilhas e bairros inteiros organizam-se, assim, nas traseiras da cidade dominante. Em poucos metros, dobrando-se sobre si própria, a topografia da urbe transforma-se repentinamente.”

29Voltaremos a esta questão dos espaços marginais ao longo do texto. Quando, ao falar das drogas, as situamos em espaços marginais e lhes chamamos territórios psicotrópicos, fazemo-lo no sentido que acabamos de ver e não no sentido reducionista do senso comum (e mesmo das instâncias de controlo). Em todo o caso, o bairro social é um intrincado de espaços marginais e normativos, um xadrez de recantos e de sítios expostos, um cenário de desviâncias e de conveniências. Interrompe a cidade aos níveis físico-ambiental e funcional e das práticas de sociabilidade.

30Físico-ambiental: espacialmente, os bairros sociais em que investigámos constituem unidades próprias, que, como já vimos, não é preciso atravessar quando nos deslocamos na cidade. Os restantes habitantes desta não precisam de lá passar, vislumbram-nos só de longe. Delarue (1991) talvez tenha razão quando nos diz que quem aí não reside tem sobre eles “um olhar forçado. Quaisquer que sejam as suas dimensões, torres e barras estão fora de proporção com o construído da cidade”.

31É também um espaço que interrompe a nossa experiência acústica na cidade. Há poucos transeuntes e pouco tráfego automóvel, que é o principal signo urbano. Isto provoca efeitos sensoriais próprios: quando entramos num bairro destes não são só a configuração do espaço e a tipologia das casas que nos fazem saber que estamos num território próprio; é também o espaço sonoro, feito de um estranho silêncio do lugar onde os carros se calaram e de vozes humanas que se distinguem nitidamente. Ouvem-se cães e pássaros – é impossível não invocar a aldeia. Rádios a tocar nos blocos de habitação, gritos de crianças a brincar – ao fundo, muito ténue, o ruído da cidade. O barulho maquínico desta é aqui substituído por uma sonoridade própria do mundo humano. A sensação, de início é a de estarmos num lugar que fugiu à pressa urbana e onde se pode caminhar pelo meio da rua. Um bairro é um acontecimento sonoro específico.

32Encontramos em A. Prost (1991) bem descrita a sensação que tínhamos à medida que nos íamos sentindo um habitante local e que íamos reforçando a evidência de uma especificidade físico-ambiental: “Para aquele que o habita, o bairro define-se subjetivamente pelo conjunto de itinerários percorridos a partir de casa. Percorridos a pé, entenda-se, já que a área do bairro é a do caminhar, enquanto o espaço da aglomeração é o dos meios de transporte” – um bairro é, também, um acontecimento pedestre. “O espaço concreto do bairro ou da aldeia é um espaço aberto a todos, regido por regras coletivas, mas que em sentido ótico tem por sede um lugar fechado, uma casa nossa. E um de fora definido a partir de um de dentro, um público de que o centro é um privado.”

33Funcional e das práticas de sociabilidade: a vida quotidiana de alguns dos bairros que estudámos interrompe uma certa ideia pessimista da cidade que tem origem nos trabalhos de Louis Wirth (distância social, insensibilização, indiferença, anonimato, quebra das solidariedades, enfraquecimento do controlo social informal…). Verifica-se, de certo modo, a restauração do comunitário a dois níveis: a) forte identidade de lugar; b) trama significativa e densa de relações sociais, muitas vezes familiares. O dealer, figura típica da galeria dos delinquentes urbanos, é aqui (se for do bairro) recolocado no seu estatuto de cidadão normal: a despeito de vender drogas mais ou menos veladamente “é bom rapaz”, é um vizinho e um amigo. Quando é visto negativamente pela vizinhança, isso acontece por ser qualificado como “mau vizinho” – coisa que se deve mais aos traços de carácter do que à condição de dealer, podendo esta, neste caso, servir para reforçar a opinião negativa.

34O mais frequente é ser um conviva nas muitas horas “em que não há nada para fazer” – é que, contrariamente ao que acontece no ritmo citadino, o tempo sobra – e desempregados, velhos, e mesmo quem trabalha durante o dia, “estão por ali”, dada a pouca variedade de lazeres e o hábito de utilização da rua ou do largo como espaço convivial.

35Finalmente, refira-se a frequência com que a utilização dos espaços público e privado é aqui invertida, interrompendo as relações público-privado típicas do cidadão-médio urbano. Com efeito, há a marcação (com vedações, com cobertos, com vasos…) e a funcionalização para fins privados de espaços públicos, ocorrendo em simultâneo a comunalização de espaços privados (por exemplo ter a porta aberta permanentemente). A interação do indivíduo com o seu território envolvente, bem como as possibilidades de contacto social, estão assim potenciadas. “O bairro é um espaço de conhecimento mútuo […] nos bairros populares toda a gente se conhece. A vida privada não pode permanecer totalmente secreta” (Prost 1991). O típico prédio de apartamentos onde ninguém se conhece e com as áreas comuns a gerarem interações inevitáveis e desejavelmente breves aqui não existe. A rede de vizinhança funciona ativamente, mesmo quando através da tensão e do conflito.

36Se as cidades são, como se diz, os sítios onde se fica só no meio da multidão, nos bairros que estudámos torna-se difícil estar só e a multidão é uma coisa longe, na cidade ao fundo.

37Dedicaremos atenção em seguida às funções sociais dos vários lugares que compõem o espaço do bairro. Podemos nós destacar as práticas de sociabilidade a partir das relações das pessoas com eles? Cruzaremos aqui temas que já fomos aflorando atrás: o da apropriação, o das delimitações entre o público e o privado, o da polivalência funcional dos espaços… Estas notas sobre a vida ordinária do bairro permitir-nos-ão, adiante, enquadrar de um modo mais holístico as atividades desviantes, os espaços marginais e, finalmente, os atores das drogas.

Espaços sociais paralelos

“Nas extensões contíguas às portas dos apartamentos do rés-do-chão, há uma série de estruturas acrescentadas pelos moradores: galinheiros, pequenas casotas de arrumos, feitas em materiais vários, com coberturas de plástico. Há uma profusa variedade e densidade de objetos aí, que testemunham uma apropriação do espaço típica do bairro: a extensão do espaço doméstico ao espaço público da rua. O público é como que privatizado. A própria forma como alguém de fora se sente aqui alheio e observado não é indissociável desta apropriação privada do espaço público.” [Notas de terreno, 27 de dezembro de 1992]

  • 5 Cf., por exemplo, Rodrigues (1985), para uma síntese da constituição histórica das categorias de pr (...)

38A divisão crescente entre o público e o privado enquanto esferas reguladoras de papéis e de momentos diferenciados é, sabemo-lo, uma característica da modernidade.5 As cidades foram, precisamente, o palco privilegiado desta divisão; a cidade moderna é o lugar da especialização funcional e um dos seus vetores é a delimitação entre o público e o privado. Prost (1991) salienta que “a oposição entre um chez-soi inteiramente privado e um dehors inteiramente público é uma maneira de apreender o espaço social própria da burguesia”. Antes mesmo de estarmos certos desta evolução histórica, escrevíamos o seguinte, nas notas de terreno:

“O espaço público prolonga sem transição o espaço doméstico. Penso para mim, e pelo que já conheço tanto dos interiores como da sobrelotação das casas, que a melhor solução para ter espaço pessoal é capaz realmente de ser sair de casa. Aqui, na rua conquista-se, paradoxalmente, a privacidade, a soberania de ter um espaço seu. Esta deve ser uma das razões do valor da rua nos bairros, logo do encontro; logo de uma socialização muito específica que aqui se gera, onde a relação face-a-face ainda é quotidiana e intensa e se pode falar em vizinhança no sentido real do termo. A vizinhança aqui não é mera proximidade física, como nas zonas urbanas da média burguesia que habitam em altura (porque nas que vivem em vivenda é um pouco diferente…), mas proximidade social, encontro, saudação, mandar umas "piadas", todos os dias as mesmas… Esta socialidade específica do bairro urbano acaba, parece-me, por ser próxima da da aldeia.” [Notas de terreno, 21 de janeiro de 1993]

  • 6 De resto, a própria dicotomia rural/urbano encontra-se hoje submetida a crítica – cf. o artigo de s (...)

39Esta aproximação dos lugares de habitação social à aldeia não é invulgar nos autores que têm estudado este tipo de espaços urbanos.6 Encontramos, assim, forte apoio as nossas constatações, bem traduzido na seguinte passagem de A. Prost (1991): “Para o povo francês, como para os napolitanos descritos por Sartre […] a oposição [público-privado] não é tão nítida. O espaço do bairro distingue-se bem do espaço privado, mas não lhe está vedado. Bem pelo contrário, forma à volta dele como que uma zona protetora. A conveniência permite que o bairro continue a ser um espaço aberto, público, e que, no entanto, a vida privada de cada um encontre nele um prolongamento, um eco, um apoio, por vezes também uma censura. O bairro, ou a aldeia, asseguravam uma transição complexa entre o público e o privado.”

40Num dos bairros – o da Pasteleira, aquele que tomou o nome da zona e onde mais tempo passámos – é a própria configuração dos blocos habitacionais que promove uma relação intrincada entre a vida privada e a pública. Com efeito, ao nível de cada andar há uma passerelle para a qual abrem todos os apartamentos; esta passerelle funciona como varanda sobre o espaço público em frente. Para além da constante visibilidade deste espaço a partir da habitação de cada um, permite ainda falar para a rua sem ter de lá ir – o que acontece com grande frequência, dando um fundo de vozes humanas ao ambiente. É este um excelente exemplo do contrário de um bloco de habitação sociófugo, isto é, um edifício que dificulta as interações sociais entre os residentes (Osmond, citado por Sangrador, 1986).

41Num destes blocos uma das habitações funciona como posto de venda de cervejas, batatas fritas, etc. Bate-se à porta, entrega-se o dinheiro e fica-se ali, por vezes, na passerelle, encostado a beber – é, à noite, um dos “poisos” conviviais do bairro; vai-se saudando quem passa na rua e é fácil testemunhar a grande relação face a face existente aqui. As janelas das habitações que dão para a passerelle não podem evitar comunicar com o café assim improvisado; os parapeitos são as mesas para pousar as cervejas; quando algum morador sai ou entra em casa não o pode fazer senão pelo meio do “café”…

Bairro da Pasteleira. "Passerelle” de ligação entre dois blocos habitacionais através de varandas comuns

Bairro da Pasteleira. "Passerelle” de ligação entre dois blocos habitacionais através de varandas comuns

Nos blocos de habitação social são múltiplas as marcas da vida privada no espaço público

Nos blocos de habitação social são múltiplas as marcas da vida privada no espaço público

42Este exemplo testemunha ainda da polivalência funcional dos espaços: a habitação é também estabelecimento comercial; a área de condomínio é também, chamemos-lhe, um café; em frente, há roupa a secar – nos bairros há sempre roupa a secar, mesmo quando chove intensamente…, cães deitados, crianças a brincar e, permanentemente, pessoas nas suas rotas pedestres. Acrescentemos, finalmente, que um forasteiro não descobrirá com facilidade aquele “café”: faz parte de um certo de dentro da vida social do bairro – tal como, veremos mais tarde, o consumo de drogas.

43O bairro social obriga a reproblematizar, portanto, as relações entre o público e o privado. A compreensão sobre o fenómeno droga nestes espaços poderá ganhar, assim, outros contornos; de facto, aquilo que deveria ser inteiramente privado, pela sua condição criminalizada e pelo seu estatuto de tabu, conquista aqui lugar no espaço público – ou seja, instala-se nele através das condições criadas pela relação não-convencional entre o privado e o público.

  • 7 Inversamente, poderíamos ver nos dados brutos a corroboração empírica de teses teóricas; mas, na re (...)

44Recorreremos a partir de agora aos conceitos de habitus e de apropriação como instrumentos que permitem problematizar os dados brutos,7 na tarefa de continuar a esclarecer a função social dos lugares. Se o conceito de apropriação é mais intuitivo – diríamos mais facilmente apropriável pela nossa experiência cognitiva – já o de habitus obriga a alguns esclarecimentos. Bourdieu vai-se referindo ao conceito várias vezes ao longo do tempo. Tomemos dois desses momentos, respetivamente, Esquisse d’une Théorie de la Pratique (1972) e Le Pouvoir Symbolique (1989). No primeiro, diz do habitus ser “um sistema de disposições duráveis e transponíveis que, integrando todas as experiências passadas, funciona em cada momento como uma matriz de perceções, de apreciações e de ações, e torna possível a realização de tarefas infinitamente diferenciadas, graças a transferências analógicas de esquemas que permitem resolver os problemas de modo semelhante e graças às correções incessantes dos resultados obtidos, dialeticamente produzidos por esses resultados”; no segundo, “como indica a palavra, é um conhecimento adquirido e também um haver, um capital (de um sujeito transcendental na tradição idealista). O habitus, a hexis, indica a disposição incorporada, quase postural”.

45Continuaremos, ainda, a desenvolver o tema das práticas de sociabilidade próprias deste tipo de unidades socioterritoriais; já vimos como, de certo modo, interrompem a lógica da cidade dominante. Daremos dois exemplos: a ecologia social do bloco de habitação e o “largo”, um lugar convivial.

46a) Ecologia social dos blocos de habitação: demos já atrás, ao descrever o café improvisado numa área de condomínio de um bloco habitacional, um exemplo de apropriação de um espaço originalmente destinado apenas à função residencial, instaurando-lhe outras funções e convertendo-o em lugar de sociabilidade. Detenhamo-nos com mais pormenor nesta escala de microanálise, ou seja, na escala em que a interação é importante – a dimensão psicossocial dos lugares. A unidade sobre que nos debruçaremos agora parece-nos ilustrativa dos diferentes usos que os indivíduos fazem do ambiente construído, de acordo com processos de apropriação e habitus diferentes.

47Os estudos da psicologia ambiental sobre a habitação em altura não parecem ser conclusivos, havendo no entanto alguma evidência de consequências negativas para os moradores (por exemplo desterritorialização, enfraquecimento do controlo social informal…); é sabida, por outro lado, a reação condenatória que gera a política habitacional de alojamento em “caixotes” e o grande aglomerado tem vindo a tornar-se símbolo da periferia urbana desqualificada e do seu rol de problemas. Que pode a nossa observação dizer sobre isto?

48Antes de qualquer outro comentário, rejeitemos como ponto de partida qualquer análise tendente a leituras lineares do físico­ambiental ao comportamento (por exemplo as torres do Aleixo, enormes para a escala volumétrica do Porto, não podiam gerar senão um ghetto); o espaço, por si só, não gera efeitos – ou melhor, pode ser a sede de qualquer efeito. O que gera efeitos é a interação de pessoas concretas com espaços concretos. O que nos obriga a problematizar este tema através, pelo menos, dos dois conceitos acima referidos (o de apropriação e o de habitus) que se nos afiguram aqui operativos.

49Os bairros onde estivemos são vizinhos de zonas de alto estatuto residencial. Por exemplo, a poucas centenas de metros do bairro da Pasteleira há um conjunto de blocos de habitação de luxo; o mais alto é uma torre de nove andares e os outros são blocos de três andares. Todo o espaço entre os blocos está impecavelmente ajardinado; não há nele movimento de peões ou crianças a brincar; as portas dos prédios estão fechadas e não há qualquer concentração de pessoas no espaço semipúblico que elas definem, em grande contraste com o que acontece nos bairros. Outro contraste: os prédios estão bem conservados, não se vê neles gente à janela ou nas varandas e não têm roupa a secar nas fachadas. Ainda outro contraste: os moradores entram de automóvel diretamente para o interior do prédio, utilizando pouco, a pé, a rua.

Bairro habitacional de classe média-alta situado ao lado dos bairros em estudo

Bairro habitacional de classe média-alta situado ao lado dos bairros em estudo

50Ao fim de três meses de andarmos quase exclusivamente nos bairros, detivemo-nos em algumas observações neste conjunto habitacional, atraídos pelo contraste que representavam, apesar da quase contiguidade espacial. Escrevíamos nessa altura, nos comentários aos registos de observação:

“Reafirmo a minha verificação de que a construção em altura, só por si, não é problemática – depende de para quem se constrói em altura, talvez. As classes altas territorializam as torres de um modo distinto das populares. Conservam-lhes as entradas fechadas, a zona de condomínio não é utilizada para convívio; impedem que a torre funcione como lugar de concentração; os jovens da classe alta ocupam muito menos tempo na rua, distraem-se mais no espaço doméstico […] ou deslocam-se a outras zonas da cidade onde há lazer organizado em função do sector juvenil como grupo social de consumo. Têm modo de alargar o seu território de lazer (scooters, motas, carros), o que evita que tenham de se concentrar no território imediato à habitação, como acontece com a entrada do bloco no bairro social.

Esta dupla de circunstâncias – vivência do espaço doméstico, alargamento dos sítios de lazer – torna menos premente a territorialização dos espaços imediatamente contíguos às torres. A "mania da conservação", típica dos moradores dos conjuntos habitacionais de alto estatuto (ver a relva, os espaços de condomínio, etc.) é possível também que exerça um controlo social informal apertado sobre comportamentos que favoreçam a concentração de grupos conviviais. […] Ou seja, ao mesmo tempo que se impede que se degradem os espaços público e semipúblico, dissuade-se a concentração juvenil, o que é, obviamente, um círculo vicioso, pois vai acentuando o controlo social informal à medida que a zona reforça o seu estatuto, aumentando provavelmente a longo prazo o contraste com os bairros sociais vizinhos” [Notas de terreno, 9 de janeiro de 1993].

51O que parece ressaltar daqui é a constatação de uma série de comportamentos diferentes, entre as classes sociais aqui em comparação, no que respeita ao modo de apropriar um edifício em altura.

  • 8 “Como Merleau-Ponty ou Heidegger, (a noção de habitus) designa uma relação de cumplicidade ontológi (...)

52O que dependerá por sua vez do habitus de classe como “funcionamento sistemático do corpo socializado” (Bourdieu 1989).8 Nesta linha de análise, estreitemos ainda mais a escala de observação – desloquemo-nos ao interior de uma torre. Tomemos para comparação dois exemplos bem extremos: a torre (de nove andares) do conjunto habitacional que temos vindo a considerar, e uma torre do Aleixo (treze andares). A primeira diferença ocorre ao nível dos dispositivos físicos que impedem ou facilitam a interação:

“O vídeo da portaria, artefacto distintivo da construção dita de qualidade, destina-se a permitir o controlo de presenças indesejáveis, sem que para isso seja necessário sair da esfera doméstica – controlo territorial à distância. O vídeo da portaria é bem o signo da primazia da vida doméstica sobre a vida coletiva; as portas dos prédios não são lugares para ninguém estar, nem mesmo as áreas interiores do condomínio. O prédio é assim impedido de gerar áreas conviviais. A própria ligação direta da habitação à garagem através do elevador reduz ao máximo os contactos sociais.” [Notas de terreno, 27 de dezembro de 1992]

53Em contraste, o simples facto de os elevadores no Aleixo estarem grande parte do tempo avariados e, mesmo quando funcionam, não inspirarem confiança, promove o cruzamento sistemático dos moradores, escada acima, escada abaixo. O instrumento que num lado dificulta a interação, promove-a no outro… A ausência, já não diremos de vídeo de portaria, mas da própria porta numa torre do Aleixo toma fácil o acesso a estranhos – o que não é um fator desprezível para o bom funcionamento do mercado das drogas. Neste caso, o controlo do estranho não é feito por qualquer artefacto, mas pelos atores desse mercado, o que acaba por se revelar mais difícil de contornar do que qualquer vídeo de portaria…

  • 9 Muitos dos habitantes dos bairros camarários foram aqui realojados em resultado da demolição das il (...)

“A porta da garagem de controlo celular acaba por tornar o morador quase invisível aos seus vizinhos. Podemos coabitar um prédio com pessoas a quem desconhecemos a altura, porque sempre que as vimos iam sentadas… Os contactos assim reduzidos reforçam a independência de cada agregado familiar, tal como a teria numa vivenda unifamiliar. Enquanto as torres das classes populares são ilhas ao alto9 […] o prédio de luxo é uma máquina feita para impedir contactos e concentrações.” [Notas de terreno, 27 de dezembro de 1992]

54A conceção do prédio destinado às classes altas reflete a importância dada por estas à vida privada e ao controlo dos imponderáveis. A valorização de uma normatividade nos comportamentos residenciais traduz-se na criação de códigos escritos (o estatuto do condomínio); a ordenação e conservação dos espaços de condomínio e das áreas contíguas ao prédio incita a regra. A racionalização do habitat pede a racionalidade da conduta. Não há nisto direções causais, mas reforço mútuo. Escrevíamos assim nas notas de terreno de 27 de dezembro de 1992:

  • 10 Uma das primeiras constatações que fizemos ao chegar ao bairro onde habitámos foi a do tipo de auto (...)
  • 11 Fizemos nesta altura uma análise de conteúdo sumária aos anúncios de venda de habitação na imprensa (...)

55“O habitus de classe tende a reforçar esta maquinaria vigilante do prédio, desencoraja os contactos, cultiva a aparência do espaço habitável; o estatuto de classe passa por signos visíveis: o automóvel,10 o prédio onde se escolheu comprar apartamento.11 […] Rege-se o quotidiano por uma privacidade doméstica quase sagrada; signos populares que tendessem a criar perceções de um espaço coletivizado, como a roupa a secar no exterior, são liminarmente proibidos.”

56Ao invés, numa torre do Aleixo, a abertura do prédio ao exterior, o prolongamento das atividades dele ao espaço de rua (seja a brincadeira das crianças, sejam os jogos interativos dos negócios das drogas) convocam a interação; e o prédio, enquanto dispositivo físico, habilita muito menos o residente a comportamentos de controlo social; há a apropriação privada de áreas de condomínio (dê-se o espetacular exemplo de um morador que vedou com grades pontiagudas vários metros quadrados em redor da sua porta, num 6.º ou 7.º andar, obrigando os outros moradores a irem à volta…); e cada patamar de andares funciona como palco de várias atividades, desde o namorar ao lavar a roupa, desde o adulto a fazer bricolage à brincadeira infantil, um pouco ao estilo da ilha donde alguns vieram, um pouco ao estilo da vida de pátio da Ribeira-Barredo, donde veio a maioria.

Vandalismo ou apropriação e marcação territorial?

Vandalismo ou apropriação e marcação territorial?

Apropriações territoriais num espaço de condomínio

Apropriações territoriais num espaço de condomínio

57Em síntese: demos aqui conta de coexistências sociais tão diversas apesar de tão grande proximidade física; e damos apoio à ideia de que o prédio, a construção em blocos, não determina linearmente as condutas dos residentes; é ele que, por sua vez, depende da forma como estes o apropriam e de como as formas de apropriação se ligam estreitamente ao habitus de classe. Somos obrigados, assim, a problematizar uma afirmação do senso comum pelos vistos já velha: em l663 Sir Balthazar Garbier constatava que too many stairs and backdoors make thieves and whores…

58b) o “largo”, lugar convivial:

“Nota-se que aqui as pessoas se conhecem, que há relações de vizinhança densas e significativas. Vejo um velho, curvado a mancar e apoiado na bengala, que atravessa o grupo de jogadores de bola. Um deles, o único que já não é jovem – é um adulto com cerca de 40 anos – para o jogo retendo a bola e rouba a bengala ao velho. Com um ar duro, onde se percebe obviamente o lúdico, obriga-o a caminhar sem bengala. Todo o grupo de jogadores fica a gozar a situação.

Como o velho não saía do sítio, o indivíduo puxa-lhe uma orelha e ele grita ‘Ai!’, mas ri-se ao mesmo tempo. Comento ao Feijão, ao meu lado nesse momento:

- Coitado do velho. O gajo não se chateia?

-Na! [Sorri, também divertido com a cena]. O velho curte, meu. Se não for isto nem dá conta que existe, o gajo precisa é de ser assim, mexido, tás a ver? Ele curte, meu. Que é que lhe resta, se não forem assim umas brincadeiras?” [Notas de terreno, 7 de março de 1993]

O “largo”, enrolar um charro na entrada de um bloco

O “largo”, enrolar um charro na entrada de um bloco

O “largo”, o lazer ao longo da tarde

O “largo”, o lazer ao longo da tarde

59Analisaremos agora um lugar significativo do bairro da Pasteleira: o “largo”, espaço de terra batida enquadrado pela associação desportiva e recreativa (conhecida pela “sede” e lugar também central na vida quotidiana daqui) e por blocos de habitação cujas varandas abrem para o “largo”. Iremos reencontrar o “largo” quando, mais à frente, falarmos de drogas, pois à altura do nosso trabalho etnográfico operavam nele vários vendedores de haxixe, heroína e (menos) cocaína. Afigura-se-nos, assim, um bom exemplo da complexa sobreposição entre a vida normativa do bairro (o lazer, o convívio, o “estar por ali”) e as atividades desviantes.

60O “largo” fica numa das saídas do bairro, sendo perfeitamente visível ao passar de carro na rua limítrofe. Isto tem importância para facilitar a interação com os compradores de psicoativos que vêm de fora do bairro. é uma área de sociabilidade intensa; se o tempo está bom compra-se cerveja na “sede” e vem-se beber cá para fora, ficando por ali a conversa. Saúda-se quem passa, a maioria das vezes utilizando o nome próprio. Uma regularidade comunicacional: meter-se com alguns indivíduos que chegam, através do comentário jocoso, da ironia, da depreciação; normalmente ou não há resposta verbal, ou se responde com uma frase curta que inclua três asneiras em cada quatro palavras – vamos percebendo com o tempo que não há nisto insulto, é tão-só um hábito instalado.

61“Se não for isto, nem dá conta que existe”, escrevíamos nós acima ao citar as notas de terreno. Esta rede interativa que reitera a cada dia a identidade foi bem caracterizada por Prost (1991): “Na verdade, há aí mais do que conhecimento mútuo: há um intercâmbio social. Cada habitante do bairro ou da aldeia retira um certo benefício desta vizinhança se satisfizer o preço que há a pagar. Recebe dos outros pequenas gratificações: sorrisos, bons-dias, saudações, palavras de circunstância que proporcionam o sentimento de existir, de se ser conhecido, apreciado, estimado”.

62Está-se, simplesmente, “por ali” – eis uma atividade típica num sítio onde raramente acontecem lazeres formalmente organizados. Às vezes, “está-se ali”, mas com uma intenção concreta: aguarda-se pacientemente que chegue alguém de quem se espera que traga haxixe. Outras vezes “está-se ali”, mas vai-se fazendo algum contacto em ordem a ir vendendo algumas drogas. Encontramos algumas semelhanças entre o “estar ali” que faz do “largo” uma extensão da “sede” e aquilo que Machado Pais (1990) descreve sobre às práticas de sociabilidade juvenil na cultura operária: “Parar no café não significa, para eles, apenas usufruir do seu espaço interior; é também – e principalmente – estacionar à sua porta ou nos passeios contíguos. […] Parar no Café Tourada não é uma atividade apenas associada ao consumo, é também uma atividade de produção: de produção de sociabilidades.”

63O “largo”, para quem o observar atentamente, funciona como cenário de atividades múltiplas. Joga-se, às vezes, à malha mesmo ao lado; e vai constituindo entretenimento para quem vê. Vejamos um excerto do diário de campo relativo a um domingo à tarde, por volta das 18 horas de um dia de sol:

“No ‘largo’ convive-se de pé. Um ou outro senta-se nos beirais que supostamente desenhariam os canteiros, transformados em chão de terra batida. Os blocos cujas fachadas abrem para o ‘largo’ tem gente à varanda e emanam barulho, que se mistura ao já produzido no espaço publico. É um lugar denso de ruídos. O R. S. fala alto, desde a rua, para a varanda de um dos blocos onde mora um irmão. Começa a desenrolar-se, daí a momentos, um jogo de bola entre indivíduos que estão no ‘largo’. A bola, em mau estado e vazia, serve como projétil de ‘tiro ao alvo’ sobre um jovem que o grupo de jogadores elegeu, tacitamente e sem palavras, como o ‘cristo’ de serviço. O jogo parece divertir os participantes, onde se inclui um dealer e um ‘chabalo’ que faz pequenos recados para dealers.” [Notas de terreno, 11 de março de 1993]

64A atividade lúdica que consiste em escolher um indivíduo e, em grupo, fazer recair sobre ele ataques verbais e por vezes pequenas agressões (os “cachaços”) é frequente. Ao início, tem-se a impressão de que o contacto social é sempre tenso, por vezes hostilizador. Mas corresponde a um modo de comunicação perfeitamente rotineiro, que não é vivido a maioria das vezes como ofensivo e que treina os indivíduos, desde muito jovens, para a autodefesa. Conviver, aqui, é resistir à chacota, saber ripostar com rapidez, mostrar-se hábil no jogo das agressões verbais – o tom, o fundo, é lúdico. No dia seguinte repete-se o jogo, e reproduz-se sempre este estilo de relacionamento (retomaremos este tema mais adiante, na secção “As boas maneiras”).

65Qualquer pequeno acontecimento serve de distração: um jovem que tropeça num canteiro e fica de gatas ouve de imediato “O canteiro já aí estava, não já? Não estragues essa merda, caralho!”; ao som das gargalhadas alguém aproveita a posição de gatas do acidentado para lhe enfiar um pontapé no rabo. Há aqui uma grande atenção às falhas, aos gestos desajeitados, a uma palavra com sílabas trocadas… O banal é erigido em teatro e aproveitado para o gozo coletivo.

66O que importa aqui sublinhar é a função social de certos espaços, como a “sede” ou o “largo”, a importância que têm como matrizes que promovem o encontro, a relação face-a-face, a distração. Funcionam como organizadores do tempo e das relações sociais e são os sítios onde melhor se exprime a “aldeia” que ali há. Isto obriga-nos a problematizar uma noção muito frequentemente associada aos bairros: a exclusão social.

Redefinir “exclusão social” e “espaço marginal”

  • 12 Cohen relaciona, nalguns momentos desta obra, as técnicas de controlo social com o estigma. No cont (...)

67As zonas socioespacialmente marginalizadas da cidade dominante são, com grande frequência, etiquetadas como lugares de exclusão social, como ghettos de dissocialidade, como sítios “de relegação” (Delarue 1991). Esta marginalização deteta-se já longe no tempo e as próprias análises dos especialistas confirmaram-nas com frequência. Stanley Cohen faz uma curiosa comparação entre a tarefa dos frenologistas do final do século XIX e os reformistas sociais. Os primeiros estavam empenhados em construir mapas do crânio circunscrevendo as áreas do bem e do mal, os segundos estavam preocupados com as ruas e as “cloacas”, distribuindo “os terrenos e contornos da pobreza, da desregração e da patologia” (Cohen 1988). As análises ecológicas continuaram a ocupar criminólogos ao longo do século XX e “os geógrafos urbanos atuais, urbanistas e estadistas, estão também muito ocupados com os seus mapas de áreas de controlo, espaços defensáveis, zonas de alto-crime, rotas de assalto e esquemas espaciais dos delinquentes. E em cada perceção quotidiana e cliché jornalístico, atribuímos um significado moral aos territórios do centro da cidade, bairros baixos, ruas seguras, parques públicos, subúrbios” (Cohen 1988).12

68Parece-nos mais adequado conceber a cidade de um modo não dicotómico (cidade valorizada/desvalorizada; centro/margem; integração/exclusão social; trabalho/desemprego). Assim, é preferível utilizar uma hierarquia complexa que vai do pleno trabalho ao pleno desemprego (as figuras do extremo seriam o workaholic, adicto ao trabalho, e o desempregado de longa data, adicto a um “estar por ali” como posição existencial totalitária); pelo meio dos extremos há diversas possibilidades: trabalhar num trabalho que não é reconhecido como trabalho (o dealer, por exemplo), trabalhar só quando apetece (o “biscateiro”), trabalhar em sistema intermitente de modo a ir gerindo o subsídio de desemprego, combinar um trabalho legal com uma economia subterrânea, combinar a reforma com o deal… De tudo isto vimos um pouco nos atores sociais dos bairros. De igual modo, aceitando por agora a etiqueta de “excluído”, a cidade é também uma hierarquia desde o muito integrado nas tarefas e papéis reconhecidos socialmente ao muito excluído (o mendigo, o sem-abrigo). Cada espaço de “exclusão social” mostra-se, no entanto, capaz de produzir uma vida social espontânea que não se assemelha muito à exclusão. Não estamos a dizer nada de novo: as velhas monografias da Escola de Chicago já tinham chamado a atenção para a vida social dos espaços intersticiais e dos “mundos desviantes”. Aquilo que nos merece interrogação é o porquê, nesse caso, de se insistir tão assiduamente nas dicotomias.

69Daremos a seguir um exemplo extraído do diário de campo que demonstra a capacidade integradora dos espaços ditos excluídos. Trata-se do episódio em que a protagonista é uma mulher deficiente mental, de idade acima dos 50 anos, que quase diariamente víamos na “sede”:

“Enquanto estou sentado com o R. S. na ‘sede’, cada um com a sua garrafa de cerveja, vou reparando nas pessoas. Daí a poucos minutos uma mulher já com cabelo branco e com uma barriga muito saliente começou a gritar, fazendo queixa de que lhe dão com uma garrafa de cerveja na cabeça. Dirige os protestos ao balcão. Mas noto que nem no balcão nem na sua mesa lhe prestam atenção. Continua a queixar-se, está quase a chorar. Interrogo o R. S.:
- Aquela mulher está brava!
- É o bobo da corte, sabes? Não é que seja o único que cá temos, mas quando ela está é ela o bobo da corte.
Curiosa semelhança com o bobo da aldeia, penso para mim.” [Notas de terreno, 21 de janeiro de 1993]

70Durante a nossa permanência no bairro, fomos sempre vendo esta mulher. Participava do “estar por ali”, falava com as pessoas, sentava-se na mesa delas. Era um deles – embora de vez em quando solicitada para a função de bobo. Provavelmente, numa zona da cidade com redes de vizinhança mais diluídas ou fragmentárias, esta mulher fosse de facto excluída da possibilidade do convívio e de um papel – mesmo aparentemente pouco convidativo… – e lhe restasse a posição solitária do mendigo.

71Se esta sociabilidade específica do bairro tem semelhanças com a da aldeia, há, porém algo em que é muito distinta:

“O que já é menos parecido com a aldeia é a tolerância que esta ‘aldeia’ aqui do bairro tem em relação aos protagonistas de atividades desviantes.” [Notas de terreno, 11 de março de 1993]

72Com efeito, a “sede” era frequentada por consumidores de drogas e por dealers, embora se abstivessem dentro dela das atividades respetivas; e isto no mesmo espaço em que se jogava à sueca e ao dominó, reproduzindo uma típica cultura tradicional operária. Verificámos estas coexistências noutros lugares de convívio, como por exemplo nas clássicas tascas de petiscos e vinho a copo, nas proximidades dos bairros e frequentadas pelos seus habitantes.

73Encontramos aqui claramente lugares que correspondem à definição de espaço marginal proposta por Fischer (1994): marginal topologicamente e pelos comportamentos possíveis de encontrar nesse lugar. O marginal não diz aqui respeito ao desestruturado, ao anómico, ao inseguro. Diz respeito mais àquilo que Goffman (citado por Fischer 1994) chama “bastidores” e a que nós já havíamos chamado “traseiras da cidade” (Fernandes e Agra 1991): espaços de invisibilidade, retirados, sem transparência.

74Ora, aquilo que parece ser próprio destes espaços não é necessariamente a dissocialidade, o desregramento, a transgressão (embora sob certas condições possam aproximar-se desse quadro), mas a criação de uma “vida social paralela”: “O espaço marginal pode ser considerado como um espaço onde se manifesta uma forma de vida social particular, ou seja, em cuja margem se desenvolvem processos sociais que possibilitam que os indivíduos ressocializem o próprio tecido que os dissocializa” (Fischer 1994). Ou, na linguagem expressiva de Stanley Cohen (1988), “a extraordinária capacidade humana para criar uma identidade nas gretas, nos interstícios do sistema”.

Esta “sobrevivência rural” estava situada mesmo por trás de um hotel de cinco estrelas e do bairro Pinheiro Torres. Foi parcialmente destruída em 1995 para a construção de um nó rodoviário. A Ribeira da Granja, apesar do ar bucólico da imagem, está completamente poluída e exala um forte cheiro

Esta “sobrevivência rural” estava situada mesmo por trás de um hotel de cinco estrelas e do bairro Pinheiro Torres. Foi parcialmente destruída em 1995 para a construção de um nó rodoviário. A Ribeira da Granja, apesar do ar bucólico da imagem, está completamente poluída e exala um forte cheiro

75Continuemos ainda com o tema da “exclusão social”, para dar conta agora de uma estratégia aparentemente paradoxal: um espaço marginal, no sentido em que o acabámos de definir, passa progressivamente a marginalizado através da centralidade que assume no discurso social. A margem socioespacial é hoje centro discursivo. Só que os temas que o preenchem constroem uma imagem unilateral da margem, onde se destacam a “exclusão social” e a “marginalidade” – são, portanto, não apenas realidades sociais mas efeito retórico. Constituem modalidades centrais de uma narrativa em moda sobre a grande urbe.

76Os espaços sociais que temos vindo a caracterizar são, deste modo, lugares cercados – em primeira instância pelo estereótipo que sobre eles se reatualiza incessantemente. São, chamemos-lhes, territórios acossados.

Territórios acossados – 1

“E nascer numa torre do Aleixo? Traça a sina a um homem? Há ratos no porão, esquinas brancas e gente que se vigia mutuamente. Andar-se uma vida inteira a fugir no próprio lugar onde se mora. Cimento partido, a tarde a cair sobre as torres gigantescas. O bairro fecha-se, e a tarde a cair, muito estática. O rio, cego, ao fundo.”

João Habitualmente, em prefácio de Pasteleira City

77Problematizemos, portanto, a leitura corrente que faz dos bairros lugares que acossariam a cidade, ao serem a sede de indivíduos marginais e o centro das dissocialidades que afetariam o equilíbrio da urbe. Acossá-la-iam também porque funcionariam como autênticas escolas do crime, dado o contacto precoce das crianças com fenómenos desviantes de toda a ordem. E se os territórios que acossam fossem afinal territórios acossados?

78Um bairro pode funcionar como um sítio protetor para o indivíduo: o sítio da sua rede de sociabilidades, dos seus percursos familiares, da repetição quotidiana dos encontros e das rotinas. É neste sentido que funciona como um território. Um território e, mais do que coisa nossa, a coisa onde o que é nosso ganha significações. Mas pode também ser o sítio que serve à topologização da insegurança urbana, das drogas, da delinquência: o “é ali” destes fenómenos. A repetição ritual do “é ali”, se coincidir com o aumento visível de atividades proscritas, legitima a intervenção das instâncias de controlo social.

79Foi assim, por exemplo, que enquanto estávamos no terreno assistimos à progressiva sinalização do Aleixo como “hipermercado das drogas”. Isto coincidiu de facto com um grande movimento de mercado, sobretudo de heroína, e da fácil identificação, para quem se dispusesse a entrar no bairro, de uma grande quantidade de atores das drogas. Seguiu-se uma investida policial, com tiros pelo meio, que culminou com o encerramento das roulottes à entrada do bairro, pois seriam entrepostos comerciais de psicoativos. Pouco tempo mais tarde – cerca de um ano depois de acabarmos a fase do trabalho etnográfico em que fomos “moradores” – foi colocado policiamento permanente, particularmente em frente da torre onde decorria não apenas a. maior venda de drogas do bairro como uma atividade underground de consumo. Dizemos bem, underground, pois tratava-se das caves, de acesso estritamente controlado pelos atores das drogas, onde várias vezes descemos, naqueles que foram os momentos mais intensos do nosso trabalho. Pouco antes, a Câmara do Porto tinha tornado “medidas de emergência” para o bairro, abrindo um gabinete “com uma equipa multidisciplinar” numa das torres.

80Se nos colocarmos no de dentro que é um bairro, se procurarmos transportar-nos à vivência de muitos atores sociais com quem contactámos, estes são territórios sob mira. Não é por acaso que há, como pudemos verificar, sistemas de deteção e vigilância dos forasteiros – desenvolveremos isto à frente ao falar das drogas. Dizíamos, são territórios sob mira:

81Policial: as pessoas sabem que há frequentes (mas inopinadas) incursões de polícia à paisana. Certos indivíduos estão referenciados. Há um sentimento de se ser observado no seu próprio espaço de vida. Como nos dizia um dealer de esquina durante uma incursão de “paisanas” em que também fomos envolvidos, “não se consegue estar sossegado, anda-se sempre com o coração nas mãos…”.

82Técnica: os agentes medico-sanitários e os técnicos de prevenção decidiram que estes espaços são os ideais para as suas campanhas de “educação para a saúde”, de “intervenção comunitária”, de “prevenção do risco de…”. Sentem-se assim legitimados a inquirir, a vasculhar, a espreitar. Por sua vez, técnicos de reinserção social colhem nestas famílias os dados necessários para o controlo judicial de indivíduos que delinquem, com o argumento da sua reinserção – mesmo que estes não estejam desinseridos, coisa que deveria ser sempre necessário ter em conta…

83Engenharia social dos projetos comunitários: a nossa recente adesão à Europa mais desenvolvida economicamente acarretou a injeção de verbas para “populações socialmente em risco”, que originou diversos programas em decurso atualmente. Se é ainda cedo para avaliar dos seus possíveis méritos, deficiências, ou pura e simples inutilidade, não é difícil prever que, não se articulando com as ações dos vários agentes psis a atuar já no terreno, implicarão mais uma vez a inquisição ao quotidiano dos habitantes das “zonas de risco”…

  • 13 Aquilo a que aqui chamámos a potenciação ecológica, embora sem estar enunciada, estava já implícita (...)

84O tom crítico com que referimos a tentativa de normalização sanitária e moral das populações em causa não pretende obscurecer a realidade em que frequentemente vivem: a pobreza, manifestada não apenas pela escassez financeira, mas sobretudo a falta de acesso aos recursos integradores da cidade dominante (desde logo aos laborais e aos de formação profissional) precariza a condição em que se vive e eterniza a marginalidade socioespacial. Trata-se, em suma, na linguagem agora em voga dos investigadores da desviância urbana, de “populações relegadas”, de “meios fortemente criminalizados e marginalizados”; trata-se, enfim, de ambientes onde as existências desviantes e as carreiras delituosas estão potenciadas ecologicamente: a errância por um dado território que concentra uma atividade delituosa, o grupo de rua, a esquina de compra-venda de drogas, são interativos e promotores de socialização, permitem os contactos instrumentais necessários a um "mundo desviante". Há um way of life afastado de atividades e de contactos sociais normativos – ou, se se quiser, propiciador de uma “desviância normativa”, como diziam os sociólogos de Chicago.13

85Ao longo desta secção a que chamámos “territórios acossados” fomos já falando de atividades desviantes e de drogas. Colocaremos a partir de agora no centro da nossa atenção os indivíduos, as interações e as sociabilidades em torno das drogas. Falaremos dos territórios psicotrópicos.

As drogas nos bairros: os territórios psicotrópicos

86Escrevemos já há algum tempo que a cidade é o palco dos “pós modernos” (Fernandes 1990). Desde o início da década de 80 o principal é o pó simplesmente – o nome mais repetido na gíria drug para designar a heroína. Em igualdade de importância figurava nessa altura o haxixe. Era mais ou menos consensual dizê-los espalhados “por todo o lado” e “em todas as classes sociais”; é, no entanto, necessário introduzir mediações nestas imagens, se quisermos ser fiéis às figuras e aos territórios das drogas.

87Façamos, então, uma advertência antes de entrarmos no detalhe descritivo. A fase intensiva de trabalho de terreno terminou no verão de 1993, limitando-nos depois a algumas visitas aos mesmos locais, espaçadamente. Estas visitas posteriores, bem como a atenção permanente a factos e às conversas dos atores das drogas, reforçaram-nos uma ideia que já tínhamos: a da contínua mobilidade do fenómeno droga. Se bem que a fase iniciada com a heroína venha mantendo as mesmas características gerais, há rearranjos nos elementos constitutivos do fenómeno psicotrópico. Exemplifiquemos: a partir de 1995 o Aleixo diminuiu o seu protagonismo de “hipermercado das drogas” e novos espaços vêm para o centro do discurso coletivo (por exemplo o bairro do Lagarteiro); ganha impacto uma nova figura no jogo dos atores: a milícia popular; relativamente aos produtos, a heroína continua no topo das transações, torna-se cada vez mais frequente fumá-la – o que tem consequências no estilo de vida junkie – o haxixe tem falhas de distribuição no pequeno retalho do deal, a cocaína democratiza-se e tem maior presença nos bairros e um novo produto confecionado caseiramente a partir desta vem ganhando importância: a base, termo de gíria para um crack à portuguesa.

88Noutros espaços bem diferentes daqueles que investigámos, assume progressiva importância o ecstasy e, agora, dizer “meti pastilhas” pode já não querer dizer que se consumiu rohypnol, mas esta nova (embora já velha) droga da moda.

  • 14 Também ao nível discursivo seria necessário referir o crescendo das críticas à política criminaliza (...)

89Quer dizer, a cidade química é dinâmica. Mas nenhum dos novos contornos que acabámos de enunciar nos parece alterar as suas significações de base. Utilizando uma metáfora retirada a Kuhn, os usos vão-se modificando, mas não o paradigma que os acolhe – nem por parte de quem consome, nem da reação social que provoca.14 Ou, continuando com metáforas da epistemologia: nenhum dos novos factos vem falsificar as linhas que desenvolveremos a seguir.

Problemática geral: drogas, atores e territórios

90Partimos inicialmente à procura das drogas ilegais na sua expressão quotidiana numa cidade de características industriais – o Porto. Verificámos rapidamente que “as drogas” eram sobretudo a heroína e o haxixe, depois e em menor grau vários psicofármacos, de entre os quais ganha relevo a gama dos sedativos, hipnóticos e similares conhecidos como “drunfos”.

91A cidade química dominante, do lado dos produtos ilegais ou comercializados ilegalmente e vista a partir da rua, é sumariamente uma panóplia de pós (heroína, mais, e cocaína, menos), de pastilhas (rohypnol com destaque) e de pedras (as tabletes compactadas de cannabis). A cidade química é também a distribuição dos seus atores: dealers, mais velhos, e indivíduos mais jovens que trabalham em ligação com eles de modo a assegurar o funcionamento do mercado das drogas; consumidores, de várias idades, com várias preferências por este ou aquele produto e com vários regimes de consumo – desde o junkie de pós pesados, toxicodependente, ao fumador diletante, toxicoindependente. Íamos à procura da droga no sector juvenil e somos obrigados a constatá-la, com peso importante, em indivíduos acima dos 30 anos.

92A cidade química é ainda um conjunto de territórios: uns relativamente visíveis, porque são feitos de ruas, de esquinas ou de partes de bairros; outros relativamente ocultos porque são feitos de clubes noturnos de entradas selecionadas, de apartamentos ou de meetings privados. Se bem que a droga seja um facto espalhado nos diferentes contextos e nas diferentes classes, uns e outras podem ser mais expostos ou mais opacos, mais vulneráveis ou mais defendidos. Eis outra das constatações interessantes: todo o mercado ilícito precisa de uma frente visível para funcionar, uma “montra” que ofereça o produto e assegure a transação. Esta é uma das razões que está na base da formação de territórios das drogas. Há quem o faça de um modo impercetível, organizando esquemas opacos à visibilidade pública – são os territórios privados; há quem o faça tendo de sair para a rua, porque não tem condições para organizar um esquema opaco – constitui os territórios públicos. Pela própria natureza da nossa metodologia, dedicámo-nos aos territórios públicos (esporadicamente, a partir destes, tivemos acesso aos privados).

  • 15 Seria interessante acompanhar com mais nuances a trajetória das drogas e ver como um opiáceo como a (...)

93Depois das fases da pedra e das pastilhas, assiste-se desde o início dos anos 80 ao aparecimento e à estabilização da fase do pó. Os territórios duros são aqueles onde se desenvolveu esta etapa da cidade psicotrópica. Esta fase tem como predominantes e característicos um produto, novos atores sociais, um mercado e um tipo de território. A heroína, junkies e dealers, mercado das drogas duras, bairros sociais e zonas socialmente desfavorecidas alterarão o cenário das drogas na década de 80.15

  • 16 Nasar e Fisher (1993) utilizam uma expressão próxima desta: “hot spots of fear and crime”. No nosso (...)

94Traseiras da cidade e bairros periféricos (alguns situados já no Grande Porto) são locais preferenciais de instalação de um mercado de rua do pó, que tem como atores centrais dealers e junkies. São as zonas quentes,16 lugares centrais dos territórios psicotrópicos duros. São áreas restritas, predominantemente situadas no espaço público, onde se reúnem os atores das drogas. Um café (com o apoio indispensável do seu WC), uma esquina estratégica (deve permitir por exemplo registar visualmente a aproximação de transeuntes de forma a antecipar-lhes os desígnios), uma entrada de um prédio, um hall resguardado – são, digamos, as shooting galleries à portuguesa, locais de concentração de indivíduos cuja vida se realiza em tomo dos pós. São também, para tomar a expressão do clássico E. Sutherland, lugares onde ocorre associação diferencial. Estes locais fornecem algum apoio instrumental aos consumidores: contactam com quem precisam para manter as informações acerca dos diversos aspetos que é necessário dominar para “andar na droga”; contactam o seu dealer; e são locais relativamente seguros, pois dispõem de um sistema de “vigia” que os indivíduos que controlam o mercado das drogas exercem sobre intromissões de fora. Este aspeto, ligado à conotação simbólica que o local acaba por ganhar, é um dos elementos que lhe confere a dimensão de território.

Interstícios de espaço e de tempo

95As drogas ilegais vendem-se, compram-se, consomem-se, trocam-se por objetos, às vezes oferecem-se, “dispensam-se” (emprestam-se), perseguem-se (“quem tem?”, “viste o Zé?”) – e falam-se. São uma referência permanente nas conversas. Um território psicotrópico é, em primeiro lugar, um espaço onde é bastante provável que nos falem de drogas em qualquer encontro ocasional; ou onde ouçamos ao passar; ou onde, ao sabor das conversas ordinárias, o tema vá acabar por se dirigir para elas. Mas esta fala não é indiscriminada; não se expõe, não corre riscos desnecessários, faz-se ouvir, mas é velada – exige requisitos para poder ser escutada. É, em suma, uma fala que se produz sob certas condições, cuja primordial função é manter as práticas drug num foro de clandestinidade; chamemos a estas condições interstícios de espaço e de tempo.

96Um mesmo espaço pode servir de matriz a atividades normativas – as conveniências, para retomar uma noção de que já nos fomos servindo – e a atividades desviantes. O “largo” do bairro da Pasteleira é um claro exemplo: coexistem atividades e estilos de vida que no plano da vida simbólica local estão distantes uns dos outros (por exemplo, um operário de 50 anos que vem beber a sua cerveja ao fim do dia tem pouco que ver com o dealer de 30 anos que ali passou a tarde toda). O que permite, então, manter estas coexistências em graus de equilíbrio que, na maior parte do tempo, não é feito de tensão ou de conflito?

97O fenómeno droga manifesta-se por disseminação ínfima. Manifesta-se através de uma espécie de omnipresença; mas omnipresença ínfima, no sentido em que é intersticial, no sentido em que ocorre discretamente, recorrendo a elementos de uma subcultura junkie cuja função é ocultarem-no dos olhares do cidadão médio. A disseminação ínfima realiza assim um paradoxo: ocultando as drogas, torna-as omnipresentes (fisicamente ou no discurso). Ou melhor: consegue mantê-las presentes trazendo-as ocultas. Poderíamos concretizar o carácter intersticial da presença das drogas, dividindo-o em interstícios de espaço e de tempo.

98De espaço: sabe-se que as drogas estão na rua. É um dado adquirido. Mas onde estão? Como se operacionaliza esta sensação do senso comum?

99A dificuldade em operacionalizar “o lugar concreto” das drogas resulta da natureza dos interstícios de espaço: ocorrem bruscamente numa esquina, num bar, a partir de um pequeno gesto, de um olhar… Há esquinas certas, sem dúvida – mas prontamente se diluem, “limpando” a rua num minuto… O indivíduo que “fazia a esquina” (o dealer que aí vendia) estará já então dentro de momentos noutro local, imprevisível para um indivíduo exterior à subcultura junkie, mas previsível para aquele que lhe pertence – este identifica-o a partir de itinerários mais ou menos conhecidos, da topografia dos “poisos”, ou a partir de pequenas perguntas do tipo “viste o Zé…?”, “o X passou com o Z?”, que ocorrem quase como senhas abrindo a possibilidade de informações precisas.

  • 17 “Da Cantareira à Baixa, da Baixa à Cantareira, conhece os flipados todos de ginjeira […]. Fareja a (...)

100“Ver o Zé…” é um interstício de espaço. O cidadão-médio não vê nunca um sujeito que procura haxixe ou heroína a encontrar-se com o Zé…, embora possa estar bastante perto – só que não está apto a identificar o interstício de lugar. Pertencer à subcultura junkie é ter uma relação direta com a toponímia dos cafés e dos snacks, é dominar a topografia de certas zonas da cidade, das suas esquinas, das rotas entre os pontos de encontro – é, enfim, saber ler a disseminação ínfima dos psicoativos pelos interstícios da cidade.17

101O carácter intersticial revela-se ainda na própria presença física do produto na rua. Assegurar uma venda eficaz sem cair nos dispositivos de vigilância policial é inventar múltiplas maneiras de “desmarcar” pós, pastilhas e pedras. “Desmarcar” o produto é tê-lo à mão sem o ter consigo, evitando assim o flagrante delito de que o aparelho judicial necessita para incriminar alguém. Implica, pois, recriar uma cidade feita de buracos, vãos, bueiros, frinchas e outros locais de interstício, às vezes localizados no próprio corpo e suas extensões (roupa, objetos…). Há na droga uma espacialidade oblíqua, uma espécie de dimensão cuja chave só detêm polícias e “drogados”. Pode por exemplo “desmarcar-se” uma pedra de haxixe nas próprias pedras da rua. Aqui a droga é mais do que nunca intersticial – oculta-se nos interstícios dos paralelos, no tronco de uma árvore, num bueiro…

102De tempo: dizem respeito à perceção que os indivíduos da subcultura junkie têm relativamente às oportunidades que se lhes deparam para encontrar quem lhes arranje drogas, ou para encontrar quem queira juntar dinheiro para ir comprar (a “vaquinha”); dizem respeito à eficiência de conseguirem o tempo exato para o encontro. Este tempo é também intersticial: acontece às vezes no encontro fortuito, não premeditado, na rua, no café, no bar. Outras vezes acontece com mais premeditação, sabendo os horários e os ritmos diários de certos dealers, conhecendo a probabilidade de acertar com a altura em que há algum produto psicotrópico que se possa conseguir…

  • 18 Sobre a vivência do tempo no toxicodependente cf. Félix da Costa (1995).

103É corrente na experiência dos psicoterapeutas a dificuldade de os seus clientes dependentes de drogas cumprirem horários; parecem incapazes de se adaptar à lógica temporal da vida de uma instituição. No entanto, vistos no seu espaço, não parecem assim desorganizados. O que acontece, a nosso ver, é que a lógica do tempo intersticial, que é a que se vive no território psicotrópico, talvez seja pouco compatível com a do tempo dominante, que é a que se vive nas instituições. Por outro lado, é sabido como a experiência psicotrópica provoca um tempo interno muito próprio.18

104Juntemos agora os interstícios de tempo e os de lugar, traçando apontamentos sobre a sua importância na subcultura junkie e depois levantando hipóteses.

  • 19 Verificamos curiosamente que se esquece esta dimensão quando se fala de drogas: elas são delito, sã (...)

105Estar regularmente em contacto com as drogas e os seus atores é desenvolver aptidões de leitura dos interstícios de tempo e de espaço. Estas aptidões permitem a eficiência da participação na subcultura junkie, facilitam o êxito de comportamentos necessários nela – por exemplo o encontro para a aquisição do produto, o encontro para trabalhar o produto ( “enrolar o charro”, “fazer a sopinha” de heroína…), o encontro para “curtir” (a dimensão hedonística, sem a qual se tornaria difícil explicar o porquê de tanto empenho nos comportamentos anteriores…).19

106Quem dominar os interstícios de tempo (que afinal pautam uma organização específica do tempo diário baseada na disponibilização para ocorrências mais ou menos imprevistas, e portanto na pouca estruturação fixa a longo prazo) e os interstícios de espaço, conhecendo as disseminações ínfimas, tem um acesso às drogas muito mais eficaz do que um indivíduo que não domine estas dimensões – é neste sentido que dizemos que as drogas podem ser omnipresentes: depende da capacidade que se tem de adequação à sua disseminação intersticial e ínfima.

107Estas constatações permitem-nos levantar hipóteses: a marcação dos ritmos diários da cultura dominante (largamente dependente de marcadores domésticos e laborais) e a relação pouco intensa e fugidia do cidadão-médio com a cidade vivida na rua parecem não se coadunar muito bem com o consumidor regular de drogas. Pelos interstícios de tempo organiza o quotidiano de um modo peculiar, que foge largamente aos marcadores da cultura dominante – o seu ritmo é desviante, neste sentido; e pode ser vivida como violenta a submissão aos marcadores familiares e laborais. Há, parece-nos, a vivência de uma tensão profunda ao tentar coordenar-se o ritmo temporal da cultura dominante com o ritmo temporal da subcultura junkie. Por outro lado, pelos interstícios de espaço investe certos lugares urbanos conferindo-lhes o valor territorial de uma matriz ecológica que só ele (a sua subcultura) sabe ler (e por isso que o cidadão-medio não “vê” os “drogados”: olhando os planos lisos da cidade, escapa-lhe o interstício, ainda quando a fenda se abre perto de si…).

  • 20 Gostávamos de deixar claro que falamos aqui de uma desviância “intersticial”. Não pretende negar-se (...)

108Na fase inicial da pesquisa de terreno tínhamos dificuldade em ver os interstícios. Por isso, quando acompanhados por algum indivíduo da subcultura psicotrópica, ficávamos atónitos com a sua perspicácia, com a sua certeza nos percursos que vão direitos ao “alvo” – ali onde nós agora mesmo não víamos nada que pudesse indiciar… – com a eficácia da sua comunicação: dir-se-ia que fareja o produto, desdobra-se em encontros, quase todos fugidios e que dão a impressão de ser exercidos em meias-palavras; meias-palavras é o que fica para o observador novato – a droga, o essencial da mensagem, é quase sempre dita com as outras meias… Há uma grande economia da palavra – mas há, parece haver, frases certas, intensamente significantes, concentradas, eficazes. Fluem numa rede de encontros e cumplicidades que nos fez representar, passado pouco tempo, estes territórios como espaços de interação, mas também progressivamente familiares.20

109Identificámos vários tipos de espaços que se configuravam como territórios psicotrópicos: a entrada do bloco de habitações, o café e zonas mais ou menos vagas entre blocos (do tipo do “largo”). Todos eles têm extensões conhecidas dos frequentadores. Por exemplo a entrada do bloco tem continuidade, num dos bairros, nos compartimentos das caves, que funcionam como shooting galleries; outro exemplo: um café situado numa zona de passagem entre dois bairros, que tem extensão na rua defronte da sua porta, prolongando-se até à esquina da rua. Na verdade, pareceu-nos ser um território que se estendia desde o WC até à esquina.

110Detenhamo-nos um pouco neste café, conhecido em toda a zona, à altura da nossa investigação, como “café de drogados” (tomamos a precaução de dizer que o era nessa altura, pois a topografia das “zonas quentes” é móvel, no jogo de fuga ao controlo policial). O que nos reteve a atenção ao início foi a evidência com que funcionava como lugar de venda de heroína. Os indivíduos não pareciam ter grande necessidade de resguardar encontros breves em que se trocavam “pacotes”, notas de mil escudos, palmadas nas costas, informações sobre “as vidas” (na gíria, as atividades com o pó como centro). Foi o sítio menos minimalista, ao nível da comunicação, que conhecemos. Percebemos que isto se devia ao facto de funcionar como um território bem delimitado: o sistema de alarme de aproximações indesejáveis funcionava a partir da esquina, limite mais longínquo deste “poiso”, e os indivíduos dentro do café pareciam conhecer-se todos, ou pelo menos conhecer sempre alguém que vinha com um eventual desconhecido. Foi assim que também nós entrámos: desconhecido à primeira vez, mas na companhia de alguém conhecido para eles. Verificámos que quando entrava um desconhecido sozinho o tom das vozes podia acalmar e passar a evitar-se, não o tema, mas certas palavras.

“Há sempre indivíduos fora e dentro, para fora e para dentro. Mexem-se neste espaço com um comportamento que indicia um uso já costumeiro do café para as práticas do deal. Do interior do café ao passeio, deste à esquina, estão no seu terreno” [Registo de observação, 30 de outubro de 1992].

111Cá fora fumavam-se com frequência charros, enquanto iam controlando aproximações: as desejáveis (clientes) e as indesejáveis (polícias). O café situava-se numa zona de passagem entre bairros, sem grandes movimentos de peões – um espaço intersticial, desinvestido, onde o acontecimento era a esquina e a chegada de automóveis que abrandavam, viam quem estava e umas vezes seguiam e outras paravam, saindo alguém que iniciava um contacto verbal com algum dos vendedores.

112Alguns tascos antigos nas imediações dos bairros funcionam como lugares de encontro de atores das drogas. É nestes sítios que mais espetacularmente se revela o interstício de espaço. Chegámos à curiosa situação de estar a escutar, com um ouvido, uma conversa telefónica em que se combinava uma transação de algum produto ilícito e, com outro, comentários sobre a qualidade das iscas no pão e da cebolada. Criámos na altura uma expressão para caracterizar estes contactos instrumentais típicos do way of life do pó: interações mínimas em espaços tradicionais.

O que é um território psicotrópico?

113Proponha-se, mesmo antes de avançar na sua caracterização, uma definição de territórios psicotrópicos.

114À medida que ia evoluindo o nosso reconhecimento dos atores sociais, quer dizer, quando nos foi possível passar a identificar os indivíduos com quem nos cruzávamos, que víamos aqui e ali ou com quem tínhamos interações de circunstância (por exemplo na “sede”), foi-nos evidente a grande frequência com que tinham algum tipo de relação com drogas. Em março de 1993, no diário de campo, esboçávamos então uma primeira concretização desta noção a partir da probabilidade de encontro com dealers, com utilizadores de drogas e com indivíduos com passagem pelo sistema penal por motivos relacionados com elas.

  • 21 Mayer (citado por Romani 1982) define quase-grupos interativos como “entidades sem uma estrutura re (...)

115Um território psicotrópico era, pois, muito simplesmente, um lugar de concentração de atores sociais das drogas. Estes podiam ter diferentes relações com o lugar: serem residentes, serem vizinhos (virem de um bairro próximo), serem indivíduos que se deslocavam ali de mais longe procurando produtos; mas o quase-grupo interativo das drogas é sobretudo local.21

  • 22 Tomamos aqui o termo subcultura numa aceção mais limitada do que a que lhe demos ao estudar a subcu (...)

116De acordo com esta primeira formulação de março de 1993 seria possível conceber os territórios psicotrópicos como os lugares dos quase-grupos interativos das drogas. Todo o lugar tem uma função – é o conjunto das suas funções que o institui como lugar, distinguindo do mero espaço, digamos, oco. O território psicotrópico funcionaria como um atrator de indivíduos com interesse comum num estilo de vida em que as drogas desempenham papel significativo – seria um concentrador, matriz espacial de uma subcultura junkie de rua.22 Esta função de atrator é mantida, conferindo-lhe estabilidade, pelo facto de ser facilitadora do lado instrumental deste estilo de vida. E acrescente-se que, dada a condição criminalizada das drogas, este lado instrumental oferece dificuldades que consomem grande parte da energia e da imaginação dos prosélitos de psicoativos – diremos, ironicamente, que tal condição acaba por desenvolver a imaginação, como que a contrabalançar a anestesia que a heroína lhes provoca.

117Uma observação de 12 de dezembro de 1992 viria, entretanto, reforçar-nos a ideia de que os espaços ocupados pelos atores das drogas se estruturam como território.

“Acabados de sair do bairro de São Vicente de Paula chegamos a um alto; depara-se-nos aí um caminho de terra batida, íngreme, por onde não cabe um carro. Ao fundo ergue-se o bairro da Mitra54. Diz-me o R. S.:

  • 23 A Mitra era um bairro de pré-fabricados só de um piso, ocupando o terreno duma antiga quinta – a qu (...)

- Consegues ver aqueles gajos lá em baixo? Aquilo é o bairro da Mitra.23 Vamos lá?

- Talvez não valha a pena…

Ele insiste, tranquilizando-me, e descemos. Convence-me, dizendo que ‘aquilo ali não é deles’. Mas mal acabamos de descer o caminho e nos aproximamos penso para mim que se não é, parece. É que um grupo de seis ou sete indivíduos guarda – é o termo – uma entrada estreita que dá acesso à Mitra. Reparo que quando passamos mesmo junto ao grupo o R. S. tenta manter a conversação num tom descontraído e natural, mas avisa-me logo a seguir que ‘ali ninguém me conhece’. Verifico que se comporta de acordo com as regras da prudência.” [Notas de terreno, 12 de dezembro de 1992]

118Estávamos, ocasionalmente, num bairro do outro lado da cidade em relação à nossa unidade de estudo, onde o R. S. era conhecido e se sentia à vontade. Noutras alturas verificámos de novo este comportamento contido e de prudência ao entrar numa zona que, sabendo-se de mercado, se não conhece. A forma como um ator de um território psicotrópico (seja o R. S. num dos bairros da Pasteleira) se comporta num espaço que lhe é estranho (seja o R. S. na Mitra) demonstra o carácter territorial do fenómeno droga na rua.

  • 24 Tomamos aqui o conceito de behavior settings a partir de Barker (citado por Wicker 1987), que os co (...)

119Por outro lado, constatamos que, nos vários territórios que fomos conhecendo, havia regularidades comportamentais e interativas; legitimam, afinal, a expressão comum “vida das drogas”, “mundo da droga”… e fazem assemelhar-se umas às outras as “zonas quentes”. O lado funcional deste facto é o de permitir a um qualquer utilizador de drogas saber como se há de comportar se necessitar de se deslocar aí para adquirir algum produto; ou seja, se o repertório de condutas e estilos de interação (por exemplo as interações mínimas, de interstício) não fosse semelhante, as “zonas quentes” perderiam poder operativo. Esta semelhança permitiria tratá-las como behavior settings (Wicker 1987)24 e o inventário do seu repertório comportamental chegaria para infirmar a ideia de que o “mundo da droga” é desorganizado e sem regras.

  • 25 Vários autores que tratam os temas do medo e do sentimento de insegurança referem este facto (cf. F (...)

120Alguns territórios psicotrópicos são o “é ali” das drogas: zonas onde o discurso coletivo referencia atividades e indivíduos marginais. Constituem, através deste processo de etiquetagem, o lado objetivável do “problema droga”. Já vimos como são zonas de evitamento experiencial para o cidadão comum, que as conhece a partir de relatos em segunda mão. Quer dizer, o “lado objetivável” é afinal um sítio que existe mais no discurso do que na experiência social, relevando por isso mais do rumor que do facto, mais do estereótipo em diferido que do real em direto.25 O território psicotrópico, seja sob a designação de “bairro degradado”, de “concentração de marginais” ou de “hipermercado das drogas”, é também um território simbólico: reatualiza o jogo entre o equilíbrio e a desordem social, entre o normal e o desviante, entre a segurança urbana e o medo da cidade; reatualiza, em suma, a legitimação do controlo social, como iremos ver adiante quando voltarmos a falar de territórios acossados.

  • 26 É possível que isto tenha um papel na economia dos medos coletivos. Com efeito, se bem que o “probl (...)

121O que é, então, um território psicotrópico? Definição provisória: é um atrator de indivíduos que têm interesses em torno das drogas, com um programa comportamental orientado para os aspetos instrumentais ligados a um estilo de vida em que elas têm um papel importante; tem como característica comunicacional a interação mínima e estrutura-se como interstício de espaço e de tempo. É, normalmente, um território secundário, i.e., acessível aos estranhos, controlado por grupos mais do que por indivíduos, e a mobilidade de que é capaz, fruto da resposta às ameaças externas que se lhe dirigem, configura-o, por vezes, como território interativo ou portátil. É o lugar do elo final da maquinaria de distribuição das drogas, em todo o caso, aquele que lhe dá alguma visibilidade – é o conjunto dos territórios psicotrópicos que materializa essa entidade abstrata do “mundo da droga”, fornecendo os elementos de que se compõe o seu estereótipo.26

  • 27 Esta constatação é já antiga: um trabalho etnográfico clássico sobre a heroína na rua, Taking Care (...)
  • 28 A comunicação junkie não é menos elaborada do que a dos clínicos das drogas, pelo menos na mistific (...)

122Um território psicotrópico é também um lugar convivial. É este um outro modo de dizer que o estilo junkie não se esgota na relação com uma substância, é também uma organização existencial.27 As características comunicacionais fundamentais do território psicotrópico têm dois regimes: o distendido e o tensional. O primeiro ocorre quando os atores não estão envolvidos em nenhum comportamento direcionado pela droga (vender, procurar quem vende ou quem vai fumar, etc.), funcionando como um grupo que, simplesmente, ocupa o tempo livre; o segundo ocorre durante as atividades em torno das drogas: o tempo contrai-se e avança rápido, os contactos desdobram-se, a comunicação é dirigida e breve, minimal e eficaz. O programa comportamental inclui uma série de gestos e de idas e vindas e o plano não-verbal, ou um plano verbal assente nas meias-palavras, são a base interativa. A utilização de um vocabulário subcultural e de metáforas elaboradas tem, nestes momentos, a sua plena expressão, ajudando a configurar o território como um interstício de espaço: interstício não apenas físico (espaço marginal, arredado da cidade dominante, sítio abrigado ou oculto entre lugares bem delimitados, zonas de bastidores – como lhes chamava Goffman) mas também semântico. É esta fronteira à uma espacial e simbólica que cria a distância a que decorre o “mundo da droga”, mesmo quando está a poucos metros… É também ela que permite a dois junkies combinarem entre si uma série de ações sem que o profano, pensando que viu e ouviu, se aperceba do essencial.28 Também nas palavras a transação das drogas é furtiva.

123Prossigamos, ainda, na procura de traços característicos dos territórios psicotrópicos e dos seus atores.

Territórios acossados – 2

124Um território psicotrópico é, normalmente, um território acossado. Retomaremos, assim, o tema que já tínhamos aberto na secção anterior; e se aí o fazíamos tomando o bairro no seu conjunto, façamo-lo agora a propósito das atividades em torno das drogas. Yves Barel (citado por J. Y. Authier 1986) definiu a marginalidade como a colocação sob o olhar social de uma parte da população. É a assunção, pelo controlo social formal, deste olhar que converte um espaço em território acossado. Digamos, muito simplesmente, que um território acossado é um lugar sob mira. “As pessoas podem até não saber onde é o bairro da Pasteleira, mas o certo é que é famoso em todo o Porto”, dizia-nos um dos nossos informantes privilegiados. O território acossado é identificado através de um processo de etiquetagem social; a etiqueta, junta com a marginalidade topográfica em relação à cidade dominante, determina o evitamento experiencial, a que já nos referimos no início da secção anterior. Foi a regularidade da repetição de certos acontecimentos que nos criou a evidência do território acossado. Por exemplo, a frequência com que é referida, por parte dos atores das drogas, a possibilidade de “eles virem cá” (“eles”, os polícias); ou as estratégias informais de deteção da presença de forasteiros; ou ainda o facto de sermos, nós próprios, várias vezes suspeitos de andarmos ali com fins pouco claros.

125Quanto à possibilidade do “eles virem cá”, a aparição da polícia é tida como uma eventualidade permanente; pode dizer-se que, para quem se dedica a atividades que sabe serem ilícitas, o tema da polícia é constante. Ela tem, por isso, uma presença regular – nas preocupações dos sujeitos – embora de facto a sua presença seja inopinada.

“Cerca das 7 horas, munidos de mandados de busca, mais de quatro dezenas de efetivos desta polícia [a PSP] – alguns deles usando coletes à prova de bala, armados com metralhadoras e ajudados por cães treinados – formaram um cordão policial e entraram nas quatro residências visadas […].” (in Público, 29 de abril de 1995)

  • 29 Matza (1969), na sua “visão apreciativa” (que opunha à correcional) das subculturas delinquentes e (...)
  • 30 Ocorreu nesta altura a prisão e a condenação do agente da PSP “mais condecorado de Portugal” (notíc (...)

126Daí a necessidade de um sistema de vigilância permanente, de que já falaremos. Acrescentemos, ainda a propósito do “eles vêm cá”, a ambivalência com que esta crença é vivida: ora se crê que há quem saiba disso de antemão, ora se crê que só vem para cumprir calendário e “só chateiam os pequenos, nunca se metem com os grandes”, ora se crê que vêm realmente “combater a droga”. Os polícias seriam atores de um teatro que é preciso manter em cena; seriam cúmplices de solidariedades pouco explícitas, ou seriam de facto agentes repressores a evitar com cuidado. Como nunca se sabe qual das hipóteses ocorre, sempre que as estratégias informais de deteção funcionam, o melhor é evitá-los… De qualquer modo, o desviante devolve ao mundo do combate ao ilegal a imagem que este tem do desviante: pouco sério, bastante inconfessável.29 A polícia permanece como uma instância com intervenções e ações ambíguas – como se o mundo do combate ao ilícito estivesse estranhamente próximo dele. Um outro exemplo da proximidade dos dois mundos é a facilidade com que alguns agentes à paisana logram iludir dealers fazendo-se passar por compradores, provocando assim o flagrante delito. As notícias de polícias a serem presos por tráfico e de traficantes “a sério” na impunidade reforçam este cenário em que o controlo social e a transgressão não podem ser representados como esferas separadas.30 Confrontemos isto com a tónica que muitos estudos sociológicos de espaços urbanos têm posto na denúncia da “criminalização crescente da vida quotidiana dos bairros pobres” (Spence 1991); se esta criminalização for real, é natural que o que acabamos de dizer acerca da forma de viver a relação com a polícia seja um mecanismo cognitivo para lidar com o facto de se estar sob vigilância: desconfia-se das intenções de quem vigia, desqualificam-se os valores normalmente associados à polícia. Afinal, “são como nós e até há um que vem cá comprar pó”, como nos dizia um jovem do bairro…

127Mas, para além da hipotética existência deste mecanismo cognitivo, há mecanismos ligados à defesa do território que são detetáveis no quotidiano do trabalho etnográfico. Daremos alguns exemplos:

128a) “Vieram tirar-te a fotografia”: nas primeiras vezes em que entrámos na “sede” – de que já falámos atrás – era notório que nos olhavam com atenção. Mas, mais curioso, entravam indivíduos – que depois viemos a conhecer e a saber que eram consumidores e vendedores de drogas – e logo saíam. Não tinham entrado, aparentemente, para nada… Um dos informantes esclareceu-nos com uma bela metáfora: “Vieram tirar-te a fotografia, mas levam comigo no negativo.” O facto de ele ficar “no negativo” da fotografia era um indício tranquilizador para tais “fotógrafos”, ao mesmo tempo que naturalizava a nossa presença ali.

129b) “Não vás agora para casa”: estávamos, uma tarde, num café ao lado de um dos bairros em diálogo com um junkie de longa carreira na heroína, de cerca de 30 anos de idade. Entrou então uma criança, dirigiu-se a ele e disse: “Não vás agora para casa. A mãe mandou-me avisar-te que a polícia anda nas roulottes”. “É o meu irmão, tem 11 anos”, esclareceu-nos o nosso interlocutor. Este episódio diz-nos várias coisas: fala do sistema informal de defesa perante o controlo social externo; demonstra como o bairro etiquetado negativamente é um território precário, que exige alerta permanente; e documenta a aprendizagem precoce de estratégias para lidar com esse controlo (desenvolveremos o tema da socialização infantil à frente, em “A exposição ao pó”). Acrescente-se que ficámos ali até ser razoável pensar que ele podia regressar ao bairro – estava “preso” no lado de fora do seu território…

130c) A desarticulação de uma esquina: os “poisos” de venda de psicoativos no espaço de rua têm uma boa adaptação à incursão inopinada da polícia. Basicamente, funciona um sistema de deteção visual da sua aproximação, que rapidamente é comunicada; em seguida dá-se um repentino desvanecer do grupo que nesse momento esteja no “poiso”. Tivemos por duas vezes a oportunidade de estar num destes “poisos” quando chegou a polícia – numa delas processava-se uma transação de haxixe que presenciávamos atentamente, interrompida de modo abrupto.

  • 31 Fez-nos sentido, nesta altura, a expressão “controladores”, com que por vezes são designados: contr (...)
  • 32 No bairro da Sé, a senha para dispersar é “água”. Curiosa semelhança com o que se passava na Sé de (...)

131O processo é rápido e bastante simples. Pode ser a perceção direta, por parte dos dealers, de uma carrinha – estão sempre em locais onde controlam aproximações.31 Mas, mais habitualmente, é o aviso: “Vem aí a bófia, dois gajos a pé”.32 Este aviso pode vir de indivíduos exteriores ao mercado das drogas. Fazem-no por solidariedade, ou simplesmente porque avisam um amigo; ali não há traficantes: há o Joaquim, o Manel, o António, que não se deseja ver detidos. A sequência seguinte ao aviso é a da rápida dispersão: não em corrida, mas como quem acabou de decidir convictamente ir para casa… Irradiam assim em diferentes direções, dificultando obviamente a tarefa aos polícias. Quando se torna demasiado ostensivo sair dali e não ter nada no bolso que certifique o flagrante delito, “é disfarçar e fazer de conta que não se passa nada”, como ouvimos ao dealer que nesse momento transacionava haxixe, no episódio que presenciámos.

132Em suma, fugir radialmente como quem não vai a fugir, ou disfarçar como quem não está a fazer nada, eis as duas estratégias para desarticular a esquina. Passados breves minutos – não mais do que quinze, nas nossas observações – a esquina é reconstituída e acaba-se o negócio que ficara interrompido.

133O que nos permite concluir, em suma, a desarticulação e posterior recomposição de uma esquina? Corroboramos, em primeiro lugar, o que já constatáramos durante o estudo exploratório: a polícia não dissuade, apenas interrompe momentaneamente os negócios ou o simples encontro grupal:

  • 33 O que posteriormente se passaria nos bairros da Sé e do Aleixo, com a polícia a invadi-los em regim (...)

“Afinal, a vinda da polícia é uma rotina. É um mal necessário, como os que existem em todas as práticas profissionais, desagradável, indesejável – tivemos ocasião de verificar que infunde medo – mas contornável. A vinda da polícia é um inopinado previsível” [Notas de terreno, 20 de março de 1993].33

134Em segundo lugar, o mercado organizado em “zonas quentes” de rua revela uma grande resistência ao controlo externo. Isto permite explicar em parte a estabilidade temporal tanto dos territórios psicotrópicos como da carreira de alguns dealers (temos conhecimento de alguns que se mantêm em atividade desde o início do nosso estudo exploratório, contando portanto pelo menos seis anos de carreira – regressaremos a este dado à frente, em “O mundo do junkie”).

135É necessário, no entanto, acrescentar outros fatores para explicar a estabilidade dos territórios psicotrópicos. Por exemplo, as condições de pobreza das zonas onde estes se instalam, que oferecem uma boa quantidade de indivíduos recrutáveis para a venda; dito de outro modo, referimo-nos ao papel que desempenham as economias subterrâneas nas populações precarizadas economicamente e com dificuldade de acesso aos recursos normativos. Outro exemplo, que desenvolveremos à frente, é o da precoce socialização nas atividades ligadas às drogas – a precoce exposição ao pó, como metaforicamente lhe chamamos. Num território acossado aprende-se não só o que fazer com o pó, mas o que fazer com a polícia. E não há razão para pensar que a atividade do deal, por exemplo, não se rege pela mesma lógica de qualquer outra atividade – nesse caso, a aprendizagem precoce é garantia de bons profissionais, coisa indesligável da estabilidade das “zonas quentes”. Debrucemo-nos, então, sobre estas “zonas quentes”, a que já aludimos no estudo exploratório – e centremo-nos num dos seus atores principais, o dealer.

O mundo do dealer

136O mundo profissional do dealer decorre a maior parte do tempo na “zona quente”. Um conjunto de zonas quentes com relação entre si define um território psicotrópico; aquilo que lhes confere relação é, em primeiro lugar, a proximidade espacial, a referência a uma zona (“a Pasteleira”, por exemplo); e, em segundo lugar, o facto de um mesmo dealer ser conhecido em todas elas, conhecer gente em todas elas e mover-se de umas para as outras, tendo no entanto a que lhe é preferencial. Nesta, exerce domínio (“Fui patrão de esquina”, dizia-nos um dealer reformado), ou pelo menos conhece claramente o seu papel, de maior ou menor subordinação ou dependência de outros indivíduos.

137O mundo do dealer é, assim, em primeiro lugar, o do seu território. Fora dele perde operatividade – a atividade do mercado das drogas é, digamos, territoriodependente.

  • 34 Ver, por exemplo, as tipologias apresentadas por Rui Alberto Fernandes (1994) e João Fatela (1992).

138Mas a quem estamos a referir-nos ao utilizar a expressão dealer? O mercado das drogas faz, como é sabido, intervir vários atores em posições hierárquicas muito distintas, com funções muito diversas e situados em lugares muito diferentes.34 Ocupamo-nos aqui daquele que o nosso trabalho de campo permitiu conhecer de perto: o elemento final da cadeia de distribuição. É o pequeno retalhista, aquele que tem de realizar o encontro de rua com o cliente, utilizando também com frequência a própria casa. É quase sempre consumidor – corresponde à categoria do traficante-consumidor no discurso instituído pelo dispositivo das drogas. Trabalha em colaboração com dealers ainda mais pequenos do que ele, que é já de si pequeno dealer; e em colaboração com consumidores que o ajudam, a troco de “panfletos” ou de “pacotes” (⅛ ou ¼ de grama de heroína); podem ajudá-lo a angariar clientes, a fazer pequenos transportes de “pacotes”, a “desmarcar produto” (colocar droga em sítios insuspeitados pela polícia) ou simplesmente a vigiar a aproximação desta.

  • 35 Também Patricia Adler (1992) faz referência a esta situação, ainda que num contexto espacial difere (...)

139Este pequeno dealer tem com frequência idade superior a 30 anos, não raro superior a 40; a idade vai descendo à medida que perde importância a função desempenhada35 – a do dealer ainda mais pequeno – e, em tarefas de simples recados, pode ter-se 10 ou 12 anos (verifica-se, atualmente, uma certa tendência para jovens de 13 e 14 anos serem requisitados para a própria venda das drogas, pois os seus “empregadores” – frequentemente, os pais – sabem que há menos probabilidades de jovens dessa idade serem importunados pela polícia).

  • 36 Os dados foram obtidos tanto nas “zonas quentes” como na própria casa dos sujeitos.

140Utilizamos os elementos biográficos recolhidos no contacto com atores da venda nas “zonas quentes” para ilustrar este tipo de indivíduo.36

“O C. (42 anos, 4.ª classe) conta-me a sua vida oscilando entre o patético ( quando fala dos acidentes que teve, ou da injustiça que a entidade patronal está a cometer consigo, quando diz que ‘estou trauma da guerra do Ultramar’ … ), o fanfarrão (quando fala das suas ‘cobranças difíceis’, dos socos e desforras), o irritado (quando diz ao R. S. que não precisa dos conselhos dele sobre ‘chibadelas’ que os eventuais ‘clientes putos’ façam; quando diz ao R. S. que às vezes está ‘à rasca, com ressacas, ele não aparece, ninguém aparece…’).

Oscila, diria eu, entre o herói e a vítima. É, de qualquer modo, um personagem singular, rico de experiências e peripécias ao longo de uma vida, um ator dos subterrâneos e das margens, o típico ‘mangão’ que já habitou vários bairros sociais, com o currículo habitual destas figuras da desviância: ex-combatente do Ultramar, ex-mulher que é prostituta, filhos dela no Instituto de Reeducação e no Tribunal de Menores, vários empregos (herói: episódio do salvamento de uma senhora idosa encurralada na habitação em chamas, cobranças difíceis no Porto; herói do bairro social; ligações aos territórios psicotrópicos da Pasteleira, do Aleixo, da Mitra, do Cerco, do Falcão…; trabalhador normativo: operário no serviço público). Para completar o quadro, é reformado por invalidez e heroinómano de ‘chinesa’, alimentando os consumos com a atividade do pequeno comércio de drogas.

Penso agora no F.: aos 35 anos também já é reformado, era porteiro de um serviço público. Consome atualmente dais litros de álcool por dia. Diz-me que agora não está agarrado à heroína

– ‘Não quer dizer que não dê o meu fuminho, mas esporadicamente. Não ando atrás’ – ao contrário do que já aconteceu. Tem dois filhos. No curto espaço de dois meses contacto dois indivíduos mais proximamente, ambos com legitimações sociais para ‘não fazerem nada’: são reformados por incapacidade. E por falar em incapacidade, estou por agora incapaz de discernir se se trata de um mecanismo de exclusão finamente levado a cabo pelos dispositivos de normalização (neste caso a Segurança Social, o mundo do trabalho…) ou de uma justificação que tais atores conseguem, aproveitando-se das brechas do Estado Assistencialista, para uma legitimação própria da desviância: sou dealer, sou ‘heroinómano’, porque não dou para o trabalho ou porque sou injustiçado neste (C.) ou porque a lógica que este impõe é muito divergente da minha lógica (parece-me ser este o caso do F.)

[Seis meses depois de ter terminado o trabalho de terreno, soube que o F. estava internado numa estrutura hospitalar, para uma cura de desintoxicação].

O P., operário qualificado de 33 anos, atualmente desempregado, foi o primeiro dealer que conheci no bairro da Pasteleira. Ele próprio se assume como dealer: ‘Fui eu que meti o haxixe aqui no bairro. Vêm gajos de muito lado comprar. Agora já não é preciso ir fora, têm aqui. Já não é preciso ir a Rio Tinto, é assim… Metia aqui, o ano passado, dois sabonetes por semana! Sem problemas…’ Na adolescência esteve internado num instituto de reeducação; mais tarde esteve preso três anos por crime de tráfico. Também consome. Diz que se meteu pouco no pó mas que ‘já piquei de tudo’.

Vende à tarde e à noite em frente à sede da Associação Recreativa e Desportiva. Combinei com ele uma entrevista em maio de 1993, depois de ele me ter reconhecido num programa de televisão e se ter vindo sentar à minha mesa, entrevista essa que, no entanto, só veio a ser realizada em junho de 1994.” [Notas de diário de campo, 3 de abril de 1993]

  • 37 Para uma notável descrição de uma transação, ver Ph. Bourgois (1992). Para um breve apontamento sob (...)

141A relação comercial que o dealer estabelece depende do grau de conhecimento que tem do cliente. Se este é completamente desconhecido, a transação rápida, às vezes através da janela do automóvel, é a única relação. Se, pelo contrário, é um ator do mesmo território, a interação pode ser bem diferente:37

“Aquele é o gajo que me vende. É um grande amigo. Não é dos que com mil paus te dão três parafusos. Nã, dá para cinco charutos, e mesmo que um gajo não tenha dinheiro desenrasca sempre. É um amigo. Vende, mas também fuma contigo. Por isso agora não o vou deixar ali sozinho. É um amigo, ainda hoje me convidou para irmos a Cascais, vai lá fazer serviço da empresa onde trabalha. É bom rapaz.” [Observação participante, dezembro de 1992]

142Ser pequeno dealer não é mera função comercial. É um estilo de vida em que a dimensão relacional se revela importante – é por isso que falamos de subcultura junkie. Atentemos agora neste outro excerto de observação:

“Diz-me o Ch.: ‘O X. está todo fodido. Já fui grande amigo seu, mas agora

evito-o.’

Retrata-o como um indivíduo sem escrúpulos e que já queimou o seu capital de confiança, encontrando-se sozinho.”

  • 38 Bean e Wilkinson (1988), num escudo desenvolvido em Nottingham, constatam que cerca de 70% dos cons (...)

143O X. é um dealer toxicodependente, ex-recluso e com atividade delinquente (furto, recetação). Está na casa dos 40 anos. Se, no primeiro excerto, tínhamos um vendedor “amigo e que desenrasca sempre um gajo”, temos aqui um que, se puder, o prejudica. Exemplificamos assim os dois extremos de uma escala de valores no mercado das drogas. De um lado, o servir bem (quantidade e qualidade), o ter uma relação positiva com o cliente (não se troca só um produto, troca-se um convívio ); do outro, o servir mal (no limite, dar “o mico”, desaparecer com o dinheiro sem trazer o produto) e minar a confiança do cliente.38

  • 39 Para o contexto português, Arménio, um ex-dealer, diz-nos o seguinte: “A procura [de drogas] torna (...)

144É este segundo tipo de dealer, frequente aliás, um dos responsáveis pela imagem de que “na droga não há amigos”. Reforçamos, assim, o que já havíamos escrito no capítulo anterior sobre as relações comerciais centradas na droga. Será necessário, contudo, ter em consideração a existência do conhecido dito “amigos, amigos, negócios à parte”. Queremos com isto salientar que nos parece que o carácter empresarial do comércio de drogas não se afasta do chamado “espírito capitalista” sobre o qual assenta a organização das sociedades modernas. Philippe Bourgois (1992) diz-nos que “Como todos os bons americanos, os dealers creem intensamente no american dream: dos tostões aos milhões graças à iniciativa privada”.39 Chamaremos, ainda, a atenção para um aspeto: a subcultura junkie inverte a lógica dominante a propósito da droga. Com efeito, o Ch. fala do indivíduo que lhe vende não como um traficante, mas como um bom amigo. Aqui, o bom amigo não é o que nos livra do perigo (droga-doença), mas o que sabe aquilo de que precisamos (droga-prazer). A questão das “más companhias” – tema clássico a que os técnicos chamam os “grupos de pares” – é, como se vê, bastante relativa…

145O dia-a-dia do dealer é agitado e pleno de contactos. Sem precisar de ter lido o Código Penal, sabe perfeitamente o que é flagrante delito; daí que não traga consigo senão doses que não possam ser consideradas como tráfico. Ou então nem sequer traz nada, indo e vindo ao sítio onde “desmarcou o produto” de cada vez que tem um cliente, ou mandando ir e vir aqueles que o coadjuvam.

  • 40 Também os consumidores tentam que os territórios químicos nos quais se movem sejam, tanto quanto po (...)

146O mundo do dealer é minimalista. Em primeiro lugar, no produto: à altura do nosso trabalho de campo, o principal era a heroína, porque “trabalhar com haxixe já não compensa”. Ora, a heroína ocupa pouco volume e o vendedor, em sua casa, num trabalho de paciência, reparte-a ainda mais, fazendo à mão “panfletos” de facto pequenos. Em segundo lugar, é minimalista nos contactos: o street corner exige brevidade, eficácia, parcimónia. O dealer é um especialista do interstício (ver atrás “interstícios de espaço e de tempo”), é um hábil reconhecedor de caras, está treinado em ver ao longe e fá-lo permanentemente num autêntico hábito incorporado. A vigilância faz parte da sua postura habitual; mas não vigia só a polícia – e podemos dizer que um dealer vigia mais do que um polícia –, vigia também os colaboradores, que com frequência se “esquecem” dos compromissos. Um dealer tem uma grande probabilidade de conhecer um outro dealer. Se for do seu território, conhece-o com certeza – outra coisa é saber o tipo de relação que têm… Se for de um outro território, ou o conhece, ou conhece sempre alguém que conhece. Há um grande interconhecimento no deal, um autêntico xadrez drug que faz com que a toponímia dos poisos desenhe uma cidade química previsível para estes atores.40

147O dealer, já sabemos, negoceia em drogas – e particularmente em heroína. Mas a heroína é uma mercadoria com características muito especiais: de grande valor (cerca de quinze mil escudos o grama, preço que tem revelado uma espantosa estabilidade), pode ser trocada por qualquer outra coisa, desde que por sua vez esta valha dinheiro. Desde peças de roupa a pequenos objetos; desde ouro a automóveis:

“[À porta de um café onde está a funcionar venda de heroína]: ‘Sabes como é que aquele gajo arranjou o carro? Trocou-o por heroína: dás-me tanto e mais o carro e já está’, conta-me o Ch. (junkie do Aleixo) ao aproximar-se um Fiat Tempra.” [Observação participante, dezembro de 1992]

  • 41 Temos vindo a constatar um aumento continuado de investigações sobre a “economia das drogas” tanto (...)

148O dealer é personagem sobre o qual roda uma microeconomia41 que envolve vários atores. Os atores hibridam-se, concretizam-se em novos personagens: o junkie-dealer (o “traficante-consumidor”), o sem-abrigo-junkie (os mendigos pós-modernos), o ex-recluso-dealer, a prostituta-junkie, o polícia-que-afinal-é-dealer, o adolescente desescolarizado-angariador de junkies, a senhora idosa do bairro-vendedora-de-limões, a “velhota”-que-deixa-guardar-pó-em-sua-casa, e finalmente o recém-aparecido arrumador de automóveis. Desenvolve-se uma microeconomia que o discurso social diz que é ali (ali, no Casal Ventoso, na Buraca, na Pedreira dos Húngaros; ali, na Sé, no Aleixo, no São João de Deus…).

149Esta microeconomia tem um largo impacto ao nível do bairro, sendo um excelente exemplo da importância das economias proscritas nos contextos urbanos precarizados. Neste sentido, as múltiplas práticas ligadas aos mercados das drogas não só não rompem com um certo modelo de vida dos grupos sociais destes contextos como se inscrevem numa das suas principais características. João Ferreira de Almeida e outros (1992) chama-lhe “expediente” e diz-nos sobre ele o seguinte: “O expediente enquanto principal competência social e "profissional" revela, por sua vez, grande capacidade para jogar com o estatuto de pobreza nos relacionamentos sociais, incluindo as relações com os serviços de proteção social e a reivindicação, aos mais diversos níveis, de esquemas ‘excecionais’ – porque dirigidos aos mais necessitados – de apoio, investimento e geração de recursos”.

150Isto explica em parte a impossibilidade prática de querer definir fronteiras entre um mundo do tráfico e a população envolvente, que simplisticamente seria sua vítima (“contágio” dos adolescentes, desordem pública…). De facto, constatamos que não há uma rutura, por exemplo, entre dealers e junkies e o resto dos habitantes. Partilham o mesmo espaço, os mesmos lazeres, uns sabem a vida dos outros mas, em territórios precarizados como estes, vender substâncias proibidas é só uma forma de ganhar a vida. Daí que a divisão normal/desviante esteja diluída e os atores que a cidade julga os protagonistas do delito e da insegurança aqui tenham nome próprio e participem da vida comum como indivíduos comuns que são. Lembra-nos isto a frase que nos dizia um deles: “Os delinquentes são como as pessoas…”

O mundo do junkie

151O principal cliente da zona quente é o junkie. Caracteriza-se por organizar toda a sua vida em função da sequência compra-chuta­curte-ressaca-compra. Quando compra só pensa em chutar, quando regressa do chuto só pensa em chutar, para isso tem de comprar e quando consegue comprar só pensa em chutar. Tudo o que faz é em função disso, todas as suas interações também. O seu dia-a-dia, quando não fica em casa com o sofrimento da abstinência ou com a aquietação de “estar bem” (quando tem pó), é uma sucessão de encontros, pequenas viagens (às zonas quentes), táxis, seringas, “chinesas”…

  • 42 O junkie, figura que corresponde e reforça o estereótipo social do “drogado”, é um ator do extremo (...)

152As suas relações sociais, normalmente fragmentárias, são instrumentais: ocorrem por causa do pó. Fora do pó, a vida é um longo momento em que se desmultiplicam estratégias (interativas e económicas) para arranjar pó. Fora do pó só há o pó. Com o pó também – eis o desígnio junkie, dimensão refinada da toxicodependência.42

153O junkie é também muitas vezes vendedor. Nas zonas quentes é predominantemente masculino, entre os 15-l6 e os 35-40 anos. É do bairro ou dos bairros vizinhos, mais raramente de fora e, neste caso, de todas as classes.

154O junkie é, pois, aquele cujo ato foi invadido pelo pó, passando de sujeito que dispunha de si a indivíduo determinado rigidamente pelo químico. “[O comportamento toxicodependente] é um jogo trágico. Um jogo porque o toxicodependente estabelece uma relação lúdica de si consigo mesmo, que consiste em tornar-se outro no interior e a partir de si, trágico porque esse jogo termina na perda de si enquanto ator e pela perda do outro que se desejava ser” (Cândido da Agra 1991).

155O que esta figura tem de particular é a sua já longa estabilidade – desde o início dos anos 80 –, muito superior aos atores das drogas que descrevemos antes dele (cf. Fernandes 1990). Parece anunciar assim um modo mais estável de relacionamento com drogas, simétrico da estabilidade de um mercado subterrâneo.

156Os usos de drogas associavam-se, desde meados dos anos 70, a estilos juvenis em que elas eram elementos potenciadores do encontro, da diversão, da festa (cf. Fernandes, 1990; 1993); eram o catalisador, à uma químico e simbólico, do “desatino”, um estilo convivial assente na boémia e no culto do excesso. Esta fase da boémia psicotrópica vai agonizar lentamente à medida que avança o protagonismo da heroína, de tal modo que os utilizadores de drogas que vêm dessa época, hoje com mais de 35 anos de idade, recordam-na como “a fase feliz”, estragada pela hegemonia da heroína e do seu torvelinho de interesses económicos, que teria ditado o fim da boémia. O junkie atual é, pois, uma figura em corte profundo com o regime anterior das drogas. Se antes havia o “desatino” (simbolizado positivamente) e o “estar ganzado” era vivido como uma fruição, o consumo de drogas é hoje indesligável da toxicodependência pesada, do deal, do confronto permanente com a polícia, da prisão… Na trajetória social das drogas contada pelos seus atores há, assim, uma memória nostálgica dos bons velhos tempos e uma crítica à narcose em que o consumo se transformou e ao servilismo que implica ser junkie.

157Em síntese, o regime anterior de consumo, baseado nos padrões e estilo de vida de subculturas juvenis, diluiu-se. Estas subculturas, pela sua própria natureza psicossocial, são fugazes. Quando se diluíram, desapareceu ou sobrou residualmente o tipo de consumo de psicotrópicos que se lhes associava. O junkie não é já fenómeno subcultural juvenil, é ator social que protagoniza uma nova relação com o mundo, feita da alternância entre o paroxismo e a anestesia psicoafetivos propiciada pela heroína. O mundo do junkie despovoou-se de heróis (bem presentes na fase anterior das drogas) – reina agora a heroína.

158Se já falámos, atrás, de subcultura junkie, referíamo-nos ao aspeto instrumental que a definição de subcultura encerra – e só a este. Quanto ao lado expressivo, tão exuberante nas subculturas juvenis típicas das décadas anteriores (Cohen 1972; Hall e Jefferson 1983; Brake 1985; Romani 1985; Feixa 1987; Feixa 1988; Baron 1989; Racz 1992), “já não tem assunto”. Esta frase, carismática da subcultura junkie, concentra numa curta expressão a metáfora da vida no bairro. O bairro “não tem assunto”; as drogas também “já não têm assunto”. Esgota-se o assunto quando o assunto é sempre o mesmo: as mesmas esquinas, as mesmas rotas pedestres, as mesmas caras, os mesmos polícias, a mesma poeira.

  • 43 Remetemos para a excelente investigação de R. Ingold (1984) sobre a dependência económica na heroin (...)

159A perspetiva temporal do junkie é pouco ambiciosa, aliás, é difícil ver para além do tempo que medeia até à próxima compra, ao próximo “chuto” ou “chinesa”. A tarefa principal do dia nem é arranjar pó – esse, sabe-se onde está, “não tem assunto”; é, isso sim, arranjar com que o comprar. A dependência junkie é também uma dependência económica,43 que sobrevive à custa seja da colaboração na distribuição do produto, seja de uma série de esquemas que é necessário inventar a todo o momento e que obrigam a uma atenção permanente na relação social que se estabelece. Esta relação social é sempre pressentida como uma possível relação de interesse financeiro. O junkie, para além de ser um conhecedor, como já vimos, dos interstícios de espaço e de tempo, é um especialista do interstício financeiro: toda a informação que lhe é dada é convertível em trocas, negócios, notas de mil, moedas de cem… Nas condições atuais de instalação do fenómeno droga é impossível não estar permanentemente a falar de dinheiro; a definição de dinheiro, para o junkie, é a de uma coisa que se está sempre a dever a alguém e a “cravar” a alguém (obter através de um pedido, normalmente embrulhado na palavra empréstimo). Lemos uma vez algures que em Portugal nada se compra, tudo se arranja; pois bem, no junkie, tudo se arranja sempre para a mesma compra: a do pó.

160Um dos refrões do discurso coletivo associa drogas a delinquência e a sentimento de insegurança. Parece-nos, de todas as questões suscitadas pelo fenómeno droga, aquela que se afigura menos enigmática. Com efeito, não é possível arranjar dinheiro diariamente para um consumo regular. A única saída é a de colaborar, com diferentes graus de implicação, nas economias informais. Recorramos à investigação de Coppel (1994) a este respeito: “Os toxicómanos com quem falámos reconheceram os roubos, a utilização de cadernetas de cheques roubadas, como fontes de financiamento, embora nenhum deles se tenha afirmado como traficante. O produto pode, de qualquer modo, ser trocado por serviços ligados ao tráfico, à vigilância, à proteção física dos traficantes, a informações sobre as atividades dos serviços (polícia e município) ou sobre o tráfico noutras cités e a venda de produtos de corte, etc.”

161Esta dependência económica não é vivida sem ambivalência. Há frequentemente uma consciência aguda de se ter desperdiçado a possibilidade de uma vida menos difícil, mais tranquila e confortável:

“Também já vivi em Chaves. Gostava de andar a cavalo, pá. (faz o gesto de galope). Fartava-me de andar. Grande charuto, óculos Ray-Ban, boné, era à gringo. Todo fora da carola, ali a andar a cavalo. Então, em vez de gastar tudo no cavalo, não podia ter agora dois ou três daqueles? […] Tinha duas motas, uma 125 e uma 50. Destilei-as. [Sorri.] Estão destiladas.” [Observação participante, 29 de outubro de 1992]

162Nas notas de comentário desse dia, escrevíamos: “O ‘Ch.’ colocava um tom humorístico ao contar o seu trajeto pessoal. Parece-nos ter um sentimento misto de orgulho e de trágico nas suas aventuras.” Notámos, com efeito, nos indivíduos que partilharam connosco reflexões sobre as suas vidas na heroína esta oscilação: à sensação de gozo e de superioridade (com o pó fica­se inatingível pelo comezinho quotidiano) sucede-se a da falta e a da perda. A sensação de perda podemos enunciá-la sob a forma da questão que o junkie não explicita, mas que fica latente naquilo que conta de si: “Que fiz eu da minha vida?”. Normalmente não chega a responder – chutará antes disso. Adiar esta questão obriga a uma estratégia: viver no presente. Quanto mais se avança na heroína mais se vive no presente: o estilo de vida junkie impede o futuro.

163A delapidação material do adicto a consumos pesados é paralela a um afrouxamento dos critérios morais. A urgência da heroína é, no discurso dos seus atores, justificativa do ato que os próprios condenam. Exemplifiquemos com a reunião e o consumo público mesmo ao lado de um infantário: “Eu sei que é chato, mas…”. Torna-se, no entanto, mais fácil denunciar o lado condenável do psicotropismo através do exemplo alheio. O junkie produz, com frequência, juízos morais em contradição aparente com as suas opções de vida. Os ambientes das drogas duras seriam dominados por indivíduos sem regras de convivência dignas, onde a necessidade imediata do lucro (no dealer) ou da dose seguinte (no adicto) anula o plano ético:

“E então o X. anda a vender com a mãe? Vê lá se tem jeito, mãe e filho a vender. Outro dia passei por lá, ela estava à janela e eu perguntei: ‘Minha senhora, não há daquilo?’

E ela disse: ‘Espere aí um bocadinho que eu atendo já’. Ao que chegámos, mãe e filho a vender.” [Fragmentos discursivos, 28 de outubro de 1992]

  • 44 Poderíamos falar da violência como um dos fatores desta regulação. De facto, alguns autores têm cha (...)

164As drogas duras, se as virmos à escala do indivíduo adicto e de acordo com as suas próprias crenças, são desorganizadores existenciais projetivamente, mas são organizadores existenciais do instante diário – provocam a tirania do presente. Se as virmos à escala das relações interindividuais, são agentes de anomia: o “mundo da droga” é visto pelos próprios como o sítio onde a regra é impor a nossa regra à regra do outro – e a possibilidade de a impor é, claramente, diferencial, sendo o fator económico o decisor da eficácia da regra. O “mundo da droga”, à semelhança do mundo, produz uma escala social de dominância que vai do despojado de qualquer influência – o junkie que só compra – ao detentor de poder – o grande dealer que tudo vende. Esta escala tem uma regulação interna muito dinâmica no seu extremo superior;44 se, na base, o junkie é sempre junkie, já o dealer de hoje pode ser o recluso de amanhã, a sua riqueza (à escala do bairro) dar lugar à precaridade e o seu posto ser ocupado por outro:

“O P. chegava aqui de Alfa Romeo. Ficou sem nada… Chegava aqui de Alfa Romeo, cinco mil contos no bolso. E agora? Que é que tem? A bófia caiu-lhe em cima, oh! O F., esse, passava o dia a contar notas [faz a mímica]. A tarde toda. Agora está dentro. Eram aos 10 e 20 mil contos. Ficou sem apartamento, sem carro, a bófia caiu-lhe em cima…” [Fragmentos discursivos, 3 de fevereiro de 1993]

165Seria curioso saber mais sobre a probabilidade de se ser dealer por longo tempo, o que estará com certeza inversamente relacionado com o facto de “a bófia cair em cima”. Do junkie já sabemos poder ter um itinerário longo: alguns dos indivíduos que fomos conhecendo consumiam heroína e outros produtos há mais de vinte anos, e muitos deles há mais de dez (com as típicas interrupções “para limpar”, normalmente autogeridas); do dealer, sabe-se muito menos. Adler (1992), num dos poucos estudos que se debruçam sobre esta questão sem ser a partir de indivíduos em contacto com o sistema judicial ou penitenciário, refere uma média de cinco a dez anos para a carreira de dealer nos EUA. Quanto aos nossos dados, podemos apenas referir o seguinte, que nos parece significativo: os dois dealers com quem viemos a ter mais interações, frequentando mesmo num dos casos a sua casa, continuavam, da última vez que os contactámos, a exercer a atividade de dealers – o que perfaz quatro anos. Acrescente-se que são ambos consumidores, um deles manifestando grande dependência de heroína.

166Estas constatações reforçam uma tese clássica, bem enunciada por D. Matza (1969), um dos autores que mais contribuíram para a naturalização do olhar sobre a desviância: a empresa desviante, aos olhos do próprio, afigura-se viável e sustentável e nada estranha e patológica. É exatamente por isso que pode estruturar-se em carreira, à semelhança dos mundos profissionais normativos.

  • 45 Estamos a ser fiéis aos dados à altura da nossa pesquisa. Trabalho de campo posterior tem-nos vindo (...)
  • 46 Frase de uma canção rock de Lou Reed, “Heroin”.

167O junkie é, enfim, um indivíduo com uma relação intensa com a heroína, assumindo as outras drogas, no seu consumo, um papel subsidiário ou complementar.45Heroin is my wife and is my life”46 – eis uma bela metáfora daquilo que parece ser o seu script existencial.

168O estatuto da heroína, nas crenças dos seus prosélitos, não se compara ao de qualquer outro produto. Um pequeno episódio que presenciámos é bem disso o exemplo: um indivíduo do bairro do Aleixo conta-nos o “descaramento” de um amigo seu, que vai a casa dele pedir dinheiro emprestado. “Vê lá, foi pedir cinco contos à minha velhota; ainda se fosse para heroína, mas era para coca.”

169As crenças dos consumidores estão, por vezes, extremamente perto da ideologia dominante em torno da droga; por exemplo a de que um adicto não aguenta a abstinência, como se a heroína fosse, das drogas, aquela com que não se pode brincar… Em contrapartida, não vimos partilhada por estes atores a crença da escalada do haxixe para a heroína. O filtro do charro nos interstícios dos paralelepípedos, ao longo das calçadas do bairro, é bem o símbolo da sua banalização; um consumo público que nem sempre se oculta do transeunte. Quanto à heroína, não constatámos, pesem embora as imagens da comunicação social, a assunção pública do seu consumo. Vimo-la, por outro lado, cindida em dois tipos de uso: o da “chinesa”, uso leve de uma droga dura – “só dá mais paz, mais nada”; e o clássico “da agulha”, próprio “dos agarrados”, uso duro de uma droga dura.

170Numa das páginas dedicadas a comentários e reflexões do diário de campo, sintetizámos assim aquilo que observávamos nos atores da heroína:

“A heroína, droga da paz. A ausência dela, um inferno. Apaziguar-se. O poder governar quimicamente o (des)ânimo, eis a conduta que intervala o fatalismo da vida. O esmagamento social, económico, laboral, habitacional. Os factos a ocorrerem todos contra nós e apesar de nós. Contra os factos não há argumentos – mas há heroína.”

Estados translúcidos e territórios psicotrópicos

171De acordo com o que acabámos de escrever na secção anterior, o estado translúcido (no sentido em que o definimos logo de início) proporcionado pela heroína pode representar um esboço adaptativo do junkie às suas condições contextuais.

172A toxicodependência adquiriu na nossa cultura um significado de sentido único: perda de si, desadequação às tarefas e às exigências da vida social. Este significado é totalitário: de tal modo se infiltrou nas imagens coletivas que impede a possibilidade de outras significações – revelando deste modo o carácter ideológico da conceção vigente da toxicodependência. E se a experiência da heroína correspondesse a uma tentativa de adaptação psicológica do sujeito a contextos concretos?

173Recuaremos ao significado da palavra ghetto ao procurar saber a que se adapta o junkie dos territórios psicotrópicos. Não é a hipótese de fuga a uma realidade, mas a da sintonia entre indivíduos e um dado contexto, aquela que nos guia quando dizemos que há correspondência entre ghetto e “estado da heroína”.

174Louis Wirth, no clássico The Ghetto (1928) da Escola de Chicago, assinala a antiguidade do termo, que poderá vir do hebreu get, que quer dizer divórcio, ou de um termo dos judeus italianos, borghetto, ou pequeno quarteirão. Designa, na Europa medieval, os lugares de segregação dos judeus em relação ao resto da população (e Wirth refere mesmo as judiarias em Portugal). Nos EUA, surge ligado às áreas das cidades onde o emigrante encontrava o seu refúgio ao chegar – generalização, portanto, dos quarteirões habitados por judeus, ou ghettos.

175O ghetto aparece, pois, como “um caso prolongado de isolamento social, […] forma histórica de negociar com uma minoria discordante da população alargada, […] funcionando administrativamente como uma forma de controlo” (Wirth 1928). Faz ainda uma afirmação que para a nossa hipótese é essencial: “O ghetto não é só um espaço físico mas um estado da mente.”

176Ora, o “estado da heroína” tem como um dos seus elementos fundamentais, precisamente, um dado “estado da mente” (embora não deva ser reduzido a ele). Falamos em “estado da heroína” por analogia com o “estado da marijuana”, com o qual H. Becker (1963) designava o indivíduo no estádio mais avançado da carreira de fumador de marijuana.

  • 47 A literatura, que dispõe de liberdade discursiva e não necessita de validar o que diz, tem chegado (...)

177No “estado da heroína”, a vida tal como a conhecemos – sem alteração psicotrópica da consciência – é um intervalo indesejável, que se quer curto e passageiro. O “estado da heroína” é a fruição da narcose opiácea, uma vivência tão vedada à descrição pelas palavras como o transe, a revelação ou o orgasmo – lugar psíquico onde o especialista das drogas fica tão inexpressivo como o sexólogo quando tenta dar notícia intelectual do gozo…47

  • 48 A literatura desceu já fundo na exploração daquilo que é pesado e daquilo que é leve na existência (...)

178Há, neste género de adição, uma proposta de anestesia que, num sítio que a cidade afastou e adiou – o ghetto – permite manter-se afastado e adiado. Na heroína fica sempre tudo para o dia seguinte, graças a uma potente ação sobre o tempo interior – dimensão sobre a qual há uma grande lacuna do saber científico das drogas, coisa que só por si também precisaria de ser explicada… No “estado da heroína” a realidade que pesa não pesa – o pesado faz-se leve e o tempo, suspenso, não tortura.48

179Enfim, o “estado da heroína” é uma das modalidades da economia psicológica da guetização, uma tentativa de adaptação à ecologia do ghetto. As bases de coca, que fazem a sua aparição nestes contextos no início da década de 90, podem introduzir interessantes potencialidades neste processo: a mera narcose que fez já de há muito apelidar de dormideira a planta do ópio, propõe excessos de arrojo, energia, entusiasmo e otimismo. Administrar sabiamente um equilíbrio entre a posição réptil que imobiliza a realidade e a posição exaltada de quem tem o mundo todo à espera – conquanto que a ação propriamente dita fique para o dia seguinte… – é esta a alquimia que entretém o junkie e faz dele, à sua maneira, um especialista das drogas.

Aprender a viver nos territórios psicotrópicos

180O contacto quotidiano com as drogas retira-lhes a carga com que são figuradas no discurso coletivo. É neste sentido que deve entender-se, a nosso ver, a afirmação corrente, nos técnicos, de que “as drogas se banalizaram”. Não se banalizaram porque muita gente as consuma ou aprove o seu consumo. Aquilo que as torna banais é o espetáculo diário que oferecem: nos media, onde são elemento constitutivo da excecionalidade (as apreensões, os “mundos da droga”…), e nos territórios psicotrópicos, onde são elemento constitutivo de uma rotina.

181a) A exposição ao pó: o habitante do bairro, ainda que nada tenha que ver com drogas, sabe que muito do que vê e ouve todos os dias, ao sabor dos seus percursos pedestres, das suas entradas e saídas de casa, ao sabor do que vê da sua janela, tem que ver com as atividades que têm nos psicotrópicos o centro. Está, portanto, de uma forma sistemática, exposto ao pó.

182Se deslocarmos a nossa atenção para os sectores etários da infância e da adolescência, esta exposição remete para o tema da socialização. Recorreremos a um excerto do diário de campo onde, a propósito de várias observações nas casas de alguns dealers-junkies, procurávamos refletir sobre o que aí víramos:

“Já da outra vez, em casa do C. (um dealer-junkie de 42 anos), eu tinha refletido sobre a socialização drug neste tipo de contexto, que passa essencialmente pela exposição das crianças e dos jovens a comportamentos que são alvo de censura social, mas que neste setting são corriqueiros, ocorrem naturalmente, sem discursos valorativos em tomo de comportamentos de consumo, que são expostos na sua evidência à criança, pela simples razão de que, para estes atores sociais, parecem naturais. Digamos que está desvalorizado, à força de se ter tornado banal.” [Notas de terreno, 27 de dezembro de 1992]

  • 49 Mesmo nos contextos que, formalmente, promovem uma clivagem com esta vida social, acabam por estar (...)

183A quotidianidade apaga os mitos. Aquilo que é um mundo longe fica ao alcance da trama diária das relações. É o que acontece com a droga aqui. Se conjugarmos este facto com um outro típico destes contextos, que é o da grande participação das crianças na vida social corrente, utilizando as habitações, os patamares dos blocos e a rua como lugares de encontro e de jogo e estando em permanente contacto com os adultos, é natural concluir que aprendem, desde cedo, esta “banalogia” das drogas (tomamos o termo de Maffesoli, s.d.).49

  • 50 “Especificamente, este modelo (Teoria da Aprendizagem Social) defende que a exposição a amigos ou a (...)

“O C., da vez anterior, era o modelo, ao preparar a chinesa, ao alisar a prata, ao fazer o risco, ao acender o isqueiro, ao aspirar a coluninha de fumo, ao reter nos pulmões, ao acender de novo o isqueiro e repetir a operação. O seu filho de 11 anos vê. Está em condições de imitar o consumo. Imitar ou não, consoante as autodeterminações da sua individualidade. Este era o primeiro ato. O modelo, a exposição. Tal como vêm nos cânones da teoria da aprendizagem social. […] Segundo ato: ao filho mais velho (tem 14-15 anos) manda-o à rua comprar ganza. Parece que se confirma a teoria – este filho já passou da observação do modelo à imitação.50 Sabe como fazer para adquirir o produto, não faz qualquer pergunta. Parece dominar os comportamentos necessários ao estilo de vida drug. Já tem, diz-nos o pai, asas para andar. Destas asas se fazem por aqui os voos adolescentes, acrescentamos nós. Mais uma vez a droga, neste caso a sua aquisição, é falada de um modo natural, desvalorizado, como se se tratasse de ir comprar cerveja – aliás, é comprada em simultâneo, como se ganza, cerveja e fiambrino estivessem em pé de igualdade no lanche que se prepara.” [Notas de terreno, janeiro de 1993]

Polifuncionalidade do espaço de rua nos bairros sociais

Polifuncionalidade do espaço de rua nos bairros sociais

184Outro episódio que presenciámos (e a que fizemos referência atrás, em “Territórios acossados – 2”), é revelador da precocidade das aprendizagens necessárias à sobrevivência nos territórios psicotrópicos (trata-se do episódio da criança de 11 anos que vai ao café avisar o irmão mais velho da presença da polícia no bairro). Nas reflexões desse dia no diário de campo escrevíamos:

“Noto como fala sem tabus, em frente do irmão de 11 anos, das suas idas ao CAT tomar metadona, das rixas e pancadaria em que umas vezes é ele que dá e outras é quem leva. O irmão ouve com um ar em que não deixa denotar emoções. Escuta, apenas, quieto na cadeira.”

  • 51 “Os adolescentes adquirem as suas crenças relativamente aos comportamentos delinquentes através dos (...)
  • 52 A valorização destes traços foi já salientada por O. Lewis (1983) na sua caracterização da cultura (...)

185Este acontecimento é ilustrativo da socialização nos territórios acossados. E tem algo em comum com o anterior, protagonizado pelo C.: num caso o irmão mais velho, noutro o pai, ambos dealers­junkies de bairro social, funcionam como modelos de condutas relacionadas com as drogas;51 e ambos se apresentam como indivíduos que, através do tipo de façanhas que relatam, valorizam a masculinidade, a coragem física (mesmo quando são eles quem perde) e a agressividade.52 João Ferreira de Almeida e outros (1992), na caracterização que fazem da convivialidade em grupos afetados pela vulnerabilidade à pobreza, afirmam que este tipo de grupos sociais, que valoriza as “formas de sociabilidade exuberantes” e o “prazer convivial”, recorre muitas vezes, para a resolução dos frequentes conflitos, “a uma verbalidade tão rica quanto agressiva ou a violência física – em correspondência, aliás, com a valorização da potência muscular, da destreza, da sagacidade e da coragem”.

186Esta constatação foi diversas vezes reiterada. O desenvolvimento da nossa própria socialização nestes contextos obrigou-nos a redefinir aquilo a que o senso comum chama “má educação”, “má-criadice”, “boçalidade”, etc.

187b) As boas maneiras: lentamente, fomos descobrindo que também neste meio social funcionam regras de etiqueta bem precisas para com o forasteiro. Exemplificaremos com uma delas, que consiste na proibição de agradecermos alguma oferta que nos façam como estratégia para nos colocarem “como em casa”. Se dizemos, ao oferecerem-nos uma cerveja, “obrigado”, podem ocorrer respostas como: “Mas aqui ninguém foi obrigado a nada”, ou, de um modo mais veemente, “Não me digas obrigado, caralho! Foda-se, obrigado o caralho!”. Ou ainda, da primeira vez que visito a casa do “C.”, na companhia de um informante privilegiado (o “R. S.”), o modo como ocorre a despedida:

“Cerca das 19.30 horas, diz-me o R. S.: "Vamos indo?" Noto então que o C. se despede com grande deferência – à sua maneira, claro – de mim:

– Queres senhas de autocarro? – menciona procurá-las, mas o R. S. diz que já tem para mim.

– Olha, agora já sabes onde aqui o C. mora. Qualquer coisa que precises… Isto ou aquilo… Ó pá, não sei, qualquer coisa… Se precisares de dar uns socos num gajo… Vens aqui, a porta está sempre aberta…

– Obrigadíssimo – digo eu.

– Obrigadinho o caralho, ó, lá estás tu! Assim já não quero nada!

O R. S., intervém em minha defesa e diz: São princípios… (refere-se aos meus modos, pelos vistos excessivamente polidos).” [Observação participante, 12 de dezembro de 1992]

188Este comportamento parece paradoxal: insulta-se alguém para o pôr à vontade, utilizam-se asneiras para se ser ducado. Aos primeiros contactos, as interações parecem-nos carregadas de violência verbal e o ambiente tenso, e mesmo inóspito. Vamo-nos apercebendo com o avançar do tempo que este é um estilo convivial típico e que a sua incorporação natural na comunicação rotineira o esvazia da carga que, noutros contextos, temos tendência a atribuir-lhe. Vimos já, também, na secção anterior, como por exemplo o troçar de alguém fazia parte dos costumes de diversão locais.

  • 53 O que se liga claramente ao facto de se tratar de um delito sem vítima, no sentido em que o definiu (...)

189As crianças e os adolescentes estão, em suma, em contacto com um mundo comunicacional marcado pelo confronto verbal. Além de, como vimos, expostas ao pó, estão expostas à linguagem local, em que a expressão eivada dos popularmente chamados “palavrões” predomina. Aprendem assim um modo comunicacional adaptativo ao seu contexto de vida. Subscrevemos inteiramente a tese, já antiga, de O. Lewis (1983): “Muitos dos elementos que caracterizam a subcultura da pobreza podem ser considerados tentativas locais de resolução de problemas.” A tese é tanto mais verdadeira se algumas destas crianças vierem a ser dealers mais tarde, pois é uma atividade que exige uma constante agonística interativa.53 Diríamos, retomando o conceito de habitus, que este modo comunicacional é um dos elementos constitutivos do habitus de periferia urbana; é como se nos territórios duros, como já lhes chamámos (Fernandes 1993), a linguagem fosse igualmente dura; ou como se, em sítios “onde a vida diária já é luta” (Delarue 1991), o simples ato de falar traduzisse essa postura de combate.

190O que a exposição ao pó parece revelar, encontramo-lo numa formulação de O. Lewis (1983) a propósito da cultura da pobreza: “Um estilo de vida altamente estável e persistente herdado por cada geração dentro da mesma linha genealógica.” E o que a incorporação e reprodução de um modo comunicacional duro parece revelar, encontramo-lo ainda no mesmo autor: “Constitui um fator dinâmico que atinge a esfera da participação numa cultura nacional mais ampla e se converte ela própria numa subcultura.”

Nota final

191A abordagem proximal e numa escala psicossocial micro que adotámos teve como efeito a necessidade de problematizar dicotomias redutoras. Os bairros, ao perto, não são todos iguais. Não há, pois, a cidade normativa, valorizada e dominante a um lado e o urbano degradado do outro. O bairro não é sempre degradado, nem é muitas vezes urbano no seu todo: a vida local tem características que a aproximam, a vários níveis, do espaço tradicional antes da grande cidade.

192As dicotomias vivem, pois, mais na narrativa habitual sobre a cidade do que na sua dinâmica real – e as imagens que temos dos fenómenos desviantes e dos grupos marginalizados não têm sempre uma grande coincidência com as manifestações da vida diária das periferias sociais.

193Relembremos um exemplo da necessidade de diferencializar: as retóricas pedestres no bairro do Aleixo eram predominantemente desviantes e as do Pinheiro Torres eram de conveniência. O primeiro confirmaria, ao observador externo, as imagens da desviância; o segundo, o da aldeia dentro da grande cidade – com a experiência comum desta interrompida aos níveis físico-ambiental e das práticas de sociabilidade.

194Certas práticas desviantes e seus atores não estão necessariamente em corte com a vida local. A própria forma de estruturar as esferas publica e privada, com uma complexa série de transições e até de inversões, assim o determina. A experiência da desviância feita pelo habitante comum do bairro não é realizada através do plano simbólico, como no cidadão da urbe dominante; enquanto este conhece tal experiência através da notícia mediática ou de contactos breves com os “desviantes”, aquele tem um certo grau de fusão com eles, ditado pelas redes de vizinhança intrincadas e pela visibilidade direta – um bairro é, neste sentido, um cenário permanente e a expressão ator social recupera aqui a sua dimensão dramática. Ao evitamento experiencial do primeiro substitui-se, no segundo, uma quase imersão.

195Seria curioso explorar, em futura investigação, as consequências disto no estereótipo que se tem dos “mundos marginais” e no tipo de relação que se estabelece com os seus atores – seria um contributo para a compreensão das reações sociais ao comportamento desviante, normalmente tão redutoras e carregadas de emocionalidade.

196Enfim, o bairro social não é só uma entidade sociomorfológica, é um efeito de retórica na narrativa do urbano, que convoca os temas da insegurança, da dissocialidade, da exclusão social. Eis o que a leitura proximal permite questionar: este efeito retórico, persistente e infiltrado no imaginário social, deriva de uma vontade de pôr em causa as coexistências da vida coletiva – tentativa de reordenação das “populações perigosas”. A segregação espacial das heterogeneidades culturais e sociais da grande cidade tem, assim, um mecanismo alimentador na segregação simbólica. Possa a narrativa sobre as periferias sociais construída através do trabalho etnográfico ajudar a complexificar o argumento que tem servido ao jogo de tal segregação simbólica, subtraindo-o à fixidez em que repousa – efeito imobilizador da nossa ideia de cidade, autorizando a reprodução incessante dos mesmos cenários e do mesmo desempenho de papéis.

197E as drogas? O mundo psicotrópico? Diga-se deles o mesmo que se disse dos bairros: desça-se das imagens gerais até à escala local, desloque-se o ponto de observação das formas macro do discurso coletivo às manifestações micro dos múltiplos discursos, anónimos e quase silenciosos, dos atores dos territórios psicotrópicos.

198O “hipermercado das drogas” define uma relação de exterioridade: o “mundo da droga” é ali, diz o rumor coletivo. Os psicotrópicos e os seus atores têm um sítio. Topologizar uma ameaça difusa é circunscrevê-la, definir-lhe o topos e externalizar o mal – eis a funcionalidade da etiqueta “população em risco”.

199O território psicotrópico instaura uma relação em que o transacional substitui a exterioridade: a interação entre os atores é o alvo da análise; constrói-se sobre as ocorrências quotidianas, e não sobre o acontecimento excecional.

200A nossa etnografia diz respeito a territórios, atores e tipos de relação com drogas que, na mobilidade que caracteriza o fenómeno droga, começaram a instalar-se no início dos anos 80. O junkie demonstra, assim, uma constância que contrasta com a fugacidade das figuras de relação com drogas antes dele – por exemplo o freak das subculturas juvenis, de grande dominância do polo expressivo. A “durabilidade” do junkie é correlativa da solidez do mercado de rua das drogas duras e da associação deste com as periferias sociais. Tem-se vindo a instalar ao nível da rua uma subcultura das drogas de carácter instrumental, que o discurso coletivo tem filtrado redutoramente como “o mundo da droga”.

201Criando uma cidade que só pode ser lida por quem se acultura no estilo junkie, os interstícios de espaço e de tempo possibilitam os encontros instrumentais necessários à vida nas drogas; a sua centralidade deve-se à capacidade dos seus atores para criar interstícios. A própria linguagem é lugar de interstício, a droga pode falar-se sem que um profano entenda o essencial da mensagem que se cruza à sua frente.

202As drogas são mantidas num faro de clandestinidade através dos interstícios de espaço e de tempo. O fenómeno psicotrópico manifesta-se por disseminação ínfima, a sua omnipresença é intersticial, ocorre discretamente. A função da subcultura junkie é proceder a esta intersticialidade, mantendo a droga fora do cidadão médio. O interstício de espaço realiza a disseminação ínfima, realizando com ela um paradoxo: mantendo as substâncias ilegais ocultas, torna-as omnipresentes. Pertencer à subcultura junkie é conhecer a toponímia psicotrópica, é saber a disseminação ínfima dos psicoativos pelos interstícios da cidade.

203Há na droga uma espacialidade oblíqua, uma espécie de dimensão cuja chave só detêm polícias e consumidores. Há, também, um tempo oblíquo: a vivência de uma tensão profunda ao tentar coordenar-se o ritmo temporal da cultura dominante com o ritmo temporal da subcultura junkie. O oblíquo surge aqui por oposição aos planos lisos da cidade: o interstício, como o nome indica, é fenda, interrompe o plano.

204Propusemos neste trabalho uma definição de território psicotrópico a partir das regularidades observacionais. Salienta-se, com ela, o carácter fortemente territorial do mercado de retalho das drogas, bem como a vantagem, do ponto de vista do utilizador, de dispor de um programa comportamental característico do território psicotrópico. Salienta-se, ainda, o carácter simbólico do território psicotrópico: protagonizando o “é ali” das drogas, permitiria topologizar no concreto o medo difuso que inspiram (no discurso coletivo droga-crime-insegurança urbana). Esta topologização tem um papel na economia dos medos coletivos e legitima o reforço do controlo social. Signos recentes disso são a escalada do policiamento nos bairros ou o discurso político do aumento das penas para os traficantes.

205Os territórios psicotrópicos evidenciam uma grande capacidade de resistir ao controlo social que se lhes dirige. Não obtivemos, em nenhum momento, qualquer indício de que o controlo dirigido a estes espaços fizesse diminuir a oferta de drogas; quando muito, faz diminuir ou cessar uma esquina, um grupo de dealers, ou a centralidade de um bairro; mas logo outro fica no centro, logo outras esquinas entram para a topografia dos poisos, outros dealers atuarão…

206Ser dealer não é, normalmente, mera função comercial – é um estilo de vida; é uma ocupação mais ou menos diária que se aproveita da desocupação de quem a exerce: vender drogas numa esquina é “estar por ali”, revelando-se a dimensão relacional importante. É personagem central de uma microeconomia de bairro, com grande papel em contextos vulneráveis à pobreza. Daí a impossibilidade prática de dividir estes contextos no “mundo do tráfico” e no resto do bairro. A rede e as ligações são mais complexas e os mundos sociais nunca são delimitáveis como se se tratasse de substâncias físicas.

207O impacto da dimensão económica das drogas faz-se igualmente sentir no tipo de consumidor a que demos atenção ao longo da pesquisa: o junkie. É esta dimensão que o liga ao ato delituoso, e não qualquer efeito resultante da substância que ingere – não comete delitos, quando comete, por ter ingerido a substância, mas porque ainda a não ingeriu; não comete atos antissociais sob o seu efeito, mas porque o busca afincadamente – e enquanto este durar não pensa em importunar ninguém… Em suma, o principal delito do junkie é a sua participação nas redes informais da economia subterrânea (o que pode implicar envolvimento na recetação de objetos furtados, na sua venda ou no próprio furto).

208Tratamos por fim o problema de esclarecer como se começa: como se dá a aprendizagem das atividades das drogas num território psicotrópico? A necessidade analítica dos especialistas fá-los partir o objeto. É hoje amplamente aceite que o fenómeno droga é biopsicossocial. Pois bem: nesse exercício analítico diría­mos – embora avisados da necessidade de estabelecer pontes entre os níveis – que se os fatores biopsicológicos são necessários para explicar as adições de maior ou menor gravidade, os fatores de ordem social chegariam para dar conta da iniciação nas drogas – sendo a exposição ao pó o elemento central e a aprendizagem social o mecanismo.

  • 54 Extraída do texto “A cidade e os medos” enviado para publicação na imprensa por C. da Agra e L. Fer (...)

209É esta dureza, somada à imagem insistente e ameaçadora que estes contextos têm no imaginário social, que continuará a impedir que os trabalhos etnográficos baseados na observação participante se façam com mais abundância. A dureza do fenómeno determinara a escassez das tentativas para o tornar objeto científico. Pode ainda aplicar-se com mais propriedade à investigação etnográfica dos “espaços perigosos” e dos atores do desvio a reflexão de Cândido da Agra: “O fenómeno criminal, o fenómeno da droga, e o comportamento desviante em geral são objetos malditos, indignos do imaculado pensar científico. […] Como se os problemas da desordem e da ordem constituíssem tabus de verdade. Como se a razão tivesse de ficar adormecida quando deles se aproxima”.54 Talvez, do ponto de vista ético, isso seja uma circunstância feliz…

Notes

1 Mostrámos por diversas vezes fotografias do Aleixo a indivíduos não residentes em bairros e normalmente não o reconheciam nem o localizavam na cidade, embora dissessem tratar-se “de um bairro” e lhe associassem qualificações negativas, salientando designadamente a desindividuação que um espaço daqueles provocaria (dados da aplicação experimental – que depois quase abandonámos – da técnica dos ambientes artificiais).

2 Tomamos aqui o termo conveniência de Mayol, citado por Prost (1991): o conjunto das regras que regem as trocas de vizinhança, desde a aparência pública, o visual, até às compras no merceeiro, aos percursos no bairro… São o limiar que assinala o que é normal e o que o não é. O café e o merceeiro seriam sítios de conveniência respetivamente masculino e feminino.

3 “Costumava queixar-se amargamente o vereador da habitação da CMP […]. Em 1993 contou que no bairro do Aleixo foi necessário comprar portas de elevadores em aço inoxidável, único material capaz de resistir à urina…”, Jornal de Notícias, 27 de novembro de 1995).

4 Sobre a relação que esta etiqueta tem com a autoimagem e a identidade dos habitantes destes espaços e sobre a própria ocorrência e reforço de atividades desviantes que os elegem como cenário há uma extensa literatura. Cf., a título de exemplo, Lahosa (1989), Dupree (1991) ou Fernandes e Agra (1991).

5 Cf., por exemplo, Rodrigues (1985), para uma síntese da constituição histórica das categorias de privacidade e de publicidade.

6 De resto, a própria dicotomia rural/urbano encontra-se hoje submetida a crítica – cf. o artigo de síntese desta problematização em Guerra (1992). Aquilo que estamos a salientar prende-se, no entanto, não com a invasão do mundo rural pelo mundo urbano, mas com a recriação de sociabilidades típicas daquele no seio deste. É possivelmente num sentido próximo que Cabrita (1988), apoiando se em Chombart de Lowe, fala em “cultura de periferia”, caracterizada seja por uma vida urbana incompleta, seja por uma vida rural degradada, seja pela coexistência de ambas.

7 Inversamente, poderíamos ver nos dados brutos a corroboração empírica de teses teóricas; mas, na realidade, fomos a posteriori ao encontro dos conceitos que dissessem numa linguagem formal aquilo que dizíamos numa linguagem empírica.

8 “Como Merleau-Ponty ou Heidegger, (a noção de habitus) designa uma relação de cumplicidade ontológica com o mundo; ou ainda, no caso em que – como Mauss, o qual reconhece a sua dimensão corporal como porte ou postura – a noção serve para referir o funcionamento sistemático do corpo socializado” (Bourdieu 1989). Talvez estejamos a simplificar, mas encontrámos aqui o princípio teórico que nos lançou luz sobre o porquê de conhecermos, só pelo andar, pela postura, mesmo ao longe ou de costas, um jovem de bairro; de igual modo, as rotinas convencionais, os tiques de voz, os temas, são imediatamente indicadores de pertença ecossocial dos atores envolvidos. Talvez estejamos a simplificar, mas sempre nos tranquiliza saber que estamos a seguir as recomendações do próprio Bourdieu, que incita “à reaplicação”, “fazendo funcionar a respeito de um objeto diferente o modo de pensamento que nele se exprime, reativando-o num novo ato de produção tão inventivo e original como o ato inicial” (Bourdieu 1989).

9 Muitos dos habitantes dos bairros camarários foram aqui realojados em resultado da demolição das ilhas, que representavam uma tipologia de alojamentos contemporânea do desenvolvimento industrial do Porto e destinada às classes populares (Paulo Seixas 1997).

10 Uma das primeiras constatações que fizemos ao chegar ao bairro onde habitámos foi a do tipo de automóveis: uma grande facilidade em encontrar automóveis já praticamente fora de circulação (o Ford Capri, o Datsun 1200, o Morris…). Estas marcas associam-se a um estatuto social prestigiado nos anos 70.

11 Fizemos nesta altura uma análise de conteúdo sumária aos anúncios de venda de habitação na imprensa – e é clara a associação entre reforço do estatuto social e características de habitação e dos serviços adjacentes (banco, health club…). Curiosa foi a constatação de que os anúncios dirigidos a sectores de elevado poder de compra incitavam a “fugir da cidade” (áreas de condomínio fechado), enquanto aqueles que se dirigiam a sectores de pouco poder de compra incitavam a “vir viver na cidade”.

12 Cohen relaciona, nalguns momentos desta obra, as técnicas de controlo social com o estigma. No controlo social que exclui (a prisão, por exemplo) há muito maior riqueza simbólica: “o estigma e a degradação do status são mais agudos, os desviantes são claramente diferenciados dos não desviantes e, acima de tudo, está a promessa de que vão ser evaporados, atirados rampa abaixo ou arquivados e não simplesmente regressando uma e outra vez para serem ressocializados” (Cohen 1988).

13 Aquilo a que aqui chamámos a potenciação ecológica, embora sem estar enunciada, estava já implícita na formulação da Teoria da Associação Diferencial de E. Sutherland nos anos 30.

14 Também ao nível discursivo seria necessário referir o crescendo das críticas à política criminalizadora das drogas e a instalação finalmente às claras do debate sobre a legalização/liberalização. Talvez surja do seu interior a anomalia que vai obrigar à substituição de paradigma, para continuar com a metáfora kuhniana.

15 Seria interessante acompanhar com mais nuances a trajetória das drogas e ver como um opiáceo como a morfina teve o seu auge ainda no final dos anos 70, precedendo a eclosão da heroína na fase de início da decadência freak, mas o seu protagonismo foi episódico; ou como os ácidos fazem reaparições esporádicas; ou como as pastilhas, mesmo em plena fase do pó, se mantêm; ou como à cocaína era mais difícil de seguir o rasto.

16 Nasar e Fisher (1993) utilizam uma expressão próxima desta: “hot spots of fear and crime”. No nosso caso adotámo-la da própria linguagem junkie. Ouvimos na altura outras sugestivas como “secção poeira” ou “zona petrolífera”; a primeira aponta para um zoning interno do bairro de acordo com funções especializadas e a segunda salienta o lado económico: a venda de drogas poderia ser o petróleo do local.

17 “Da Cantareira à Baixa, da Baixa à Cantareira, conhece os flipados todos de ginjeira […]. Fareja a judite a cada esquina” – o “freak” Chico Fininho, personagem fictício de Rui Veloso/Carlos Tê, dá-nos um bom exemplo do indivíduo que domina os interstícios de espaço da sua zona urbana de ação. Isto permite-lhe não só os contactos necessários (com os “flipados”) como a proteção necessária (pressente a Judiciária…). Eis uma bela metáfora daquilo que nós próprios encontrámos com grande frequência durante as observações.

18 Sobre a vivência do tempo no toxicodependente cf. Félix da Costa (1995).

19 Verificamos curiosamente que se esquece esta dimensão quando se fala de drogas: elas são delito, são perigo, são destruição, são sintoma de várias coisas disfuncionais na psique e na sociedade. A pergunta seguinte deveria ser: e porque se correm então tantos riscos consumindo-as? Os trabalhos da comunidade científica das drogas têm-se debruçado mais sobre a intoxicação do que sobre a embriaguez (tomada como estado de ânimo alterado por qualquer psicoativo), mais sobre a dependência do que sobre o gozo. Debruçámo-nos já sobre este tema noutro lugar (cf. Fernandes 1993).

20 Gostávamos de deixar claro que falamos aqui de uma desviância “intersticial”. Não pretende negar-se a outra, a de evidência imediata, a que corresponde melhor aos estereótipos do “marginal” e que, pela sua exibição mais ou menos aberta, os confirma e reforça. Esta é a desviância de extremo, e aqui falamos sobretudo da de interstício, que tem também uma centralidade quotidiana, mas que se expressa com discrição e manifestando-se por disseminação ínfima.

21 Mayer (citado por Romani 1982) define quase-grupos interativos como “entidades sem uma estrutura reconhecível, mas cujos membros têm em comum certos interesses ou formas de comportamento que poderiam induzi-los em qualquer momento a configurar-se como grupos definidos. […] Estes podem considerar-se como quase-grupos interativos, já que se baseiam num conjunto de pessoas em interação”.

22 Tomamos aqui o termo subcultura numa aceção mais limitada do que a que lhe demos ao estudar a subcultura freak da Ribeira-Barredo em meados dos anos 80 (Fernandes 1990; 1993). Esta era sobretudo expressiva, centrada no pólo estético (por exemplo os visuais juvenis), na atitude (a pose cool) e no significado simbólico da cannabis; a subcultura junkie é sobretudo instrumental: forma de encontrar solução coletiva para problemas experimentados coletivamente (aqueles que coloca a “vida do pó”). Claro que, vista desde a cultura dominante, ela apresenta se não como a solução mas como o problema. Enfim, utilizamos aqui subcultura mais próximo da aceção já antiga de A. K. Cohen, de Cloward e Ohlin e O. Lewis e menos da dos autores na linha dos cultural studies que produziu importantes trabalhos sobre as subculturas juvenis ao longo dos anos 70 (Cf. S. Cohen 1972; S. Hall e T. Jefferson 1983; P. Willis 1983).

23 A Mitra era um bairro de pré-fabricados só de um piso, ocupando o terreno duma antiga quinta – a quinta do Mitra. Habitavam-no cerca de 140 famílias, que tinham sido ali realojadas há doze anos, ao serem retiradas do centro histórico do Porto. Foi demolido em 1995 para dar lugar a um prolongamento da VCI. Sobre a sua demolição o presidente da CMP diria que se tratava do “desaparecimento de uma nódoa negra da cidade […]. Acabando com este ghetto estamos a criar algumas dificuldades ao negócio da droga”, e o vereador da habitação diria que “o gangsterismo era evidente” (jornal Público, 15 de janeiro de 1995).

24 Tomamos aqui o conceito de behavior settings a partir de Barker (citado por Wicker 1987), que os considera como “sistemas sociais de pequena escala cujos componentes incluem pessoas e objetos inanimados”; e do próprio Wicker, colaborador de Barker, que atende aos aspetos da dinâmica interna destes sistemas referindo-se nomeadamente às características de autorregulação e sinomorfismo, estruturantes do programa de atividades de determinado behavior setting. Este conceito permite conceber os indivíduos como anónimos e equipotenciais.

25 Vários autores que tratam os temas do medo e do sentimento de insegurança referem este facto (cf. Favard e Otenhoff 1990; Lagrange e Zauberman 1991; Nasar e Fisher 1993). Em Nasar e Fisher vimos, além disso, a sugestão de um paralelo entre os behavior settings e os hot spots – lugares que compõem o mapa mental do medo nas urbes. “Tal como nos behavior settings, o padrão de comportamento num hot spot varia com o tempo, com os ocupantes e com as características físicas do setting. As pessoas podem sentir-se inseguras apenas a certas horas ou durante certos acontecimentos. As ‘partes do behavior setting’, os objetos, crimes, medos e reações, ‘encaixam compativelmente’. As ‘pessoas são componentes substituíveis e intermutáveis’ (Wicker)” (Nasar e Fisher 1993).

26 É possível que isto tenha um papel na economia dos medos coletivos. Com efeito, se bem que o “problema da droga tenha atingido todo o tecido social” (frase recorrente do discurso coletivo), ele diz sobretudo respeito àquele que se acredita ser o lado desgovernado da cidade: zonas degradadas, socioespacialmente marginalizadas… Topologizamos assim em lugares concretos aquilo que podia ser difuso, circunscrevendo o mal; circunscrever, a espaços e a atores designáveis, é o primeiro passo para dominar. Exploramos a possível função social dos sítios das drogas em Fernandes (1995).

27 Esta constatação é já antiga: um trabalho etnográfico clássico sobre a heroína na rua, Taking Care of Business, de Preble e Casey (1969), afirmava que a adição não será tanto ao produto psicoativo como ao estilo de vida junkie, e que o consumo não deve ser encarado como um mero escape à realidade, antes implicando uma série de atividades que equiparam a iniciativa do junkie à iniciativa de um qualquer empresário.

28 A comunicação junkie não é menos elaborada do que a dos clínicos das drogas, pelo menos na mistificação que produz junto do profano.

29 Matza (1969), na sua “visão apreciativa” (que opunha à correcional) das subculturas delinquentes e da desviância, descreveu as técnicas de neutralização, “conscructos linguísticos cujo fim é neutralizar os constrangimentos normativos preexistentes” (Brake 1985, sobre Matza). Um dos cinco tipos de técnicas de neutralização é a de condenar os condenadores. Os vários processos judiciais em que polícias têm sido acusados de tráfico de drogas têm com certeza algum reflexo na eficácia desta técnica de neutralização.

30 Ocorreu nesta altura a prisão e a condenação do agente da PSP “mais condecorado de Portugal” (notícias dos jornais) no combate à droga, precisamente por envolvimento no tráfico.

31 Fez-nos sentido, nesta altura, a expressão “controladores”, com que por vezes são designados: controlam marcas de automóveis (já sabem quais são as da polícia), controlam forasteiros, controlam clientes, controlam o produto (partem-no, repartem-no, multiplicam-no), controlam os indivíduos que trabalham para eles…

32 No bairro da Sé, a senha para dispersar é “água”. Curiosa semelhança com o que se passava na Sé de antigamente: ao aviso “água”, o transeunte tinha de se afastar, porque cairia água de alguma janela.

33 O que posteriormente se passaria nos bairros da Sé e do Aleixo, com a polícia a invadi-los em regime permanente, parece demonstrar que só ações de fundo deste tipo permitem alterar cenários quotidianos de há muito instalados. Só que estas ações são altamente intrusivas e criminalizam a vida comum das populações, provocando um contexto de exceção no espaço que devia, justamente, ser o mais natural de todos: o sítio em que se vive. E seria necessário estar atento aos efeitos secundários destas ações: alguns dealers do Aleixo foram trabalhar para o bairro da Pasteleira, inaugurando um novo foco de encontros drug, gerador de tensão na zona em que se instalou (dados de observações posteriores ao nosso trabalho contínuo, bem como de recolha de testemunhos).

34 Ver, por exemplo, as tipologias apresentadas por Rui Alberto Fernandes (1994) e João Fatela (1992).

35 Também Patricia Adler (1992) faz referência a esta situação, ainda que num contexto espacial diferente: “Os traficantes jovens desejam adquirir walkmans, sapatilhas de 150 dólares e correntes de ouro e, ao envelhecerem e subirem de escalão, passam a desejar aparelhagens estéreo, automóveis de luxo e férias”.

36 Os dados foram obtidos tanto nas “zonas quentes” como na própria casa dos sujeitos.

37 Para uma notável descrição de uma transação, ver Ph. Bourgois (1992). Para um breve apontamento sobre a extraordinária eficiência de uma rede de distribuição, ver Anne Coppel (1994); também João Fatela (1992) aborda a questão da grande capacidade de organização do mercado de venda a retalho.

38 Bean e Wilkinson (1988), num escudo desenvolvido em Nottingham, constatam que cerca de 70% dos consumidores de drogas têm dealers regulares.

39 Para o contexto português, Arménio, um ex-dealer, diz-nos o seguinte: “A procura [de drogas] torna se mais acentuada; começaram então a aparecer grupos de indivíduos que, ao aperceberem-se destas situações, as aproveitavam formando uma cadeia de fornecedores de produtos procurados. A procura do lucro fácil já estava a tomar forma. Surgiram, então, os primeiros dealers. Drogar-se passou a ser uma forma de moda. Havia que agir como tal” (texto incluído nas Atas do Encontro Nacional “Liberalizar as Drogas: sim ou não” [1994], no qual este ex-dealer participou numa mesa-redonda).

40 Também os consumidores tentam que os territórios químicos nos quais se movem sejam, tanto quanto possível, previsíveis. Bean e Wilkinson (1988), no seu estudo desenvolvido em Nottingham, apoiam esta ideia, afirmando que a segurança e a facilidade de compra de droga por parte dos consumidores são fatores decisivos na sua escolha do local onde comprar e do indivíduo a quem comprar: praticamente 90% dos consumidores compravam a droga na sua cidade ou em locais onde eram bem conhecidos.

41 Temos vindo a constatar um aumento continuado de investigações sobre a “economia das drogas” tanto a uma escala micro (ver L’Economie Souterraine de la Drogue, 1994) como a uma escala macro. Neste último caso, parece-nos um indicador significativo deste interesse o facto de uma revista da área da economia ter dedicado um número à economia das drogas (cf. Economistas – economia de las drogodependencias, 1990).

42 O junkie, figura que corresponde e reforça o estereótipo social do “drogado”, é um ator do extremo das drogas. É nele que o paraíso artificial se converte em inferno, como descrevia Baudelaire para o opiómano já no século passado. É ele também o alimentador de vários circuitos profissionais: o dos dealers, o dos psis (é o junkie o tipo de cliente que recorre a “desintoxicações”, embora um grande número nunca recorra), o dos polícias e, cada vez mais, o dos investigadores científicos e das comissões de peritos. É ele também o causador de um voyeurismo na nossa sociedade: vontade de espreitar o que transgride, o que se transmuta (química e psicologicamente), bem expresso na forma como é tratado nos mass media. O toxicodependente é o novo objeto pornográfico dos meios de comunicação de massas.

43 Remetemos para a excelente investigação de R. Ingold (1984) sobre a dependência económica na heroinomania em Paris, ou para Ph. Bourgois (1992; 1996) para Nova lorque.

44 Poderíamos falar da violência como um dos fatores desta regulação. De facto, alguns autores têm chamado a atenção para o facto de a violência gerada pelo fenómeno droga dizer sobretudo respeito ao interior do sistema de distribuição (cf. Bean e Wilkinson 1988; Fernández 1990; Fatela 1992; Brochu 1994). No que se refere à nossa experiência de terreno, não falaríamos tanto de violência no sentido de ofensa corporal, que é esporádica, mas de ambiente tenso – mesmo assim, típico só de algumas “zonas quentes”.

45 Estamos a ser fiéis aos dados à altura da nossa pesquisa. Trabalho de campo posterior tem-nos vindo a demonstrar a importância que está a assumir, nestes contextos e no junkie, a “base”, produto obtido a partir da adição do bicarbonato de sódio com a cocaína – uma espécie, portanto, de crack. A frase típica ao chegar a uma “zona quente” é agora “Castanha? Base?” O haxixe, em perda de protagonismo, já tem substituto…

46 Frase de uma canção rock de Lou Reed, “Heroin”.

47 A literatura, que dispõe de liberdade discursiva e não necessita de validar o que diz, tem chegado muito mais perto destas experiências à uma corporais e mentais do que a ciência. Dispensamo-nos aqui de referir os clássicos e remetemos para o recente Trainspotting, de Irvine Welsh.

48 A literatura desceu já fundo na exploração daquilo que é pesado e daquilo que é leve na existência humana. E Kundera, em A Insustentável Leveza do Ser, faz-nos saber que a leveza é a sensação que invade a relação escondida dos amantes, ou a relação descomprometida daqueles que só se encontram para se entregarem ao gozo. Ora, a heroína é representada muitas vezes como amante, tanto na música e na literatura como no discurso dos junkies.

49 Mesmo nos contextos que, formalmente, promovem uma clivagem com esta vida social, acabam por estar inseridos nela. Por exemplo, o infantário, normalmente dentro dos bairros, tem vistas, nalguns deles, para concentrações de atores das drogas…

50 “Especificamente, este modelo (Teoria da Aprendizagem Social) defende que a exposição a amigos ou a pais que consumam substâncias, irá moldar o uso de substâncias através da modelagem de dois aspetos específicos relativos ao consumo de substâncias. Primeiro, a observação dos modelos que experimentam determinadas substâncias vai modelar diretamente as expectativas, as crenças dos adolescentes relativamente às consequências mais imediatas, as consequências sociais, pessoais e fisiológicas do uso de substâncias…”. Bandura propôs que os modelos poderão modelar quer a autoeficácia em relação ao uso, quer a autoeficácia em relação à recusa. Por exemplo, a observação dos pares a comprarem e a inalarem marijuana, pode providenciar aos adolescentes o conhecimento e competências necessários para obter e utilizar marijuana (Petraits, Flay e Miller 1995). Neste artigo, que propõe uma revisão das principais teorias acerca do uso de substâncias nos adolescentes, a teoria da aprendizagem social é incluída e a sua origem situada em 1939, na teoria da associação diferencial de E. Sutherland.

51 “Os adolescentes adquirem as suas crenças relativamente aos comportamentos delinquentes através dos seus modelos, especificamente amigos próximos e familiares” (Petraits, Flay e Miller 1995).

52 A valorização destes traços foi já salientada por O. Lewis (1983) na sua caracterização da cultura da pobreza. Não deixa de ser espantoso verificar como esta caracterização, feita nos anos 40 num grande contexto urbano (Cidade do México), continua hoje plenamente aplicável, dando razão à tese aí defendida: a da pobreza como estrutura, e não como contingência económica. O valor da masculinidade nos meios sociais populares é, para o contexto português, salientado por Machado Pais (1990).

53 O que se liga claramente ao facto de se tratar de um delito sem vítima, no sentido em que o definiu a criminologia crítica: dado que se trata de transações de forte procura mas proscritas legalmente, o único modo de fazer valer direitos é o recurso ao confronto direto (Espinosa 1989).

54 Extraída do texto “A cidade e os medos” enviado para publicação na imprensa por C. da Agra e L. Fernandes em janeiro de 1997.

Table des illustrations

URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 419k
Titre A etiqueta “bairro social” corresponde, na realidade, a espaços habitacionais muito distintos entre si
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 355k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 428k
Titre Bairro da Pasteleira. "Passerelle” de ligação entre dois blocos habitacionais através de varandas comuns
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 319k
Titre Nos blocos de habitação social são múltiplas as marcas da vida privada no espaço público
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 372k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 384k
Titre Bairro habitacional de classe média-alta situado ao lado dos bairros em estudo
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 452k
Titre Vandalismo ou apropriação e marcação territorial?
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 1,1M
Titre Apropriações territoriais num espaço de condomínio
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 947k
Titre O “largo”, enrolar um charro na entrada de um bloco
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 386k
Titre O “largo”, o lazer ao longo da tarde
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 443k
Titre Esta “sobrevivência rural” estava situada mesmo por trás de um hotel de cinco estrelas e do bairro Pinheiro Torres. Foi parcialmente destruída em 1995 para a construção de um nó rodoviário. A Ribeira da Granja, apesar do ar bucólico da imagem, está completamente poluída e exala um forte cheiro
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 516k
Titre Polifuncionalidade do espaço de rua nos bairros sociais
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 330k
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7300/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 373k

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search