Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

René Ribeiro

Texte intégral

1Ministério da Educação e Saúde
Dr. Jorge Dias
Centro de Estudos de Etnologia Peninsular
Universidade do Porto Portugal
Recife, 20 de Fevereiro, 1952

2Meu caro Jorge:

3Recebi sua carta de 27-Nov.1951 com imensa satisfação. Esta a resposta vai assim atrasada porque na mesma época tive que assumir o compromisso com a UNESCO de realizar a pesquisa sobre relações de raça que lhe falei. Esteve aqui o prof. Metraux e acertamos que a pesquisa no Nordeste seria centralizada nos grupos religiosos, em vista do pequeno prazo que nos foi concedido e das condições do meu trabalho no Instituto não me permitir a ausência deste Estado. Hoje já vamos bem adiantados tendo recolhido uma série de depoimentos pessoais, aplicado o teste de distância social de Begardus a estudantes de escolas superiores, de colégios religiosos, membros de congregações religiosas etc. Foi também feito um levantamento histórico e apanhado elementos informativos dos jornais confessionais.

4Espero por todo o mês de abril ter pronto o relatório e estar assim desocupado para outras tarefas. Gilberto Freyre esteve conversando comigo durante a sua passagem para o Rio e parece-me que o nosso projeto Portugal-Angola-Brasil talvez tenha alguma chance agora. Durante a estada de Metraux aqui falei sobre uma possível colaboração da Unesco, recebendo uma negativa formal visto o programa de liberdades essenciais do homem defendido por aquela organização chocar-se com o atual regime político de Portugal. Foi um não redondo e inapelável.

5Ando ainda em projetos com o magnata da imprensa brasileira Assis Chateaubriand sobre a organização de um museu etnológico aqui no Recife. Na realidade não temos nada que se compare ao gênero e sua organização seria de muita utilidade para nossos estudos. Talvez seja possível fazer uma instituição que trabalhe intimamente ligada ao Instituto Joaquim Nabuco e deste modo, contando os vastos recursos que aquele magnata sempre levanta, obter um rendimento maior do nosso departamento de antropologia.

6Meu trabalho sobre os cultos negros está quase terminado. A parte da possessão, medida com testes psicológicos é que ainda continua parada a espera de melhor oportunidade. Estou a espera das separatas das publicações do sul onde devem sair alguns dos trabalhos que escrevi para lhe mandar.

7São essas por enquanto as notícias. Recomende-me aos seus e abrace o amigo certo.

8René

*

9Prof. Jorge Dias
Centro de Estudos de Etnologia Peninsular
Universidade do Porto Portugal
Recife, 22 de Setembro de 1952

10Meu caro Jorge:

11Recebi com o agrado de sempre a sua carta de 24-4-1952 bem como o seu trabalho “Bosquejo Histórico da Etnografia Portuguesa. Deixe-me logo parabenizá-lo pelo aspecto e conteúdo dessa sua lista bibliográfica crítica que me foi de muito auxílio, chamando minha atenção pra trabalhos que não conhecia e que irei adquirir imediatamente. Também é auspicioso o fato de Rio de Onor estar completo. Deve ser uma magnífica monografia e estou deveras ansioso por lê-lo.

12Terminei agora o relatório da UNESCO sobre relações raciais no Nordeste do Brasil e a conclusão naturalmente é definitivamente favorável ao papel aí desempenhado pelo cristianismo luso-brasileiro. Ficou em 150 boas páginas e deverá ser editado em inglês e francês pela UNESCO no próximo ano. Também terá uma edição portuguesa a ser prefaciada por Gilberto Freyre a quem muito consultei durante a redação da mesma pesquisa e que me parece gostou muito da mesma.

13Nossos projetos em relação ao Instituto de Antropologia Tropical ainda estão em suspenso à espera que o mecenas Chateaubriand se decida a iniciar a montagem do mesmo. Era porém meu projeto antes dar uma vista na série de museus regionais que vocês tem por aí, bem como passar algum tempo em Portugal para sentir de perto o funcionamento de uma cultura que foi a matriz da nossa. Acho isso indispensável antes de qualquer trabalho na África. Contemplo um projeto de um período de estada na França no próximo ano e se fosse possível ao governo português me proporcionar a oportunidade de visitar e permanecer em seu país por algum tempo, acho que isso seria extremamente frutuoso para as pesquisas que pretendemos fazer juntos.

14Talvez você tenha alguma sugestão sobre a melhor maneira de fazermos isso ou de interessar organismos oficiais nesse projeto porque infelizmente aqui o Instituto não tem recursos para custear a viagem e estada aí.

15Estou muito curioso por suas notícias de sua nova estada nos E. Unidos e gostaria de receber carta sua longa sobre o assunto. Este resto de ano estou trabalhando sobre o BUMBA-MEU-BOI um auto popular que é uma delícia como retrato da sociedade colonial e também de tempos menos recuados. A coleta de ex-votos continua com a mesma intensidade para análise por um especialista em arte que possamos ter conNosco no próximo futuro. Aqui todos recordam sua permanência com saudade e aquele capitalista interessado mais no whisky do que em qualquer outra coisa perguntou-me por notícias suas. Disse-lhe que você estaria a botar para dormir outros da marca dele…

16Peço recomendar-me a sua esposa e receber o abraço amigo do René

*

17Prof. Jorge Dias
Centro de Estudos de Etnologia Peninsular
Universidade do Porto Portugal
Recife, 22 de Julho de 1957

18Meu caro Jorge:

19Recebi sua carta de 17 de Maio e se não respondi há mais tempo foi porque esperei uma solução definitiva da Comissão Organizadora do Colóquio. Finalmente eles se resolveram a me dar passagem e hospedagem, o que me permite participar aí da reunião, rever os bons amigos daí e dar uma espiada em Portugal. Creia que foi surpresa a reconsideração da Comissão (que só me havia oferecido hospedagem) e vejo nisso o interesse e a bondade de amigos como você e Virginia Rau. Ou terá sido só você?

20Sua ideia de ir à África me causa inveja. Acho que o campo da Guiné é excelente e merece ser trabalhado por quem tem a sua competência. Os estudos que de lá tem saído, apesar das imperfeições já dão uma ideia de quanto poderá obter um etnólogo realmente bem formado. Espero com a maior ansiedade não só revê-lo, como discutir muito o seu projeto da África. É projeto de José Antônio, depois do Colóquio dar uma vista ao norte de Portugal, juntamente com Airton Carvalho. Não sei, por razões econômicas, se me será possível incorporar-me a eles, mas a região é do maior interesse para o antropólogo brasileiro. Era meu desejo antigo uma longa permanência em Portugal em que me fosse possível estudar comunidades do interior, especialmente do Norte. Por enquanto não será possível, mas de qualquer modo, mesmo por uma semana, terei o prazer de tomar o primeiro contato com as “raízes” dessa tal de cultura luso-brasileira que é a coisa mais gostosa que já se fez no mundo. Ando entrosado agora com um pessoal da Universidade de Ibadan que lançou um Iorubá Historical research scheme. Devo me ocupar com a parte além-mar da história da Nigéria. Parece-me um bom projeto e vamos

21ver no que dará.

22Recomende-me a todos os seus e abrace o amigo certo, René

*

23René Ribeiro
Rua Henrique Dias, 281
Recife-Brasil
Recife, 25 de Março de 58

24Meu caro Jorge Dias:

25Foi uma lástima você não estar em Portugal durante o Colóquio. Imagina que até ao Porto visitei… O único consolo foi Teixeira da Mota que se comportou como excelente anfitrião. Depois de Portugal aqui em casa minha mulher não consente mais que se contem anedotas de português, de tão bem tratada que foi.

26Não é infelizmente absolutamente possível encontrar mais nenhum exemplar do Religião e Relações Raciais, mas se você escrever a Simeão Leal (Ministério da Educação e Cultura, Divisão de Documentação – Rio) ele poderá mandar-lhe algum dos exemplares que estão com ele como editor. Terá prazer nisso, estou certo.

27Gostei de você estar publicando os resultados de suas pesquisas na África. Por mim ando lecionando Etnografia do Brasil na Faculdade de Filosofia, e como sempre bolando coisas para escrever. Logo que apareçam, mandar-lhe-ei.

28Abraço René

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search