Version classiqueVersion mobile
OpenEdition Books

Artes da Fala

 | 
Jorge Freitas Branco
, 
Paulo Lima

Capítulo 8. Vida, obra e espólio de J. A. Pombinho Júnior

Notas acerca de um trabalho em curso

Ana Teresa Santos de Sousa

Texte intégral

  • 1 Aequipa que realiza o trabalho é constituída por Paulo Lima, da Oficina de Património da CMP, e por (...)

1No presente texto, procura-se sintetizar alguns resultados provisórios a que se chegou até à presente fase do Projecto de Estudo e Divulgação da Vida, Obra e Espólio de José António Pombinho Júnior. Este projecto, da Câmara Municipal de Portel, na estrutura que hoje apresenta, começou a ser pensado ao longo de 1992. No ano de 1994, realizou o levantamento exaustivo da bibliografia publicada pelo autor e o inventário preliminar do espólio; neste momento prepara-se o arranque definitivo dos trabalhos, que terão a duração aproximada de três anos e que se desenvolverão segundo as seguintes linhas principais: reedição crítica da obra; estudo, arquivo, conservação e disponibilização do espólio e o enquadramento de Pombinho Júnior no contexto da produção etnográfica e lexicográfica de que foi contemporâneo.1

2Em seguida, dar-se-á principal relevância à vida e obra de Pombinho Júnior e, finalmente, à referência a uma polémica que o autor manteve com Capela e Silva, nos anos ‘40, no semanário de Estremoz Brados do Alentejo, cujos elementos se encontram registados no espólio e que, se, por um lado, nos elucida acerca do tipo de abordagem que Pombinho Júnior desenvolve, por outro, torna visíveis algumas pistas sobre as potencialidades que o estudo de um espólio como este pode conter.

3Em 15 de Maio de 1898, nasce em Portel José António Pombinho Júnior, filho de José António Pombinho, ferreiro, e Maria Jacinta Fialho, falecida quando Pombinho Júnior tinha apenas dois anos. Na escola primária tem como professora Júlia da Soledade Antunes Franco, que, desde essa altura, o trata por filho e que virá a ser pessoa influente na vida de Pombinho Júnior. Terminada a quarta classe, permanece na escola como auxiliar da professora, que o prepara para ingressar no liceu. Conclui o quinto ano dos liceus em Évora, e, com dezassete anos, assenta praça como voluntário no Regimento de Infantaria 15, na mesma cidade. Frequenta a Escola Preparatória de Oficiais Milicianos e, em 1917, integra o Corpo Expedicionário Português, combatendo em França durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1917, é nomeado aspirante e, em 1918, promovido a alferes. Na batalha de La Lys é capturado pelo exército alemão, ficando detido num campo de prisioneiros na Alemanha, donde só regressa, depois do Armistício, em 1919. Desses anos guardam-se fotografias onde aparece com alguns dos seus camaradas de armas, desenhos e um caderno, datado de 1918, Breesen, Alemanha, no qual se encontra o primeiro registo de um interesse que mais tarde virá a aprofundar — junto dos soldados portugueses recolhe cerca de vinte cinco cantigas, que vão desde o “Fado do cavanço” e “Saudades de Portugal” à “Despedida de um expedicionário”.

4De volta a Portugal, promovido a tenente em 1920 e com diversas condecorações, fixa residência em Évora. Em finais de 1921, com apenas vinte e três anos, é nomeado alto comissário da Polícia e administrador do concelho de Évora, na sequência da repressão a uma “revolta bolchevique” que aí havia eclodido. Em Fevereiro do ano seguinte, abandona os cargos para que tinha sido nomeado alegando razões de cariz humanitário — não concordava com as más condições a que eram sujeitos os prisioneiros.

5Na década de 20, contrai o primeiro casamento, cujo divórcio ocorre poucos anos depois.

6No seguimento do 28 de Maio de 1926, faz parte da primeira Comissão de Censura, em Évora, cargo que ocupa apenas durante alguns meses.

7Em 1931 é preso (?), sendo-lhe depois fixada residência em Portel, para, em 1936 ser reformado compulsivamente. As razões deste afastamento poderão eventualmente ser aclaradas pelo processo da PIDE/DGS, que Pombinho Júnior procurou consultar, apurando apenas, já no pós-25 de Abril, quando foi amnistiado e promovido a tenente-coronel, que era suspeito de não ser afecto ao regime vigente.

8Em 1943, é nomeado delegado concelhio da segunda subsecção (antiguidades, escavações e numismática) da sexta secção da Junta Nacional de Educação.

9Ainda nos primeiros anos de 40, casa com Nazaré Assis Correia, professora primária em Portel, com quem tem três filhos. Na década de 50, a família irá viver para Évora, onde ainda reside. Em 1983, Pombinho Júnior, com oitenta e quatro anos, morre em Lisboa, sendo sepultado no cemitério da vila de Portel.

10A publicação da obra de Pombinho Júnior faz-se entre 1925 e 1972, sendo maioritariamente constituída por artigos dispersos em periódicos; dela constam ainda sete separatas e apenas dois volumes monográficos. Se em termos do que são os seus suportes editoriais a obra apresenta um carácter disperso, no que toca o nível dos interesses do autor e do modo como este os foi tratando parece-nos possível a delimitação de campos razoavelmente bem definidos e uma continuidade temporal que os confirma.

11Em 1925, Pombinho Júnior publica na Terra Alentejana alguns termos sob a rubrica “Provincianismos Alentejanos”. Após dois números abandona esta denominação para substituí-la por outra: “Cantigas populares alentejanas e seu subsídio para o léxico português”, da qual viriam a ser publicados doze números. Este viria a ser também o título definitivo de um dos volumes monográficos, pronto desde 1928, mas publicado já em 1936. Dele constam 356 cantigas submetidas a tratamento lexicográfico. Aeste projectava Pombinho Júnior juntar um segundo volume (informação em “Retalhos de um vocabulário — Guadiana”, Brados do Alentejo, 28 de Fevereiro de 1949). Também no seu espólio aparece um maço datado de 1963, conjunto de verbetes com a legenda “2.° vol. de Cantigas Populares”. No entanto, este mesmo título é a substituição de um outro, “Folclore do Alentejo Vol. I. Cantigas Populares (e seu subsídio para o léxico português)”, que aparece rasurado nos manuscritos que servem de base à publicação.

12Nos referidos artigos e na monografia cruzam-se dois planos principais: por um lado, a publicação do cancioneiro alentejano que vai recolhendo ao longo dos anos, por outro, a exploração lexicográfica que dos primeiros faz. Mas ainda na Ilustração Alentejana, magazine de Terra Alentejana, onde publica entre 1925 e 1928, surge uma outra abordagem do cancioneiro, a saber, a sua ordenação geográfica. Assim, publica cantigas de Montemor-o-Novo, Reguengos, Portel, Mourão, Évora, Estremoz e Arraiolos. Um suporte ordenador geográfico é também utilizado no Arquivo de Beja, onde, a partir de 1946 e até 1952, publica cantigas de Serpa, Beja, Cuba, Moura, Vidigueira, Alvito, Castro Verde, Almodôvar, Mértola, Odemira, Ourique e Alter do Chão (estas últimas em 1952, no artigo “Alter do Chão e as suas cantigas populares”, saído no Almanaque Alentejano). Em 1959, sob o título Quadras Populares Corográficas do Baixo Alentejo, publica quadras de Aljustrel, Barrancos, Ferreira do Alentejo, Alcácer do Sal, Grândola, Santiago de Cacém e Sines. Ainda no Arquivo de Beja, saem nove artigos com o título Algumas modas populares do Baixo Alentejo, onde se divulgam 450 modas populares, algumas das quais haviam já sido dadas à estampa em “Canções e modas alentejanas”, 1.a série, (são 131 composições publicadas no Arquivo Transtagano, entre 1934 e 1938) e 2.a série (130 composições publicadas em Brados do Alentejo, entre 1946 e 1948).

13Com Abel Viana, redactor principal do Arquivo de Beja desde 1944, mantém Pombinho Júnior relações de amizade, sendo este último quem leva Carvalho Moniz a publicar trabalhos sobre história medieval no Arquivo, nos anos 50, já que, como o mesmo diz em carta de 7 de Maio de 1952, “o boletim local (de Évora) está caindo num marasmo e monotonia constrangedora. Só lhe interessam estudos de arte e cópias de documentos da Biblioteca ou ‘rascunhos’ de afilhados”.

14Em 1957, surge a separata do Boletim da Junta de Província do Alto Alentejo, “Achegas para o cancioneiro popular corográfico do Alto Alentejo”. É, pois, essencialmente sob a égide da corografia que o autor faz desta vez a cobertura de vinte e sete concelhos dos dois distritos do Alto Alentejo, que vêm representados em 833 quadras. Ainda que este tipo de informações vá sendo fornecido ao longo da maior parte dos artigos, este trabalho é exemplar acerca da indicação da origem das quadras publicadas: dois dos seus grandes fornecedores serão Alexandre Carvalho Costa — “estudioso filólogo e ilustre alagoense” — que lhe envia as cantigas de Alagoa e de outras localidades do distrito de Portalegre, e António Tomás Pires — “distinto etnógrafo e folclorista” — através dos Cantos Populares Portugueses edoCancioneiro Popular Político. Para, além destes, e de outra bibliografia que não incluímos aqui, as recolhas pessoais e as quadras oferecidas por amigos de Pombinho Júnior constituem as fontes principais do cancioneiro.

15Ainda no que respeita ao cancioneiro, mas agora no caso particular de Portel, há que falar nas seguintes publicações: a separata da revista Ethnos intitulada “Cantigas dobradas”, de 1942, conferência apresentada no Instituto Português de Arqueologia, História e Etnografia, de que o autor era membro, que teria sido apresentada por Luís Chaves. Aqui podemos encontrar dois interesses particulares. Por um lado, o da construção formal do cancioneiro e, por outro lado, o da caracterização pessoal e sociológica dos informantes; pelo que o espólio indica, o autor teria em preparação “Novos subsídios para o estudo das cantigas dobradas”. Em segundo lugar, temos as três séries dos Cantes Populares de Portel, publicadas (a primeira e a terceira como separatas da Ethnos) em 1948 e 1965, e a segunda — pensamos que seja edição do autor — em 1949. São cinquenta e quatro composições acompanhadas de transcrição musical. Há uma preocupação em manter o leitor informado acerca dos colaboradores e acentua-se o propósito, que vai sendo, aliás, sugerido ao longo de toda a obra, de arquivar o que não se canta já ou se canta pouco, para que se não perca ao longo do tempo. Mais uma vez, encontramos um verbete do índice de uma quarta série, inédita, de Cantes Populares de Portel, em que se faz referência a canções religiosas, carnavalescas, dos santos populares e a canções e modas infantis, carnavalescas e dos trabalhos do campo. Em terceiro lugar temos ainda “Os mandamentos da Lei de Deus esclarecidos em verso”, “O ‘Cante’ das ‘gralhas… à solta’”, e “Versos populares cantados em Portel”, publicadas no Almanaque Alentejano em 1961, 1962 e 1963, respectivamente. Nota-se aqui, essencialmente no texto de 1962, mais uma vez, um interesse que vai para além da simples colecta de textos populares; o autor estuda as formas de construção pelos próprios termos e técnicas dos produtores, além de se interessar pela biografia destes; neste caso, trata-se de Josefa Inácia, a Ceguinha oua Cega do Prego, natural de Portel.

16Para finalizar no que diz respeito ao cancioneiro, abre-se ainda um outro vector: dele se dá conta nos três artigos publicados no Almanaque Alentejano, entre 1969 e 1971, intitulados, um deles, “Algumas crenças e superstições no cancioneiro popular português” e “Alguns usos e costumes no cancioneiro popular português”, os outros dois.

17Sob o título “Usos e costumes”, vamos ainda encontrar nove artigos publicados anteriormente, em 1933 e 1934, no Arquivo Transtagano, em que, a partir da exploração de documentos antigos — Código de Posturas da Câmara Municipal de Portel, Posturas do Almoxarifado da Vila de Portel, de 1726, Posturas Municipais do Concelho de Portel, de 1865 —, de informações pessoais e bibliográficas, vem apresentar alguns usos e costumes, essencialmente relacionados com Portel, como sejam “Correr do sino”, “Casquelhadas”, “Contribuições de pardais”, “Dar o louvado”, “Pelo entrudo”, “Procissões”, “Pelo São Martinho”, “Escravos”, “Deitar (as) galinhas”, etc.

18Entre 1949 e 1958, vai publicando, no Almanaque Alentejano enoBoletim da Casa do Alentejo, lendas e romances, saindo, em 1958, uma separata do Boletim da Junta de Província do Alto Alentejo com o título “Rimances, contos e lendas populares de Portel” onde são incluídos quarenta exemplares anotados, alguns deles com transcrição musical, precedidos de um “Preâmbulo” onde o autor expõe algumas características dos textos em causa. Nesta separata, dedicada a sua mulher, Pombinho Júnior alude a uma sua comunicação apresentada ao XX Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências, em 1950, em que teria utilizado algumas das lendas, também publicadas no Almanaque Alentejano, de Fausto Gonçalves.

19No espólio encontram-se alguns exemplares dactilografados com o título “Orações populares recolhidas em Portel” e ainda um maço de verbetes com a legenda “Orações em verso? Orações versadas? Orações dobradas?”. Se tal constitui algum trabalho pronto para publicação, permaneceu, no entanto, inédito.

20Num outro plano de interesses, encontra-se a separata do Boletim da Junta de Província do Alto Alentejo, de 1959, intitulada “O Convento de Capuchos de Portel e outras notícias da vila”, onde o autor faz uma abordagem histórica da localidade, partindo em muito de uma perspectiva arquitectónica, por um lado, e, por outro, manifestando interesse por algumas figuras portelenses. Aqui podemos encontrar o esboço de uma monografia, ainda que parcial, de Portel. Em carta de 22 de Janeiro de 1960, António Tibério de Sousa Franco, a quem é dedicada a separata, manifesta a sua satisfação pela decisão de Pombinho Júnior de publicar todos os seus trabalhos sobre Portel. Este propósito não foi aparentemente, no entanto, seguido. Assim, no espólio podemos encontrar materiais reunidos para o estudo de “O cemitério de São Brás de Portel” (dactilografado), “Castelo de Portel”, “O Convento de São Paulo de Portel” (exemplar dactilografado de 1960), “Vera Cruz de Marmelar”, “Aldeias do Concelho de Portel. Alqueva, Atalaia, Monte de Trigo…”, “A ermida do Senhor São Pedro de Portel” e “Os círios da ermida do Senhor São Pedro de Portel” (também dactilografado).

21Resta-nos falar do campo que talvez com maior pertinência poderá permitir identificar Pombinho Júnior ao nível da obra que publicou: o do léxico regional, que viria a merecer a atenção de Alexandre Carvalho Costa, que, nos finais dos anos 40, no semanário O Distrito de Portalegre, publica “Filólogos portugueses — notas bibliográficas — século XIX a 1945” e um “Apêndice sobre alguns cultores da língua portuguesa” (Costa 1946-1951), inserindo, neste apêndice, o nome de Pombinho Júnior.

22Este tema já foi aqui abordado quando falámos do conjunto de artigos “Provincianismos alentejanos” e do cancioneiro em geral. Será preciso, porém, referirmo-nos aos sete artigos, com o título “Retalhos de um vocabulário”, aparecidos em O Alentejano, em 1928, e aos artigos com o mesmo nome publicados, entre 1925 e 1938, na Revista Lusitana, reunidos em separata da mesma revista, com o título “Retalhos de um vocabulário (subsídios para o léxico português)”, em 1939, para enunciarmos, dizíamos, o carácter da carreira lexicográfica do autor.

23Pensamos que terá sido Júlia Franco, a professora primária de Pombinho Júnior, quem primeiro terá enviado os trabalhos do vocabulário para a Revista Lusitana, uma vez que a primeira carta de Leite de Vasconcelos encontrada no espólio é dirigida à primeira, que depois a remete para Pombinho Júnior, que prossegue desde então a correspondência. Na sua relação epistolar, os dois autores falam essencialmente de assuntos relativos à edição da revista. Para além disto, Leite de Vasconcelos chega a pedir ao autor portelense que lhe envie informações acerca de denominações locais de divisões espaciais no Sul, com o propósito de reunir material para a Etnografia Portuguesa. Há ainda referência ao envio de uma amostra etnográfica sobre “doçaria e panificação” a Leite de Vasconcelos em 2 de Fevereiro de 1936. Esta referência é feita na correspondência de Pombinho Júnior com Luís Chaves; neste caso trata-se de um questionário, datado de 1939, enviado pelo último e relativo à representação da doçaria e panificação regional no Pavilhão de Etnografia Metropolitana da Exposição Histórica do Mundo Português de 1940.

24Mas voltemos aos assuntos da língua. O expoente máximo da publicação do léxico encontra-se nas duas séries da rubrica “Retalhos de um vocabulário” do semanário regionalista de Estremoz, Brados do Alentejo, onde, ao longo de dezanove anos (1933-1952), o autor traz a público mais de quatrocentos artigos em que estuda “vocábulos”, “vocábulos curiosos”, “comparações populares”, “locuções verbais”, “modismos populares”, “modos de dizer”, “nomes próprios”, “saudações populares”, “saudações e perguntas”, “trocadilhos”, “particularidades gramaticais”, “particularidades fonéticas”… Não apenas o vocabulário, portanto, mas também outros aspectos da linguagem.

25Apesar de Pombinho Júnior não seguir um esquema demasiado rígido na apresentação que faz, ao longo dos anos não altera significativamente essa estrutura; a partir do conjunto dos artigos inventariados podemos, portanto, formular um modelo que nos permite aperceber os elementos que compõem a abordagem. Assim, temos uma grelha ideal com este aspecto aproximado: “vocábulo: significado; registo fonético; acepções regionais” (que excedem o espaço do Alentejo e o levam a registar elementos do Continente e Ilhas); “elementos etnográficos; testemunhos literários; testemunhos orais; cancioneiro; locais de recolha; remissão para outros vocábulos; bibliografia.”

26No seu espólio, apresenta-se uma série de maços com a legenda “Respigos de um vocabulário” e o material aí arquivado — são centenas de verbetes ordenados alfabeticamente — pode eventualmente constituir a base de uma publicação do vocabulário recolhido ao longo de várias dezenas de anos. Só o tratamento exaustivo do espólio nos poderá fazer aceder a uma conclusão acerca desta, como de tantas outras questões.

27Tentemos agora elaborar um quadro no qual possamos ver sinteticamente os elementos passíveis de caracterizar as grandes áreas de interesse de Pombinho Júnior. Em primeiro lugar, podemos aperceber o esboço da construção de uma monografia de Portel, factor que, no futuro, pode ser interrogado à luz da noção de investigador ou de erudito local. Portel vai ainda ser um ponto de abordagem quando o autor se debruça sobre a temática dos “usos e costumes”, sobre o cancioneiro e sobre o vocabulário. O cancioneiro, por outro lado, sofre um tratamento que se regista em quatro níveis principais: o da sua distribuição espacial; o da construção formal; o dos aspectos linguísticos eodacaracterização dos construtores e utilizadores. E aqui é importante frisar o carácter da abordagem: o interesse pela identidade dos indivíduos, que são retirados do anonimato, eoregisto da terminologia e das formas de construção tal como ela é colhida junto dos informantes (e que se volta a encontrar no contexto de outros géneros literários) oferece à obra de Pombinho Júnior uma certa peculiaridade, já que em outros autores este tipo de preocupação está muitas vezes ausente (registamos, porém, como parênteses, que alguns colaboradores de Brados do Alentejo, como Manuel Subtil, Alexandre Carvalho Costa e Capela e Silva, desenvolvem por vezes abordagens em que o nome dos informantes e uma preocupação ao nível dos aspectos formais estão também presentes); no mesmo sentido, dizíamos, a sobreposição de uma grelha espacial a uma classificação temática do cancioneiro pode constituir objecto de interrogação na denotação de particularidades da obra de que falamos. Finalmente, no que respeita ao vocabulário, o que talvez com maior pertinência resulte das leituras é o registo de um interesse que se afasta do campo etimológico que, quando aparece, toma um carácter subsidiário. O uso da linguagem, mais do que a origem das palavras, configura, pois, o carácter desta obra.

28Este aspecto será em seguida aprofundado através do caso Pombinho Júnior — Capela e Silva presente no semanário Brados do Alentejo.

29Capela e Silva, beirão de nascimento e regente agrícola fixado no Alentejo desde 1906, realizou vários trabalhos linguísticos e etnográficos essencialmente dedicados ao concelho de Elvas, pertencente à zona que viria a definir como “o núcleo mais puro do regionalismo português”. De texto publicado em Maio de 1948 no Jornal de Elvas, referente a uma homenagem feita a Capela e Silva na Biblioteca Municipal da mesma cidade em 1947, cita Alexandre Carvalho Costa, em Filólogos Portugueses, de que já aqui falámos: “Sem ser natural de Elvas nem dos seus termos, se deve considerar, na sua projecção, o continuador da obra imortal de José da Silva Picão e, em certo aspecto, do bibliógrafo, que tão elevadamente soube cultivar a etnografia, António José Torres de Carvalho e de António Tomás Pires, mestre consagrado, e porque não também de Vitorino de Almada, consumado historiador da nossa terra, e do Dr. Francisco de Paula de Santa Clara, eminente professor de latinidade e purista da língua, dos maiores valores que nela nasceram e a pisaram, como hoje ainda Domingos Lavadinho, na honestidade, na boa ordem e na profundeza dos seus conhecimentos e dos seus trabalhos de investigação.” (Costa 1946-1951, 647-648).

30O semanário regionalista Brados do Alentejo, fundado em Estremoz, em 1931, teve como lema “Alentejo, conhece-te e dá-te a conhecer”. Mantendo uma projecção a nível regional considerável, pelo menos até aos anos 50, e congregando em si uma variedade de autores e de temáticas, para além do seu aspecto mais propriamente noticioso, este jornal pode ser entendido como um elemento que permite a identificação de Estremoz como um centro de produção intelectual e, dentro desta, etnográfica, que o equipara, no Sul de Portugal, a Elvas, a Serpa, com a revista a A Tradição, a Beja, com o Arquivo de Beja.

31É então este periódico que vai servir de contexto à polémica de que passamos a falar. As intervenções de Pombinho Júnior são da rubrica “Retalhos de um vocabulário”, e as de Capela e Silva das rubricas “Estudos alentejanos: a linguagem rústica” e “Estudos alentejanos: a linguagem rústica no concelho de Elvas”.

32Em 24 de Agosto de 1941 publica Pombinho Júnior o retalho “Roupeiro”, dando para o termo a seguinte significação, retirada do Vocabulário Alentejano, de Tomás Pires: “O que tem a seu cargo o fabrico de queijo e outros lacticínios de ovelhas.” Como abonação retira de Cantos Populares Portugueses, do mesmo autor, a quadra “Fui roupeiro da Defesa/Fui na Padeira almocreve/Agora, por mor de ti,/Sou o diabo que me leve.” Do segundo volume de Falar e Escrever (1920), de Cândido de Figueiredo, transcreve: “Na Beira Baixa (Fundão, etc.), chama-se roupeiro o pastor que vende queijos ou que os faz; e no Baixo Alentejo dá-se o mesmo nome ao indivíduo que, sem ser pastor, se ocupa em trabalhos de queijaria.” Ora, sendo os panos “coadeiros”, e sendo “roupa” os panos, está explicado porque é que na Beira Baixa e no Alentejo se chama roupeiro o homem que lida nas queijarias ou rouparias.” No Novo Dicionário, do mesmo autor, rouparia significa “casa destinada especialmente ao fabrico do queijo”. No retalho “Alavão”, publicado em 31 de Agosto de 1941, Pombinho Júnior transcreve de O Alentejo, de Mário Vieira de Sá: “O alavão anda em pastagem escolhida e afora o maioral eoajuda, tem ainda o ‘roupeiro’, que auxilia a munjidura, carrega o leite para o monte e coadjuva as mulheres no fabrico do queijo.”

33Capela e Silva na mesma data, discute o termo registado por Pombinho Júnior no que respeita ao nível etimológico e falando apenas no Alto Alentejo. Para este autor, roupeiro é deturpação de rompeiro, ou seja,

madrugador, o primeiro madrugador do monte, a pessoa que primeiro se levantou e foi para a obrigação. O primeiro a iniciar a faina do dia nas herdades (…) O material da “queijeira” no que respeita a “trapiça” resume-se nos coadores, toalhas e rodilhas. Destacam-se na oficina as “baralhas”, caniços e a matéria- -prima: o leite.

34Não é verosímil que o termo roupeiro resultasse do ínfimo componente da queijeira: a “trapiça”, que nem roupa é. A roupa no Alentejo é o que se veste. Ir à roupa. A ama da roupa, etc.

35Aeste artigo, responde por sua vez Pombinho Júnior em aditamento ao retalho “Roupeiro” de 29 de Novembro de 1942, reafirmando o significado de roupa como “ coadeiros (ou coadores), panos, toalhas, etc.”, de uma rouparia, em Portel e na Vidigueira e termos de Beja. Roupa designa ainda “qualquer coisa boa, de excelente qualidade, raça, etc.”, sendo sinónimo de fazenda. Regista ainda fato, em Portel e na Vidigueira, como “uma porção de larau (panos ou lençóis) usados na apanha da azeitona” e, no Baixo Alentejo, “um combinado número de cabras pertencentes ao patrão, que na Primavera recebem os moirais para terem leite para o seu consumo”. Finalmente, em Serpa e no Sul, fazenda designa “um rebanho de gado macho.”

36Vejamos agora o que respeita ao termo enteixadura. Escreve Capela e Silva em 25 de Agosto de 1942:

Piscola e enteixadura têm andado sempre a par, porque são dois termos alentejanos que se completam, duas criações rústicas que encerram uma vaga analogia, exprimindo ao mesmo tempo o exemplo eloquente de que à linguagem campesina não andam ligadas grandes imagens.

37Na linguagem dos campos, de uma maneira geral, os estudos devem incidir principalmente no meio e não fora dele. Enteixadura é o arado alentejano, e o termo envolve a ideia simples de enfeixar, reunir, ou agrupar as suas peças (Deus as fez, Deus as juntou; ou nasceram umas para as outras): rabanejo, arado ou dente; garganta; ponta; pescaz; aivecas; e mexilho. Apalavra encerra uma finalidade expressiva, diferenciada, mas simples, a querer abranger, reunir e dar forma ao que se encontra disperso em cada uma das peças da enteixadura, assim como piscola encerra a ideia de concentração ou reunião de quadros da vida rústica que o povo sempre trouxe reflectidos no espírito simples, mas observador por excelência da natureza que o rodeia desde o berço e das coisas que fazem parte integrante da sua vida.

38Como nota, acrescenta:

O termo enteixadura poucas vezes se emprega hoje. Enteixadura, que veio de enfeixadura, significa enfeixar, reunir completa e harmonicamente; unir, identificar; completar; casar. Era o superlativo alentejano máximo que o povo só aplicou ou achou digno do arado.

39Pombinho Júnior, mais lacónico, riposta, em 15 de Novembro de 1942. Ppublica, dos Cantos de Tomás Pires, a cantiga: “Bom arado, bom timão, / Uma boa entechadura, / Bom sota, bom abogão, / Faz lavrar a terra dura.”, e diz:

não será ousado concluir que arado e enteixadura, na província alentejana, não são uma e a mesma coisa (…) não só pelo que se acaba de ler, mas ainda pelo que vou dizer e ouvi a “lavradores” e a pessoas que lavram.

40É certo que aqui em Portel não conhecem o termo, mas usam com o mesmo sentido, quanto a mim, enteixar, ou melhor, enteixado, quando se querem referir ao arado em boas condições para lavrar pela “ligação firme e regulada da garganta com o dente, feita pela teiró e pescaz (…) Não será enteixadura acto ou efeito de enteixar o arado? Salvo melhor opinião, eu creio que sim.”

41Se Pombinho Júnior afirmava querer ver afastada deste assunto qualquer tipo de polémica, tal não parece ter acontecido e, duas semanas depois, respondia Capela e Silva que a quadra de Tomás Pires, tal como estava pontuada, não traduzia fielmente a verdade do vocábulo já que

“Bom arado, bom timão, / Uma boa entexadura” estava por “Bom arado, bom timão: / Uma boa entexadura” e que, em Elvas, enteixar emprega-se a significar como que uma enteixadura ou enfeixadura (de reunir, agrupar, ou identificar), ou ainda uma concepção, mas secundária, de enfeixar.

42Diz ainda que

A enteixadura refere-se ao arado propriamente dito, e enteixar refere-se ao puxo (gado de tracção), enteixadura, ganhão. Ajustar, ou estabelecer harmónica e perfeitamente a justa e indispensável relação entre aqueles três factores, ao fim de lavrar, eis o significado próprio de enteixar.

43Avancemos no tempo e voltemos à questão do roupeiro. Entre Janeiro e Março de 1943, Capela e Silva dedica dez artigos ao tratamento do termo. Nos quatro primeiros, começa por referir-se à palavra cascabulho, que aqui não desenvolvemos, extraindo apenas um elemento que vai percorrer a abordagem. É dito que o vocabulário faz parte integrante dos costumes; uma mudança ao nível destes últimos vai constituir obstáculo na explicação das origens dos vocábulos regionais. Para o estudo destes, defende o autor que “é necessário não abstrair nem do meio próprio, o ambiente, nem principalmente do pedestal em que assenta a vida transtagana, que não é de modo nenhum roupa, antes uma maravilha de harmonia edeverdade”. É a partir da noção de ambiente que o termo roupeiro vai ser estudado, na sua relação com os alavões e com a profissão de roupeiro propriamente dita.

44Segundo Capela e Silva, em finais de Fevereiro formam-se os alavões, rebanhos que chegariam a atingir centenas de cabeças de gado, pelo que estavam ligados às herdades ou às grandes áreas de cultura, normalmente distanciadas das povoações. As queijeiras, por sua vez, situar-se-iam longe das pastagens.

Roupeiro [define o autor] é a pessoa que vai ao aprisco duas vezes por dia fazer o ordenho do alavão (ajudado pelo respectivo pastor, entregue ou alavoeiro), transporta o leite e faz ou não o queijo. (…) conforme a distância que tem de percorrer, ele tem que levantar-se de madrugada, nalguns casos pouco depois da meia-noite para chegar ao bardo (onde está o aprisco) a tempo de se fazer o ordenho; voltar para a queijaria com o leite e queijar, ou alguém por ele antes do nascer do Sol ou um pouco depois.

45Diz ainda que

(…) à profissão de roupeiro anda ligada principalmente aquilo a que o povo chama as andâncias, isto é, o que se malbarata de tempo para um fim de trabalho que não leva a executar duas horas. (…) o roupeiro agora (porque noutros tempos era raro o roupeiro que fazia queijo) onde menos se ocupa é a fazer o queijo.

46Pergunta-se então o autor em que conceito tem o povo rural o roupeiro, servindo-lhe para formulação da resposta a análise da quadra “Fui roupeiro na Defesa / Fui na Padeira almocreve / Agora por mor de ti / Sou o diabo que me leve”, que interpreta da seguinte maneira: já fui de alta categoria (roupeiro), já fui de baixa categoria (almocreve), agora já não sei o que sou. Ora, não poderia o povo alentejano, que “raramente emprega o calão a sério”, empregar o “apodo pejorativo roupeiro” a uma profissão bem considerada, já que o termo seria negativo se derivasse de roupa, isto é, “designação da mais baixa condição moral”.

  • 2 Capela e Silva, em Os Rompeiros (Silva 1939, 120-122), descreve uma operação de fabrico de queijo r (...)

47Procurando validar o seu argumento, Capela e Silva cita ainda Silva Picão, que lhe teria dito vinte oito anos antes que “quem fazia o queijo era a lavradora. O roupeiro ía buscar o leite, deixava-o na queijeira e pronto. Até ao ordenho da tarde, fazia outros serviços… que os tempos eram outros. Os lavradores eram os abegões das suas lavouras, e as lavradoras, suas mulheres, faziam tudo o que as criadas dos lavradores agora fazem… e aqui tem… Nesses tempos, o que mais havia eram rompeiros que não metiam o nariz nas queijeiras”. Negando a relação dos termos roupeiro e roupa, Capela e Silva mantém a opinião que faz de rompeiro a origem do termo a que dá destaque.2

48E é a esta argumentação, baseada em muito na infirmação da exposição de Pombinho Júnior, que o último vai procurar responder no segundo aditamento ao retalho “Roupeiro”, que publica entre Abril e Maio de 1943. Nesta contra-argumentação, o autor diz que nada acrescenta ao que dissera, limitando-se a esclarecer a sua posição; nesta transparece um elemento essencial: o afastamento do seu trabalho de preocupações etimológicas. “É que eu [citamos] afinal sigo o conselho que o sábio Professor Leite de Vasconcelos deu ao Sr. Capela e Silva [faz alusão a um episódio que o último narra nos trabalhos publicados sobre o termo piscola]: não me meto nas origens!” Pombinho Júnior realça que o seu único objectivoéoderegistar as acepções dos vocábulos; no caso de roupeiro, diz o autor que, independentemente da antiguidade da acepção que defende, é o momento presente que lhe interessa. No entanto, faz ainda algumas críticas. Se é certa a opinião de Capela e Silva acerca da palavra roupeiro como deturpação de rompeiro — madrugador, o que vai à frente —, então deveria haver noutros serviços da lavoura e noutras ocasiões do ano, que não a dos alavões, o cargo de roupeiro. Em segundo lugar, refere-se à quadra analisada pelo outro autor dizendo que, para manter a alta categoria atribuída à profissão de roupeiro, se tornava necessário que ela cobrisse também a direcção da rouparia, ficando, de contrário, o roupeiro, aquele que apenas faz a ordenha e transporta o leite, numa posição inferior à da profissão de almocreve. Em terceiro lugar, o autor cita de Capela e Silva: “O que faz ao caso nesta arte [a de roupeiro], é ter boa mão de queijo, ter a mão fria, e isso não é para qualquer”. Conclui assim que o regente agrícola, embrenhado em questões etimológicas, afinal tratava apenas de roupeiros, aqueles que fazem queijos, no momento presente. Finalmente, Pombinho Júnior aproveita ainda para falar no termo enteixadura, aludindo novamente à cantiga “Bom arado e bom timão, / Uma boa entexadura”. E aqui, concordando na dificuldade em pontuar as quadras populares, o que levaria à possibilidade de realizar más interpretações, o autor aponta o erro lógico que estaria presente no argumento de Capela e Silva. Se a vírgula do primeiro verso fosse substituída por dois pontos, se enteixadura fosse sinónimo de arado e se substituísse, portanto, entexadura por arado, o resultado seria: “Bom arado, bom timão: / Um bom arado”! Conclui Pombinho Júnior: “Francamente, se assim vier a ser, se esta for a verdade da sinonímia dos vocábulos, ficará coisa sem nexo, só admitida nas ‘quadras de pé quebrado‘.” A enteixadura, “designando a ligação firme e regulada da garganta com o dente, feita pela teiró e pescaz, oferecia, para Pombinho Júnior, o conceito desejado pelo “ignorado autor da quadra” e o sentido dado pela pontuação, afinal correcta, de Tomás Pires.

49Mais tarde, em Junho e Setembro de 1943, Capela e Silva volta a afirmar as suas opiniões, fazendo na sua defesa referências a Silva Picão, e uma análise do termo roupeiro baseada na relação desta palavra com outras do seu grupo (tardão e marchante), e ainda estabelendo uma relação etimológica de roupeiro, como categoria profissional, e roupeiro, como designação de uma casta de uvas que primeiro rompe, amadurece. Novamente aqui surge roupeiro como deturpação de rompeiro. Finalmente, refere-se a Pombinho Júnior como alguém desconhecedor dos assuntos de que estava tratando.

50Ao nível do registo das publicações, parece ter-se suspendido por aqui o diálogo motivado pela discórdia entre os dois autores. Porém, no maço com a legenda “Roupeiro, entechadura e outros: Capela e Silva”, que temos vindo a utilizar, presente no espólio de Pombinho Júnior, encontra-se um conjunto de cartas que teriam sido enviadas a este autor no sentido de responder a questões por ele formuladas a propósito do assunto que tinha em mãos. Entre os autores contam-se Rebelo Gonçalves (carta de 22 de Fevereiro de 1943), Cardoso Marta (1944), e Joseph M. Piel (1950), e ainda Noel Teles, Cláudio Basto, Sociedade de Língua Portuguesa e provavelmente cartas de outros, espalhadas por outros maços.

  • 3 Já em 1963, Capela e Silva publica uma separata de Linhas de Elvas (n.° 655) com o título “Estudos (...)

51Em 1948, Pombinho Júnior, no retalho “Barulho”, refere-se aos reparos de Capela e Silva de alguns anos antes como algo que teria considerado, e ainda então considerava, como pouco justo e menos atencioso e, em 1956, escreve a Capela e Silva, pedindo-lhe que reconsiderasse as suas opiniões, ao que o último responde que nada tem a acrescentar ao que havia escrito e tornado a publicar na Revista de Portugal, em 1947.3

52Do resumo não exaustivo de alguns elementos da polémica entre os dois autores que apresentámos, passamos agora a destacar alguns aspectos que nos parecem essenciais. Não nos preocupámos fundamentalmente em averiguar a validade dos argumentos de cada um dos autores, retendo apenas a tentativa de delimitação de duas posições tomadas em relação à exploração de vocabulários regionais. Assim, se em Capela e Silva podemos encontrar uma preocupação pelo nível etimológico dos termos rústicos, em Pombinho Júnior essa preocupação está, à partida, ausente, sendo substituída por uma abordagem sincrónica da linguagem. Em segundo lugar, e este parece-nos um ponto essencial, um caso como o que aqui resumimos, demonstra questões implícitas no estudo dos vocabulários regionais: (a) algo que era em princípio uma discussão acerca dos significados de um termo rapidamente se torna num diálogo assente na questão da hierarquia laboral dos campos; (b) a defesa de cada um dos autores exige que eles desenvolvam argumentos, baseando-se na análise lógica e formal do cancioneiro; (c) para Capela e Silva, a linguagem campesina, popular, do Alentejo é entendida como um elemento sujeito às modificações do ambiente envolvente e, sobretudo, à dimensão de um fundo cultural transtagano feito de harmonia e verdade; a linguagem aparece, pois, como sujeito e reflexo de um carácter cultural positivado; Pombinho Júnior não dirige a sua argumentação no mesmo sentido, abstendo-se de realizar formulações em que estejam implicadas tentativas de positivação ou negativização de universos culturais decorrentes de etimologias; (d) finalmente, cada um dos intervenientes recorre a um conjunto de fontes que reputam como autoridades no conhecimento das questões discutidas, mobilizando para isso um capital de conhecimentos bibliográficos e pessoais que indiciam a percepção do lugar ocupado pelos indivíduos no seio de redes de produção e relações intelectuais no âmbito da etnografia e dos estudos linguísticos.

53Esta polémica, na forma em que se apresenta, constitui caso único em todo o tempo em que Pombinho Júnior publicou os seus trabalhos. O modo como ela foi registada entre os seus papéis pode demonstrar só por si as possibilidades abertas, por um lado, por um revisitar da imprensa periódica regional e nacional e, por outro, pelo estudo de espólios, com destaque para os núcleos epistolares, de autores muitas vezes esquecidos ou considerados menores.

54Em 1968, o Instituto de Alta Cultura publicava Vinte Anos de Investigação Etnológica do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, de Ernesto Veiga de Oliveira. Aí expressava o autor um sentimento de orfandade científica, porventura partilhada por aqueles que acompanharam os trabalhos do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular. À fase dos mestres (Adolfo Coelho, Teófilo Braga, Consiglieri Pedroso, Leite de Vasconcelos, Rocha Peixoto), que tratavam a etnografia como uma ciência (apesar de, pela formação linguística e filológica dos quatro primeiros, esta se ocupar essencialmente do “estudo da tradição oral e das formas de cultura associadas à linguagem”), ter-se-ia desenhado um panorama menos próspero. Diz o autor: “Após o desaparecimento dessa brilhante geração, a etnografia em Portugal, salvo ‘raras e destacantes excepções’, dispersas e ineficazes, voltara a ser apenas [nas expressivas palavras de Mendes Corrêa] ‘um domínio cultivado por curiosos, amadores ou dilettanti, que, se lograram algumas vezes fornecer achegas de interesse para um labor verdadeiramente científico, não ultrapassaram, porém, em geral, os limites de uma simples prospecção, quase sem plano, sem disciplina de trabalho e sem a amplitude dos objectivos que permitiriam atribuir-se-lhes de pleno direito o nome de etnógrafos. (…)” Veiga de Oliveira cita ainda Mendes Corrêa: “Decerto uma tal tarefa — a Etnografia cultivada por amadores — quando feita com escrúpulo e dedicação pode merecer louvor, e devemos mesmo estar gratos àqueles que tenham ficado por ali, não dispondo de materiais, cultura ou faculdades para empreendimentos de sistematização, crítica e interpretação, que naturalmente não são acessíveis a todos. Mas a etnografia é hoje uma ciência como qualquer outra, dispõe dos seus métodos próprios, de técnicas adequadas, de planos e objectos rasgados de pesquisa, que não se compadecem com um amadorismo exclusivo e ameno, fase da história desses estudos que já passou noutros países e que temos a esperança de se encontrar em decadência entre nós” (Oliveira 1968, 34-35).

55Este texto é curioso na medida em que nele podemos ver, por um lado, a celebração de uma obra e, por outro, o radical distanciamento desta marcado necessariamente por uma ênfase na crítica a um amadorismo de que são obviamente salvas algumas “raras e destacantes excepções”. Toda a construção do discurso é feita na base do elogio da instituição que se celebra, o que se torna possível por uma valoração negativa do par tempo-produção anterior, que fica, após o tempo dos mestres, caracterizado pela sua acientificidade. Nesta nova fundação, a figura de proa é Jorge Dias, que, por sua vez, surge no texto como o elemento que configura o percurso do Centro de Estudos e a projecção dos trabalhos etnográficos portugueses no estrangeiro.

56Ora, a produção de Pombinho Júnior enquadra-se cronologicamente na fase a que o Centro queria suceder, embora se prolongue, como atrás vimos, até aos anos 70, sem apesar disso ter alterado significativamente as suas linhas básicas.

57Mas se Mendes Corrêa e Veiga de Oliveira teriam colocado sob o epíteto de rara e destacante excepção a obra do autor de que aqui falamos, não o sabemos. Pombinho Júnior, esse, reservava para si a qualificação de etnógrafo e lexicógrafo, seduzido que estava pelas “coisas” da sua terra e, entre estas, pelo domínio da palavra — fosse pelo seu aspecto folclórico ou material. Para além dele, muitos outros exerciam o trabalho sugerido pela sensibilidade etnográfica que Leite de Vasconcelos e a sua Revista Lusitana teriam ajudado a semear em todo o país. Trata-se de um conjunto de homens e de algumas mulheres que foram publicando trabalhos seus ao longo de várias décadas, trabalhos que o Centro de Estudos de Etnologia Peninsular quase que evocava como material consumível, de melhor ou pior qualidade.

58Uma produção que se teria visto alheada de um quadro sistemático que levasse à orientação científica; linhas teóricas mais ou menos difusas que teriam sido seguidas; o modo como estes autores reuniam e analisavam o material que recolhiam, a bibliografia que consultavam; relações construídas a partir de afinidades políticas e intelectuais e pela participação em publicações locais e especializadas em que se pode entrever a formação de um discurso etnográfico, algumas vezes informado por um regionalismo — são elementos que se tornam objecto de questionamento quando quisermos considerar o quadro de produção de trabalhos realizados sob a categoria de etnografia.

59O espólio de Pombinho Júnior, bem como o de outros autores, pode abrir pistas e fornecer respostas a este tipo de interrogação. Ao longo do texto fomos dando alguns exemplos através dos quais é possível aperceber redes de relações, em grande parte motivadas pela individualidade dos correspondentes, pelas suas ocupações profissionais, até pelas suas inserções políticas. Para além da análise do material publicado, para além de uma abordagem que privilegie a descoberta de conteúdos teóricos ou da sua ausência, a construção de uma história da etnografia em Portugal pode ser informada pelo conhecimento dos estatutos e das relações mantidas nos vários grupos formados pelos produtores, fazendo recurso às posições socioculturais por eles ocupadas, pela interrogação do papel desempenhado por publicações periódicas que constituem verdadeiros centros de produção, sem assento académico, mas com significado ao nível da construção e circulação do conhecimento. Nessa história da etnografia em Portugal, que é também uma avaliação dos conteúdos que foram sendo classificados como etnográficos, desempenham então papel relevante as imagens (de que as palavras de Veiga de Oliveira são apenas exemplos) que deles foram sendo criadas. O processo inclui assim todos os actores implicados, muitos deles hoje esquecidos talvez mesmo pela erosão da sua importância num novo contexto, e o lugar que construíram e ocuparam na produção intelectual portuguesa.

60Estas algumas das linhas que estruturam o Projecto de Estudo e Divulgação da Vida, Obra e Espólio de J. A. Pombinho Júnior.

Bibliographie

4

Costa, Alexandre Carvalho (1946-51), “Filólogos portugueses — notas bibliográficas — séculos XIX a 1945 e um apêndice sobre alguns cultores da língua portuguesa”, O Distrito de Portalegre, n.° 3962 a 4113 e 4544 a 4209, Portalegre (720 págs).

Oliveira, Ernesto Veiga de (1968), Vinte Anos de Investigação Etnológica do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, Lisboa, Instituto de Alta Cultura.

Silva, José Alves da Capela e (1939), “Os Roupeiros”, in Ganharias, Lisboa.

Silva, José Alves da Capela e (31/8/1941; 25/11/1942), “Estudos alentejanos — a Linguagem Rústica”, Brados do Alentejo, Estremoz.

Silva, José Alves da Capela e (10/1/1943; 17/1/1943; 24/1/1943; 31/1/1943; 7/2/1943; 14/2/1943; 21/2/1943; 28/2/1943; 7/3/1943; 14/3/1943), “Estudos alentejanos — a linguagem rústica no concelho de Elvas. Roupeiro”, Brados do Alentejo, Estremoz.

Silva, José Alves da Capela e (13/6/1943), “Estudos alentejanos — as uvas e a linguagem rústica. Roupeiro”, Brados do Alentejo, Estremoz.

Silva, José Alves da Capela e (11/7/1943; 18/7/1943; 25/7/1943; 1/8/1943; 8/8/1943; 15/9/1943). “Estudos Alentejanos — A Linguagem Rústica no Concelho de Elvas ‘Roupeiro’, Brados do Alentejo. Estremoz.

Silva, José Alves da Capela e (Janeiro de 1947-Março de 1948), “Estudos alentejanos — a linguagem rústica no concelho de Elvas”, Revista de Portugal, Série A, Língua Portuguesa, Suplemento, Vols. XI a XIII, n.os 51-61 e 63, 1-211.

Silva, José Alves da Capela e (1950), Memórias Alentejanas, Elvas.

Silva, José Alves da Capela e (1963), “Estudos alentejanos — as críticas acerca da linguagem rústica no concelho de Elvas”, separata de Linhas de Elvas, n.° 655, Elvas.

Notes

1 Aequipa que realiza o trabalho é constituída por Paulo Lima, da Oficina de Património da CMP, e por Ana Teresa de Sousa, do Centro de Estudos de Antropologia Social (CEAS) do ISCTE. Finalmente, na base de convénio firmado em 1992, o projecto dispõe da colaboração do CEAS. Em Março de 1997, deixou de ter efeito a colaboração do mesmo centro no presente projecto.

2 Capela e Silva, em Os Rompeiros (Silva 1939, 120-122), descreve uma operação de fabrico de queijo realizada por “roupeiros” e em Memórias Alentejanas (Silva 1950, 20) afirma: “O homem que faz queijo é roupeiro.” Assim, reforça-se a ideia de que a polémica entre os dois autores tem o seu fulcro na discussão de etimologias, já que acabam ambos por atribuir ao termo o mesmo significado.

3 Já em 1963, Capela e Silva publica uma separata de Linhas de Elvas (n.° 655) com o título “Estudos Alentejanos — as críticas acerca da linguagem rústica no concelho de Elvas”. Aí Capela e Silva faz referência a críticas que “sem autoridade” e “com ignorância” lhe haviam sido feitas. Ora, o autor dessas crítica, que não é nomeado no texto, é Pombinho Júnior, e é acerca dos seus “Retalhos de um vocabulário” e dos termos “sequeiro”, “baixura”, “emberichado”, “mainha” e “pancada” que Capela e Silva escreve, esclarecendo ou negando propondo a sua interpretação, as questões e acepções apresentadas por Pombinho, apresentando como problema básico dos estudos sobre vocabulário a inexistência de um atlas linguístico.

4 Excluem-se as referências bibliográficas de Pombinho Júnior e de Capela e Silva (deste último as que estão incluídas na polémica atrás referida), uma vez que serão oportunamente tratadas com detalhe em publicação da Câmara Municipal de Portel.

Auteur

Antropóloga, membro do CEAS

© Etnográfica Press, 1997

Conditions d’utilisation : http://www.openedition.org/6540

Acheter

Volume papier

amazon.fr