Version classiqueVersion mobile

Cartas do Brasil: Correspondência de Antropólogos e Folcloristas Brasileiros para Jorge Dias (1949-1972)

 | 
Ana Teles da Silva

Correspondentes e cartas

Gerardo Carvalho

Texte intégral

1Rio de Janeiro, 5 de junho de 1972
Prezado Prof. Dr. Jorge Dias

2Estimado Mestre e Amigo,

3Desejo inicialmente agradecer ao prezado Mestre a gentileza da oferta do maravilhoso catálogo que fez imprimir para a Exposição “Povos e Culturas” que ora se realiza em Belém. Junto com o espetacular cartaz que ornamenta agora o quadro à entrada da minha sala de aulas e cuja fotografia por certo o Carreira lhe mostrará, o catálogo tem sido admirado neste Museu pelos seus quase cem funcionários, desde o Diretor até ao mais novo aluno do Curso e por isso mesmo ando sempre de olho nele. Para mim, além dos preciosos autógrafos da folha de guarda, ele contém uma série de informes precisos e preciosos, desde a lição que nos dá na Introdução o nosso estimado Dr Ernesto até a Bibliografia que não deixa de ser uma boa ajuda. Como sempre lhe disse raros são os nossos museus que contêm no seu acervo boas e numerosas peças africanas. Para nós ele vale como um manual prático, perfeitamente comparável ao da Exposição de Zurich dentro da área que abrangeu, é lógico, e com a inestimável vantagem de não precisarmos andar, volta e meia, de olho no dicionário. E todos nós, brasileiros, nos sentimos muito honrados em ver o nome do nosso País abrindo essa longa lista de mais de 600 peças e da qual ocupamos mais de 10%.

4O nosso atual Diretor, Prof. Gerardo Câmara, que veio de Petrópolis, onde era Vice-Diretor do Museu Imperial, aceitou de início a minha sugestão no sentido de, em nível ministerial, e pela via que mais conveniente for, promover o convite do Ministério do Ultramar para que, em futuro próximo, não só os meus patrícios cariocas mas ainda paulistas, gaúchos, baianos e outros mais, dentro das possibilidades, possam admirar ao menos uma parte desses tesouros expostos na Galeria Nacional de Arte Moderna. E já que o Brasil foi o primeiro no catalogo é justo que nos candidatemos a sermos dos primeiros a ver tanta coisa bonita e valiosa.

5Não resta dúvida que, antes de tudo, precisamos contar com o seu apoio. Este é o Ano do Sesquicentenário e por essa razão acredito que tudo se tornará mais fácil. Desde que voltei do primeiro estágio que aí fiz em 1967 venho pensando nesse assunto; muitas vezes escrevi a propósito ao Carreira e creio, mesmo, que já lhe falei a respeito quando aí voltei numa das duas vezes, em 60 e em fins de 70. Se for possível concretizar a ideia ficarei muito satisfeito com isso; muitos milhares de brasileiros poderão ver um pouquinho desse imenso patrimônio contido nesse lindo palácio Vila-Flor que é o “meu museu” na Europa. (Todo museólogo brasileiro tem o “seu museu” na Europa, sabe?).

6Penso que essa seria, também, uma ótima oportunidade para fazer vir a esta terra os dois companheiros do Centro que ainda não a conhecem, o Quintino e o Benjamim, como justo prêmio do trabalho que tiveram. E, com isso, eles terão, sem dúvida, mais trabalho…

7Ao terminar desejo agradecer-lhe, ainda, o acolhimento dado à minha ex-aluna Lais Scuotto que, no ano passado, tomei a liberdade de indicar para estágio aí no Centro. Pelo que me escreveu parece entusiasmada com o trabalho e faço votos aprenda tanto quanto tive a oportunidade de aprender com tanta gente boa e amiga.

8Pedindo-lhe mais uma vez seu precioso apoio para a pretensão da equipe do Departamento de Antropologia do Curso de Museus de apresentar aos museólogos e ao público do Brasil a preciosa coleção do Museu Etnológico do Ultramar e rogando-lhe apresentar a Exma. Sra. Dona Margot meus respeitosos cumprimentos, envio ao prezado amigo e Mestre um cordial abraço.

9Gerardo Carvalho

© Etnográfica Press, 2021

Licence OpenEdition Books

Acheter

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search