Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Hildegardes Vianna

Texte intégral

1Cidade de Salvador, 20 de junho de 1971

2Meu caro Jorge:

3Hoje, exatamente um mês depois de minha partida de Lisboa, estou lhe escrevendo. Desculpe o atraso e a cafonice da carta batida a máquina. Mas é que minha letra está muito trêmula e é melhor ser cafona do que ser incompreensível. Para seu governo: cafona quer dizer deselegante. É a palavra da moda no vocabulário do dialeto brasileiro.

4Fiz uma viagem muito boa. Foram 12 dias de mar calmo. Pena o barco trazer apenas 19 passageiros. A insipidez a bordo foi a nota predominante. O pior foi quando alcançamos o equador e a temperatura externa subiu para 32 graus. Que calor! Calor que continua aqui na Bahia. Hoje foi melhor porque a umidade relativa do ar acusou apenas 79%. Enquanto isso o Rio de Janeiro está com 12 graus apenas. Que gente feliz!

5Fui recebida aqui com muito carinho. Passei pela Alfandega sem problemas. Tenho sido convidada para chás e jantares. Já começaram a me importunar com Festivais, simpósios e outras coisinhas mais. Já estava tão desacostumada a ser chateada! Que saudade do meu Portugal! Sabe que o cônsul português ficou muito contente comigo, pelo que escrevi sobre a santa terrinha? Pois é. Só não gostou foi quando escrevi que não suportava comer bacalhau. Não se conforma com a evidencia e vai me oferecer um livro que tem todas as receitas de como preparar um bacalhau.

6Já fui ao médico, fiz uma revisão geral. Não vai ser preciso operar coisa alguma. O que senti foi do clima. Agora estou fazendo exercícios, tomando massagens e nadando. Os músculos inativos estão reagindo, mas fico tremula depois de tanta barra e argola. Nos primeiros dias era tremendo com tanta tremura. Agora dura menos, felizmente. No caminho em que vou no fim poderei ser artista de circo.

7Tenho me lembrado muito de você, da turma prafrentex (quer dizer evoluída) aí do Centro. Lembrado com saudade. Foi uma fase inesquecível de minha vida. Vocês todos foram uns amores de pessoas e serei sempre grata pelo carinho que me ofereceram. Portugal é muito bonito, mas a sua gente tem um coração ainda mais lindo.

8Na pressa da viagem esqueci de entregar o relatório, isto é, a cópia do relatório. Logo tenha um portador para aí farei a remessa. Entreguei o relatório e os recortes dos jornais à Gulbenkian e não sei como não lhe entreguei a cópia. Peço perdão pelo lapso.

9Dê um cento de lembranças à amiga fada Margot, aos meus maridos e a toda a malta do Centro. Aqui, da banda de cá do Atlântico, mando-lhe com os meus melhores acontecimentos um abração

10Hildegardes (D. Flor)

11P.S. – O jornalista embolou um pouco o que eu disse. Mas como no fundo não ofende pessoa alguma, estou remetendo a página do jornal que badalou primeiro a minha volta.

12Hildegardes Vianna
Av. Joana Angélica 261
Salvador – Bahia – Brasil

*

13Salvador, 24 de fevereiro de 1972

14Meu caro Jorge:

15Quero lhe agradecer o carinhoso cartão que me mandou. Não só pelas bonitas palavras ditadas por sua bondade. Você achar um tempinho para me escrever, no meio de tanta coisa para resolver no Museu, é também motivo para muitos e muitos calorosos agradecimentos.

16Espero que tudo esteja correndo bem para você como está para mim. Só melhor não estou porque não sei se algum dia ainda voltarei a rever Portugal. Embora dia para dia haja garantia de que ficarei novinha em folha, terei sempre medo de uma mudança de clima.

17Não gostei de você me chamar de Exma. Profa. Hildegardes. Se eu não fosse “prafrentex” como sou, estaria a estas horas toda sem jeito, sem saber como me dirigir a você. O seu Exma. Profa. teria achatado irreversivelmente “lindo Jorge”, “feio Jorge” ou outra qualquer maneira de expressão mais divertida. Mas como sei que vocês portugueses não conseguem ser como nós brasileiros, descontraídos, perdoo o delito por esta vez. Tá? Gostaria que você me mandasse, se possível, o último volume dos Macondes que não cheguei a ganhar. Os outros volumes que trouxe têm sido muito uteis a amigos que se interessam pela vida dos negros. Se você quiser qualquer coisa daqui não faça cerimônia. Serei sempre a D. Flor que não aprendeu nada no mundo além de dar umas boas risadas. E como elas me sabem bem, mesmo quando não estou alegre e rio pelo bom hábito de rir de tudo! Vou reassumir agora em março a cadeira na Universidade. Estou dirigindo interinamente o Departamento de Integração da Escola de Música Cênicas. O diretor afetivo do Dep. e o diretor da citada Escola deram parecer contrário ao meu pedido de transferência e à requisição feita pelo diretor da Faculdade de Filosofia. Fiquei com uma cara daquelas. Tal como o homem da história das baratas que viraram uvas.

18Pois bem, meu caro. Estarei sempre pronta a cumprir as ordens que você me enviar. Sou imensamente grata a tudo quanto você fez por mim. E sou sempre amiga dos meus amigos, custe o que custar.

19Um abraço amigo de Hildegardes

*

20Salvador, 4 de dezembro de 1972

21Lindo Jorge:

22Recebi a separata. Ainda bem que você não esqueceu a Dona Flor, aquela brasileira que engoliu a agulha da vitrola. Eu não esqueci você nem a turma daí, aqueles meus maridos simbólicos, todos tão legais e bacanérrimos. Você como vai? Continua com o mesmo olhar triste? Mesmo rindo das brincadeiras que eu fazia perturbando a augusta austeridade do Centro, você tinha os olhos tristes. Sabe que isto me intrigava?

23Eu vou muito bem. Fiquei boa de tudo. Livrei-me da sequela que me obrigava a coxear. Melhorei da coisa, do negócio (nem quis saber que nome tinha), que tornava minha circulação péssima. De péssima passou a regular. Tenho abusado um tanto, empenhada na minha vidinha de corre-corre eterno. Salvador agora é cidade grande, verdadeira selva de pedra. Viver agora é guerrear. Para sobreviver fora das “panelinhas” tem sido duro. Prefiro ser independente, free-lancer, a ter de ficar dando amem a tudo. Sabe que seu trabalho na separata vai me dar munição para a guerra que declarei aos grupos folclóricos?

24Não vou ter férias. Estou programada para o curso de verão da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal. Como estou doida para sair definitivamente da Escola de Música e Artes Cênicas, da mesma Universidade, estou aceitando tudo que me dê chance. É possível até que eu faça concurso para uma cadeira nova, Problemas Brasileiros da mesma Universidade. Não sei ainda se vou ter tempo para me preparar. Ando superlotado de trabalho. E graças a Deus como todo brasileiro que se preza vou dizendo – trabalhar só obrigado/Por gosto ninguém vai lá.

25Você sabe que Regina Lacerda agora é imortal? Pois é. Foi eleita para a Academia de Letras de Goiás, seu estado Natal. Theo Brandão está gordo e luzidio. Renato Almeida quase surdo, meio catacego, trôpego, mas danado de pedra, sem entregar o bastão. Saul Martins, hoje professor titular de Antropologia na Faculdade de Ciências Humanas de Belo Horizonte (Minas Gerais) era um rapaz magrinho que acompanhava Aires da Mata Machado nos antigos Congressos. Lembra-se? A Hildegardes é aquela D. Flor maravilhosa, tonitruante, tremendona que por aí andou, conforme é do conhecimento do Sr. prof. Jorge Dias e sua ilustre equipe de trabalho.

26Tenho uma notícia má. Meu amigo Edison Carneiro, meu irmão de coração, um amigo de todas as horas, foi-se para sempre. Os amigos estão desolados. Morreu exatamente no Dia do Samba, 2 de dezembro, quando toda a Bahia comemora o Samba. Estava se tratando de uma labirintite (assim diziam os médicos) mas teve embolia cerebral inoperável. Aguentou em coma quase uma quinzena. Sinto um grande vazio dentro de mim, era uma espécie de guia. Mesmo vivendo em lugares diversos, estávamos sempre em contacto. Não creio que torne a encontrar alguém que gaste comigo tanta dedicação desinteressada. Como não sou de cultuar dores, conto vencer o abalo. Meu pai sempre me dizia que a vida é para se viver, e os pés foram feitos para as marchas sempre em frente. Pena tenho é daquela moça que era a paixão grande de sua vida. Recorda-se da Laíde? Ele nunca abandonou a família, mantendo um romance difícil com a Laíde. Agora ela está só. Deve ser horrível. A esposa pelo menos tem os filhos.

27O frio deve estar começando a pintar por aí. Aqui estamos sendo assados por um calor infernal. É um calor pegajoso, úmido. De ano para ano a cidade fica mais quente. Dizem que é por causa dos edifícios altos que surgem a cada dia, o asfaltamento das ruas e a destruição do cinturão verde das arvores que cobriam as encostas. E em falar nisto: a Auta Phebo anda por aqui. Desquitou-se do marido (creio que ele ficou com os filhos) e agora é Auta Barreto, assessora filatélica da Empresa de Correios e Telégrafos. Segundo soube ela já não era professora da Escola de Museus quando por aí andou. Está mais magra, com aquele lindo cabelo que Deus lhe deu, umas microssaias muito jeitosas. Disse-me que quando escrevesse para Portugal enviasse as suas saudades. Já estão enviadas.

28Estou devendo carta a Helena, Carreira, Ernesto e um bandão de gente. Mas quero por tudo em dia brevemente. Se você é de comer castanhas assadas, coma umas na minha intenção. E que coisa gostosa! Sabe que parece que sou parenta do Benjamim? Há um ramo de minha família lá do Minho que é Ennes também. Viana Enes alias. Do Galhano agora tenho certeza. Encontrei o registro do meu bisavô Pereira Barbedo na Beneficência Portuguesa. Era do Porto mesmo. Seria algum renegado?

29Pois é, Lindo Jorge. Fico-me por aqui, sempre D. Flor, saudosa dos seus “maridos” e da Lisboa sempre tão formosa. Mando um abração para todos e um “especialão” para você. Tá?

30Hildegardes

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search