Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Thales de Azevedo

Texte intégral

131, Av. Princesa Isabel
Salvador – Bahia
26 de outubro de 1957

2Eminente colega dr. Jorge Dias.

3A última notícia sua, em cartão que teve a gentileza de me escrever, fora a de que compromissos na África impediam-no de pensar em uma vinda ao Brasil nos próximos 4 anos. Há dias, porém, o Helio Simões, de regresso dos Colóquios, disse-me que é coisa certa a sua vinda para a Bahia, por um prazo de cerca de 6 meses, a contar de março vindouro aproximadamente. O mesmo ouvi do Sr. Consul Pereira Bastos.

4Venho dizer-lhe quanto me alegra a perspectiva de sua presença entre nós, na certeza de que algum tema baiano merecerá a sua atenção e na esperança também de que nos possa dar muito em aulas e conferências. Quero dizer-lhe que terei o maior gosto em cooperar consigo no que estiver ao meu modesto alcance, pessoalmente e por intermédio de alunos e colaboradores.

5Costumo ter na Faculdade, todos os anos, dois grupos de alunos: um de principiantes, de 1º ano de Geografia ou de História ou de 2º de Ciências Sociais, aos quais dou Antrop. Física durante os meses do primeiro semestre e uma introdução ao estudo da cultura no segundo; outro de alunos daqueles cursos que, no 4º ano, escolhem Metodologia e Pesquisa em Antropologia como matéria optativa do Bacharelado. Há sempre, nos dois grupos, algumas pessoas maduras, experientes, já diplomadas em Direito ou noutro curso superior, com as quais se pode fazer algum trabalho (limitado, naturalmente, pelas obrigações profissionais dessas pessoas). Enfim, gente à qual se pode falar de temas sérios. É com estes alunos e com a cooperação de outros catedráticos e de visitantes que faço funcionar há 5 anos, sem nenhuma pretensão, o Seminário de Antropologia. Tudo isto está, desde já, à sua disposição, além de algo mais que eu possa oferecer da parte do Programa de Pesquisas Sociais da Fundação para o Desenvolvimento da Ciência na Bahia, de que sou diretor.

6Uma das possibilidades nossas é a de excursões, uma das quais desejaria fazer também o prof. Armando Lacerda, que, me consta, tornará à Bahia, a uma zona do alto sertão onde existem velhas povoações de origem portuguesa ainda muito isoladas e pouco modificadas pelo tempo.

7Sirva-se dar as suas ordens francamente ao colega

8Thales de Azevedo

*

9The university of Wisconsin
Luso-Brazilian Center
4 de março de 1960

10Eminente colega.

11Havia eu pronunciado e escrito no quadro negro o seu nome, dizendo aos meus alunos que é o melhor antropólogo português, quando, ao chegar em casa recebi da Bahia a sua carta.

12Estou aqui há pouco mais de um mês como prof. Visitante no Depto de Antropologia da U. de Wisconsin, encarregado de um curso sobre Negros no Novo Mundo, e de um seminário para estudantes graduados sobre Mudança Social Recente no Brasil. O seminário é um dos frequentados pelos alunos do Centro Luso-Brasileiro.

13É uma experiência muito interessante a que estou fazendo com estes cursos, ambos em inglês, numa das mais acreditadas universidades americanas, ao menos entre as estaduais. Por sinal que tem um campus belíssimo e está numa pequena cidade também linda, rodeada muito proximamente de lagos (Mendota, Monona e Wingra), agora inteiramente gelados. Temos neve aqui em abundância e frio a valer: durante o dia não é raro termos – 15C. e pela madrugada – 20. Mas suporta-se muito bem com os agasalhos e com o aquecimento das casas, salas de aula e outros recintos.

14Tenho a impressão de que o primeiro cientista social a ser convidado para aqui, brevemente, será exatamente o prezado colega. É o que depreendo de conversa que tive na Bahia com o prof. Alberto Machado da Rosa, um dos organizadores do Luso-Brazilian Center, atualmente na Bahia com um grupo de estudantes da N.Y. University que ali fazem um Junior Year Abroad. Mas no momento parece que querem alternar a minha pessoa com a de algum professor português de literatura.

15Lamento estar tão longe dos meus livros e do meu fichário de endereços, onde poderia encontrar as direções de pessoas qualificadas para lhe darem as informações e cooperação de que necessita. Lembro-me de duas pessoas de São Paulo, as mais qualificadas para isto, Rossini Tavares de Lima e Oneida Alvarenga, que tem escrito sobre nosso folclore musical e respetivos instrumentos, além de Renato Almeida no Rio (Ministério do Exterior, Palácio do Itamaraty), Oswaldo Cabral em Florianópolis.

16Gostaria também de coletar um material fotográfico sobre populações de regiões relacionadas com o Brasil, especialmente península ibérica, África. Pensei nisto o ano passado mas não cheguei a dar um passo. Assim, se tiver alguma coisa que me possa enviar (para a Bahia), ficar-lhe-ia muito agradecido. E se vir o Orlando Ribeiro, a quem envio por seu intermédio meus cumprimentos, peço que lhe transmita o mesmo desejo. Por aqui o movimento é bastante interessante em Antropologia.

17A Universidade tem bons especialistas, com experiência de pesquisa nas respectivas áreas e nas especialidades de arqueologia e antropologia cultural e social, em China, Índia, América Latina, Índios norte, centro e sul americanos. Semanalmente reúne-se o Colloquium de Antropologia para ouvir alguma comunicação de professor, aluno graduado ou visitante. Funcionam vários seminários em torno de problemas culturais e sociais. Além do que dirijo estou frequentando um seminário interdepartamental sobre América Latina que, este ano, se está ocupando do Brasil.

18O trabalho difere aqui muito do nosso no Brasil, ao menos na Bahia, onde tudo é ainda muito limitado e os esforços dos mais idealistas nem sempre encontram apoio adequado. Mas, sou dos que creem no trabalho como educação e preparação para um futuro melhor, razão pela qual não desanimo. O nosso Oswaldo Cruz dizia que é preciso “não esmorecer para não desmerecer”.

19Conformo-me com a sua esperança, que é também a minha, de que ainda viveremos para nos encontrar e, quem sabe, trabalhar um pouco juntos, se não em pesquisa, ao menos em ensino na Bahia, onde toda boa visita é benvinda para estimular e encorajar os poucos que se interessam pela nossa disciplina.

20Bem. Espero regressar à Bahia logo que em meiado de junho próximo haja terminado meus cursos. Aqui como lá continuo às suas ordens

21Muito cordialmente seu Thales de Azevedo

22PS. Um abraço meu para o prof. Armando de Lacerda. E um pedido: remeta para o Luso-Brasilian Center, que está organizando sua biblioteca, o que puder dos seus livros.

*

23Universidade da Bahia
Faculdade de Filosofia
7 de abril de 1965

24Meu caro Jorge Dias

25Estou para escrever-lhe há perto de um mês, sem tempo para fazê-lo devido às minhas ocupações na direção da Faculdade (uma pequena universidade com 13 cursos, cada um com seu professorado, seus alunos, seus horários, seus locais de funcionamento, suas queixas…). Mas o apoio dos colegas e o idealismo, que não fenece, me vão dando forças.

26A Maria de Lourdes Belchior, attachée cultural da embaixada portuguesa no Rio, disse-me que é plano seu fazer um curso no rio mais ou menos em setembro em colaboração com um professor brasileiro e que preferia fazê-lo comigo. Não podia ser melhor a notícia para mim, embora eu não saiba em que e como posso ajudá-lo.

27Estimaria conhecer em tempo seus planos para lhe dizer se me será possível afastar-me da Faculdade, o que só posso pensar em termos de um número reduzido de dias. De outro lado teria que preparar-me (se isso me for permitido nas condições de ocupação em que me acho). Em todo o caso, quero dizer-lhe que estou disposto, em princípio, a tomar parte no seu curso. Prevenindo-me para isto, resolvi dar já neste semestre meu curso de Antropologia, que tem caráter intensivo e duração de 1 semestre. Assim, em fim de junho espero estar livre disto. É verdade que de junho a agosto tenho uma turma de estudantes norte-americanos (a 4a que vem à Bahia e a 2a sob minha responsabilidade) do programa de treinamento de campo do acordo das universidades Columbia-Illinois-Harvard-Cornell. Aguardo com o maior interesse uma palavra sua para me decidir. Mariá envia comigo lembranças a Margot e a seus filhos daquém e dalém Pirineus.

28Recomende-me aos colegas daí. E receba um afetuoso abraço do

29Thales de Azevedo.

*

3023/01/1968
Thales de Azevedo
31, Av. Princesa Isabel
Salvador – Bahia

31Meu caro Jorge

32Aqui estamos desde o dia 19 ao meio-dia, tendo, no entanto, passado toda a tarde daquele dia à procura de 2 volumes de bagagem que se haviam desviado (agora, há minutos, soubemos que foram achados no porão do navio no Rio e que nos serão entregues no regresso do barco, de B. Aires). Chegamos bem, com ótima viagem, encontrando todos os nossos bem, felizmente. Apenas, muito calor que uma boa trovoada acaba de dissipar. Recordamos com saudade nosso convívio com Margot, V. e os filhos.

33Essa é uma das boas recordações de nossa estadia em Portugal. Esperamos que continuem todos bem.

34Trouxe uma carrada de planos e programas. Vamos ver se há condições para cumpri-los. Como ainda é tempo de férias, pode ser que consiga levar adiante ao menos algumas das ideias.

35Peço-lhe dizer ao amigo Carreira que também me lembro muito dele e que o Frederico Edelweiss está no interior, visitando seu cacau. Quando voltar lhe entregarei o pano da Costa. Agradeço mais uma vez ao Sr. Lino o trabalho que teve comigo: Maria já o recebeu em Philadelphia.

36Meu filho Paulo ficou encantado com seu estudo dos moinhos portugueses e satisfeito em verificar que as ruínas que encontrara correspondem a um dos tipos mencionados. Já lhe pedi que providencie uma cópia de seu artigo.

37Bem. Desejo-lhes todo bem-estar e a satisfação de seus planos de estudo. Mariá e eu lhes agradecemos as gentilezas que tiveram para connosco, consolidando nossa velha e boa amizade. Dê nossas lembranças ao Dom Lopo e a sua filha, assim como ao jovem artista moçambicano.

38Um abraço cordial do seu Thales.

*

39Thales de Azevedo
31, Av. Princesa Isabel
Salvador – Bahia
30 de janeiro de 1969

40Meu caro Jorge.

41Recebemos há dias seu cartão de Natal, que muito agradecemos. Por aqui vamos sem novidades. A maior parte dos filhos aqui mesmo em casa e na casa vizinha: 2 filhas, 1 genro, oito netos (1 genro no Perú, enquanto a nossa Augusta com suas duas ninas, nascidas no Brasil mas levadas para lá há tempo, nos visitou hablando somente espanhol; 1 filha e 1 genro com 2 menininhas e um rapazinho de meio ano, no interior do Estado; 1 filha e 1 genro com 3 moleques em Philadelphia, e o Paulo, arquiteto, começando um estágio de 7 meses no Centro International pour la Conservation et Restauration dês Biens Culturels, em Roma). Uma perfeita diáspora. Vv. Aí também são algo internacionais. Seu voto por um feliz ano em Stanford não tem ainda porque materializar-se: fui apenas consultado sobre incluir meu nome entre possíveis candidatos. Mas tenho muita dúvida se, convidado, devo aceitar. É muita gente para deixar aqui e sentir saudades e preocupação.

42Quando vim daí, chegando à Bahia exatamente há um ano e meio, prometi enviar-lhe o artigo de Paulo sobre um moinho português que ele encontrou. Ora, desarrumando velhos papéis encontrei a fotocópia desse artigo, pronta desde aquela época, que eu esquecera de lhe remeter: aqui vai. Esclareço que o terreno em que se acha o moinho só recentemente foi comprado pelos jesuítas para veraneio. Todavia é possível que eles mesmos tenham sido proprietários na ilha de Itaparica. Seria interessante verificar quem era o proprietário do terreno no sec. 18.

43Lembranças muitas e saudades de Mariá e minhas e Margot e filhos e particularmente recomendações aos colegas tão simpáticos do Centro de Antropologia Cultural. Quisera eu passar lá naqueles altos andares um período sossegado, colaborando com VV. mas agora é ficar em casa, aconchegados como ditam as circunstâncias. E um abraço muito afetuoso do seu Thales

*

44Thales de Azevedo
31, Av. Princesa Isabel
Salvador – Bahia
12 de setembro de 1969

45Meu caro Jorge

46Constou-me, por carta do nosso Wagley, que v. estivera doente e se submetera a uma intervenção cirúrgica. Também o prof. Querino Ribeiro, de São Paulo, escreveu no mesmo sentido à filha, Eunice R. Durham, que aqui esteve há pouco e me falou no assunto.

47Pensei em escrever-lhe imediatamente mas somente hoje me é possível fazê-lo, apesar de que pedi notícias suas – que não recebi – a um colega lá da rua da Junqueira, já há bastantes semanas. Espero que não haja sido coisa de maior importância e sobretudo que v. se encontra, a esta altura, inteiramente recuperado. Escrevo-lhe e a Margot por mim e Mariá, visitando-os e lhes desejando boa saúde e tranquilidade, com os filhos.

48Anteontem recebi o 15º neto, uma menina. Esses 15 são filhos somente das quatro filhas, todas casadas. Imagine que nenhum dos 4 rapazes casou ainda. O primeiro casará em outubro próximo, ainda estudante de Arquitetura mas já trabalhando. Poderá aparecer aí por Lisboa o mais velho, o Paulo, que é arquiteto e esteve agora vários meses na Itália estudando

49o problema de recuperação de monumentos e cidades. Recomendei-lhe que desse toda prioridade a uma visita a vocês, mas estou sem suas notícias há muito.

50Considero-me aposentado da Universidade desde o dia 26 de agosto passado, quando completei os 65 anos de idade. Está em marcha o processo, “pelos canais competentes”. Isto não me exclui de alguma atividade voluntária na Faculdade: inda ontem iniciei uma série de seminários, em torno do tema “namoro”, para os alunos de Psicologia. Tive sempre muito interesse em descrever os padrões de certos costumes e instituições. Aproveitei convite para umas aulas sobre temas de Antropologia e propus que nos ocupássemos inicialmente daquele assunto. Tenho um pouco de notas. Gostaria de fazer o mesmo, ulteriormente, com os ritos funerários brasileiros, atuais e cristãos. E com o desquite. É maneira, esse, de não me deixar de lado e talvez reunir dados e ideias para escrever breves notas sobre tais temas. E você? Invejo o seu pequeno grupo da rua Jaú, com tal chefe e mestre, com tal modesto mas acolhedor e inspirador ambiente e com participantes tão capazes quão simpáticos. Como vão os instrumentos musicais de Margot? Falei nisto com a Sra. Hildegardes Viana, uma folclorista nossa que pretende passar algum tempo em Lisboa e a quem espero v. possa favorecer junto à F. Gulbenkian ou ao C. Alta Cultura, oportunamente, quando ela pleitear a bolsa. É pessoa sem formação sistemática, mas observadora, interessada, séria; cronista mais que cientista porém com muito material registrado em seus pequenos trabalhos, e capaz de trazer daí informes e impressões de interesse para o nosso intercâmbio cultural. É, além do mais, pessoa muito bem relacionada em nossos grupos do Instituto Histórico, da Comissão de Folclore, e pessoa de uma personalidade comunicativa, simples, séria, V.V. gostarão dela, se for a Portugal.

51E o seu Lopo? Voeja, andeja, caminha sempre? Dê a ele notícias e lembranças “dos Thales”.

52Não tenho notícias diretas, novas, do nosso Chuck mas sei por minha filha, que está se mexendo para voltar à Bahia depois de 3 anos de Inglaterra e América, que ele e Cecilia vão bem, encantados com a neta.

53Vv. aí estão em uma esperada aurora política. E nós… Dêem-nos suas notícias, que esperamos sejam muito boas. Aqui fica o seu

54Thales

*

55Columbia University in the City of New York
Institute of Latin American Studies
20 maio 1971

56Caro amigo Jorge Dias.

57A sua pessoa e a de Margot têm sido lembradas muitas vezes a mim e a Mariá durante o semestre que acabo de concluir aqui na Columbia, dando dois cursos, antes da partida dos nossos queridos amigos Wagley para a Flórida.

58Estou de partida para o Brasil por estes 8 dias, via Perú, onde espero ficar umas semanas com uma filha que ali tenho, casada com um médico peruano. De V. não tenho notícias mas espero que esteja bem de saúde e sempre trabalhando. As últimas notícias tive-as Há meses pela nossa folclorista baiana que, por sinal, me escreveu entusiasmada e com razão pela gente da rua Jaú.

59Hoje lhe estou enviando cópia de carta que recebi há dias de um excelente colega e amigo, que deseja ir para Portugal pesquisar. Espero que v. o possa acolher. Conheço-o do Brasil e daqui. É gente séria e capaz. Se tiver ocasião de lhe responder algo isto o animará mais.

60Na Bahia tenho vários planos apesar de já aposentado da Universidade.

61Queira Deus dar-me saúde.

62Mariá e eu nos recomendamos a Margot, ao Lopo e às suas filhas e famílias. Escreva-nos. E na “boa terra” disponha do sempre muito

63Seu amigo e admirador Thales

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search