Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Henriqueta Braga

Texte intégral

1Rio de Janeiro, 5 de Setembro de 1951
Exmo. Sr. Dr. Antonio Jorge Dias
Hotel Glória – Rio

2Excelentíssimo Senhor:

3Sinto deveras, e sinceramente peço que me desculpe, não ter sido possível proporcionar-lhe a audição dos discos de folclore – cujos conjuntos regionais incluem cavaquinho – em qualquer outro dia que não fosse a quarta-feira que lhe ofereci.

4Explico-lhe a razão: o I Congresso Brasileiro de Folclore roubou-me duas semanas de aulas na Universidade do Brasil, nos dois Conservatórios de Música – Brasileiro e do Distrito Federal – e no Colégio Bennett. Não planejava cessar completamente as minhas atividades didáticas nesse período, mas o fato de ter sido designada Presidente da Comissão VIII – a de Música – (não por méritos pessoais, é claro, mas possivelmente por força do cargo que ocupo na Escola Nacional de Música da Universidade do Brasil) coisa com que não contava e absolutamente não desejava, fui forçada a tudo abandonar durante quinze dias. O Senhor, que também é professor, compreenderá por certo o transtorno que me trouxe essa medida e os problemas surgidos por tão extensa interrupção nos trabalhos letivos. Retomando as aulas esta semana, não poderia eu, de forma alguma, faltar a qualquer delas, pois havia que atender, em suas obrigações imprevistamente interrompidas, cerca de cento e cinquenta alunos.

5Espero, entretanto, ter ainda a satisfação de promover-lhe um contacto com as realizações do nosso Centro de Pesquisas Folclóricas, tão logo retorne ao Rio. Poderei saber aproximadamente a data em que pretende voltar, para que possa encaminhar meus compromissos no sentido de facultar-lhe escolha de horário? Com antecedência, e em condições normais, tudo é mais fácil.

6Junto envio as referências bibliográficas concernentes ao cavaquinho, em que o Senhor se acha interessado. Peço-lhe verificar se correspondem à sua expectativa ou se deseja alguma outra indicação. Essa resenha foi preparada muito rapidamente, com as obras que estavam ao alcance da mão. Naturalmente muito haverá que acrescentar, e estou pronta a empreender pesquisas sérias nesse sentido, e comunicar-lh’as para Portugal, se estas puderem servir-lhe de complemento a algum estudo mais aprofundado ou a alguma obra que porventura esteja preparando. Disponha dos meus fracos préstimos em qualquer assunto da minha especialização – História da Música ou Folclore Nacional – na certeza de que será atendido com o maior prazer, mesmo quando o assunto exigir de minha parte um estudo mais detido.

7Não sei se o Senhor é musicista e se lhe vai interessar o que lhe estou enviando – “Cânticos do Natal” – trabalho de pesquisa, é certo, mas não de Folclore Nacional. Meus trabalhos de pesquisa folclórica têm aparecido em publicações oficiais ou especializadas, de sorte que não as posso oferecer por não possuí-las em separata.

8Gostaria imenso, uma vez que se demora mais um pouco no Rio, de conhecer detalhes sobre a estrutura universitária portuguesa e qual a posição que a música ocupa no plano educacional, bem como se desenvolvem, sob a sua competente direção, os trabalhos de pesquisa do Centro que lhe está confiado.

9Nós, brasileiros, amamos sobremodo a Pátria portuguesa, que sentimos um pouco nossa também. Daí o interesse por quanto lhe diz respeito. Ao terminar, peço-lhe a grande fineza (perdoe-me o trabalho!) de acusar pelo telefone (48-4545) o recebimento desta encomenda (geralmente estou em casa à noite ou até 9 horas da manhã) para que eu tenho a certeza de que não houve extravio; mas, peço, ainda, que só o faça após ter verificado se a bibliografia corresponde aos seus desejos ou se posso completá-la mais satisfatoriamente. Agradeço também informar-me da época provável de sua volta ao Rio, pelo motivo acima exposto, e se vai realizar nesta cidade alguma conferência.

10Releve-me, por favor, esta carta em manuscrito, de leitura sempre tão desagradável!

11Com os meus cumprimentos, subscrevo-me.

12Atenciosamente,

13Henriqueta Rosa Fernandes Braga

*

14Ministério da Educação e Saúde
Universidade do Brasil
Escola Nacional de Música
Exmo. Sr. Dr. Antonio Jorge Dias
Natal Hotel
Rio de Janeiro, 1 de Outubro de 1951
Rio

15Excelentíssimo Senhor:

16Acabo de receber uma carta da Sra. D. Oneyda Alvarenga, Diretora da Discoteca Publica do Departamento de Cultura da Prefeitura do Município de São Paulo, pela qual eu vim a saber ter se mudado essa Repartição da Rua Florencio de Abreu (endereço que lhe forneci no sábado para a Avenida Brigadeiro Luís Antonio 278 – 6º e 7º andar, São Paulo.

17Apresso-me a cientificá-lo do fato para que não haja extravio em sua futura correspondência com D. Oneyda. Infelizmente não possuímos serviço de Correios tão bem organizado que nos permita confiar em sua fidelidade de entrega mesmo em se tratando de mudança de endereço de Repartição pública. Aproveito a oportunidade para lembrar-lhe que, por intermédio dessa mesma Senhora, poderá o Sr. obter a remessa periódica da “Revista do Arquivo Municipal de São Paulo”, publicação excelente que por certo muito o há de interessar.

18Conhece a edição “Brasiliana”, publicada pela Cia. Editora Nacional coleção de obras exclusivamente sobre assuntos brasileiros? Dela fazem parte a “Rondônia” de Roquette Pinto, “O Selvagem”, de Couto de Magalhães, as obras de Arthur Ramos etc. É distribuidora a Livraria Civilização Brasileira situada à Rua do Ouvidor 102. Junto o endereço para o caso de interessar-lhe ter uma visão de conjunto dessa série brasileira.

19Desejo ainda informá-lo de que os dois trabalhos aos quais me referi sábado, recebidos da Alemanha, sobre etnologia musical africana, e que só ontem pude examinar, ainda que superficialmente, são da autoria do Dr. Friedrich Hornung de Hannover-Linden – Alemanha, e se intitulam respectivamente – Die “imborivungo” – (instrumento musical dos Tiv, tribo negra da Nigéria, que habita a região banhada pelo rio Benue, afluente do Niger) e – Die Musik der Tiv – em que estuda a terra e o povo, suas relações com outras tribos e outros povos e, particularmente, sua música: Escalas, melodia, ritmo e estrutura. Não são grandes os trabalhos. Em meia hora podem ser lidos os dois.

20Como o Sr. se interessa pelo assunto, caso deseje passar os olhos por esses estudos poderei levá-los comigo amanhã à tarde para a Escola Nacional de Música, onde deverei estar às duas horas. Peço-lhe apenas o favor de avisar-me pelo telefone, se estiver interessado, para que eu saiba se devo ou não levá-los, porque estão em minha casa. Aliás, também poderei levar-lhes amanhã pela manhã, pois, sendo a véspera da sua partida, o Sr. há de ter a tarde totalmente ocupada. Sou madrugadora, amiga dos portugueses e considero um privilégio poder servir. Escolha livremente o horário que melhor lhe convier.

21Para seu governo, em caso de qualquer aviso, informo que estarei em casa hoje à noite e amanhã até ao meio dia.

22Reiterando o prazer que tive em conhecê-lo e permanecendo inteiramente ao seu dispor no que puder ser útil, subscrevo-me.

23Atenciosamente,

24Henriqueta Rosa Fernandes Braga

*

2521/08/1952
Exmo. Sr. Dr Antonio Jorge Dias.
Universidade do Porto. Portugal.

26Excelentíssimo Senhor:

27Em Novembro do ano passado, por ocasião do regresso de uma amiga à Portugal, tomei a liberdade de enviar-lhe, por seu intermédio, alguns discos de música artística brasileira, por não ter tido a oportunidade de fazê-lo ouvir, quando de sua permanência no Rio, se não temas de música folclórica. Tive, porém, o cuidado de juntar uma carta em que lhe pedia licença para tal cometimento e explicava não tratar-se, infelizmente, da mais representativa música brasileira, porque a minha escolha teve de limitar-se ao que pode ser encontrado gravado, no momento.

28Acontece, porém, que esta amiga voltou agora ao Brasil. Contou-me, então, que não tendo ido ao Porto, como esperava, (ela reside em Lisboa) pedira ao marido para providenciar a remessa do pacote, o que este fizera logo antes de partirem ambos para a ilha da Madeira, por ocasião do Natal. E perguntou-me se tinha recebido qualquer notícia da sua chegada ao destino. Respondi-lhe que não, mas que, realmente, o envio não tinha resposta e, tendo sido entregue em mão, havia a certeza de se não ter extraviado. Com viva surpresa de minha parte, pediu-me ela, agora que lhe escrevesse estas linhas, porque soubera não lhe ter chegado às mãos a carta que eu juntara aos discos, calculando que o extravio se tenha dado ou na alfândega, ao abrirem o pacote para o visto, ou ao passar de portador para portador.

29Realmente, há de lhe ter parecido estranho e bem pouco atencioso receber os discos sem uma palavra do remetente. E, no caso, além disso, esse não dispensava umas linhas explicativas. Lamento o ocorrido. Queira desculpar.

30Prometeu-me a Sra. D. Oneyda Alvarenga, diretora da Discoteca Pública Municipal do Departamento de Cultura de São Paulo, enviar-lhe todas as publicações da Repartição que dirige, inclusive o “Catálogo ilustrado do Museu Folclórico”, que lhe mostrei na Escola Nacional de Música e que, segundo me pareceu, particularmente o interessou. Tem recebido essas publicações?

31Encontra-se atualmente no Rio, tendo dado um Concerto de suas obras na Série Oficial da Escola Nacional de Música, o compositor português Eurico Thomaz de Lima. Conhece-o? É da ilha de São Miguel, mas vive no Porto há vinte anos. Foi aluno de piano de Vianna da Motta. É bom pianista e pareceu-me conhecedor da técnica de composição, embora só tenha apresentado peças de curto voo. Executou, de sua autoria, uma Sonatina muito bem feita e números bastante interessantes baseados em temas portugueses, como por exemplo a “Morna” (de Cabo Verde), Três danças negras (de Angola) e o “Coral alentejano”. Sente-se, na “Morna”, muita afinidade com a melodia brasileira citadina, sobretudo no caráter nostálgico e no elemento sincopado, já agora, tão nosso.

32Tenho a agradecer-lhe a atenção de um Postal, recentemente enviado de Nova-York, e, de Novembro do ano passado, uma generosa carta, em que acusava o recebimento de um recorte contendo um artigo de Jaime Cortesão. Muito obrigada.

33Dr. Renato Almeida acaba de regressar da Europa, via Portugal.

34Encontrou-se com ele?

35Esperando que uma nova incumbência oficial outra vez o traga à Terra brasileira ou que escolha o nosso país para uma vilegiatura, em companhia de sua Exma. Família, à qual teremos imenso prazer em conhecer, subscrevo-me.

36Com os meus cumprimentos e mui atenciosamente,

37Henriqueta Rosa Fernandes Braga

*

38Rio de Janeiro, 30 de março de 1960.
Ilmo. Sr. Dr. Jorge Dias
Av. Carlos Silva, 26
Oeiras (Lisboa) Portugal

39Prezado Amigo:

40Cordiais Saudações.

41Regressando ao Rio após dois meses e meio de ausência, vim encontrar, entre a correspondência acumulada, sua estimada carta de 12/II/60, que me proporcionou o prazer de notícias suas e a oportunidade, sempre agradável, de poder servir.

42Lastimo, apenas, o involuntário retardamento desta resposta. Espero que a bibliografia anexa ainda possa ser útil. Penso, entretanto, que ela não lhe apresentará novidade.

43Por ocasião do III Congresso Nacional de Folclore realizado em Salvador BA, em 1957, como parte integrante das realizações, houve uma apresentação de capoeira por dois famosos grupos baianos: um, que se ufanava de permanecer fiel à tradição; outro, que se gloriava de cultivar a capoeiragem ao sabor da época. Este confronto foi muito interessante. A destreza dos capoeiras é assombrosa, constituindo verdadeira virtuosidade. Como essa dança é acompanhada de execução de berimbau de arco, foi excelente oportunidade para que os delegados do sul, não afeitos a esse instrumento, pudessem apreciá-lo.

44Pena que foi o que o Sr. não tivesse comparecido a esse Congresso, nem ao que se realizou em 1959, em Porto Alegre R.S. Compreendo não ser possível estar presente em todos os congressos, e reconheço que os brasileiros, por seu temperamento fogoso e às vezes rude (embora boníssimos no íntimo), não são de molde a saber cativar a simpatia dos seus colegas estrangeiros. (O termo “estrangeiro” não vai aqui bem empregado em se tratando de portugueses, aos quais nunca se poderá aplicá-lo, pois, entre nós, estarão sempre em sua própria casa!) Não sei se com ou sem acento, tive a vaga impressão, no Congresso Internacional de Folclore realizado em São Paulo SP, que alguma coisa o chocava e que, provavelmente, se absteria de participar de futuros congressos realizados no Brasil. Ter-me-ei enganado? Posso afirmar-lhe, contudo, que os brasileiros, embora rudes, tem alma sensível e são prontos em reconhecer e lastimar sua falta de polidez. Se algo durante sua última estadia entre nós foi diferente do que deveria ser, estou certa que à impetuosidade tropical reverte toda a responsabilidade. Esperamos continuar a honrar-nos com a sua presença em futuros conclaves.

45Desejando-lhe, e aos seus, muita saúde e completa felicidade, subscrevo-me.

46Atenciosamente, e sempre ao seu dispor,

47Henriqueta Rosa Fernandes Braga

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search