Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Renato Almeida

Texte intégral

1Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC (Comissão Nacional da UNESCO)
Sede: Palácio Itamaraty – Rio de Janeiro, D.F. – Brasil
Rio, 21 de dez.54

2Meu caro Jorge Dias,

3Recebi sua carta com muita satisfação e começo por desejar-lhe e aos seus feliz natal e excelente 1955, com a realização de todos os seus desejos. Já lhe havia mandado pelo correio comum o folheto incluso sobre o Congresso, onde você encontrará informações suficientes para a sua nota destinada a Laos. A esse respeito, desejaria muito assinar essa revista e você seria muito gentil se me enviasse o seu endereço, bem assim a importância da assinatura e em que moeda deve ser feita.

4Estou trabalhando num livro, um pequeno livro, para os Cadernos de Cultura, do Ministério da Educação, sobre Teoria do Folclore, em que tomo posição em torno do assunto, insistindo em 3 pontos; o folclore é uma disciplina da antropologia cultural, o seu campo é muitas vezes o mesmo da etnografia (posto o desta seja mais amplo), já que se tratam de estudos complementares e que o folclore é o estudo da cultura espiritual dos povos primitivos e do povo nas sociedades civilizadas e da cultura material em tudo quando se relaciona com a espiritual. Naturalmente chego a uma melancólica conclusão no tocante ao nosso Congresso, que ficou a meu ver aquém do de Paris de 1901, presidido pelo Lang.

5Conto propor seu nome para a Ordem do Cruzeiro do Sul na próxima reunião do Conselho. Estimaria que me enviasse um curriculum vitae, o que já lhe pedi por intermédio da Lourdes também. Espero que receba em breve a nossa venera, que tão bem merece. Não repare contudo em certa demora, que a burocracia é um nunca acabar.

6Muito obrigada pelo trabalho com que se está dando para a realização da homenagem que, por sua generosa iniciativa, me prestou o Congresso de São Paulo. Creio que o material pode ser enviado diretamente para o Rossini, já que a Comissão paulista é que se incumbirá. Os idiomas podem ser francês, inglês e espanhol, sem falar em português. Como lhe prometi enviar-lhe-ei em breve alguns nomes sul-americanos que estimaria fossem convidados. E por tudo muito e muito obrigado.

7Agradeço-lhe também a iniciativa da inclusão do folclore nos Colóquios Luso-Brasileiros, ausência que foi sempre muito lastimável. Também a ideia da criação da cadeira de Etnografia e Folclore, que soube por intermédio da Lourdes, me parece excelente e será um exemplo muito proveitoso para nós.

8Não preciso dizer-lhe que o recordamos sempre com a mais viva saudade. Na próxima 3a feira, a Comissão realizará uma solenidade em homenagem ao centenário de Garrett, na qual falará o Diegues.

9A exposição continua em S. Paulo, com o melhor êxito. Trabalhamos neste momento para fundar ali o Museu do Folclore, o que já não será sem tempo.

10Aqui fico, meu caro Jorge, inteiramente ao seu dispor e como sempre agradecido e fiel.

11Um abraço do Renato Almeida

*

12Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC (Comissão Nacional da UNESCO)
Sede Palácio Itamaraty – Rio de Janeiro, D.F. – Brasil
Rio, dia de S. João, 55

13Meu querido Jorge:

14Recebo sua carta de 18 e, antes de tudo, lhe digo o meu profundo agradecimento pela sua extrema gentileza, conseguindo que a Unesco concordasse em me convidar para a reunião do CIPSH, dando ainda a importância de $800, como ajuda de custo.

152. Vou ver ainda como conseguirei arranjar um suplemento que me permita a viagem, que, em princípio, eu a aceito, mas para isso é preciso que a contribuição da CIPSH seja posta no Rio à minha disposição e lhe explico porque. Porque o único meio de ir é conseguir que a Panair me cobre o dólar a um preço camarada, de sorte que vendendo os 800 no câmbio livre, os transforme em 1.200 que é o preço do bilhete. Se isso for possível – essa é uma explicação íntima a você, mas fundamental, como há-de compreender e não quero que pareça que estou recebendo um convite tão generoso e impondo condições. Já terei de travar séria batalha para conseguir um suplemento, de sorte que Você verá que toco nesse assunto constrangido, mas, é natural, por outro lado, que tenha o maior empenho, por todos os motivos, em realizar essa viagem, que você me proporciona com tanta amizade.

163. Acredito que, se a viagem se realizar, poderei assistir ao Congresso de Arnhem, mas para isso teria de ser convidado? A indicação de meu nome para a CIAP, com a abundância de coração com que o faz, me comove profundamente e, junto a esta, uma carta formal em que lhe comunico, conforme me pede, minha concordância no caso.

174. Bem haja, meu querido Jorge, por tanta gentileza e bondade para comigo, que deve refletir seu carinho pelo nosso movimento folclórico, a que você se ligou desde 51. Ainda há dias em São Paulo, em casa do Rossini, recordávamos você com muito carinho. Pelo que tem feito, bem merece do folclore brasileiro. Espero que o meu governo em breve reconheça tudo isso como deve. No próximo dia 30, darei a aula inaugural do Instituto Brasileiro de Folclore, do Liceu Literário Português, donde se afastou D. Mariza. Por ser português não podia falhar, mas Você há-de compreender que é difícil e a culpa nem é do folclore, nem de Portugal nem do Brasil…

18Recomende-me em sua Casa e aceite um abraço agradecido e cordial do seu [?] Renato

*

19Rio, 5 de agosto de 1955

20Meu caro Jorge,

21Não sei mesmo como agradecer tanta bondade sua. Recebi sua carta, durante o Congresso e como estava chefiando a Casa Civil do Cardeal Legado, a quem foram dadas honras de Chefe de Estado, não pude responder a seguir.

22Espero receber o convite para ver se consigo obter a passagem. Compreendo que não possam me dar os 800 dólares em espécie no Brasil, mas não poderiam fazer na França? Ou então preferia recebê-los lá, ainda que em francos franceses. Receber em cruzeiros é que não me conviria, mas se só assim puder ser feito, não virá daí a dificuldade. Logo que tenha recebido o convite, entender-me-ei em vários lugares para ver se me dão seja a passagem integral seja em parte, porque no momento de meu pessoal não poderei dispor de grande coisa. Como lhe disse, se o seu generoso projeto se executar, teria interesse em assistir ao Congresso de Folclore, mas como poderia aderir? Ou deveria ser convidado?

23Amanhã irei a São Paulo, a fim de fazer uma conferência sobre Euclides da Cunha. Muito trabalho vem me dando a minha Introdução ao Folclore, que esperava saísse este ano, mas ficarei feliz se o concluir pois o livro cresceu-me nas mãos. Esperando suas notícias, aqui fico, pedindo que me recomende à sua Senhora e disponha, como sempre, meu caro Jorge, do seu [?]

24Renato Almeida.

*

25Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC (Comissão Nacional da UNESCO)
Sede: Palácio Itamaraty – Rio de Janeiro, D.F. – Brasil
Congresso Internacional de Folclore – São Paulo – Agosto de 1954
Rio, 15 de setembro. de 1955

26Meu querido Jorge,

27Batalhei como um herói, mas caí vencido, como se dizia numa velha modinha. A 30 do mês passado, avisei o Syme, de que não acreditava pudesse ir, ainda faltavam certas insistências. Malogrou tudo. O Itamaraty não meu deu um cruzeiro, de sorte que não foi de todo possível. Para mostrar-lhe quanto me custa recusar esse convite, basta dizer-lhe que tenho minha filha com dois netos em Londres, pois o meu genro é o cônsul adjunto dali. Portanto, pode estimar todo meu empenho, pois além da parte intelectual e de atender à sua nímia gentileza, ainda tinha o aspecto afetivo.

28De há muito não tenho suas notícias e não sei se esta lhe vai chegar. Mandarei aos cuidados do Syme, pois acredito que assista à assembleia da CIPSH. O assunto no momento, mais do que nunca, me interessava, quando pretendemos criar um órgão de pesquisas sociais no Brasil, tanto que a Unesco promove aqui em dezembro um seminário para esse fim.

29Trabalho com afinco no meu livro sobre folclore, que já está atrasado, mas – que quer Você – com a vida que tenho, o tempo é muito escasso. Breve espero ter notícias agradáveis a lhe mandar,

30Abraço-o afetuosamente Renato

*

31Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC (Comissão Nacional da UNESCO)
Sede: Palácio Itamaraty – Rio de Janeiro, D.F. – Brasil
Congresso Internacional de Folclore – São Paulo – Agosto de 1954
Rio, 24 de out. de 1955

32Meu caro Jorge,

33Foi com imensa alegria que recebi sua carta de 5a feira passada. Não lhe preciso dizer duas coisas: primeira, da minha tristeza em não ter podido ir a Paris e Arnhem, e segunda, do meu reconhecimento pela sua gentileza e extrema bondade, sem esquecer ainda da distinção que encerrou o convite. Infelizmente, as restrições oficiais em matéria de divisas são de morte, e não estava em condições de arcar com as despesas, hélas!

34Vai junto a resposta a comunicação da minha eleição, que foi acolhida com um ambiente muito cordial aqui no Brasil, tendo eu salientado que a distinção se endereçava aos companheiros que, ocasionalmente, representava. Fique certo que desejo colaborar com vocês e não ter apenas o título honroso. Outra coisa, preciso pagar a contribuição da Comissão, mas por favor me mande dizer quanto é e em nome de quem deve ser remetida. No seu? no do presidente? para onde? a fim de que o faça logo. E muito obrigado uma vez mais.

35Espero com muita ansiedade as resoluções de Amsterdam. Continuo trabalhando no meu livro, que me vai crescendo nas mãos. Estou lhe mandando o III vol. dos Anais do I Congresso, de 51. O Rossini continua recebendo artigos para o meu livro, mas espera que seja sua a apresentação. Logo que chegue enviará ao Ministério da Educação, que o imprimirá.

36Por aqui vamos indo sem maior novidade, depois das eleições, que foram atestado robusto de boa democracia. Da nossa gente, apenas o Joaquim Ribeiro tem passado com a saúde alterada, por uma séria hipertensão.

37D. Mariza não concerta não… Rossini ótimo e o recorda sempre com muito afeto. Lourdes lhe envia lembranças muito cordiais.

38Espero que ainda este ano lhe possa dar uma notícia que aguardo com mais ansiedade do que Você mesmo. Mas, os ministérios, a burocracia, os cerimoniais… quanta coisa maçante, dizem vocês, quanta coisa chata, dizemos nós…

39Obrigado por tudo e um abraço afetuoso e amigo de seu colega e admirador sincero e [?] Renato

40Uma consulta: devo endereçar igualmente uma carta ao prof. Christiansen, transmitindo agradecimentos e prestando homenagem? Caso Você ache que sim, por favor me envie o endereço. Obrigado e outro abraço, Renato

*

41Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC (Comissão Nacional da UNESCO)
Sede Palácio Itamaraty – Rio de Janeiro, D.F. – Brasil
15.II.56

42Meu querido Jorge Dias,

43Renovo-lhe os parabéns que lhe enviei de Belo-Horizonte, onde, acompanhando o Presidente Vincent Auriol, na sua visita ao Brasil, li a notícia da sua condecoração de Oficial da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul. Hoje remeto a folha do Diário Oficial, que publicou o decreto. Pode ter certeza de que foi muito grande a alegria que tive em ver o Brasil lhe fazer este ato de Justiça e de me ter o destino permitido nela colaborar com abundância de coração. Vou destacar a notícia nos jornais daqui e depois lhe enviarei os recortes e estimava que os jornais portugueses destacassem-na também.

44A entrega das insígnias e diploma será feita pelo Embaixador nosso em Lisboa, a quem vou escrever sobre o assunto. Quero ter o prazer de enviar-lhe a miniatura da condecoração, o que farei no primeiro ensejo e pelo portador, ou melhor mandarei pela mala, de sorte que quando V. receber a insígnia receberá também a miniatura como recordação minha.

45Felicite também a Margot e aceite o abraço sincero do Renato

*

46Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC (Comissão Nacional da UNESCO)
Sede Palácio Itamaraty – Rio de Janeiro, D.F. – Brasil
Rio, 13 de abril de 1956

47Meu caro Jorge,

48Recebi, e lhe agradeço de todo coração, as publicações que teve a gentileza de enviar-me. No Boletim da Comissão divulgarei a relativa ao Folclore, da qual muito discordo, é claro, mas significa um ponto-de-vista, que aliás é o soviético e finlandês. Envio-lhe a Recomendação que o I Seminário de Ensino Universitário para as Ciências Sociais, reunido pela Unesco, aprovou, depois de uma bela justificativa do Edson Carneiro, que já lhe enviei entre os documentos da Comissão.

49O livro vai entrar no prelo. Não sei como lhe agradecer por tanta bondade e por todo o trabalho que lhe deu.

50A sua condecoração lhe será entregue pelo Embaixador do Brasil e diploma e insígnia serão remetidos para Lisboa, no fim do mês. Juntarei, como recuerdo, uma miniatura.

51Este ano faremos uma semana em São Paulo, sobre Euclides da Cunha e o Folclore, assunto para o qual foi criado um prêmio de 20.000cr. Comemoraremos também, na Bahia, o 50º da morte de Nina Rodrigues, o mestre e iniciador de trabalhos de etnografia negra no Brasil.

52Recebi um amável convite do presidente da Câmara de Braga, para o Congresso de Folclore e Etnografia. Infelizmente não me será possível esse prazer.

53Estive recentemente em São Paulo, e muito o recordamos com o Rossini. Foi fundado um Centro de Estudos Folclóricos, pela Prefeitura do Distrito Federal, no qual tenho esperanças.

54São estas as notícias da terra. Entrego este mês meu livro – Inteligência do Folclore – onde seu nome aparece em relevo. É um longo trabalho, feito com grande humildade contudo ensaio de um mero estudante, para o qual peço aos leitores, a Você dentre os primeiros, uma grande indulgência.

55Recomendações à Dona Margot e aceite um abraço afetuoso e amigo do admirador sincero e grato, Renato Almeida

*

56Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC (Comissão Nacional da UNESCO)
Sede Palácio Itamaraty – Rio de Janeiro, D.F. – Brasil
Rio, 8 de novembro de 1956

57Meu caro Jorge,

58Depois de longo silêncio, recebo sua carta de 16 do mês passado, que me apresso em responder. Soube, pela Mariza, que esteve aí no Congresso de Braga, de sua ida à África, a percorrer o mundo que o português criou. Prefiro que venha percorrer o lado de cá…

59Contente de estar na Comissão do 3º Colóquio e creio será muito útil que façamos figurar no seu programa o folclore. Mais um serviço Você prestará às nossas culturas.

60O Ministro das Relações Exteriores deu ordem para que o livro em minha homenagem, famosa dádiva sua, seja impresso pelo Itamaraty e os originais vão ser entregues, faltando apenas uma apresentação do Rossini. Pretendo fazer além da edição, uma separata de cada trabalho, para que os autores a possam distribuir. Se fosse possível Você pedir ainda que o Marinus e o Stith Thompson mandassem algo, ficar-lhe-ia agradecido, por se tratarem de mestres e de amigos meus.

61Tenho no prelo a minha Inteligência do Folclore, mas quando um editor toma um livro que oráculos sabem quando nos darão? Saiu maior do que pensei, coisa como 350/400pgs. Em formato grande, mas fica dado o meu recado. Espero vê-lo para o ano na Bahia, a 2 de julho, para o III Congresso Brasileiro de Folclore. Ainda estamos ajustando o Temário, mas, dada a experiência de outras Vezes, não desejamos jogar muitos temas à habitual improvisação, mas convidar determinados especialistas para que tratem determinados temas e levem conclusões e sugestões ao Congresso.

62Claro que Portugal vai ser convidado, mas, na hora H. quero sugestões, de sorte que a tradição de sua presença não se interrompa.

63Mande-me dizer que devo fazer para pagar a contribuição da Comissão Nacional de Folclore à CIAP, quando é e a quem devo remeter.

64E aceite, com recomendações aos Seus, um abraço cordial e afetuoso do seu [?]

65Renato Almeida

*

66Serviço de Informações do Ministério das Relações Exteriores
Rio, 14/5/58

67Meu querido Jorge Dias,

68Pediram-me um trabalho para o Colóquio Leite de Vasconcelos. Poderia ter mandado um trabalho qualquer – quis mesmo enviar um estudo meu sobre o “Caboclinhos” de Pernambuco, mas achei que era mais interessante dizer aos colegas portugueses que necessitamos, na realidade, de promover um estudo em conjunto da dinâmica cultural, pela qual atuam e persistem no folclore brasileiro elementos lusitanos. Mostro que já estamos cansados de ver esses assuntos livrescamente e no plano exclusivamente histórico, quando o temos de tratar antropologicamente. Cito você por duas vezes. Sugiro um encontro de especialistas que considerem o problema e indiquem os caminhos a seguir. Você, que me conhece, sabe que os problemas devem, a meu ver, serem resolvidos e, nesse plano de aproximação luso-brasileira, estou cansado dos líricos e dos aproveitadores. E das tolices também. Você se lembra quando se cuidou de um congresso luso-brasileiro (fazia parte da comissão, mas não pude intervir no estudos em Lisboa, porque fiquei retido aqui) e estabeleceram como tema preferencial “a viola” [?] ... Gostaria muito de fazer um congresso luso-brasileiro aqui no Rio e é coisa relativamente fácil, sobretudo com a Campanha a ser instalada, mas para estudar por exemplo um planejamento dessa ordem ou qualquer outro que importasse em trabalho fecundo. Que mundo de coisas iríamos descobrir e quanta revelação se faria. Mas só empreenderia um plano desses, apoiado em você.

69Estou de malas prontas para seguir no fim do mês para o Panamá, onde representarei o Brasil no congresso das Comissões nacionais americanas da Unesco. Depois talvez vá aos Estados-Unidos.

70E a CIAP? Vocês me deram a honra de eleger-me um dos seus secretários, mas depois silêncio absoluto.

71Recomende-me à D. Margot e aceite um grande e saudoso abraço do [?] Renato.

*

72Monte Hotéis Ltda. Endereço Telegráfico Grantel. Pernambuco – Brasil
Recife, 10/11/58

73Meu caro Jorge,

74Do Recife, onde vim assistir à 3a Reunião de Antropologia, mando-lhe um abraço. Mas minha intenção maior é comunicar-lhe que nossos esforços de 10 anos de Comissão de Folclore foram coroados. O Governo acaba de criar a Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro, com 3 determinações: criação de cursos; pesquisa folclórica e proteção ao artesanato e às artes populares. Claro que haverá também um serviço de registro e documentação. Ficamos assim aparelhados a realizar trabalhos em profundidade e extensão, não só no plano científico, como no social e econômico, defendendo os folguedos, o artesanato e a indústria caseira de base folclórica. Para começar teremos este ano 2 milhões, mas a lei determina a criação de um Fundo Nacional de Folclore, que será a base econômica das atividades que vamos empreender. Isso significa, meu caro Jorge, que o Governo atende – e o Presidente J.K. declarou formalmente em discurso – o apelo do nosso I Congresso em 1951. E como a nossa ação será [?], dentro do conceito da Carta, a posição brasileira fica assegurada não só teórica como praticamente. Já havíamos realizado um trabalho interessante no plano social, valorizando o Folclore quer no estudo quer no prestígio às suas manifestações. Agora podemos ir ao estudo e pesquisa sistemáticos, bem assim à defesa das tradições populares.

75E o movimento cresce. O Museu de Folclore do Rio, vai ser instalado no Lido. Em São Paulo, a municipalidade fez intensa campanha, de cursos e conferências, com demonstrações, e a Bahia criou um Departamento de Defesa do Artesanato Popular, em base cooperativa.

76E, por fim, para comemorar o X aniversário de nossa Comissão, não só fizemos uma Exposição do Livro Folclórico, na Biblioteca Nacional, de que lhe mando o Catálogo (além de outra na Universidade do Brasil) como foi criada a Medalha Silvio Romero, para a qual já propus seu nome. Será a condecoração dos folcloristas.

77Não o quero [?], mas como sei do seu interesse pelo Brasil e pelo nosso Folclore, companheiro de 1951, que foi ano marcante, é que lhe conto tanta coisa.

78O livro, que devo à sua bondade, na Imprensa Nacional. Espero que saia este ano. A cada colaborador mandar-se-á um certo nº de separatas do artigo.

79Para o mês irei a Cuba, a uma reunião da Unesco, mas as saudades da Europa estão coçando demais.

80Recomende-me à Senhora e receba o abraço amigo do Renato.

*

81Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC (Comissão Nacional da UNESCO)
Sede Palácio Itamaraty – Rio de Janeiro, D.F. – Brasil
Rio de Janeiro, 14 de dezembro de 1959
Ilmo. Sr Doutor Jorge Dias,
Rua Manso Preto, 8, Coimbra – Portugal

82Jorge querido,

83De você não sei, nem tenho novas faz tempo… Que fim levou? Ou já anda viajando pelos espaços interplanetários, onde não funciona correio? Estou remetendo, para que o Negrão de Lima, que a criou, faça a entrega, a Medalha Silvio Romero, destinada a você e aos companheiros de Portugal. A nossa incrível D. Mariza, com o intuito de me intrigar com vocês, publicou uma carta aberta ao Prefeito, solicitando que os condecorasse. Dessa carta só agora tive conhecimento. Acontece, porém, que fez isso de maldade, sem me falar, quando, na época, já tinham sido todos agraciados... A demora veio da assinatura dos diplomas, que forcei agora com a ida do Negrão.

842. Agora já está entrando em impressão o “meu” livro e faremos separatas de todos os artigos, para remeter aos autores. Deve sair em 2 volumes.

853. A Campanha de Defesa do Folclore, já instalada, anda bem e neste momento fazemos uma pesquisa no litoral norte de S. Paulo e projetamos um levantamento folclórico de Januária, região de São Francisco, de riqueza espantosa. E vamos fazer também uma pesquisa sobre o Samba e as danças derivadas do Batuque. No ano que vem instalaremos Cursos de Folclore, destinados sobretudo a formar pesquisadores, cujo recrutamento é difícil, e iniciaremos a publicação de uma “Revista do Folclore Brasileiro”. Vamos ver se podemos fazer agora um trabalho em profundidade, com registro mecânico, e em equipe, onde incluiremos sempre um antropólogo e um sociólogo. Vamos a ver se o esforço da Comissão resulta fecundo, pois a Campanha dispõe de verbas que, se não são grandes (este ano tivemos 5 milhões de cruzeiros) chegam para os primeiros trabalhos.

86Leu minha comunicação ao Colóquio Leite de Vasconcelos, em que o cito por duas vezes?

87Veja se escreve, homem de Deus, que as saudades são muitas. E aceite um abração afetuoso e cordial do seu velho amigo Renato.

*

88Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC
Em 13 de outubro de 1960

89Meu querido Jorge,

90Afinal saiu o livro, de que lhe mando dois exemplares pela mala comum, renovando-lhe os agradecimentos muito cordiais e sinceros pelo que lhe devo nessa obra monumental, que recebo com humildade, porque sei que mais fizeram pelo folclore brasileiro, do que por este seu modesto amigo. A edição saiu bem. Desejo que você me favoreça com alguns endereços que não tenho, para mandar. A lista vai anexa.

91Nunca mais tive notícias suas, faz muito tempo. Recebeu a Medalha Silvio Romero? Não soube mais nada de você. Será que iremos encontrá-lo no Congresso Internacional de Buenos Aires, no começo de dezembro próximo. Seria grande alegria para mim. Que tem feito ultimamente? Por aqui, além de novidades políticas, numa verdadeira revolução pelo voto, derrotando todas as forças governistas, pouco mais. Espero em breves dias publicar um livro Tablado Folclórico.

92Porque deu silêncio em você? escreva, que sua amizade é das coisas preciosas que devo ao Folclore e sempre o lembro com os companheiros.

93Aceite minhas homenagens à sua Senhora e o abração afetuoso do seu velho amigo gratíssimo Renato Almeida

*

94Comissão Nacional de Folclore do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura – IBECC
Em 1/XI/61

95Meu querido Jorge,

96Hoje foi dia de festa aqui em casa. Quando recebi a sua carta, só não mandei repicar sinos, porque não os tenho, nem dar salvas de artilharia, porque também não tenho canhões. Mas a alegria foi enorme. Você não é apenas um amigo a quem tanto devo, mas o camarada admirável e inteligente, cujo afeto faz bem à gente.

97Naturalmente o livro ao Schmidt se extraviou, porque mandei a todos os colaboradores e se lembra que pedi-lhe até alguns endereços. A Comissão continua viva, mas agora o governo criou a Campanha de Defesa do Folclore, com orçamento alto, 20 milhões anuais, e está dirigida pelo nosso Édison. Temos realizado pesquisas, cursos, publicações e uma Revista, que estou dirigindo e para a qual lhe peço um artigo, mas peço fazendo disso grande questão. A remuneração é modesta, sobretudo quando se deve trocar o pobre cruzeiro por moedas aristocráticas, como o escudo. Pagamos 5.000. Estimaria muito que o primeiro artigo, não ouso dizer de estrangeiro, porque não o considero tal, mas de personalidade não-brasileira, fosse o seu. O tamanho fica a seu critério. Vou falar com o Edison para lhe mandar as publicações da Campanha. Ela já tem três anos, mas o primeiro Diretor foi um fracasso, de sorte que só depois que o Edison assumiu a direção no começo do ano, vitalizou-se. No meio do mundo de suas atividades, só ouso pedir-lhe o artigo no crédito da amizade. Vai ser uma bela revista, quadrimensal. O 1º número está a sair. Agora, com dinheiro, poderemos fazer alguma coisa a mais, saindo do campo da boa vontade e do que chamava a pesquisa de fim-de-semana. O Rossini já fez um interessante levantamento do litoral norte de S. Paulo e o Joaquim de uma região ribeirinha de São Francisco, em Minas, em Januária.

98Vou mandar-lhe, pelo correio comum, meu último livro: Tablado Folclórico, com algumas observações de campo. E, neste momento, estou fazendo para a Campanha um Manual do Coletador de Folclore. Não se trata de pesquisa, mas de coleta, feito para uma mentalidade de professora pública ou agente de estatística, a quem se possa pedir para fazer os levantamentos iniciais, que orientem as pesquisas gerais. Devo ir ao Ceará, onde vamos realizar, por convênio com a Universidade, o levantamento geral do folclore do Estado. Nesse sentido, já firmamos também convênio com a Bahia e está em projeto com Minas-Gerais e outros Estados. E interessa-nos muito fazer cursos, porque o pessoal habilitado para a pesquisa é pequeno. E você sabe que, consoante os critérios brasileiros, o campo da pesquisa é sempre muito vasto.

99No ano passado, tivemos um congresso internacional em Buenos-Aires, onde vocês portugueses não estiveram, para tristeza nossa. Embora com menor número de países representados e também com menor presença de bigs, foi mais fecundo do que o nosso, porque chegou a uma caracterização do fato folclórico na sua natureza cultural, devendo ser captado na sua realidade presente e na sua função social no tempo e no espaço, e sendo constituído pelas maneiras de pensar, sentir e agir dos povos, que foram salvaguardadas pela tradição e pela imitação e não diretamente influenciadas pelas instituições estabelecidas. Assim recomendou que se mantivessem, com a maior flexibilidade na aceitação desses conceitos, as características do popular, do anônimo e do tradicional. Popular, como expressão da experiência peculiar da vida de cada comunidade humana; anônimo, seja por ser desconhecido seu autor, ou por sua despersonalização e aceitação coletiva; e tradicional quer pela sua forma, quer pelos seus elementos constituintes nos meios folk. Como você perceberá, a proposta foi da Delegação brasileira. Aprovou também o Congresso a criação de uma Comissão Internacional de Folclore, com sede em Buenos Aires, apoiada pelo governo argentino. Sou muito cético e atualmente o Cortazar que presidiu o Congresso e preside a Comissão, anda pela Europa a ver se consegue apoio para a iniciativa. Creio pouco, mas farei, de minha parte, quanto possa para que o governo brasileiro lhe seja favorável.

100Soube de um congresso aí em Portugal, que depois foi adiado, mas o que aí se faz longe de você, me merece sempre reservas. As e os marizas estão soltos… Espero, confiante, que seu labor nas terras ingratas da África seja o mais fecundo possível, nos caminhos da etnografia e do folclore.

101Por aqui os companheiros bem, só o nosso Loureiro que anda doente e já agora obrigado a férias forçadas. Os mais bem. A Lourdes ganhou novamente o prêmio Mario de Andrade, da Discoteca de São Paulo, com excelente trabalho sobre o Jongo, descobrindo lhe o sentido mágico. Creio lhe terá mandado o livro sobre Moçambique, se não o fez, vou lembrar-lhe, pois lhe consagra admiração e grande simpatia.

102Esta está quilométrica e você tem muito que fazer… Mas escreva sempre lhe seja possível e renove dias festivos em minha casa, como o de hoje, com a chegada de sua carta.

103Last but not least… muito feliz a ideia de fugir para o Brasil, receberemos o fujão de braços abertos! Recomendações à Senhora e um abraço do velho amigo Renato

*

104Ministério da Educação e Cultura
Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro
s/d

105Meu caro Jorge Dias,

106Não sei o que acontece, mas positivamente o correio conspira contra nós. Recebi uma carta sua em que, com toda justiça, reclamava o envio da Revista e o Edison Carneiro, então Diretor-Executivo da Campanha de Defesa do Folclore, me disse que lhe havia mandado e me mostrou seu cartão entre aqueles a quem era endereçada a mesma. Respondi logo sua carta, contando isso, mas você não me acusou recebimento. Depois, fui nomeado Diretor-Executivo da Campanha, cargo que, com a Revolução, o Edison deixara, e você foi um dos primeiros a quem comuniquei. Nessa carta, lhe contava que a Adida Cultural à Embaixada de Portugal me havia anunciado sua vinda ao Brasil no ano vindouro. Novamente silêncio. Agora, chega da Europa o Diegues e me traz seu pedido para lhe enviar a coleção da Revista, o que já foi feito, pelo registrado nº 519.414. A Revista está atrasada, porque a Campanha teve má sorte com o governo deposto – quem não teve, salvo os corruptos e os sediciosos? – e ao recebê-la, fazia um ano que nem um centavo nos chegava.

107Aceitei a incumbência para trabalhar e neste momento estou criando uma rede de museus de folclore e planejando um levantamento geral do folclore brasileiro, além de pesquisas e publicações em andamento. Agora, tenho possibilidades materiais, quero ver se faço o que antes não me era possível por carência de meios. A Revista tinha parado no 2º nº do ano passado e o 3º – é quadrimensal – acaba de sair. Neste ano vou fazer os 3 num só volume. Agora, não se passarão mais aborrecimentos, pois, antigamente, era diretor da Revista apenas no plano intelectual, de sorte que tudo mais estava fora da minha alçada.

108Leio com melancolia a reorganização da CIAP, com a ausência de qualquer sul-americano, quando estamos trabalhando tão ativamente. Não tinha o Brasil o Cascudo? a Argentina o Cortazar? o Chile o Yolando Pino? o Peru o Morote y Best? A Venezuela, o Ramon y Rivera? Cuba o Fernando Ortiz? Para citar apenas alguns “bigs”. Isso naturalmente fará com que ignoremos a nova instituição, que ignora inteiramente a América Latina, onde o Folclore está entrando nas universidades e onde, como no Brasil, existe uma repartição do Ministério da Educação para dele cuidar e em cujos quadros funcionais, como acontece na Bahia e em Goiás, se criou a função de folclorista. Estou lhe falando a título exclusivamente pessoal, porque sei que você faz parte do Conselho de Administração. Não estou defendendo nada para o meu país, onde o folclore não é mais amadorismo, mas para os países da América Latina, que começam a ver o Folclore na sua realidade social e o estudam dentro dessa orientação.

109Por aqui continuamos com saudades suas. Sua vinda no próximo ano será uma festa para todos nós e quem sabe não assistirá à inauguração do Museu de Arte Popular do Rio de Janeiro? Já existem em São Paulo, Paraná – obra do nosso Loureiro Fernandes – na Bahia, em Goiás. Organizo os de Porto Alegre, São Luis e Maceió. E esses museus possuem uma biblioteca especializada em folclore e quero que estabeleçam também um centro de pesquisas, de modo que funcionem em plano de museu-escola.

110Mande suas notícias, recebidas sempre com a maior alegria. Recomendações à Senhora e um abraço cordial do velho amigo,

111Renato Almeida

*

112Ministério da Educação e Cultura
Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro
Rio de Janeiro, 3 de setembro de 1965

113Meu prezado colega,

114Tenho a grata satisfação de comunicar-lhe que Sua Excelência O Senhor Presidência da República do Brasil assinou um decreto instituindo o Dia do Folclore, a 22 de agosto, recordando a data da carta de Williams John Thoms propondo a criação da palavra Folklore. O fim desse ato presidencial foi não só determinar que a data seja comemorada em todo o país, particularmente nos estabelecimentos de ensino superior, secundário e primário, bem assim destacar o valor da obra dos folcloristas brasileiros e sobretudo honrar o esforço anônimo do gênio do povo do nosso país.

115O Brasil, ao que sei, é o primeiro país a oficializar o Dia do Folclore, iniciativa a que [?] a maior importância pelo encorajamento que dá aos nossos estudos e pesquisas. Assim acredito que o assunto merece ser divulgado, por quantos se consagram a cultivar a cultura popular em seus países.

116Muito grato lhe ficarei se, no âmbito de suas possibilidades, favorecesse essa divulgação.

117Aproveito o ensejo para renovar-lhe os testemunhos de minha mais distinta consideração.

118Renato Almeida

*

119Ministério da Educação e Cultura
Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro
Rio, 25 de outubro de 1965

120Meu querido Jorge,

121Começo por lhe dar meu triste abraço pelo falecimento de seu pai. São os déficits que a vida nos reserva.

122A sua carta me enterneceu pelo que diz respeito ao meu Manual. Se necessitar de alguns exemplares, para alunos seus, como se trata de publicação oficial, poderei mandar-lhe com vivo prazer.

123Pode ter certeza de que as suas saudades do Brasil são retribuídas pelas que temos de você e muita tristeza nos causou, ter sido obrigado a desistir da sua vinda, quando já prelibávamos a alegria da sua companhia.

124Um abraço cordial do velho amigo,

125Renato Almeida

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search