Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

José Loureiro Fernandes

Texte intégral

114/2/1952

2Meu caro Jorge Dias

3Recebi sua carta. Estou de partida para a Espanha. Devo chegar a Lisboa a 21 ou 22. O Prof. Mendes Correia quer que eu faça uma comunicação à Sociedade de Geografia a 24 ou 25 de Fevereiro e devo mostrar os filmes. Peço-lhe pois, que o amigo faça chegar os mesmos à Lisboa antes da comunicação. Poderá encaminhá-las ao Prof. Mendes Correa ou ao Prof. Remy Freire – (Rua de Luciano Cordeiro nº 9, 2º andar Lisboa.

4Parabéns pela eliminação de cálculo. Aprendi umas técnicas para retirá-los pelas vias naturais, sem muito martirizar o paciente. Ensaiarei em Curitiba.

5De Lisboa espero ir a Coimbra, assentaremos os planos. Dê-me uma palavrinha para o Suíço Atlântico Hotel.

6Recomendações de Gabriela ao amigo e a todos os seus as quais me associo.

7Um abraço do Loureiro

*

8Curitiba 5 de abril 1952

9Meu prezado amigo

10Recebi com devido tempo sua carta e como esperava logo receber as publicações prometidas aguardei-as esperando chegassem logo. Ficou, por isso, sua carta com resposta adiada, e que, agora verifico, por mais de três meses.

11Acabo de receber e ler com muito interesse “Sacrifícios simbólicos associados às Malhas”. Leitura que me foi muito proveitosa, não só pelo registro do tema, mas também pelo estudo comparativo e comentários eruditos que o trabalho encerra. Temos no Paraná, no que diz respeito aos cereais, que eu saiba, apenas festas de colheita que sobrevivem em alguns núcleos de origem eslava. Não tive oportunidade de me ocupar desse assunto, mas vou me informar a respeito.

12Como seria possível obter o seu trabalho “a queima do Judas” citado na sua monografia. Poder-me-ia fornecer indicações bibliográficas a propósito das fogueiras de S. João e Sto. Antonio em Portugal?

13Como se oferece a obter fotografia ou desenho ao que foi útil aos nossos trabalhos, ousaria pedir-lhe que me enviasse um documentário sobre as antigas prensas portuguesas semelhantes às nossas de mandioca, bem como sobre as ceiras para espremer azeitonas e que lembram o tipiti caboclo.

14Como vão os estudos portugueses sobre trançados ou cestarias, no nosso seminário da Cátedra de Antropologia, com a presença de Herbert Baldus, o etnólogo do Museu Paulista, tivemos oportunidade de novamente agitar o problema e alimentar a esperança que de Portugal nos venham novos elementos.

15Quero comunicar-lhe que de acordo com Renato de Almeida, incluímos no temário do 2º Congresso de Folclore, na parte de artesanato, o trançado. Será que de Portugal não nos virá uma contribuição. O Governo do Paraná fará um convite oficial a Portugal para novamente se representar no Congresso Brasileiro de Folclore.

16É possível que nos encontremos em Setembro, pois, ao que parece, representarei a Universidade do Paraná, no Congresso Internacional de Antropologia em Viena. O Baldus também irá bem como o Luis de Castro Faria.

17Meu filho Manuel Antonio, está fazendo um curso de Filosofia na Universidade de Milão, tudo, pois, nos convida a ir a Europa.

18Remeto-lhe uma foto, pormenor de Trançado, ato de colocar o Tanchão, (em Portugal também denominam assim a tala que regula a alvenaria do trançado das paredes do cesto?) como um convite ao trabalho um trançado. Renovando lhe meus agradecimentos e cumprimentos pelo seu belo trabalho peço disponha dos poucos méritos do seu amigo e admirador

19Loureiro Fernandes

*

20Clínica do Dr. Loureiro Fernandes
Rua José Loureiro, 320
Curitiba
Curitiba 25 de Maio de 1952

21Meu caro amigo Prof. Jorge Dias

22Com muita satisfação recebi sua carta de 24 de abril e os trabalhos que já conhecia “Minho, Trás os Montes, Auto Douro, pois a biblioteca do Museu Paranaense o possui.

23Foi-me muito útil “a queima do Judas” mas a sua iniciativa de enviar-me “o Pio de piar os milhos” foi maravilha, pois, tenho algum documentário de monjolo, como aqui chamam os pios. Os instrumentos hidráulicos são mais comuns do Paraná, mas também os há acionados pelo homem, um desse tipo que me pareceu documental, encontrei na reserva do posto indígena (caingangues) do Ivaí. Talvez faça a respeito um trabalho, sobre o monjolo, para o congresso de folclore.

24A propósito do Congresso quero lhe fazer uma sugestão. Disse-me que virá ao de S. Paulo (para o qual foi convidado) ora o IV Centenário de S. Paulo distará pouco mais de quatro meses do II Congresso de Folclore que será em agosto em Curitiba, consultava-o se não seria a oportunidade de permanecer estes meses entre nós, caso não colida com outros planos seus para 1953 poderei encaminhar o assunto. Como sabe toda uma comunidade de origem alemã deslocou-se o ano passado da Europa para o Município de Guarapuava no interior do Paraná, falamos a este respeito, parece-me que mostrou interesse num estudo, poderíamos acertar isso, creio que até com o Governo do Estado. Por outro lado poderíamos programar um curso de Etnografia no qual o meu amigo ministrar-nos-ia os seus conhecimentos especializados de Etnografia Portuguesa, muito útil seria, para preparar as nossas gerações para o nobre labor de salvar todo um patrimônio de valores tradicionais que através do elemento luso aqui chegou e por vezes transformou-se, dando-nos problemas etnográficos regionais para cujas soluções necessitamos de valores portugueses. Como sabe irei à Cambridge (Aos americanistas) e depois a Viena. Se Deus quiser estarei em Portugal pela segunda quinzena de Julho poderia escrever-me antes. Conversaria com o Reitor da Universidade e assentaríamos as bases para o seu contrato. Faria na Faculdade de Filosofia do Paraná um curso de extensão universitária que poderia ser interrompido por excursões do seu interesse.

25O Prof. Jaime Cortesão aqui esteve entre nós realizando um curso e deixou um grande interesse nos nossos intelectuais pela cultura portuguesa. Há portanto, na sugestão que lhe faço múltiplos aspectos que devem ser encarados.

26Pense e escreva com toda a franqueza a este seu amigo, pois assim antes de viajar poderei conversar com o [?] e o Reitor e aí teremos um entendimento final. Para nós seria um prazer e de grande utilidade termos no 2º semestre do ano letivo de 1953 o Prof. Jorge Dias regendo um curso de extensão universitária. Curso que viria incentivar a pesquisa orientando e estabelecendo seguras normas de trabalho “em campo”.

27Outro assunto o Prof. Cortezão, a propósito de uma enxada encontrada numa antiga redução jesuítica informou-me que provavelmente o Prof. Jorge Dias tivesse elementos para caracterizar se realmente pertenceu ao século XVII. Poderei enviar documentário?

28Estou lhe remetendo, pelo correio comum, um trabalhito, homenagem a um nosso devotado historiador peço apenas sua atenção para as páginas 19 e 20, o Paraná não difere muito do resto do Brasil no que se refere ao tradicional patrimônio luso.

29Aguardando uma sua resposta, antes de julho próximo, abraça-o o amigo certo

30Loureiro.

*

31Lisboa 14 de Julho 1952

32Meu Caro Jorge Dias.

33Eis-me em Lisboa, a bela cidade onde devo permanecer até o próximo Domingo. O Baldus e um filho meu, aluno na Universidade de Milão, esperam-me aqui, alojado estou no Suisso Atlântico Hotel – Rua da Glória 3. Um hotel modesto, mas que me agrada muito por ser frequentado por gente da Terra, e não ter aquele aspecto standartizado de todos os hotéis por onde tenho passado quero ver se aí no Porto encontro um idêntico, aliás a indicação foi dada ao Baldus e foi exata. Baldus viajou ontem para a Espanha e de lá irá à Inglaterra.

34Escrevo-lhe para saber se depois do dia 22 ou 24 de Julho estará no Porto, pois, tenho um grande desejo de visitar o Centro de Estudos Estratégicos da Universidade do Porto, na hipótese do amigo lá não estar peço-lhe deixar o assunto encaminhado com o seu assistente.

35Grato ficaria se pudesse com urgência dar-me uma notícia aqui para o Hotel onde permanecerei até Domingo próximo

36Abraça-o o amigo grato

37José Loureiro Fernandes

38P.S: Levo uma apresentação ao Reitor da Universidade do Porto Prof. Amandio Tavares do Reitor de Curitiba. Trago démarches iniciais para a realização curso em Curitiba.

*

39Paris 31-12-52

40Meu caro Jorge Dias

41Recebi o mês passado sua carta em resposta a minha primeira pois da nossa estadia em Viena. Não lhe respondi logo, pois, esperava uma resposta do Reitor, a qual chegou, no momento que preparava o cartão de cumprimento pelo novo ano. Carta muito boa, na qual o Reitor expressa a sua “grande satisfação” pela minha atuação e nos vários assuntos que ela destaca. (Transcrevo) “Portugal – Você encontrará, em Portugal, ofícios remetidos por avião, aos Reitores do Porto, de Lisboa e de Coimbra, em especial, ao Dr. Gustavo Cordeiro Ramos. Ao Dr. Cordeiro Ramos digo que a questão de professores contratados será solucionada e o seu regresso, dada a necessidade de preencher finalidades administrativas (proposta CTA [cons. Técnico administrativo], aprovação do Conselho Universitário, classificação de verbas etc). São ofícios muito amistosos com muitos agradecimentos.”

42Por esse trecho da carta do Reitor que transcrevi acima vê você as cousas vão bem e que as relações de intercâmbio cultural entre as Universidades Portuguesas e a Universidade do Paraná, tarefa do qual quero ser um dos humildes obreiros, vai em muito bom caminho. Cabe agora, aos nossos amigos portugueses auxiliarem-nos na tarefa, que eu considero de profundo significado, pois creio que em nenhuma região do Brasil como Santa Catarina ou Paraná, a cultura portuguesa perdeu tanto da sua viva influência ou melhor significação. Entretanto o amigo sabe que na realidade esse fundo sobrevive e de modo notável em todo o Estado. Precisamos é valorizá-lo a luz de estudos. O pessoal aqui em Paris (do Folk e da Tecnologia) está muito interessado em ver os filmes (os dois) que deixei em Lisboa: se o amigo ainda não os apanhou peço-lhe que tenha um entendimento com o Remy Freire (é um Patrício que leciona estatística na Universidade do Paraná e que chegou à Lisboa no dia 24 de dezembro e tem telefones meu figura no catalogo de telefone de Lisboa) que se encontra na casa de seu Pai Garibaldi Freire (RUA LUCIANO CORDEIRO nº 9, 1º andar).

43O Prof. Remy segundo carta vem a Paris, creio que depois dos reis e quem sabe poderia-me trazer os dois filmes. Considere sem efeito esse pedido se o assunto não for facilmente exequível, não há tão grande interesse, apenas satisfazer curiosidade de especialistas embora a minha estadia seja curta em Portugal, devo ir a Coimbra, e não que você duvide que eu seja seu amigo farei “um bate papo” a seus alunos sobre o Estado do Paraná mostrando os filmes e slides irei fazer isso nos primeiros dias de Fevereiro se estiver de acordo. [?] pelo tipiti português. Não esqueça a prensa. Com nossas recomendações minha e de Gabriela a você e a todos os seus aí vai um grande abraço do Loureiro.

*

44Suíço Atlântico Hotel
Lisboa
7 de Março 1953

45Meu caro Jorge Dias

46Recebi sua carta e o plano do curso, mas no dia seguinte, por singular coincidência encontrava no Hotel o Prof. Amandio Tavares, pelo qual fui sabedor da indicação do seu nome para a cátedra de Johanesburgo. Isso deixou-me preocupado embora o Prof. Amandio disse-me que encontrar-se-ia maneira de acomodar os dois casos das Universidades. Iria antes ao Brasil. Gostaria de levar tudo isso positivado, pois como sabe, o seu caso particular está condicionado à sua participação no Congresso de Folclore e à realização do curso de Etnografia. E o caso do Congresso terei de tratar já na minha passagem pelo Rio, sem o Renato Almeida. Peço pois uma palavra a esse respeito. Recebi telegrama do filho informando remessa das passagens mas ainda ontem a KLM não tinha recebido as mesmas estou sem saber a data da viagem. Logo que fixar darei um jeito de comunicar-lhe. Analisei o programa, perfeitamente de acordo com todos os comentários que faz sobre a orientação do curso na sua carta. Uma coisa acentua nos comentários sobre a formação da nação portuguesa, “o que de outros recebemos”, e não fica patente no programa de curso. Creio que para o nosso caso seria conveniente que figurasse após o ponto IV (a nação portuguesa…) um ponto sobre as influências culturais do comércio ou trocas com a Ásia, a África e América. Conversamos várias vezes sobre isso e lembro-me muito bem, que o amigo traçou-me numa bela síntese, a influência de certos elementos exóticos na cultura portuguesa, v.g. as especiarias do oriente, o cultivo do milho americano. Sei que o caso será enfrentado noutros pontos do programa, mas seria bom figurasse “patente” num dos seus parágrafos. Releia o programa e verá. Digo isto porque terei de divulgar o programa, anunciar o curso, salientando o interesse, mas sabe como são essas coisas, embora nos dois saibamos que o que se procura é “pôr as coisas objetivamente”, outros assim não compreendem [?] se oficialmente (no caso, o programa) a coisa não ficar indicada. É uma sugestão que a minha franqueza amiga toma a liberdade de fazer pois sinto que seria muito simpático, ler-se explicitamente no programa uma palavra de América ou Brasil.

47Quanto aos vencimentos é como já lhe disse o necessário é uma base mínima. Pois está claro que se houver possibilidade de mais eu não iria pleitear contra os interesses de um amigo. A minha ideia era que me desse em caráter reservado (estritamente confidencial) seu ponto de vista eu nada revelaria e deixaria a critério da reitoria a fixação. Diplomaticamente poderia defender seus interesses, caso a sugestão da Reitoria não correspondesse a essa “base mínima”.

48Quanto ao caso de sua Senhora, conversarei no Brasil com o Fernando e escrever-lhe-ei mais positivamente.

49Gabriela agradece a e retribui os cumprimentos. Cumprimentos a sua esposa com mais um abraço do velho amigo,

50Loureiro

51P.S. Não se esqueça do meu desenho da velha presa de azeite. Necessito do documentário sobre essa prensa. Desenho o nome das diferentes partes de que se compõe.

52Tinha acabado de escrever esta quando recebi o aviso da KLM devo seguir quinta (12) se Holanda nos der lugar. Se não irei Domingo 15. Vou amanhã Domingo (8) a Bodiosa (Oliveira de Baixo) por três dias. Procurarei comunicar-me pelo telefone. Escreva-me segunda para seguinte endereço ao cuidado do Prof. Americo Carneiro – Guirici. [?] Ricafeita. Vizeu ou telefone para o posto de Bogiosa que chamar me ao.

*

5325.5.53

54Meu caro Jorge Dias

55Deve o meu amigo estar preocupado com a minha falta de notícias; mas já deve ter recebido o convite oficial para o Congresso de Folclore. Tive um entendimento com o Renato, logo que daí vim e ficou combinado que seria o Jorge Dias o representante português do Folclore a ser convidado. Voltei a insistir com o Renato, tentar a passagem, tendo [?] o que falamos; se você conseguisse a passagem pelo Governo português esta ficaria para a sua Senhora ou vice-versa. Pediu-me em carta (o Renato) que agora recebi, que eu agisse junto ao Governo do Paraná a fim do mesmo assegurar a Passagem, o que fiz hoje, falando ao Governador, o qual me autorizou a escrever-lhe que o Governo paga a sua passagem. Na Reitoria encontrei a situação um pouco mais difícil, pois cheguei um pouco tarde, só em Abril foi possível fixar a situação, face compromissos já assumidos. Tenho assegurados vinte mil cruzeiros pela Reitoria para o seu curso; com mais dez mil cruzeiros que lhe poderei dar pelo Instituto de pesquisas serão 30.000 cruzeiros. Na base de 15.000 cruzeiros por mês teremos um curso de dois meses, seremos obrigados a encontrar o Joaquim. Talvez com a pesquisa programada para Guarapuava, seja possível depois que aqui estiver, conseguir-se mais alguma coisa. Peço pois suas informações a respeito. O que devo fazer mais para dar andamento ao seu caso? Falei novamente ao Fernando a respeito do caso de sua Senhora, reafirmou o que havia escrito para Cambridge: a SCABI assegurará por um concerto 10.000 cruzeiros.

56Recebi o desenho da prensa de mel. Não entendi a parte pontilhada. A extremidade inferior do fuso penetra, em depressão da base da prensa indicada pelo partilhado?

57Porque prensa de mel? Não me havia falado em prensa de azeite? Os favos vão dentro da caixa, como as azeitonas para serem espremidas? Tudo isso me interessa muito. Onde poderei conseguir notícia escrita sobre estas primitivas prensas?

58Não se esqueça de trazer contribuições sobre trançados e cerâmica. Estamos muito interessados no assunto. Publicou a sua comunicação de Viena sobre o Folclore e Etnografia tenho muito interesse em ler.

59Anexo remeto-lhe um recorte do Jornal “O dia” de 7 do corrente. Vou remeter também do Prof. Jurandir Tavares e aos outros mencionados prova que não esmoreço nesta tentativa de contribuir para melhor intercambio entre as Universidades Portuguesas e a do Paraná. Esperamos a vinda do Secretário do Instituto de Alta Cultura a fim de positivarmos com o Reitor o nosso caso de vinda de Professores Portugueses. Não sabe se o D. Antonio Medeiros de Gouveia virá logo ao Brasil?

60O momento é oportuno. Encontrei no Brasil o Ministério de Educação incentivando uma campanha nacional de “aperfeiçoamento de pessoal de nível superior”. O Reitor da nossa Universidade já me sondou se eu aceitava essa delegação na Universidade do Paraná. Admiti a possibilidade desde que se trate de agir. Recebi as Revistas de Guimarães para a coleção do Círculo. Muito obrigada pela sua interferência. Recebemos também a coleção Revista de Coimbra, houve interferência de sua parte? Esta foi para o Instituto de Pesquisas da Faculdade de Filosofia. Por tudo muito obrigado. Vou remeter as publicações existentes e também as que saírem agora [?].

61Espero sua resposta precisa pois, queremos abraçá-lo em Curitiba dentro em breve.

62Recomendações de minha Senhora e do rapaz a toda a Família Jorge Dias.

63Um grande abraço do Loureiro.

*

64Paris, 1/11/1953

65Meu caro Jorge Dias

66Escrevo-lhe para avisar que tive de modificar o meu plano de viagem de retorno a Portugal, pois chegando à Paris após a viagem à Alemanha e à Dinamarca, verifiquei, por questão de cursos, que convinha permanecer aqui até o fim do ano. Portanto embarcarei para o Brasil em Janeiro ou Fevereiro quando me avistarei com o amigo em Portugal se Deus quiser.

67Preciso, no entanto, de favores seus. 1º) Recebi uma carta do reitor louvando as minhas iniciativas em prol da Universidade mas no tópico de contratos de professores diz “Trata-se de assunto que precisamos conversar aqui. Com a sua presença e com a sua exposição e opinião tudo se resolverá rapidamente”. Isto causa me estranheza pois em Julho foi tudo bem explicado para Curitiba. Conforme o combinado aí e as instruções que trouxes disse da conveniência da troca de ofícios entre os Reitores e também do entendimento com o Gustavo Cordeiro Ramos, Presidente do Instituto.

68De Curitiba nada me dizem, de sorte que não sei se houve ou não o envio dos referidos ofícios. Quer me fazer o favor de verificar junto ao D. Amandio Tavares se recebeu algum ofício da Universidade do Paraná ou se há algum expediente no Instituto de Alta Cultura. Peço-lhe a máxima reserva, é apenas para ter tempo de trocar correspondência segura com Curitiba, para levar elementos certos para Portugal; se não terei de aguardar o meu regresso ao Brasil e para os nossos planos de colaboração será um contratempo. Aguardo pois uma palavra esclarecedora.

692) Como sei que de vez em quando, vai a Lisboa, quero lhe pedir o grande favor de requisitar no “Suisso Atlântico Hotel” as duas latas (suas conhecidas) com os filmes que lá ficaram guardados numa bolsa da KLM. Pois como ainda demoro mais dois meses, tenho medo que se estraguem, por estarem mal fechadas as tampas. Talvez um técnico, seu conhecido, pode dar uma olhada (não esquecendo que devem ser passadas em maquina sonora por terem trechos com perfuração de um só lado). Se houver portador para cá e julgar mais fácil, também será solução. Mas creio que ir consigo estariam bem melhor. É claro que o resto da bagagem pode ficar no Hotel. Só os filmes preocupam.

703º Como quando aí estive falou-me que tinha bons amigos na Sociedade Martins Sarmento e talvez pudesse conseguir os números que faltam na Coleção da mesma Revista que o Círculo possui (1935-1939) faltam os seguintes fascículos: nºs 3-4 de julho-dezembro 1937 (vol. XLVII) – nºs de Outubro dezembro 1938 (vol XLVIII) nºs 1-2 janeiro junho de 1939 (vol XLIX). Desejávamos também saber quais os nºs da Revista do Círculo de Estudos Bandeirantes que receberam. Desde 1940 o Círculo não recebe mais a Revista de Guimarães. O meu amigo poderá explicar que a Revista do Círculo tem saído muito espaçada pois como viu todo nosso esforço esses anos tem sido concentrados na conquista da sede própria que o amigo visitou em Curitiba, junto a Faculdade (prédio três andares com arcadas). Caso concordem em nos enviarem o endereço é CIRCULO DE ESTUDOS BANDEIRANTES – RUA 15 DE NOVEMBRO Nº1050 CURITIBA – PARANA-BRASIL.

71Sem querer ser muito importuno peço-lhe ainda não esquecer a foto ou desenho da antiga prensa de azeite. Pois retornando ao Paraná, preciso publicar o trabalho e quero juntar documentário e bibliografia portuguesa. Quero lhe contar que o pessoal do Museu de Copenhague foi muito atencioso e permitiu-me fazer um exame do material e trazer documentário. O Rumo da pedra do Sambaqui é outro do que eu imaginava pela documentação paleográfica do trabalho dinamarquês. Nada como ver e examinar o material.

72Com recomendações de Gabriela ao amigo e à sua Exma. Família queira aceitar um forte abraço do velho amigo Loureiro

73Meu endereço é HOTEL DE SEVIGNE RUE DE BELLOY Nº 6 PARIS XVI EME

74O Manoel Antonio seguiu de avião para o Brasil de onde nos telegrafou já ontem.

*

75s/d
Universidade do Paraná
Instituto de Pesquisas
Da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
Curitiba

76Meu caro Jorge Dias

77Embora sem indícios d’ai escrevo-lhe para comentar algo das nossas demandas aqui. Conforme o combinado o Reitor dirigiu em fins do ano passado creio que fins de setembro ou começo de outubro os ofícios aos Reitores de Coimbra e Porto bem como ao Presidente do Instituto de Alta Cultura. Nenhuma resposta deram aos referidos ofícios. Eu não estranhei, quando isso ocorreu comigo, sei do alto formalismo português, portanto, não estranhei, quando de regresso oficiei agradecendo as atenções e remetendo exemplar do jornal com a entrevista, cujo objetivo era ver se contribuímos para incremento de intercâmbios, nem uma seca linha de acusação de recebimento recebi, mas com Reitor como sabe, a coisa muda de figura. Resultado protela sempre que falo em curso de Etnografia Portuguesa.

78Há dias afirmou-me, após insistir da necessidade do seu pronunciamento, autorizou-me a escrever-lhe que está de acordo, a mim, no entanto, manifestou que cinquenta mil cruzeiros seria um pouco alto pelo curso, mas vamos deixar assim.

79Estive na Semana Santa em S. Paulo onde vim a saber que a sua vinda ao Brasil já está assentada em companhia de outros geógrafos portugueses (delegação do governo português) quem são? Quero porém lhe informar que nada se pôde fazer a propósito da comunidade de Entre Rios, não dispusemos de verbas e não acredito que se possa fazer, uma vez que o Governo do Estado não nos auxilia, o que acontece este ano pós V centenário. Você consegue os elementos que pretendia sobre os suábios aí na Europa? Quando estiver com o Prof. Amandio Tavares peço perguntar-lhe se não recebeu as Memórias de Paranaguá e Morretes escritas pelo paranaense Antonio Vieira dos Santos. Enviei-as logo que editadas, como homenagem ao Centenário do Paraná, cumprindo promessa feita, seguiram endereçadas à Universidade do Porto mas não tinha o endereço particular do Prof. Amandio. Tenho sido de pouca sorte com os portugueses a não ser você, o Jaime Campos Dias, os outros não acusam o recebimento, o próprio Gastão de Bittencourt silenciou, “O que é que há”! O seu prometido Trabalho até hoje não me chegou as mãos. Aguardo notícias suas, seguras, a fim de concretizar caso do curso de Etnografia. Recomendação aos seus, de Gabriela e Manuel. Um grande abraço do Loureiro.

*

80Curitiba, 15 de maio de 1954

81Meu caro Jorge Dias,

82Sua carta de 27 cruzou, por certo, com a minha que justamente aborda alguns dos assuntos que o amigo focaliza.

83Não escrevi há mais tempo, pois desejava dar-lhe notícias mais satisfatórias. Como informei, na referida carta, da qual agora já deve estar de posse, o Reitor confirmou a realização do Curso de Etnografia Portuguesa, torna-se necessário dizer-me certo a época para anunciar o mesmo.

84Quanto à pesquisa sobre os Suábios de Guarapuava, nada foi possível positivar. O Estado, com a geada nos cafezais, passa uma fase difícil e não creio seja fácil conseguir o necessário auxilio do Governo este ano.

85Aconselhava ao amigo que escrevesse ao Governador (Bento Munhoz de Rocha Netto – Palácio S. Francisco – Curitiba) comunicando que vêm realizar o Curso e que está disposto, conforme tínhamos conversado, a fazer a pesquisa na referida comunidade, desde que disponha de recursos para um trabalho desta natureza.

86O problema das passagens aqui, não é também fácil, sofreram agora novo aumento nos preços, excepcionalmente poder-se-á conseguir ida e volta por CR$41.000,00 normalmente sendo CR$52.000,00.

87A propósito dos concertos de sua Senhora lembro a conveniência de escrever ao Renato de Almeida e ao Rossini Tavares de Lima, houve lá núcleos da Pró-arte, influência dos elementos cultos das colônias alemães, residentes nas referidas cidades. Quanto a Santa Catarina era útil dirigir umas linhas ao Osvaldo Cabral, o qual provavelmente poderá estabelece o conveniente contato com gente da especialidade. Eu, como sabe, só conheço bem o Fernando Azevedo, o qual prometeu patrocinar com Cr$10.000,00 (dez mil cruzeiros) num concerto em Curitiba, é possível que, de posse do plano de concertos, eu possa conversar com elementos da Sociedade Thalia, ou Concordia, e se obtenha alguma cousa mais.

88Infelizmente, pelos motivos apontados, o atual ano não é de abundância e facilidades no Paraná.

89Agora um favor, veja se o seu livreiro é capaz de conseguir-me os números dos “Trabalhos da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia” editados após 1950. Desejaria, também, que me obtivesse os seguintes números antigos (mesmo de segunda mão)

90Volume I – todos os fascículos

91Volume II – fascículos I-II-III

92Volume III – todos os fascículos

93Volume IV – fascículo I e II

94Volume V-VI-VII – todos os fascículos

95Volume VIII – fascículos I-II-IV

96Estes volumes devem ser endereçados ao Instituto de Pesquisas da Faculdade de Filosofia da Universidade do Paraná – Rua 15 de Novembro 1050, e uma fatura para pagamento deve ser endereçada à agencia de Curitiba, do Banco do Brasil, para facilitar a remessa do dinheiro, essa fatura deve ter o visto consular. Veja se me conseguem alguma bibliografia sobre Trançados.

97Se possível, peço-lhe enviar-me a regulamentação seguida na Universidade de Coimbra para o doutoramento na Faculdade de Filosofia e Letras.

98Seria útil se os livreiros nos remetessem listas com preços das publicações editadas pela Universidade.

99Escreva-me logo para as devidas providências quanto ao Curso, o qual não pode ser em julho, pois, é época de férias.

100Com os meus respeitos e de minha família a si e a todos os seus, aceite um cordial abraço do

101Loureiro

*

102[cópia da carta enviada por Loureiro Fernandes ao Reitor da Universidade do Paraná]
Curitiba, 6 de abril de 1955
Exmo. Sr. Prof. Flavio Suplicy de Lacerda

103DD. Reitor da Universidade do Paraná

104A propósito do expediente sobre as bolsas concedidas pela UNESCO, “Bolsas Universitárias UNESCO para o Estudo de Áreas Culturais”, destinado a “financiar o envio de especialistas dos vários países à Universidades estrangeiras situadas em regiões culturais, nas quais estejam interessados, para que ali realizem estudos e pesquisas sobre determinados aspectos da vida do país” sou de parecer não deve a Universidade do Paraná, deixar de aproveitar essa excelente oportunidade de realizar o projetado estudo sobre Suábios de Entre Rios.

105Solicita a CAPES o pronunciamento de Vossa Magnificência, lembro poderia ser sugerida a vinda para a Universidade do Paraná de bolsistas estrangeiros que, em colaboração com nacionais, efetivassem o estudo da população suábia que, há três anos, instalou-se em Entre Rios no terceiro planalto paranaense, próximo à cidade de Guarapuava.

106Havia Vossa Magnificência e este Instituto aprovado o projeto, tendo no entanto sua efetivação, em 1954, ficado condicionado a colaboração do Estado do Paraná; mas, face as dificuldades financeiras de 1954, protelada foi sua realização.

107A colaboração da UNESCO viria possibilitar a efetivação desse estudo, do mais alto interesse, pois, iria constatar as primeiras transformações sociais e culturais sofridas pela comunidade rural europeia, que se deslocou em massa, instalando-se nos campos de Guarapuava e onde começa entrar em contato com a população urbana e rural da região, cuja segregação parcial até cerca de um quarto de século, assegurou a sobrevivência nessa zona de uma cultura tradicional brasileira.

108Julgamos, este estudo enquadrar-se bem nos objetivos e planos da UNESCO:

109É uma comunidade europeia, cerca de dois mil suábios, que vítima sucessiva do flagelo das guerras, que assolou a Europa, enquadrou-se num plano econômico de emigração, tendo escolhido – após vários estudos realizados por técnicos – os campos de Guarapuava para sua fixação e aí realizar um grande plano de produção agrícola de trigo a par de outras atividades agropecuárias;

110Já fizemos, com o Prof. Jorge Dias da Universidade de Coimbra, as sondagens preliminares à busca de dados sob sua realização e reconhecemos a possibilidade desse trabalho desde que possamos contar com a colaboração técnica de profissionais estrangeiros e com o auxílio dos professores e assistentes da Universidade do Paraná;

111O Prof. Jorge Dias e a Sra. Margot Dias, tendo realizado seus estudos na Alemanha, portadores de conhecimentos especializados de real interesse para um estudo dessa natureza, seriam os bolsistas estrangeiros indicados. Indicação essa acrescida da vantagem de ambos dominarem as línguas portuguesa e alemã.

112O Prof. Jorge Dias, iniciou a organização de estudos alemães, consulta a propósito dessas cinco aldeias suábias que deslocadas, na totalidade de seu Habitat europeu, continuam a viver no planalto guarapuavano. Esta consulta visa o levantamento das fontes possíveis de serem utilizadas para o estudo histórico cultural das populações suábias, que se foram fixar no vale do Danúbio, até à guerra de 1939-1945;

113As sondagens preliminares, revelaram a existência de fontes através das quais será possível o estudo do planejamento feito para encontrar uma nova pátria para essas populações deslocadas.

114Inútil, encarecer, o alto interesse, neste momento, do estudo da região cultural em apreço, quando em campos outrora pertencentes a grandes propriedades rurais – fazendas de criação de gado – são localizadas cinco aldeias europeias, cujas atividades agrícolas em dois anos, transformaram as antigas pastagens naturais em imensos campos de cultivo de cereais. Sobretudo, surpreender os incipientes fenômenos de assimilação e aculturação resultante do contato das duas populações.

115A UNESCO tem experiências de estudos em nosso país, de contatos culturais e sociais, cujos resultados começam ser divulgados em Conferências, reuniões científicas e publicações.

116Face a influência que teve o elemento alemão no sul do Brasil, o estudo proposto, quer nos parecer, seria do mais alto interesse, como ponto de partida para futuras pesquisas relacionadas ao processo de assimilação dos colonos alemães do Brasil, pois, a coletividade de Entre Rios, na sua situação atual, oferece condições excepcionais e ideias para um estudo preliminar desses processos.

117Como Diretor do Instituto de Pesquisas da Faculdade de Filosofia da Universidade do Paraná, devo encarecer a Vossa Magnificência a oportunidade da Universidade do Paraná conseguir o auxílio da UNESCO, a fim de que se efetive, quanto antes, o projetado estudo.

118Posso assegurar a Vossa Magnificência que o Prof. Jorge Dias, hoje Secretário Geral da CIAP, aceitaria o encargo de orientar e dirigir o plano dessa pesquisa o que seria de real interesse para toda a equipe de colaboradores potenciais da nossa Universidade.

119Valha-se do ensejo para apresentar-lhe os meus protestos da mais alta estima e distinta consideração.

120Dr. José Loureiro Fernandes
Diretor do Instituto

*

121Universidade do Paraná
Instituto de Pesquisas da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
Curitiba
7/4/1955

122Meu caro Jorge Dias,

123Sem querer pago-lhe na mesma moeda, respondendo com enorme atraso sua carta de 16 de Fevereiro. Trabalhos sempre Trabalhos. O Centro vai andar, sucede que o Reitor até Março andou muito atarefado procurando concluir as obras do edifício central que finalmente foram inauguradas pelo próprio ministro da Educação.

124Meu discurso de paraninfo não agradou o Diretor, meu amor a objetividade científica mereceu restrições do Sr. Arcebispo e dois amigos meus do clero escreveram-me a pouco sobre a Páscoa onde sinto os reflexos do meu discurso, um chegou a falar-me em crise religiosa. Os homens de estudo ficaram satisfeitos que eu tivesse a coragem de pôr pontos nos is de alguns dos nossos problemas universitários.

125Pode mandar a sua conferência publicamos e damos um jeitinho nas separatas. Publicarei na Revista do Círculo de Estudos que é uma boa revista de cultura ou quem sabe na Revista Letras da Faculdade de Filosofia ou outra publicação universitária. Essa conferência foi pronunciada em 1950 ou 1955. Recebi suas indicações bibliográficas meu livreiro não consegue o Paul Schencier ou melhor sua obra “Bauermwerk…” será que não seria possível o “centro” fazer um bibliofilme da parte referente às prensas, pagarei as despesas do mesmo.

126Desculpe-me importuná-lo, esteve no Alentejo, viu a tal prensa de mel. Nestas informações os velhos só fazem referência ao uso dessas prensas para azeite? Sabe de alguma bibliografia a respeito publicada em Portugal? Nos documentos históricos a que você se referiu quando conversamos sobre alfaias agrícolas nada há?

127Uma informação que muito desejava ter era a respeito das antigas e atuais denominações das partes [?] das prensas. Há antigos nomes que foram modificados?

128No nosso litoral a parte nº1 chamam de fuso da prensa, as número 2 denominam de virgens, a nº3 de concha. Vi numa publicação portuguesa alguns destes nomes aplicados a partes das atuais lagares. Os cestos antigos para espremer a azeitona eram também [?]. Tenho referencias que em outros países da Europa usavam essas prensas para espremer uvas, ou prensas semelhantes. Inegavelmente as prensas nº1 e nº2 são as que mais se aproximam das nossas de mandioca, até hoje não vi nenhuma que tivesse os fusos fixos como a do desenho nº 3.

129Desculpe o incomodo mas como chamam os lavradores daí a peça assinalada com a flecha ao lado da prensa 3 e que funciona como uma porca sobre a espiral de parafuso do fuso da prensa?

130Bem, chega de molestá-lo com problemas de prensa.

131Você fala em saudades do Brasil, lembro-me sempre de algumas das suas confidências de desejo de estudo pois bem, diante disso não tive dúvidas de mandar o parecer (cuja copio anexo) à Reitoria a proposto de uma consulta formulada através da CAPES. Não perdi a chance para que não seja esquecido o plano de estudo dos Suábios. Dei intencionalmente um pouco de ênfase sobre as medidas preliminares tomadas. É coisa recente, como pode ver na data, o que acha veja se através de seus amigos da CIAP ou na Unesco a iniciativa ou melhor a sugestão do Instituto caminha. Deixei um pouco vago para não dificultar a possível articulação com as “Bolsas da Unesco”. Se o assunto caminhasse aí na Unesco trataríamos de articular aqui. Mando-lhe, com urgência, sem nada de positivo ainda, pois conforme o que você pensar sobre o assunto retardo ou incentivo aqui esta tentativa.

132Peço-lhe uma resposta, como vê ousei fazer afirmativas sobre o seu nome a ver se a coisa torna-se viável.

133Recebi do grupo de Estudos Brasileiros do Porto uma carta muito amável congratulando-se com a fundação do Centro de Estudos Portugueses. Mandei-lhes publicações.

134Recebeu o centro um exemplar do Rio D’onor de um tal Jorge Dias. Prometeu-me o Reitor instalar definitivamente o Centro este mês receberá comunicação oficial.

135Com minhas recomendações a sua Senhora filhos bem como de Gabriele e Manuel extensivas ao amigo, aceite um cordial abraço do Loureiro

*

136Universidade do Paraná
Instituto de Pesquisas da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras
Curitiba
Curitiba, 9 de Julho de 1955

137Meu caro Jorge Dias

138Recebi sua carta de 19 de junho que começara arreliando com os Correios do Paraná, mas quem agora arrelia sou eu, com os Correios de Coimbra: Respondi-lhe a carta de cinco de maio, acusando-a bem como a cópia da sua conferência, nesta informava que a conferência pode ser publicada (com grande satisfação) pela Revista do Círculo “Bandeirantes”. Pensei em publicar no Anuário de 1954 da Universidade, mas vai demorar. O material da revista entrará no prelo em agosto, o do Anuário não sei quando: sucede que agora ultimaram o de 1953. As suas separatas estão asseguradas.

139A sua carta de 8 de maio não me chegou às mãos, e portanto, o micro-filme que trazia e as informações úteis perderam-se.

140Recebi, sim, a carta de 19 de junho com o microfilme das prensas italianas, fotografias que são para mim muito preciosas.

141Concluí praticamente o trabalho, suas informações nesta carta foram utilíssimas sobretudo num trecho de Larcher Marçal em que às páginas 524-25 fala dos dois sistemas antigos de prensas, pois, hoje, estou inclinado a crer que essas de varas, “o tal mais grosseiro” não é o que usamos na mandioca, atualmente, e sim o que se usou anteriormente e a que chamavam “burra”. Se assim foi, o segundo tipo de prensa antiga, melhor designação tecnológica teria se fosse “de vara e de fuso”. A atual prensa de mandioca é a prensa de “dois pilares laterais e fuso”. Qual seria sua denominação antiga em Portugal?

142Deu-lhe um novo problema; esse fuso, a qual está adaptado o peso e que gira na extremidade da vara; Não será uma adaptação de fuso de outra forma de prensa (dois pilares) à extremidade da vara?

143Estou inclinado a crer que que há aí uma solução intermediária na linha genética das prensas, que desapareceu em Portugal, por causa das velhas prensas de lagares, a que sobrevive ainda na prensa da mandioca e em algumas regiões do velho continente. Mandar-lhe-ei, oportunamente, a fotografia de um “burro”.

144Tenho boas notícias a dar-lhe seus livros apareceram, eu ontem mesmo registrei o pacote. Peço informar-me se chegaram em ordem.

145Quando me fala que vai comparecer à Assembleia Geral da CIPSU, fala-me que vai verificar, se para a UNESCO foi encaminhado algum expediente do Instituto, por aí vejo que recebeu a cópia do parecer que dei ao reitor – a respeito da possibilidade de celebração com a UNESCO – realizando o projetado trabalho dos Suábios. Quero então informá-lo mais precisamente, a consulta da UNESCO foi formulada à UNIVERSIDADE através da CAPES (Comissão de aperfeiçoamento pessoal ensino superior) órgão do Ministério da Educação do Brasil, portanto, através da resposta deste órgão é que a UNESCO deve ter recebido a resposta, convém pois, procurar a resposta da CAPES através de expediente de Ministério.

146Vou escrever ao Prof. Anísio Teixera, Secretário Geral da CAPES, sabendo quando o assunto foi encaminhado à UNESCO;

147Apresente minhas recomendações ao Prof. Marcel Majet, quando estiver em Paris.

148O Centro de Estudos portugueses foi finalmente organizado, como pode ver de noticiário anexo, foi escolhido como seu Diretor o Prof. Brasil Pinheiro Machado, que está encaminhando as devidas comunicações às autoridades. O Centro iniciará suas atividades com uma série de cinco conferências do prof. A.J. Costa Pimpão, sobre os seguintes temas: 1 – Gil Vicente: a evolução do pastoril: as “Barcas”; 2 – D. Francisco Manuel de Melo; 3 – Herculano e o Romance Histórico; 4 – a sobrevivência clássica no período romântico: de Castilho a Eugenio de Castro; 5 – Os sonetos do Antero.

149Agradecendo os dados que me enviou, peço-lhe, no entanto, um favor, não consegui com meu livreiro em Paris a obra do Georges Hardy seria possível mandar-me também um microfilme de sua Plancha XXIV?

150Com as nossas recomendações – minhas, de Gabriela e Manuel a todos os seus aceite um grande abraço de seu velho amigo

151Loureiro

*

152Ministério da Educação e Cultura
Universidade do Paraná
Faculdade de Filosofia
Curitiba, 30 de abril de 1960
Of N. 71/60
Do Prof. José Loureiro Fernandes
Ao Prof. Jorge Dias
Assunto:

153Meu caro Jorge Dias

154Em princípios de março recebi sua carta datada de 16 de fevereiro, na qual havia uma série de sugestões de intercâmbio que muito nos interessam, pois se você está pensando de tempos em tempos fazer um curso sobre o Brasil, nós desejaríamos de vez em quando dar aulas com referências mais objetivas sobre a Etnografia portuguesa.

155Vamos, pois, iniciar nossa correspondência tratando deste assunto: quanto a bibliografia e fotografias, não há dificuldades, poderemos fazer permutas. O problema surge quanto aos dispositivos e peças de Museu; o problema é mais complicado. Com os franceses, nós os podemos resolver, tratando-se de material Universitário, com a remessa por intermédio da Mala Diplomática e a Embaixada no Rio encaminha à Universidade. É claro que tem que limitar em dimensão e quantidade. Quem sabe se você arranja isto. Poderia então mandar-lhe algumas peças indígenas pela Embaixada e você enviar-me-ia peças etnográficas portuguesas ou africanas.

156Como prova do meu desejo de intercâmbio, mando-lhe oito fotografias dos Índios Xetá, sobre os quais já lhe enviei, bem como aos seus colaboradores, uma Separata. Seguem registradas pelo Correio comum, anexo, remeto novo exemplar da Separata. No dorso das fotografias há uma referência e a indicação da página da Separata na qual o tema é tratado, achei mais seguro do que fazer lista a parte.

157O Departamento de Antropologia da Universidade do Paraná gostaria de receber, em permuta, fotografias de artesões portugueses fazendo cestos, trabalhando com cerâmica, tecendo no tear, fiando, etc.

158Interessaria muito uma boa fotografia de fiandeira, na qual se pudesse ver a maneira de manter a roca e trabalhar o fuso.

159Um assunto que temos de estabelecer é o tamanho das fotografias, pois para melhor aproveitamento devemos poder projetá-las no epidiascópio. Tenho no Departamento uma instalação para projeções numa sala de aula, e, o ideal, para o caso seria que você fizesse as ampliações com 12cm. de altura e 14,5 de largura. Há uma vantagem também nesse tamanho, você pode aproveitar uma folha de papel (18 por 24 que dará duas ampliações e sobrará uma margem estreita que servirá para cópias de filmes de Leica para seu arquivo. É preciso que você mande dizer o tamanho que lhe convém; as que vão nessa remessa são 12 por 18, correspondem a metade da folha standard 18 por 24. Outro problema é, para meu caso, a espessura do papel; este do qual vão as cópias dos Xetá é fino, peço fazer em papel mais grosso pois do contrário ondula no (ao calor) epidiascópio.

160Como vê quero sistematizar esse caso das fotografias, pois assim mandarei ampliações de tamanho conveniente e você fará o mesmo em permuta. Tenho possibilidades de enviar fotografias de índios brasileiros, mas, seria necessário que me informasse o que lhe interessa particularmente.

161Como vê vou ajudar o colega lusitano mas espero retribuição.

162Envio-lhe uma fotografia da primeira Reunião em 1954 para a fundação do “Centro de Estudos Portugueses” na Universidade do Paraná.

163Agora só, creio que a coisa vai andar, vou tomar pessoalmente a iniciativa e instalar na nova sede do Instituto Histórico. Dar-lhe-ei um SOS no momento oportuno, foi de uma conversa quando do seu curso de Etnografia Portuguesa, que a ideia surgiu, sua responsabilidade é grande no caso.

164Tenho uma série de notas feitas no litoral paranaense sobre os instrumentos musicais populares. Tive mesmo ideia de levar uma contribuição, sobre violas e técnicas de sua confecção, ao colóquio Luso Brasileiro da Bahia, não o fiz por doença. Tenho um bom filme documentando todas as fases do trabalho. Vou enviar-lhe algumas fotografias.

165Gostaria que você me enviasse o roteiro na pesquisa instrumentos populares ou um questionário quero seguir, pois, assim poderemos ser mutuamente mais úteis.

166A Marilia apresentou um trabalho à Quarta Reunião Brasileira de Antropologia, em julho de 1959, logo que for publicado enviar-lhe-ei.

167Por hoje é só. Recomendações de todos de casa à sua Exma. Família e a você que peço aceitar igualmente um grande abraço do velho camarada e amigo.

168Loureiro.

169P.S: Já estava a carta datilografada (desculpe a péssima técnica) quando verifiquei que poderia responder um outro item a respeito do São Gonçalo. Usam no litoral e no planalto violas e em alguns lugares chamam os instrumentistas de “romeiros”. Há imagens folclóricas do [?] de Guimarães com uma viola. Não sei se assistiu a nossa comunicação ou melhor viu ao 2º Congresso Brasileiro de Folclore sobre a dança de S. Gonçalo?

170Vou providenciar remessa de material nesse sentido, mas espero continuar a receber de Portugal.

171Recebi o trabalho a que se refere na carta vai ser muito útil para os nossos estudos sobre os engenhos locais. Estávamos tentando reunir material para um Museu de Arqueologia e Artes Populares em Paranaguá, vai ficar ao lado do Departamento de Antropologia da Universidade. Não sei se sabe que estamos instalados num magnífico prédio de 11 andares. O Departamento de Antropologia foi criado em Dezembro de 1959 e este seu amigo é o Diretor. Como deixei a medicina posso cuidar agora só da Cátedra de Antropologia e Etnografia. Quando o Museu publicar a revista “Artes e tradições populares” [?] daquele seu artigo traduzindo devidamente o conceito folclórico. Pense no caso e acuse-me logo o recebimento deste material.

172Loureiro

*

173Universidade Federal do Paraná
Centro de Estudos Portugueses
Faculdade de Filosofia Ciências e Letras
Edifício “Bandeirantes” – Rua 15 de Nº 1080
Curitiba –PR
Curitiba, 25 de novembro de 1968

174Prezado Prof. Jorge Dias:

175Recebi com particular agrado o trabalho do seu assistente Ernesto Veiga de Oliveira, “vinte anos de investigação etnológica do Centro de Estudos Etnológicos da Península”, que me fez recordar aspectos do mesmo que, em 1952, tive o prazer de visitar, em sua companhia, ainda no Porto. Foi um prazer ler o trabalho de Ernesto Veiga de Oliveira e particularmente deparar à pag. 73 a notícia sobre o curso “Etnografia portuguesa”, realizado pelo amigo, na Universidade do Paraná, em 1954.

176Terminava de ler esse ótimo trabalho de análise histórica da eficiente atuação do Centro e do seu Diretor, quando me chega em casa um filho de um amigo meu, licenciado de uma das nossas Faculdades.

177É a propósito desse bolseiro, que há um ano trabalha sob sua direção, o Licenciado João Correa de Freitas Filho, que lhe escrevo. Esteve aqui, em férias, em Paranaguá, onde residem seus pais, procurou-me para contar do seu estágio de pós-graduação em Portugal, quando me falou da situação atual dos seus estudos e da possibilidade de se dedicar a grupos africanos.

178Por outro lado revelou-me suas deficiências e poucas tendências para estudos linguísticos e o aspecto que tomaria sua especialização de volta para o Brasil, onde preferia radicar-se no Paraná.

179Quando falou-me, particularmente do meu amigo Jorge Dias, ousei dar-lhe um conselho; aconselhei-o que não fosse para a África e sim trabalhasse no setor da cultura tradicional portuguesa, pois, tinha a felicidade de ter como orientador um dos maiores conhecedores do assunto e que melhor o tem abordado com sua excelente equipa do “Centro de Estudos de Etnologia Peninsular”.

180Justifico minha ousadia de aconselhar meu conterrâneo a ingressar na investigação etnológica do seu excelente Centro que, o ano passado comemorou vinte anos de fecunda investigação, mas não para se preparar especificamente para investigar o ultramar africano mas sim a área lusíada do Brasil, que ainda carece de tantos estudos especializados.

181Aliás, meu caro Jorge Dias, estou certo que compreenderá este meu modo de agir pelo que vou passar a expor.

182Sabe, muito bem, do nosso desejo de acentuar sempre aos alunos e estudiosos a significativa contribuição portuguesa à cultura neo-brasileira, fato que já registrou num dos seus trabalhos. Recorda-se da sua atuação junto à Reitoria, em 1954, quando fundamos o “Centro de Estudos Portugueses da Universidade do Paraná”, que permaneceu mais ou menos latente até o ano passado, quando passei a ocupar sua direção. Graças à colaboração do Adido Cultural da Embaixada de Portugal e do Consul de Portugal, em Santos, conseguimos reorganizar o mesmo. Está hoje instalado no edifício “Bandeirantes” no mesmo local onde foi fundado, em 1954, e tem uma pequena biblioteca à disposição dos Professores, alunos e interessados – aberta diariamente. Conseguimos, também, a realização de alguns cursos por Professores portugueses que aqui se entram e temos promessa do Instituto de Alta Cultura de Lisboa a esse respeito.

183Quando D. Maria Belchior de Pontes, foi adida da Embaixada no Rio de Janeiro, insisti pela sua vinda ao Brasil, a tentativa falhou, pois a informação foi, que o Prof. Jorge Dias, pela sua projeção internacional tinha em pauta uma série de encargos, cuja execução não permitia vir ao Brasil tão cedo. Fazíamos nessa época, um tremendo esforço para dinamizar o “Centro de Estudos Portugueses”, o que conseguimos, porém, não no ritmo desejado.

184Por outro lado, conseguimos, desde 1962, inaugurar, em Paranaguá, no antigo Colégio dos Jesuítas, um Museu de Arqueologia e Artes Populares, cujo roteiro é a evolução das técnicas pré-industriais brasileiras, técnicas prehistóricas, técnicas indígenas, técnicas populares (caboclas ou sertanejas). Nestas últimas é claro a contribuição portuguesa é do maior interesse. Estou atualmente montando (ampliando) o setor de fiação e tecelagem e consultando o trabalho do seu Centro “Subsídios para o estudo da fiação e tecelagem em Portugal” de autoria de Benjamim Enes Pereira, ainda anunciando o prometido estudo global “Indústrias Caseiras em Portugal”, tive uma prova mais de quão uteis são estes estudos para nós brasileiros.

185Por tudo isso vê-se como é grande sua influência pessoal e de seu Centro, orientando nossos trabalhos, agora imagine se o amigo preparasse esse bolseiro, que está sob sua orientação, para prosseguir esses estudos e não só assumir a direção da Divisão de Artes e Tradições Populares, no Museu do Paranaguá, mas também ensinar Cultura Portuguesa numa das nossas Faculdades de Filosofia do Paraná.

186Como deve saber, estou aposentado e não passei muito bem de saúde esses dois últimos anos com um processo hipertensivo e diabético, do qual agora melhorei.

187Com nossas recomendações, de minha esposa Gabriela e minhas ao Amigo e sua Exma. Família, para que me recomende aos amigos do Centro, muito particularmente a Veiga de Oliveira, e o Amigo aceite um grande abraço do

188Loureiro Fernandes

São Paulo. Setembro-Outubro, 1951

São Paulo. Setembro-Outubro, 1951

Autor: Jorge Dias. Arquivo Centro de Estudos de Etnologia, Museu Nacional de Etnologia

Table des illustrations

Titre São Paulo. Setembro-Outubro, 1951
Crédits Autor: Jorge Dias. Arquivo Centro de Estudos de Etnologia, Museu Nacional de Etnologia
URL http://books.openedition.org/etnograficapress/docannexe/image/7197/img-1.png
Fichier image/png, 386k

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search