Version classiqueVersion mobile

O Sítio das Drogas

 | 
Luís Fernandes

Parte II: Das práticas sociais

Capítulo 2: Uma periferia urbana

Texte intégral

“A ciência manipula as coisas e renuncia a habitá-las.”
Merleau-Ponty (1992)

As decisões iniciais

1Ir para o terreno é uma decisão que se prepara longamente. Desde as decisões a tomar sobre quais os lugares relevantes para os objetivos do investigador até à recolha de elementos documentais e à identificação de informantes privilegiados, há uma série de passos prévios à entrada do etnógrafo na sua unidade de estudo.

2Se esta entrada não for preparada com detalhe, o trabalho a encetar no local pode estar fortemente comprometido. Poderíamos incluir nos preparativos a própria imersão do investigador naquilo a que chamaríamos a “subcultura dos etnógrafos”, feita de aprendizagens do terreno seja a partir das monografias, seja do contacto pessoal entre eles.

A escolha da unidade de estudo

3Como se selecionaram as zonas para levar a cabo a pesquisa etnográfica? Que critérios orientaram a escolha?

4É uma afirmação amplamente consensual dizer das drogas que são um fenómeno característico das sociedades urbanizadas. Procurar estados alternativos de consciência é uma velha conduta dos homens, atestada pelos estudos históricos e pela antropologia (cf. por exemplo Lévi-Strauss 1976; Escohotado 1989; 1996); mas a instalação progressiva desta velha conduta no sector juvenil, sob formas e usos mutantes que a afastam das raízes psicadélicas, é um fenómeno só com algumas décadas. A cidade é o palco privilegiado deste novo hábito de intoxicação que se expande por uma grande quantidade dos nossos contemporâneos, que utilizam uma gama de produtos psicoativos naturais, refinados e sintéticos.

5A primeira decisão não parecia difícil – seria um estudo de etnografia urbana. Mas também não é difícil constatar que os lugares que atraem os consumidores, que fixam um comércio de substâncias psicoativas, que vão sendo referenciados pelo discurso coletivo como “sítios da droga”, não estão homogeneamente distribuídos pela cidade. Onde ir, então? Que lugares se prestariam a uma aproximação naturalista, a uma perceção proximal? Quais se revelariam ricos de dados para os nossos objetivos?

6Recapitularemos num parágrafo aquilo que já ficou dito em capítulos anteriores: os lugares que têm adquirido maior relevância no discurso coletivo a respeito das drogas e de temas que são vistos como associados a elas (insegurança, crime) têm sido precisamente aqueles onde o crescimento do tecido urbano tem provocado mais tensões – periferias urbanas, aglomerados de habitação social, bairros degradados do centro histórico, zonas suburbanas. Também as zonas situadas fora das grandes cidades, mas sujeitas em curto espaço de tempo a uma grande transformação dos seus modos de produção, dos equilíbrios populacionais e dos padrões de referência têm ganhado protagonismo. Ou seja, o “problema da droga” parece ter ligação evidente com determinadas ecologias que seriam, elas próprias, reveladoras das contradições existentes no desenvolvimento e na gestão das grandes urbes e dos espaços em desruralização e em urbanização acelerada. Não formulamos esta hipótese a partir de alguma necessidade teórica imposta pela sociologia urbana, pela psicologia ambiental, ou alguma outra disciplina – procura­mos, sim, fazer eco de refrões existentes no discurso coletivo.

7a) Primeiro critério de escolha: Procurávamos então lugares representativos do recente crescimento urbano do Porto, de grande densidade populacional e que tivessem diagnóstico de “afetados pelo problema da droga”. Alguns bairros camarários de habitação social – vulgo bairros sociais – são as áreas urbanas que melhor respondem a estas caraterísticas.

  • 1 Frase extraída de um documento não publicado apresentado no Encontro Nacional “Liberalizar as droga (...)

8A par do discurso dos mass media, são as próprias instâncias de controlo social que fazem a associação entre bairros sociais e drogas, nomeando os que seriam mais ativos a este respeito; “na cidade do Porto, a rua, entendida figurativamente como os locais onde a venda e o consumo de drogas se faz publicamente, está umbilicalmente ligada à ideia de ambientes fechados, degradação, bairros sociais. Nestas condições estão os bairros da Sé, Mitra, Cerco do Porto, Aleixo, Lagarteiro, São João de Deus e muitos outros […]”.1Hammersley e Atkinson (1983) chamavam justamente a atenção para esta característica dos lugares: “settings não são ocorrências naturais de fenómenos, eles são constituídos e mantidos através da sua definição cultural e de estratégias sociais”.

9Fixámo-nos, enfim, na zona da Pasteleira, na freguesia de Lordelo do Ouro. Desde o século XIX tem vindo a constituir-se num dos principais polos periféricos do Porto, tendo hoje importante função residencial e comercial. “Revelador desta última realidade é o considerável e permanente crescimento demográfico nos últimos quarenta anos. De facto, entre 1950 (com 10 260 habitantes) e 1991 (com 22 421) Lordelo teve uma taxa de crescimento na ordem dos 114,6% (contra 5,7% para o concelho do Porto), sendo de resto, no conjunto das chamadas freguesias periféricas da cidade do Porto, a que apresenta a maior densidade populacional” (Rodrigues, Oliveira e Oliveira 1995). A construção de bairros sociais, processo que se iniciou nos anos 50 e que ainda não cessou, é um dos traços marcantes desta área urbana: “note-se, a propósito, que 43,5% da população residente na freguesia habita em bairros de habitação social […] e 39,6% dessa população tem menos de 25 anos” (Rodrigues, Oliveira e Oliveira 1995).

10Em suma, a Pasteleira surge como um dos polos de maior crescimento do Porto, revelado tanto na densidade populacional como no conjunto de bairros de habitação social. Conserva os signos do carácter industrial da cidade e tem forte incidência de população jovem – precisamente aquela que mais se relaciona com as drogas.

11O diagnóstico que lhe fazem os técnicos de intervenção social está bem traduzido no seguinte excerto: “De algum modo ligado a esta forte concentração de habitação social, para além obviamente de muitos outros fatores, pela simples leitura e análise de alguns dados constata-se que Lordelo do Ouro é um espaço onde os problemas sociais como o consumo de drogas, os problemas ligados ao álcool, o insucesso e abandono escolar, a desestruturação e disfuncionamento familiar, etc., atingem proporções preocupantes, o que configura uma situação de particular risco social, sobretudo para a população mais jovem. […] Freguesia de fortes contrastes onde além da habitação social coexistem, não sem conflitualidade, a habitação antiga e degradada e a dita habitação de luxo” (Rodrigues, Oliveira e Oliveira 1995).

12Um inquérito efetuado por técnicos da Junta de Freguesia de Lordelo a 178 indivíduos entre os 10 e os l6 anos e maioritariamente residentes nos bairros sociais, conclui que “se constata que há uma opinião generalizada e negativa do local de residência, associada quase sempre aos bairros de habitação social, vistos como espaços poluídos e feios. Para além disto e associado a estes bairros é identificado o problema da droga. […] Na verdade, o quotidiano destes jovens residentes nos bairros de habitação social é feito de situações onde o contacto com essa problemática é, de modo geral, frequente como se pode constatar pelas afirmações de alguns jovens: ‘já vi pessoas a injetarem-se…’ ; ‘há seringas nas ruas…’; ‘fazem bicha para comprar droga…’” (Relatório da Junta de Freguesia de Lordelo do Ouro, 1993). Este tipo de diagnóstico é corroborado pelas notícias de imprensa que analisámos.

13Em síntese, o primeiro critério de escolha da unidade de estudo tem em Lordelo do Ouro – vulgo Pasteleira – um espaço urbano que lhe satisfaz os requisitos.

  • 2 Em Portugal, que nós saibamos, ainda não há shooting galleries com a sofisticação e o profissionali (...)

14b) Segundo critério de escolha: Foi ditado pela maior acessibilidade de um dado contexto de ocorrência do fenómeno droga em relação aos requisitos do método etnográfico. Fizemos já referência à visibilidade diferencial dos vários territórios das drogas. Relembremos que, basicamente, há-os de carácter público e de carácter privado. Nos primeiros o principal é a rua, são sítios concretos de reunião dos utilizadores de psicoativos, esquinas de compra e venda, lugares onde se vai “fumar uma ganza”, “dar na prata” (haxixe e heroína, respetivamente). Na literatura anglo-saxónica já os vimos designados por hot spots (Nasar e Fisher 1993), curiosa coincidência com as “zonas quentes”, expressão utilizada por um dos nossos informantes privilegiados. Nos segundos, os de carácter mais privado, incluem-se apartamentos onde se vendem substâncias psicoativas, meetings onde se consome, lugares de diversão noturna (e às vezes diurna…) onde, nos bastidores, se fazem contactos e consumos, e shooting galleries à portuguesa.2

15Optamos, pois, pelos territórios públicos. Não se deve a escolha apenas à vocação de rua própria da etnografia. Deve-se também ao facto de ser a rua que torna o fenómeno percetível ao cidadão comum e o torna objeto acessível aos mass media – de ser ela, portanto, que materializa o “problema da droga”, que substancializa o seu lado preocupante. Diríamos até que a rua, generalizando-o (na sua visibilidade), opera-lhe uma redução (o “mundo da droga” seria o que nos dizem que se passa em certas ruas e bairros da nossa cidade).

16Dentro deste critério de acessibilidade tomámos ainda em conta aspetos práticos: ser de fácil acesso, em tempo e custos, para o investigador; dispor de documentação informativa sobre características históricas, físicas e sociodemográficas.

17c) Terceiro critério de escolha: Foi ditado pelo objetivo mais básico da ciência – conhecer. Iturra (1986), ao traçar uma breve história dos contextos e objetos a que se aplicou a observação participante, diz a certa altura: “E, finalmente, o objetivo passou a ser estudar locais onde se sabe que existe um tipo de fenómenos que não parecem ainda suficientemente esclarecidos ou suficientemente debatidos.” Nada mais acrescentaremos, dado o consenso que reúne esta constatação quando se trata do fenómeno droga.

18d) Quarto critério de escolha: Convoquemos novamente Iturra (1986): “A chegada do investigador ao local da população que vai estudar é […] resultado de uma escolha dirigida pelas hipóteses que quer estudar; e, ao mesmo tempo, por circunstâncias que não controla”. Das escolhas dirigidas pelas hipóteses já falámos; das que são fruto das circunstâncias que o investigador não controla, não se deveria poder falar. Mas, mesmo assim, pode tentar-se, em nome da crença que diz que aquilo que se não controla agora pode controlar-se depois. De facto, recuando no tempo, podemos dar-nos conta de que a componente estética influiu: Lordelo do Ouro situa-se na margem do Rio Douro e próximo da Foz, enquadrado por zonas de moradias das mais harmónicas da cidade (Foz Velha, avenida Marechal Gomes da Costa) e por uma zona de ruas estreitas por entre quintais que resistiu ao avanço das edificações urbanas; tem, próximo de si, a Cantareira, um dos últimos núcleos de pesca artesanal; e, mais à frente, a marginal com as praias. É, a nosso ver, uma das zonas mais bonitas do Porto. Estes fatores de qualidade ambiental tornam sem dúvida mais suave a exigência metodológica de uma longa permanência no terreno. Acresce que um dos bairros onde mais tempo passámos conserva ainda entre os blocos manchas verdes da mata onde o edificaram e tem na sua própria fronteira campos de hortaliça – insólito contraste na urbe moderna.

19Se relevamos o fator estético é pela convicção de que um etnógrafo tem de ser alguém que goste realmente dos espaços da cidade onde monta o seu trabalho – o equivalente talvez do gosto do investigador de laboratório pelos seus equipamentos e pela harmonia da sala em que trabalha.

20Outro fator que influiu foi o facto de já termos pontos de contacto prévios na zona, o que facilitou tanto a obtenção de dados de caracterização sociodemográfica como as primeiras explorações ambientais e a identificação de informantes privilegiados. Estes pontos de contacto são fruto da nossa própria experiência de cidadão do Porto e devem-se ao aleatório das deambulações pela cidade. Em síntese, podemos agora constatar a posteriori que estes critérios funcionaram na prática, permitindo um trabalho etnográfico que se mostrou relevante para o objeto visado; reafirmamos assim o acerto da seleção deste espaço urbano, que durante um período passou a fazer parte das nossas rotinas e a entrar significativamente na nossa vida. E é esta uma das características mais marcantes da etnografia – não se sai do processo de pesquisa sem que este, ativamente, nos provoque nas nossas conceções anteriores e nos obrigue a novas sínteses da realidade. Dan Rose (1990) dizia da sua experiência de etnógrafo enquanto preparava o seu Black American Street Life: South Philadelphia algo que partilhamos consigo: “Senti que a lógica da investigação que fui aprendendo ao longo de anos de uma educação universitária feita de leituras, seminários e discurso verbal foi detonada pela experiência de terreno”. A etnografia como conhecimento sobre a nossa própria cultura ou sobre os outros provoca uma fratura com a nossa experiência de vida até aí – vem daí o seu poder generativo que permite novas narrativas e interroga as velhas categorias.

Um campo agrícola, entre um bairro social e uma zona residencial de alto estatuto

Um campo agrícola, entre um bairro social e uma zona residencial de alto estatuto

O trabalho de campo

“Desterrados e cativos, de muitas formas, realizam o ideal do observador participante. Malinowsky, no seu Os Argonautas do Pacífico Sul descreve a sensação de ficar numa extensa praia tropical no meio dos nativos das Trobiand, enquanto a lancha se afastava… Assim, a imagem do desterrado fornece uma autoimagem evocativa e utópica ao etnógrafo.”

J. Clifíord e G. E. Marcus (1986)

21Demos já desenvolvimento às questões relativas ao método etnográfico e à sua aplicabilidade aos estudos do comportamento desviante e do fenómeno droga em particular. Regressemos ainda ao método unicamente para esclarecer como atuámos na prática concreta de investigação.

22a) Estudo exploratório: O trabalho de observação realizou-se através das idas regulares às unidades de estudo. O registo era feito imediatamente a seguir. Quando íamos acompanhados por um intermediário ele também produzia o seu próprio registo de observação. Isto permitia afinar procedimentos de registo e aumentar a sua fidelidade à realidade observada.

23As histórias de vida com consumidores de drogas foram focalizadas – dávamos especial atenção ao percurso biográfico a partir dos primeiros contactos com substâncias psicoativas – e baseadas em entrevistas semiestruturadas. Realizaram-se dez, todas elas em contextos informais – desde um banco de jardim à beira-rio até ao interior de um automóvel. Gravaram-se em cassete, transcreveram-se e foram trabalhadas através de análise de conteúdo categorial temática.

24b) Estudo intensivo: Selecionada a zona da Pasteleira – já vimos no ponto anterior porquê – tratava-se agora de arranjar um processo eficaz de passar longo tempo no terreno acercando-nos aos poucos dos objetivos do nosso estudo. Ao longo do verão de 1992 deslocámo-nos várias vezes à zona para falar com indivíduos que já conhecíamos desde o estudo exploratório (e mesmo de anteriormente). Fomos amadurecendo a ideia de que talvez o processo mais eficaz consistisse em ir residir um tempo para algum dos oito bairros da Pasteleira. Começámos a inquirir nesse sentido. Mas depressa concluímos que as várias hipóteses iam sendo adiadas, as promessas de arranjar quarto em casa de alguém iam falhando… Acabaram por nos dizer frontalmente que havia receios e desconfianças, sobretudo se se tratasse de indivíduos que tivessem algo a ver com drogas. Procurámos então ajuda junto do técnico de serviço social da Junta de Freguesia de Lordelo do Ouro, que já conhecia os estudos exploratórios e acolheu a ideia de um investigador-residente. Passada uma semana estava a apresentar-me a G., uma senhora de 75 anos moradora no bairro Nuno Pinheiro Torres – um dos que tinham fama de “bairro de drogados”. Vivia sozinha – no apartamento ao lado vivia um filho casado e os netos – e alugou-nos um quarto, o único disponível. A casa era de dimensões exíguas, típica das construções de habitação social. Iniciámos então, passadas algumas semanas, o trabalho etnográfico: começou em outubro de 1992, prolongando-se até junho de 1993. Não estávamos, porém, a tempo inteiro neste contexto: íamos alguns dias para casa organizar as notas de terreno ou, mais prosaicamente, descansar de um trabalho algo desgastante e onde se está por vezes sob tensão, no meio de atividades cuja condição criminalizada torna furtivas e geradoras de desconfiança.

25Tentaremos dar, de um modo conciso e sintético, notícia de como organizámos o nosso dia-a-dia nos territórios onde decorreu o trabalho de campo:

26Organização temporal: globalmente, estivemos oito meses em continuidade no terreno. Depois de deixar de lá residir fizemos algumas visitas esporádicas, tanto para ver “como estavam as coisas” como para fazer visitas a pessoas com quem se criaram relações cordiais.

27Esta continuidade foi, no entanto, pontuada por interregnos de alguns dias para ir a casa (a outra casa, pois agora tínhamos duas…). Com o conhecimento que fomos adquirindo das rotinas diárias rapidamente nos apercebemos de que havia horas muito mais ricas para o trabalho de campo do que outras. O final da tarde – 18 horas em diante – até por volta da uma da manhã, à semana; sábados e domingos toda a tarde e igualmente de noite até à uma ou duas horas. Corroboramos, assim, Delarue (1991) quando nos seus estudos sobre as cités das grandes cidades francesas refere que os jovens vivem sobretudo das 19 às 3 horas da manhã.

  • 3 Não confundamos bairro da Pasteleira com zona da Pasteleira. Aquele, por ser o bairro mais antigo ( (...)

28Organização espacial: residíamos num bairro, mas não nos confinávamos a ele. Em primeiro lugar, residir naquele e não noutro não dependeu de nós, mas da disponibilidade do quarto, coisa que não abunda nos bairros. Em segundo lugar, é fácil constatar no terreno que, se é verdade que os bairros são áreas facilmente territorializáveis através de fronteiras bem nítidas, também é verdade que há relações entre os habitantes de bairros vizinhos. Em terceiro lugar, pode começar-se agora aqui, no sítio X, uma interação que seja oportuna para os objetivos do investigador e ir acabá-la, umas horas depois, no sítio Y. Em quarto lugar, os percursos sugeridos pelos informantes privilegiados acabam por criar rotas e contactos que não se conformam a delimitações rígidas. Deste modo, acabámos por contabilizar muitas mais horas na Pasteleira, bairro onde residia aquele que se tornaria o principal intermediário de terreno e o informante mais eficaz.3 Isto deveu-se também à feliz coincidência, para nós, de ser esse o bairro que – exceção feita ao Aleixo, um caso à parte na própria cidade – mais movimentos em torno das drogas registava, tornando não muito difíceis as ocasiões de observação participante.

29A organização espacial no terreno dependia muito das possibilidades interativas. Depois de uma fase inicial em que não se sabe para onde ir, depois de algumas vezes se ter a sensação que nada se faz ali e que o estudo não avança, começam a definir-se “poisos” mais ou menos regulares e a conhecer, aos poucos, pessoas. Com a evolução da familiaridade e através da ajuda dos informantes privilegiados, a difícil questão inicial de “onde estar?”, “onde ir?” começa a ter uma resposta: estar onde estivessem os “quase-grupos interativos” (Mayer, citado por Romani, 1982). Este autor definiu-os como entidades sem uma estrutura reconhecível, mas cujos membros têm em comum certos interesses ou formas de comportamento que poderiam induzi-los em qualquer momento a configurar-se como grupos definidos. Podem considerar-se quase-grupos interativos, já que se baseiam num conjunto de pessoas em interação. Em alternativa aos quase­grupos interativos, pode pelo menos estar-se em certos ambientes tomando-os como behavioral settings no sentido que lhes dá a psicologia ecológica. De entre o conjunto de características que definem o behavioral setting (cf. Wicker 1987; Burillo e Aragones 1986), salientamos a de que os indivíduos são anónimos e equipotenciais; são, portanto, substituíveis, sendo a sua individualidade irrelevante para os settings. Foi próximo da conceção de behavioral setting que observámos em certas esquinas de comércio de drogas, ou nalguns locais onde se “chutava” heroína ou cocaína. Não conhecíamos os indivíduos, provavelmente não voltaríamos àquele sítio, mas registávamos fielmente as condições do local e das interações, procurávamos fixar o seu “programa de conduta” (Wicker 1987).

30Não entraremos aqui em discussão conceptual para tentar esclarecer se as noções de behavioral setting e de “quase-grupo interativo” se recobrem, se reforçam mutuamente, se o conjunto de indivíduos de um behavioral setting é um quase-grupo interativo; o que nos interessa é que tanto as situações em que já íamos identificando vários indivíduos e relacionando-nos com alguns deles repetidamente, como aquelas em que não conhecíamos ninguém ou no dia seguinte já víamos outras pessoas fazendo o mesmo (por exemplo, comprando na mesma esquina: outros consumidores, outros dealers; por exemplo o mesmo café, as mesmas conversas sobre assuntos de drogas, mas outros convivas), qualquer destas situações, dizíamos, nos interessava e definia o nosso roteiro do “onde ir”, “o que observar”.

  • 4 Não resistimos a transcrever a curiosa e confessional passagem de Dan Rose (1990) ao descrever como (...)

31O diário de campo: de início, guardávamos para o regresso ao quarto o momento de registar as observações. Mas, à medida que fomos percebendo que o fim da tarde e a noite eram mais convenientes para os objetivos em vista, passámos a guardar o período da manhã para tal tarefa. Por volta das 9.30-10 horas deslocávamo-nos ao café do clube desportivo da zona para o pequeno-almoço, seguido de um período de escrita que oscilava entre um mínimo de uma hora – nos dias em que pouco se tinha passado de interesse na véspera, servindo o registo para reiterar a “normalidade” do dia – e um máximo de três horas e meia, quatro às vezes – nos dias em que a véspera tinha sido fértil. Demo-nos conta depois que esta era também a rotina seguida por William Whyte durante o trabalho de campo do seu Street Corner Society; iniciava o dia de trabalho às 9.30 horas com o registo do dia anterior no seu diário de campo.4

32O que é que se regista? Curioso “buraco negro” da vida dos etnógrafos, que normalmente não avançam grandes pormenores sobre o assunto nas monografias que escrevem; do mesmo modo, os diários de campo permanecem como documentos privados para uso do próprio à semelhança do investigador que utilizou questionários e, obviamente, não os publica. Paul Atkinson (1990) interroga-se justamente sobre este facto e, debruçando-se sobre o trabalho narrativo na etnografia, publica excertos inéditos de diários de campo – por exemplo do diário de Everett Hughes, conhecido sociólogo interacionista.

33De início pensámos fazer apenas registos descritivos das ocorrências, o mais objetivos e “fotográficos” possível. Mas depressa se tomou evidente que, para além destes, que são a base do diário, havia que proceder a outras espécies de registos. Fomos então diferenciando o tipo de notas, numa direção bastante próxima da que identifica Corsaro (citado por Villasenor e Argilaga 1993) nos investigadores que constroem diários de campo: notas descritivas, notas metodológicas (posição do observador, da sua equipa, formas de aceder ao lugar…), notas pessoais (reação do próprio observador) e notas teóricas (ligação entre teoria e padrão de conduta observado). As técnicas de observação e de utilização de informantes privilegiados foram, de longe, os principais recursos para a obtenção de dados empíricos. Utilizámos, no entanto, outros procedimentos de recolha: desde o levantamento fotográfico até à recolha de vários tipos de documentos sobre a zona em estudo, incluindo um dossier de artigos de imprensa. Salientaremos ainda a recolha de testemunhos sobre o dia-a-dia das atividades das drogas, em que assumimos claramente um papel overt.

  • 5 Por “histórico designamos os indivíduos que assumiram papel importante, quer como consumidores quer (...)

34Gostaríamos, finalmente, de fazer referência àquele que foi possivelmente dos dados com maior significatividade, quer pela centralidade dos indivíduos em relação aos nossos objetivos, quer pela dificuldade envolvida na sua obtenção. Recolhemos em registo magnético áudio a história de vida de dois consumidores de drogas com papel ativo como vendedores no mercado local de heroína, cocaína e haxixe. Um deles, mais velho (39 anos), era já um “histórico”5 – depois de passar vários anos a cumprir pena por tráfico estava, à altura do contacto connosco, em liberdade há poucas semanas. A entrevista decorreu em sua casa. O outro, mais jovem (33 anos), era durante o nosso trabalho de campo um dos dealers de rua mais ativos num dos bairros. Só ao fim de seis meses de nos cruzarmos com frequência, às vezes no seu “posto de trabalho”, achámos criadas as condições para lhe revelar o nosso estatuto e propor entrevistas gravadas. Decorreram primeiro ao ar livre, na esquina onde vendia, e depois em casa do primeiro indivíduo. A dificuldade metodológica não diz, obviamente, respeito à entrevista em si, mas a todo o processo de evolução de uma investigação, de modo a conseguir, por um lado, identificar e ganhar a confiança de indivíduos centrais para o objeto de estudo, e por outro lado naturalizar, digamos, as condições de recolha dos dados – tanto mais que se trata de falar de atividades que se não contam a estranhos.

35Em síntese, para a escolha da unidade de estudo utilizaram-se os critérios sociológico (o urbano periférico, os sítios estigmatizados como marginais), o metodológico (lugares que fossem ao mesmo tempo acessíveis à etnografia de rua), o epistémico (conhecer zonas, atores e fenómenos que se reconhece estarem mal esclarecidos) e o estético. Selecionada a unidade, referimo-nos aos aspetos organizativos do trabalho de recolha empírica: organização espacial, organização temporal e organização do diário de campo.

36A seguir dar-se-á conta dos resultados alcançados com o trabalho de campo etnográfico.

A Pasteleira

Elementos históricos e sociodemográficos

37A freguesia de Lordelo do Ouro, situada na parte Sudoeste da cidade do Porto, ocupa uma área de 3,4 km2. Os seus limites são, a Norte, a freguesia de Ramalde; a Sul, o Rio Douro; a Este, as freguesias de Cedofeita e Massarelos; a Oeste, as de Aldoar e da Faz do Douro.

38Até 1836, Lordelo do Ouro pertenceu ao julgado de Bouças, comarca da Maia – este dado é, por si só, significativo da expansão do polo urbano do Porto nos últimos duzentos anos. À época, era um espaço ocupado fundamentalmente por campos e pinhais, habitado por cerca de 2000 pessoas. A construção naval, a pesca e a marinhagem eram as principais atividades desenvolvidas no local; a construção naval era já uma atividade importante nos séculos XV e XVI, tendo saído dos Estaleiros do Ouro diversas embarcações que tomaram parte nos Descobrimentos.

39O século XIX introduz algumas alterações neste cenário marcado por uma relação privilegiada com o mar, designadamente através da instalação da Fábrica de Lanifícios Lordelo e da Companhia Portuguesa de Fósforos – era a industrialização a dar os seus primeiros passos.

40Esta vertente industrial não chegou, no entanto, a alcançar grande expressão, em boa medida devido à transformação de Lordelo do Ouro numa zona fundamentalmente residencial e de serviços – isto tem vindo a verificar-se muito especialmente a partir da segunda metade do século XX. A título de exemplo, diga-se que as empresas comerciais representam 88% do total das empresas existentes em Lordelo, sendo de carácter industrial apenas 12% desse total. Refira-se ainda que, de 1980 a 1990, houve um aumento de 43,2% nas unidades funcionais de Comércio e Serviços (dados da Junta de Freguesia de Lordelo do Ouro, 1993).

41A transformação de Lordelo do Ouro em zona residencial e de serviços enquadra-se no processo de surgimento de novos centros urbanos na cidade do Porto: da Baixa à Boavista, estendendo-se esta última progressivamente para o lado do mar: Lordelo do Ouro apresenta, no entanto, uma situação de certo modo paradoxal no que se refere ao ordenamento do espaço construído. Por um lado, é uma zona da cidade com uma situação estratégica, próxima do centro, mas livre de alguns problemas urbanos (tais como o trânsito, o que faz com que seja um local mais aprazível para viver, até porque está também próximo do rio e do mar). Por outro lado, tem quase uma dezena de bairros camarários no seu interior. Verifica-se, então, um investimento forte no sector imobiliário privado e, por outro lado, um dado da história recente da cidade do Porto: a opção por Lordelo como local de implantação de bairros camarários (esta opção surgiu antes de Lordelo se ter tornado um espaço de procura imobiliária pelo sector privado). Um resultado disto é o facto de Lordelo se ter tornado numa zona de contrastes sociais, económicos e habitacionais.

42Um outro aspeto a salientar é a altíssima taxa de crescimento populacional em Lordelo do Ouro entre 1950 e 1991: o valor desta taxa é de 114,6%, contra os 5,7% da taxa média de crescimento populacional no conjunto da cidade do Porto. De 1980 a 1991 verificou-se, todavia, uma tendência para a estabilização da população.

Anos

População de Lordelo do Ouro

1950

10 260

1960

15 539

1970

17 525

1980

22 3l6

1991

22 023

Fonte: Lordelo do Ouro: características, limites e potencialidades de um espaço antigo em transformação (1993).

43Conforme já foi referido, tal deve-se não só ao aumento da procura no mercado imobiliário, mas também à construção de oito bairros de Promoção Camarária entre 1953 e 1988. Depois de 1988 foram já construídos mais dois: o das Condominhas (segunda fase) e o da Pasteleira (segunda fase); este último ainda não se encontra habitado.

44De acordo com a CMP, o total de fogos de habitação social existentes em 1991 em Lordelo do Ouro era de 2477, sendo na altura ocupados por 9640 indivíduos. É muito provável que este número não seja exato, pois os inquilinos dos prédios de habitação social poderão ocultar, em seu próprio interesse, o número de indivíduos que habita determinado fogo.

45Passemos agora à análise de alguns indicadores sociodemográficos sobre a população jovem (14 aos 25 anos) residente na freguesia. O primeiro elemento a salientar é o de que, tanto em termos qualitativos como quantitativos, os dados existentes são fragmentários. Na realidade, quase só existe informação acerca da população residente nos bairros de habitação social: em 1991, 23% dos habitantes dos bairros sociais são jovens, enquanto a percentagem total de jovens para o conjunto da freguesia é de 17%.

46Um inquérito levado a cabo pelo Centro de Iniciativa Jovem de Lordelo nas seis escolas primárias e na escola C+S em funcionamento na freguesia, junto de 178 jovens com idades entre os 10 e os l6 anos, a maior parte deles residentes em bairros de habitação social, teve como principais resultados:

  1. esses jovens veem os bairros em que habitam como espaços feios e poluídos;

  2. a droga é um problema com o qual existe um contacto diário;

  3. passam grande parte do tempo na rua, onde não dispõem de nenhumas ou praticamente nenhumas estruturas de apoio lúdico­recreativo;

  4. a escola é valorizada mais pela possibilidade de praticar desporto e de conviver com colegas e amigos do que pela aprendizagem e formação escolares.

47De referir que cerca de 60% destes jovens já tiveram uma ou mais reprovações e que se verifica um forte absentismo escolar.

48Por outro lado, se consultarmos os dados estatísticos da Equipa do Instituto de Reinserção Social do Porto/Menores, verificamos que, do total de pedidos de intervenção solicitados por escolas C+S junta do Tribunal de Menores, 38,5% foram efetuados pela escola C+S de Lordelo (44 pedidos num total de 114, entre outubro de 1995 e maio de 1996).

49Procuramos, com os elementos apresentados, dar uma visão global da zona em que se situa a nossa unidade de estudo. Tratou-se de caracterizar, de um modo muito sintético, um dado ambiente urbano através de uma escala macrossocial. Passaremos, ao longo do capítulo que se segue, a utilizar um nível analítico micropsicossocial, que se debruça, “não sobre os territórios de conjunto, como a primeira, mas sobre uma escala em que a interação é importante” (Fischer 1994). Ou dito de outro modo, passaremos da leitura sociodemográfica de um espaço à leitura psicossocial de alguns dos seus lugares, particularmente interessantes para nós pelas suas relações com o objeto que nos ocupa.

Propostas de realidade sobre os bairros sociais

  • 6 Cf. Os excelentes estudos de Nebreda, Sendra e Albert (1987) e de Badía e Temero (1989) sobre a ima (...)

50A análise de imprensa assume especial importância: é a imprensa (juntamente com a televisão) que mais insistentemente nomeia os “espaços das drogas”. É ela que confere visibilidade aos atores anónimos da desviância. Tece, em suma, uma “proposta de realidade” (Nebreda, Sendra e Albert 1987) acerca do que são as drogas, do que são “os lugares de concentração do tráfico, dos toxicodependentes”, contribuindo com o seu labor quotidiano para a fixação de estereótipos. Produz-se, assim, um rumor que se atualiza a cada momento pelos media, atualizando por sua vez a imagem coletiva do fenómeno.6

51Utilizaremos nesta secção o discurso da imprensa como fornecedor de elementos que nos ajudem a caracterizar a nossa unidade de estudo. Trata-se de notícias que fomos recolhendo em dois jornais diários de grande tiragem – o Público e o Jornal de Notícias – ao longo do tempo em que decorreu a pesquisa e que visassem diretamente os bairros ou a zona da Pasteleira.

52Esta recolha inseria-se na constituição de um dossier documental, como é próprio do procedimento etnográfico clássico; não se ordenava, pois, a um estudo exaustivo sobre o modo como os bairros sociais são tratados na imprensa. É constituída por 28 notícias (vinte do Público e oito do Jornal de Notícias) que, através da análise de conteúdo efetuada, permitem formar uma ideia do modo como o discurso dominante vê estes espaços e lhes associa determinados acontecimentos, atores e comportamentos. Não se trata de extrair “a realidade” a partir dos artigos de jornal, mas de dar conta dos elementos simbólicos que são transacionados na dinâmica social a propósito destes espaços; ou, se se quiser, trata-se de nos deslocarmos a um outro nível da realidade: não o do substancialismo das “coisas que se passam”, mas o da interação simbólica das “coisas que se dizem”, demonstrado que está que este processo se relaciona com a definição de identidades coletivas e com a formação de reações sociais.

53Finalmente, poderemos confrontar as imagens que os media escritos fazem circular sobre os “bairros das drogas” com o nosso material empírico, sobre o qual se apoiará o capítulo seguinte.

Os espaços

54a) Físico-ambiental: Lordelo é caracterizado como zona residencial, de serviços e de implantação de bairros. Estes parecem constituir a característica que confere identidade à zona, relativamente ao resto da cidade. É referida a transformação das suas funções: do polo industrial de antigamente para o terciário da atualidade.

55As características salientadas como positivas dizem respeito tanto ao meio ambiente construído como aos traços naturais. No primeiro, são referidas as edificações religiosas, tanto para salientar a riqueza patrimonial da freguesia como para sublinhar o lado estético; no segundo, refere-se a existência de locais de miradouro, o espaço aberto, a presença do rio e, ao nível das casas, a existência de “pequenos jardins improvisados pelos moradores”; os jardins públicos são também salientados (o jardim de Serralves é um dos mais importantes do Porto).

56É curioso notar como a presença de elementos da natureza é valorizada; estudos de psicologia ambiental têm demonstrado a importância da presença de traços naturais no meio ambiente construído como importantes fatores de satisfação residencial (cf. por exemplo, Soczka 1988; Aznar 1989; ou sínteses sobre esta área de estudos, por exemplo, Cabrita 1988; Sanabra 1986).

57Quanto às características vistas como negativas, o primeiro facto significativo diz respeito ao seu número: mais do triplo em relação às características positivas; o segundo facto significativo é a associação entre características negativas e bairros sociais – os aspetos criticáveis ou indesejáveis da zona têm o seu locus, quase sempre, na edificação camarária.

58Ao nível dos blocos de habitação é salientada a degradação física (“péssimo estado”), a má qualidade da construção, o envelhecimento das infraestruturas; ao nível dos equipamentos coletivos e espaços comuns, lamenta-se a pouca quantidade; ao nível da implantação espacial, critica-se a proliferação deste tipo de habitação e a sobreocupação do espaço disponível (“Lordelo: incrível concentração de meia dúzia de bairros, uns em cima dos outros”; “insiste-se em construir ainda mais em bairros já demasiado gigantescos”).

59Os fatores apontados para a degradação física dos alojamentos são a grande densidade populacional, a má utilização das casas e o vandalismo; para o demasiado crescimento da zona, o facto de os poderes públicos “não terem sabido resistir ao poder do mercado imobiliário”.

60Em síntese, os bairros sociais são vistos como zonas de grande concentração de meio ambiente construído, com exiguidade de espaço e geralmente degradadas. Quem mais tem a palavra ao traçar este quadro é o jornalista, seguido pelos decisores políticos; os interventores sociais (por exemplo, assistentes sociais) referem-se apenas uma vez à dimensão físico-ambiental (veremos adiante que tomarão muito mais a palavra no sócia ambiental) e, quanto à população, é sempre acerca de aspetos negativos que se pronuncia.

61Há uma semelhança curiosa entre decisores políticos e população no que toca aos qualificativos negativos: ambos apontam exemplos que colocam em causa a gestão da Câmara (que é “um péssimo senhorio”, que gasta menos nos bairros do que as rendas que recebe destes…); no entanto, os primeiros fazem-no utilizando argumentação política e os segundos fazem-no como denúncia da falta de qualidade da vida quotidiana (por exemplo, a degradação do interior das casas, as avarias nunca reparadas…).

62b) Socioambiental: esta é a subcategoria com maior registo frequencial. Fala-se de Lordelo do Ouro, na maioria das vezes, para falar dos bairros; fala-se dos bairros, na maioria das vezes, para lhes referir características socioambientais (por exemplo, “desenraizamento das populações alvo de mobilidade forçada”); e fala-se de características socioambientais, na maioria dos casos, negativas. Com efeito, das 108 vezes que classificámos texto nesta subcategoria, 58% eram referências a aspetos vistos como problemáticos; e, se tivermos em conta que, das 37 vezes que são feitas referências a aspetos positivos (34%), vinte delas são-no em razão de aspetos negativos (por exemplo, projeto “Crescer Bem num bairro difícil”; “as ruas e caminhos da marginalidade deram lugar a aulas de aeróbica, inglês, pintura e cerâmica”), se tivermos isto em conta, concluiremos facilmente que os bairros são notícia porque são problema.

63Que características são vistas como positivas? Em primeiro lugar, os bairros sociais não geram apenas problemas – também oferecem soluções. Com efeito, quem vivia em barracas encontra aqui melhor habitat, cuja qualidade chega ao ponto de “gerar a felicidade de alguns”. Os decisores políticos sublinham o empreendimento de novas estruturas ou programas de apoio; estes programas são por vezes título da notícia. Embora sejam noticiados, em si mesmos, como iniciativas positivas, acabam por fazer falar as características problemáticas (“Programa comunitário para a diminuição das toxicodependências, do alcoolismo e da delinquência”).

64O que fazem os técnicos, protagonistas destes programas? Acreditando que “as pessoas da comunidade são capazes de resolver os seus próprios problemas”, têm como objetivo “aumentar a sua autoestima”; ou, de um modo mais concreto, organizam tempos livres, fazem animação cultural, promovem formação profissional, colaboram na reabilitação urbana… (ou seja, dirigem a sua ação, respetivamente, a sítios onde não há nada que fazer, onde há défice cultural, onde há desemprego ou inadequação às exigências laborais, onde há degradação do habitat). E para quem fazem? Maioritariamente, para idosos, crianças, jovens e toxicodependentes.

65E as características negativas? São referidas três a que poderíamos chamar ecológicas: a concentração, a sobreocupação e o desenraizamento. Por outro lado, é feita uma associação frequente entre bairros camarários e, genericamente, problemas sociais. Estes problemas começariam na própria natureza da distribuição por grupos etários: “O Aleixo, o bairro da Pasteleira e o Pinheiro Torres estão pejados de gente idosa, crianças e adolescentes em risco, bem como de adultos desempregados.” Quando estes problemas são especificados, podemos dividi-los em dois grupos: os que se referem às condições dos residentes e os que se referem a comportamentos desviantes.

66c) Condições dos residentes: carências; assimetrias sociais; desemprego; miséria. A população é “de risco”, particularmente a infantil, sendo diagnosticada por vezes uma “evolução para pior” destas situações. O risco parece ser, para as crianças, ter de crescer ali (daí um dos projetos, o “Crescer Bem”); para os adultos, o estar desempregado; e para os idosos, o próprio facto de serem velhos. No discurso dos decisores políticos há críticas às respostas institucionais desenvolvidas que, como vimos, proliferam nestas zonas.

67d) Comportamentos desviantes: genericamente, é referida a marginalidade. Concretiza-se em assaltos e em tráfico e consumo de drogas. Curiosamente, o vandalismo é referido apenas uma vez.

68No assalto, o próprio lugar permite inferir a motivação do crime:

  • 7 O autor deste delito, morador do bairro do Aleixo, foi, curiosamente, um dos indivíduos com quem ma (...)

69“Tendo em conta o lugar em que ocorreu o assalto, não é difícil imaginar para que serviu o dinheiro”.7 É como se o lugar carregasse um determinismo e os atores ali não pudessem ser senão toxicodependentes.

70Os comportamentos que têm as drogas como centro são os mais referidos. “A zona” (de Lordelo, da Pasteleira) é com alguma frequência o sujeito da ação: “zona marcada pelo flagelo da droga”; “a sua imagem de marca é o tráfico e consumo de estupefacientes”; “a zona transformou-se num grande centro de comercialização de droga, onde cada vez menos apetece entrar”. O discurso dos políticos procura por vezes contrariar esta imagem: “Recusa do anátema do tráfico de drogas com que se fustiga a população dos bairros”; “A droga foi eliminada do Aleixo”.

71Esta característica da zona revestiria ainda potencialidades de aprendizagem: “Os miúdos crescem no meio do flagelo e estão demasiado expostos a todo este problema social.” O “flagelo” continua, aliás, a ser o qualificativo por excelência. E é próprio de um flagelo que “alastre a olhos vistos” e que “piore significativamente” (sabemos como, desde o início do “problema da droga”, tudo o que a ela se refere está em aumento).

72É possível, ainda, identificar outras imagens associadas à droga: a da sua banalização ( “Anda de mão em mão”), a da sua pornografização ( “Lordelo: venda de droga as escâncaras na via pública”), a do seu papel como mercadoria organizadora de uma economia de interstício ( “Hipermercado […] centro da droga onde a clientela se abastece”; “É nos locais onde existem maiores disfunções sociais que a droga se pode vender com maior facilidade”; a principal atividade económica do bairro “é o tráfico de drogas; a sobrevivência de um número muito largo de famílias depende de atividades ilícitas ligadas a esse tipo de comércio”). Note-se que esta associação entre sobrevivência económica e mercado das drogas aparece no discurso dos interventores sociais. Note-se, ainda, que se fala de “droga” sem especificar qual – como se todas as drogas se equivalessem, homogeneizadas por um substancialismo inscrito na própria designação.

73Já nos referimos ao discurso dos decisores políticos e dos interventores sociais. E a população aí residente? Como é chamada a contribuir para a construção destas imagens? Primeiro facto saliente: é ouvida muito pouco (apenas 6% das unidades de texto classificadas em sócia ambiental) e, sempre que fala, é para denunciar más condições de habitat ou comportamentos desviantes. No primeiro caso referem-se à sobreocupação e à impossibilidade de personalizar espaços na própria casa (“Acha que, se pudesse, ainda cá morava? Julga que estou à vontade a dormir no mesmo quarto que os meus filhos, já grandes?”); no segundo caso referem-se à delinquência e à droga (“O Aleixo mais parece um bairro de Nova Iorque. A delinquência faz parte do dia-a-dia e, agora, é um local apenas seguro para muitos marginais. Os desacatos são uma constante porque muita gente não trabalha”).

74O bairro do Aleixo é o que mais vezes é assinalado como problemático, sendo mesmo apontado como símbolo do lado estigmatizado da cidade (“A pior chaga da cidade do Porto”). Verificámos também, durante o estudo exploratório, como esta imagem negativa é reiterada por moradores, tanto do Aleixo como dos bairros vizinhos (“Aqui não é nada. Ali no Aleixo é que é mau”). A repetição insistente desta imagem acabará por ser legitimada pelos poderes públicos: cria-se um gabinete de intervenção social específico para o bairro (uma “task force para o Aleixo”) e, em 1995, a polícia vigia em permanência as ruas e a entrada da torre mais conotada com reuniões de junkies. Seria curioso saber até que ponto o discurso mediático foi decisivo no desencadear destas respostas de controlo social…

Os atores

75O discurso da imprensa é à uma reflexo e coprodutor das reações sociais dirigidas a estas zonas urbanas. Que atores são retidos, do conjunto da população, para fazer notícia? Aparecem essencialmente três tipos de figuras: ligados às drogas, detidos e, chamemos-lhes, heróis da desgraça (indivíduos salientados pelo relato noticioso pela sua condição tão fora do mundo normativo que gera sistematicamente a interrogação “Como é que é possível viver assim?”).

76Os atores somam-se, assim, às características do espaço, que já vimos atrás, na constituição de uma imagem global dos bairros como áreas urbanas problemáticas (a droga), conflitivas (os detidos), pobres e de grande marginalização (os heróis da desgraça). Os bairros são regiões do social perto da anomia: “Os moradores dos bairros são votados à sua sorte”; “Estas crianças precisam de saber que o tráfico de drogas é um crime punido social e civicamente”. Os únicos atores que são vistos como tendo uma ação positiva são os que realizam trabalho social.

77É significativa a aparição de uma nova figura para designar atores: a polícia. Refere-se sempre a indivíduos detidos, e quase sempre por atividades ligadas às drogas.

78Detalhemos um pouco os três tipos de figuras que já referimos atrás:

  • 8 Ser pequeno retalhista de drogas não parece, pois, ser ocupação a tempo inteiro; os nossos dados de (...)

79a) Ligadas às drogas: são “traficantes e seus colaboradores”; há-os que são “barões” (signo: “anéis nos dedos e potentes viaturas à porta”), há-os “passadores e dealers” (signo: “aspeto miserável”), há-os “armazenistas” (para “guardar a droga de uma esporádica e quase sempre inglória investida policial”). Quando são identificados pela polícia, constata-se que têm profissões variadas, mas normalmente pouco qualificadas: feirante, servente, empregado de balcão, metalúrgico, operador de máquinas.8

80As idades são variadas, desde “a terceira idade” a adolescentes; mas predominam os indivíduos entre os 25 e os 40 anos, normalmente do sexo masculino.

81O dealer é, pois, a figura predominante no relato noticioso; o indivíduo exclusivamente toxicodependente não parece ser alvo de interesse e é diluído na “clientela (que) chega a formar bicha para comprar as gramas que lhe corroem o corpo”.

82b) Delinquentes: são menos referidos. Há “detidos” (supomos que em razão de algo ilícito, daí inferirmos que cometeram algum ato transgressivo), “assaltantes” atuando na rua, num posto de gasolina contíguo aos bairros, e “agressores” (não se fala deles, mas da vítima, agredida à facada no bairro do Aleixo, ficando “com profundas perfurações corto-contusas no tórax” – deslocara-se aí para comprar droga).

83c) Heróis da desgraça: são habitantes locais destacados pela notícia por causa de bizarrias ou de formas extremas de miséria – o indivíduo que coleciona lixo em casa (“Uma casa forrada a lixo”), “um homem meio cego vivendo com um filho idiota e bêbado”. Os atores anónimos deste lado oprimido da cidade “cavam a sua própria sepultura”. O tom da notícia é normalmente adjectivante: falar destes indivíduos é tarefa carregada emocionalmente.

84Há poucos elementos no relato noticioso que nos permitam aceder à imagem que os atores têm de si mesmos. Unicamente decisores políticos e residentes se exprimem a este respeito.

85Das poucas vezes em que o fazem, os decisores políticos avaliam-se de um modo positivo e sublinham-no com duas ações que seriam demonstrativas disso: a melhor qualidade da habitação camarária empreendida agora, que “não tem nada a ver com os velhos bairros camarários”, e a demolição de cerca de 1300 barracas nos últimos três anos.

86A população tem uma imagem negativa de si própria (deveríamos dizer: o discurso jornalístico seleciona depoimentos que permitem sustentar o teor catastrofista com que geralmente o tema “bairro social” é noticiado, de acordo com aquele velho princípio jornalístico que diz que bad news is good news). Apesar dos pouco abundantes elementos classificáveis na subcategoria “autoimagem” da nossa grelha damos conta de que as dificuldades económicas são o principal elemento de uma identidade coletiva; altamente significativo disto é a tabuleta colocada pelo morador num dos jardins de um bloco no bairro da Pasteleira: “Quinta dos Pobres”; a luta pela sobrevivência quotidiana é expressa em frases como “Hoje em dia a boca leva o dinheiro todo”; o desemprego combate-se com a iniciativa local espontânea: “Muita gente não trabalha e vive de expedientes”, “Habituam-se a viver na expectativa de benesses que possam ainda vir”.

Os acontecimentos

  • 9 Tratava-se do maior aglomerado de barracas da cidade, que foi crescendo naquilo que ainda resta da (...)

87a) Positivos: correspondem a 31% do total de acontecimentos (13 em 42). Na sua grande maioria, referem-se a ações de intervenção social levadas a cabo na zona (“Pacote de medidas da CMP”) ou a iniciativas de animação recreativa e cultural (“Espetáculo de robertos ao ar livre”). Uma delas refere um outro tipo de acontecimento: “demolição da última barraca da mata existente no local” (a mata da Pasteleira, entre os bairros da Pasteleira e Pinheiro Torres), em que o presidente da Câmara, simbolicamente, deu a última martelada.9

  • 10 A grande quantidade destas notícias no total de “acontecimentos” corrobora aquilo que os nossos dad (...)

88b) Negativos: correspondem a 69% do total de acontecimentos. Na sua maioria, dizem respeito a ações da polícia despoletadas por serem zonas de drogas: detenções, rusgas, operação especial antidroga, prática de agente infiltrado, buscas domiciliárias, apreensão de ouro, objetos recetados e armas. Uma das notícias diz respeito à instalação de uma esquadra móvel no bairro do Aleixo.10

89Agressões à facada e assaltos nas imediações dos bairros (e não no interior destes) e uma morte que se suspeita ligada a assuntos relacionados com drogas são os acontecimentos criminais referidos.

90Em síntese, que podemos destacar nas imagens propostas pelos media acerca dos bairros sociais da nossa unidade de estudo?

91Noticiam-se preferencialmente características ambientais que relevam do problemático. Na dimensão física referem a concentração espacial exagerada, a degradação dos blocos habitacionais e dos espaços comuns; na dimensão eco-social referem a sobreocupação, o desenraizamento, o desequilíbrio na composição etária (seriam espaços concentradores de crianças, jovens e velhos).

92Os bairros sociais são, pois, notícia porque são problema. O desemprego, o dia-a-dia descrito como luta pela sobrevivência, a precaridade económica, as atividades desviantes e os comportamentos transgressivos são os elementos selecionados para o relato noticioso. Estes locais carregariam uma espécie de determinismo social indesejável, que os múltiplos projetos de intervenção, os decisores políticos e os técnicos sociais procurariam minorar. São, na imagem da imprensa, regiões da vida social em corte com a vida coletiva da cidade, sendo os projetos de intervenção uma espécie de ponte entre tal descontinuidade.

  • 11 Este tema tem já uma longa tradição, desde o The Ghetto, escrito em 1927 por Louis Wirth, um dos et (...)

93Estas nossas constatações vão ao encontro do que têm dito alguns estudos sobre a forma como é tratada a questão das populações que vivem em habitação social, em aglomerados urbanos de periferia, etc.11

94Alguns destes estudos centram a análise na construção social da “doença das periferias” (Champagne 1991), que tem pelo menos dois aspetos importantes: a pouca contribuição que os visados dão enquanto detentores de discurso e a importância do acontecimento emocionante ou excecional. Vimos, com efeito, na nossa análise, a pouca importância do discurso da população quando comparado ao dos decisores políticos e, principalmente, ao do jornalista. Lembramo-nos de Bourdieu (1991b) quando nos diz que as pessoas dos bairros “são mais faladas do que falam”.

95O labor de construção de imagens culturais fica assim quase totalmente entregue à encenação mediática. Champagne (1991) expressa-o bem quando diz que “os dominados são menos capazes de controlar a representação que se tem deles. Assim se constitui, no grande público que, na sua maioria, não pode conhecer a situação destas periferias a não ser através dos artigos de jornais e das reportagens televisivas, uma representação vaga dos problemas, que deve muito ao primado que os media dão ao acontecimento excecional”. Delarue (1991) reforça este ponto de vista de um modo contundente: “Os jornalistas que não encontram (nas cités que o autor estudou) ‘lixo visível’ suficiente escolhem outros locais para mostrar a miséria das banlieues”. Citemos ainda Bourdieu (1991b) sobre o papel do especialista que estuda as periferias sociais: “[…] tentar assim complicar um pouco a tarefa de todos os ‘habilidosos’ […] que se precipitam nos jornais ou perante as câmaras armadas da pretensão ao magistério intelectual, para dizerem como é um mundo social que eles ignoram ao ponto de ignorarem a sua ignorância mesma”.

96No capítulo dedicado ao estudo intensivo retomaremos estas questões, sob o título “Evitamento experiencial e redução cognitiva”. É justamente o evitamento experiencial, pelo cidadão comum, destas zonas urbanas, combinado com a pouca voz dada aos que aí residem, que abre tal poder constitutivo do “facto” ao discurso mediático, “escapando assim a fabricação do acontecimento quase totalmente a essas populações” (Champagne 1991).

97É necessário, no entanto, resistir a leituras linearistas acerca das consequências desta fabricação. Com efeito, o recetor de mensagens mediáticas não se limita a um papel passivo. Cândido da Agra (1992), num trabalho sobre as relações entre as drogas e os mass media, conclui o seguinte: “[…] os consumidores dos mass media não se comportam como as bestas do Apocalipse que dizem sempre ámen diante do trono da omnisciência e da omnipotência. […] a complexidade do nosso sistema psíquico e comportamental quer que assim não seja: felizmente, para bem da nossa original condição humana que consiste na Liberdade possibilitada pela abertura do código genético e pela abertura não determinante das codificações sociais. Os mass media fazem parte do mundo social e este mundo é suscetível de uma multiplicidade de significações quando se torna presente a subjetividade”.

98A investigação que temos vindo a citar ao longo desta secção permite concluir que algumas das produções de significado a que se refere Cândido da Agra vão no sentido da criação de autoimagens desvalorizadas nestas populações. Esta parece ser uma das consequências da seleção seja das atividades marginais mais extremadas, seja do acontecimento dramático ou excecional –vimos na nossa análise a importância dos atores das drogas, dos delinquentes e dos “heróis da desgraça”. Tratar-se-ia de um mundo à parte, como já dissemos atrás. “Beco sem saída, diz a cidade: o bairro ecoa essas palavras. A vida torna-se imóvel. […] Tem a sensação de que o seu bairro é um outro mundo; a cidade opõe-se ao bairro em todos os sentidos do termo” (Delarue 1991). Nas palavras de João Ferreira de Almeida e colaboradores (1992), “o fechamento interno, a marginalização que lhes é imposta [aos habitantes dos bairros] mas que também criam, como recurso para a manutenção das atividades próprias e como expressão das suas práticas relacionais e culturais, a capacidade para se afirmarem na vida social, tudo é frequentemente visto nos meios envolventes como ameaça e como perigo para a ordem social”. Vimos, ainda, como a população, nas poucas vezes em que era chamada a depor, o fazia para exprimir condições e situações vividas como negativas. Delarue, chamando à autoimagem que a população tem “consideração de si”, sintetiza-a assim: “A consideração de si comporta dois aspetos. Uma imagem desvalorizada; que vem menos do bairro em si que do rótulo que lhe é aplicado […] O segundo aspeto, largamente esquecido no testemunho dos ‘profissionais’ do desenvolvimento, reside na ligação que esses habitantes têm com o seu bairro: é lá que eles vivem, são conhecidos e reconhecidos”. Favard e Ottenhof (1990), num estudo sobre o modo como são estruturadas as representações sobre as patologias sociais urbanas, concluem que o seu nível representacional é fortemente consensual, etiquetador (a localização dos factos de delinquência é feita sobre zonas bem individualizadas da cidade) e agregador (a representação da delinquência associa os diferentes componentes da patologia social urbana: pobreza, emigração, droga, problemas psiquiátricos, suicídios). “A localização dos problemas de patologia social faz-se de forma homogénea e associada segundo o princípio do acumulo de handicaps, realizado numa zona particularmente etiquetada. […] Os habitantes (da cidade) têm um sistema de representação da patologia social urbana que testemunha de um modelo etiológico latente de tipo sociológico agregando, pelo efeito de halo, diferentes componentes sócio-demo-económicos (pobreza, emigração), e certos aspetos de desadaptação (delinquência, nomeadamente, e de forma menos marcada, droga, suicídio, problemas psiquiátricos)” (Favard e Ottenhof 1990).

Notes

1 Frase extraída de um documento não publicado apresentado no Encontro Nacional “Liberalizar as drogas – sim ou não?”, por Rui Alberto Fernandes, Comandante do Pelotão de Segurança da PSP do Porto, em julho de 1994

2 Em Portugal, que nós saibamos, ainda não há shooting galleries com a sofisticação e o profissionalismo das americanas. Uma tipologia destes locais é feita por Ouellet, Jiménez, Johnson e Wiebel (1991), que as hierarquizam segundo o tipo de serviços que oferecem ao utente (incluir kit de seringas, limão, garrote, etc.…). Ver também Bourgois (1992; 1996), para uma descrição etnográfica de shooting galleries e crack houses no East Harlem, em Nova Iorque.

3 Não confundamos bairro da Pasteleira com zona da Pasteleira. Aquele, por ser o bairro mais antigo (data de 1960) tomou o nome da zona – que, por sua vez, administrativamente se chama Lordelo, sendo Pasteleira a designação corrente e popular.

4 Não resistimos a transcrever a curiosa e confessional passagem de Dan Rose (1990) ao descrever como levou a cabo o seu fieldwork para a dissertação do doutoramento: diz de si próprio que se tornou um aventureiro urbano e que “na South Philadeplphia, onde fui residir, viver na rua no verão, fazer trabalhos de ocasião […] transcrevia as field-notes à noite, às vezes bêbedo de mais para poder raciocinar bem, trabalhando nesses casos nelas na manhã seguinte, mais sóbrio e menos envolvido com o que tinha acontecido no dia anterior”.

5 Por “histórico designamos os indivíduos que assumiram papel importante, quer como consumidores quer como dealers (e normalmente em ambas as coisas), desde os primeiros tempos do “problema da droga”, na década de 70. Como na altura não eram ainda muitos, conhecem-se quase sempre e nomeiam-se uns aos outros através das alcunhas por que eram conhecidos. A cena drug era então limitada a certos lugares – o “Marquês”, a “Fonte” (da Moura), o “Piolho”… – e tinha protagonistas que são ainda hoje lembrados.

6 Cf. Os excelentes estudos de Nebreda, Sendra e Albert (1987) e de Badía e Temero (1989) sobre a imagem da droga respetivamente na imprensa e na televisão. Os primeiros autores desenvolvem o conceito de “proposta de realidade”: “o relato informativo é criador da realidade na medida em que a sua estrutura remete para um corpo de crenças, pressupostos e opiniões dos grupos emissores” (Nebreda, Sendra e Albert 1987). As imagens do fenómeno da droga seriam assim uma “proposta de realidade” que determinados agentes sociais oferecem aos cidadãos através dos media.

7 O autor deste delito, morador do bairro do Aleixo, foi, curiosamente, um dos indivíduos com quem mais interagimos ao longo do estudo exploratório.

8 Ser pequeno retalhista de drogas não parece, pois, ser ocupação a tempo inteiro; os nossos dados de terreno corroboram isto em parte, mas dizem-nos também da importância dos desempregados e dos indivíduos ocupados intermitentemente.

9 Tratava-se do maior aglomerado de barracas da cidade, que foi crescendo naquilo que ainda resta da antiga mata da Pasteleira; este aglomerado começou a ser demolido poucos meses depois da nossa saída do terreno.

10 A grande quantidade destas notícias no total de “acontecimentos” corrobora aquilo que os nossos dados empíricos nos disseram acerca da polícia nos bairros, territórios vigiados e alvo de operações frequentes – desenvolveremos esta temática sob o título “territórios acossados” no capítulo seguinte.

11 Este tema tem já uma longa tradição, desde o The Ghetto, escrito em 1927 por Louis Wirth, um dos etnógrafos da Escola de Chicago, a Os Filhos de Sánchez, onde Oscar Lewis, em 1943, expõe as características da “cultura da pobreza; mais recentemente, Marshall Clinard tipifica estes ambientes ambientes urbanos em The Nature of the Slum; nos últimos anos têm surgido excelentes trabalhos, dos quais destacamos: Ackermann, Dulong e Jeudy 1983; Bastenier 1989; Lahosa 1989; Madueno 1989; Favarde Orenhoff 1990; Bourdieu 1991b; Champagne 1991; Delarue 1991; Fatela 1992; Imbert 1992; Wacquant 1992; Cardoso 1993; e Boishue 1995.

Table des illustrations

Titre Um campo agrícola, entre um bairro social e uma zona residencial de alto estatuto
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7297/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 388k

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search