Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Gioconda Mussolini

Texte intégral

1São Paulo, 17 de Janeiro de 1955
Meu muito caro Jorge Dias:

2Li sua carta tantas vezes, a ponto de quase sabê-la de cor. É como se, na perspectiva desses meses de ausência e de saudade, cada pormenor dela se transformasse num “por maior” significativo a evocar um aspecto de você, uma faceta de sua personalidade rica e complexa. Ou diria melhor: completa? Complexa pode dar ideia de caótico, ininteligível, inacessível… e não é nada disso que sinto a seu respeito. Sinto-o, isto sim, como uma pessoa sem pontos cegos; um espírito insubmisso (não sei porque, não gosto de aplicar este termo a você) a qualquer limitação que queira cortar-lhe o voo; suave e doce quando as pessoas lhe despertam a afeição e lhe merecem a consideração, “durão e bravo” quando se afastam do humano e o chocam com sua vaidade, pretensão e mesquinharias… [Você não acha que tenho razão para gostar de insubmisso? Afinal, é uma palavra que soa bem melhor que nobre no estágio atual do desenvolvimento da humanidade!]

3Vou, assim, passando através de sua carta, mergulhando naquele mundo de sensações que você me transmite, procurando reconstruir e sentir, em cada ponto, uma área diferenciada de sua personalidade: afinal, encontro de tudo. Nem sequer lhe falta um encantador vigor físico, fator indispensável para se poder sentir, na própria pele, o que de mal façam a nossos semelhantes, para se poder amá-los, para se evitar a auto retirada, para dentro da próprio concha, numa atitude de mera observação passiva… Vou, desta maneira, passando dos 26 elefantes à rainha e à primeira herdeira, de seus sonhos juvenis e românticos, presos às fantasias de um príncipe consorte (e como é maravilhosos isso: viver, viver intensamente sem nunca fechar nenhuma porta de acesso a um lado especial da vida!), à sua repulsa humana, digna e simpatética à mesquinharia do banco atacado ao delírio de acumular coisas materiais, como se, com isto, adquirisse a segurança interna que lhe falta; do microcosmo de seu lar feliz, quente e amigo (é inverno, os fogões acesos, os livros espalhados, há paz e expressões de saudade) ao macrocosmo da porção de terras que conheceu, nas quais deixou um pouco de você mesmo no que deu aos amigos que conquistou e das quais levou também um pouco deles na medida em que eles sentem que nada que afete a você, de bom ou de mau, lhes poderá ser indiferente… Tudo isto é você: colho as impressões porque m’ as transmite de forma tão viva, que chego a ter a sensação de presença física. Chego a ouvir a sua voz: “A menina já estaria aí?”, “Giovana, quer ir ter aqui ao hotel para irmos a um cinema?”, “Leva-me a algum sítio”, “Fica engraçada com esta figuinha”… Ouço-lhe a voz, como a ouvi ao ler a sua carta. E tudo me dá saudade. Mas a saudade maior é daquele aspecto tão seu que fez com que nunca a gente se sinta só em sua presença: é só embarcar numa direção para se sentir prontamente acompanhada. Os diferentes tipos de risada que você dá nas diferentes horas, seu ar preocupado e concentrado, às vezes, em oposição aquele ar quase infantil de abandono, outros. E a gente sente que não existe à porta de sua alma uma tabuleta com o “no transpassing”: a gente vai entrando, você deixa, nos conduz pela mão, há sempre lugar para os amigos se acomodarem…

4Mesmo tendo o lado negativo de tornar ainda mais viva a saudade daqueles dias em que conversamos tanto, como dois velhos amigos (quase diria eternos, porque se torna difícil saber como se era antes) sua carta me fez reviver aquele bem estar que se sente sempre que se experimenta a sensação de ter chegado bem perto de alguém, de ser entendida, de não precisar se policiar nos mínimos detalhes. E eu fico admirada, a posteriori: como pudemos ter nos encontrado duas vezes antes sem nos termos conhecido? Que aconteceu? Temos tanto em comum (vaidosa não?) que me parece estranho que não o tivéssemos estado de relance.

5Também para mim o atribulado ano de 1954 trouxe, entre outras coisas agradáveis, a sua amizade que foi, sem dúvida alguma, o melhor presente dos céus. Infelizmente, como diz você, temos que nos contentar com uma ou outra carta, “para manter aceso o fogo sagrado”. Já é alguma coisa, mas tenho sempre a sensação, no que me toca, que uma carta sempre simplifica e banaliza o que quero, o que tenho a dizer. Por isso, embora, de um lado, adore escrever a meus amigos, de outro, sinto-me desajeitada como se precisasse de recursos especiais para dar, de um golpe, aquele mundo de impressões e sensações que eles me motivam e do qual só posso expressar uma dimensão de cada vez. Sou tão pouco aristotélica! Minha esperança é de que possamos um dia conversar de novo. Seria ótimo que fosse por aí: na sua velha Coimbra, digna, assentada, calma, realizada, cheia de doçuras de um equilíbrio conquistado como tempo, na sua Coimbra, enfim, que também tem um cantinho reservado em sua alma. E ela me seria a porta de entrada da Europa que tanto desejo conhecer: do próximo ao remoto, daquilo que está mais perto do meu coração, aquilo que a curiosidade me instiga a ver. Não seria uma coincidência começar por “nosso” Portugal, pois não? Você me tomaria pela mão para ensinar-me a nadar pela Europa; me diria: “Devagar, não tenha pressa, não precisa correr… olhe e veja, descanse o corpo e alimente o espírito com tudo isso!” Mas, na sua amabilidade proverbial ou melhor, no seu alto senso humano, incontestável com qualquer parcela do todo, mesmo que se trate da melhor, acrescentaria: “Veja como nossos países se completam! Este, é o pano de fundo do passado; aquele, a projeção do futuro! “E eu creio que até mesmo as línguas europeias que me causam medo (medo não poder me comunicar como eu desejo, de ter que bitolar-me dentro de um vocabulário pobre e mesquinho) deixariam de ser espantalhos: seria como se todos falassem a mesma língua, como nós dois... Ajudar-me-ia, enfim, a dar os primeiros passos, apresentando-me ao “seu mundo”, às pessoas que ama e estima e que já estimo também,, como se as conhecesse.

6Minha esperança de ir à Portugal por ocasião do III Colloquim é grande. Temo apenas que o Schaden queira ir ao Congresso de Philadelphia mais ou menos na mesma época e me coloque de quarentena na Faculdade [em setembro, estamos em plena atividade, no clímax]. Mas ainda há tempo para pensar e resolver. Até lá, escreva-me sempre! Mal pode avaliar o quanto me dar prazer receber uma carta sua! Aos amigos, porém, não se deve fazer exigências, nem mesmo nesta ordem; escreva-me, pois, sempre que tiver disposição e tempo para fazê-lo.

7Retribua à sua senhora os cumprimentos que me enviou e transmita-lhe meus votos de um ano novo cheio de venturas, extensivos à família toda. A você, um abraço bem grande e amigo, toda a minha saudade.

8Gioconda

*

9São Paulo, 2 de junho de 1957

10Meu muito caro amigo Jorge Dias:

11Há tanto estou para lhe escrever!…

12Talvez fosse a expectativa de que em resposta à sua última carta, tão cheia de conforto e calor humano e amigo, eu lhe devesse falar num dia muito especial, com todo o coração, cheia de gratidão, que me tivesse feito esperar “por mim mesma”, você compreende? Mas me tenho sentido um pouco cansada, cheia de trabalho, nem sempre naquele “clima” interior que gostaria de comunicar a você, de sorte que resolvi escrever-lhe hoje adiando para outro dia a outra carta. Ela irá depois, talvez logo, prometo.

13Tenho recebido notícias suas por intermédio do Florestan e por você mesmo soube de sua ida a Lisboa. Fiquei contente pelas oportunidades excelentes que está tendo e pelo fato de não se ter arrependido de trocar (para mim Lisboa, Coimbra, Porto… tudo me soa como encantos que eu gostaria de conhecer e saborear. Mas você vive aí e sabe qual lhe convém mais para toda a ordem de seus sutis ajustamentos). Por essa altura, como vão os trabalhos e a vida em geral? Dê-me notícias, que sempre vibro com elas e, de certa forma, me realizo vicariamente através de sua atividade científica e de seu senso de vida: espalhar-se pelo mundo criando lastro afetivo, amando povos muito diferentes, vivendo-lhes as sutilezas e os problemas, enfim vivendo “você mesmo”.

14Como gostaria que todas essas impressões fossem trocadas a viva voz e que eu pudesse reagir, espontaneamente, aos estímulos do momento, entremeando o que você me fosse contando com a minha pequena experiência pessoal e dando a tudo aquela profundidade sincera que só a presença cria! Porque na verdade, tenho saudade de vê-lo e ouvi-lo.

15Fiquei, por isso, muito comovida quando recebi o convite da Comissão Organizadora do III Colóquio para participar dele. Você mal pode calcular a emoção que senti: Lisboa, sobretudo, Jorge Dias (no seu mundo amado, na sua [?]. Mas… (há sempre um mas) não me vai ser possível ir. Como você sabe temos mais de 30 aulas por semana e somos apenas o Schaden e eu (e no momento, uma auxiliar extranumerária que ajuda ao Schaden nos seminários) para dar conta das mesmas. Se fosse em novembro ou dezembro (embora, é claro, eu saiba da beleza que deve ser Portugal em setembro e do motivo da escolha da época) daria um jeito. Ser-me-ia muito mais fácil, inclusive pedir a um colega que me substituísse nos exames.

16Toda a minha hesitação e desespero se traduz na demora com que vou responder ao Sr Manuel Cordeiro de Ferreira sobre a minha impossibilidade de ir.

17Por que não tenho eu a sua força, a sua fé, a sua vontade? A esta hora teria dado um jeito, teria descoberto uma forma certa (e não menos digna que a de ficar), a forma certa de viver as coisas no justo momento sem deixar um “haver” para lamentações e frustrações. E quando eu teria que aprender ou melhor, adquirir. Viria, estou certa, com a alma mais leve, com mais vontade de fazer as coisas… Mas…

18Diga-me alguma coisa. Console-me, pois estou precisando disso. Não tenho sequer vontade de continuar. Muita saudade da amiga Gioconda.

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search