Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Manuel Diégues Júnior

Texte intégral

1Rio, 27, abril, 52

2Meu caro Jorge Dias,

3Cordial abraço.

4Sua carta de 5 de fevereiro constituiu motivo de satisfação, pois, na realidade, já andava estranhando a ausência de suas notícias. E por sua vez v. há de estar estranhando agora a demora de minha resposta. Este ano, porém, não começou da melhor maneira para mim; ao contrário: uma série de coisas que me levou a um desajustamento de atividades, e consequentemente a uma nova composição de vida. Além disso tenho tido maior número de aulas que o ano passado, e aceitei outros compromissos que me vão enchendo o tempo. Em janeiro mandei à UNESCO o relatório preliminar de meus estudos sobre as relações de cultura do grupo italiano no Brasil; estou, no momento, preparando o trabalho definitivo, que deverei enviar no mês de junho. A par disso numerosos outros trabalhos, inclusive o desenvolvimento da minha comunicação ao Colloquim, sobre relações de raça e de cultura no Brasil, que acabei de ampliar para ser divulgado pelo Serviço de Documentação do Ministério de Educação. Outra atividade em perspectiva: reunião de material para um estudo sobre População e Açúcar no Nordeste Brasileiro, trabalho este para o qual tenho muito interesse. É um pedido do prof. Josué de Castro, presidente da Comissão de Alimentação e atualmente presidente da FAO. Destina-se a publicação aqui e em francês. E ao lado disso outras coisinhas miúdas, artigos, crônicas, palestras, que vão consumindo o tempo.

5Em janeiro estive em Maceió, na IV Semana de Folclore. Coube-me ser relator geral, de que resultou ter eu de fazer um balanço do que a Semana realizou. Um pequeno discurso, que possivelmente lhe chegou às mãos, pois foi distribuído, em edição mimeografada, pela Comissão Nacional de Folclore.

6Bem já falei muito de mim. Falamos de você agora. Alegram-me suas notícias em relação ao Brasil, e sobretudo a perspectiva de uma nova viagem sua até aqui. Isto seria de grande alegria e grande prazer, sobretudo se numa época sem Congressos, em que pudéssemos melhor conversar.

7Recebi os trabalhos que v. me mandou. E muita coisa já li com o interesse maior possível. Vilarinho da Furna, por exemplo; já lhe venci as páginas, com uma grande alegria. Um modelo de monografia regional, excelente para ser tomado como padrão para estudos iguais aqui no Brasil. Aliás, tendo terminado um trabalho para publicação no México, nas edições da Revista de Sociologia, sobre Sociologia Regional, ainda aproveitei para ele sugestões de leitura de Vilarinho. A de n. I (p. 233) é conhecida no Brasil, constando de coleção reunida por José Maria de Melo em “Enigmas Populares” (pg.370), encontrando-se variante dela no “Folklore do Cadaval”. A de n. IV, a do galo, também foi recolhida por José Maria (pg. 114), com variante porém, pois refere ao inglês, e não só francês. Sobre este recolheu José Maria numerosas variantes mesmo em Portugal. O mais interessante é quanto a n. IV (a da vaca), que v. salienta ser extraordinariamente parecida com outras conservadas em regiões ganadeiras de Inglaterra, de Noruega, de Suécia, Suíça, devendo ter se originado em povos ganadeiros germânicos. Pois bem José Maria a recolheu em Viçosa de Alagoas, que não é zona pecuária, antes agrícola, e quase exclusivamente agrícola. A versão por este colhida é a seguinte: Quatro na lama,/ Quatro na cara,/ Dois na cabeça/ E um que abana. (pg. 121). E em outros pontos do Brasil se encontram variantes. A da Paraíba é semelhante à que você recolheu. Na do Rio Grande do Norte, em vez de dois, são três parafusos. No livro de José Maria há referência a versões portuguesas, colhidas em Porto, C. d’Anciães, S. Martinho de Mouros, Minho, Foz do Douro etc. Veja você que surpresa nos proporcionam os estudos folclóricos e etnográficos quando chegamos a estas comparações. Os outros, igualmente, dos trabalhos que v. me enviou estão sendo lidos. Estou agora nos Arados, de que já conhecia umas partes pela leitura do exemplar do Serafim Silva Neto.

8Espero sempre suas notícias e seus trabalhos. Já está em impressão minha monografia sobre o engenho de açúcar; logo que divulgada enviar-lhe-ei. E terei sempre cuidado de lhe mandar quaisquer outras novidades que possam ser de seu interesse e por aqui apareçam. Os pacotes que lhe foram enviados, chegaram em ordem?

9Com um grande e cordial abraço, sempre seu,

10Manuel Diégues Júnior

11S. Clemente, 327,
Botafogo, Rio de Janeiro, D.F.
Brasil

12P.S Consegui aqui, na Livros de Portugal, os ns 4 e 5 do Boletim de Etnografia, de Leite de Vasconcelos. Gostaria me informasse o seguinte:1) saíram os ns. Subsequentes? 2) seria fácil obter os três primeiros e do 6 em seguida?

*

13Rio, 20.11.52

14Meu caro Jorge Dias,

15Cordial abraço.

16Estou com duas cartas suas a responder, uma de 17, outra de 21 de outubro último. Se não lhe respondi logo, como tanto era meu desejo, foi por motivo de andar viajando. Fui as Alagoas nos últimos dias de outubro, depois de haver regressado de São Paulo a 20. De modo que os primeiros dias de novembro se destinaram a recompor as coisas, a colecionar as cartas recebidas que agora estou começando a responder, aliás pela sua.

17Muito me desvaneceram suas opiniões sobre o Engenho de Açúcar e o “Etnias e Culturas”. São frutos mais de amizade por isso que mérito real, de profundidade, estes trabalhos não apresentam. Constituem mais o desejo de informar, de divulgar. Sobre os nossos problemas de raças e de culturas, não havia, entre nós, nada de caráter mais ou menos informativo; o livro de Arthur Ramos, realmente básico, insubstituível, é para grande público. De modo que o meu folheto tem esse aspecto, de tornar possível a todos, de qualquer grau, conhecer os elementos humanos e culturais de nossa formação.

18O Engenho de açúcar tem também um caráter informativo. É uma série que o Ministério da Agricultura está realizando, no sentido de divulgar as coisas de nossa vida rural. Enviar-lhe-ei os outros volumes, a saírem breve, sobre fazenda de café e fazenda de gado no vale do São Francisco. Foram feitos também filmes do engenho de açúcar, da casa de farinha, de feiras; estão sendo feitos no momento filmes de fazenda de café e de estância gaúcha.

19Mais uma vez muito obrigado por suas generosas palavras, que são mais um estímulo para novos trabalhos. Se v. publicar alguma recessão, peço que não deixe de enviar-me.

20Sabia de sua ida para a Universidade de Coimbra, mas continuo a lhe escrever para Porto, certo de não haver extravio. Pelo que v. me diz em sua carta de 17, certamente não deixou Porto sem muitas saudades. Contudo, é de esperar que vá se adaptando em Coimbra, e na “cidade pequena e acanhada” possa escrever, ou continuar a escrever, sua magnífica contribuição para a etnologia portuguesa.

21Recebi o “Bosquejo histórico da etnografia portuguesa”. Era meu desejo, aliás, escrever uma nota sobre ele, mas com o acúmulo de coisas que tive a partir de setembro, e que andam ainda a me absorver, suspendi a colaboração nos jornais; mas logo que retome será um assunto a tratar. Por sinal, desde o ano passado, ando reunindo elementos para um trabalho não direi igual, mas de ideia semelhante, sobre a história ou a formação ou o desenvolvimento da etnografia no Brasil. Meu desejo era sobretudo situar como tem evoluído o conceito de etnografia entre nós. Já tenho muito material reunido, e alguma coisa escrita. Mas não sei quando chegarei ao fim.

22Estou pegado agora no População e açúcar no Nordestes, que deverei entregar na primeira quinzena de dezembro.

23Voltando à sua carta de 21, vejo que v. estranhou a não inclusão dos portugueses entre os grupos estrangeiros imigrados, mas v. pegou exatamente o porquê. De fato, não considero os portugueses estrangeiros, nem do ponto de vista étnico, nem do cultural. Isto cientificamente pode ser considerado uma heresia, um erro, um tremendo disparate. Mas me parece que mesmo nas razões da ciência há de haver uma oportunidade para que o elemento cultural melhor justifique as ideias e as situações. Não considero o português estrangeiro, pelo menos em estudos étnicos e culturais. Gostaria que v. me enviasse a indicação de algumas pessoas, com os respectivos endereços, a quem pudesse enviar o Etnias e o Engenho de Açúcar.

24Peço-lhe não esquecer de enviar-me sempre suas notícias. Embora o saiba nessa nova fase de adaptação em Coimbra, creio que não esqueça os amigos. O nosso caro Serafim tem andado ainda doente, nem sempre passa bem, o que é uma pena. Começou a divulgar, em fascículos mensais, a História da Língua Portuguesa. Trabalho de fôlego, que dê certo ele lhe mandará. Com o Arthur Ferreira Reis tenho estado sempre. Ambos falam em você. Não tenho estado com D. Heloísa, em virtude de meus afazeres. Receba um grande abraço, de quem aguarda sempre, com suas notícias, outra oportunidade de abraçá-lo pessoalmente.

25Cordialmente,

26Manuel Diégues Júnior

27Recebi carta do Cardozo, em que me falava de sua passagem em Portugal.

*

28Rio, 14, maio, 53

29Caro Jorge Dias,

30Ando retardando muito minha correspondência, o que é resultado principalmente do mundo de coisas que tenho tido de cuidar, neste começo de ano. Depois da operação a que me submeti em fevereiro, tive de andar em repouso e, em seguida, trabalhar bastante para recompor tudo. Daí o atraso com que ando escrevendo aos amigos.

31Há dias passados mandei-lhe, por via marítima, dois novos trabalhos da série “Documentário da Vida Rural”: um sobre fazenda de café em S. Paulo, outro sobre fazenda de gado no vale do S. Francisco. Hoje estou postando mais um, este sobre a estância gaúcha.

32Ativam-se os preparativos para o II Congresso de Folclore, em agosto próximo, na capital do Paraná. Será que o teremos, então, por aqui? Seria um prazer muito grande para nós.

33Estamos igualmente cuidando de uma reunião de Antropologia para novembro próximo. Meteram-me na comissão organizadora – ideia de D. Heloísa Alberto Torres, evidentemente. Estamos no momento planejando o temário, regimento, etc. O propósito da Reunião é principalmente um balanço das atividades de ensino e das atividades de pesquisa no Brasil.

34V. prometeu-me mandar os trabalhos da Sociedade de Antropologia, e até agora não recebi nada. Renovo o pedido, pois muito me interessa as publicações de antropologia e etnologia, sobretudo sendo portuguesas. Espero também que se interesse em enviar-me outros trabalhos antropológicos e etnológicos.

35Mando-lhe junto um artigo que saiu na seção que mantenho no Diário de Notícias. Creio que a ideia é interessante, e foi recebida, por sinal, com a melhor simpatia. Que acha v. dela? Mande-me seu pronunciamento.

36Meu novo endereço é o seguinte, pois me mudei há uns oito dias: rua da Matriz, 92, Botafogo, Rio de Janeiro, D.F.

37Com um grande e cordial abraço, de muita estima, do sempre amigo

38Manuel Diégues Júnior

*

391a Reunião Brasileira de Antropologia
Museu Nacional – Quinta da Boa Vista
Rio de Janeiro, D.F.
8-14 de Novembro, 1953
Rio, 7.IV.54

40Meu caro Jorge Dias,

41Tenho em mãos sua carta de 12 de janeiro, sempre desejoso de responder; uma série de coisas, porém, me foi tomando o tempo e em consequência somente hoje posso mandar-lhe algumas notícias e pedir as suas. Este princípio de ano foi muito cheio de trabalhos para mim, inclusive atendendo a alguns compromissos anteriores, que se foram acumulando. Sua desconfiança de ainda acabar no Brasil é para nós uma grande alegria. Isto nos alegra enormemente, e Deus permita encontrarmos um todo-poderoso homem de governo que nos dê oportunidade de trazer ao Brasil, para o Brasil, homens como você. Gente de que andamos precisando.

42O nosso Arthur C. Ferreira Reis está feito Superintendente do Plano de Valorização Econômico da Amazônia, o que quer dizer uma espécie de vice-rei do Norte, dominando mais da metade deste vastíssimo Brasil; está residindo em Belém do Pará, por força do cargo, mas quando em vez aparece por aqui, e mantemos algum [?]. Ele sempre pergunta notícias suas.

43O sempre estimado Serafim, depois de duas sérias operações, sofreu um golpe tremendo em fins de janeiro, com a perda, num acidente num rio, de seu único filho varão, encontrado morto no dia seguinte. O pobre sofreu demais. Estive com ele depois disso umas duas vezes, e se encontrava abaladíssimo. Há um mês mais ou menos que não tenho estado com ele. Não sei como ele se recuperará; aquilo só será mesmo o tempo. É uma pena; muito talento tem o Serafim, e no campo da linguística poderia dar-nos uma obra notável.

44Em novembro passado fiz uma conferência no Clube Lusobrasileiro de Folklore de D. Mariza sobre Portugal no folclore do Nordeste. Ela anunciou que publicaria; se o fizer lhe mando um exemplar. No Primeiro de Janeiro, do Parta, saiu um artigo meu, edição de 1º de janeiro, sobre as comemorações natalinas no Brasil. Recebi convite para colaborar naquele jornal. Mandei depois outro artigo sobre o sentido português dos centenários de São Paulo e da restauração pernambucana; a direção, porém, recusou alegando que defendo uma tese contrária à do jornal, isto é, de que os jesuítas é que fundaram São Paulo, quando lá admitem ter sido Martin Afonso de Souza. Deve ter sido publicado, ou para ser publicado um artigo sobre Orquestras Populares.

45E a representação de Portugal no Congresso de Folklore? Vocês têm se reunido e tem deliberado alguma coisa? Virá uma turma grande, brilhante, notável de gente de várias partes do mundo ou, como diz a poesia popular brasileira, de Oropa, França, Bahia. Mande-me dizer o que pretendem mandar de Portugal, como será a representação, pois aqui divulgarei a respeito.

46Meus trabalhos estão algo interrompidos com as atividades burocráticas, que vão é consumindo a gente. Andava preparando uma reunião de estudos folclóricos, mas parei. É meu desejo ampliar o Etnias e Culturas no Brasil, incluindo os capítulos novos, mas ainda não pude fazê-lo. As notas estão prontas, falta apenas trabalhá-las.

47Mando-lhe junto meu programa de Etnografia do Brasil, para o corrente ano, na Universidade Católica. Agradeceria suas sugestões a respeito. E principalmente indicações, problemas, aspectos que devam ser tratados nas partes referentes a Portugal como grupo étnico e como grupo cultural. E por hoje basta. Seu tempo é curto. Mande sempre suas notícias, trabalhos, etc. que tanto me alegram. E recebe um grande e forte abraço, de estima do Diégues

48P.S: Não me surpreendeu o que me disse da D. Mariza. Nas nossas reuniões da Comissão de Folklore é sempre um ponto fraco. Sempre um casinho, uma coisa, uma implicância. Chega dar tristeza. E andou brilhando por fora do Brasil, na certa dizendo cobras e lagartos da gente.

*

49Etnografia do Brasil

50Programa para 1954 - 3º ano de Geografia e História

51A Etnografia no Brasil. O que se deve entender como tal. Bibliografia.

522. Os estudos etnográficos no Brasil. Faces do desenvolvimento. Problemas suscitados.

53Fontes de etnografia no Brasil. Primeiros informantes, missionários, viajantes, narradores, naturalistas, etnógrafos.

54O quadro natural: o meio físico e as condições de ocupação humana.

55Unidade cultural do Brasil e as diversidades regionais. Formação de áreas culturais.

56O problema da colonização. O processo português e os grupos humanos que dele participaram.

57O português como grupo étnico. O português como grupo cultural.

58Os indígenas brasileiros. Origens, classificação, estudo. Características culturais dos principais grupos indígenas.

59O negro na África: áreas culturais africanas. O negro como escravo. O negro no Brasil. Os estudos africanistas. Fontes. Bibliografia.

60Culturas negras importantes e sua contribuição à formação cultural brasileira: sudaneses, bantus e maometanos.

61Miscigenação e transculturação. Os tipos mestiços. O lastro lusitano na cultura brasileira e as influências recebidas.

62Imigração estrangeira no Brasil. Problemas de imigração e de colonização.

63Áreas geográficas de imigração.

64Desenvolvimento histórico da imigração: relações com o trabalho escravo. Fases imigratórias e correntes imigradas.

65Os primeiros grupos alienígenas em contato com o Brasil: espanhóis, franceses, holandeses, judeus.

66Os grupos entrados com a imigração a partir do século XIX: alemães, italianos, japoneses, sírio-libaneses e outros grupos europeus e não-europeus.

67Balanço geral da imigração no Brasil: sua contribuição demográfica, social e cultural.

68Balanço geral da cultura no Brasil: problemas de transculturação e resultados das relações culturais.

69Elementos materiais de cultura: economia, casa, alimentação, vestuário, técnicas.

70Elementos não materiais de cultura: organização social e política, religião, língua, arte, festas.

71O folclore brasileiro: suas relações com a etnografia, seus aspectos fundamentais, seu estudo.

72Panorama atual dos estudos de relações de cultura no Brasil.

73P.S: Gostaria que v. me mandasse seus programas de Etnografia (geral) e de Etnografia Portuguesa. Certo?

*

74Rio de Janeiro, 26, março, 55

75Meu caro Jorge Dias,

76Cordiais abraços.

77De há muito tenho estado sem notícias suas, desde o nosso encontro no Congresso de Folclore, em agosto. Depois de meu regresso a Europa, tenho trocado correspondência com o prof. Ernesto Veiga de Oliveira, excelente amigo, de quem guardo magnífica impressão, gratíssimo que estarei sempre as gentilezas com que me cumulou no Porto, e posteriormente através de correspondências. Por intermédio dele, tenho notícias suas; mas igualmente dele também tenho tido poucas informações, ultimamente.

78Bem sei que v. está atarefadíssimo com o ano letivo, e ao lado disso com as tarefas e trabalhos normais acrescidos de secretariado da CIAP.

79Infelizmente, na minha passagem por Paris, bastante rápido, não me foi possível ir a CIAP. O próprio Riviére, a quem desejava abraçar, não estava em paris, no momento.

80Estou lhe mandando, ao endereço da Universidade de Coimbra, um trabalhinho meu sobre Sociologia Regional, onde tive a alegria e a oportunidade de citá-lo. E muito gostaria de continuar a receber seus trabalhos.

81Um obséquio seu preciso agora: estou desejando ampliar, no meu curso de etnografia brasileira na Universidade Católica, a parte a respeito do português. Organizei, pois, os seguintes itens, que desdobrarei em várias aulas:

821) o português como grupo étnico: a) fase pré-histórica; b) fase histórica; II) O português como grupo cultural: a) origens, formação e desenvolvimento da cultura portuguesa; b) o sentido cristão e a influência marítima na cultura portuguesa; c) unidade e diversidade do complexo cultural luso-cristão; III) a cultura portuguesa no Brasil: a) o processo de colonização e os grupos humanos que dela participaram; b) os elementos fundamentais da cultura luso-brasileira; c) unidade cultural e diversidades regionais na formação brasileira.

83Precisaria muito da sua orientação em bibliografia e em sugestões a respeito da parte do português como grupo étnico e também como grupo cultural, embora as minhas carências sejam mais quanto ao primeiro aspecto. Disponho de Leite de Vasconcelos (Etnografia Portuguesa, Opuscular), de Mendes Correia (Raça e nacionalidade, Raízes de Portugal, Os povos primitivos da Lusitânia), de seu trabalho no Colloquium de Washington, e de mais alguma pouca coisa. Muito grata lhe ficaria se você me indicasse fontes para desenvolver o material sobre a formação étnica do português, além do que se encontra nos estudos de Leite de Vasconcelos e Mendes Correia. Inclusive, apostilas de aulas suas, de cursos que v. haja dado, me seriam muito úteis. Sugira, igualmente, em relação aquele esquema que projetei, quanto a alguma coisa acrescentar ou a retirar. Por tudo, desde já muito obrigado, mil vezes obrigado.

84Dentro em breve enviarei a você um exemplar da nova edição de “Etnias e Culturas no Brasil”, que se apresenta bastante ampliada, com desenvolvimento de alguns capítulos, desdobramento de outros, acréscimos de novas, etc. Espero que agora esteja um trabalhinho mais digno de ser apresentado.

85E por hoje é só. Desculpe o tempo que lhe roubei com esta carta e o que projeta roubar com as sugestões pedidas. Receba um cordial e grande abraço do

86Manuel Diégues Júnior

87Rua da Matriz, 92
Botafogo – Rio de Janeiro, D. F.
Brasil

*

88Rio, 26, fevereiro, 56

89Meu caro Jorge Dias,

90Recebida sua carta de 19 de dezembro de 1955, foi meu desejo escrever-lhe logo. Infelizmente tive um fim de ano bastante afanoso, e ainda mais este começo de 1956, que não se iniciou de maneira satisfatória. Ao contrário: perdi uma cunhada, a quem muito estimava, e isto levou-me inesperadamente a Maceió. De lá voltei nos começos de fevereiro, com uma série de coisas a cuidar. O viúvo e meus sobrinhos vieram passar fevereiro connosco aqui, e isto também concorre para ir me encurtando o tempo. Estou aproveitando esta tarde de domingo, aliás bastante quente, em que a casa está em sossego, para escrever-lhe, como o farei depois a outros amigos, dos quais igualmente tenho cartão a responder.

91Muito me alegrou a notícia de sua condecoração pelo governo brasileiro. Até que enfim há alguma coisa de certo nessas condecorações, como pouco antes já o havia havido com o nosso eminente amigo Henrique de Barros. A manifestação de minha alegria está registrada na nota que dei, hoje, em minha seção dominical no Diário de Notícias, de que lhe mando recorte.

92De meus trabalhos últimos creio que lhe mandei o “Introducción a la Sociologia Regional”; aliás foi a única pessoa em Portugal a quem enviei, pois estava com pequena disponibilidade para oferta. Se v. o leu, gostaria que se manifestasse a respeito, inclusive fazendo sugestões, pois pretendo, mais adiante, preparar uma edição em português, ampliado e com informações específicas sobre o Brasil.

93Este ano espero empenhar-me num trabalho que venho pensando de há muito e para o qual me surgiram agora condições materiais a facilitarem a tarefa. É um estudo sobre as regiões culturais do Brasil, ou mais exatamente um approach para estudo dos elementos que devem caracterizar, no caso do Brasil, as regiões culturais. Logo que o plano definitivo esteja pronto e aprovado, enviar-lhe-ei, para que me mande suas sugestões que, certamente, me serão muito úteis. Pretendo estudar o processo de ocupação humana (condições culturais, ambiente físico, etc)., depois o desenvolvimento desse processo através de época específica em que, aí realizando as atividades econômicas e culturais com o ambiente (engenho de açúcar, fazenda de gado, veios de mineração, sítios agroextrativos na Amazônia, núcleos de imigrantes, fazendas de café, etc), constituindo cada um desses tipos o elemento característico de uma região; por fim analiso as transformações que se iniciaram no sec. XIX com o surto urbano, a indústria, as técnicas introduzidas, para finalmente mostrar as condições culturais do Brasil atual em que, apesar das diversidades apresentadas nas diversas regiões do Brasil, se mantém a unidade sonhada e desejada na colonização com a base cultural lusitana. Isto é uma síntese do que vou fazer; não sei se dará certo. Tenho recolhido muito material e espero recolher ainda mais. Será, pelo menos, uma contribuição que sirva de base para estudos posteriores.

94Espero este ano concentrar-me neste trabalho e nas atividades de aula. Tinha programado uma visita a Portugal, ainda neste primeiro semestre.

95Infelizmente não foi possível concretizar-se, em virtude da morte da minha cunhada. Espero entretanto, possa fazê-lo em outra época.

96Tenho recebido sempre notícias do nosso ilustre Amigo Dr. Ernesto Veiga de Oliveira, de cujo rápido contato no Porto trouxe a mais agradável impressão, cada dia aumentando e mais confirmada através de correspondência.

97Deverá sair, por estes dias, a segunda edição do meu livrinho “Etnias e Culturas no Brasil”, bastante ampliada, com acréscimo de novos capítulos. Espero enviar-lhe logo um exemplar.

98Sempre ansioso por suas notícias e alegre ao receber seus trabalhos, aqui me fico, enviando-lhe um grande e cordial abraço de quem continua sempre

99Manuel Diégues Júnior

*

100Rio, 10, março, 1960

101Prezado Jorge Dias,

102Recebida sua carta de 18 de janeiro, foi meu desejo respondê-la logo. Depois, pensei que o melhor seria providenciar alguma coisa do que você nela pedia, e então, em seguida, dar-lhe notícias. E assim fiz.

103A respeito do seu pedido de material sobre o Brasil, infelizmente quanto a filmes e dispositivos somos de uma grande pobreza. Acredito que haja muito pouca coisa, se há, de interesse. Contudo, adotei uma dupla providência que me pareceu a mais cabível no caso: escrevi a alguns dos nossos consócios da Associação Brasileira de Antropologia, que são professores de Antropologia ou exercem função técnica em órgãos de pesquisa, solicitando-lhes mandassem a v. o que fosse possível. Escrevi a Galvão (Pará), a Francisco Alencar (Ceará), a Rene Ribeiro (Pernambuco), a Thales de Azevedo (Bahia), a Egon Schaden, a Baldus e Rubbo Muller (S. Paulo), a Loureiro Fernandes (Paraná), a Heloísa A. Torres e Castro Faria (Rio). Escrevi também a instituições que poderiam dispor de material a ser utilizado em seu curso. Algumas dessas instituições: Conselho Nacional de Geografia, Museu Goeldi (Pará), Museu Paulista (S. Paulo), Instituto Nacional de Cinema Educativo (Rio), Museu Nacional (Rio), Museu Histórico (Rio), etc, etc. De alguns já tive resposta. O Instituto de Cinema Educativo me informou lhe haver mandado algum material e uma lista de filmes ou coisa equivalente para v. escolher. O Museu Paulista informa só dispor da Revista, que lhe manda pontualmente. E assim, por diante. Espero que v. vá recebendo alguma coisa por aí. E mande-me dizer mais algo do que precisar sobre o Brasil.

104Há dias passados, creio que há um mês, mais ou menos, mandei um exemplar de trabalho meu recém-saído: “População e propriedade da terra no Brasil”, editado pela União Pan-Americana. Acredito que v. já tenha recebido.

105Você está nosso sócio correspondente, da A.B.A., desde fevereiro de 1958, quando houve a III Reunião do Recife. Creio que com suas viagens a comunicação se extraviou. Lembro-me, todavia, que numa de minhas cartas anteriores, de 58 ou mesmo de 59, lhe falava a respeito. Em 1959 (julho) tivemos a IV Reunião, em Curitiba. Foi muito boa. O Loureiro está preparando os Anais, que oportunamente v. receberá. O próximo número da “Revista de Antropologia” publicará um noticiário completo da Reunião, que v. receberá logo que saia a respectiva separata. A próxima Reunião, a V, será em Belo Horizonte, em 1961. O mês ainda não está [?].

106Do Serafim Neto não tenho tido notícias. Desde que por aí anda, não me tem escrito. Quando aqui esteve, ultimamente (1959 – novembro), conversamos algumas vezes. Quando ele voltou a Lisboa, estava eu também de saída, ao Equador, Bolívia e Paraguai, em missão da União Pan-Americana. Levei uns 17 dias nessa viagem, ou seja de 1 a 17 de dezembro.

107Tenho recebido algumas publicações do Centro de Estudos Políticos e Sociais, das quais tenho feito registro na revista da Universidade Católica. Numa das remessas, e atendendo a pedido meu, veio o seu volume mimeografado sobre Antropologia Cultural. Sucede, porém, que faltou o último caderno da matéria. Apesar disso, dado o interesse de um amigo pelo trabalho, emprestei para a sua leitura. Consulta se seria possível você mandar-me um novo exemplar. Ficar-lhe-ia imensamente grato pela gentileza.

108Outro pedido que lhe faria, com muito empenho, era v. mandar-me uma cópia de seus programas de Etnologia Geral e de Etnologia Regional. Tinha muito interesse, duplo interesse, nesse material: primeiro, porque pretendo rever meus programas e dar-lhes atualização, imprimindo melhor orientação aos cursos da Universidade Católica (inclusive, se possível, incluindo a parte de Etnologia Regional), e segundo porque pretendo preparar, para a V Reunião, um estudo sobre os cursos de Antropologia no Brasil, e fazer algumas comparações com o que há em outros países. Estou obtendo também copias de programas de universidades americanas (do norte e do sul) e de outros países.

109Muito agradeceria a fineza de mandar-me esse material – cópia de seu curso e cópia dos programas – com a possível urgência.

110Quando o teremos por aqui, de novo? Não poderia arranjar sua presença aqui, para o ano, na Reunião de Belo Horizonte? Este ano tive muita vontade de ir a Portugal, para as comemorações henriquinas, inclusive o Congresso que vai haver. Contudo, os dinheiros estão bastante curtos, e é-me impossível fazer despesas este ano. Só se arranjasse uma ajuda completa. Fico aguardando suas notícias, que recebo sempre com muita alegria, e peço dispor sempre deste seu amigo e admirador. Caso esteja com o Serafim transmita-lhe meu abraço. Recomende-me igualmente aos amigos do porto, dos quais, aliás, recebi há uns cinco dias alguns trabalhos, que vou agradecer.

111Enfim, basta. Desculpe o tempo tomado. Grande abraço de velha admiração e muita estima do

112Manuel Diégues Júnior

*

113Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones en Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rio de Janeiro, 17 de maio de 1961
Ilmo. Sr.
Dr. Jorge Dias
Praça Principe Real, 20 Lisboa – Portugal

114Prezado Jorge Dias:

115Acuso o recebimento de seu amável cartão de 6 do corrente, com o qual, em generosas palavras, me felicita por minha investidura na Direção do Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais. Agradeço as carinhosas referências a meu respeito, e as compreendo e as recebo como fruto de uma amizade que, embora de menos de dez anos, soube impor-se, crescer e fazer-se fraterna. Por isto mesmo, acolho-as mais como estímulo a estas novas tarefas de que estou investido e que, bem sinto, são complexas e delicadas.

116Esta posição me chegou quase inesperadamente. Não a desejei, e, se bem possa incluir-se entre as justas aspirações na carreira de cientista social no Brasil, confesso que não a procurei. No primeiro momento, quando surgiu meu nome como possível candidato, recusei terminantemente; e considerei encerrado o assunto. Depois, surgiu uma situação em que me cercaram e envolveram, e da qual não pude fugir, tais as circunstâncias que se criaram. Se o Centro haveria de cair em outras mãos, ao menos eu poderia dar um pouco de meu esforço para solucionar uma dificuldade, para superar um impasse e para atender aos amigos. Assim surgi como candidato – candidato de conciliação. E assim me vi eleito Diretor do Centro. Bem, vamos a outros assuntos. Tendo sabido da pancadaria que tem havido recentemente, representando vocês a posição de “mó de baixo”, que corresponde à nossa brasileiríssima “tábua de lavar roupa”. Contudo, é preciso separar o que, é Portugal, o autêntico Portugal, eterno, tema de estudo, do que é efêmero e transitório. Por isto mesmo, acredito sempre na inteligência portuguesa – sobretudo em seus homens de estudo, Você, um destes.

117Não sei até que ponto você estaria interessado em uma temporada no Brasil. O Centro recebe “experts” da Unesco, através de contratos anuais, para colaborarem em nossos programas. A oportunidade, é boa para um melhor contacto com o Brasil e, por extensão, com a América Latina. Pense no assunto. De qualquer maneira, como já recebi da Unesco uma carta pedindo sugerisse nomes, na resposta havia incluído o seu para uma eventual consulta que a Unesco lhe fará, e que tanto pode ser para este como para o próximo ano.

118Em separado estou lhe mandando o último número do Boletim do centro; os anteriores não lhe são enviados por estarem esgotados. Os posteriores lhe serão remetidos pontualmente. Junto também outras publicações. Vai tudo para seu endereço particular. Consulto se prefere este ou o do Centro de Estudos.

119Peço mandar-me sempre suas notícias, que tanto me alegram, e igualmente seus trabalhos, que tanto me ensinam. Aqui continua a seu dispor, o velho companheiro de sempre e amigo sincero. Um grande abraço de já velha amizade do

120Manuel Diégues Júnior.

*

121Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rio de Janeiro, 4 de julho de 1961
Ilmo. Sr.
Dr. Jorge Dias
Praça do Príncipe Real, 20
Lisboa – Portugal

122Caro Jorge Dias:

123Não pude responder logo à sua carta de 10 de junho, em virtude de me ter chegado quando me encontrava em preparativos para a nossa V Reunião Brasileira de Antropologia, que realizamos em Belo Horizonte, de 26 a 30 de junho. Ontem regressei, e hoje me apresso a escrever-lhe. Desta vez livrei-me da Secretaria Geral da Associação: foi eleito para substituir-me o Professor Matoso Camara Junior, do Museu Nacional. O Presidente eleito para 61-63 foi o nosso caro Amigo Herbert Baldus; disso se infere que a nossa VI Reunião devera realizar-se, daqui a dois anos, em São Paulo.

124Lamentei muito, em sua carta, falar-se das dificuldades em deixar Lisboa para vir passar, pelo menos, um ano no Brasil. Alguns amigos, aos quais falei sobre a indicação de seu nome a UNESCO, feita por mim, ficaram entusiasmados com a ideia, e ante saboreando a possibilidade de sua vinda. Em Belo Horizonte, conversei com Baldus, que também se alegrou, lamentando, porém, a sua dificuldade. Gostaria, pois, que você reexaminasse o assunto, vendo que possibilidades haveriam de vencer a dificuldade indicada. Já tendo feito a sugestão de seu nome, agora só me restaria insistir no convite e, acredito que, se não no momento – o que seria, de certo, mais difícil – mas para o próximo ano, poderíamos programar sua vinda ao Brasil. Você ficaria como “expert” da Unesco junto ao Centro, e aqui lhe proporcionaríamos um variado programa de trabalhos. Evitaria que você se concentrasse numa tarefa interna, do Centro, mas colaborasse com Universidades. O Loureiro se interessaria muito por um programa assim; também o Rene, em Pernambuco; e possivelmente outros colegas procurariam sua colaboração.

125Insisto, meu caro Jorge Dias, em que você reestude o assunto. Converse com a Esposa, ouça-lhe os conselhos, que os conselhos femininos são sempre muito prudentes, e mande-me falar da possibilidade de sua vinda em 62. É nesta expectativa que estou, pois acharia da maior utilidade, sobretudo para a sua atividade profissional, você afastar-se um pouco daí, e vir passar uma temporada connosco. Todos aqui, bem sabem, recebemos você de braços abertos e muitos sorrisos de contentamento. E isso, por muitos e variados motivos.

126Hoje postei, via aérea, um pequeno folheto da exposição de Arte Negra, realizada durante a Reunião de Antropologia, em Belo Horizonte.

127Aguardando suas notícias, antecipo-lhe um grande e cordial abraço do Manuel Diégues Júnior.

*

128Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rio, 12,X,62

129Caro Jorge Dias,

130Foi uma satisfação receber seu cartão, mesmo reclamando… É que estamos fazendo uma revisão completa em nossas remessas de publicações, e temos interesse em saber quais as pessoas que realmente se interessam em recebê-las. Só a alegria de provocar umas letras suas, valeu a pena não ter sido enviado junto o cartão.

131Quero informá-lo de que deverei ir em novembro próximo a Paris para uma reunião do Centro na Unesco. Espero visitar também outras cidades para uma retomada de contatos. E meu desejo é encerrar o “tour” em Lisboa. Aguardo ansioso essa oportunidade de vê-lo e abraçá-lo pessoalmente. Deverei passar em Lisboa tão só uns cinco ou seis dias, e isso entre 2 e 10 de dezembro mais ou menos. Não posso marcar ainda a data definitiva, por circunstâncias diversas. Entretanto, escreverei a v. confirmando, inclusive para, no momento oportuno, contar com sua colaboração na reserva de um hotel ou pensão de preço satisfatório. Irei com minha filha, que está interessadíssima em conhecer a Europa.

132Na expectativa de breve vê-lo pessoalmente, mando-lhe desde agora o meu abraço muito cordial.

133Do admirador e amigo

134Manuel Diégues Júnior

*

135Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rio, 29, outubro, 62

136Caro Jorge Dias,

137Estou recebendo neste momento sua carta de 22 do corrente, e lamento profundamente a possibilidade de não o encontrar em Lisboa. Muito embora sinta não o ver, nesta oportunidade, formulo votos por que se concretize o convite que lhe foi feito, para que mais uma vez v. seja portador da mensagem cultural de nossos povos em Inglaterra. Infelizmente, não creio seja possível ir a Londres, em virtude do curto tempo de que disponho para essa viagem. Se, entretanto, tornar-se possível informar-lhe-ei oportunamente; contudo, não me parece muito fácil.

138Espero, de outra parte, qualquer notícia sua quando confirmar-se sua saída. Creio que viajarei para Paris no próximo dia 5 à noite. Não sei se o avião tocará em Lisboa.

139Com meu grande e saudoso abraço, na expectativa de vê-lo em breve, cordialmente o amigo Manuel Diégues Júnior

*

140Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
16.11.64

141Caro Jorge Dias,

142Escrevo-lhe de Paris, de onde sairei quinta-feira próxima, 19, para Londres. Minha estadia em Londres será curta, pois espero sair no domingo 22, ou no mais tardar, na segunda 23 para Lisboa. Tudo dependerá de avião, isto é, se houver no Domingo irei no Domingo.

143Minha demora em Portugal não poderá ser muito longa, pois já estou sendo chamado do Brasil, e, além disso, a 4 ou 5 de dezembro deverei seguir para Santiago do Chile, onde terei uma reunião. Deverei, pois, ficar em Lisboa até quinta ou sexta: 26 ou 27, portanto.

144Muito me alegra revê-lo bem assim a outros amigos em Portugal.

145Tomei a liberdade de deixar com minha família seu endereço para remessa de correspondência a mim enviada; se receber alguma coisa, peço a fineza de guardar até minha chegada.

146Espero ir ao Hotel Borges, no Chiado, onde estive nas vezes passadas.

147Com a alegria de em breve abraçá-lo pessoalmente, renovo-lhe minhas saudações muito cordiais,

148Manuel Diégues Júnior

*

149Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Av. Pasteur, 431 – Estado Guanabara – Brasil
Rio, 20 de junho 65

150Meu caro Jorge Dias,

151Escrevi-lhe há algum tempo por intermédio do Odilo Costa, filho, que foi para Lisboa como adido cultural da embaixada do Brasil. Pedi que o procurasse, e estabelecesse contato, e fizesse amizade. É um amigo a quem muito prezo, e por isso gostaria que procurasse outro a quem igualmente muito prezo. Não sei se ele já o procurou. Levou meu bilhete, apenas uma rápida apresentação.

152Em começos de maio estive em São Paulo, numa reunião do Conselho da Associação Brasileira de Antropologia, quando então me encontrei com Loureiro Fernandes. Informou-me ele que v. deverá vir, ainda este ano, ao Brasil; está sendo programada uma visita sua, com viagem a Curitiba, conferência, outras coisas. Vou ainda esta semana procurar a adida cultural da Embaixada de Portugal para saber o que há; e caso necessário, oferecer nossos préstimos para colaborar em sua vinda.

153O objetivo desta é especialmente uma consulta. A Casa Ruy Barbosa está promovendo um amplo estudo sobre a literatura de cordel. Publicou já um catálogo que incluiu cerca de mil títulos; outro está sendo preparado. Publicou também uma antologia, com alguns textos selecionados; outra será ainda publicada. E projeta uma série de estudos sobre o tema: os gêneros de cantoria, a expressão literária, o estudo linguístico, etc, etc. Pediram-me os amigos de lá um estudo sobre o sentido social da literatura de cordel; o que ela representa no meio em que aparece, qual sua repercussão, como a sociedade reage a ela; o papel dessa literatura como comunicação e informação, como se manifesta a respeito dos fenômenos ou fatos do respectivo ambiente. Enfim, a posição da literatura de cordel em seu meio social.

154Estou reunindo material para este estudo, inclusive me preparando para uma leitura dos folhetos mais importantes, sobretudo quanto a certos ciclos – se assim podemos chamar – relativos a Antonio Silvino, padre Cícero, banditismo, etc. Que há publicado em Portugal, sobre literatura de cordel, ou quando menos sobre as “folhas volantes”? Não teriam sido estes os antepassados de nossos folhetos? São perguntas que estou tomando a liberdade de fazer ao caro amigo, sobretudo para indicar-me alguma bibliografia a respeito. Lembro-me que, em um de seus livros (Floresta de vários romances?) Teófilo Braga fala nas “folhas volantes”; também se encontra referência em “O Povo Português”, do mesmo Teofilo Braga; na “História da Cultura em Portugal”, de A. J. Saraiva, há informações, embora rápidas e poucas. Haverá, acaso, alguma publicação especial: livro, artigo, ensaio? Muito me alegraria se v. pudesse indicar-me alguma coisa a respeito.

155Num trabalho dessa natureza, teria de fazer alguma reconstituição histórica, em particular sobre suas origens mais remotas, sua existência em Portugal, sua vinda para o Brasil.

156Como vão nossos amigos Ernesto Oliveira e Fernando Galhano? Peço transmitir-lhes minhas saudações muito cordiais. V. recebeu meu estudo sobre “Imigração, urbanização, industrialização”? Lembra-me lhe ter mandado já há uns dois ou três meses passados.

157Na expectativa de ter sempre suas notícias, e rogando-lhe transmitir meus cumprimentos muito respeitosos à sua Senhora, mando-lhe meu cordial e muito agradecido abraço,

158Manuel Diégues Júnior
Rua da Matriz, 92
Botafogo
Rio de Janeiro, Brasil

Santa Catarina. Setembro-Outubro, 1951

Santa Catarina. Setembro-Outubro, 1951

Autor: Jorge Dias. Arquivo Centro de Estudos de Etnologia, Museu Nacional de Etnologia

*

159[carta de Jorge Dias para Manuel Diégues Júnior]
2/7/1965
Jorge Dias
Prof. Dr. Manuel Diégues Júnior,
Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Av. Pasteur, 431 – Rio de Janeiro – Estado de Guanabara – Brasil

160Meu caro Diégues,

161Desculpe só hoje responder à sua carta e agradecer a introdução do seu relatório que li com imenso interesse.

162Infelizmente quando recebi a sua carta meu Pai acabara de falecer após uma implacável doença e apesar de ser um homem já velho, foi para mim uma perda irreparável. Fiquei durante um tempo bastante apático, apesar de ter pouco tempo antes requerido um doutoramento em etnologia, na Faculdade de Letras de Lisboa. Em Portugal não havia antigamente tal doutoramento, razão pela qual tive de me doutorar na Alemanha há mais de 20 anos, mas já agora quis ser o primeiro a fazê-lo em Portugal e acabei a semana passada. Felizmente correu-me bem, pois tirei 20 valores, a nota mais alta no nosso País e que nunca tinha sido dada a ninguém da Faculdade de Letras de Lisboa. Por isso, estou de novo mais livre depois da grande aventura. Foi Gilberto Freyre que escolheu para título de um livro sobre os portugueses Aventura e Rotina. Eu sou sempre pela aventura e por isso mesmo gosto tanto do Brasil. Eu tenciono ir para Stanford em Setembro e espero que você fosse por Lisboa antes disso, pois gostaria imenso de o abraçar e estar consigo. De resto não creio que vá pelo Brasil! Eu tenciono ir de barco com a família, para poder levar os livros comigo, pois duvido poder encontrar livros portugueses, espanhóis, franceses e alemães, que me farão falta.

163Creio bem que um ano no Center for Advanced Study in the Behavioral Sciences vai ser de grande utilidade para mim, permitindo-me realizar uma obra que tenho em mãos e que aqui dificilmente levo a cabo com a quantidade de estudantes que tenho.

164Já pedi “O homem e o Trópico” do prof. Fraga de Andrade que em próprio não conheço.

165Se eu puder, no regresso dos Estados Unidos passo pelo Brasil para a minha família ficar a fazer uma ideia dessa terra única e fascinante. Você não faz ideia das saudades que às vezes tenho.

166O Pe Alvaro Miranda Santos telefonou-me ontem. O Galhano está bem mas o Ernesto de Oliveira fez uma operação à próstata e está reconvalescente.

167Receba um abraço de sincera e reja amizade do seu colega de sempre Jorge Dias

*

168Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rio de Janeiro, 10 de setembro de 1965
Prof. Jorge Dias
Centro de Estudos de Antropologia Cultural
Rua Rodrigo da Fonseca, 14-16 R/C
Lisboa – Portugal

169Meu caro Jorge Dias,

170Apesar de ter pensado em escrever-lhe antes, a propósito de seu cartão, sobretudo para agradecer a gentileza das indicações bibliográficas que me mandou, não me foi possível fazê-lo logo, à vista do acúmulo de trabalhos no mês de agosto, com a preparação do relatório anual do CENTRO. Mas aqui estou, gratíssimo a v. pela remessa das sugestões sobre literatura de cordel, muito úteis.

171Esteve aqui comigo o Padre Miranda Santos, à procura de informações e bibliografia sobre relações raciais; no CENTRO e pessoalmente, possibilitei o que me estava à mão. Creio que saiu satisfeito. Pedi-lhe, no dia em que lá esteve em despedida, que lhe transmitisse meu abraço, com a informação de que em breve lhe escreveria. Foi justamente na fase aguda de assunto administrativo.

172É pena que v. não tenha podido vir este ano ao Brasil. Em que mês de 66 você irá a Stanford? Conheci, em abril passado, quando de minha visita aos EE.UU. o Center for Advanced Study in the Behavioral Sciences; é um local magnífico, muito agradável, onde o sujeito pode trabalhar livremente, sem preocupações e sem ruídos. Como o ano próximo é de Conferência da UNESCO, deverei ir à Europa, e pensava no regresso passar uns dias em Lisboa; estou vendo, porém, que não o encontrarei. Espero, entretanto, que a época de sua passagem pelo Rio, a caminho de Stanford, coincida com minha presença no Rio, pois às vezes sou levado a viajar inesperadamente.

173Rogo transmitir meus cumprimentos aos nossos amigos Veiga de Oliveira e Galhano. E esperando ter sempre suas notícias, mando-lhe meu alegre e cordial abraço. Sempre seu

174Manuel Diégues Júnior

175Addendum: Fui informado ter sido publicado pela Junta de Ultramar o livro “O Homem e o Trópico”, do Prof. Fraga de Andrade. Como não o recebi, agradeceria um telefonema seu à Junta para me enviar. Tenho recebido outras coisas. Gratíssimo

*

176Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rio, 29.XI.65

177Muito estimado Jorge Dias,

178Estou acabando de receber sua carta de 24 do corrente, e logo me apresso a escrever-lhe sob duplo sentimento: o pesar, ao lhe transmitir meus sentimentos pelo falecimento de seu pai, e o de alegria, pelo doutoramento obtido com tal significação. Lamento muito que os dois fatos tenham coincidido, não podendo v. gozar a plena satisfação do triunfo obtido. Rogo receber, com os seus, o testemunho de nosso pesar, esperando que suas atividades vão preenchendo o vazio da presença de seu Pai, a quem Deus Dara o descanso eterno.

179Infelizmente, minha passagem em Portugal no ano próximo somente se dará depois de setembro, ou mais exatamente em outubro ou novembro, pois irei para a Conferencia da UNESCO, que se iniciará a 25 de outubro. Se me ocorrer alguma oportunidade de ir antes a Europa, é claro que reservarei uns dias para Portugal a fim de vê-lo e abraçá-lo. De qualquer maneira, espero que v. possa, ao regressar dos Estados Unidos, passar pelo Brasil, alguns dias de contato com a terra. Se bem que por seus cálculos, isso somente possa realizar-se em 1967, aguardo essa alegre oportunidade.

180Formulo votos para que o nosso prezado Ernesto de Oliveira já esteja de todo restabelecido. Abraços para ele e para o Fernando Galhano.

181Com o velho apreço e a estima muito cordial, o abraço amigo do

182Manuel Diégues Júnior

*

183Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Dez. 1967

184Meu caro Jorge Dias amigo,

185Apresso-me a escrever-lhe para expressar o meu pesar pelo que acaba de suceder à nossa querida Lisboa em temporais e enchentes que tanto a atingiram, sobretudo seus arredores. Espero que a v. e aos seus nada tenha acontecido; igualmente a todos os nossos amigos. E faço votos para que tudo tenha voltado à normalidade.

186Recebi três volumes de Os Macondos – o I, o II e o IV. O III não saiu ainda? Recebi também seu trabalho sobre colonização no Paraná que li com o maior interesse.

187É sempre motivo de alegria receber suas notícias, e por isso mesmo as aguardo com o maior interesse. Rogo recomendar-me à Esposa e lembrar-me aos nossos amigos do CENTRO, especialmente o Ernesto e o Galhano.

188Com os melhores votos de um Feliz Natal e prosperidades no próximo ano, cordial abraço do

189Manuel Diégues Júnior

*

190Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rua D. Mariana 138 Rio de Janeiro – Estado da Guanabara – Brasil
Rio de Janeiro, 4 de setembro de 1968
Ilmo. Sr.
Dr. Jorge Dias
Ginza Tokyo Hotel
Toquio – Japan

191Meu caro Jorge Dias,

192Foi com alegria que recebi sua carta de 25 de agosto, escrita de Tóquio, justamente quando andava preocupado com a ausência de suas notícias. Elas, porém, me chegam excelentes, sobretudo pela oportunidade que você tem de estar no Oriente, em zona tão caracteristicamente própria, embora onde a presença portuguesa, no período da expansão, tenha sido tão significativa. É o que dizem os cronistas.

193Tive muita vontade de ir ao Congresso de Ciências Antropológicas, mas se tornou absolutamente impossível minha saída do Brasil, neste momento, não apenas pelos absorventes problemas do CENTRO, como ainda pelas perspectivas que tenho da próxima saída em outubro-novembro; tais coisas tornaram difícil poder sair agora.

194Soube que o artigo a respeito da documentação etnográfica foi publicado no “Diário de Notícias”, e havia tido alguma repercussão. Falou-me o Josué Montello, presidente do Conselho Federal de Cultura, que estava em Lisboa, no momento da publicação; e imediatamente transmitiu instruções ao Pedro Calmon para conversar com o presidente da Calouste Gulbenkian, a fim de estudar a possibilidade de compra da coleção – foi esta a informação que o Josué transmitiu oficialmente ao Conselho Federal de Cultura. Depois que ele falou, insisti no assunto, dizendo justamente o que você me manda dizer agora em sua carta: seria esta no ano das comemorações cabralinas, a mais autentica manifestação que se poderia prestar a Portugal, deixando no Museu do Homem Português o material de origem indígena brasileira.

195Desejo tenha sido bem sucedido em sua visita aos Ainus. Infelizmente, quando estive no Japão, há uns dez anos atrás, não me foi possível ir ao norte, principalmente para conhecer a comunidade ainu, que deve ser bastante interessante.

196Espero passarem Lisboa em novembro de volta de Paris. Lamentavelmente os meus afazeres este ano estão muito sobrecarregados, o que me impede de uma demora mais longa como desejaria. Deus permita que no ano vindouro tenha disponibilidades que me permitam passar mais largo tempo em Portugal, na convivência de amigos tão estimados, como é o seu caso. Além disso, quero aproveitar o tempo em que o Fernando Manuel está por lá pois será também agradável revê-lo nesta temporada lusitana.

197Desejo uma excelente estada em terras japonesas. E com os melhores votos de felicidades, mando-lhe um abraço muito cordial e amigo,

198Manuel Diégues Júnior

*

199Rio de Janeiro, 3 de janeiro de 1969
Dr. Jorge Dias
Centro de Etnologia Peninsular
Rua Jau, 54
Lisboa – Portugal

200Muito estimado Jorge Dias:

201Recebi sua carta de 17 de dezembro e ainda uma vez obrigado por suas generosas palavras. Infelizmente, não me foi possível escrever-lhe logo, o que ora faço, inicialmente desejando-lhe muitas felicidades neste novo Ano. Rogo transmitir estes votos à sua senhora, de quem guardo tão excelente recordação, aos seus filhos e aos nossos colegas.

202Aqui estamos vivendo um calor que, segundo os técnicos, há muitos anos não se verificava. Não é apenas senegalesco, para usar o lugar comum; é quase de completo deserto, tal a falta de ventilação. Nem as noites se pode dizer que são boas; ao contrário: tem estado tão quentes quanto o próprio dia. O ânimo de fazer qualquer coisa se evapora como se fosse o próprio suor. Porque este, a rigor, não se evapora; com a nossa maneira de trajar, ele mais se acumula no corpo e mais contribui para o desânimo. Tenho inveja de vocês nesta época, com frio que, mesmo forte, é sempre menos desanimador – ou não o é, aliás – do que o calor.

203Depois que daí regressei, animei-me a redigir a palestra inaugural que ai fiz sobre os estudos antropológicos no Brasil. Seguindo o esquema de que me servira na palestra, redigi um primeiro texto, que agora estou revendo e adaptando, não só para acrescentar alguma coisa que me escapara, como ainda para dar maior ou menos ênfase a outras. Logo que esteja pronto o trabalho enviarei uma cópia para o arquivo do Centro. Claro que a utilidade, como friso, será puramente informativa.

204Aguardo ansioso seu trabalho sobre o caráter nacional português. Creio que a Antropologia deve dar ênfase, em nossos tempos, a estes estudos de transformação, de mudança, principalmente no que se refere ao caráter, às atitudes, à personalidade base. Os fatores que são muito diversos, atuam de maneira distinta, aqui ou ali, e por isto mesmo mais se impõe a necessidade desses estudos. Claro que não podemos falar de cultura brasileira de hoje – ou da portuguesa como v. se refere – como era há 50 anos. Acredito, inclusive, que entre nós o processo se tenha tornado mais acelerado que em Portugal, sobretudo porque os fatores atuantes têm sido não só diferentes como também mais atuantes e acelerados.

205Não podemos – os que nos preocupamos com os estudos antropológicos – deixar que só os economistas falem de crescimento econômico, os só os sociólogos falem de transformação social; os que estudam Antropologia devemos colocar estes estudos num contexto mais amplo, que é o da mudança cultural que afeta o econômico, o social, o político, o psicológico, etc., conforme a natureza dos fatores que atuam. Cada vez acredito mais que seria indispensável, para portugueses e brasileiros, um estudo sobre a permanência dos valores lusos em várias áreas, sua adaptação e suas transformações, o que nos daria um retrato do que éramos e do que estamos sendo. Foi, aliás o que propus no Congresso das Comunidades de Cultura Portuguesa e figurou, com algumas adaptações, nas conclusões da comissão de “Convergência étnico-cultural”.

206De outra parte, estou pensando em reeditar Regiões Culturais do Brasil mas para fazê-lo é indispensável atualizar algumas partes, em face das transformações, rápidas e não raro profundas, verificadas nestes últimos dez anos. São fatos importantes que afetam o quadro cultural das regiões então estudadas. O livro está completamente esgotado; mas a procura continua grande e é necessário, por isso, reeditá-lo. Vou tentar este ano fazê-lo.

207Desculpe, mas já me estendi bastante, roubando-lhe seu tempo tão precioso para o trabalho criador. Recomende-me a D. Margot e aos prezados Amigos do Centro, incluindo o estimado casal Bandeira.

208Um alegre e cordial abraço do

209Manuel Diégues Júnior

*

210Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Science
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rua D. Mariana 73 – Rio de Janeiro – Estado da Guanabara – Brasil
Rio de Janeiro, 18 de julho de 1969
Ilmo. Sr.
Dr. Jorge Dias
Centro de Estudos de Antropologia Cultural
Rua Jau, 54
Lisboa – Portugal

211Estimado Jorge Dias,

212Em separado, pelo correio marítimo, estou enviando-lhe um exemplar das obras completas de Afonso Arinos, que foi um dos nossos melhores regionalistas, com aproveitamento de temas folclóricos. Sua obra, em grande parte, esgotada, foi reunida neste volume publicado em comemoração ao centenário de seu nascimento. Creio que será uma leitura de agrado. Recebi seu cartão de 25 de abril que infelizmente não pude responder logo como tanto desejava. Muito agradeço suas observações a respeito de meu trabalho sobre racismo, preparado, aliás, um tanto às pressas, pelo que há ainda imperfeições. Infelizmente, o ideal tão desejado está muito longe de ser atingido. Na realidade, se nos civilizamos na técnica, continuamos bárbaros nas relações humanas – como você diz. Estamos em véspera de ocupar a lua, e a miséria, a segregação, os ódios, as lutas continuam conflagrando os homens. Que não dirá de nós a lua?

213Aliás, estou romanticamente triste com essa ocupação da lua pelo homem. Você já pensou que não poderemos mais ter noites de luar sem presunções? Não será que alguém lá de cima estará olhando os enamorados? Não será que, sendo ocupada mecanicamente, com computadores eletrônicos, a lua deixará de ser a atração dos namorados? Para nós que não estamos mais na idade de namorar, sentimos que os jovens perderam a lua, e é triste! Você já pensou também a desilusão das crianças, quando souberem que São Jorge, montando em seu cavalo, não está na lua? E como ficarão desprestigiadas as tradições populares em torno da lua, de São Jorge, das curas e de tanta coisa mais?

214Afinal, os sábios é que sabem os segredos da natura, como lá dizia o poeta. Recomende-me aos amigos do centro. Recebi carta do Carreira anunciando viajar à África. Já foi. Lembre-me à sua senhora. E peço também que diga a seu filho que, quando tiver oportunidade de passar no Rio, me procure. Gostaria não só de conhecê-lo, como também de aproveitar para mandar a vocês coisas nossas que não podem ir pelo correio.

215Cordial abraço de,

216Manuel Diégues Júnior

*

217Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rua Dona Mariana, 138, Botafogo.
Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 1969
Ilmo. Sr.
Dr. Jorge Dias
Centro de Estudos de Antropologia Cultural
Rua Jau, 54
Lisboa – Portugal

218Caro Amigo Jorge Dias,

219Somente hoje posso responder a seu cartão de 29 de outubro, pois andei viajando e, com essas ausências, retardei a correspondência. Mas, desde logo, quero associar-me, com satisfação, à alegria de haver incorporado ao Centro a coleção do índio brasileiro. Isto é muito importante, e creio mesmo seria motivo para uma ampla divulgação, tendo em vista o valor da coleção. Um grande abraço, extensivo aos companheiros do Centro, por esta aquisição. Gostaria que me mandasse uma nota com melhores informações sobre a coleção, a fim de divulgar na revista do Conselho de Cultura e em América Latina.

220Andei reconstituindo, sem lhe tirar o caráter de aula, a palestra que aí fiz em novembro do ano passado, e a publiquei no primeiro número da Revista Brasileira de Cultura, que está sendo divulgado. Já solicitei a remessa de exemplares para os Amigos do centro e outros de Portugal.

221A propósito do envio, para seu museu, de peças de cultura popular do Brasil atual, vou conversar com o nosso comum Amigo Arthur Cezar Ferreira Reis, presidente do Conselho de Cultura, a fim de ver como poderia o Conselho celebrar esse projeto. Talvez não seja difícil; o problema deverá estar em fazer o transporte. Contudo, penso que a Embaixada de Portugal e a TAP poderiam colaborar nessa parte. Oportunamente escreverei a respeito.

222Rogo recomendar-me à sua senhora, e transmitir minhas lembranças aos caros amigos do Centro.

223Um cordial e alegre abraço do

224Manuel Diégues Júnior

*

225Rio de Janeiro, 28 de maio de 1971
Ilmo. Sr.
Prof. Jorge Dias
Centro de Antropologia Cultural
Rua Jaú, 54
Alto de Santo Amaro Lisboa – Portugal

226Caro Amigo Jorge Dias,

227Circunstâncias diversas não me permitiram responder logo sua carta de 3 de março; e entre elas, a principal era o desejo em que estávamos, no Programa do Curso de Mestrado em Antropologia Social, de oferecer-lhe uma contraproposta. Isto, entretanto, não foi possível resolver, de imediato. Só agora, e ainda com os lamentos por não podermos contar com sua colaboração neste próximo segundo semestre, perguntaríamos se não seria possível esta colaboração em 1972. Daqui para o primeiro semestre de 1972, v. teria tempo suficiente para arrumar seu programa de atividades, e assim pensar na possibilidade de passar connosco uma temporada de 72.

228Nossa preocupação é diversificar quanto possível a procedência de professores; temos tido norte-americanos e latino-americanos, além do grupo permanente de brasileiros. Seria altamente interessante, para o alunado, pudesse contar com a participação de professores europeus, e, de modo particular, mais aproximados espiritualmente de nós, como é o caso do português e, seguidamente, do francês ou do italiano, por exemplo. Daí termos pensado insistentemente em seu nome, para começar um plano neste sentido.

229Espero possa estudar com a atenção devida a possibilidade aqui sugerida, e encontrar condições que permitam sua presença no curso em 1972. Seria uma grande alegria para nós, e para mim, em particular, sua participação no Programa de Antropologia Social.

230O Professor Roberto da Matta, que dirige o Programa, tem o propósito de, em fins de 72 ou em 73, passar uma temporada em Portugal a fim de dedicar-se a pesquisas em comunidades lusitanas. Até agora tem trabalhado, principalmente, em índios, e gostaria de diversificar sua preocupação etnológica. Disse-me ele que, no momento oportuno, escreverá a você, a fim de articular-se com o Centro de Estudos de Antropologia e contar com o apoio e colaboração de sua equipe para esse trabalho. Trata-se de pessoa de excelente formação intelectual e, sobretudo, de magnífica convivência.

231Rogo transmitir meus cumprimentos à sua senhora e minhas lembranças aos amigos do centro.

232Com os melhores votos de felicidades, um abraço muito cordial do
Manuel Diégues Júnior

233Diretor.

Rio de Janeiro. Setembro-Outubro, 1951

Rio de Janeiro. Setembro-Outubro, 1951

Autor: Jorge Dias. Arquivo Centro de Estudos de Etnologia, Museu Nacional de Etnologia

*

234[carta de Jorge Dias para Manuel Diégues Júnior]
Jorge Dias s/d
Exmo Prof. Dr. Manuel Diégues Júnior
Diretor do Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Rua D. Mariana, 438, Botafogo
Rio de Janeiro, Estado Guanabara, Brasil

235Acuso a recepção da sua amável carta (Ref. COOP/502/71) de 28 de Maio passado, em que [?] convite para fazer um curso no Programa de Curso de Mestrado em Antropologia Social no primeiro semestre de 1972.

236Confesso que a ideia de passar uma temporada no Rio me seduz muito, porque adoro o Brasil e tenho lá alguns bons amigos. Além disso, uma recusa agora, será dada a minha idade e saúde – fechar definitivamente uma porta que tantas vezes se abriu acolhedoramente.

237Porém, antes de responder definitivamente, gostava de fazer algumas perguntas que são importantes para mim, dado o meu estado de saúde precário. Primeiro, quantas horas de aula tenho por semana? Segundo, quantos alunos costumam frequentar em média, esses cursos? Terceiro, são só alunos pós-graduados, ou também alunos vulgares?

238Também preciso de saber se aí se ganha o suficiente para viver, ou se preciso obter de Portugal qualquer subsídio, pois segundo ouço dizer a vida aí é muito cara. Quem paga as viagens, são vocês ou tenho de arranjar uma ajuda de qualquer instituição?

239Também gostava de saber qual é o período exato de permanência no Brasil. Por um lado, o primeiro semestre deve ser muito quente, mas evito o inverno português que me custa bastante a suportar. Entre os dois males parece-me que prefiro o calor.

240Como vê acarinho a ideia, embora não seja isto já uma aceitação – porém não quero dizer que não sem tentar vencer os obstáculos.

241Lembranças de todos os meus companheiros, entre os quais está incluída minha mulher.

242Com os melhores agradecimentos, abraça-o com toda a cordialidade.

243Jorge Dias

244Diretor

*

245Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rio de Janeiro, 30 de dezembro de 1971
Prof. Jorge Dias
Centro de Antropologia Cultural
Rua Jaú, 54
Alto de Santo Amaro
Lisboa – Portugal

246Caro Amigo Jorge Dias,

247Não quis terminar o ano sem escrever-lhe, tantas são as faltas em que estou. Na realidade, tive um ano atribulado, a que se somaram aos trabalhos e encargos alguns períodos de doenças, felizmente breves e rapidamente superados. Com tal acúmulo, também a correspondência se acumulou; e se foi o tempo passado.

248Creio que lhe devo carta. Se a devo, perdoe-me pelo atraso na resposta. Se não a devo, espero que 1972 me permita manter em dia a correspondência, sobretudo quando se trata de amigos estimados, cuja lembrança esta sempre presente, embora não possamos manifestar sempre este apreço, mesmo através de palavras e letras manuscritas ou datilográficas.

249Reportando-me à ideia de trazê-lo para o curso de Antropologia que se tem mantido, graças a Deus, com bom êxito, não foi possível concretizar esse propósito, sobretudo pelas modificações que a partir de junho foram estabelecidas, e que entraram a vigorar justamente no segundo semestre de 1971. Creio que numa de suas cartas fazia v. uma série de perguntas a respeito do curso, do custo de vida no Brasil, período do curso, etc, etc. Pelo que ficou acertado suspendendo-se, para o segundo semestre de 71 a vinda de professores estrangeiros, não me foi possível responder, de imediato, ao seu questionário. Contudo, desejaria esclarecer que sua vinda, se concretizada naquele momento, ou efetivada em futuro, seria cercada de todas as garantias não apenas intelectuais como materiais. Acredito que se voltarmos a cogitar de trazê-lo, o que desejo se concretize em breve tempo, a direção do programa mandará, antecipadamente, todas as informações precisas.

250O Conselho Federal de Cultura, de que é Presidente atualmente o nosso preclaro Arthur Cesar Ferreira Reis, iniciou a publicação das obras de Alexandre Rodrigues Ferreira, o que é contribuição altamente valiosa para os estudos etnológicos no Brasil. Saíram já dois volumes de desenhos por ele registrados em viagens, sobretudo na Amazônia. Deverão sair, em breve, volumes de texto. Tem sido nosso pensamento, do Reis e meu, enviar-lhe estes dois volumes já publicados. O problema é a remessa. Não confiamos muito em correio; são dois volumes grandes e pesados, o que dificulta ocupar um portador. Vamos pensar como fazê-lo. Se lhe ocorrer alguma sugestão, quanto à maneira de remessa, mande-nos dizer. Rogo transmitir meus cumprimentos à sua Senhora, cujos trabalhos continuo apreciando. Já recebi os quatro volumes dos Macondes. Tem mais algum a sair? Transmite minhas lembranças, igualmente, a todos os companheiros e amigos do Centro de Estudos de Antropologia. A eles igualmente gostaria de escrever, mas o tempo me vai consumindo em papelada burocrática, em aulas e outras pequenas coisas.

251Peço a Deus que lhe dê um 1972 muito alegre e próspero, sobretudo quanto à efetiva realização de seus trabalhos e à organização do Museu. Muitas alegrias e prosperidade para toda sua família. Também para os amigos do Centro.

252Um abraço muito cordial, de velho apreço e estima,

253Manuel Diégues Júnior

*

254Centro Latino Americano de Pesquisas em Ciências Sociais
Centro Latinoamericano de Investigaciones em Ciencias Sociales
Latin American Center for Research in the Social Sciences
Centre Latinoaméricain de Recherches em Sciences Sociales
Rio, 1 de dezembro 72

255Meu caro Jorge Dias,

256Há dias passados me chegou às mãos um pacote contendo vários trabalhos seus, separatas de artigos ou coisas originais, muitas das quais – e daí pode ver o apreço em que o tenho – já havia lido anteriormente. Não lhe pude agradecer logo, porque, no dia seguinte, estava de viagem – retorno às origens, isto é à terra natal, onde a convite do Instituto Histórico Geográfico das Alagoas fui fazer uma conferência sobre as consequências sociais da Independência.

257O agradecimento, portanto, vai atrasado, o que não impede de ser muito sincero e profundo. Dos trabalhos recebidos, dois pelo menos levei na viagem para leitura; e dos outros; depois que cheguei já andei relendo; embora, não raro, um pouco por cima, pois já os conhecia de antes. Há alguns, inclusive, que figuram nas indicações bibliográficas de minhas aulas de Antropologia.

258Quando o teremos, outra vez, pelo Brasil? Infelizmente, não foi mais possível planejar um curso seu no Mestrado em Antropologia Social, do Museu Nacional, como anteriormente pensamos. Mas desejo que a oportunidade possa aparecer, em breve tempo.

259E os nossos amigos do Centro de Estudos de Antropologia? Um abraço a cada um, em particular. Não os esqueço, mas infelizmente os trabalhos do dia-a-dia vão tirando nossa coragem de escrever ou de manter os contatos, através da correspondência mais minuciosa. Minhas lembranças a todos eles. Espero ter sempre suas notícias. Recomende-me à senhora e lembre-me aos amigos.

260Um abraço muito cordial, de velho apreço e estima do

261Manuel Diégues Júnior.
Rua da Matriz, 92 Botafogo
Rio de Janeiro, GB, Brasil

Table des illustrations

Titre Santa Catarina. Setembro-Outubro, 1951
Crédits Autor: Jorge Dias. Arquivo Centro de Estudos de Etnologia, Museu Nacional de Etnologia
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7202/img-1.png
Fichier image/png, 398k
Titre Rio de Janeiro. Setembro-Outubro, 1951
Crédits Autor: Jorge Dias. Arquivo Centro de Estudos de Etnologia, Museu Nacional de Etnologia
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7202/img-2.png
Fichier image/png, 393k

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search