Version classiqueVersion mobile

O Sítio das Drogas

 | 
Luís Fernandes

Parte I: Do método e da teoria

Capítulo 1: Do método

Texte intégral

Escolher o método

1Quem tem, por obrigação profissional, de selecionar métodos e aplicar técnicas e de andar zelosamente à cata de razões teórico-epistemológicas que lhe fundamentem as escolhas, acaba por perceber que afinal a defesa de um método – de qualquer método – depende da argumentação. E da argumentação depende o consenso, que é um dos critérios principais de adesão dos cientistas às práticas a que se entregarão (cf. por exemplo Kuhn 1970; Bateson 1979; Lyotard 1979). A defesa e o triunfo de um método, porque outro lado, dependem do êxito que tem em relação ao objeto sobre o qual se propôs resolver enigmas (Kuhn 1970; 1977). Há dois modos fundamentais de resolver enigmas. Um, bem explorado nos trabalhos de Kuhn, é o de “encaixar” (é a sua expressão) o objeto no método: interroga-se daquele aquilo que este pode potencialmente resolver. Outro, mais explorado pelos epistemólogos da fenomenologia, é o de procurar um método para as sinuosidades que se vão identificando no objeto. Poiesis, escuta criadora, geram método (Agra 1991). Vamos por partes:

Jogos de linguagem: o império dos sentidos e o império do sentido

2Executar um conjunto de procedimentos para recolher dados é um ato técnico. Explicitá-lo, descrevê-lo, ensiná-lo ou justificá-lo é um ato de linguagem. Deste modo, os consensos sobre que métodos utilizar obtêm-se por argumentação: a que tem como referente a pertinência de tal procedimento técnico para tal objeto e objetivo. Assim como todo o objeto só existe no/pelo discurso, também todo o método e, em última análise, discurso. O conjunto de enunciados que consubstanciam um método deve permitir construir enunciados que definam objetos. São, por assim dizer, enunciados generativos. Atentemos em J. F. Lyotard (1979):

“Quando Wittgenstein, ao retomar do zero o estudo da linguagem, centra a sua atenção sobre os efeitos dos discursos, ele chama jogos de linguagem aos diversos géneros de enunciados que ele referenda desta forma. Ele quer significar com este termo que cada uma destas diversas categorias de enunciados deve poder ser determinada por regras que especifiquem as suas propriedades e o uso que delas se pode fazer, exatamente como o jogo de xadrez se define por um grupo de regras que determinam quer as propriedades das peças, quer a maneira conveniente de as deslocar.”

3Neste sentido, os métodos são jogos de linguagem, definem-se com eles regras e estas são “lances” num jogo (Lyotard 1979). E os jogos propõem-se a uma agonística:

“Falar e combater no sentido de jogar, e os atos de linguagem relevam de uma agonística geral.” (Lyotard 1979)

4Saibamos, pois, que tanto definir métodos como esgrimi-los entre si são jogos de linguagem; tenhamos consciência de que participamos do jogo, tomemos claro que aceitamos estar de um dos lados da agonística geral.

5Pode ser atraente aderir a uma racionalidade do trabalho científico legitimando-a através da desqualificação das outras. Foi, de certo modo, o que fizemos num trabalho anterior (Fernandes 1990), quando aderimos a um jogo específico: o que procura regras próprias para as ciências humanas, levando-as a jogar um jogo independente do das ciências naturais. Analisando questões como a da relação sujeito-objeto, exterioridade-interioridade do conhecimento, quantitativo-qualitativo, saber positivista-saber fenomenológico, descrição e análise-interpretação e sentido…, procurávamos demonstrar a crise de uma racionalidade e o movimento ascensional da outra. A fenomenologia, a crítica reflexiva e a hermenêutica fundamentariam as ciências humanas ante a queda inapelável do paradigma cientista e positivista.

6Afinal, agora a distância, percebemos que nem um caiu nem o outro se lhe pôs no lugar. Continua, sim, a “agonística geral” pela qual cada uma das tradições procura legitimar-se. A legitimação não é um processo que se decida em nenhum tribunal epistemológico, é antes jogo de linguagem que se perpetua.

7E é mesmo o jogo fundamental da ciência, aquele que a distingue de outros géneros discursivos: enquanto aquela procura permanentemente legitimar-se, estes, porque imersos nas práticas culturais, estão autolegitimados por elas. Assenta, tal “agonística geral”, na argumentação e nos consensos provisórios, que momentaneamente dão a aparência de que uma dada ordem científica triunfou.

  • 1 A própria epistemologia clássica vigilante da ciência através de uma relação de exterioridade tem d (...)

8Não recusamos a adesão a uma dada tradição do trabalho científico, nem rejeitamos inspirar-nos e inscrever-nos num desses sistemas de regras que definem um jogo de linguagem. Chamemos-lhe, no nosso caso, o jogo fenomenológico, hermenêutico, interpretativo. Dispensar-nos-emos, isso sim, de um grande trabalho legitimador de opções que parecessem tomadas externamente e a priori, dado que para todo o jogo não se encontra legitimação senão no seu próprio interior.1 E de resto, pertencer a uma tradição é já em si uma forma de alguém se legitimar – ou não é a tradição fonte justificativa suficiente? Se é tradição, é porque sobreviveu. O “reino da vida das ciências” (Agra 1986) faz-se das espécies científicas que sobrevivem, que inauguram, perpetuam tradições, legitimando através deste jogo as formas de fazer.

9Posta a questão nestes termos, não há uma racionalidade científica correta – a nossa, pois claro – e uma outra que lavra em erro – a dos positivistas, no caso. Não substituamos o império dos sentidos pelo império do sentido, aceitemos apenas que jogamos regras diferentes (seja por exemplo a regra da relação sujeito-objeto, seja por exemplo a da relevância da quantificação…). E entretenhamo-nos, por vezes, em tenazes discórdias – para que não se perca o excelente estado de “agonística geral” que tem caracterizado desde as origens as ciências humanas.

10Detenhamo-nos agora sobre a segunda questão que levantávamos atrás: a das relações do método com o objeto que se quer estudar, procurando adaptar aquele às sinuosidades deste. Parece-nos ser esta a via que seguimos para legitimar as nossas próprias escolhas metodológicas.

Planos de materialidade: os territórios psicotrópicos

11Mesmo assim, deve ser ainda necessário fundamentar uma escolha. Não se adota um método por capricho, mas em razão – sem que a nossa razão obste a razão de outros métodos.

12No nosso caso, ao longo dos anos em que fizemos da investigação prática profissional – vemo-lo agora olhando diacronicamente – temos adequado o método as exigências do objeto.

  • 2 Para uma crítica detalhada das interpretações clínicas e psicológicas da toxicodependência cf. Agra (...)

13Um exemplo simples: desde há alguns anos, fomos acumulando evidência de que o toxicodependente não era apenas coisa clínica (a multiplicidade de expressões do objeto só artificialmente podia ser reduzida ao quadro da psicopatologia; a escuta clínica só induzia, e portanto só captava, o lado queixoso e patológico do indivíduo);2 experimentamos então a necessidade de lhe adequar um outro olhar. Modificar a perceção para poder surpreender o objeto noutras posições, procurar novas condições para o poder interpelar (para lá da posição interrogadora do relatório policial ou do confronto clínico). E sobretudo fazer do utilizador de psicoativos sujeito-ator (em vez de vítima) do seu destino, produtor de si (em vez de ente agido causado pela substância tóxica).

14Acumulamos ainda evidência de que era muito maior aquilo que se escondia do que aquilo que se mostrava no mundo do consumidor de drogas; aquilo que se mostra (no contacto com as instituições) só muito parcialmente desvela o contexto real de muitos consumidores: mundo de grupos que se expõem pouco, que se resguardam, pela própria condição criminalizada do comportamento que adotam; mundo de esquinas e de contactos e encontros breves, realizados nos interstícios de espaço e de tempo da cidade – lado clandestino da urbe.

15Modificar, repita-se, a perceção, para poder captar esta clandestinidade de existências quotidianas. Adotar posições percetivas proximais de modo a chegar perto daquilo que habitualmente se não deixa ver. Fazer, em última análise, do cenário onde as drogas são protagonistas a nossa oficina de trabalho – uma etnografia urbana das drogas, uma pesquisa de terreno nos territórios e com os atores do psicotropismo.

16Regressemos à questão, tendo o exemplo atrás em mente: como adequamos o método a estas exigências do objeto? Vale a pena determo-nos aqui um pouco. No final, teremos justificado não apenas a opção por certas posturas metodológicas, mas a necessidade de abertura do próprio objeto: estudar os consumos de drogas num contexto urbano conduz-nos a interrogar, por exemplo, uma matriz ecológica específica, o bairro social; mas conduz-nos também a colocá-lo em relação com outros comportamentos e respetivos contextos – uma socioespacialidade do comportamento desviante. Dito de outro modo, a fidelidade ao objeto acarreta pelo menos duas exigências: (1) adequar-lhe posições percetivas de acordo com os seus planos de materialidade (questão da escolha do método); (2) deixá-lo abrir-se, envolver-se em relações com outros objetos – um objeto não e um sólido no vazio, mas nó de uma teia de condições (questão da sua construção). Se o método for fecundo, abrirá o objeto.

17Condição primeira: onde e quando podemos ver o fenómeno droga? Em que contextos faz as suas aparições de modo a deixar-se estudar? Já vimos que nos retirávamos voluntariamente de um desses lugares, dado ser um lugar onde a sua presença é provocada – as instituições, sejam elas terapêuticas ou penais. Na primeira delas, o indivíduo quando entra já está codificado de antemão como doente, como toxicodependente, como enigma clínico; na segunda, codificado como delinquente, como traficante, como problemático socialmente. Queríamos deslocar-nos ao terreno do utilizador de drogas-em-si, antes da sua codificação pelos especialistas. Deslocar-nos ao terreno não da presença provocada, não da convocatória clínica ou penal, mas da aparição espontânea: os lugares de encontro, de consumo, de compra e venda – os lugares onde a droga se fala toda sem ser para terceiros ouvirem. O terceiro, quando muito, seríamos nós – mas pelo lado de dentro, como ator social do mesmo contexto. Ser o terceiro sem ser, ver nas suas manifestações naturais aquilo que normalmente se oculta – eis o desígnio.

18Enunciemos então, brevemente, os planos de materialidade que identificámos no fenómeno droga – já que é com eles que o método deve guardar relação.

19a) Materialidade espácio-temporal e discursiva: o consumo de drogas na sociedade ocidental de hoje é dotado de novidade enquanto facto e enquanto facto de discurso. Enquanto facto: rompe com os usos psicoativos próprios das sociedades tradicionais, em que as drogas tinham funções e rituais de uso integrados e socialmente integradores. Hoje o consumo é, na maioria das vezes, desviante; conheceu uma democratização ao nível das classes sociais que atinge, de certo modo massificou-se e banalizou-se; é conotado negativamente, e tem no sector juvenil o seu grande protagonista.

20Enquanto facto de discurso: tem vindo desde o século XIX a instalar-se no sistema de objetos-enigma da ciência atual, atravessando desde a farmacologia e a bioquímica às neurociências, desde os saberes clínicos à psicologia, à sociologia, à antropologia e aos saberes jurídico-penais. A última década foi de uma grande produção discursiva acerca das drogas, tanto vinda das diversas áreas científicas como das instâncias do controlo social ou do sistema técnico-interventivo sobre “o problema da droga”. Segundo alguns autores começaria a haver condições para delimitar uma nova área, de carácter interdisciplinar, que seria consubstanciada nas ciências do comportamento adictivo (cf. por exemplo Agra 1995).

21b) Materialidade ecológica: a droga é também um acontecimento sobretudo urbano. O espaço, aqui, releva menos do geográfico que do ecológico. Não significa isto porém situá-la apenas no espaço urbano – que é em todo o caso o seu espaço predominante – mas situá-la numa faixa de comportamentos urbanizados, ou seja, numa estrutura de ação do campo social nitidamente diversa da que caracteriza espaços não-urbanos.

22Hoje o terreno preferencial de expansão das drogas duras é o dos bairros resultantes da explosão de crescimento do tecido urbano, o das cinturas onde mais nitidamente se situam os signos da cidade do tipo industrial. Equacionar o fenómeno droga impõe assim escutar-lhe as significações relacionadas com esta matriz ecológica. A droga, no limite, é um analisador da urbanidade, enquanto forma de vida tendencialmente predominante e em construção permanente no mundo ocidental. A materialidade ecológica não é, no entanto, facilmente percetível. Pelo contrário, tem um carácter pouco visível, que se prende com um plano de materialidade que referimos a seguir.

23c) Materialidade histórico-social: a droga está hoje colocada sob o registo da transgressão e do crime. Manifesta-se por isso com discrição, resguardando-se dos olhares públicos. Isso tem profundas consequências para a investigação do fenómeno: a sua visibilidade está dificultada por uma ocorrência, ao nível das manifestações quotidianas, num plano macrossociológico difícil de captar. A droga ocorre nos interstícios da cidade – é quotidiana mas clandestina. E, nos últimos anos, tem atingido faixas sociais e territórios urbanos marginalizados da cidade dominante, autenticamente colocados nas suas traseiras, resguardados dos olhares do cidadão. Tem proliferado sobretudo naquilo que alguns analistas sociais designam por populações relegadas (Delarue 1991) e com pouca visibilidade social (as hidden populations – Adler 1985; 1990). Perceber o porquê do estado atual, a este respeito, do “problema da droga”, exigiria que nos detivéssemos no processo que fez dele uma entidade desviante – o processo da sua criminalização e da dos seus utilizadores. Este processo mostraria também como se constrói a partir de substâncias químicas uma galeria de efeitos mítico-simbólicos que fazem do “drogado” uma figura protagonista dos males da sociedade e do “problema da droga” o bode expiatório que legitima todos os julgamentos. Resta-nos subscrever Jean Baudrillard (1987): “Ao mesmo tempo que os corpos e os cérebros, as drogas estupidificam o julgamento a que as submetemos.”

24O “problema da droga” não existe, pois, só em razão de determinados produtos e de quem os consome, existe também em razão das sucessivas operações ideológicas sobre eles. Se insistimos nisto, é porque “ser-se drogado” não é um estatuto que se possa manter indiferentemente de tais operações – a materialidade do fenómeno droga inscreve-se assim na própria construção histórico-social do objeto.

25Ao longo deste texto ocupar-nos-emos da materialidade ecológica, sem deixar, no entanto, de dar atenção aos outros planos – se os dividimos foi, naturalmente, por imposição do trabalho analítico.

26Em síntese: as conceções acerca do método dependem das racionalidades que, de longe, vigiam e legitimam o trabalho científico. O confronto entre métodos é apenas signo superficial de confrontos entre regras do jogo científico – no limite, e no caso particular das ciências humanas, guerra enunciativa entre escolas. Ou, se retomarmos os termos de Lyotard (1979), jogo de linguagem: o método será uma forma particular deste jogo constituída por enunciados prescritivos. Estes enunciados devem poder conduzir a outros: os denotativos. Falar-se-á, então, o objeto.

  • 3 Michel Maffesoli (s.d.) desenvolve as condições de uma epistemologia do quotidiano, cuja fonte de c (...)

27Mas falá-lo como? A partir do método, pois. Mas de um método que se obsessione em adaptar-se às suas manifestações sensíveis, às suas modalidades concretas de existência – e estas, nos objetos das ciências humanas, revelam-se na insistência. Quer dizer, na repetição quotidiana, na aparição, constante e regular umas vezes, inopinada noutras, daquilo que queremos evidenciar como fenómeno.3 É nesta trama não-linear que o objeto se desenha. A atenção do investigador, o exercício da observação e a cumplicidade com as microestruturas percetivas com que o quotidiano se desvela e se esconde, se revela e se encobre, são o primeiro instrumento do conhecimento, aquele que permite fixar os seus planos de materialidade. Foi a quotidianidade do fenómeno droga, o contacto com os seus lugares e atores, combinado com a análise dos enunciados preexistentes a seu respeito, que nos permitiu destacar os planos de materialidade espácio-temporal e discursiva, ecológica e histórico-social.

Etnografia e drogas

“Não se entra no fenómeno da droga sem sair para a rua.”
Cândido da Agra (1991)

28A ligação entre etnografia e comportamento desviante é já antiga, e a sua pertinência tem sido nos últimos anos reiterada a propósito das drogas. “A preocupação com a underlife da cidade, com o underdog e com o ‘desviante’ tem-se mantido como uma

29preocupação característica da etnografia” (Atkinson 1990). Se é verdade, como propõe Brown (citado por Atkinson 1990), que existe uma relação direta entre os modos de representação textual e a “distância” entre os investigadores e os seus sujeitos, a narrativa etnográfica corresponde ao modo que expressa a menor distância.

30Antes de entrarmos no relato etnográfico dos territórios psicotrópicos, faremos um breve percurso pelas características que individualizam o método e pelas razões da sua particular adequação ao estudo do fenómeno droga.

Principais características da etnografia

31Como podemos delinear as principais características do método? Façamo-lo a partir da dispersão do que é dito na literatura que se debruça sobre ele, e também tendo em conta a nossa própria experiência de trabalho:

32Principal instrumento de investigação: a etnografia é um método de investigação em que o principal instrumento é o próprio investigador. Esta é talvez a característica mais constantemente salientada pelos diferentes autores, mesmo quando se inscrevem em referenciais teóricos divergentes (Mead, Metraux, Pelto e Wolcott, citados por Sanday 1979; Atkinson e Hammersley 1983; Lincoln e Guba 1985). “Os investigadores de terreno aprendem a utilizar-se a si próprios como o principal e mais fiel instrumento de observação, seleção, coordenação e interpretação” (Sanday 1979). Ele é uma fonte de dados (através da observação participante, da interação), instrumento da sua recolha (através da escuta, da interrogação, dos registos) e do seu tratamento.

33Ainda quando o investigador o não diz explicitamente, as referências que faz à progressão do seu trabalho de terreno e todos os comentários de índole metodológica deixam perceber a sua posição central enquanto instrumento e enquanto decisor permanente nas tarefas de pesquisa.

34Pequenas unidades de estudo: incide normalmente sobre uma pequena unidade de estudo. Um bairro, um bar, uma esplanada, uma esquina, um grupo… Adequa-se com dificuldade a estudos de carácter macrossocial, onde não pode rivalizar com as técnicas de inquérito. Para ser intensiva e relevante tem de circunscrever o espaço a estudar – requisito tanto mais importante quando a relação entre a dimensão ecológica e os comportamentos é um objetivo.

35Holismo: os procedimentos de recolha de informação são predominantemente do tipo descritivo e debruçam-se sobre todos os aspetos da unidade em estudo a que o investigador puder ter acesso. Sobretudo se não se dispõe de estudos prévios sobre esse contexto e/ou de teoria relevante que dê sentido à dispersão do que se observa, não é aconselhável desprezar aprioristicamente nenhum aspeto que se ofereça como possibilidade de observação. Com o decorrer do tempo tomar-se-ão nítidos os aspetos a fixar mais detalhadamente, por se revelarem mais relacionados com os problemas em estudo (mas, mesmo nesta fase, sobra lugar para surpresas…).

36Procedimentos vários de recolha de informação devem ser utilizados: monografias de investigação, artigos científicos, relatórios oficiais, artigos jornalísticos, autobiografias, diários… De um modo geral, todos os documentos relacionados com os problemas em investigação se mostram, de um modo ou de outro, utilizáveis nalguma fase do estudo. Este conjunto de fontes, advertem Atkinson e Hammersley (1983), “geram, no terreno, geralmente mais questões do que as que podem ser tratadas num único estudo”.

37“Socialização” no contexto: o acesso a uma perceção holista exige uma familiarização crescente do investigador com o contexto: deambular pelo espaço, falar com as pessoas, fazer perguntas, ser alvo de perguntas, participar em atividades próprias do local, fazer-se ver na comunidade de pessoas com inserção nas redes sociais locais são importantes processos de “socialização” no contexto. Ela é fundamental para reduzir o impacto da presença do investigador enquanto “corpo estranho” e para aceder a uma perceção proximal que possa dar conta das perspetivas dos atores sociais sobre as suas vidas, das significações que guiam comportamentos que, se vistos do exterior, parecem apenas antissociais e às vezes autodestrutivos – como é o caso do consumo de drogas. Se a estranheza antropológica é desejável, ser-se corpo estranho é um obstáculo. Relembremos que a estranheza antropológica referida pelos antropólogos clássicos era provocada pelo mergulho do investigador numa cultura que desconhecia, podendo, teoricamente, observá-la com exterioridade participando ao mesmo tempo – um fora/dentro simultâneo que conferia à antropologia uma singularidade própria nas ciências humanas. Hoje, no mosaico complexo dos mundos urbanos, a diversidade de lugares, populações e subculturas é tão profusa que continua a ser possível em boa medida a estranheza antropológica. Esta ideia, de resto, foi já defendida ao tempo da Escola de Chicago.

  • 4 E, se combinarmos este longo tempo com o desconforto – para não sermos demasiado adjectivos na ling (...)

38Se combinarmos este processo de “socialização” com as exigências do carácter intensivo da observação, explica-se o longo tempo normalmente exigido para este tipo de investigações.4 “Os etnógrafos vivem normalmente nas comunidades que estudam, e estabelecem relações de longo prazo com as pessoas sobre quem escrevem. Por outras palavras, de modo a recolherem dados significativos, os etnógrafos violam os cânones da investigação positivista; nós tornamo-nos intimamente envolvidos com as pessoas que estudamos” (Bourgois 1996).

39Flexibilidade: diz respeito ao largo espectro de fontes de informação e a diversificação dos procedimentos do método do trabalho de rua. A flexibilidade é essencial para uma adequação ao fluxo dos acontecimentos no terreno, coisa que não esta obviamente sob controlo do investigador. Dito de outro modo: uma realidade em curso ininterrupto, repleta de ocasional e de inesperado emergindo por sobre o fio das regularidades ou das rotinas do quotidiano da unidade de estudo, exige que o investigador utilize diferentes recursos. A pesquisa de terreno não pode ser planeada corretamente antes de ir para o campo de acordo com algum esquema predeterminado. Talvez, melhor: o esquema predeterminado deve conter a margem para a ocorrência indeterminada. Isto em nada invalida a necessidade de uma preparação prévia, teórica e metodológica. Aliás, o carácter fluido e pouco sistemático das ocorrências em contexto natural exige precisamente uma solidez de formação e uma versatilidade do investigador que impeçam a sua dispersão ou desorientação total em relação ao que fazer.

40O trabalho ocorre frequentemente em contextos em que o investigador tem pouco poder ou pouco conhecimento prévio – parecendo isto um inconveniente, revela-se, no entanto, em nosso entender uma vantagem. Por um lado, ordena o método em função do real e não o real em função do método – o plano de investigação guarda mais obediência à realidade do que a programas prévios. David Matza (1969), um dos clássicos da racionalidade fenomenológica na investigação social, vê nisto a principal característica de uma abordagem naturalista dos fenómenos. E Herbert Blumer, o criador do termo “interacionismo simbólico”, vê nisto uma condição essencial da prática científica: o mundo empírico “tem um carácter obstinado que é o selo da realidade”, tem capacidade de resistir às tentativas para o conhecer. Assim, “a metodologia e o ato científico na sua totalidade devem adequar-se ao carácter obstinado do mundo empírico em estudo; portanto, os métodos de estudo estão subordinados a esse mundo e hão de ser verificados por ele” (Blumer 1982). Por outro lado, a mudança na direção da pesquisa é fácil. Atkinson e Hammersley (1983) consideram que isto permite uma rápida triagem de ideias e problemas e por consequência produção teórica “altamente construtiva e económica”, facto também sublinhado por Glaser e Strauss (1967), que consideram esta postura generativa de teoria (que opõem à tendência verificacionista demasiado implantada nas ciências sociais).

  • 5 Nels Anderson conta neste artigo recente, de carácter autobiográfico, os meandros da sua pesquisa e (...)

41Informalidade: relaciona-se com a característica anterior e diz respeito ao estilo que o investigador adota na rua: a participação informal em situações variadas. A nosso ver, a informalidade – característica salientada por todos os investigadores que consultámos – deve também ser entendida em relação ao estatuto do investigador: em inúmeras situações não tem o estatuto formal de “especialista” ou “técnico”, limitando-se a participar anonimamente em atividades em curso (o caso paradigmático a este respeito è a observação direta sem recurso a interação verbal em situações públicas impessoais, como estar sentado num bar). Mesmo quando (e se) o seu estatuto for introduzido, esta introdução deve ocorrer numa fase da investigação em que a “socialização” no contexto seja de molde a que ocorra uma aceitação que continue a permitir a informalidade. O estatuto covert ou overt do etnógrafo continua uma das opções problemáticas para quem decide ir para o terreno. Normalmente não se resolve na dicotomia (dizer/ não dizer o que aqui faço), vai-se resolvendo por si à medida que os indivíduos da unidade de estudo progridem, eles próprios, na questão de “quem é este que aqui anda?”. Há, assim, um momento da investigação em que se é covert em relação a uns sítios e overt em relação a outros. Sabemo-lo da nossa experiência, sentimo-lo a ler outros etnógrafos: desde os clássicos Nels Anderson (1983)5 ou William Whyte (1955) aos recentes Patricia Adler (1990) ou Dan Rose (1990). Patricia Adler recomenda o estatuto covert para aquilo que designa unapproachable people, sendo a passagem a overt um processo contínuo realizado através da construção de confiança. Esta seria a chave para estudar as hidden populations, expressão que faz pleno sentido para a realidade social com que o nosso trabalho se confrontou.

42Impacto mínimo: define-se um pouco por oposição a técnicas como o questionário e a entrevista formal. Inscreve-se num debate geral que percorre todos os métodos: o da interferência do observador ou do experimentador com o objeto. Não entrando nos meandros de tal debate limitamo-nos agora a referir que conhecer é interferir com um objeto, que toda a construção de teoria é uma ordenação lógica de uma realidade muito mais desordenada, e que o problema da interferência não deve ser tornado como obstáculo epistemológico, mas objetivar-se e controlar-se, relacionando-o com o estatuto do dado produzido. Mesmo assim convém referir que há técnicas mais interferentes que outras – e que a este respeito a etnografia, quando convenientemente conduzida, é talvez o método menos interferente, o que se deve largamente às características de flexibilidade e informalidade já descritas.

O método etnográfico aplicado ao fenómeno droga

43Estudar, então, a materialidade eco-social do fenómeno droga. Dar atenção aos espaços mais frequentes, mais nomeados, mais etiquetados socialmente, em que ele se manifesta; e dar atenção aos atores que utilizam e coconstroem estes espaços. Proceder à descrição e a compreensão dos atores e dos territórios psicotrópicos – eis como podemos enunciar por agora um primeiro recorte do objeto.

44Os territórios psicotrópicos são lugares urbanos onde é visível a ocorrência de atividades ligadas às drogas, desde o comércio ao consumo, passando pelo convívio e pela ocupação do tempo tendo como elemento importante do encontro as drogas ilegais; alguns desses lugares são ao mesmo tempo etiquetados como “de drogados” pelo rumor social a respeito dos temas da insegurança urbana, dos comportamentos desviantes, etc. Impõe-se desde logo aqui uma primeira precisão: optámos pelos lugares das drogas que são relativamente visíveis porque são feitos de encontros em ruas, esquinas ou sítios específicos de alguns bairros. Há-os, no entanto, com menos visibilidade pública, porque são feitos de clubes noturnos de entrada controlada, de apartamentos, de meetings privados. Se bem que as drogas sejam um facto disseminado nos diferentes contextos e nos diferentes estratos sociais, estes podem ser mais expostos ou mais opacos, mais vulneráveis ou mais defendidos. Há, digamos, territórios públicos, semipúblicos e privados. Optámos pelos públicos, que são também os que mais insistentemente são noticiados pela comunicação de massas e pelo rumor social quotidiano. Mas de modo nenhum pretendemos dizer que são os únicos territórios das drogas.

45Feita esta precisão, refira-se em seguida que a etnografia e as técnicas de observação participante têm sido múltiplas vezes apontadas como formas de pesquisa especialmente adequadas para estudar o fenómeno droga. R. Ingold, numa revisão das teorias e dos métodos que têm sido utilizados neste campo, refere que a maioria dos estudos são realizados a partir de toxicodependentes hospitalizados, em tratamento ou encarcerados, sem procederem à relativização que passaria por salientar o papel social que este tipo de institucionalização determina, bem como à influência que o sistema assistencial tem sobre o próprio comportamento de dependência. Defende, “na esteira dos etnógrafos, uma resposta encontrada no terreno” (Ingold 1987), que descreva do interior, a partir do meio natural dos toxicodependentes, a dependência enquanto processo e não enquanto estado. Esta necessidade era já identificada por um dos autores hoje clássicos, C. Olivenstein: “É necessário sublinhar a propósito dos utilizadores das drogas que as constatações dos especialistas devem ser relativizadas, tantos são os sujeitos que não passam pelos circuitos médicos” (Olivenstein e Braconnier 1985).

46Também Domingo Comas (1981) procede à revisão e avaliação de um grande número de investigações neste domínio, propondo a sua sistematização, do ponto de vista dos métodos utilizados, em quatro grandes grupos: (1) investigações psicossociológicas a partir de amostras de toxicodependentes em consulta ou em reclusão; (2) inquéritos de opinião, com grandes amostras, passados a grupos muito definidos, normalmente estudantes do secundário; (3) análises sociológicas mediante questionário, com amostras amplas e estratificadas em função de diversas variáveis; (4) análises dinâmicas e antropológicas de grupos específicos. Conclui que “não cabem dúvidas de que os resultados destas últimas, de alta fiabilidade, podem trazer-nos muito na compreensão do fenómeno da toxicomania. Por causa do custo pessoal, dificuldades e pouca consideração institucional que merecem, sempre se realizaram muito poucas, mas estas deveriam ser de leitura obrigatória para todos os técnicos” (Comas 1981).

47Por sua vez, vários autores salientam o carácter fechado dos grupos de indivíduos que têm condutas alvo de reprovação social. Comas (1981) refere o contexto proibicionista como estando na base da formação de defesas que se traduzem pela ocultação de informação, recurso à mentira, ao segredo e a conformidade à expectativa da resposta, quando submetemos os consumidores de drogas às técnicas de inquérito; Ferrarotti (1981) fala, por seu turno, na “dificuldade de poder atingir faixas sociais e estruturas de comportamento que, pelo seu carácter de marginalidade e o seu estado de exclusão social, escapam imediatamente aos dados elaborados e adquiridos formalmente” e propõe as abordagens qualitativas – e em particular as histórias de vida – como as mais capazes de se aproximarem de tal objetivo; Walker e Lidz (1977) salientam a importância de uma boa utilização de “observadores indígenas” (o informante privilegiado da antropologia) para ajudar o investigador: “Num sistema fechado e hostil como é a subcultura do uso de drogas, o sucesso do etnógrafo depende da sua capacidade de encaixar dentro do sistema com a mínima fricção”; Romani (1995) refere que “o campo das drogas é uma destas zonas da vida social que estão estigmatizadas, através da construção social do ‘problema da droga’ […] estando pois o investigador perante um conjunto de "populações ocultas" criadas pelos processos de estigmatização, que resistem a ser penetradas pelos métodos clássicos de inquérito epidemiológico ou sociológico”. Patricia Adler (1985; 1990) utiliza uma expressão semelhante: as hidden populations, e salienta que “os desviantes são mais difíceis de localizar, estabelecer relação e investigar do que outras populações. […] Exibir um comportamento franco e sociável (friendly) não é suficiente para conseguir a entrada, sendo necessárias estratégias mais calculadas para estes grupos secretistas e desconfiados. […] A natureza altamente ilegal da sua ocupação torna os drug dealers secretistas, desconfiados e paranoides; […] constroem falsas fachadas, mentem e falseiam as informações”. Conclui por fim que “o único caminho que encontrámos para chegar suficientemente perto destes indivíduos foi adotar um papel de conviva (a membership role) no contexto deles”.

48Tal como Adler, também Philippe Bourgois (1996) estudou através de observação participante drugdealers – no seu caso, no East Harlem nova-iorquino. A grande dificuldade técnica de aceder a estas culturas de rua é diversas vezes repetida pelo autor, que considera o método etnográfico o estilo de pesquisa mais adequado para o fazer: “As técnicas etnográficas da observação participante, desenvolvidas principalmente pelos antropólogos culturais desde os anos 20, são mais indicadas do que as metodologias exclusivamente quantitativas para documentar as vidas de gente que vive nas margens de uma sociedade que lhe é hostil.”

49Em síntese, o que parece ressaltar dos vários autores é a reivindicação da necessidade da etnografia a partir de dois fatores: (1) crise dos outros métodos; (2) características especiais do objeto, que obrigariam à adoção de estratégias também especiais de pesquisa empírica.

50A própria OMS, num dos seus relatórios de avaliação das distintas metodologias de estudo dos usos das drogas e dos problemas conexos, dizia que em relação ao ratio custos/benefícios, entendidos estes como uma maior quantidade e qualidade de informação, deveriam priorizar-se as metodologias de estudo seguindo a hierarquização: 1. recolha e balanço das informações já existentes; 2. entrevistas a informantes-chave; 3. observações diretas, etnografia; 4. inquéritos a populações específicas; 5. sistemas de notificação e registo de casos; 6. inquéritos à população geral (Rootman, citado por Romani 1995).

51A etnografia dá coerência ao conjunto de técnicas que articula orientando-as para um mesmo estilo de recolha empírica. Não se privilegia um modo único de trabalhar, utilizam-se antes vários recursos que, no conjunto, deixarão a impressão de uma metodologia compósita. Por sob a sua variedade, onde está aquilo que os organiza? O que há de comum a todos eles?

52a) a ordenação a um mesmo objetivo;

53b) a ausência do laboratorial e das técnicas de inquérito;

54c) atitude naturalista: perceber o objeto no sistema onde é identificado e de que faz parte, recorrendo a posições percetivas proximais;

55d) ponto de vista apreciativo: é um dos elementos-chave da atitude naturalista e define-se por oposição ao normativista ou ao correcional; representa um compromisso com a natureza do fenómeno que se examina, adaptando o método à escuta do objeto em vez de submeter a realidade às necessidades de um método;

56e) carácter qualitativo, ditado não pela inscrição na querela quantitativo versus qualitativo, mas pela necessidade de captar aspetos não quantificáveis nem manipuláveis estatisticamente.

57Não entraremos aqui em detalhe sobre as várias técnicas que fomos utilizando ao longo da pesquisa de terreno. Diremos apenas que a observação direta na unidade de estudo selecionada se constituiu como a estratégia que, no plano metodológico, se ordenou a ecologia do objeto droga. Foi também a estratégia central da pesquisa de terreno – central tanto quantitativamente (aquela que mais tempo exigiu e que mais dados forneceu) como qualitativamente (a que melhor e mais diretamente permitiu uma perceção naturalista e proximal). Foi, ainda, central ao permitir identificar e ter acesso a outras fontes de informação – por exemplo recrutar indivíduos para o estabelecimento de biografias.

58A utilização de informantes privilegiados também se revelou nuclear. Devem ser discernidas duas modalidades no que toca ao envolvimento destes atores: a de informante privilegiado propriamente dita e a de intermediário. Nesta última ele serve como alguém que, por ser conhecido em redes sociais e em contextos de difícil acesso permite, pela sua simples presença, a presença “natural” do investigador. Damos como exemplo simples de um contexto deste tipo, retirado do nosso próprio trabalho, as caves de uma torre de um bairro social onde se “chutava” heroína, e cujo acesso estava estritamente controlado por vendedores de drogas duras colocados em grupo à entrada da torre.

59O mesmo indivíduo pode, noutros momentos, ser informante privilegiado, tendo o papel de alguém que nos dá elementos circunstanciados sobre o que ocorre de acordo com a visão dos indivíduos implicados na ação. Ajuda-nos a reperspetivar o que vemos, ajuda-nos a abstermo-nos dos nossos códigos prévios de interpretação – por exemplo, deixamos de ver traficantes, víamos “o João (por hipótese) que anda a vender uns pacotes”; não víamos “concentração de drogados”, víamos “o pessoal que está ali na esquina a dar uma fumarada antes de ir ao tacho (jantar), para passar o tempo”.

60Walker e Lidz (1977) referem vários aspetos da utilidade metodológica dos “observadores indígenas” que confirmamos amplamente com a nossa própria experiência: “É agente de socialização […] ensinando ao etnógrafo os do’s and dont’s do sistema, estilos de vestir e linguagem e o conjunto dos atores principais”; “Uma extensão desta função de socialização é o uso de colaboradores nativos para estabelecer ‘credibilidade’”; “Eles (os ‘observadores indígenas’) podem obter e gerir situações de entrevista que estariam fora do alcance mesmo do melhor etnógrafo”.

61As histórias de vida e a recolha de testemunhos foram também utilizadas, bem como a análise de documentos variados sobre a zona e os comportamentos-alvo, da qual destacamos o dossier de imprensa. Elaborou-se também um dossier fotográfico da unidade de estudo e utilizaram-se fotos de bairros sociais como indutores de entrevistas focadas no aspeto ambiental das drogas.

Notes

1 A própria epistemologia clássica vigilante da ciência através de uma relação de exterioridade tem dado progressivamente lugar a uma epistemologia interna, emergente do interior dos próprios atores das ciências.

2 Para uma crítica detalhada das interpretações clínicas e psicológicas da toxicodependência cf. Agra e Fernandes (1993). Chamávamos aí paradigma da droga-enigma ao conjunto de perspectivas que assimilavam o toxicodependente a grelhas teórico-metedológicas prévias, construídas para objectos de natureza distinta. Este paradigma tem sido construído predominantemente pelo corpo médico-psicológico de intervenção na toxicodependência, seja através de abordagens psicoterapêuticas, seja através de uma linha epidemiológica e sanitária.

3 Michel Maffesoli (s.d.) desenvolve as condições de uma epistemologia do quotidiano, cuja fonte de conhecimento provém da atenção ao banal, ao repetitivo, mas também ao raro, ao intersticial, ao ínfimo – na sua linguagem, “ao monstruoso”. Retoma, segundo ele, a vocação inicial da sociologia na linha de Pareto Simmel.

4 E, se combinarmos este longo tempo com o desconforto – para não sermos demasiado adjectivos na linguagem… – que inúmeras situações vividas no terreno acarretam, entenderemos também porque se leva a cabo tão poucas pesquisas de terreno. Iturra (1986) traduziu bem este sentimento: “Mas – digamo-lo directamente – é um método violento. Violento para quem começa a ser observado; violento para quem observa. É uma relação onde a suspeita etnocêntrica é normalmente introduzida.”

5 Nels Anderson conta neste artigo recente, de carácter autobiográfico, os meandros da sua pesquisa etnográfica junto dos hobos, trabalhadores itinerantes, misto de aventureiros e vagabundos. Publicada em 1923, continua hoje como uma das referências históricas da sociologia da desviância de Chicago.

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search