Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Mariza Lira

Texte intégral

127/04/52

2Sr Jorge Dias

3Enviei-lhe pelo correio comum a 1a publicação do Círculo, onde há a fotografia da inauguração. Conversando com o livreiro Antonio Pedro comentei o fato da sua atitude agreste para comigo, não tendo nem ido ao Liceu. Cumpri com os meus deveres de gentileza para quem nos visita. Enviei lhe em viagem um radiograma, na manhã da chegada falei-lhe ao telefone oferecendo nossa casa, nosso automóvel, nossos préstimos. Convidei-o insistentemente para ir ao Liceu e até para a festa que ofereci aos Congressistas. Fiz tudo para ser agradável ao representante português. Sobre a sua atitude o Sr Antonio Pedro disse-me pitoresca e ingenuamente – “Salvo se ele teve instruções para isso.” Ótimo. Sou apolítica, velha e tolerante. Um pouco franca e observadora. Nada me escapa. Foi por isso que embora sentisse o Círculo muito engrandecido com a sua representação junto ao Instituto para a Alta Cultura, nem tentei convidá-lo com receio da negativa.

4Quando for a Portugal, procurarei conhecê-lo pelas obras que então adquirirei, espero apenas minha netinha – a razão da minha vida – poder ir comigo.

5Com muita consideração despede-se

6Mariza Lira

7R. Almirante Alexandrino, nº 874 – apt.101
Rua Senador Dantas, 1188 – Rio

*

816/05/52

9Meu caro Jorge Dias

10Folgo muito em ter sido, no seu caso uma péssima psicóloga, antes assim, pois mesmo sem atividade preciso muito que nos auxilie com a sua grande cultura e como disse boa vontade. Está de parabéns o C. F. L. B que tanto precisava de seus conhecimentos folclóricos (no Rio).

11Fiz a resenha dos trabalhos, e a primeira aula, foi brilhantemente dada sobre o folclore português e suas origens; modo de realizar pesquisas e exemplos, foi um trabalho de erudição do grande Joaquim Ribeiro.

12Na outra reunião (última 5a feira) serão lidos trabalhos de folcloristas portugueses, que nos foram enviados e haverá debate sobre a origem do fado, encaminhados pelo prof. Silvio Julio. Ilustrações a cargo do grupo da Casa do porto. É uma tentativa que talvez dê certo. Mande-nos, peço lhe, sugestões e um trabalho para ilustrar nossa reunião, tema a seu gosto e muito lhe agradece

13A velha amiga Mariza Lira

*

1418/5/53

15Meu caro Jorge Dias

16Até que enfim vou a Portugal. A colônia portuguesa do Brasil, representada pelo Liceu, acaba de conferir-me um prêmio de viagem a Portugal. Era um grande ideal de minha vida. Aprendi a ler com quatro anos e desde então vivia a procurar em casa tudo o que se referia a Portugal para ler, e creia, o 1º romance que consegui esconder das estantes do meu irmão, naquele tempo estudante de Direito, foi “A rosa do adro”. Talvez não tivesse 8 anos. Nada entendi senão do sofrimento da infeliz, mas a vida da aldeia, que delícia. É essa vida simples, primitiva, agreste é que me interessa mais. Recebi do Pires de Lima (Fernando) um convite para ir ao Porto assistir o S. João se der tempo vou. Devo partir pelo Vera Cruz de 12 de junho. Pretendo estudar muito e aprender muitíssimo com os portugueses. Não sou lírica nem me finjo sentimental. Sou assim mesmo como o Sr me viu aliás sofrendo injustiça tremenda a oposição lamentável do Renato, que apenas tinha receio que eu dissesse a verdade. Breve, talvez antes de aí chegar, o Sr. verá que ele é apenas um continuador, um plagiador do que eu fiz em 1º lugar, no Brasil. A verdade sempre aparece. Não é hora de lamentações é de aplausos a quem soube reconhecer o valor e a dedicação que sempre sonho em tudo que inicio. Chega de trabalhar pelo folclore do Brasil, agora quero trabalhar pelo folclore de Portugal no Brasil. Estou morando agora na nossa casa do Leblon à R. Gen. San Martin 243, Rio. Quando passar por aqui dê uma passadinha por aqui é uma casa luso-brasileira. Meus avós eram de Cabeceiras do Basto. Contentíssima, espere o abraço amigo da Mariza Lira

*

1726/09/1953

18Sr Dr Jorge Dias

19Vindo até aqui, seria inegável descortesia deixar de cumprimentá-lo. Já percorri toda Coimbra, parto amanhã para Lisboa. Tenho feito nesses quatro meses de permanência em Portugal, um curso intensivo de Folclore. Já me chamaram a “missionária do folclore”, mao grado os meus 54 anos de trabalho. Recomendações e cumprimentos de Mariza Lira,

*

201/01/54

21Distinto Confrade Sr Jorge Dias,

22Recebi e agradeço sinceramente os seus trabalhos enviados, que vem provar, mais uma vez, a sua aplicação a esses estudos.

23Por aqui tudo no mesmo torpor, Renato só se preocupa com os Congressos e faz particularmente propaganda de si mesmo, enviando, sem que a Comissão saiba trabalhos seus, (não de pesquisas pessoais), de modo que espalha aos quatro ventos o seu nome. Mas de trabalho real não há nada feito. Nós ali só temos uma obrigação, concordar. Em todo caso eu já não ligo muito pra essas coisas, tenho o meu Circulo e vou fazendo o que posso. Vim encantada da sua terra, verá o que penso e sinto pelo recorte que vai junto. Não sei se lhe mandaram as [?] e por isso as envio agora, não há mal em duplicata. Como já é de praxe conto encontrá-lo, se Deus me der vida até lá, no espetacular Congresso de São Paulo. Recomende-me aos seus com admiração e estima os votos de um feliz 1954 e o abraço amigo da Mariza Lira

24Av. Gen. San Martin, 243, Leblon – Rio-Brasil

*

25Rio, 15/10/55

26Meu confrade Jorge Dias

27Joaquim Ribeiro esteve aqui domingo e perguntou-me se não tinha recebido o convite de Portugal para escrever sobre a homenagem ao Renato: Como já tivesse escrito e falado sobre isso ao Rossini, sem esclarecimento definitivo esperei o convite. Fiz até este trabalho que lhe envio sem tempo de passá-lo novamente a máquina, pois não sou datilografa. Estou a crer que houve extravio de carta, pois, não creio que o distinto confrade tenha esquecido o meu nome – uma luso brasileira autêntica, uma estudiosa a trabalhar incessantemente pelo folclore do Brasil e Portugal. É verdade que não me agradeceu a “História do Hino Nacional Brasileiro” nem o convite para ser orientador da nossa Sociedade Luso Brasileira de Etnologia cuja 1a publicação receberá breve com o seu nome incluído, mas, o seu endereço ainda é em Coimbra e não poderia haver extravio em registrados. Não sei sob que aspecto, tamanho deve ser a colaboração do Renato que envio uma cópia. Se servir, por obséquio reveja-a e mande copiá-la. Se não servir não diminuirá a admiração que tem pelo Sr a Mariza Lira.

*

285/11/55

29Meu caro confrade Jorge Dias,

30A epistolografia é meu fraco. Adoro receber as respostas dos amigos [?] quando vem de Portugal. Alegrei-me quando vi entre a minha correspondência duas cartas com targetas portuguesas. A sua e a do Lopes Dias contando-me que sofrera uma queda fraturando uma vértebra que o tem imobilizado por longos dias. Agradeço a sua explicação. O que não desejava era deixar de homenagear o Renato. Quase toda a Comissão recebeu convite e a minha exclusão deixou-me no rol dos não “especialistas”. Embora já não faça muita questão do julgamento, mesmo do Papa, sentindo-me uma estudiosa de folclore e não vendo aqui no Brasil, nada além de mim que Joaquim Ribeiro, Camara Cascudo, Silvio Julio isso para só falar na presente geração, fiquei sentida. Não devia, mas, foi o Joaquim mesmo quem me insuflou neste caso. Folclorista desde 6 anos quando ainda escrevia em pauta dupla, transformei o folclore, a etnografia e a etnologia na razão da minha vida. Gosto de estudar e os meus 56 anos (17-7-1899), embora diabéticos, dão-me força para trabalhar e estudar. A nossa Sociedade Brasileira de Etnologia, não foi criada para efeito espetacular. Quero trabalhar modestamente dentro dos preceitos científicos para conseguir algo de produtivo. Daí a indisposição com o Liceu que “quer é fazer barulho” textual e eu termino na “Noz de Portugal”. Já esta semana que se inicia teremos pronta a 1a publicação destinada a homenagear Almeida Garrett. Até 15 de Dezembro a comemoração de aniversário. Iniciaremos a reunião com uma explanação sobre autos pastoris, como foram lançados em Portugal e como chegaram ao Brasil. Áreas de fixação por minha neta – 16 anos – 2º anista do Curso Clássico (vai ser médica). 2º nº - Representação de um “auto das pastoras” recolhido em Pernambuco e apresentado pelo nosso grupo, constituído de alunas do Conservatório Brasileiro de Música, cuja diretora profa. Antonieta de Sousa é a nossa diretora artística. 3º nº- Canções natalinas, de Portugal, pelo grupo folclórico da Casa dos Poveiros. Penso que será uma apresentação real, colorida e instrutiva. O Sr., com o D. Basílio de Magalhaes, Gustavo Barroso e Camara Cascudo do Brasil; D. Augusto Pires de Lima e D. Antonio de Almeida Garret, Jorge Dias de Portugal, foram aclamados nossos orientadores. Uma homenagem sincera da alta consideração em que os [?] e que nos podem orientar traçando roteiros, corrigindo erros, apontando falhas.

31Talvez para o ano vá até Portugal, vamos ver se me livro de alguns compromissos. Esse ano só sai do Rio por 6 dias para ir à Bahia representar com o Diegues a Comissão Nacional de Folclore no Congresso de Trovadores. No momento, além da nossa Sociedade, onde tudo passa pelas minhas mãos, colaboro no Boletim da Associação Brasileira de Imprensa – Biografia do mês, um jornalista ilustre; Sou Secretária da Revista Continente, onde mantenho uma seção de folclore; Colaboro no Correio da Manhã. Seção de tradicionalismo brasileiro; no Jornal do Brasil – assunto educacional; na Revista da Música Popular “História Social da Música Popular Carioca; faço na Rádio Roquete Pinto (oficial da Prefeitura) o meu Brasil Folclórico e um programa na Rádio Escola. Dou um curso de folclore no Instituto Benjamim Constant, educandário oficial para os cegos do Brasil. Colaboro esporadicamente para jornais e revistas de S. Paulo, Paraná e outros estados como para Portugal, notadamente Ilha da Madeira onde tenho ótimos amigos. Está em meio ao meu “”Dom Portugal” e o romance (?!) Insônia de Solteirona. Mario de Andrade na sua última carta carinhosa e amiga, dizia-me: Por que a gente nunca consegue concluir o iniciado. Morreu logo após. É o que peço a Deus, concluir o iniciado.

32Creia não lhe tenho rancor (que é isso?) nem mesmo antipatia, nem tão pouco o vejo como monstro ou outros bichos menores (gíria carioca). É para mim uma cultura admirável encaixada num belo exemplar da raça portuguesa. Mas que como eu não vai à missa como toda gente. Já vai longa esta conversinha fiada. Recomendações aos seus

33Um abraço folclórico da Mariza

*

34Sociedade Luso-Brasileira de Etnologia
Sede av. 13 de Maio, nº23/2026
Rio de Janeiro
3.2.56

35Prezado amigo

36Minhas visitas atenciosas ao ilustre casal. Recebi o seu “Os elementos fundamentais da cultura portuguesa”. Um exame superficial mas o que vi – ótimo. Muitíssimo obrigada.

37Agora quero comunicar-lhe que na nossa última reunião o Sr. foi aclamado nosso “representante-geral” em Portugal e a Margot foi destacada como Sócia de Honra. Os diplomas já estão prontos mas o nosso Presidente esteve doente, foi às Águas e só agora voltou. Homem de negócios é justo que primeiro ponha a sua vida em dia. Irão por todo este mês, embora tenhamos o Carnaval que interrompe a vida da cidade.

38Quero que saiba um pouco da vida da Sociedade. Nesse 1º ano de existência pouco fiz, sei bem. Lutei com a propaganda contrária do tal Liceu, que não é Liceu gratuito, pois cobra como qualquer colégio, não é literário, nunca se fez literatura ali e nem Português, os dirigentes são maus portugueses, são brasileiros-naturalizados.

39Isto porém é coisa morta. Lutei e venci, a Colônia compreendeu que fui muito complacente com o Liceu, o meu caso, violação de correspondência, no Brasil é caso de polícia. Abriram uma carta minha ao Arnaldo Pinheiro Torres, onde havia uma resposta a uma sua pergunta – Como vai o Círculo? Com a franqueza que caracteriza todos os meus atos respondi ao meu amigo: “Mais ou menos”. O Comendador Rainho é um retrógrado e a diretoria de velhos de mais de 60 anos, daí tudo andar a passos de Cagado. “Não menti e gostei que soubessem da opinião que faço deles e que repeti de cara, quando hostilizada pedi demissão.

40O Comendador é um homem alfabetizado, basta ver a assinatura e saber a história do próprio nome que me foi contada pela irmã. Ele chegou ao Rio, José da Silva. Empregou-se numa casa de secos e molhados cuja firma era Rainho Coelho & Comp. Esse Rainho é o masculino de Rainha. A filha do dono era solteira e tinha uma cara que “nem uma mãe quer bem”, (folclore gaúcho) ele fez bem à moça casando-se e querendo ser bom filho tomou o nome da firma daí – José Rainho da Silva Carneiro esse Carneiro foi aposto depois.

41Há ali um diretor, nem sei de que, de qualquer coisa que é um perfeito jumento isso em Portugal, de viagem acorrentou-se com o Pão de Açúcar ficou de dois pés e assim se conserva.

42Bem deixemos o Liceu até ia escrevendo Museu. Vencida essa situação resolvi fundar nova sociedade, mas, sem me filiar a instituição alguma.

43E fui eu que indiquei o Comandante Braz e Silva (de origem poveira) para dirigir o Círculo, se não é um folclorista especializado, é culto e estudioso. Seu Candido o secretário do Liceu, ainda me propôs ficar dirigindo seu título, lógico que não aceitei. Começaram então a dar umas reuniões folclóricas barulhentas como diz o Sr. Candido, com cantoria de artistas consagrados até, mas, de folclore nada.

44Eu, porém, os elogio sempre e muito. Pra que contrariar a quem não entende nada. Cheguei a jubilar-me na Prefeitura como diretora de escola Técnico secundária com 25 anos, tempo integral, e não me tenta voltar ao magistério.

45Quietinha, mansamente preparei a 1a publicação, que só teve um fim, tornar a sociedade conhecida. Foi uma bomba que estourou. Todos ficaram admirados. A seguir realizei a festa de encerramento do ano. Poucos números mas ótimos.

46I- Apresentação de um “Auto da Pastora”, recolhido pela prof. Conceição Barros Barreto em recife. Foi apresentado pelas alunas do Conservatório Brasileiro de Música, ou já diretora é nossa diretora artística. Vozes lindíssimas, coros maravilhosos.

47II- Números de danças brasileira: ameríndia, batuque, lundu, frevo, chorinho e samba carioca.

48III– Danças portuguesas: vira, vira de oito, [?], fandango e dança poveira pelo Grupo folclórico da Casa dos Poveiros. Esteve muito bonita a festa com sala lotada.

49Inaugurou-se no dia 20 de janeiro o Museu Municipal de Folclore, com o Diretor da Biblioteca Municipal, o Maciel Pinheiro e o Renato Almeida. Pequeno ainda, mas já muito bonitinho. Que me diz do tema de estudos para 1956 da nossa Sociedade – A casa?

50Gostaria que me desse uma orientação de mestre, como é tudo que faz.

51Mandaria editar e distribuiria por todo o mundo folclorista.

52Veja se faz um plano melhor que esse que te dei. A Margot pode ajudá-lo, não acha?

53Hoje é dia de conversar com os amigos distantes – sábado – mas já exorbitei da medida.

54Contando com ambos; abraços com admiração e carinho

55Da Mariza

56P.S: No programa Brasil Folclore que mantenho na Rádio Roquete Pinto desde 1950, com ligeiras interrupções na parte “noticiário” já dei notícias do seu livro como faço com tudo o que me alegra.

*

57Sociedade Luso-Brasileira de Etnologia
Sede av. 13 de Maio, nº23/2026
Rio de Janeiro
Rio 8.12.57

58Meu Caro Jorge Dias

59Estava meio desapontada com o teu silêncio já agora perfeitamente justificado. A publicação de 1957 só saíra no 2º semestre de 1958, assim sendo, ainda há tempo de teus colaboradores, Ernesto Veiga de Oliveira e Fernando Galhano nos mandarem seus trabalhos. Já tenho de Portugal e Brasil alguns estudos interessantíssimos. Minha neta é a secretária da nossa sociedade, é uma moça de 18 anos, esperta a fazer vestibular para a Escola de Educação Física. É campeã infantil de natação e recebeu agora 5 meda- lhas de atletismo, duas pelo Flamengo e 3 pelos Colégio Anglo Americano onde fez o científico. Achei interessante o assunto que escolheu: “Jardins de pobre”. O meu ainda não comecei, tenho apenas dados: O barraco do Carioca e o do Joaquim será A casa sertaneja. Saiu agora como trabalho da nossa sociedade em 1956 o meu Estudo sobre Museus Etnográficos e de arte Popular de Portugal. Já deves ter recebido. Saudades da nossa terra não me faltam mas, o câmbio está tremendo. Recomenda-me com cainho a tua esposa e ao D. Mendes Correa. Quem me dera poder trabalhar sob a sua orientação e um Grande, com G maiúsculo Mestre. Escreva-me de vez em quando.

60Um abraço amigo da Mariza Lira

*

61Rio,1/6/59

62Meu caro confrade Dr Jorge Dias

63Realizamos a nossa reunião de estudos do mês de Maio, sobre o tema: o Fado, que apresentei sobre a forma de três perguntas: “Que é o fado?” – “É o fado a música característica de Portugal?” “Qual a origem do fado?”. Depois de ter lido as opiniões do passado e do presente sobre o assunto essas que me foram enviadas especialmente por ilustres folcloristas portugueses dei a palavra ao professor Silvio Julio que com eloquência e erudição tratou do assunto a ponto de não deixar direito a debates. Foi uma ótima reunião. Graças a Deus pois a “sabotagem” é tremenda. É que nasci plebeia, não tenho pai alcaide sou velha e feia. Mas vantagens não tenho, interesse maior, nem viagens grátis nem honrarias, estudo porque gosto e chega. Envio-lhe a notícia da Voz de Portugal e um outro artigo do Gilberto Freire, talvez não o tenha lido.

64O próximo assunto será, embora não seja coisa definitivamente resolvida, “A Nau Catarineta”, que acha? Se tiver tempo e vontade mande as suas sábias sugestões e ficar-lhe-á muito agradecida

65Mariza Lira

66PS. Não repare nos “fetiches” que saíram na ilha da Madeira, na publicação de 1951

*

6719.12.59

68Meu caro amigo Antonio Jorge Dias,

69Tendo passado muito mal da vista e consequente abatida moralmente, tenho me esquecido de escrever aos amigos.

70Eis a carta que escrevi ao Prefeito para que fosse concedida aos bons amigos de Portugal a medalha Silvio Romero que deve ter ido com o Dr Negrão de Lima. Já receberam? Nem sei de nada. De casa só vou à Comissão de Folclore (municipal) para o qual fui nomeada, porque a federal a do Renato já quase não se tem notícia.

71Desejo vê-los logo coroado de êxito é o meu ardente desejo. Lembre-me com carinho a sua gentil esposa.

72Mariza Lira
R. Santa Cristina 144 – apt 207, Santa Tereza, Rio, Brasil

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search